Polícia

FOTO: Polícia do Rio prende médico e dono de clínica por vender atestados de comorbidade falsos para vacinas de Covid

Foto: Divulgação

Agentes da Delegacia de Defraudações da Polícia Civil do Rio prenderam nesta quinta-feira (27) em Pilares, na Zona Norte da capital, dois suspeitos de vender atestados falsos de comorbidades para vacinas de Covid.

Os presos foram identificados como Sérgio Mendes Izidoro, dono de uma clínica em Pilares, e Augusti Guedes de Carvalho FIlho, médico.

Segundo a polícia, na clínica foi constatado que ambos vendiam o atestado falso por R$ 20. “No atestado, o médico afirma que o paciente possuía comorbidade incluída no rol elencado pelo Ministério da Saúde”, explicou Daniela Rebelo, responsável pelas investigações.

No local, a polícia apreendeu medicamentos e atestados para doenças como hipertensão aterial.

O médico e o dono da cínica podem pegar até 5 anos de prisão pelos atestados falsos.

G1

Opinião dos leitores

  1. Natal teve uma chuva de atestados dados por médicos amigos. Teve família que se vacinou todos num dia. Até o papagaio.

  2. Tem que começar a vacinar todas as pessoa na sequência com menos de 60 anos que contremplarar todos sem discriminação e atingirá todas as pessoas sem distinção e sem fraude, TEMOS QUE DIVULGAR, BLOGUEIRO AJUDE A QUE TODOS SEJAM VACINADOS SEGUINDO A FILA ONDE SE INCLUIRÁ TRABALHADORES QUE NO DIA A DIA ESTÃO EXPOSTOS AO VÍRUS E POR CONTA DE SEREM SADIOS SÃO DISCRIMINADOS.

  3. Isso é uma VEGONHA. O cara ser médico e vender atestado a 20 reais. A corrupção , o roubo, a sacanagem estão enraizados no Brasil . Onde vamos parar ? Só Deus mesmo .

    1. Calma …dizem que ele VENDEU ATESTADO !!! é só contratar o advogado do ladrao Lula, STF julga, e correr para o abraço

    2. Se tivesse contratado o advogado do Flávio Rachadinho nem tinha ido preso…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Seis são presos e 80 tabletes de maconha são apreendidos em operação da Polícia Civil em Natal, Pipa e São José de Mipibu; drogas foram apreendidas em Natal

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte, por meio da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), deflagrou, nesta quinta-feira (27), a 6ª fase da Operação 1814, nas cidades de Natal, Pipa e São José de Mipibu. Durante as diligências, foram presas seis pessoas e apreendidos 80 tabletes de maconha.

Cinco homens e uma mulher foram detidos e devem responder por crimes como associação criminosa e tráfico de drogas, segundo a corporação. A droga foi achada pela polícia em uma casa abandonada, no bairro Potengi, na Zona Norte da capital. Além dos entorpecentes, foram apreendidos rádios comunicadores, balanças e dinheiro.

Um dos homens tinha um mandado de prisão em aberto por estupro de vulnerável em São Paulo. Outros dois presos são apontados pela polícia como chefes de uma facção criminosa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS: Confusão em protesto do MLB em Natal que precisou de ação da polícia e guarda municipal registra vidraça de kombi destruída com arremesso de pedra gigante

Fotos: Cedidas

A entrega do Residencial Severino de Souza Marinho, em Natal, ofuscada na manhã desta sexta-feira(14) pela tentativa de invasão de manifestantes do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) na área reservada para a entrega simbólica das chaves, o que gerou conflito com a polícia e guarda municipal, com direito a balas de borracha e spray de pimenta, acabou provocando prejuízo ao dono de uma Kombi, que teve a janela do veículo destruída por uma pedra gigante arremessada durante a confusão.

Na manifestação do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), uma grade de proteção do evento foi derrubada, gerando a confusão que não impediu a conclusão da cerimônia.

Opinião dos leitores

  1. Arruaceiros milicianos. Esse sim são milicianos de verdade. Nosso Presidente Capitão era pra mandar descer o cacete nesse povo de vermelho.

  2. Amostra grátis do que será esse País, caso a esquerda volte ao Poder. Quem quiser arruaça, já sabe em quem votar. O cidadão de bem, pagador de impostos, não pode compactuar com esse tipo de gente.

  3. Só arruaceiros se aproveitando das lutas das minorias para fazerem baderna e colocar a polícia contra a população. Acho que essa é a pauta principal desses movimentos de esquerda: colocar a população contra a polícia.

  4. Tudo orquestrado, esse “Movimento” foi o mesmo que criou confusão na votação do plano diretor. Entendendores entenderão…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Autor de ataque em creche em SC passou por duas cirurgias, deve ter alta da UTI nos próximos dias e polícia prepara interrogatório

Arma que foi apreendida e irá passar por perícia no IGP — Foto: Jornal e TV A Sua Voz, reprodução

A Polícia Civil ouviu mais de 10 testemunhas na investigação sobre o ataque a creche em Saudades, no Oeste catarinense, até quinta-feira (6). O delegado Jerônimo Marçal Ferreira afirmou autor do crime, um jovem de 18 anos, será ouvido assim que o estado de saúde ele permitir.

O autor está internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, cidade a cerca de 60 quilômetros de Saudades. Segundo o boletim médico da noite de quinta, ele passou por duas cirurgias e está se recuperando.

Ele deve ter alta da UTI nos próximos dias. A Polícia Civil quer descobrir a motivação por trás do ataque.

Na manhã de terça (4), o jovem foi à escola infantil Aquarela e, armado com um facão, matou três crianças de um ano, uma professora de 30 e uma agente educativa de 20. Depois, golpeou o próprio corpo. Um bebê foi socorrido e se recupera no hospital.

Ele passou por procedimentos cirúrgicos no pescoço, tórax, abdômen e pernas, conforme o hospital.

Análise do material apreendido

A Polícia Civil já começou a analisar os dois computadores e um pen drive encontrados na casa do homem apontado como autor do ataque. A autorização para investigar os dispositivos foi obtida pela Justiça na quarta-feira (5).

Estão sendo investigados e-mails, mensagens trocadas e outras interações que o jovem possa ter feito em redes sociais e fóruns.

Na quarta, o delegado confirmou o indiciamento do autor por cinco homicídios triplamente qualificados, além de uma tentativa de homicídio contra a criança ferida. As qualificadoras dos crimes são: motivo torpe, utilização de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e a utilização de meio cruel.

Na quarta a Justiça negou o pedido de exame de sanidade mental do autor. O motivo da negativa foi o atual estado de saúde do agressor.

Após manifestação do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a Justiça catarinense decretou a conversão da prisão flagrante em preventiva.

Investigação

Na casa do homem, os agentes encontraram também R$ 11 mil em espécie e duas embalagens de facas novas. O dinheiro era proveniente de salários que o assassino guardava. Ele trabalha em uma empresa de produção de roupas.

Ninguém da família do homem de 18 anos suspeitava que ele planejava crime, segundo a polícia. O autor não tinha antecedentes criminais e era descrito como quieto pela comunidade.

“Pais e irmã disseram que ele era mais quietão, não saía com ninguém, não tinha celular. Tinha se afastado dos poucos amigos”, relatou o delegado.

Uma arma apreendida no local do crime também passa por perícia no Instituto Geral de Perícias (IGP).

Com G1

 

Opinião dos leitores

  1. Esse individuo cometeu um CRIME horrível contra inocentes, mas isso parece ficar em segundo plano quando a polarização está em um nível tão assustador quando o CRIME cometido por esse cidadão. O mais importante é que esse criminoso pague pelos crimes que cometeu.
    Que Deus de alguma forma conforte o coração dessas famílias.

    1. Mais um protegido com o famigerado discurso de “coitadinho, excluído social”. Dessa vez perderam o discurso contra as armas de fogo, afinal a esquerdalha afirma que só elas matam. Só matam nas mãos do cidadão e da PM, não nas mãos dos bandidos arma de fogo nunca matou.
      O povo já percebeu que a mídia imediatamente noticia que toda bala perdida vem da arma de PM, criando uma mentira no sentido que bandido nunca errou 01 tiro, bandido nunca matou inocente., bandido nunca foi violento, por isso eles continuam armados com rifles e metralhadoras, pois revolver é coisa de ladrão de galinha.
      Como vai a CPI da vergonha? formada por senadores que respondem a processo por corrupção?

    2. Na pagina de facebook dele tinha uma imagem de che-guevara e uma imagem de #forabolsonaro. Então já da pra deduzir que o cara era da esquerda mesmo… e se bobear era PTista ou ligado ao PSOL.

    3. Errou amigo, o perfil dele apagado no instagram era de esquerdista raiz, lulalivre e fora bolsonaro além de fã de Che Guevara

    4. O esquerdista vomitando seu ódio sem saber do que fala, como sempre.
      O tal Fabiano mantinha nas redes sociais, perfil com #forabolsonaro e mostrando seus ídolos Che Guevara e Fidel Castro. Obrigado direita esclerosada, você dá prova que realmente é um esclerosado que tem corrupto de estimação.

    5. Bando de retardados, que acreditam em corrente de WhatsApp.

    6. D. Esclerose, vc é um comentarista bofote e imbecil. Ao que consta, são diametralmente o opostas as convicções políticas desse psicopata, bem ao gosto da esquerda doente que mata e esconde a unha, veja a tentativa de matar o presidente, os acertos com o PCC, Toninho do PT, Celso Daniel, MST, e tantos outros. Esse meliante, que provavelmente é um paciente Psiquiátrico, vai soltar a língua, não precisa soltar baboseira antecipada na net. Guarde suas opiniões para os seus lacaios.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

REPUGNANTE E CRIMINOSO: Polícia indonésia descobre reuso de cotonetes para testes de Covid em aeroportos; golpe em andamento há cerca de quatro meses

Foto: Fabrizio Bensch/Reuters (5.ago.2020)

Até 10 mil passageiros de companhias aéreas podem ter sido testados para coronavírus com cotonetes nasais reutilizados em um golpe que rendeu milhares de dólares para os perpetradores, de acordo com a polícia da Indonésia.

Cinco funcionários da maior empresa farmacêutica indonésia Kimia Farma foram presos em 27 de abril por supostamente lavar e reembalar kits de swab nasal para teste rápido de antígeno e usá-los em passageiros no Aeroporto Internacional de Kuala Namu na cidade de Medan, no norte do país.

A Indonésia exige que todos os passageiros apresentem um teste de coronavírus negativo antes de embarcarem em um voo doméstico, e a empresa vende os kits de teste no aeroporto de Medan, o terceiro maior do país.

O golpe já estava em andamento há cerca de quatro meses, disse a polícia.

O porta-voz da Polícia do estado de Sumatra do Norte, Hadi Wahyudi, disse que as autoridades ainda estão investigando o número de vítimas afetadas pelos cotonetes reutilizados.

“Eles começaram o crime em 17 de dezembro de 2020. Se todos os dias eles tivessem de 50 a 100 clientes, o número de vítimas seria estimado em cerca de 10 mil”, disse ele.

Os suspeitos foram acusados de crimes de acordo com a legislação de Saúde da Indonésia, que prevê pena máxima de 10 anos de prisão se forem considerados culpados, e de acordo com a Lei de Proteção ao Consumidor do país, que prevê pena máxima de cinco anos.

Entre os presos está o gerente de negócios de Medan da empresa Kimia Farma. A polícia disse que cada suspeito desempenhava papéis diferentes no golpe, desde lavar os cotonetes até reembalar o kit e entregar as amostras ao laboratório.

A polícia encontrou cotonetes reciclados, embalagens recicladas e 149 milhões de rúpias (R$ 55.800), em dinheiro durante a operação que prendeu os cinco suspeitos. Os passageiros pagaram 200 mil rúpias (R$ 75) para cada teste com os cotonetes.

A CNN entrou em contato com a Kimia Farma, mas não teve retorno até o momento.

De acordo com o veículo South China Morning Post , dois advogados que voaram repetidamente pelo aeroporto de Medan nos últimos meses planejam abrir uma Ação Civil Coletiva contra a empresa pedindo indenização de 1 bilhão de rúpias (R$ 370 mil) para cada passageiro afetado.

O ministro das empresas estatais da Indonésia, Erick Thohir, disse em um post no Twitter na semana passada que os envolvidos deveriam ser submetidos a “punições muito rígidas”.

Covid na Indonésia

A Indonésia é a quarta nação mais populosa do mundo e experimentou um dos piores surtos de Covid na Ásia. Mais de 1,6 milhão de casos e 46 mil mortes foram registrados desde o início da pandemia, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

No início desta semana, o Ministério da Saúde da Indonésia confirmou dois pacientes com a variante B.1.617 de Covid identificada pela primeira vez na Índia. O país registrou uma média diária de cerca de 5 mil casos de Covid-19 na semana passada.

As autoridades estão preocupadas com o impacto do feriado de Mudik, no qual dezenas de milhões de pessoas viajam para ver suas famílias em suas cidades natais para celebrar o Eid al-Fitr, o fim do Ramadã.

Para deter a disseminação do Covid-19 durante as festividades do Eid, o governo indonésio proibiu todas as viagens domésticas de 6 a 17 de maio. A proibição cobre viagens públicas e privadas, incluindo carros, motocicletas, ônibus, trens, balsas, navios e aviões.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Operação mira golpe em oferta de vacina contra a Covid; pelo menos 20 prefeituras pelo país podem ter sido lesadas, diz polícia

Foto: PRF/Divulgação

Uma empresa que ofereceu doses da vacina de Oxford/AstraZeneca a pelo menos 20 prefeituras de todo o Brasil foi alvo de uma operação nesta quinta-feira (22). A Polícia Civil do RJ afirma se tratar de um golpe.

Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Pernambuco, expedidos pelo juiz Bruno Monteiro Ruliere, da 1ª Vara Criminal Especializada do RJ, na Operação Sine Die — sem data, em latim.

Segundo a Delegacia de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro do RJ, a Montserrat Consultoria, com sede no Recife (PE), dizia ter um lote de meio bilhão de doses do imunizante, a US$ 7,90 (R$ 44) cada uma — mas que jamais seriam entregues.

A delegacia ainda não sabe se algum município chegou a pagar à organização. A operação policial precisou ser antecipada para evitar que alguma negociação fosse concluída e que provas fossem destruídas.

A capital de Rondônia, Porto Velho, começou a negociar a aquisição de 400 mil doses e investiu R$ 20 milhões para a compra, mas o valor está bloqueado.

Consulado alertou para fraude

“Nas reuniões com os prefeitos, eles se passavam por representantes da Ecosafe Solutions, [que ficaria] na Pensilvânia (EUA). Eles alegavam que essa empresa americana recebeu 500 milhões de doses por ter financiado os estudos da vacina”, explicou o delegado Thales Nogueira.

Na decisão que expediu os mandados, Ruliere destacou que a Oxford/Astrazeneca não realizou qualquer transação de venda de imunizantes para o mercado privado e entes municipais ou estaduais.

“Foi apurado que a pessoa jurídica citada [Ecosafe] não tem como finalidade social de venda de vacinas e, segundo informações do Consulado Americano, tem sido utilizada para diversas fraudes”, escreveu o magistrado.

De acordo com nota do laboratório AstraZeneca, todas as doses em produção estão destinadas a consórcios internacionais, como o Covax Facility, e contratos com países. Não há doses remanescentes para serem comercializadas.

Segundo a polícia, nos contratos apresentados pela Montserrat, as cidades deveriam realizar o pagamento antecipadamente via “swift” — um tipo de remessa internacional — ou carta de crédito irrevogável no momento da suposta postagem das doses em Londres.

Essas operações facilitam a remessa de dinheiro para o exterior e dificultam a repatriação dos valores.

Os agentes verificaram que a Ecosafe, além de ser recém-criada, utilizava como endereço um escritório de coworking — de espaços compartilhados — e ocultava os dados de registro de seu site.

A ação foi realizada com apoio da Polícia Civil de Pernambuco e da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O setor de Inteligência da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) auxiliou nas investigações.

Porto Velho chegou a separar R$ 20 milhões

Entre os municípios que receberam a oferta estão Duque de Caxias e Barra do Piraí, no Rio de Janeiro, e Porto Velho, em Rondônia. Somando apenas esses contratos, o golpe renderia quase R$ 70 milhões aos suspeitos.

Caxias chegou a assinar um contrato de intenção para compra de um milhão de vacinas no valor de R$ 45 milhões.

Porto Velho começou a negociar há mais de um mês a aquisição de 400 mil doses. O acordo passa por uma inspeção do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. Ao todo, R$ 20 milhões foram investidos para a compra das vacinas. O dinheiro está bloqueado e só seria liberado com a remessa embarcada.

Procurada pelo G1, a Prefeitura de Porto Velho ainda não se manifestou.

Em março, o prefeito de Goioerê, no Paraná, representando o Consórcio Intermunicipal de Saúde de Campo Mourão, se reuniu com representantes da Ecosafe e decidiu pela carta de intenção de aquisição dos imunizantes, destinando quase R$ 2 milhões.

Reunião no RJ foi gravada

O inquérito foi instaurado logo após oferta a políticos de Barra do Piraí, que desconfiaram da empresa e das formas de negociação. Eles acionaram agentes da Polícia Rodoviária Federal, que fizeram contato com os investigadores da Delegacia de Combate à Corrupção.

Uma reunião de oferta de doses foi gravada, com autorização da Justiça.

“Os sócios ofereceram as doses para a Prefeitura de Barra do Piraí e utilizaram como exemplo o Município de Porto Velho, em que já houve o pagamento e atraso na entrega das doses prometidas”, disse o delegado.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. na realidade esses prefeitos é que estavam tramando um golpe contra seus contribuintes, tomara que investiguem a fundo…

  2. Quem cometiam os golpes? Seriam empresas? Não acredito. Uma categoria que está acima do bem e do mal, de qualquer suspeita. Não é possível…. deve ter alguma coisa errada.

  3. Como se não bastassem os políticos corruptos… Agora temos Empresas especializadas em fraudes?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

(VÍDEO): Jogo classificatório no estadual de MS tem briga generalizada em campo, tiro da polícia e termina com três em delegacia

Foto: Reprodução. ASSISTA AQUI em matéria na íntegra

Um tiro foi disparado por um policial após uma briga generalizada entre as comissões técnicas do Aquidauanense e do Águia Negra, em um jogo classificatório no Campeonato Sul-Mato-Grossense de 2021, nesta quinta-feira, em Aquidauana.

Após o disparo, o jogador Rafael Xavier, do Águia, caiu no campo com dores em uma das pernas (assista no vídeo acima). Não é possível precisar se ele foi atingido.

A briga começou após a expulsão do jogador Daniel, do Águia Negra. Depois da saída do atleta, o jogo continuou, e a confusão foi para o banco, entre as comissões técnicas dos times sul-mato-grossenses.

A Polícia Militar teve de entrar no campo para conter a confusão. Em um determinado momento, enquanto os jogadores se aglomeraram próximo a um dos bancos, as imagens da transmissão via internet mostram um policial apontando a espingarda (aparentemente de pressão) para o chão. Em seguida, há o disparo.

O presidente do Águia Negra, Iliê Vidal, informou que Rafael Xavier não se feriu, mas que o jogador fará um Boletim de Ocorrência.

O jogo ficou parado por 21 minutos e posteriormente retomado. Ao final, o Aquidauanense venceu o Águia por 3 a 1. Com o resultado, o bicampeão estadual Águia Negra foi eliminado ainda na primeira fase da competição. Já o Aquidauanense garantiu vaga no hexagonal final.

Por meio de nota, a Polícia Militar informou que efetuava o policiamento durante a partida de futebol e por causa da discussão generalizada se fez “necessária a intervenção policial militar para encerrar o tumulto e evitar mal maior, sendo utilizados equipamentos e munições não letais”.

Após a ação, conforme a PM, três pessoas foram conduzidas para a delegacia “para esclarecimentos e as devidas providências cabíveis diante da lei”.

Globo Esporte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

‘GATONET’: Polícias e Receita caçam IPTVs pelo país; somente no RJ, operações apreenderam 1 milhão de equipamentos ilegais em 2020

Foto: Alba Valéria Mendonça/G1

Como uma praga, que começou com o roubo de cabos e instalação de antenas paralelas, o gatonet – como é chamado o sinal de TV fechada clandestino – evoluiu.

Os criminosos agora estão usando a internet para oferecer acesso a sinais de filmes e de canais de TV por assinatura. E como não depende mais de uma central física de distribuição de sinal, os negócios ganharam uma expansão. Antes restrito a favelas e comunidades, o gatonet esticou as garras para bairros da Zona Norte do Rio.

Todo o processo que envolve a prestação desse serviço é ilegal. Desde a exibição de filmes e produções audiovisuais, sem pagamento de direitos autorais, ao contrabando do decodificador, do tipo TV Box, passando pela instalação do software pirata, que capta irregularmente o sinal das operadoras de TV por assinatura.

No ano passado, as autoridades apreenderam mais de 1 milhão de aparelhos TV Box contrabandeados, no valor de R$ 1 bilhão.

Números do gatonet

Em 2021

Operações conjuntas: 9
Aparelhos apreendidos: 120,2 mil
Última operação integrada: em 31 de março
Apreensão nesta operação: 13.200 aparelhos
Valor estimado deste contrabando: R$ 9,9 milhões

Em 2020

Operações conjuntas: 23
Aparelhos apreendidos: mais de 1 milhão
Valor estimado do contrabando: cerca de R$ 1 bilhão

*Fonte: Divisão de Vigilância e Repressão ao Contrabando e Descaminho (Receita Federal) e Polícia Civil

“Tudo é crime. Então, as pessoas devem desconfiar de empresas ou pessoas que oferecem acesso ilimitado a 700 canais de filmes e TV, cobrando quantias irrisórias, que muitas vezes chegam a 10% do valor cobrado pelas operadoras de TV a cabo. Por isso, quando alguém recebe uma oferta como essa, deve comunicar o caso a uma delegacia”, disse o delegado Fabrício Oliveira, da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Polícia Civil.

‘Serviço paralelo’ em expansão

O serviço, anunciado como IPTV – que decodifica e transmite os sinais de TV via internet banda larga – vem sendo ampla e irregularmente ofertado em favelas e comunidades, principalmente por milicianos.

E agora começa a chegar a bairros da Zona Norte, como Rocha, Maracanã, Riachuelo. Mas podem alcançar qualquer região do Rio. Folhetos de propaganda são discretamente deixados em portarias e caixas dos Correios.

Num deles, por R$ 30 mensais, é possível ter acesso a mais de dez mil conteúdos, incluindo toda a programação de canais de TV por assinatura, além de filmes e séries, e serviços on demand (assistir aos programas de que mais se gosta na hora em que quiser),com imagem em alta definição. E avisa: “Alô, alô, não é gato”.

Vendedor explica uso do aparelho

Ou, como diz um vendedor, depois de destacar que é preciso baixar um aplicativo no celular do cliente:

“É IPTV, funciona através da internet direto na TV. Não precisa de cabo, de fio. A instalação é on-line. Só precisa ter alguns desses aparelhos descritos no panfleto. Ou Smart TV ou TV Box. Ou um celular, um computador, um notebook, um tablet, entendeu? Toda programação de canal fechado é liberada na TV ou no aparelho que você quiser assistir. Fica mais barato porque é pelo sinal da internet, entendeu?”

O vendedor diz ainda que se trata de um “serviço paralelo”. Ou seja, não está ligado a operadoras de telecomunicação oficial, como Claro ou Sky.

E como o sinal dos canais de TV fechados é captado pelo Wi-Fi, é preciso que o cliente disponha de serviço de internet de mais de 20 megas de velocidade para não ter problemas com as transmissões.

“Com menos do que isso, não posso garantir a qualidade. Agora, se a sua TV não for Smart TV, tem de comprar um TV Box. Eu não vendo TV Box, mas é fácil comprar. Tem em qualquer magazine, na Uruguaiana. Dá para comprar pela internet também”, informou o vendedor, dizendo que o aparelho deve custar uns R$ 150, mas esse valor compensa com a baixa mensalidade que ele oferece.

Ou seja, quem não tem uma Smart TV precisa desse decodificador que, quando conectado à internet via Wi-Fi, se transforma num centralizador e reprodutor de conteúdos de mídia de uma TV.

“Eles compram esses aparelhos muito barato na China. Antes, instalavam um dispositivo pirata para captar o sinal da TV por assinatura. Agora, os aparelhos já chegam com esse dispositivo. O TV Box não é ilegal, ele é aparelho para transformar uma TV normal em Smart TV, mas o contrabando e o dispositivo são ilegais”, afirma o delegado.

Decodificadores que, com software pirata, captam ilegalmente sinal de TV por assinatura e de filmes, e transformam aparelhos de TV comum em Smart TV — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Mais de 1 milhão de aparelhos apreendidos

O delegado Fabrício Oliveira diz ainda que essa nova modalidade de gatonet, que se vale da tecnologia, é mais difícil de ser encontrada, já que os desvios de sinal são feitos pela internet.

“Os criminosos não precisam mais de uma central física de distribuição do sinal. E como não estão mais limitados geograficamente por cabos e antenas, estão saindo das comunidades e se estendendo por bairros e outros cantos da cidade, onde tenha sinal de internet. Isso demanda uma investigação muito mais apurada”, disse.

O delegado diz que o desmantelamento de quadrilhas que exploram essa nova modalidade do gatonet é mais complexo, trabalhoso e delicado. São feitas operações da Polícia Civil integradas com a Polícia Federal e a Receita Federal, para evitar o contrabando dos aparelhos (TV Box).

A Superintendência Regional da Receita Federal na 7ª Região Fiscal (ES/RJ) informa que o aparelho certificado pela Anatel pode ser importado e comercializado normalmente, mas a maioria chega ao país contrabandeado.

E é aí que está o “pulo do gato”: nesses aparelhos que chegam ilegalmente são instalados aplicativos para furto de sinal de TV a cabo e exibição ilegal de filmes, o que fere a lei dos direitos autorais.

Operações para desestruturar quadrilhas

Apreensão de 24.800 aparelhos de TV Box contrabandeados com software pirata, em 23 de março em ação conjunta da Receita Federal com as polícias Civil e Federal, no Rio — Foto: Receita Federal/Divulgação

O superintendente da Receita Federal no Rio de Janeiro, Flávio José Passos Coelho, diz que operações integradas ajudam a desmantelar a estrutura de financiamento de quadrilhas que atuam no estado, na oferta do gatonet.

“O comércio ilegal de mercadorias traz prejuízos para todos, eliminando empregos e investimentos no Brasil e, além disso, acarreta o cometimento de outros delitos graves por parte das organizações criminosas que promovem essa prática. A atuação firme da Receita Federal na apreensão desses aparelhos impede também que seja instalada uma rede clandestina de prestação de serviços ilegais”, disse Coelho.

Segundo a Superintendência da Receita Federal, o gatonet é feito sem recolhimento de qualquer tributo sobre a comercialização de assinaturas, ou mesmo sobre as receitas de quem explora essa atividade.

Estima-se que o prejuízo aos cofres públicos alcance centenas de milhões de reais todos os anos.

A Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), estima que o gatonet cause um prejuízo de R$ 8 bilhões por ano às empresas de telecomunicação.

A ABTA diz ainda que, em todo país, mais de cinco milhões de pessoas acessam canais de TV e filmes sem pagar.

A pirataria é considerada a principal responsável no atraso dos programas de inclusão digital do país, segundo a associação.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) diz que o serviço IPTV, apesar de utilizar as redes de telecomunicações para acesso ao usuário final, não é regulado pela agência. Porém, a distribuição de conteúdo audiovisual deve obedecer à legislação sobre direitos autorais, regulado pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). E aí, a transmissão de filmes e séries sem o pagamento de direitos autorais é crime.

Decodificador tem de ser homologado pela Anatel

Quanto aos aparelhos TV Box, eles precisam ter certificação e homologação da Anatel para que possam ser utilizados ou comercializados no país. Mas a homologação será negada caso o produto se preste a fins ilícitos, como é a captação ilegal de conteúdo protegido por direito autoral.

A Anatel ainda alerta para o fato de que os TV Box não homologados podem conter softwares destinados à captura de dados pessoais e financeiros dos usuários ou à geração oculta de criptomoedas.

Ainda segundo a Anatel, usuários ou comerciantes de produtos não homologados estão sujeitos à apreensão dos produtos e multa, que pode chegar a R$ 50 milhões.

Em 2020, a Anatel retirou do comércio mais de 500 mil produtos para telecomunicações não homologados, sendo a maioria aparelhos tipo TV Box destinados à recepção de conteúdo pirata.

A lista dos produtos regulamentados, que podem ser utilizados sem problemas, está aberta à consulta no site da Anatel.

A regulação do mercado audiovisual e sua fiscalização são competência da Ancine, que desde meados de 2020 se uniu à Anatel para bloquear sites de IPTV piratas e retirar do ar esses sites de forma quase imediata, como já acontece em países da Europa.

G1

Opinião dos leitores

  1. Tem um monte de patriotas, conservadores, defensores dos bons costumes e da moral que gostam da pirataria, da sonegação e das vantagens.

    1. Não importa a ideologia. Muitos brasileiros adoram sonegar impostos, furtar energia, levar vantagem através do jeitinho, enganar com fraudes, etc.

  2. 99,99% da população desse país tem um aparelho desses. Chama-se celular. A TV Box nada mais é do que um sistema operacional android instalado em um dispositivo que tem uma saída HDMI. Não é ilegal ter uma TV Box… Eu uso pra assistir filmes da Netflix, Youtube, Amazon Prime. Os aparelhos devem ter sido apreendidos por não terem NF ou sua origem de compra.
    O mesmo que uma TV Box faz, um celular faz ou um notebook ligado na TV. Agora o que se faz com o aparelho é de responsabilidade de cada usuário. Do mesmo modo que possuir um automóvel ou uma bicicleta.

  3. Aparelhos de IPTV, em si, não são proibidos. Eles são usados para simular uma smart TV em aparelhos que não acessam Internet. Inclusive, podem ser comprados em grandes magazines, com nota fiscal, tudo regular e pagando impostos. O que não pode é o contrabando desses aparelhos. Também não é legal “piratear” sinal de TV paga. A propósito, esses aparelhos são quase sempre chineses. Claro.

    1. Assim como o iPhone que é fabricado na China também.
      Só não me diga que pagar para ter acesso a TVExpress também seja legal. Muitos dos que se intitulam “cidadão de bem”, “direita honesta” “família acima de tudo”, tem o TVExpress em casa.
      Bando de hipócritas!

  4. Que matéria sem pé nem cabeça, o TVbox é só um aparelho com tecnologia android para transformar as tvs antigas em smart, nada mais que isso, agora se no próprio play story do google tem dezenas de aplicativos, que ai sim são criminosos, liberam o acesso aos canais fechados, isso que deveria ser combatido, sem falar que nas próprias tvs smart do mercado já vem com esses aplicativos disponíveis de forma nativa, nem precisa desse aparelho.

  5. “Decodificadores que, com software pirata, captam ilegalmente sinal de TV por assinatura e de filmes, e transformam aparelhos de TV comum em Smart TV”. TOTALMENTE MENTIROSA, ESSA AFIRMAÇÃO! Os android box só são ferramentas de transgressão na mão de LADRÕES e desonestos que oferecem e os que compram sinal pirata. Esses aparelhos dão a possibilidade de se obter conectividade em tvs antigas ou em atuais que não sejam smart, eu tenho um na sala, utilizo para navegar, jogar com as crianças, para netflix, youtube(PREMIUM), whatsapp e TUDO PAGO, LÍCITO, DENTRO DA LEI como deve ser!!! Matéria mal redigida, demonizando uma ferramenta que, é sim, muito útil aos que não tem acesso ao mundo das smart tvs. Ah… antes que comece o mimimi, não comercializo esses produtos e nem tenho proximidade com quem o faça. E TENHO DITO!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia diz que Dr. Jairinho praticou sessão de tortura contra Henry semanas antes da morte; mãe foi ao salão de beleza após enterro

Fotos: Reprodução

A Polícia Civil do Rio de Janeiro diz que o vereador Dr. Jairinho teria praticado pelo menos uma sessão de tortura contra o menino Henry Borel semanas antes da morte da criança, em março. Ainda segundo as investigações, a mãe de Henry, Monique Medeiros, sabia de agressões. Jairinho teria se trancado no quarto para bater no menino.

O casal foi preso na manhã desta quinta-feira (8) na casa de parentes de Monique em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Segundo os investigadores, a prisão ocorreu porque a mãe de Henry e Jairinho atrapalharam as investigações da morte da criança e ameaçaram testemunhas.

Investigadores da 16ª DP (Barra da Tijuca) suspeitam que o vereador agredia o menino com chutes e golpes na cabeça e que a mãe sabia.

Em 12 de fevereiro, Monique descobriu que Jairinho estava no apartamento, trancado no quarto, com o Henry. A polícia descobriu que ela estranhou que ele tenha chegado cedo em casa.

Ainda segundo as investigações, no dia seguinte ao enterro do filho, Monique passou a tarde no salão de beleza de um shopping na Barra da Tijuca. Três profissionais cuidaram dos pés, das mãos e do cabelo da professora, que pagou R$ 240 pelo serviço.

A causa da morte do Henry foi por “hemorragia interna e laceração hepática [danos no fígado] causada por uma ação contundente [violenta]”.

A polícia ouviu pelo menos 18 testemunhas e reuniu provas técnicas que descartam a hipótese de acidente — levantada pela própria mãe da criança em seu termo de declaração na delegacia.

Os policiais descobriram ainda que, após o início das investigações, o casal apagou conversas de seus telefones celulares. Suspeitam, inclusive, que eles tenham trocado de aparelho.

A perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) usou um software israelense, o Cellebrite Premium, comprado pela Polícia Civil no último dia 31 de março, para recuperar o conteúdo.

Em relação a Monique, mãe de Henry, que namorava o vereador desde 2020, os policiais levantaram informações sobre o comportamento dela após a morte do filho que chamaram a atenção. Primeiro que ela chegou a trocar de roupa duas vezes até escolher o melhor modelo, toda de branco, para ir à delegacia.

Múltiplos hematomas

A primeira prova importante que chegou às mãos dos investigadores foi um laudo assinado pelo médico legista Leonardo Huber Tauil, feito após duas autópsias realizadas no cadáver da criança, nos dias 8 e 9 de março.

No documento, o perito do Instituto Médico Legal (IML) descreve que a criança sofreu “múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores”, “infiltração hemorrágica” na parte frontal, lateral e posterior da cabeça, apontou “grande quantidade de sangue no abdômen”, “contusão no rim” e “trauma com contusão pulmonar”.

A causa da morte foi por “hemorragia interna e laceração hepática [danos no fígado] causada por uma ação contundente [violenta]”.

G1

Opinião dos leitores

  1. Deixa o Dr. Jairnho entrar numa delegacia e depois numa penitenciária: ele vai ser julgado pela lei das grades. Vai cantar fininho e virar moça pelo resto da vida.

    1. A julgar pelo o que está na imprensa sobre ele, ele vai é encontrar companheiros lá dentro e será muito bem recebido.

  2. Trata-se de um casal de psicopatas, que merecem prisão perpétua ou pena de morte. Se o caso tivesse ocorrido num país sério, os dois iriam enfrentar A AGULHA. Aqui no Brasil vão passar 15 ou 20 anos recorrendo da sentença do tribunal do júri. Basta que eles contratem um advogado garantista, desses que cobram 2 milhões de reais de honorários e costumam frequentar o STF de bermudas.

  3. Não que o fato de o Jairinho espancar a criança nos deixe perplexo, claro que deixa, espancar uma criança indefesa, mas o que me deixa mais revoltado é aquela que o gerou em seu ventre, que o troce a vida ser no mínimo conivente com tudo isso. Se tinham problemas com o garoto porque não abriu mão de criá-lo e entregou ao Pai? Não consigo me conformar com tudo isso.

    1. Filhos tem q vim sempre em primeiro luga na vida de um pai e uma mãe q mesmo q um relacionamento,não tenha dado certo.Se conhecer uma outra pessoa tem q deixar bem claro q tem filho e q o filho é especial sim e vem sempre em primeiro lugar.meu Deus q barbaridade com essa criança,muito triste tudo isso.essa mulher não é uma mãe,é um monstro.

  4. Um crime bárbaro desse e no Brasil no máximo pegam 35 anos de cadeia. Isso se não for beneficiado por HC, recursos infinitos, entre tantos pinduricalhos existentes para deixar bandido solto. Tem bandido que não conseguiu ser inocentado e suas condenações foram providencialmente anuladas. O judiciário brasileiro não é para amadores do direito.

  5. É nessas horas que a gente se pergunta, por que no Brasil não há uma pena exemplar para esse tipo de crime. Ser preso, ficar dormindo e comendo de graça às custas do Estado é muito confortável, sinceramente muito revoltante esse fato ocorrido, só quem é Pai ou Mãe de verdade consegue sentir.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Polícia investiga esquema de R$ 3,5 milhões em empréstimos falsos com grandes bancos

Foto: Milton Montenegro /Getty Images

Um dos maiores bancos com operações no Brasil descobriu um golpe, alertado com exclusividade ao CNN Brasil Business, no qual revendedoras de carros vão atrás de indivídos para realizar crimes de estelionato por meio de financiamento de automóveis.

Um porta-voz da instituição bancária, que preferiu não se identificar, explicou que os estelionatários pediam financiamentos usando dados pessoais de vítimas — que não necessariamente eram correntistas dos bancos afetados.

Esse tipo de fraude é caracterizada como “engenharia social”. Atualmente, em 70% das vezes que isso ocorre, é dessa forma que os criminosos agem, segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

Após a descoberta do golpe, R$ 3,5 milhões foram autorizados para bloqueio, bem como os bens atrelados às lojas e aos sócios envolvidos das concessionárias. Seis prisões foram realizadas até o momento.

Entenda como as pessoas caíram nesses golpes, como os criminosos foram descobertos e o que a justiça está fazendo para conter as fraudes:

Ato I — Você ganhou um prêmio

Por WhatsApp ou pessoalmente, os estelionatários afirmavam que as pessoas em São Paulo tinham ganhado um prêmio de uma determinada franquia, e que, para resgatá-lo, era preciso oferecer o número do CPF, o nome do pai e da mãe, uma foto pessoal, entre outros itens necessários para conseguir a aprovação de um financiamento.

Depois disso, com os dados em mãos, os criminosos viajavam até Curitiba para realizar a solicitação do financiamento em lojas de automóveis.

Segundo o porta-voz do banco, os criminosos estavam contando “com a anuência [aprovação] da participação da loja de carro”. Para explicar de forma mais simples, o que acontece é que em toda concessionária existe uma senha responsável por fazer o financiamento de um veículo para o cliente. Para isso, é necessário ter uma fotografia atual da pessoa (não uma foto de uma foto). A partir disso, é utilizada uma senha do lojista para concretizar a proposta.

“Sem isso seria impossível. Ele [o criminoso] entra no banco com a senha do lojista, entra na conta de uma pessoa que tem score alto, CPF limpo, e consegue aprovar o financiamento. O objetivo, com isso, é o banco conceder o financiamento para a aquisição do carro e o estelionatálio ficar com o dinheiro, enquanto a vítima fica com a dívida”, explicou o porta-voz.

Ato II — A queda das máscaras

O banco, de acordo com o porta-voz, conseguiu identificar o golpe em outubro, “imediatamente depois de a primeira vítima contestar o financiamento indevido em seu nome”.

Depois disso, a instituição financeira entrou em contato com a Polícia Civil dos estados de São Paulo e do Paraná — onde os golpes estavam acontecendo.

“A investigação foi até uma das lojas e prendeu o proprietário. Apesar de ele falar que tinha emprestado a senha para um conhecido, o flagrante foi concretizado, justificando que ele tinha conhecimento de ter emprestado e foi negligente em passar a senha para um terceiro”, explica a delegada da Polícia Civil Dra. Nayara Caetano Borlina Duque.

Segundo Duque, o acusado “já era conhecedor de que a sua senha de lojista poderia estar sendo utilizada de maneira indevida”.

O advogado do réu, por sua vez, afirma que ele pode ter passado sua senha para que seus funcionários pudessem fazer financiamentos e simulações quando ele não estivesse presente e que a senha, apesar de “individual e intransferível”, precisou ser repassada para terceiros que podem tê-la utilizado de forma ilegal. “Quem dirá se ele é inocente ou não, é a justiça. Até a sentença, no entanto, ele é inocente”, finalizou o advogado.

Para Duque, no entanto, o movimento pode fazer parte de algo muito maior que “já se espalha pelo Brasil inteiro”. “O flagrante ainda está em andamento porque queremos saber quem usou a senha do lojista, e suspeitamos que existe uma quadrilha por trás”, diz.

“Queremos saber para quem será repassado o dinheiro. É um modus operandi que não está sendo um fato isolado, ele está se repetindo. Quando uma quadrilha está se especializando em uma ação, ela segue um formato, então estamos tentando descobrir quem mais está sendo envolvido”, afirma.

Em Curitiba, segundo o delegado Dr. Emmanoel Aschidamini David, foram presas duas pessoas, donos de lojas, que foram encaminhadas diretamente para a Polícia Federal. “O que fizemos foi um flagrante com o auxílio do banco, de gerentes de lojas que estavam em conluio com essas pessoas em São Paulo, mas a investigação não ficará conosco”, afirma em entrevista ao CNN Brasil Business.

A investigação, em São Paulo, começou em fevereiro — e parece estar longe de acabar.

Ato III — Os efeitos

Segundo o banco, já foram abertas ações cíveis contra as lojas envolvidas no golpe, e, até o momento, 10 já foram ajuizadas e sete responderam aos crimes. O banco solicitou a desconsideração da Pessoa Jurídica para bloqueio dos bens e dos valores até que o processo seja finalizado.

“Também houve a diminuição de lojas envolvidas nas fraudes, onde contávamos com uma média de 10 lojas novas a cada mês envolvida e em fevereiro obtivemos apenas 3 lojas”, diz o banco.

Para evitar que novos golpes do tipo aconteçam, o banco lidera, ao lado de outras grandes instituições financeiras e da Polícia Federal, “um grupo de trabalho para criar uma lista restritiva em comum de lojas envolvidas nesta modalidade de golpe e evitar novas vítimas.”

As lojas envolvidas nos golpes foram bloqueadas e estão “impedidas de realizar qualquer nova contratação de crédito.”

Ato IV — Como evitar cair em golpes

Para a Franco Advogados, o primeiro passo para evitar cair em golpes é não entregar cartões de crédito para pretensos portadores ou representantes de instituições financeiras ou de crédito.

Em segundo lugar, o ideal é evitar, a todo custo, tornar públicas, nas redes sociais, informações pessoais suas (seus hábitos, o que gosta, onde esteve, etc), “porque aí está o ponto de partida com base no qual sua vida, devassada por você mesmo, abastece todos os mal intencionados de informações a partir dos quais armam para você emboscadas, presenciais ou virtuais”.

Uma terceira dica, ainda, é “não entregar informações pessoais suas para quem quer que seja”, pessoalmente, por telefone, ou pela internet, a menos que você tenha iniciado alguma negociação ou contratação e, portanto, tenha partido de você a iniciativa de contratar ou negociar que somente se concretizará mediante entrega de tais informações;

Em quarto lugar, “nunca, jamais, clicar em links inseridos em mensagens eletrônicas (e-mails), sem que esteja seguro de que você conhece os meios para checar a veracidade daquela fonte.”

Neste ponto, vale lembrar a importância de deletar todos os e-mails esquisitos, como promoções, contas a pagar (especialmente, mas não apenas, de empresas de fornecimento de serviços públicos), avisos de cobrança, entre outros.

Por fim, é importante sempre manter suas senhas em local seguro e alterá-las com codificações fortes que contenham letras maiúsculas, letras minúsculas, números e símbolos e que não remetam a itens fáceis de serem adivinhados por terceiros.

Fui vítima de um golpe. E agora?

Quando uma pessoa cai em um golpe, não há receita mágia a fazer a não ser procurar a polícia e realizar um Boletim de Ocorrência.

Em relação à instituição financeira, é necessário entrar em contato imediatamente com o banco realizando uma contestação de fraude, informando desconhecer o financiamento. Desta forma, o “cliente receberá toda a tratativa correta”.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

‘Vacina de vento’: técnica de enfermagem de Petrópolis-RJ pode ter aplicado seringa vazia para encobrir erro

Foto: Reprodução

A técnica de enfermagem acusada de aplicar “vacina de vento” em uma idosa de 96 anos, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, pode ter praticado o ato para esconder um outro erro durante a vacinação. Essa é a principal linha de investigação da 105ª DP (Petrópolis) que apura o caso, ocorrido no último dia 12. De acordo com investigadores, foi feita uma minuciosa contagem nas doses contra a Covid-19, no posto de imunização em sistema drive-thru, instalado em um campus da Universidade Católica de Petrópolis, e não foi detectada nenhuma subtração de vacinas. Para a polícia, uma das hipóteses mais prováveis, portanto, é que, para justificar a perda de uma dose, talvez por imperícia, a técnica tenha simulado a aplicação da vacina na idosa.

O caso ganhou repercussão no fim de semana, depois que um vídeo circulou pelas redes sociais e mostrou a imagem da idosa dentro de um carro no momento em que a técnica lhe aplicava a agulha sem o líquido da vacina na seringa. No entanto, a profissional de enfermagem, ao prestar depoimento na última terça-feira na delegacia, não confirmou a sequência vista no vídeo. Ela disse aos investigadores que não percebeu a ausência da dose ao apertar o êmbolo.

— Ouvimos a técnica de enfermagem e todas as testemunhas que estavam no posto no dia do fato. Também estamos trocando informações com a prefeitura e outros órgãos para entender melhor a dinâmica da vacinação. As diligências estão em curso — explicou o delegado da 105ª DP, João Valentim, que aconselha as pessoas a procurarem o chefe do posto ou a delegacia, caso observem algo errado durante a vacinação.

Todos os procedimentos de vacinação foram revistos pela polícia no posto da prefeitura de Petrópolis. Como não houve desvio de vacina e o caso ainda está sob investigação, a técnica não foi indiciada. No momento, ela continua afastada pela secretaria de Saúde de Petrópolis. Um procedimento interno administrativo também foi instaurado pela prefeitura, no qual ela também já foi ouvida. Segundo o depoimento da profissional da área de Saúde, que é contratada pelo município, ela “não percebeu o problema” e assegurou que o ato “não foi intencional, mas sim um problema com a seringa”.

A polícia continua cautelosa nas investigações. A técnica mora com a família, incluindo uma pessoa idosa, em bairro da Baixada Fluminense, vizinho a Petrópolis. Depois da divulgação do vídeo, que viralizou e chamou a atenção para o problema da “vacina de vento”, a prefeitura de Petrópolis mudou o protocolo de vacinação contra a Covid-19 nos postos da cidade serrana. Os técnicos de enfermagem foram orientados a mostrar seringas cheias e, depois da aplicação, vazias. A prefeitura também está sugerindo que as pessoas fiquem atentas e ainda filmem e fotografem todo o procedimento de vacinação. Também pedem que as pessoas chequem o rótulo, observando, principalmente, a validade dos frascos. No Rio e em Niterói, também ocorreram casos semelhantes em que não houve a aplicação da vacina. Nesta última cidade, a polícia indiciou uma técnica de enfermagem por peculato e infração de medida sanitária. A profissional de Saúde não apertou o êmbolo da seringa ao atender um idoso de 90 anos, em um posto drive-thru da Universidade Federal Fluminense.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Lamento discordar da sua opinião, não estou defendendo a sua não punição, deve-se apurar e se aplicar a sanção prevista. Acredito ser extrema a punição proposta pelo Sr. Casio e seguramente a defenderia, não houve óbito ou nada parecido, não se trata de tratar homicídio, não temos nem certeza da tentativa.

  2. Concordo parcialmente com vc amigo Casio, de fato a Enfermagem é uma das profissões mais bonitas, dignas e respeitadas na área da saúde, apesar de não devidamente reconhecida. Representa 60% da força de trabalho na saúde, normalmente cumpre Missões difíceis e exaustivas, que levam na maioria das vezes a síndromes difíceis de serem curadas. A investigação deverá ser adotada, a punição cabivei deve ser aplicada, mais a cassação do exercício profissional, só depois de um processo ético, conduzido pelo seu conselho profissional. Na minha opiniao, devemos considerar o erro e o prejuízo material, e só assim tomar as medidas cabíveis, de forma lamentável, somos todos passíveis de
    cometer erros, e por isso não concordo com a medida extrema que sugere.

    1. "devemos considerar o erro e o prejuízo material"
      E quanto a vida Raimundo? A idosa foi ser vacinada para proteger sua vida. Devo concordar que se deve passar por todos as estantes (etica, adm, etc…). Porém porque que ela deixaou de aplicar a vacina? Esta idosa foi a unica? O que se ia fazer com a vacina, não aplicada?
      Além do erro profissional, material. Existe o valor que esta pessoa dar a uma vida, que para mim, o seu ato deixa bem claro.

  3. Dever ser proibida de exercer a profissão,um vez que não faz jus à uma profissão tão bonita de ajudar a salvar vidas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Polícia investiga se mais de 40 presos saíram da prisão com alvará falso no RJ, destaca reportagem

Foto: Reprodução/TV Globo

Depois que dois presos do estado deixaram a cadeia com alvarás de soltura falsos, a Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro determinou um mutirão para revisar todos os alvarás de soltura cumpridos desde setembro de 2020. O Fantástico apurou que pelo menos 43 casos começaram a ser investigados na última semana.

Um dos alvarás é o de Gilmara Monique Amorim, condenada a mais de 18 anos de prisão por sequestro e assalto a banco. Ela faz parte de um grupo acusado de planejar e executar mais de 10 assaltos a banco no Rio.

Em 2008, Gilmara participou do sequestro do gerente de uma agência da Caixa Econômica Federal do Aeroporto Tom Jobim, o Galeão. O bancário, a mulher dele e a filha foram mantidos em cativeiro por um dia.

Gilmara cumpria pena em um presídio em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Ela saiu pela porta da frente em novembro do ano passado, como mostra um vídeo obtido pelo Fantástico, graças ao alvará de soltura falso.

A investigação dos alvarás começou depois que um desembargador desconfiou da forma que foram liberados João Felipe Barbieri, dia 18 de novembro, e João Victor Roza, no dia 14 de outubro.

Barbieri, segundo investigações, faz parte da quadrilha e é enteado de Frederick Barbieri – considerado o “Senhor das Armas” e que está preso nos Estados Unidos. Foi Frederick, segundo a Justiça, que mandou para o Brasil os 60 fuzis que foram apreendidos no Aeroporto do Galeão em 2017. João Victor também é acusado de tráfico de armas.

Em entrevista ao repórter Eduardo Tchao, o desembargador Marcelo Granado, que descobriu os alvarás ilegais usados pelos dois traficantes de armas, disse que as falsificações poderiam ter sido facilmente identificadas.

“É importante dizer isso, não havia uma decisão interlocutória de ninguém nesse processo. É tudo falso. Certamente, usaram não a decisão, porque a decisão… Qualquer pessoa vendo aquela decisão percebe que não foi proferida por um magistrado. Há erros ortográficos, a formatação é muito estranha, com letras maiúsculas no meio do parágrafo, sem iniciar frase. É estranho, no mínimo”, afirmou o desembargador.

Erros em documento

Barbieri saiu da cadeia usando um documento falso feito para parecer ter sido expedido pela Justiça Federal. Pra atestar que não havia nenhum outro mandado de prisão contra João Filipe Barbieri e João Victor Roza, um segundo documento foi falsificado com erros como:

Número do processo errado

Mesmo número usado para os dois presos

Quem assina digitalmente o documento é Wagner Soares Ferreira – um policial civil que não existe

O número do alvará de soltura também foi inventado

Endereço pra checagem do documento na internet não confere com o oficial

Código de identificação não bate com o padrão usado pela Justiça.

Como se não bastasse a falsificação dos documentos, todo o material foi enviado por um oficial de Justiça chamado José Pacassi, que não existe. Ele usou um e-mail particular, desses que qualquer um poderia ter criado de graça na internet — contrariando as normas do Conselho Nacional de Justiça para o envio de alvarás de soltura.

G1

Opinião dos leitores

  1. Sempre o RJ. Terra do malandro Zé Carioca, samba, pagode e carnaval; bobalhões que elegem vigarista, o pior,
    Sérgio Cabral teve a benção de luladrão.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Polícia indicia jogador Ramírez, do Bahia, por injúria racial contra Gerson, do Flamengo

FOTO: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

A Policia Civil do Rio indiciou, nesta quinta-feira (4), o jogador colombiano Ramírez, do Bahia, pelo crime de injúria racial contra o meia Gerson, do Flamengo.

O caso aconteceu na partida entre Flamengo e Bahia no Maracanã, em dezembro, pelo Campeonato Brasileiro.

Durante o jogo, Gerson afirmou que Ramírez se dirigiu a ele e disse: “Cala a boca, negro”. Já Ramírez negou ter sido ofensivo. O colombiano declarou ter dito: Joga rápido, irmão.”

A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) informou ter ouvido todas as testemunhas, além de ter analisado a súmula do jogo e as imagens apreendidas.

A investigação apontou a imediata reação da vítima, que ficou muito abalada com a agressão sofrida, passando a apresentar comportamento diferente do normal no vestiário, muito cabisbaixo e se recusando a encontrar parte do elenco após o jogo.

Gerson declarou que estava tão indignado que, logo após o encerramento da partida, ainda no gramado, precisou externar a indignação em entrevista para imprensa.

A delegacia especializada concluiu que o conjunto de provas corroborou a versão da vítima desde o momento em que disse ter sofrido a agressão até o comportamento de Gerson após o término da partida.

Procurado, o Esporte Clube Bahia ainda não se manifestou. A defesa do jogador Ramírez não foi localizada.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Mulher faz sexo com ladrão em loja de conveniência para atrasá-lo até a chegada da polícia

Foto: Reprodução/Google Maps

Uma mulher realizou um ato sexual com um ladrão na loja de conveniência de posto de gasolina em Bratislava (Eslováquia) a fim de distraí-lo até que a polícia aparecesse, de acordo com o que foi relatado pela polícia local, em reportagem do “Sun”.

O ladrão, de 24 anos, forçou um funcionário da loja a entregar todo o dinheiro do caixa durante a ação criminosa na madrugada de quarta-feira (27/1).

O funcionário então fugiu para o escritório ao fundo depois de ter levado um soco no rosto.

De acordo com a agência de notícias TASR, citando uma fonte policial, nesse momento uma mulher entrou na loja pela porta dos fundos supostamente disposta a ajudar a pôr fim ao assalto.

A mulher – que não se acredita ser funcionária – teria praticado sexo oral no assaltante para impedi-lo de fugir. Um funcionário já havia chamado a polícia.

Quando os agentes chegaram ao local, descobriram a mulher e o ladrão deitados nus no chão, segundo relatos.

Não está claro se a mulher – que se chamaria Sona, de 35 anos, oriunda da República Tcheca – teria se submetido ao ato sexual com medo de ser agredida.

O porta-voz da polícia de Bratislava, Michal Szeiff, disse à TASR:

“Os policiais viram o homem recebendo serviços sexuais da mulher.”

De acordo com a mídia local, Sona disse a um policial:

“Leve-o, não consigo mais.”

Szeiff disse que o ladrão resistiu à prisão, levando os policiais a usar a força para detê-lo.

Extra – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Com o ladrão, pela nossa Injustiça, nada d+ acontecerá….. Depois da audiência de custódia, será posto em liberdade, já com essa mulher, que no mínimo, podemos chama-la carinhosamente de desprovida de inteligência, o ladrão poderia acusá-la de estupro de vulnerável fácil!

    1. Você só pode ser uma anta mesmo, o caso foi na Eslováquia!

    1. É precisa ter muita banha e pelanca pra aguentar um rojão desse

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia apreende passaporte e R$ 470 mil na casa de Nego do Borel no Rio

Foto: Reprodução/TV Globo

A Polícia Civil de SP, com apoio de agentes fluminenses, cumpriu nesta quinta-feira (28) dois mandados de busca e apreensão contra Nego do Borel.

Os policiais apreenderam R$ 470 mil em espécie e o passaporte do cantor na mansão dele na Zona Oeste do Rio.

As buscas estão relacionadas ao boletim de ocorrência que Duda Reis, ex do cantor, registrou na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), em São Paulo.

Duda afirma ter sido vítima de violência e de ameaças feitas pelo ex-noivo — ele nega.

Um dos mandados foi cumprido na casa de Nego no Recreio dos Bandeirantes,. Lá policiais encontraram e retiveram o passaporte do artista. Em um cofre, os agentes encontraram as cédulas.

A outra busca foi em um endereço em São Paulo, onde o cantor estava.

Agentes apreenderam ainda telefones e um computador nos dois endereços.

O funkeiro ainda não se manifestou sobre a operação.

Nego também prestou queixa contra a atriz, por injúria, calúnia e difamação.

No dia 15, policiais apreenderam na casa de Nego no Recreio uma réplica de fuzil, usada para a prática de airsoft.

A 42ª DP (Barra) apurava a denúncia publicada em meios de comunicação de que ele teria um fuzil em casa.

O que disse Duda

Foto: Reprodução

No dia 14, Duda contou aos policiais da 1ª DDM que as agressões de Nego começaram em fevereiro de 2018, durante o carnaval. Ela disse que o cantor a ameaçou porque ela foi ao Sambódromo do Rio sem a anuência dele.

A partir daquela data, depôs Duda, o cantor iniciou uma rotina de “humilhações e xingamentos” e que foi agredida fisicamente na frente de outras pessoas.

Segundo Duda, em agosto de 2018, durante uma viagem a Portugal, foi estuprada por Nego nos momentos em que ela estava sob efeito de remédios.

A atriz relatou que, incentivada pelo então namorado, tomava doses maiores que as prescritas de um medicamento controlado.

Ela também disse à polícia que, na mesma viagem, depois de ter se recusado a acompanhar o cantor em uma das apresentações dele, foi agredida e teve lesões nas costas e pernas, mas não recebeu atendimento médico em nenhuma dessas ocasiões.

Duda afirmou ter medo do cantor e disse que vai “tomar todas as medidas protetivas necessárias”.

“Porque eu preciso, eu temo pela minha vida, temo pela minha segurança, sim, porque eu sei como a pessoa é. Eu não sou louca, não sou mentirosa, sei o que vivi, sei o medo que dá”, explicou Duda.

A jovem também afirmou aos policiais que, após as agressões, passou a sofrer de transtornos psíquicos e emocionais, diagnosticados por psicólogos e psiquiatras. Ela disse que desenvolveu anorexia nervosa, bulimia, depressão e síndrome do pânico.

O que disse Nego

Foto: Reprodução

O cantor prestou queixa contra a ex na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) por injúria, calúnia e difamação no dia 13.

Em uma rede social, Nego do Borel confirmou que traiu Duda.

“Estou vivendo, com certeza, um dos piores dias da minha vida. Tenho sido bombardeado de coisas e precisei de um tempo para ler e absorver tudo antes de vir me pronunciar em respeito ao meu público”, afirmou o cantor em uma publicação no stories de seu Instagram.

“Sim, houve traição, que foi um erro do qual não me orgulho, me arrependo muito e não trouxe em público antes para não expor terceiros.”

“Quando ao posicionamento da minha ex, é de fato algo que me surpreende. Tenho também o meu lado da história e também vi e descobri muitas coisas, que ao contrário do que vem sendo feito, não gostaria de expor para não comprometer a integridade dela como mulher. Por questão de princípios, é algo que eu não faria com ela, assim como não faria com nenhuma outra mulher, a não ser que seja extremamente necessário.”

Em outro post, Nego escreveu: “Em breve me pronunciarei e contarei toda a verdade”.

Relembre a relação do casal

Duda Reis e Nego do Borel começaram a namorar no final de 2018

O casal se separou um ano depois, entre boatos de traições

Em abril de 2020, o casal tentou dar uma nova chance ao relacionamento. Na época, o pai da atriz foi contra e fez vários relatos contra Nego nas redes sociais

Em junho, o casal anunciou o noivado

Em dezembro de 2020, aconteceu um novo término. Na época, Nego fez um longo texto para a atriz e escreveu: “A menina do sorriso largo, abraço apertado, olhos azuis encantadores, guerreira, decidida e cheia de sonhos, será sempre lembrada com muito carinho. Ela faz parte de um amor que foi eterno enquanto durou, e hoje se transformou numa grande amizade, que quero que dure para sempre.”

Ambos já deletaram as fotos do casal nas redes sociais, mas Nego mantém o depoimento sobre a separação

G1

Opinião dos leitores

  1. Essa adorável mocinha de santa não tem nada, usou esse cabrinha ai, que também não está correto, para ganhar fama e projeção, agora tira proveito dos crimes cometidos por este mal caráter para ganhar mais projeção. Na minha opinião já extrapolou o que estão fazendo com este rapaz, tenos crimes bem mais graves que não vemos tanto teatro e perseguição.

  2. Agora o nego do borel não presta para essa senhorita Duda Reis,a dita cuja ganhou uma grande projeção nas redes sociais e na televisão e dinheiro por causa da exposição desse relacionamento,agora vem cuspir no prato que comeu com terríveis acusações contra o homem que patrocínou a sua ascensão midiática e financeira agora o pobre do nego do borel é o seu maior adversário,inimigo e opressor,isso é o que acontece quando se dá oportunidade a mulher pobre ou lisa.

  3. Só não entendi por que a polícia confiscou o dinheiro do cantor. Se o problema é de abuso sexual e violência, o que o dinheiro tem a ver?

    1. Simples, com dinheiro e contas bloqueadas ele em teoria não pode "fugir".

  4. Ninguém canta funk! Esse tipo de "zuada" que é os simpatizantes chamam de música, é um verdadeiro atentado a todo tipo de música de verdade! O funk não é uma questão de gosto, no máximo é um "num sei quê" de ritmo repetido e totalmente desprovido de mínima qualidade musical!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia prende na Zona Sul suspeito de ser motorista do ônibus que atropelou e matou 19 pessoas no carnaval em Natal em 1984

Foto: Arquivo

O portal G1-RN destaca que policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) prenderam no fim da manhã desta terça-feira (26) um morador de rua que eles acreditam ser Aluízio Farias Batista, o motorista de ônibus que atropelou e matou 19 pessoas em um carnaval de rua em Natal em 1984 – há 37 anos.

O caso, um dos mais emblemáticos da história da cidade, ficou conhecido como a “Tragédia do Baldo”. Aluízio Farias Batista estava foragido desde a época do crime.

Um teste realizado pelo Instituto Técnico Científico de Perícia (Itep) ainda precisa confirmar a identidade do suspeito.

Os policiais chegaram até o suspeito após uma denúncia anônima que dava conta de que ele atualmente era morador de rua e vivia no bairro Neópolis, na Zona Sul. O setor de inteligência do Bope investigou e efetuou a prisão nesta terça na rua Agnaldo José de Barros.

Segundo o delegado de plantão Frank Albuquerque, o homem, que estava sem identificação, inicialmente negou que fosse Aluízio e se disse chamar João. Em seguida, segundo o delegado, ele confessou.

“Ele confessou que é o Aluízio e que tinha se escondido em Recife e voltou em 2012. Ele voltou achando que certamente não seria mais punido, que ia escapar da sentença, de ser preso, mas ele foi condenado há pouco tempo. E agora, graças ao serviço do Bope, ele foi preso”, disse.

O homem foi encaminhado para o Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), onde passará por exames para ser identificado. Há um mandado de prisão em aberto contra ele com validade até 2029.

Veja mais detalhes AQUI em matéria na íntegra.

Opinião dos leitores

  1. Homi vão p favela do mosquito e Mãe Luíza prender traficante e deixem o velhinho morador de rua em paz.

  2. Ou serviço bonito esse da nossa polícia, pois na ânsia de bombar nas redes sociais ( o que hoje em dia é algo extremamente necessário para se viver) não tiveram o cuidado de primeiro ter a certeza através dos devidos exames de que se tratava mesmo do motorista foragido, daí o q fizeram? Estardalhaço nas redes sociais e na hora que a realidade vem a tona, cai tudo por terra, como diz lá no meu sertão, uma bufa n'água.

  3. Achei mais parecido com Dirceu, será que o menino está aqui no RN? Ele é o mestre dos disfarces, não seria de estranhar, governo do PT !!!!
    Em tempo: Notícias boas afirmam, de fato, ser infelizmente, apenas, mais um ser humano incapaz.

  4. Pense em um prisão ligeira!!! o cara cometeu um crime em 1984, portanto há quase 37 anos e polícia o meliante prendeu bem rapidinho, já em 2021. Pense em um serviço eficiente. Parabéns aos valorosos guerreiros da polícia.

    1. Prendeu não. Era um morador de rua. Foi só bufa da polícia. Mas disseram que daqui p 2050 prendem e vão trazer algemado kkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *