Polícia

IMUNIZANTE FALSO: Milhares teriam tomado água salgada em vez de vacina Covid na Índia, diz polícia

Foto: Adnan Abidi/Reuters (4.mai.2021)

Milhares de pessoas foram vítimas de um esquema elaborado e abrangente que vende vacinas falsas contra o coronavírus na Índia, com médicos e profissionais da área médica entre os presos por seu envolvimento, dizem as autoridades.

Pelo menos 12 campanhas de vacinação falsas foram realizadas perto do centro financeiro de Mumbai, no estado de Maharashtra, no oeste do país, disse Vishal Thakur, um alto funcionário do departamento de polícia de Mumbai. “Eles estavam usando água salgada e injetando-a”, disse Thakur. “Fizeram isso em todos os postos de vacinação falsos que criaram”, completou.

Estima-se que 2.500 pessoas receberam injeções falsas, disse ele. Os organizadores cobraram taxas de suas vítimas pelas doses, ganhando até US$ 28.000, no total (R$ 141.808).

“Prendemos médicos”, acrescentou. “Eles estavam usando um hospital que estava produzindo certificados, frascos e seringas falsos.”

Até agora, 14 pessoas foram presas sob suspeita de trapaça, tentativas de homicídio culposo, conspiração criminosa e outras acusações. Mais prisões podem ocorrer enquanto a polícia continua investigando outras pessoas envolvidas no golpe, disse Thakur.

A Índia foi devastada por uma segunda onda de coronavírus entre abril e o início de junho, que infectou milhões e matou dezenas de milhares em todo o país.

Após o pico em maio, os casos diários diminuíram lentamente, aliviando a pressão sobre o tenso sistema médico – e permitindo que as autoridades intensificassem seu programa de vacinação durante a recuperação do país.

Em junho, o primeiro-ministro Narendra Modi anunciou uma campanha centralizada de vacinas, na qual uma proporção significativa das doses seria fornecida gratuitamente aos estados pelo governo central.

Logo depois, o país administrou um recorde de 8 milhões de vacinas administradas em um dia – um “bom” sinal da aceleração do programa, disse Modi.

Até agora, mais de 62 milhões de pessoas – cerca de 4,5% da população do país – foram totalmente vacinadas, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

As campanhas de vacinação falsa ocorreram entre o final de maio e o início de junho, de acordo com a afiliada CNN, News18 da CNN. As autoridades começaram a investigar depois que algumas das vítimas do golpe, suspeitando dos certificados de vacinação que receberam, denunciaram o fato à polícia.

Uma das ações falsas aconteceu em uma sociedade de habitação – mas “nenhum de nossos membros apresentou sintomas e também tivemos que pagar em dinheiro”, disse um morador de lá, de acordo a CNN-News18, afiliada da CNN na Índia. “Naquela época, duvidávamos disso.”

Enquanto a polícia investigava o caso, outras pessoas tomaram medidas legais por conta própria. Siddharth Chandrashekhar, advogado de Mumbai, entrou com uma ação de interesse público em 24 de junho – altura em que o promotor público já havia confirmado mais de 2.000 vítimas dos golpes.

As alegações são “realmente chocantes”, disse o Tribunal Superior de Bombaim no processo, instando as autoridades estaduais e locais a agirem “para que indivíduos inocentes não sejam enganados no futuro”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Tão desprezivel quanto qualquer apombaiado que fica conotando esse tipo de atitude politicamente!!! seja gado, mortadela ou qualquer outra besteira dessa.
    É esse tipo de gente que enfraquece um país, que politizando todas as opiniões vão transformando o Brasil em um lugar de imbecis!!!

  2. Vixe, igual a Dóriavac kķkkk
    Deus é mais, tão brincando com a saúde do povo. Ainda bem que temos um Presidente responsável.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientistas italianos encontram lagos de água salgada em Marte

Foto: Kjpargeter/Freepik

Um grupo de pesquisadores italianos descobriu uma rede de lagos de água salgada sob as geleiras localizadas no polo sul de Marte e a descoberta pode ajudar a reescrever a história do clima do planeta vermelho, ajudando a entender a eventual existência de formas de vida.

Ao redor de um lago descoberto em 2018, os estudiosos localizaram outros três, descritos nesta segunda-feira (28) na revista “Nature Astronomy” pela mesma equipe que fez o achado há dois anos. Eles usaram o radar Marsis, da Agência Espacial Italiana (ASI), que faz parte da missão Mars Express da Agência Espacial Europeia (ESA).

O estudo foi coordenado pelos pesquisadores da Universidade Roma Tre, Elena Pettinelli e Sebastian Emanuel Lauro, e pelo professor Roberto Orosei, do Instituto Nacional de Astrofísica (Inaf).

“Em relação a 2018, nós ampliamos muito a área de estudo e utilizamos métodos diferentes de análises. Agora, os dados indicam que existe um sistema hídrico mais amplo “, explicou Petinelli à ANSA . Há dois anos, os especialistas analisaram uma área de 20 quilômetros quadrados e agora foi detalhado um espaço de 250km por 300km.

“O fato de encontrarmos estruturas hidrológicas complexas nos sugere que devem existir outras”, pontua a pesquisadora.

Para Enrico Flamini, presidente da Escola Internacional de Pesquisas para as Ciências Planetárias (IRSPS), da Universidade de Chieti-Pescara e entre os autores da missão de 2018, a descoberta daquele ano “foi só a primeira prova de um sistema muito mais amplo de corpos hídricos líquidos no subsolo marciano “. “É exatamente o que estava esperando: um verdadeiro grande resultado”, comemorou Flamini.

O responsável científico do radar Marsis, Roberto Orosei, também revelou sua empolgação com a descoberta porque ela “mostra um inteiro sistema de lagos, o que implica que o seu processo de formação tenha sido relativamente simples e comum”.

“E esses lagos devem ter existido em grande parte da história de Marte. Por isso, poderiam conservar ainda hoje traços de eventuais formas de vida que puderam evoluir quando Marte tinha uma atmosfera densa, um clima mais ameno e a presença de água líquida na superfície, similar à Terra nos primórdios “, destaca Orosei.

Também participaram da descoberta pesquisadores do Conselho Nacional de Pesquisas da Itália (CNR) e estudiosos italianos que trabalham na Universidade do Sul de Queensland, na Austrália, e da Universidade Jacobs, da Alemanha.

Último Segundo

Opinião dos leitores

  1. Se existem áreas desconhecidas em nosso planeta, como eles descobrem gelo, lago e etc… em outro planeta que nem análise de material físico tem.
    Acho que tem alguém querendo mostrar serviço para não ser demitido.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *