Diversos

Carlos Ghosn reaparece no Líbano e se diz inocente de acusação de crimes financeiros no Japão

Foto: Reuters

Em sua primeira aparição desde sua espetacular fuga do Japão para o Líbano, o ex-presidente do conselho de administração da Nissan Carlos Ghosn se disse inocente e vítima de “uma campanha de difamação” ao conceder, na manhã desta quarta-feira, a sua esperada coletiva à imprensa em Beirute, a capital libanesa. No Japão, ele é acusado de malversação financeira e sonegação fiscal.

Ghosn, que deu declarações em inglês e, em seguida, falará também em francês e árabe, falou de forma exaltada, gesticulando e recebendo até tímidos aplausos da plateia quando agradeceu a acolhida no Líbano. Ele se disse vítima de um golpe na Nissan e citou nominalmente os executivos Hiroto Saikawa, Hitoshi Kawaguchi e Masakazu Toyoda como alguns dos que conspiraram contra ele.

Saikawa, que era um protegido de Ghosn, denunciou o executivo na noite da prisão e o sucedeu no cargo, perdeu o emprego menos de um ano depois envolvido em seu próprio escândalo por supostamente ter recebido bônus corporativos em excesso.

Hitoshi Kawaguchi era chefe de Assuntos Governamentais na Nissan e, por isso, um importante interlocutor entre a montadora e o governo do Japão.

Ghosn porém evitou citar autoridades japonesas que o tenham prejudicado:

– Posso citar nomes do (governo do) Japão, mas estou no Líbano e respeito a hospitalidade do Líbano e não vou dizer nada que deixe isso mais difícil. Vou manter silêncio a respeito dessa parte, não quero falar nada que vá prejudicar o governo libanês.

Em sua entrevista, Ghosn lembrou que ficou preso por 130 dias, sem ter sido levado a julgamento e sob pressão para fazer uma confissão.

– Há um ano declarei minha inocência. Passei por seguidos confinamentos solitários, fiquei seis semanas sem ter contato com a minha família. Foram 14 meses de sofrimento – relatou Ghosn.

O brasileiro, que tem também nacionalidades francesa e libanesa, chegou a dizer que se sentia “refém de um país”, numa referência a suspostos abusos que diz ter sofrido de autoridades do Japão.

Segundo o ex-executivo, ele passou por interrogatórios de até 8 horas por dia, sem o acompanhamento de advogados, e foi pressionado a confessar os crimes.

– Os procuradores diziam, e isso está gravado, “se você não confessar, vamos atrás de você e de sua família”. O único objetivo deste sistema (judicial) é obter uma confissão que não necessariamente tem relação com a verdade.

Ghosn lembrou que a taxa de condenação no sistema judiciário japonês é de 99,5%, com índices mais altos para estrangeiros. E voltou a afirmar que não fugiu da Justiça, mas sim de perseguição política.

O executivo alegou ainda que sofreu uma campanha de difamação de “indivíduos vingativos na Nissan”. Atribuiu sua prisão à disputa de poder no comando da Nissan, enquanto o processo de integração com a Renault era conduzido. Ele foi o arquiteto da aliança global entre as montadoras japonesa e francesa.

Ghosn lembrou que a França aumentou seu poder no conselho do grupo e os japoneses se ressentiram por não ter os mesmos direitos na parceria.

– Eu fui CEO da Nissan por 17 anos, porque eu era Carlos Ghosn, eu tinha performance, eu tinha resultado, a empresa pagava dividendos, tinha dinheiro. Em 2017, começou um declínio na empresa e a responsabilidade foi atribuída a mim. Havia um nervosismo por parte da cúpula da administração – relatou.

Em seguida, acrescentou:

– Alguns dos japoneses acharam que a única maneira de ter influência sobre a Nissan era se livrar do Carlos Ghosn.

Quando Ghosn assumiu a gestão da Nissan, vindo da Renault, a montadora japonesa tinha acabado de fazer uma aliança com a francesa após quase ir à bancarrota. Seu sucesso à frente do grupo fez de Ghosn um herói no Japão, onde virou até personagem de mangá.

Ghosn era peça-chafe na aliança Nissan-Renault, que depois incorporou a Mistsubishi, em 2016. No entando, os bônus corporativos em excesso acabaram causando desconforto, sobretudo no Japão, onde a cultura empresarial não prevê pagamentos exorbitantes aos gestores.

O ressentimento entre os japoneses aumentou após uma reestruturação societária que levou a Renault a deter 43% da Nissan, enquanto a japonesa ficou com apenas 15% da montadora francesa.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Fenômeno meteorológico reaparece e pancadas de chuvas em todas as regiões do RN devem ocorrer entre esta terça e quinta; veja previsão

Reprodução: Emparn

Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte(Emparn) destaca retorno da Zona de Convergência Intertropical na região, com chuvas isoladas por todo o estado entre esta terça(07) e quinta-feira(09).

Após semanas consecutivas de bom volume de chuvas, no último fim de semana, a Zona de Convergência Intertropical não esteve presente em nossa região, resultando em discretos registros de chuvas em algumas cidades potiguares entre sábado(04) e esta segunda-feira(06).

A Zona de Convergência Intertropical

Zona de Convergência Intertropical é um fenômeno meteorológico que circunda a Terra, próximo ao equador. Ali se encontram os ventos originários dos hemisférios norte e sul.

Tem influência sobre tempo e clima e é uma interação entre eventos meteorológicos das latitudes médias e tropicais.

Opinião dos leitores

  1. QUANDO A EMPARN DIZ QUE VAI CHOVER PODE PREPARAR O CHURRASCO PORQUE VAI FAZER SOL. SERVIÇO PÚBLICO DE PÉSSIMA QUALIDADE.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bruno Borges, o menino do Acre, reaparece após quatro meses

Pouco mais de quatro meses depois de provocar uma comoção nacional com seu sumiço misterioso, o estudante Bruno Borges, de 25 anos, reapareceu em Rio Branco, no Acre. Ele voltou para a casa de sua família, que deu a notícia às autoridades na manhã desta sexta-feira. Bruno estava desaparecido desde o dia 27 de março.

A mãe de Bruno foi pega totalmente de surpresa. Ela está no Santuário de Nossa Senhora de Aparecida, em São Paulo, para onde foi pedir à santa o retorno de seu filho. Aos prantos, Denise Borges disse ao “Extra” que falou com o jovem pelo telefone e que está tentando um voo de volta para casa.

Ele já falou comigo por telefone, mas não parava de chorar. Ele me pediu perdão, disse que sentiu essa vibração e por isso voltou. Não tem vaga no avião, mas não tem problema. Nossa Senhora me atendeu — disse Denise Borges. — Vou ficar ajoelhada até de noite, agradecendo.

Ainda segundo a mãe do estudante, ao falar com o filho, ela chegou a pedir para Bruno tomar um avião e ir a São Paulo só para vê-la, mas o estudante respondeu: “Mãe, cada coisa a seu tempo”.

O retorno não surpreendeu o secretário de Segurança do Acre, Fávio Portela.

— Nós sabíamos que era uma questão de tempo para ele voltar. O inquérito que apurava o desaparecimento foi concluído há mais de um mês – destacou ele.

Athos Borges, pai do jovem, afirmou que Bruno pediu o prazo de uma semana para oferecer mais detalhes sobre o reaparecimento. Perguntado sobre a volta do filho nas vésperas do dia dos pais, Athos relatou ter sentido “muita emoção”.

Opinião dos leitores

  1. Queria que alguém me dissesse se além do marketing envolvido no lançamento do livro desse cidadão, remetendo o desaparecimento e reaparecimento a um "menino", há alguma outra razão para chamar um adulto de 25 anos assim.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *