Geral

VÍDEO: Vereador do PT abre caixão com facão para provar que homem não morreu de COVID-19

(Foto: Reprodução redes sociais)

O vereador William Faria (PT), de Santa Bárbara do Leste, em Minas Gerais, chocou os moradores de sua cidade nesse domingo (25/4), quando usou um facão para abrir um caixão lacrado, com o corpo de um homem de 92 anos, que morreu depois de apresentar os sintomas da COVID-19. O vereador alega que o homem não morreu por COVID-19 e sim por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

O lacre no caixão revoltou o vereador, que contestou o procedimento adotado pela Prefeitura de Santa Bárbara do Leste, alegando que o idoso merecia um funeral digno, e não ser sepultado envolvido em plásticos.

O rompimento do lacre do caixão foi filmado e o vídeo postado nas redes sociais do vereador. O vídeo ganhou muitos compartilhamentos e foi visto por policiais civis, que agora estão investigando o vereador por crime de Infração de Medida Sanitária Preventiva (Art. 268 do Código Penal).

De acordo com a Polícia Civil, o fato de o atestado de óbito atribuir a causa da morte à síndrome respiratória e não por COVID-19, se deve à espera do resultado do exame RT-PCR, que vai determinar se a COVID-19 foi a causadora da SRAG.

O procedimento adotado para lacrar o caixão foi correto, de acordo com a Polícia Civil, porque o homem apresentava os sintomas clássicos da COVID-19 e, neste caso, o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde determinam o procedimento.

A Prefeitura de Santa Bárbara do Leste lamentou e informou que o fato é de total responsabilidade do vereador. “Ele chamou ao cemitério uma representante da Vigilância Sanitária que ficou sem ação diante do fato, pois, quando chegou ao local, o caixão já havia sido aberto. E, por pressão do vereador, a funcionária ficou sem ação e concordou com ele com relação ao enterro. Porém, a definição de protocolos referentes a funerais cabe ao estado e não ao município”, informou a prefeitura, em nota.

O presidente da Câmara Municipal de Santa Bárbara do Leste, Altair Nunes Ferreira (MDB), também lamentou o fato e disse que o vereador William Faria será ouvido por uma Comissão Parlamentar de Inquérito. “Tão logo esse processo seja instaurado, daremos mais informações sobre esse lamentável evento.”

O vereador William Faria, em suas redes sociais, disse que lamentava a posição do presidente da Câmara e disse que sua função é fiscalizar, estar ao lado do povo, e reafirmou que o homem cujo corpo estava no caixão que ele abriu, não morreu vítima da COVID-19.

Estado de Minas

Opinião dos leitores

  1. Não vejo problema em o corpo ser enterrado lacrado. Pois no caso acima, o senhor faleceu por causa de uma síndrome respiratória aguda, e ainda não saiu o resultado do exame de RT PCR para covid de acordo com a própria polícia civil. Então esse vereador se precipitou, e caso o resultado positive futuramente , ele terá colocado outras pessoas em risco ao violar o lacre do caixão.

  2. Se o Sr. Morreu com SRAG, que pode ter sido provocada pela COVID , os protocolos são claros. Se fez os testes, porém a famikia qiet sepultar antes dos resultados saírem, então tem que se seguir a regra, na dúvida, se usa a regra . O vetrafir errou feio ao se meter onde não devia, ora, isso não é fiscalização de ação, não é pra isso que ele é pago, nem tem conhecimento científico para tal.

  3. Diz a esse vereador prá aguardar um pouco. O presidente vai escolher seu novo partido e talvez de certo pra ele. Se quer defender o povo, não pode ficar no PT. Kkkkkkk

  4. Depois ninguém sabe o porquê o Brasil eh o que eh… Temos ruminantes dos dois lados! Tenho pena do Brasil e do brasileiro se em 2022 só tivermos realmente essas duas opções pra presidente: Lulaladrao e o MINTOmaníaco!

    1. Interessante vcs dizem ser repórter ou do tipo.msis sem cabeça… O Lula era ladrão era o cara…. O outro vcs dizem ser maníaco um remando pra
      frente vc e outros remando.como tem hipócritas nesse país.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Casal simula briga e assalta homem com facão em Ponta Negra

Vítima recebeu golpe de facão no rosto após reagir ao assalto em Ponta Negra.Dois adolescentes de 15 e 17 anos foram apreendidos no final da tarde deste domingo (6) acusados de tentarem matar um homem após cometerem ato infracional, no bairro de Ponta Negra, zona Sul de Natal. O casal simulou uma briga para atrair a atenção da vítima e logo depois anunciou o assalto. A dupla estava armada com um facão.

O fato aconteceu por volta das 17h, na rua Manoel Soares de Medeiros, quando o comerciante José Edvaldo Mendes, voltava para casa. O casal de assaltantes começou com uma discussão e correu em direção a José. Neste momento, um deles sacou de um facão e passou a ameaçar a vítima.

O comerciante reagiu e tentou correr, mas acabou sendo alcançado e ferido com um golpe no rosto. José Edvaldo teve os pertences levados e foi socorrido as pressas para o Pronto Socorro Clóvis Sarinho. De acordo com o Serviço Social da unidade hospitalar, a vítima não corre risco de morte. Policiais do 5º Batalhão, que faziam um patrulhamento na área, viram os acusados correndo e apreenderam os mesmos.

Os dois foram conduzidos a Delegacia de Plantão Zona Sul de Natal, no bairro de Candelária. De acordo com os agentes que estavam se serviço na DP, a adolescente de 17 anos chegou com sintomas de embriaguez e muito alterada. Mesmo algemada ela chegou a bater várias vezes no portão principal da delegacia e tentou agredir uma das agentes.

O delegado de plantão, Pedro Paulo Falcão, conversou com a reportagem do Portal BO e disse que os dois adolescentes confessaram ter perseguido, assaltado e tentado matar o comerciante. “Eles pareciam estar sob efeito de drogas. Tivemos que interromper várias vezes o depoimento dos dois por causa das agressões verbais que ambos praticaram contra a toda a equipe da delegacia”.

Depois de algumas horas, a garota relatou que é consumidora de maconha, cocaína e remédios alucinógenos. Além disso, passa boa parte do tempo cometendo delitos nas ruas da zona Sul da capital. “Eu não tenho medo de morrer. Se preciso for eu mato mesmo. Não tenho oportunidade de trabalhar e por isso eu roubo, fumo maconha e e outras coisas”, confessou.

Ainda segundo o delegado, a mãe da acusada esteve na Plantão e relatou que a filha tem comportamento complicado e perigoso. Por várias vezes chegou em casa embriagada e de posse de produtos de origem duvidosa. Os adolescentes foram conduzidos ao ITEP, onde se submeteram a exames e logo depois encaminhados a uma instituto de internação.

Por Sérgio Costa do Portal BO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *