Geral

Cientistas da UFRN recebem do INPI o patenteamento de nova tecnologia inovadora que promete ser mais uma alternativa para o diagnóstico do câncer e de doenças inflamatórias crônicas

 Fotos: Cícero Oliveira – Agecom/UFRN

Um grupo de seis cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu, na quarta-feira passada, dia 8, do Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (INPI), o patenteamento de uma nova tecnologia inovadora que promete ser mais uma alternativa para o diagnóstico do câncer e de doenças inflamatórias crônicas. O dispositivo que recebeu o registro consiste em utilizar anticorpos altamente específicos direcionados para alguns elementos celulares, chamados de “marcadores”. Essas substâncias são então combinadas com uma molécula fluorescente, situação que permite a visualização das células cancerígenas em um microscópio de fluorescência, por exemplo.

“Esse marcador pode ser uma proteína pró-inflamatória, uma proteína de superfície celular que permita identificar determinada célula, e pode ser alguma proteína específica produzida por esta célula em contextos diversos. São inúmeras as possibilidades. No estudo do câncer, por exemplo, a técnica nos permite identificar quais células estão envolvidas tanto no combate, como também na progressão do tumor, identificar a origem de tumores metastizados, bem como a forma com que essas células atuam, além de nos permitir visualizar algumas das mudanças que as mutações do câncer geram nas células”, pontua Vinícius Barreto Garcia.

Aluno de doutorado do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPgCSa), ele idealizou, executou os experimentos e escreveu o pedido de patente. No estudo, os pesquisadores usam a técnica da imunofluorescência, ferramenta valiosa para se compreender como as nossas células e órgãos se comportam durante determinada doença e como ambos respondem a tratamentos. O uso do termo valioso não é à toa: como técnica de ponta, a imunofluorescência depende de reagentes caros – especificamente nesse caso, os anticorpos associados ao fluoróforo, partícula fluorescente.

Vinícius explica que a técnica utilizada é também resultado da procura por uma alternativa mais barata, que pode ser produzida pelo próprio laboratório na UFRN, e cujos resultados sejam equivalentes à técnica padrão já consolidada. “Pesquisadores no Brasil frequentemente são expostos a situações em que eles têm que ‘fazer mais com menos’, e nossa invenção é um retrato disso”, frisa o estudante. Na pesquisa, o grupo substituiu o anticorpo associado ao fluoróforo por nanopartículas de ouro. A partir daí, desenvolveram dois protocolos para viabilizar a execução da técnica não só em período padrão (de em torno de 35 horas), como também num protocolo mais curto, de 16 horas. As nanopartículas de ouro possuem propriedades físico-químicas únicas, permitindo a sua interação com membranas e, consequentemente, as suas aplicações biomédicas.

Barateamento e rapidez

“O nosso invento torna a técnica de imunofluorescência mais barata e rápida. Isso é bastante interessante, tanto para a pesquisa acadêmica, como para o diagnóstico. Na época em que estávamos desenvolvendo esses protocolos, a imunofluorescência padrão para 100 amostras nos custava em torno de 6 mil reais e demandava um tempo de 35 horas, enquanto os protocolos com nanopartículas de ouro nos custavam em torno de 2 mil reais e podemos utilizá-las mesmo em protocolos mais curtos, de 16 horas”, explica Raimundo Fernandes de Araújo Júnior.

Atualmente desenvolvendo atividades acadêmicas na Holanda, o professor Raimundo Araújo coordenou os experimentos, cujos resultados pavimentaram parcerias com equipes da Europa e da América do Sul. O docente realça que a patente é fruto de um esforço conjunto entre o Laboratório de Investigação do Câncer e Inflamação (LAICI), que conta com professores do Departamento de Morfologia (DMOR), de Farmacologia (DBF) e do Instituto de Química. Dentro do grupo de inventores envolvidos, estão Ana Luíza Cabral de Sá Leitão Oliveira, Luiz Henrique da Silva Gasparotto, Heloiza Fernanda Oliveira da Silva e Aurigena Antunes de Araújo.

