‘Memórias póstumas de Brás Cubas’, clássico de Machado de Assis, é relançado nos Estados Unidos e livros esgotam em um dia

‘Memórias Póstumas de Brás Cubas’ é relançado nos Estados Unidos — Foto: Divulgação/Penguin

“Memórias póstumas de Brás Cubas”, uma das obras-primas de Machado de Assis, teve sua nova tradução para o inglês esgotada em um dia nos Estados Unidos em duas das maiores cadeias de livros no país: a Amazon e a livraria Barnes and Noble.

O clássico romance do autor brasileiro foi relançado pelo selo Penguin Classics na terça-feira (2). A versão física do livro segue esgotada nas duas redes até esta sexta-feira (5), mas está disponível em livrarias menores e independentes, segundo a tradutora Flora Thomson-DeVeaux, responsável pelo lançamento.

A nova tradução foi recebida com elogios pela crítica norte-americana. Em crítica publicada na terça e assinada pelo escritor Dave Eggers, a revista “The New Yorker” classificou a obra de Machado como “uma das mais espirituosas, divertidas e, portanto, mais vivas e atemporais de todos os tempos”.

Nos últimos anos, campanhas que se destacaram na internet resgataram a origem negra de Machado de Assis — Foto: Reprodução/ TV Globo

O livro, que narra os amores e fracassos do protagonista, se tornou o mais vendido entre os autores latino-americanos e caribenhos na Amazon, desbancando Gabriel García Márquez e seu clássico “Cem anos de solidão”.

O livro, que traz discussões raciais e sociais, é relançado no país em um momento de protestos antirrascistas efervescentes desde o final de maio, após a morte de George Floyd por um policial branco.

Os cinco livros mais vendidos na Amazon e na Barnes and Noble falam sobre raça. Na lista do jornal “New York Times”, três dos cinco mais vendidos de não-ficção têm temáticas de raça também.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Joaquim Maria é o hit da temporada na terra do Tio Sam? Em pleno século vinte e um? Jura? E eu pensando que nossos best-sellers eram Leandro Karnal, Felipe Pondé e Mario Sérgio Cortella. Ai que vergonha!

  2. Bartus Lima disse:

    Por que bonita, se coxa? Por que coxa, se bonita?

Humanidade esgota recursos da Terra para o ano e ‘entra no vermelho’ cada vez mais cedo

Usina elétrica de Belchatow, na Polônia: ecossistemas comprometidos por poluição Foto: PETER ANDREWS / Reuters

A Humanidade viverá no crédito a partir desta segunda-feira, pois já consumiu todos os recursos naturais (água, terra, ar limpo…) que o planeta oferece, segundo um cálculo realizado pela organização Global Footprint Network .

O chamado Dia da Sobrecarga , calculado desde 1986, chegou dois meses antes de 20 anos atrás e a cada ano se antecipa no calendário. Em 1993, ocorreu em 21 de outubro; em 2003, em 22 de setembro; e em 2017, 2 de agosto.

“O fato de que o Dia da Sobrecarga da Terra seja 29 de julho significa que a Humanidade utiliza atualmente os recursos ecológicos 1,75 vez mais rápido” que a capacidade de regeneração dos ecossistemas, destaca a ONG em um comunicado. “Gastamos o capital natural do nosso planeta, reduzindo ao mesmo tempo sua capacidade futura de regeneração”, adverte também a organização.

“O custo desta sobrecarga econômica mundial está se tornando cada vez mais evidente com o desmatamento , a erosão dos solos , a perda da biodiversidade e o aumento do dióxido de carbono na atmosfera. Isto leva às mudanças climáticas e a fenômenos climáticos extremos mais frequentes”, explica a organização.

Os modos de consumo apresentam enormes diferenças entre os países. “O Catar alcançou seu dia de sobrecarga depois de 42 dias, enquanto a Indonésia consumiu todos os recursos para o ano inteiro depois de 342”, destaca WWF , associada à Global Footprint Network.

“Se todo mundo vivesse como os franceses, precisariam de 2,7 planetas”, e se todo mundo adotasse o modo de consumo dos americanos, seriam necessárias cinco Terras.

Segundo a WWF, “diminuindo as emissões de CO2 em 50%, poderíamos ganhar 93 dias ao ano, isto é, atrasar no dia da sobrecarga da Terra até outubro”.

A pegada ecológica de cada indivíduo pode ser calculada no site da Foot Print Calculator .

O Globo, com AFP

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nilvan Rodrigues da Silva disse:

    Interessante que os defensores do capeta+lismo e das empresas não relacionam esse esgotamento dos recursos naturais com o modelo hegemônico de sociedade e Estado. Sociedade e Estado que desmata, que acelera uma catástrofe anunciada dos pontos de vista social, ambiental, econômica e política.
    O meio ambiente começa a cobrar a conta com força. Mesmo assim assistimos figuras no planeta como o Bozo tocar acelerar esse caos anunciado.

  2. Jk disse:

    A Humanidade cavando sua própria cova.