Geral

Pela primeira vez, Nasa extrai oxigênio respirável de Marte

Foto: Handout . / Via REUTERS

Em sua missão mais recente a Marte, a Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa) realizou um novo feito ao converter dióxido de carbono da atmosfera em oxigênio puro e respirável.

A Nasa informou que a extração de oxigênio foi realizada por um dispositivo experimental, a bordo do Perseverance, jipe científico que pousou no Planeta Vermelho em 18 de fevereiro depois de uma viagem de sete meses.

O instrumento – batizado de Moxie, uma abreviação de Experimento de Utilização de Recurso de Oxigênio Marciano In-Situ — produziu cerca de cinco gramas de oxigênio, o equivalente a 10 minutos de ar respirável para um astronauta, informou a agência.

— O Moxie não é só o primeiro instrumento a produzir oxigênio em outro mundo — disse Trudy Kortes, diretora de demonstrações tecnológicas do Diretório de Missão de Tecnologia Espacial da Nasa, em um comunicado. Ela o classificou como a primeira tecnologia do tipo a ajudar missões futuras a “viverem dos frutos da terra” de outro planeta.

O instrumento funciona por eletrólise, que usa o calor extremo para separar átomos de oxigênio de moléculas de dióxido de carbono, que representa cerca de 95% da atmosfera marciana — o oxigênio só existe em Marte em quantidade ínfima.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. O comitê científico do consórcio nordeste, não deu uma palavra a respeito desse assunto acho que é mentira.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

FOTOS E VÍDEO: Helicóptero da Nasa, Ingenuity faz história com 1º voo sobre Marte

Fotos: Nasa/Twitter/Reprodução/JPL Caltech

A Nasa reportou na manhã desta segunda-feira (19) o sucesso da missão não tripulada de exploração da superfície de Marte com o helicóptero-robô Ingenuity. Segundo a agência espacial dos Estados Unidos, a aeronave decolou e pousou em segurança. Este foi o primeiro voo controlado por um veículo sobre a superfície de outro planeta. (Veja vídeo AQUI via CNN Brasil).

“Agora podemos dizer que seres humanos voaram em uma aeronave em outro planeta”, disse MiMi Aung, gerente de projeto da Ingenuity no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL). A Nasa avalia que o sucesso da missão pode abrir caminho para novos projetos de exploração de Marte e outros planetas do Sistema Solar, como Vênus e Titã, a lua de Saturno.

Os gerentes da missão no Laboratório de Propulsão a Jato viveram momentos de euforia, com aplausos e gritos de comemoração, quando os dados de engenharia enviados de Marte confirmaram que o helicóptero de dois rotores de 1,8 kg havia realizado seu voo inaugural de 40 segundos conforme o planejado cerca de três horas antes.

O helicóptero robô foi programado para subir 10 pés (3 metros) em linha reta para cima, depois pairar e girar no lugar sobre a superfície marciana por meio minuto antes de voltar e pousar em suas quatro pernas. A Nasa transmitiu imagens do voo durante a cobertura do evento.

CNN Brasil, com Reuters

Opinião dos leitores

  1. O homem está preso na Terra. Não sai de jeito nenhum. Poderíamos estar investindo esses bilhões de dólares gastos com isso, para tentar resolver os problemas urgentes aqui na Terra. Fome, meio ambiente por exemplo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientistas italianos encontram lagos de água salgada em Marte

Foto: Kjpargeter/Freepik

Um grupo de pesquisadores italianos descobriu uma rede de lagos de água salgada sob as geleiras localizadas no polo sul de Marte e a descoberta pode ajudar a reescrever a história do clima do planeta vermelho, ajudando a entender a eventual existência de formas de vida.

Ao redor de um lago descoberto em 2018, os estudiosos localizaram outros três, descritos nesta segunda-feira (28) na revista “Nature Astronomy” pela mesma equipe que fez o achado há dois anos. Eles usaram o radar Marsis, da Agência Espacial Italiana (ASI), que faz parte da missão Mars Express da Agência Espacial Europeia (ESA).

O estudo foi coordenado pelos pesquisadores da Universidade Roma Tre, Elena Pettinelli e Sebastian Emanuel Lauro, e pelo professor Roberto Orosei, do Instituto Nacional de Astrofísica (Inaf).

“Em relação a 2018, nós ampliamos muito a área de estudo e utilizamos métodos diferentes de análises. Agora, os dados indicam que existe um sistema hídrico mais amplo “, explicou Petinelli à ANSA . Há dois anos, os especialistas analisaram uma área de 20 quilômetros quadrados e agora foi detalhado um espaço de 250km por 300km.

“O fato de encontrarmos estruturas hidrológicas complexas nos sugere que devem existir outras”, pontua a pesquisadora.

Para Enrico Flamini, presidente da Escola Internacional de Pesquisas para as Ciências Planetárias (IRSPS), da Universidade de Chieti-Pescara e entre os autores da missão de 2018, a descoberta daquele ano “foi só a primeira prova de um sistema muito mais amplo de corpos hídricos líquidos no subsolo marciano “. “É exatamente o que estava esperando: um verdadeiro grande resultado”, comemorou Flamini.

O responsável científico do radar Marsis, Roberto Orosei, também revelou sua empolgação com a descoberta porque ela “mostra um inteiro sistema de lagos, o que implica que o seu processo de formação tenha sido relativamente simples e comum”.

“E esses lagos devem ter existido em grande parte da história de Marte. Por isso, poderiam conservar ainda hoje traços de eventuais formas de vida que puderam evoluir quando Marte tinha uma atmosfera densa, um clima mais ameno e a presença de água líquida na superfície, similar à Terra nos primórdios “, destaca Orosei.

Também participaram da descoberta pesquisadores do Conselho Nacional de Pesquisas da Itália (CNR) e estudiosos italianos que trabalham na Universidade do Sul de Queensland, na Austrália, e da Universidade Jacobs, da Alemanha.

Último Segundo

Opinião dos leitores

  1. Se existem áreas desconhecidas em nosso planeta, como eles descobrem gelo, lago e etc… em outro planeta que nem análise de material físico tem.
    Acho que tem alguém querendo mostrar serviço para não ser demitido.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Nasa lança com sucesso mais uma missão para explorar Marte

Foto: Reprodução YouTube/Nasa

A Nasa, agência espacial norte-americana, lançou nesta quinta-feira (30) mais uma missão espacial que tem como objetivo explorar Marte. O foguete que cruza a atmosfera rumo ao planeta vermelho leva o robô Perseverance para buscar vestígios de vida fora da Terra.

O moderno equipamento chegará em solo marciano em 18 de fevereiro de 2021. Então, começará o trabalho de buscar na superfície e também no subsolo de um antigo lago algum material biológico.

O Perseverance conta instrumentos de ponta que podem detectar matéria orgânica, analisar a composição das rochas e do solo, além de permitir o mapeamento da composição química em um nível de precisão jamais realizado.

Durante a missão, o robô irá coletar amostras de solo que devem ser coletadas e trazidas para a Terra em futuras missões espaciais. Até hoje, nenhum material marciano foi enviado de volta para que estudos sejam realizados.

A Nasa enviou também uma espécie de drone espacial que poderá voar em Marte. Essa será a primeira vez que um equipamento realizará voos sendo controlado pelo cientistas aqui na Terra.

R7

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO: Luz misteriosa em Marte intriga cientistas

thumb-170435-luz-misteriosa-em-marte-resizedUma foto feita pelo jipe-robô Curiosity mostra uma luz inexplicável em Marte que tem intrigado cientistas. Entusiastas acreditam que esse é um sinal de que existe vida no planeta vermelho. Mas pesquisadores da Nasa, agência espacial americana, descartam a hipótese.

A imagem foi tirada pela câmera do lado direito do Curiosity em uma área de estudos do planeta conhecida como Kimberley. Porém, a luz não aparece nas fotos feitas pela câmera que fica no lado esquerdo do jipe-robô.

Quando chegou ao planeta Terra, a imagem feita por Curiosity deixou muita gente intrigada, o que inclui os pesquisadores da Nasa. O blogueiro Scott Waring, por exemplo, acredita que a fotografia sugere que há criaturas inteligentes vivendo no planeta.

Mas Doug Ellison, um dos cientistas da agência, disse que a luz captada tem explicação e certamente não representa nenhuma prova de vida extraterrestre. Ellison disse à NBC que a luz pode ter sido resultado de uma reação aos raios cósmicos de alta intensidade energética, no momento em que atingiram a superfície de Marte.

O espaço é preenchido com radiação e a fina atmosfera de Marte não bloqueia partículas de alta energia (raios cósmicos) com tanta eficácia como a grossa atmosfera terrestre. Por isso, alguns raios cósmicos atingem a superfície de Marte.

Apesar da opinião de vários cientistas, a Nasa ainda não emitiu nenhum comunicado oficial. A única declaração que a agência deu até agora é que o time que cuida do Curiosity está empenhado em estudar a imagem para entender o que é essa luz. Divulgarão a informação quando tiverem certeza do que se trata.

INFO Online

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Projeto que promete viagem só de ida para Marte atrai 200 mil candidatos; brasileiros entre os mais interessados

2013-599031078-20130322073702506rts.jpg_20130322Muitas pessoas cultivam o sonho de morar em outro planeta. Em Marte, especificamente, são 202.586. Este é o número de candidatos que, nos últimos cinco meses, mandaram vídeos e e-mails para o Projeto Mars One, capitaneado pelo engenheiro holandês Bas Landscorp. Ele admite que ainda não tem toda a tecnologia necessária para mandar 24 selecionados para o planeta vizinho — e muito menos para retirá-los dali. Ainda assim, é grande o fascínio exercido pelo ambiente inóspito, frio, seco e de radiação na superfície.

O tíquete para Marte não é barato. Estima-se que o custo para envio dos primeiros colonos chegue a US$ 6 bilhões. Para bancá-lo, o Mars One passará os próximos dois anos afunilando sua lista de candidatos. Da peneira sairão seis equipes, cada uma composta por quatro pessoas, que se enfrentarão em um reality show (um dos coordenadores do projeto é co-criador do Big Brother), com transmissão prevista para dezenas de países. O quarteto vencedor será o primeiro levado ao espaço, e sua missão também será acompanhada pelo espectadores. A audiência do programa e a cooperação da iniciativa privada bancariam o envio das naves.

— O local da disputa ainda não foi definido, mas provavelmente será um ambiente inóspito e de temperatura baixa, o mais próximo possível do que sabemos de Marte — revela Thais Russomano, coordenadora do Laboratório de Microgravidade da PUC-RS e consultora do Mars One. — Não sabemos por quanto tempo o treinamento será transmitido, mas sua duração é de dez anos. Os tripulantes terão de adquirir o maior conhecimento técnico possível para sobreviverem em um planeta que tem apenas um terço da gravidade terrestre, sem um invólucro gasoso que sirva como proteção para as radiações solares e com a água congelada no solo. Se não souberem perfurá-lo, não serão autossuficientes.

A diminuição da gravidade causará alterações em todo o organismo, como a perda de cálcio dos ossos e a troca gasosa entre o sangue e o ar presente nos pulmões. A exposição recorde à radiação solar será outro desafio.

Além de acompanhar as aulas de sobrevivência em Marte, o programa televisivo, como todo reality show que se preze, vai explorar o perfil psicológico de seus participantes. Entre as características fundamentais para quem quiser entrar na expedição estão a capacidade de liderança, dedicação e — considerando que a viagem não tem volta — desprendimento.

Dono de uma pousada em Nova Friburgo, João Carlos Leal, de 52 anos, garante que cumpre as exigências. Seu interesse pelo espaço começou aos 8 anos, quando viu a decolagem da primeira missão Apollo. Colecionador de filmes de ficção científica, ele considera que sua idade é um trunfo.

— Terei 62 anos quando lançarem a primeira nave, mas muitos homens da minha família vivem bem até quase os 80 — avalia. — Posso, então, contribuir muito com a equipe. Mais de metade dos inscritos têm menos de 30 anos. Essas pessoas ainda têm muito o que fazer por aqui. Já vivi muita coisa na Terra, seria bom experimentar algo diferente. São sete meses de viagem até Marte e o resto da vida no planeta. Uma pessoa madura pode se adaptar melhor ao confinamento do que um jovem, que logo ficaria depressivo.

Leal precisou de muita conversa para explicar à família por que havia se inscrito no projeto.

— Algumas pessoas não sabiam se deviam me dar parabéns ou os pêsames — brinca. — Afinal, é uma morte em vida. Mas terei muito tempo para curtir meus filhos. O caçula tem 12 anos. Quando for embora, ele terá quase 23. Estará na faculdade e interessado em outras coisas.

O Brasil teve 10.289 inscritos no projeto — Leal está entre os 79 compatriotas cujo perfil já foi publicado no site do Mars One. O país é o quarto entre aqueles com maior número de candidatos. O ranking é liderado por EUA, Índia e China. Ao todo, 140 nações têm pessoas inscritas no projeto.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. acho um absurdo isso nao passa de uma jogada de marketing onde sera possivel viver em outro planeta, que noticia sem noção ridiculo

  2. Já é hora de mandar a parte do movimento dissidente do MST. Como consolo, criariam o MSM, ou seja, o "Movimento dos Sem Marte". Acho que seria uma boa idéia. Só assim, o Brasil se livraria de uma leva de desocupados, que por falta do que fazer, vivem de tumultuar e prejudicar a vida dos outros.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientistas da Nasa identificam indícios de existência de vida em Marte

O robô Curiosity, da agência espacial norte-americana, a Nasa, descobriu mais indícios da existência de água em Marte. O Curiosity chegou na superfície de Marte, em agosto de 2012, e foram feitas fotografias de várias áreas. Também foram examinadas 515 pedras. Algumas tinham a superfície redonda e lisa como se viessem de leitos de rios. O estudo completo está publicado na revista Science.

O diretor do grupo de investigação sobre o planeta vermelho no Instituto Niels Bohr, Morten Bo Madsen, disse que as descobertas oferecem mais pistas sobre o passado de Marte. Se atualmente o planeta é árido, os cientistas encontraram provas de que a água fluiu na sua superfície há milhões de anos. Os robôs Spirit e Opportunity, ambos da Nasa, tinham encontrado sinais da existência passada de água em Marte.

Em março, a agência espacial informou que a análise de uma amostra de rocha recolhida pelo Curiosity revelou que Marte teve condições para abrigar vida em forma de micróbios. Os cientistas identificaram enxofre, nitrogênio, hidrogênio, oxigênio, fósforo e carbono, que são alguns dos elementos essenciais para a vida.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Vídeo mostra como Sonda Spirit chegou a Marte

O vídeo retrata em pouco mais de seis minutos, como se realizou a viagem de sete meses da Sonda Spirit ao planeta Marte.  A animação é uma versão editada do vídeo original de 2006, e foi postado no youtube há um ano, mas agora animação começa a circular com mais intensidade na web.

A Sonda Spirit  foi um veículo de exploração espacial não tripulado, cuja missão era estudar o planeta Marte, permanecendo ativo de 2004 a 2010. A sonda foi um dos veículos projetados pela NASA para o Programa Mars Exploration Rovers. Pousou com sucesso em Marte em 4 de janeiro de 2004, três semanas antes do outro veículo, Opportunity.

O robô atingiu o tempo planejado para a missão, mas continuou em atividade por mais de 20 vezes o tempo inicial, devido ao excelente condicionamento de seus sistemas. Além disso, o robô percorreu cerca de 7,7 km, ao invés do 1 km que era esperado no início da missão, permitindo uma investigação geológica mais extensa e completa que o previsto.

O Spirit continuou a realizar suas tarefas até 22 de março de 2010, quando a comunicação foi interrompida, ainda tentou-se restabelecer a comunicação até 24 de maio de 2011, quando a Nasa anunciou que os esforços para se comunicar com o Rover tinham terminado. A despedida formal foi planejada na sede da Nasa após o feriado do Memorial Day e foi televisionada pela NASA TV.

Confira o vídeo aqui

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

[FOTO] Robô Curiosity envia primeira imagem colorida de Marte; confira

Foto: Divulgação / Nasa

 

O robô Curiosity enviou a primeira foto colorida e um vídeo mostrando os últimos dois minutos e meio de seu mergulho na atmosfera marciana.

A gravação começou com a proteção térmica cai e terminou quando o robô foi baixado por cabos dentro de uma antiga cratera.

A primeira foto colorida da cratera onde o Curiosity aterrissou mostrou um horizonte pedregoso e o aro da cratera Gale à distância. O robô fez a imagem com uma câmera no seu braço robótico. O horizonte aparece difuso porque a capa removível foi coberta de poeira durante a descida.

A Nasa celebrou a precisão da aterrissagem do robô e as imagens obtidas – com destaque para o mergulho na atmosfera do planeta vermelho.

O Curiosity é a peça mais pesada do maquinário enviado pela Nasa a Marte, e o sucesso aumentou a confieança da agência de que é possível descarregar equipamento que astronautas precisariam em futuras missões tripuladas.

O laboratório, do tamanho de um carro compacto, aterrissou bem n alvo após uma viagem de oito meses e 566 milhões de quilômetros.

Esforços extraordinários foram necessários para o sucesso da missão porque o robô pesa uma tonelada, e a fina atmosfera marciana oferece pouca resistência para diminuir a velocidade da nave. Curiosity teve que desacelerar de 21 mil quilômetros/hora a zero em sete minutos, usando um paraquedas e foguetes. Para finalizar, cabos baixaram o robô até a superfície do planeta.

No fim do que a Nasa chamou de ‘sete minutos de terror’, o veículo foi estabelecido no local previsto.

O robô ira escavar a superfície para analisar o que há ali e procurar sinais de vida em moléculas, incluindo carbono.

Ele não se moverá por algumas semanas, porque todos os sistemas terão que ser checados. Nos próximos dias, enviará mais fotos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Novo robô da Nasa pousa em cratera de Marte nesta madrugada

Na madrugada desta segunda-feira –2h31 no relógio de Brasília— a Nasa pousou numa cratera de Marte um veículo robótico batizado de Curiosity (Curiosidade). Custou US$ 2,5 bilhões. Cruzou 570 milhões de quilômetros no espaço, numa viagem que durou oito meses e meio.

Bem sucedida, a aterrissagem foi celebrada com gritos e abraços pela equipe da agência espacial americana, em Pasadena, na California. A imagem ao lado, divulgada pela Nasa via Twitter, mostra a sombra do jipe-robô no instante em que pousava na cratera batizada de Gale, um megaburaco com 154 quilômetros de diâmetro. O objetivo da missão não-tripulada é o de verificar se já houve vida em Marte.

Chamada de “sete minutos de terror”, a operação de descida envolveu procedimentos inéditos. A nave que conduzia o jipe-robô teve a velocidade reduzida de 20 mil quilômetros por hora para 1 metro por segundo. Pendurado em cordas de náilon e suportado por um guindaste, o Curiosity tocou suas rodas na superfície da cratera suavemente.

A Nasa espera divulgar nos próximos dias fotos coloridas captadas por seu robô. Estima-se que a primeira fase da missão será concluída em 98 semanas. Mas as pesquisas devem durar muito mais do que isso, pelo menos uma década. O jipe-robô está equipado com geradores de plutônio projetados para fornecer-lhe energia por 14 anos.

Carrega, de resto, além do equipamento fotográfico, ferramentas desenvolvidas para perfurar rochas e coletar amostras da superfície de Marte. Estudos anteriores já haviam detectado, por meio de imagens, indícios da existência de água no planeta.

Espera-se agora levar as pesquisas para muito além dos meros indícios. Em declaração divulgada pela Nasa também via Twitter, o presidente Barack Obama manifestou-se com um entusiasmo de candidato à reeleição: “Nessa noite, no planeta Marte, os Eustados Unidos fizeram história.”

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *