Diversos

Presidentes das Federações do RN e do Maranhão discutem intercâmbio para planos de desenvolvimento com foco em energias renováveis

Comitiva do Estado do Maranhão recebida pelo presidente da FIERN, Amaro Sales, e os diretores Heyder Dantas, Roberto Serquiz e Djalma Júnior. Foto: Divulgação

O presidente da FIERN, Amaro Sales de Araújo, recebeu nesta quarta-feira (11), o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA), Edilson Baldez das Neves. O encontro, que aconteceu na Casa da Indústria, discutiu um intercâmbio mais frequente entre as Federações para o desenvolvimento de projetos em áreas nos quais os dois estados têm potenciais mais expressivo de crescimento econômico. As duas entidades também têm em comum a experiência com a elaboração de diagnósticos e planos de retomada e o potencial em energias renováveis.

Edilson Baldez visitou a FIERN acompanhado do ex-governador do Maranhão, José Reinaldo Carneiro Tavares, atualmente diretor de Relações Institucionais da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP); e do secretário de Estado e Programa Estratégicos, Luís Fernando Moura da Silva. No encontro desta quarta, também participaram os diretores da FIERN Heyder Dantas, Roberto Serquiz e Djalma Batista Júnior.

“O Sistema Indústria tem procurado assegurar esta aproximação no relacionamento entre as Federações para que possamos ter as boas práticas de cada uma destas instituições discutidas, alinhadas e compartilhadas. No caso do Rio Grande do Norte e do Maranhão, temos dois estados com dificuldades semelhantes, com desafios e necessidades em infraestrutura e algumas características parecidas, além de outro aspecto em comum que é o potencial para energia renovável”, destacou Amaro Sales. “Por isso, o intercâmbio pode ter resultados promissores”, acrescentou.

“Estamos elaborando um Plano de Desenvolvimento no Maranhão. Então, programamos esta visita acompanhado do secretário do Projetos Especiais e do diretor da EMAPE, para conhecermos as experiências e somarmos esforços, porque há projetos que são interessantes para um Estado da região que podem ser para os demais”, disse Edilson Baldez. Ele afirmou que, por isso, é importante conhecer o Instituto SENAI de Energias Renováveis, uma vez que há interesse no Maranhão de desenvolver um programa para o setor energético a partir do hidrogênio. “Esse instituto pode contribuir para a formulação do mapa eólico e solar do Maranhão e vamos identificar como o ISI pode nos assessorar e orientar na elaboração deste atlas”, apontou.

O ex-governador José Reinaldo também disse que o intercâmbio pode ser firmado, principalmente, na área de energias renováveis. “Estamos muito interessados na produção de hidrogênio verde e em sermos supridores neste mercado que vai abrir no mundo em alguns anos, além da parte de tecnologia e inovação”, destacou. Ele comentou que a visita foi feita também ao estado da Bahia e em seguida será ao Ceará. Segundo José Reinaldo, a intenção é constituir uma Zona Franca de Exportação para permitir a comercialização de hidrogênio ao mercado europeu.

Após a reunião na FIERN, a comitiva da FIEMA seguiu para visita ao Hub de Inovação e Tecnologia (HIT) do SENAI-RN, incluindo os laboratórios do CTGÁS-ER e o Instituto Senai de Inovação (ISI-ER).

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

SENAI inaugura no RN único Instituto de Inovação da rede no Brasil voltado ao setor de energias renováveis

Foto: Divulgação

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), maior complexo de educação profissional da América Latina e detentor da maior rede de institutos privados do Brasil para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) da indústria, inaugura oficialmente terça-feira (15), no Rio Grande do Norte, o único polo tecnológico e de pesquisas de ponta da rede no país voltado à energia eólica e solar: o Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis, o ISI-ER.

A cerimônia marca a conclusão das instalações e a operação plena dos laboratórios do Instituto, cujas atividades tiveram início e vêm acelerando em Natal, capital do estado, desde 2019.

O Rio Grande do Norte – escolhido como sede da unidade – é o maior produtor de energia eólica do Brasil e também o estado com a maior potência prevista para os próximos anos.

A expectativa com o ISI é atender a demandas que ajudam a impulsionar a competitividade da indústria não só local e nacional, uma vez que projetos e parcerias já estão em negociação com Instituições de países como Alemanha, Japão e Dinamarca.

“O ISI-ER chega para o SENAI como grande porta da inovação, da pesquisa, do futuro das energias renováveis, e traz às empresas oportunidades de novos negócios no setor”, diz o presidente do Conselho Regional do SENAI-RN e do Sistema FIERN – que engloba SENAI, SESI,IEL e Federação das Indústrias do estado – Amaro Sales de Araújo.

A inauguração oficial da unidade será realizada a partir das 17h com a cerimônia transmitida no canal do SENAI RN no YouTube. Os ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, são convidados do evento, além de representantes da Confederação da Indústria (CNI) e do Sistema FIERN.

Mercado

A carteira de projetos do Instituto, explica o diretor, engloba serviços prestados a diferentes elos da cadeia produtiva e já vem atendendo à demanda desde empresas locais até multinacionais.

Em dois anos de operações iniciais, o ISI-ER acumula contratos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) que superam os R$ 20 milhões e os planos, segundo Mello, são de expansão dos projetos na esteira do crescimento do setor e do avanço das energias renováveis na matriz energética nacional.

Um estudo da consultoria GO Associados, divulgado pela Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), aponta que entre 2011 e 2019, apenas o setor eólico investiu R$ 66,9 bilhões no país, considerando as áreas de máquinas e equipamentos, inclusive manutenção e reparos e aquisição de produtos e a contratação de serviços no mercado doméstico.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *