Roberto Lima pede demissão da Capitania das Artes

Informações extra-oficiais confirmam a saída de Roberto Lima da presidência da Funcarte. Os cargos comissionados da instituição estão apreensivos. Todos confirmam o “boato”, mas ninguém oficializa a notícia, mesmo porque a prefeita Micarla de Sousa se encontra em casa, em repouso absoluto por recomendação médica. E Roberto Lima está de licença médica há uma semana e incomunicável. Ele sofre com problemas no nervo ciático e está com dificuldade de locomoção.

A informação é de que Roberto Lima teria ligado na noite de quarta-feira para a prefeita pedindo a demissão. “Não se sabe se ela aceitou ou se agendou uma conversa para tratar do assunto, mas parece que houve esse pedido”, disse o chefe do Departamento de Projetos Culturais, Edson Soares. O assessor de comunicação da prefeitura, Gerson de Castro, negou: “A prefeita não atendeu ninguém ontem em razão de problemas de saúde”.

Edson Soares disse que chegaram a ligar para seu celular já com a notícia da demissão decretada e já tratando do substituto: “Me perguntaram se eu apoiava o nome de Rodrigues Neto para reassumir o cargo. Eu até disse que não, porque seria ruim pra ele, pela descontinuidade das ações”, disse Edson. O jornalista Rodrigues Neto foi o segundo gestor da pasta, após demissão de César Revorêdo e depois cedeu lugar a Roberto Lima, há um ano.

O marido da prefeita, Miguel Weber, também teria confirmado à produtora Cristina Medeiros, da Funcarte, a saída de Roberto Lima. “Ele ligou pra Cristina para tratar de outro assunto, ontem (quarta-feira). Ela aproveitou para perguntar se o boato da saíde de Roberto Lima era verdade e Miguel Weber confirmou”. Edson Soares disse ainda que Roberto Lima andava muito chateado com a falta de condições de trabalho na Funcarte, já demonstrado em matéria publicada há três semanas em O Poti.

Fonte: Diário de Natal

Do Blog: É grande o movimento nos bastidores de amigos de Rodrigues Neto que estão na Prefeitura para que ele volta a assumir a Presidência da Capitania.


Roubaram as fantasias do Auto do Natal de dentro da Capitania das Artes

Novo Jornal

OS PRODUTORES DO espetáculo Auto do Natal foram surpreendidos com o roubo das fantasias usadas na montagem do ano passado.

Praticamente 80% das peças do figurino desapareceram de uma sala da Capitania das Artes. Com 70 artistas, 123 integrantes do coro e seis contrarregras fantasiados, o saldo do roubo se aproxima de 160 figurinos, incluindo os principais da peça, tratados como obras de arte.

Nos sacos, onde as roupas estavam guardadas, os responsáveis pelo furto deixaram apenas papel picado.

O roubo foi percebido no início da tarde de terça-feira (01), mas só veio a público ontem à noite, após uma produtora cultural levantar o assunto no Twitter.

Os figurinos estavam guardados desde a edição 2010 do auto; foram lavados e armazenados em sacos plásticos pretos.

A produção do espetáculo pretendia checar o estado das peças, fazer consertos e alguma modificação.

Agora, vai ter que refazer tudo. “Eu ainda estou meio em estado de choque. Não só pelo valor do trabalho, do investimento, mas pelo valor artístico das peças.

Os figurinos principais são verdadeiras obras de arte”, lamenta a diretora artística do Auto do Natal, Diana Fontes – alguns figurinos têm a assinatura de Isaque Galvão e Ricardo San Martine e foram feitos a mão.

Ela acredita que os responsáveis pelo furto são pessoas que tinham acesso à Capitania, já que nenhuma porta foi arrombada. “Às vezes eu perguntava pelos figurinos, outras vezes olhava os sacos e eles estavam lá na sala.

Nunca ninguém imaginou que isso fosse acontecer. E ainda mais trocar as roupas por papel picado”, fala, sem esconder a indignação.

Segundo Diana, o Auto do Natal 2010, de acordo com uma pesquisa encomendada pela Prefeitura, teve aprovaçãode 97% dos expectadores.

Tão alta que os mesmos profissionais responsáveis pela montagem foram convidados para produzir o espetáculo este ano.

Para confeccionar mais de 150 figurinos a diretora artística pretende dobrar o número de costureiras, de cinco para dez; o trabalho começa já na próxima segunda-feira.

De acordo com ela, o presidente da Fundação Capitania das Artes, Roberto Lima, que estava com o telefone fora de área, prometeu medidas rigorosas para descobrir os responsáveis pelo furto. “Eu não tenho ideia como os Figurinos podem ter saído de lá, mas devem ter sido desmanchados. Você fica triste, mas, se Deus

quiser eles vão apurar e descobrir o que aconteceu. A minha função agora é ter calma e dizer, vamos fazer tudo de novo”. Com a demolição do Machadão, o Auto do Natal vai ser encenado no Largo Dom Bosco, em frente ao Museu de Cultura Popular, na Ribeira. Serão quatro apresentações, nos dias 21, 22, 23 e 25 de dezembro.