O LAICI, há menos de três anos, ampliou os testes da nanopartícula de ouro aplicada à imunofluorescência em tecidos parafinizados, o que resultou na publicação de um paper. No trabalho, além dos protocolos reivindicados na patente, foi criado mais um protocolo que consiste já na utilização do anticorpo com fluoróforo em conjunto com as nanopartículas. Como consequência, as nanopartículas mostraram-se como potencializadores da fluorescência emitida pelo fluoróforo do anticorpo, permitindo, assim, que o anticorpo fosse utilizado em uma diluição bem maior quando associado às nanopartículas de ouro.

“Consideramos que a tecnologia já está plenamente desenvolvida, pois foi toda pensada para se adequar à realidade do nosso próprio laboratório. Assim, para as nossas pesquisas, ela já é plenamente executável, e também pode ser para qualquer laboratório que utilize imunofluorescência em seus estudos. Mas, sem dúvidas, sempre há espaço para aprimoramentos. Tudo vai depender do tipo de aplicação a que essa tecnologia será destinada”, explica Raimundo.

“A necessidade é a mãe das invenções”

Da monitoria do componente Histologia, no segundo semestre da graduação, a biomédico formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde (2017), aluno de doutorado do Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde e aprovado recentemente em concurso para docência, são menos de dez anos. O relativo pouco espaço temporal não impediu Vinícius Barreto Garcia de enxergar a ciência como instrumento de produção aplicada de conhecimento voltado para necessidades coletivas.

“No ensino médio eu tinha um professor que dizia que ‘a necessidade é a mãe das invenções’. Elaborar uma patente me permitiu vivenciar essa verdade. É um processo que te apresenta um problema que milhares de outros pesquisadores já conhecem, mas te obriga a pensar numa solução que nenhum deles pensou. Assim, ao ser um cientista-inventor, eu acabo tornando mais palpáveis algumas descobertas científicas que pareceriam um tanto abstratas para um leigo. Uma coisa é você dizer que descobriu um novo gene que está envolvido no processo de metástase. Outra é você apresentar para um paciente com câncer um medicamento inovador que pode frear esse processo, ou até curá-lo. Por isso, os programas de pós-graduação deveriam incentivar mais dos seus alunos a produção de patentes. Nos torna cientistas mais completos e diferenciados”, coloca o doutorando.

Refletindo, Vinícius vai um pouco além. Destaca o processo de patenteamento como item agregador, pois contribui para a relevância da Universidade diante a sociedade, sem falar da relevância para o aprimoramento das pesquisas e dos métodos diagnósticos. “Falando como estudante de doutorado, o processo instiga no aluno pesquisador o seu lado criativo e inventivo, além de ser um diferencial na nossa carreira. Todo aluno de doutorado deve produzir, pelo menos, um paper. Assim, ter artigos publicados é o mínimo que se espera de nós. Uns produzem mais, outros menos. Uns publicam em revistas com mais relevância que outros, mas, embora o esforço para publicar um artigo científico exercite muito o lado investigativo e questionador do pesquisador, esse é apenas um aspecto do valor que um cientista tem para a sociedade. O outro aspecto é a capacidade dele de resolver problemas, e foi isso que conseguimos com essa nossa patente”, finaliza.

Com UFRN

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEO: UFRN pede patenteamento de nova tecnologia para a construção civil

Foto: Divulgação/UFRN

A cidade é Jericó, no Oriente Médio. O ano é 7500 a.C. Nesse tempo e lugar, pesquisadores encontraram as primeiras informações a respeito do tijolo que se tem conhecimento. Estabeleceu-se como substituto da madeira e da pedra em regiões onde havia escassez desses materiais. Uma curiosidade desta época é que os tijolos eram unidos com a utilização de betume e palhas.

Na passagem brusca do tempo a respeito do conhecimento de diferentes técnicas da tecnologia da construção, chegamos a 2021, d.C, em Natal, cidade no Nordeste do Brasil. Um grupo de cientistas da construção civil desenvolve um bloco em terra semiensacado, estabilizado a partir da combinação de solo, manipueira e fibra de polietileno de alta densidade, sem a necessidade da utilização do cimento, o que repercute na diminuição do uso da água na construção civil. É um material com baixo custo e, por conseguinte, sustentável – segundo levantamento da US Green Building Council, a construção civil consome cerca de 21% de toda a água tratada do planeta.

Além de ser mais barato, Ana Lígia Pessoa Sampaio esclarece que o bloco propõe uma remodelação dos blocos em terra, associando-os ao desenvolvimento de uma formulação química à base essencialmente de solo e manipueira. Autora da dissertação defendida em 2020 no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PEC), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), estudo que deu origem à nova tecnologia, ela acrescenta que o propósito é obter um sistema construtivo inovativo de fácil absorção pela indústria, adaptável ao padrão de vida contemporâneo e que melhora o desempenho termoacústico do ambiente construído.

“Essa situação acontece em regiões que exigem sistemas construtivos com elevada massa térmica, como a Zona Bioclimática 07, que abrange boa parte do semiárido brasileiro, mas também trazendo benefícios para Zona Bioclimática 08, referente às áreas litorâneas, como comprovado nos resultados da dissertação. A ideia é que essa nova tecnologia possa ser utilizada como alternativa a qualquer técnica convencional, dando mais possibilidades aos projetistas e construtores de proporem ambientes mais confortáveis sem aumentar os custos”, destaca Ana Lígia.

Denominado Bloco em terra semi-ensacado estabilizado a partir da combinação de solo, manipueira e fibra de polietileno de alta densidade, o depósito do pedido de patente da invenção foi realizado no mês de março e tem também como autores os professores Wilson Acchar e Vamberto Monteiro, respectivamente da UFRN e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), instituição coautora do pedido.

Os cientistas frisaram que a fase de desenvolvimento do bloco já foi finalizada e há protótipos construídos há um ano com os blocos. Inclusive a pesquisa passará por uma espécie de complementação a partir de novos testes termoacústicos e de durabilidade para avaliação do comportamento do bloco às condições climáticas de Natal. “É importante frisar que há algumas invenções e técnicas que procuram resolver alguns dos objetivos citados no nosso trabalho, mas nenhuma atende às necessidades descritas, principalmente quanto à dificuldade de se atrelar conforto, materiais naturais, desempenho mecânico, facilidade de execução e estética flexível”, especificou Wilson Acchar.

A principal dificuldade de técnicas similares é se adaptar ao modelo vigente de construção no Brasil, às técnicas de nivelamento, ao acabamento e possibilidades de revestimentos, enfim, ao know-how dos trabalhadores da construção civil, que trabalham com tijolos e blocos rígidos, que possam ser produzidos em grande quantidade, transportados, e resistam a impactos para manuseio.

Wilson Acchar tem uma ampla experiência em pesquisas com aproveitamento de resíduos a partir da análise das suas estruturas e dos efeitos termodinâmicos da sua combinação com outros resíduos ou com os materiais convencionais. Exemplo é um outro depósito de patente realizado no segundo semestre de 2020 e que usava um resíduo da produção do sal para a fabricação de um tijolo ecológico, ou a carta patente concedida em 2019 para a fabricação de massas cerâmicas para pisos e revestimentos com adição de cinzas da casca do café . No caso deste novo pedido, a substância é um efluente do processo de lavagem da mandioca, a manipueira, substância tóxica em decorrência do teor elevado de ácido cianídrico e matéria orgânica.

Construídos no campus central, os protótipos estão em espaço disponibilizado pelo Centro de Tecnologia, unidade que contribuiu com materiais e a mão de obra – Foto: Cícero Oliveira – Agecom/UFRN

Vamberto Monteiro complementa que a substância já é utilizada para produção de tijolos ecológicos no Ceará e na Paraíba por alguns agricultores, mas ainda não havia sido testada em blocos ou sistemas que envolvem muita massa térmica. A proposição era testar a substituição total da água nesse processo, pois havia a hipótese de que a energia de compactação atrelada ao efeito agregador da manipueira eliminaria a necessidade do cimento na composição. “Saliente-se que a adição do cimento é benéfica em termos mecânicos, mas não essencial, pois reduz o efeito desagregador do solo seco e aumenta a resistência à compressão do bloco. No entanto, devido à elevada massa de cada bloco, as composições com cimento foram restritas a 10% e é sugerido o máximo de 20%”.

Um olhar curioso, um olhar social

O resultado do trabalho é um exemplo claro de pesquisa aplicada com amplo alcance social local. Ao ouvir os pesquisadores, percebe-se claramente que esse entrelaçamento não foi à toa. “Sou arquiteta e sempre tive interesse em construir usando o solo, mas as técnicas em terra ainda estão muito restritas a nichos e grupos de permacultura ou associadas à falta de recursos”, diz Ana Lígia. Segundo ela, a maior barreira nesse interesse é a falta de estudos tecnológicos que embasassem as técnicas a respeito dos aspectos da utilização propriamente, além de como “combiná-las” ao padrão e estilo de vida contemporâneos.

Foto: Cícero Oliveira – Agecom/UFRN

“Quanto aos processos construtivos, destaca-se a adaptação de uma técnica de baixa complexidade tecnológica, mas que vem sido deixada de lado nos estudos científicos devido a um estigma social que relaciona construções em terra à pobreza. Não menos importante, a clareza de que o Brasil possui oito zonas bioclimáticas, com parâmetros e recomendações distintas para as construções, fato esse importante inclusive ao se usar o sistema aqui proposto, no qual a manipueira atua como uma resina”, enumera a arquiteta.

Para a pesquisa, outro ponto essencial para o sucesso da criação da tecnologia foi a articulação de técnicas e teorias advindas de disciplinas diferentes, procurando envolver Engenharia Civil, Ciência e Engenharia de Materiais e Arquitetura. Atuando junto ao Laboratório de Propriedades Físicas e Materiais Cerâmicos (LaPFiMC), ela defende que para se resolver um problema estrutural — como é o caso da habitação no Brasil, a poluição decorrente da produção em larga escala do cimento e a grande quantidade de água exigida pelo setor da construção civil — “é necessária uma avaliação pelos mais diferente vieses”, realçou.

Foto: Pesquisadores/UFRN

Vitrine Tecnológica da UFRN

Para o diretor da Agência de Inovação (AGIR) da UFRN, Daniel de Lima Pontes, este depósito de pedido de patente é um exemplo de criação de produtos e processos que ajudam no desenvolvimento regional e econômico do país. “É também uma espécie de utilização dos resultados encontrados nas pesquisas científicas que geram produtos que atendem a demanda de um mercado específico, um mercado grande. Na UFRN, temos uma vitrine tecnológica com quase 300 pedidos de patente que podem ser fruto de parcerias publico-privadas, por exemplo, na qual os investidores podem ter vários benefícios ao associar-se à universidade, como o know-how e a expertise que nós detemos em vários âmbitos”, afirmou Daniel Pontes.

Os pedidos de patentes e as concessões já realizadas estão na Vitrine Tecnológica da UFRN, disponível para acesso no endereço: agir.ufrn.br, mesmo local em que os interessados obtêm informações a respeito do processo de licenciamento. Na UFRN, a Agência de Inovação (AGIR) é a unidade responsável pela proteção e gestão dos ativos de propriedade intelectual, como patentes e programas de computador. As notificações de invenção, passo inicial de todo o processo, são feitas mediante o Sigaa, por meio da aba Pesquisa. Em seguida, a equipe da AGIR entra em contato com o inventor para dar prosseguimento aos trâmites.

Com UFRN

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS: UFRN recebe patenteamento de fórmula cosmética inovadora com atividade hidratante a partir de planta da Caatinga

Foto: Reprodução/UFRN

Um novo produto hidratante, criado a partir de uma formulação cosmética inovadora e que contém como parte de sua elaboração o extrato de folhas de uma planta amplamente presente na Caatinga, foi patenteado por um grupo de cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O registro de propriedade intelectual foi concedido na última terça-feira, 17, pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) sob o nome “Composições cosméticas contendo Kalanchoe brasiliensis e seu uso como produto hidratante”.

“As composições cosméticas hidratantes patenteadas foram desenvolvidas tendo como ativo o extrato vegetal da Kalanchoe brasiliensis, manipuladas a temperatura ambiente o que representa facilidades de obtenção das formulações e redução no tempo do processo, fatos que impactam na redução de custo no processo, tornando-as mais viáveis comercialmente. Destaque também deve ser dado ao processo extrativo, que é facilmente escalonável e atende as expectativas não só do mercado consumidor de produtos cosméticos mas também a preservação ambiental, pois pode ser considerado um processo eco-friendly, ou seja, responsável com o meio ambiente”, afirmou Márcio Ferrari.

As formulações contendo o extrato de Kalanchoe brasiliensis podem ser utilizadas com ação hidratante, retendo água na pele e minimizando a perda de água para o ambiente, o que contribui para o processo de hidratação cutânea. Ademais, colabora na manutenção da proteção da barreira cutânea, um mecanismo envolvido no processo de hidratação capaz de reter, por exemplo, substâncias nocivas que estamos diariamente expostos. À conjunção destes fatores leva a uma consequente melhoria do aspecto da pele.

O uso de produtos cosméticos com o extrato da kalanchoe brasiliensis pela indústria cosmética pode trazer benefícios socioeconômicos para a população que cultiva a espécie. Foto; Divulgação/UFRN

Márcio Ferrari pontua ainda que o produto patenteado, para além de sua comprovação quanto à eficácia clínica hidratante, foi avaliado quanto a segurança para uso em produtos cosméticos e essas avaliações foram realizadas no Laboratório de Segurança e Eficácia de Produtos Cosméticos da UFRN. “Pode-se considerar que está no estágio de protótipo, no entanto, ainda em escala laboratorial, no entanto, estamos prospectando empresas de insumos e de produtos cosméticos para materializar essa invenção no mercado”.

O novo produto comprova cientificamente a viabilidade do uso de extrato vegetal da Kalanchoe brasiliensis, espécie conhecida como saião, coirama ou folha da fortuna e amplamente presente em regiões do Rio Grande do Norte. Mas não só aqui. “Ela não é endêmica do nosso bioma, ou seja, também está presente em outras regiões geográficas do país. Junto a essa característica, posso acrescentar o seu pequeno porte, fácil cultivo, crescimento rápido e fácil manejo. Com três meses já temos mudas com 30 a 50 centímetros e folhas suculentas, o que demonstra uma facilidade na obtenção da matéria-prima. Inclusive, há atualmente um plantio desta espécie na Escola Agrícola de Jundiaí, unidade da UFRN na cidade de Macaíba”, explicou Silvana Maria Zucolotto Langssner, pesquisadora envolvida no estudo.

Kalanchoe brasiliensis, espécie conhecida como saião, coirama ou folha da fortuna e amplamente presente em regiões do RN.  Foto; Divulgação/UFRN

Antes da pesquisa que deu origem à concessão da patente do produto, o grupo de pesquisa de Silvana já havia trabalhado com a planta em outras aplicações. A experiência facilitou a sua contribuição, sobretudo nos parâmetros tecnológicos para obtenção do extrato. Também integrante do grupo de inventores, Julia Morais Fernandes complementou que a planta é cultivada por propagação vegetativa, ou seja, espontâneas, a partir de pequenos brotos.

O extrato foi obtido com material vegetal fresco, sem a necessidade de passar por processos de secagem das folhas. “Além disso, o processo extrativo utiliza apenas etanol e água como líquido extrator, o que valoriza o extrato pelo uso de solventes não tóxicos. E o método de extração por turboextração é um processo rápido e bastante eficiente, o que é muito interessante em termos econômicos”, acrescentou Rayllan de Oliveira Rodrigues, que atualmente é farmacêutico em uma rede de farmácias. Na época mestrando, Rayllan realizou a execução do projeto e obteve os resultados para subsidiar a patente, foi orientado pelo Márcio e coorientado por Silvana.

Esta é a primeira patente do Departamento de Farmácia, bem como do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, com o projeto desenvolvido no Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos Cosméticos.  Foto; Divulgação/UFRN

Além dos três, a patente tem como inventores Elissa Arantes Ostrosky, que contribuiu no desenvolvimento da formulação, além de Gabriel Azevedo de Brito Damasceno e Stella Maria Andrade Gomes Barreto, os dois últimos, na época do depósito do pedido, eram pós-graduandos do Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, com participação nas avaliações da segurança do extrato e nos testes clínicos que comprovaram a ação hidratante.

Patentes na UFRN

Chegando agora a 25 cartas-patente concedidas, a UFRN se consolida como instituição protagonista em números da propriedade intelectual no Norte-Nordeste. Para o diretor da Agência de Inovação (AGIR), Daniel de Lima Pontes, esta concessão da patente é um exemplo de criação de produtos e processos que ajudam no desenvolvimento econômico do país e regional. Segundo ele, a UFRN possui, além das patentes concedidas, mais de 250 pedidos de patente em sua vitrine tecnológica, “aptas para parcerias público-privadas, por exemplo, na qual os investidores podem ter vários benefícios ao associar-se à universidade, como o know-how e a expertise que nós detemos em vários âmbitos”.

A AGIR é a unidade da UFRN responsável pelas orientações e explicações a respeito dos aspectos para patentear uma determinada invenção. Embora não esteja ocorrendo atendimento presencial, o suporte aos inventores é feito através do e-mail [email protected] “Temos percebido nos últimos anos que os professores estão com maior cuidado em proteger suas invenções através do patenteamento. Aqui na Universidade, eles contam com um cenário amplamente favorável, haja vista o suporte que a UFRN propicia neste processo”, afirmou o diretor. Sobre o patenteamento, Márcio Ferrari considera que, por concretizar uma carta patente, o processo possa incentivar os docentes e outros pós-graduandos a pensarem na proteção intelectual de suas pesquisas.

“É bastante importante pensarmos nessa perspectiva, pois vislumbra outras possibilidades além do artigo científico, como conhecimento sobre os processos de inovação acerca do projeto desenvolvido, potencial transferência e extensão tecnológica, introduzindo os produtos desenvolvidos nos laboratórios da UFRN para empresas e, consequentemente, o mercado, destacando o estímulo ao empreendedorismo”. Márcio Ferrari enumera benefícios como a relevância da experiência do desenvolvimento de uma patente para a formação do pós-graduando, fato que envolve outros elementos diferentes, tal qual a escrita de artigos científicos, “além do aprendizado ao responder as exigências realizadas pelos analistas do INPI”, finaliza.

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. Parabéns ao mestrando pela concretização do projeto que, vê conduzido pela equipe, em especial ao orientador, deu certo. Parabéns a IES.

    Sigamos… Saudações

  2. Será que serve para cara de pau ? Se servir manda imediatamente um carregamento para Tonho da lua . . ????

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *