Guedes diz não haver pontos inegociáveis no pacote econômico apresentado pelo governo

Foto: Reprodução/Globo News

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira (6) que não há pontos inegociáveis no pacote de medidas econômicas enviado pelo governo ao Congresso.

Guedes participou de um café da manhã na residência oficial do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Pelo menos 37 senadores estavam presentes.

O pacote, entregue pessoalmente pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso na terça (5), tem três propostas de emenda à Constituição (PECs), que buscam controlar os gastos públicos e equilibrar as contas da União, governos estaduais e municipais.

No café, Guedes apresentou para os parlamentares o pacote do governo. Para ele, o ministro que se recusa a negociar não está preparado para o exercício da democracia.

“Seria arrogância dizer que tem algum ponto inegociável”, afirmou.

Guedes, no entanto, afirmou que espera menos mudanças no texto em comparação à reforma da Previdência, que acabou desidratada pelos parlamentares durante a tramitação.

“Eu acho que é diferente da previdenciária. Na previdenciária, realmente, mandamos lá R$ 1,2 trilhão e aí houve bastante cortes. Mas foram cortes extremamente compreensíveis na democracia, e louváveis”, disse o ministro.

“Não é que o limite [para mudanças] é menor. É que eu acho que vai acontecer naturalmente. Como a outra [previdência] foi uma iniciativa nossa e depois a Câmara o Senado tiveram que recalibrar, dessa vez fizemos o contrário. Nós nos entendemos antes e recalibramos juntos”, explicou.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    PG é mito demais!!! PG2022, ninguém segura nossa eonomia!!!!Peço ao pai celestial que dê paciência a esse homi, aguentar os besteiroís de JB não é facil…Força PG!!! Precisamos demais de vc….

VÍDEO: Ator Carlos Vereza solta o verbo, expressa preocupação com o “Foro de SP” e diz que “Lula é um médium do mal”

Foto: Montagem

O consagrado ator Carlos Vereza, colecionador de personagens inesquecíveis na televisão brasileira, em entrevista para a TV Jornal da Cidade On Line, em sua residência no Rio de Janeiro, soltou o verbo, e opinou sobre a situação política no país.

Vereza, entre outros assuntos, expressou preocupação para o “Foro de SP” e diz que “Lula é um médium do mal”. Confita trecho de entrevista abaixo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. rudi disse:

    voces sao espiritas?

  2. Cigano Lulu disse:

    Pode até parecer coisa de cigano, mas contra fatos não há argumentos.
    O ano de 1945 é fatídico em matéria de personagens sinistros.
    Foi em 1945 que morreu Hitler, o que trouxe um alívio para a humanidade.
    Mas como nada é perfeito, foi também em 1945 que nasceu Lula no Brasil.
    1945 é prova mais que suficiente de que o diabo não dá trégua a ninguém.

  3. Anti-Político de Estimação disse:

    Concordo com o ator, mas com um pequeno detalhe : Lula NÃO é o ÚNICO médium do mal do Brasil; há muitos outros e alguns hoje é que detém o poder . Aliás, o difícil é saber quem verdadeiramente é do bem hoje no nosso País.
    O tempo é quem vai esclarecer melhor…

  4. Allan Laranjeiras disse:

    Hahaha Carlos Certeza tá comendo m*rd* em um palito achando que é pirulito…hahaha #demenciativada

  5. natalsofrida disse:

    Medium do mal? Esse petralha é o próprio capeta! Bandido descarado, mentiroso e mal caráter.

  6. YAGO disse:

    Médium do mal não, é o próprio CAPETA SEM DEDO EM PESSOA, VADE RETRO SATANÁS KKKKK

  7. Sandro disse:

    Medium do mal é quem está falando. Está obnubilado e esclerosado

    • Rio disse:

      Ja deu boa noite para o presidiario hoje???

    • marcus disse:

      Senta Sandrinho!

    • Acorda Brasil disse:

      Certeza Sandro? O cara articulou o maior esquema de corrupção da história da humanidade desviando bilhões que poderiam mudar o Brasil, foi condenado, está preso e ainda tem uma legião de alienados que o defende? Não acha isso sobrenatural/diabólico?

    • Luciana Morais Gama disse:

      Lula nunca me enganou. Lula preso. Fora Fátima!

Óleo recolhido em praias será levado para aterros e indústrias, diz ministro do Meio Ambiente

Foto: Reprodução/TV Globo

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o óleo recolhido nas praias de todo o Nordeste deve ser encaminhado para aterros ou para a indústria. A declaração foi dada nesta terça-feira (22), após Salles sobrevoar o litoral pernambucano e inspecionar o trabalho do Exército na cidade do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife.

“O óleo tem a hipótese de ser levado para aterros próprios ou ser enviado para cimenteiras e fornos de siderúrgicas. Já há três semanas, o ministério estabeleceu com a indústria cimenteira uma linha de ação para destinar todo esse volume de óleo”, afirmou, durante coletiva na Capitania dos Portos, no Recife.

No sábado (21), o secretário de Meio Ambiente de Pernambuco, José Bertotti, já havia informado que o material coletado nas praias do estado seria encaminhado a empresas da indústria cimenteira. As 257 toneladas do material recolhidas em cinco dias do litoral pernambucano foram encaminhas ao Centro de Tratamento de Resíduos, em Igarassu, no Grande Recife. No local, o material vira um combustível usado pelas indústrias.

Durante a visita a Pernambuco, Salles constatou durante o voo que há um único ponto em todo o estado com incidência de óleo nesta terça (22), que é o trecho de Itapuama, no Cabo.

Origem das manchas

O ministro também apontou que não há certeza sobre como o petróleo, que começou a aparecer no fim de agosto nas praias do Nordeste, chegou à costa brasileira. “Nós dissemos que esse óleo é venezuelano, [mas] como ele chegou ao litoral brasileiro é o que estamos investigando”, afirmou.

“A Petrobras e outros laboratórios fizeram comparações com amostras de outros incidentes e outros episódios, que estavam arquivadas. Foi detectada a coincidência desse óleo com um específico da Venezuela, inclusive de três poços, que são as potenciais origem. Não quer dizer que esse óleo veio vazando da Venezuela até aqui”, disse.

Salles afirmou, ainda, que “o governo tem feito tudo estruturado” e que “não é hora de politizar”, em resposta à declaração do governador Paulo Câmara (PSB) na segunda (21), que disse que o governo federal tem trabalhado de forma “improvisada”.

“O governo tem feito tudo estruturado. Todas as equipes que estão produzindo, trabalhando, tem feito um trabalho bastante dedicado e intenso desde o começo. Não estamos perdendo tempo com discussões que não efetivamente para concluir o problema, para resolver, para recolher, destinar e continuar monitorando e investigando as causas”, declarou o ministro.

O montante do governo federal destinado ao trabalho em Pernambuco não foi informado.

Óleo no Nordeste

Pelo menos 900 toneladas de resíduos já foram recolhidas das praias afetadas pelas manchas de óleo no Nordeste, segundo balanço divulgado pela Marinha na segunda-feira (21). As manchas de petróleo surgiram em 30 de agosto e já afetaram 200 locais em 9 estados, segundo o relatório do Ibama.

No mesmo dia, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) informou que o Exército decidiu disponibilizar a 10º Brigada de Infantaria Motorizada, sediada no Recife, como “reforço” para as ações de vigilância e limpeza das praias com manchas de óleo. Os militares começaram a atuar nessa terça-feira (22) (veja vídeo acima).

A medida foi tomada após a Justiça Federal determinar o cumprimento de ações para retirada do óleo das praias de Pernambuco à União e ao Ibama. A liminar foi concedida no domingo (20), após cobranças do governo estadual. Entre as medidas estão a distribuição de boias de contenção e Equipamentos de Proteção Individual, inclusive para voluntários.

G1

 

Deputado diz que gravou reunião do PSL para alertar Bolsonaro de ‘provável conspiração’

O deputado Daniel Silveira, do PSL do Rio de Janeiro, foi quem gravou a reunião de deputados do seu partido na noite de ontem. Na conversa, entre outras coisas, o líder Delegado Waldir chama Jair Bolsonaro de vagabundo e fala que vai implodir o presidente da República (veja aqui).

O Antagonista conversou com Silveira por telefone.

Ele disse que decidiu gravar a conversa, usando o celular, com uma “intenção simples”: blindar Bolsonaro do que ele chama de “provável conspiração”.

“Isso estava em conluio, na verdade. Tivemos que trabalhar como infiltrados ali para poder conseguir acessar as informações, senão não tinha como. Era uma cúpula fechada tramando contra a República. Isso aí por fundo partidário, dinheiro e poder. Não serve, o Brasil não espera mais isso.”

Silveira contou que enviou o áudio para o presidente da República.

“Claro, ele foi o primeiro a ouvir.”

Perguntamos de que forma Bolsonaro reagiu.

“Com um pouco de surpresa, porque tinham muitas informações ali, informações que, ao meu ver, são um pouco estarrecedoras, porque trariam um prejuízo, de fato, para o Brasil.”

O deputado completou:

“Eu estou eleito na base do Bolsonaro e, custe o que custar, a gente vai defender o presidente.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Beto Dal disse:

    E nem precisou da oposição… Aliás, nem oposição existe, os bolsonaristas votaram no kit completo. Com todo respeito aos 'aliados', não há novidade nenhuma, apenas políticos sendo políticos. Uma lástima, principalmente para quem acreditou em novos tempos… sombrios!!!

  2. Bené Brito disse:

    Esta briga de milicianos não deve acabar bem. A fragilidade do governo do incapaz é impressionante.

  3. Maria disse:

    Virou o Cabaré de Mãe Joana. É só o começo. Aonde vamos parar….estou aqui fazendo arminha com todo gosto.kkkkkkkkk

    • Ems disse:

      Faça melhor ! Repita mais livros, menos armas e aceite ordens da carceragem em Curitiba.

Bolsonaro diz dever sua eleição ao PSL e pede transparência

Foto: Guilherme Mazui/G1

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (16) que não deseja “tomar partido de ninguém” e defendeu “transparência” nas contas do PSL, legenda a qual é filiado.

O presidente deu a declaração na saída do Palácio da Alvorada, em meio à turbulência na sua relação com o PSL. Na semana passada, Bolsonaro criticou o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PSL-PE), ao afirmar que ele estava “queimado”.

O atrito gerou o rumor de que Bolsonaro e um grupo de parlamentares poderão deixar o partido, informação que o presidente não confirmou oficialmente.

Transparência

Nesta quarta, Bolsonaro voltou ao assunto e cobrou maior transparência do PSL no uso de recursos públicos que a legenda recebe, cerca de R$ 8 milhões mensais, segundo o presidente.

“Ah, o presidente falou em transparência. Eu falei, sim, em transparência. Então, vamos mostrar as contas e não ficar, como a gente vê notícias por aí, expulsa de lá, tira da comissão, vai retaliar”, disse Bolsonaro.

“O partido tem que fazer a coisa que tem que ser feita, normal. Não tem que esconder nada. Eu não quero tomar partido de ninguém. Agora, transparência faz parte, o dinheiro é público, R$ 8 milhões”, acrescentou.
Na semana passada, Bolsonaro e um grupo de parlamentares do PSL apresentou pedido formal ao partido para que forneça documentos e informações sobre as contas partidárias dos últimos cinco anos, incluindo os dados parciais de 2019.

Relação com o PSL

Perguntado se tem alguma mágoa com Bivar, Bolsonaro disse não ter mágoa com ninguém. Ele declarou que, por ora, “está tudo em paz”.

O presidente também foi questionado se defende a saída de Bivar da presidência da sigla. Bolsonaro respondeu que deseja “transparência” e declarou que não está “tumultuando a relação” com o PSL.

“Não defendo nada, não quero saber de nada. Eu só quero transparência”, disse.
Bivar foi alvo de operação da Polícia Federal (PF) na terça (15), que apura uso de candidatura laranja pelo partido nas eleições de 2018. A PF cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do deputado federal, em Jaboatão dos Guararapes (PE).

A ação busca saber se houve fraude no emprego dos recursos destinados às candidaturas de mulheres – ao menos 30% dos valores do Fundo Partidário deveriam ser empregados em campanhas femininas.

Segundo a PF, há indícios de que o dinheiro foi desviado e usado por outros candidatos do partido. A defesa de Bivar e do PSL divulgou nota afirmando estranhar a operação em um momento de “turbulência política”.

Acesso a contas

Bolsonaro tem se reunido desde a semana passada com os advogados Karina Kufa e Admar Gonzaga, que lhe dão conselhos jurídicos na disputa interna da legenda.

Com o pedido de acesso a contas, Bolsonaro e os deputados desejam auditar as contas para saber se a aplicação dos recursos públicos recebidos pelo PSL está correta.

A auditoria pode ser um caminho para alegação de justa causa para que os parlamentares se desfiliem da legenda sem o risco de perder os cargos.

Com os dados, os advogados do presidente pretendem acionar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para pedir eventuais providências à Procuradoria Geral Eleitoral e a órgãos como Receita Federal e Banco Central (BC).

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. MAnoel disse:

    Ele deve a eleição dele à facada e por ter ficado de boca fechada… falar besteiras destrói uma reputação ….. Não é Dilma?

  2. sergio disse:

    Ele deve a eleição à facada!

    • CARLOS SAMPAIO disse:

      Discordo!Foi eleito pela vontade de mudança e pelo cansaço da população brasileira de tanto vivenciar com casos de mais casos de corrupção na política e principalmente no PT de Lula e sua gang! Eu pelo menos há estava decidido em votar em Bolsonaro bem antes do atentado que ele sofreu!Dizer que ele se elegeu a custas da facada é não querer enxergar a catástrofe que foi a esquerda nestes últimos 16 anos no Brasil! O resto é balela e dor de cotovelo!

  3. Tales disse:

    A grande maioria, pra não dizer todos, se elegeram surfando na onda Bolsonaro.

  4. ventura disse:

    o PSL é que deve a eleição de 90% dos seus deputados e senadores a Bolsonaro.

Maia diz que nunca tratou com Bolsonaro sobre mudança na estabilidade do funcionalismo público

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Depois da manifestação de Jair Bolsonaro, foi a vez de Rodrigo Maia negar qualquer conversa sobre mudança na estabilidade do funcionalismo público.

O presidente da Câmara até gravou um podcast sobre o tema.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José aldomar disse:

    Tratou não mais só trata com o presidente assuntos como por ex. Ir a missa; ceia de natal; a mancha de petróleo no nordeste. Imbecis.

Paraguaio diz que suplente do PSL usou nome de Bolsonaro para acordo

Paraguai consome 15% da energia produzida na usina Foto: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

O engenheiro Pedro Ferreira, ex-presidente da Ande (a estatal de energia do Paraguai) disse, em depoimento à CPI criada para investigar a venda de energia de Itaipu, que o empresário Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP), citou o nome da família Bolsonaro em uma reunião entre representantes da Léros e da estatal.

É a segunda vez que o nome de Giordano surge em meio às investigações. Em agosto, o advogado José “Joselo” Rodríguez, que se apresentava como assessor jurídico da vice-presidência do país vizinho, disse ter ouvido Giordano usar o nome da família Bolsonaro. Na CPI, no entanto, o advogado recuou.

De acordo com o senador Eusebio Ramon Ayala, presidente da comissão, o depoimento de Ferreira trouxe novos dados sobre a posição da Léros para negociar no Brasil a energia paraguaia. “O engenheiro trouxe dados mais precisos sobre a possibilidade de a Léros obter autorização (do governo brasileiro) para vender energia no Brasil”, disse o senador.

Segundo Pedro Ferreira, o encontro entre representantes da Léros e da Ande aconteceu no dia 10 de maio em Ciudad del Este, um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro ter ido à tríplice fronteira para a cerimônia de início das obras da Ponte da Integração, ao lado do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

Ainda segundo o relato do ex-presidente da Ande, Giordano se apresentou como “representante eleito do governo brasileiro” e disse que tinha influência suficiente para conseguir uma autorização para comercializar a energia excedente do Paraguai no mercado brasileiro. “Ele se apresentou como um representante eleito do governo. Disse que poderia conseguir a permissão (para vender energia paraguaia no Brasil), porque era bem relacionado”, afirmou Ferreira.

O engenheiro disse que foi informado diretamente pelo presidente Abdo Benítez sobre o interesse da Léros em comercializar a energia paraguaia numa reunião da qual também participaram o vice-presidente, Hugo Rodríguez, e o ministro da Fazenda, Benigno López, no palácio do governo, em Assunção, algumas semanas antes da reunião. “Já estavam falando que havia pessoas muito bem conectadas que viriam (à tríplice fronteira) com o presidente Bolsonaro no dia 10 de maio”, afirmou Ferreira no depoimento.

Os nomes do suplente de senador e dos empresários não constam na lista da comitiva presidencial. Embora tenha previsão tanto no tratado binacional para construção de Itaipu quanto em acordos posteriores, a possibilidade de empresas privadas venderem energia da usina no Brasil nunca foi regulamentada e depende de atos administrativos do governo.

Ferreira disse à CPI que no palácio do governo ficou combinado que ele e o vice-presidente receberiam os representantes da empresa brasileira em Ciudad del Este, no dia 9, mesmo da visita do presidente Bolsonaro. O engenheiro, no entanto, foi informado em cima da hora e só pôde ir no dia seguinte, levando ao adiamento do encontro.

A viagem na qual lançou a pedra fundamental da Ponte da Integração foi a segunda de Bolsonaro à tríplice fronteira desde que assumiu o cargo. Antes, ele foi à posse de Joaquim da Silva e Luna como presidente de Itaipu, no dia 27 de fevereiro. Um dia depois, Giordano esteve no Palácio do Planalto.

De acordo com o ex-presidente da Ande, além de Giordano, participaram do encontro outros dois representantes da Léros. Um deles, segundo o empresário, era Adriano Rosa, dono da Léros. O outro, segundo Ferreira, se chama “Koc”, possivelmente Nicolás Martins Koc Pinto, segundo integrantes da investigação.

Ferreira disse que Giordano mencionou Bolsonaro durante a reunião. “(Giordano) voltou a mencionar o nome Bolsonaro na frente de todos. Não entendi muito bem de qual Bolsonaro ele falava, mas depois, conversando entre nós (da Ande) entendemos que era um dos filhos”, disse o engenheiro.

Ligação

Giordano sublocou uma sala comercial no prédio onde fica seu escritório, em Santana (zona norte de São Paulo), para ser a sede do diretório estadual do PSL, cujo presidente é o deputado Eduardo Bolsonaro. Segundo o ex-presidente da Ande, Giordano chegou a apresentar uma credencial de identificação e, em momento algum, disse que era representante da Léros. O crachá era branco com a marca impressa em verde, mas o engenheiro não conseguiu ler o que estava escrito. “Ele (Giordano) mostrou fora do meu campo de visão”, explicou Ferreira.

O suplente do senador negou ter usado o nome de Bolsonaro e disse que foi ao Paraguai na qualidade de empresário interessado em comercializar a energia excedente de Itaipu no Brasil. Ele disse ter desistido do negócio posteriormente.

“Não falei nada disso. Jamais. É o contrário. Quanto menos eu falar sobre política mais tenho sucesso (nos negócios). Chego em todos lugares quieto, nunca falei nada, pois sou meramente um suplente. Vivo da vida empresarial conforme já relatei”, disse Giordano.

A Léros é um dos focos da investigação que corre no Congresso paraguaio. A CPI investiga possíveis irregularidades na assinatura da ata bilateral firmada entre os governos do Brasil e Paraguai para comercialização da energia excedente de Itaipu.

Um dos pontos contestados é a exclusão do acordo do item 6, que dava à Ande o monopólio para venda de energia paraguaia no Brasil. Integrantes da comissão suspeitam que o item 6 foi excluído para beneficiar a Léros. A empresa nega. Em agosto, o engenheiro Ferreira tornou o caso público e Abdo Benítez, ameaçado de impeachment, rompeu unilateralmente o acordo.

Estadão

 

Com reformas, crescimento econômico no país será sustentável, diz o presidente do Banco Central, Campos Neto

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O crescimento da economia, acompanhado de reformas, será sustentável, diferentemente do que ocorreu no passado. A avaliação é do presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, que apresentou nesta quinta-feira (26) o Relatório Trimestral de Inflação.

No relatório, o BC estima que o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, crescerá 0,9% neste ano e 1,8%, em 2020.

Segundo Campos Neto, houve crescimento maior da economia no passado, impulsionado por dinheiro público. “Mas foi um voo de galinha”. Agora, destacou, houve uma mudança com maior participação do dinheiro privado no crescimento da economia porque não há espaço fiscal para mais gastos públicos e por ter sido adotada uma política de economia liberal. “É uma recuperação gradual. E essa recuperação, acompanhada das reformas, terá crescimento mais sustentável”, disse Campos Neto.

O presidente do BC ressaltou que, além do andamento da reforma da Previdência, em outras áreas há avanços que são necessários para o estímulo da economia. Ele citou avanço em programa de venda de ativos públicos, a Lei da Liberdade Econômico e medidas de abertura comercial, por exemplo.

Campos Neto também afirmou que, para o Banco Central, “a melhor forma de contribuir com o crescimento é manter a inflação estável”.

Mercado de câmbio

Campos Neto enfatizou que o câmbio é flutuante e que o papel do BC é fazer intervenções no mercado de câmbio quando há disfunções. “Não temos nenhum dogma com relação a instrumentos”, disse, explicando que havia entendimento no passado de que todas as intervenções tinham que ser feitas prioritariamente por meio de swaps (operações no mercado futuro). Ele afirmou que o BC pode atuar também no mercado à vista, se julgar necessário. “Não temos nenhuma meta para swap”, afirmou.

Sobre o aumento da cotação do dólar no Brasil, o presidente do BC explicou que uma parte desse movimento foi reflexo da alta da moeda no mundo. De acordo com Campos Neto, parte do processo foi também provocada pela antecipação de pagamentos de dívidas de empresas brasileiras no exterior, como a Petrobras.

Agência Brasil

 

Ibama identifica 99 locais do Nordeste com mancha de óleo e diz que origem da substância é a mesma, mas ainda não esclarecida

Foto: Instituto Verdeluz/Divulgação

As manchas negras que têm aparecido em praias do Nordeste desde o início de setembro já atingiram 99 locais em 46 municípios de 8 estados, de acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

Uma investigação do órgão aponta que o óleo que está poluindo as praias têm a mesma origem, mas ainda não é possível afirmar de onde ele viria. Segundo a Petrobras, trata-se de óleo cru, que não é produzido no Brasil.

O G1 questionou o Ibama sobre quais seriam as 99 localidades e as 46 praias, e aguarda retorno.

O óleo já atingiu ao menos oito tartarugas e uma ave bobo-pequeno ou furabucho (Puffinus puffinus), conhecida pela longa migração. Segundo o Ibama, uma das tartarugas foi devolvida ao mar e outra foi encaminhada a um centro de reabilitação. Os outros sete animais morreram.

Nas redes sociais é possível ver moradores compartilhando vídeos e fotos dos bichos cobertos por óleo negro. A recomendação do Ibama é que, nestes casos, a população acione os órgãos ambientais competentes para que os animais sejam avaliados antes de devolvidos ao mar.

Até o momento, não há sinais de que peixes e crustáceos estejam contaminados, de acordo com o Ibama, mas o instituto recomenda que banhistas e pescadores não tenham contato com o óleo.

O Ibama pediu apoio à Petrobras para fazer a limpeza das praias e a empresa afirmou que vai disponibilizar 100 pessoas para o trabalho. O G1 perguntou ao Ibama quando a limpeza deverá começar, e aguarda retorno do órgão.

Veja o que foi visto em cada estado aqui em reportagem do G1.

Google diz ter alcançado a “supremacia quântica”. Entenda o que isso significa

Foto: (Justin Sullivan/Getty Images)

Pesquisas envolvendo a computação quântica ganharam corpo ao longo das últimas duas décadas. Universidades, startups e gigantes da tecnologia correm para sair na frente no que promete ser uma das maiores revoluções do século 21. Mas, até agora, mesmo com bilhões de dólares investidos, nenhum computador quântico foi capaz de superar uma máquina tradicional em desempenho. Parece que o do Google conseguiu.

Pesquisadores da empresa estão trabalhando em um artigo para divulgar oficialmente a conquista. Trata-se de um marco considerado muito importante por especialistas da área: a chamada supremacia quântica. O termo é usado para especificar o momento em que um computador quântico consegue resolver um problema que demoraria muitíssimo tempo a mais para ser solucionado pelos algoritmos convencionais, que rodam em computadores clássicos.

O paper que detalha a conquista deve sair dentro de um mês em uma revista científica que ainda não foi divulgada. Só que uma versão prévia do texto acabou sendo vazada adivinhem por quem? Pela Nasa. Sem querer, a agência, que tem especialistas participando do projeto, publicou o manuscrito em um de seus sites. Ficou no ar por pouquíssimo tempo, mas o jornal Financial Times foi ligeiro o bastante para interceptar o artigo e anunciar a descoberta.

O processador da empresa teria resolvido em 3 minutos e 20 segundos um cálculo que levaria 10 mil anos para ser executado – por nada menos que o mais avançado supercomputador da atualidade, o Summit. Essa máquina colossal da IBM realiza mais de um quintilhão de operações por segundo.

O problema da computação quântica é que, apesar de muito promissora, os protótipos até agora só conseguiram cumprir mais depressa as mesmas tarefas que os computadores clássicos já fazem. E isso não justifica a imensa complexidade e o custo para construir um sistema desses. Por isso a supremacia quântica é tão emblemática: ela representaria o ponto de virada para um novo paradigma, uma nova era da computação.

Nela, processadores quânticos vão resolver cálculos que nenhum supercomputador no mundo dá conta. E isso terá impactos inimagináveis em áreas como a criptografia, a inteligência artificial e basicamente todos os setores produtivos da sociedade. É que a essência de uma máquina assim é totalmente diferente da CPU que estamos acostumados. Ela não trabalha com bits, mas sim com qubits.

Bits são unidades binárias que ficam no processador e representam ou um ou zero; já um qubit pode representar um e zero ao mesmo tempo. Isso graças às exóticas propriedades quânticas das partículas usadas para transmitir a informação. Interligando uma cadeia de qubits, a habilidade de reunir e transmitir informação cresce de forma exponencial, o que permite processar insanas quantidades de dados instantaneamente.

O projeto do Google ganhou o codinome Sycamore e conta com 53 qubits. Inicialmente eram 72, mas ficava muito difícil controlar a máquina com essa configuração. Outras empresas como a IBM e a Microsoft também têm seus próprios dispositivos parecidos. A tarefa que o Sycamore resolveu é puramente técnica e sem qualquer impacto prático. Mas foi a prova de que os computadores quânticos têm futuro — o que já é grande coisa.

Super Interessante

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Kleber Silva disse:

    Formidável!
    Investimento em ciência e tecnologia nunca será "gasto".
    Não me surpreendeu não ter comentários na matéria. KKKKKK…
    Se fosse alguma matéria sobre política, já teríamos vários "estudiosos" e "cientistas políticos" comentando aqui!

Desembargador Bento Herculano desqualifica acusações de mulher em processo no CNJ e diz que tomará providências jurídicas

O desembargador e presidente do TRT-RN, Bento Herculano encaminhou nota de esclarecimento sobre representação contra ele que tramita na Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça sobre possíveis irregularidades em decisão de processo trabalhista, conforme divulgado na última sexta-feira, pelo Justiça Potiguar. Confia nota abaixo:

NOTA DE ESCLARECIMENTO aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. #Vergonha nacional disse:

    Onde há muitas fumaças …há fogo , CNJ , MP e SOCIEDADE SOCORRO

Moro nega candidatura em 2022, diz que não tem perfil, e que não entrou no governo para sair: “estou focado no meu trabalho como ministro”

 (FOTO: PEDRO DE OLIVEIRA/ALEP)

Na entrevista a Andréia Sadi, exibida ontem à noite pela GloboNews, Sergio Moro também falou sobre a possibilidade de se lançar candidato ao Planalto em 2022.

O ministro da Justiça negou, mais uma vez, tal hipótese.

“Eu não tenho nem o perfil. Vim para uma missão técnica e estou focado no meu trabalho como ministro. O candidato para 2022 será o presidente Jair Bolsonaro. É impróprio pensar algo diferente.”

“Não entrei no governo para sair”

Na entrevista à GloboNews que foi ao ar ontem à noite, Sergio Moro foi perguntado se permaneceria no governo de Jair Bolsonaro até o fim do mandato.

“Não tem destino traçado. Possível, não, provável: eu não entrei no governo para sair. Entrei para ficar.”

Com informações de O Antagonista e Globo News

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Hulkenberg disse:

    Até lá resolveremos isso.
    Mas que o MINISTRO vai ser candidato depois do MITO, VAI, quem manda é o povo, DR!!

  2. Thor Silva disse:

    A esquerda se caga de medo de Moro. Dentre tantos homens corretos desse governo, esse é o mais digno.

  3. Alexandre disse:

    Baba mais sai ….

    • Rômulo© disse:

      Acho que o cachorrinho do BolsoNero ainda vai conseguir se soltar da guia e se descolar dele! Vai seguir a manada que era aliada, mas descobriu agora que o país está sendo presidido por um lunático! É questão de tempo!

    • Dilma disse:

      Manada no Brasil, só a que segue o comandante do maior roubo do universo. Quem não pertence a manada, consegue raciocinar e escolher o menos ruim, se não acertar, procura-se outro e vota tentando acertar, nunca irá ter ladrões ou incompetentes de estimação

    • Alexandre disse:

      CONCORDO .

  4. Lourdes Siqueira disse:

    Se vocês tivessem que escolher deixar na sua casa uma pessoa que fala besteira ou uma quadrilha de ladrões. (Não é Junina).
    Qual vocês escolheriam?
    Eu escolhi o falastrão.

  5. Antonio Turci disse:

    Sérgio Moro é um homem digno. Não creio que tenha medo de ninguém, até porque não tem rabo preso. Qualquer pessoa minimamente digna e com noção do que seja a correlação de atitudes entre superior e subordinado entenderá por que o Ministro Moro é comedido, pois sabe perfeitamente o que é hierarquia.

  6. Allan Pontes disse:

    Esse morre de medo do chefe, se disser que é candidato ai sim Carluxinho cola nele e só sossega qd botá-lo no olho da rua, melhor não brincar com Tonho da Lua, quem avisa amigo é.

    • Rico disse:

      Esse juiz venceu ministros do STF, presidente da república que se considerava imbatível e mais honesto que DEUS, homem mais rico do país, executivos das maiores empresas do país, políticos de todos os partidos e os mais poderosos do país; todos eles corruptos ou com ligações estreitíssimas com os bandidos que saquearam essa nação ao longo dos tempos, todos esse canalhas foram obrigados a baixarem a cabeça pra o juizeco, alguns estão presos, inclusive foram obrigados a devolverem parte do roubado da pátria amada. Portanto, não seria uns doidin dos pães desses, que farão ele desistir de seus objetivos com os brasileiros, que é, defender o país da sanha dos bandidos corruptos, ladrões e de traficantes. Viva MORO!

Isolamento de chefes de facções contribuiu para queda de homicídios, diz secretário nacional de Segurança Pública

O secretário nacional de Segurança Pública Guilherme Theophilo (à esquerda) e o ministro da Justiça Sergio Moro Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O secretário nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, credita a redução dos crimes violentos intencionais (homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte) ao aumento da coordenação entre as esferas de governo e a ações como o isolamento, em presídios federais, de chefes das principais facções do crime organizado.

O Ministério da Justiça planeja, para os próximos dias, o lançamento oficial do programa “Em Frente Brasil”, focado na redução da criminalidade. Cinco cidades foram escolhidas para o projeto-piloto: Ananindeua (PA), Goiânia (GO), Cariacica (ES), São José dos Pinhais (PR) e Paulista (PE), uma em cada região do país. Pesquisadores já estão há mais de um mês nos municípios colhendo dados para os diagnósticos locais de segurança, com informações de diversos indicadores e um direcionamento para os bairros mais violentos de cada município. A previsão é que, a partir de janeiro, planos específicos passem a ser implantados em cada um dos municípios.

Depois de seis meses da experiência inicial, o objetivo é que outras cidades possam aderir ao projeto. A primeira ação será o envio de cerca de cem agentes da Força Nacional de Segurança para cada uma das cidades, e o programa vai reunir oito ministérios: Justiça; Saúde; Educação; Mulher, Família e Direitos Humanos; Cidadania; Desenvolvimento Regional; Economia e Casa Civil.

Por que os homicídios estão caindo?

São vários fatores, mas eu citaria, primeiro, a transferência das lideranças criminosas. Nunca antes tinha sido feita uma operação de transferir as principais lideranças criminosas de São Paulo. Esperava-se um “salve geral” da facção, uma tragédia nacional, e não foi. Transferimos também no Ceará e no Pará. Há mais rigidez dentro das penitenciárias, com o advento da força-tarefa de intervenção prisional. Os presídios não serão mais quartéis de comando do crime organizado. Ordens todas emanavam de dentro dos presídios. Citaria também a integração efetiva entre as esferas federal, estadual e municipal e a atuação nas fronteiras, porque estamos dando grande desfalque à parte econômica do crime organizado com as apreensões.

O legado dos grandes eventos, como os centros integrados de comando e controle, tem ajudado?

A tecnologia tem facilitado o monitoramento, como no caso dos veículos roubados e dos presos com tornozeleira eletrônica. Temos também levantado manchas criminais em todos os municípios, o que permite antecipar o patrulhamento. É uma inteligência preditiva.

O governador Wilson Witzel já falou, por exemplo, em “atirar na cabecinha” de bandidos. Esse tipo de ação traz resultados efetivos ou é só retórica?

É uma característica do governador do Estado do Rio e vou me ater de fazer comentários, porque é uma política dele. Nós participamos da intervenção federal no rio, eu ainda era oficial do Alto Comando do Exército, e foi feito todo um trabalho de gestão. O general Braga Netto (interventor) e o general Richard (secretário de Segurança) deixaram grande legado para a segurança pública do Rio. Muita coisa que se está conseguindo agora é fruto de viaturas novas, armamentos novos, equipamentos novo e material de inteligência.

Qual é a diferença do plano do governo de combate à criminalidade violenta para os planos nacionais de segurança que outros ministros da Justiça já tentaram implementar?

A grande diferença de tudo que já existiu, como UPP (no Rio), Pacto Pela Vida (em Pernambuco), é que esses planejamentos só visualizavam repressão. O Em Frente Brasil é um projeto integrado. Temos oito ministérios. Não vai ser só a repressão. Vai ser repressão seguida de um diagnóstico local de segurança. Especialistas já estão nos municípios vendo problemas de saúde, educação, saneamento básico, coleta de lixo, iluminação pública, creche, esporte e lazer. Está tudo incluído. Vamos entrar com a repressão para que Estado volte a ser presente, depois vamos entrar com toda a obrigação do Estado e não vamos mais sair.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dilma disse:

    Se tivessem isolado o CANALHA do luladrão, o número de ladrões no Brasil iria reduzir bastante, pois serviria de exemplo pra outros que ousassem fazer a mesma CANALHISSE. Com certeza o Brasil e os brasileiros sairiam ganhando.

Dinheiro Amazônia: Bolsonaro diz aceitar ajuda se Macron ‘tirar ameaça à soberania’

Foto: Reprodução TV Globo

/O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (27) que o presidente da França, Emmanuel Macron, terá de “retirar insultos” contra ele e contra o Brasil antes de considerar aceitar a ajuda de 20 milhões de euros (cerca de R$ 91 milhões) dos países do G7 para combater queimadas na Amazônia.

Bolsonaro disse que Macron o chamou de “mentiroso” e ameaçou a soberania da Amazônia ao falar sobre a definição de um “status internacional” da Amazônia (leia mais abaixo).

O presidente deu as declarações ao ser questionado sobre o motivo de o país não aceitar a ajuda oferecida pelo G7, conforme disseram o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e a assessoria do Planalto.

“Eu falei isso? Eu falei? Jair Bolsonaro falou?”, indagou Bolsonaro sobre a recusa em aceitar ajuda do G7.

Após a fala, os jornalistas presentes citaram que Onyx e o próprio Planalto disseram que o governo brasileiro não aceitaria o auxílio financeiro. Bolsonaro, então, apresentou condições para conversar sobre o tema.

“Primeiramente, o senhor Macron deve retirar os insultos que fez à minha pessoa. Primeiro, me chamou de mentiroso. E depois, informações que eu tive, de que a nossa soberania está em aberto na Amazônia”, declarou Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada.

“Para conversar ou aceitar qualquer coisa da França, que seja das melhores intenções possíveis, ele vai ter que retirar essas palavras e daí a gente pode conversar”, acrescentou.

Um dos jornalistas insistiu no assunto, ao perguntar que, se Macron retirasse os comentários sobre a internacionalização da Amazônia, o Brasil poderia aceitar o dinheiro. Bolsonaro respondeu:

“Primeiro ele retira, depois ele oferece, daí eu respondo”.

Macron e Bolsonaro trocam críticas desde a semana, quando teve início a crise diplomática entre França e Brasil provocada pela alta das queimadas na Amazônia.

Como resposta às críticas recebidas por líderes estrangeiros, sociedade civil e celebridades, Bolsonaro autorizou o uso das Forças Armadas no combate aos incêndios nos nove estados da Amazônia Legal.

Status internacional da Amazônia

Bolsonaro tem afirmado que países estrangeiros têm interesse na Amazônia em razão das riquezas da região e que o Brasil deve preservar sua soberania no local.

Macron disse durante a cúpula do G7, ao ser questionado sobre a possibilidade de um status internacional para a Amazônia, que pode ser o caso se um “Estado soberano” tomar de “maneira clara e concreta medidas que se opõem ao interesse de todo o planeta”.

“A verdade é que associações, ONGs e atores internacionais, inclusive jurídicos, questionaram em diversos anos se era possível definir um status internacional para a Amazônia”, afirmou Macron.

A palavra francesa que Macron usou, “statut”, tem dois significados, e isso gerou confusão na imprensa internacional e até mesmo na França. Alguns jornalistas entenderam que o presidente francês estava propondo definir “um status internacional para a Amazônia”; outros entenderam que era “um estatuto internacional para a Amazônia”, que seria um marco regulatório definindo regras para proteger a floresta.

Logo depois de falar sobre isso, Macron prosseguiu:

“Isso não está na discussão das iniciativas apresentadas hoje. É realmente uma questão que se colocaria: [e] se um Estado soberano tomasse de maneira clara e concreta medidas que se opõem ao interesse de todo o planeta? Então, aí haveria todo um trabalho jurídico e político a ser feito, mas creio poder dizer que as conversas que o presidente [do Chile] Sebastián Piñera teve com o presidente Jair Bolsonaro não vão nesse sentido”.

Com informações do G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dulce disse:

    Fui, Amazonas. Vou ser governado pelos EUA

  2. Riva disse:

    Macron lê Borges. Bolsonaro a biografia do Ustra. Tirem suas conclusões.

    • Waldemir disse:

      Petista sua mamata acabou você vai ter que trabalhar kkkk isso sim e uma verdade
      E lula livre em 2079 kkkk logo logo vai para 2100

    • Ceará-Mundão disse:

      A conclusão óbvia é que gente como vc põe sempre seus interesses particulares à frente do nosso país. A ponto de comemorar a ameaça de um Presidente de país estrangeiro à nossa soberania. TUDO se justifica pela "causa" não é, meu caro?

  3. Arnaldo Franco disse:

    Mostrando ao mundo que o Brasil é uma nação soberana, tem um dono, que é o seu povo, e um representante intransigente desse dono.

    • Waldemir disse:

      E que a OCRIM do pt vendeu e agora nao vai entregar kkkk vao ter que devolver o dinheiro ou a bucha vai ser grande kkkkk

    • Ceará-Mundão disse:

      Verdade. E essa cambada de esquerda, que vive maldizendo um tal "imperialismo norteamericano" não tem o menor constrangimento em "baixar as calças" para França ou as outro país estrangeiro que possa servir aos seus planos de poder. Essa gente é altamente nociva ao nosso Brasil.

  4. Antenado disse:

    Corretíssimo

Juíza diz que colegas do Judiciário fazem “teste do sofá” e gera polêmica

Foto: Reprodução/ÉPOCA

A juíza de Sergipe Patrícia Cunha Paz Barreto de Carvalho deu uma declaração polêmica durante um congresso que discutia o papel da mulher no Judiciário. Ela disse que muitas advogadas e servidoras tiveram que fazer “teste do sofá”.

“Ouço a história de várias carreiras, de delegadas, advogadas, advogadas com juízes, para uma liminar, teste do sofá. Meus colegas fazem às vezes teste do sofá”, afirmou a magistrada em maio de 2018, durante o painel “gênero e a feminização da magistratura” no XXIII Congresso Brasileiro de Magistrados, promovido em Maceió.

Veja mais, inclusive, com nota da juíza, clicando aqui no portal Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arnaldo Franco disse:

    Fazem o teste do sofá e quando o "empregador" enjoa, denuncia ele por estupro. Todo rigor da lei para o estuprador, mas cada caso deve ser apurado com rigor, para que não se cometa injustiça.

  2. Deolho disse:

    O que se comenda na Rádio Corredor é que a juíza não disse nenhuma novidade. Ela esqueceu de incluir estagiárias. Na disputa por vagas, vencem as princesas, peles de bebê, mãos tratadas com o fina da Boticário, cabelos superlisos, ancas avantajadas, que topem boas baladas dentro e fora do Estado, com total privacidade e que guardem segredo de túmulo. Feito isso, tá tudo resolvido, progressões funcionais rápidas. Não faz, é desce a ladeira, que subindo é contramão. É o popular ou dá ou desce. Os pais quando veem suas princesas darem tão certo nestes palácios, nem imaginam o que rola nos sofás, piscinas, camas e alhures. A juíza não disse nada de novo. Incluiu juízes, advogadas, mas também pode botar na conta estagiárias. O preço a pagar é este. É a roda pequena tendo que se encaixar na roda grande…………

    • Jose Neto disse:

      E tudo isto que vc bem disse, inclua também, os demais poderes. Tendo em especial as casas de fodas do povo, ou se preferir, legidlativos Brasil à fora!

‘Nunca me droguei, eu nunca nem provei maconha’, diz Xuxa Meneghel aos 56 anos

 Foto: Blad Meneghel/ Reprodução/Instagram

Envelhecer na frente das câmeras pode ser a coisa mais simples do mundo para muitas celebridades. Para a apresentadora Xuxa Meneghel , de 56 anos, não é fácil — e ela não esconde. “Vejo que as pessoas que estão do outro lado se incomodam muito mais com as minhas rugas do que eu. Aí elas começam a falar: ‘Nossa, mas você está velha’. Queriam que eu tivesse um cabelo com chuquinha, com aquele corpo dos anos 1980, usando aquelas roupas, aquelas botas. Acho que dói menos se a gente encarar a coisa como algo natural”, disse a estrela, de 56 anos, à atriz e Luana Piovani , que piloto o programa “Luana é de lua”, no canal a cabo E!.

Xuxa e Luana Piovani Foto: Divulgação

“Cobram muito de mim. Eu, por exemplo, sou bem ‘desencucada’ com isso. Assumo as minhas rugas. Claro, eu gosto de ir ao dermatologista fazer essas maquininhas que têm aí. Mas tenho medo de entrar no estica e puxa, sabe? Todas ficam com a mesma cara, você pode ver as mulheres aí… Elas têm a mesma boca, o mesmo olho, a mesma cara.” Luana também deu seu depoimento. “Confesso que tenho uma coisa meio nostálgica dentro de mim, mas acho bom, porque significa que l tenho saudades de alguma coisa que vivi bem.”

‘O Ju está jogando as caixinhas fora’

A conversa entre as duas não parou por aí. Xuxa também revelou que nunca usou drogas. “Não é uma questão assim. ‘Não bebo porque trabalho para criança; não fumo porque trabalho para criança. Não bebo porque não gosto de bebida; não fumo porque eu não gosto realmente de cigarro. Nunca me droguei, eu nunca nem provei maconha. Aí eu falei que queria ir para Amsterdam com o Ju (Junno Andrade, seu namorado) e todo mundo: Amsterdam? Mas vive não não cheira, não fuma, o que vai fazer em Amsterdam?”

Nesse momento do papo, Luana cita alguns pontos turísticos da cidade holandesa, como o Museu Van Gogh. A apresentadora rebateu imediatamente. “Eu estou falando de sexo, amor. Não tem aquela rua do sexo? Eu queria levar o Ju de mão dada.” Luana conheceu o espaço. “Mas não tive coragem de nada. A gente nasce com muita caixinha, né? É muita caixinha, caixinha, caixinha. Estou me desfazendo um pouco.” Xuxa conclui: “O Ju está jogando as caixinhas fora”.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zanoni disse:

    Só fez filme picante com criança.

  2. Paulo disse:

    E isso lá é alguma vantagem??

    Isso é o normal para um cidadão e cidadã de bem !!