Política

Com reforma, Henrique Alves pode deixar de ser ministro do Turismo

O colunista Lauro Jardim, de Veja, publicou em seu blog, a possível saída de Henrique Eduardo Alves do Ministério do Turismo. Confira a nota na íntegra:

Com pé fora da Esplanada

Com os cortes dos ministérios, Henrique Alves pode ficar fora da Esplanada novamente.

A avaliação do governo é que Alves, cuja missão seria angariar apoio no PMDB da Câmara para o Planalto, perdeu sua força para Eduardo Cunha e tem pouco a somar neste sentido.

Por Lauro Jardim

Opinião dos leitores

  1. Esse rapaz foi deputado federal por mais de 40 anos e nunca trouxe uma obra de impacto para o RN, simplesmente se aproveitava das oportunidades para dizer que graças ao esforço dele estava trazendo tal obra. A uns 25 anos atrás apareceu com o projeto de uma ZPE para Macaíba, ele concretizou? Na campanha passada estava comemorando a duplicação da reta tabajara, concluiu? Estados como a Paraíba que são menores que o RN, hoje estão super industrializados, isso devido ao esforço de verdade dos políticos, como o Sr. Bira Rocha falou no ultimo domingo, os políticos que governaram o RN nos últimos anos não fizeram nenhuma obra estrurante para o RN, Acordem Srs. políticos a população aprendeu a votar e que não trabalhar, com certeza não permanecerá no poder. Tragam desenvolvimento para o estado que com certeza o esforço de vocês será reconhecido.

  2. É muito intereçante como muitos torcem para q Henrique caia, não consegue enxergar como ele como ministro é bom para nosso estado.

    1. Mais INTEREÇANTE é o modo que v.S. escreve, meu caro. Aponte-me, sem delongas, quais os benefícios que este senhor traz ou trará para nosso Estado, haja visto que em todo esse tempo que usufruiu do direito de ser deputado federal, nada fez.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Procurador-geral da República desmente colunista da Veja

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, emitiu uma nota negando a informação passada pelo colunista Lauro Jardim, de Veja, de que ministros  do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estariam no olho do furacão de novas investigações.

De acordo com Jardim, as informações teriam sido repassadas em um encontro realizado entre o senador Vital do Rêgo, presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga o envolvimento do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos brasileiros.

Confira nota

O Procurador-Geral da República esclarece que jamais mencionou a qualquer interlocutor a existência de investigação ou inquérito relacionado a ministros do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça, pela singela razão de que nada existe neste sentido. Matérias que afirmam o contrário são mentirosas e irresponsáveis, servindo apenas para tumultuar investigações de fatos extremamente graves que a sociedade brasileira deseja ver cabalmente apurados.

Roberto Gurgel
Procurador-geral da República

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Gleise Hoffmann. Bateu, levou!!!

A Ministra Gleisi Hoffmann mostrou que com ela, bateu, levou. Vejam a resposta da Minista a um post do colunista da Veja, Lauro Jardim.

Nota oficial da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann

Sr. Lauro Jardim
Editor da Coluna Radar
Revista Veja

O apartamento que possuo em Curitiba tem menos de 190 metros quadrados de tamanho e não 412 metros, como afirma nota divulgada hoje, 25, no Radar on-line. Há outros erros na nota. A saber: diferentemente do que informa Lauro Jardim, a lei não permite, mas DETERMINA que o valor declarado ao Imposto de Renda seja o de compra. Assim, o apartamento, que adquiri em 2003, tem sido declarado pelo valor de compra desde a declaração de 2004. Sobre o valor de R$ 900 mil, citado na nota: é claro que meu apartamento valorizou-se nestes oito anos após a compra, mas, se Lauro Jardim ou o corretor que, diz ele, avaliou o imóvel, desejarem comprá-lo por este preço, podemos conversar.

Gleisi Hoffmann

Vejam agora o que postou Lauro Jardim pela manhã:

Gleisi Hoffmann não é a única política a proceder dessa maneira, pois a lei permite que se aja assim, mas nunca será perda de tempo lançar holofotes sobre a prática: o apartamento de 412 metros quadrados que Gleisi possui num bairro nobre de Curitiba vale 245 000 reais, de acordo com a declaração de bens feita por ela ao TSE no ano passado. O valor real, no entanto, é quase o quádruplo disso. De acordo com um corretor que vende um apartamento no mesmo prédio, um imóvel ali sai por 900 000 reais.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Dinheiro no bolso de Ronaldo, jatinhos no chão e LULA passando do ponto

Reproduzimos três post do colunista Lauro Jardim da Veja:

Dinheiro em Caixa

Às vésperas de sua despedida da seleção, mas já curtindo uma aposentadoria plena, Ronaldo Fenômeno fechou um novo contrato para ser garoto-propaganda. Desta vez, com a Duracell. Receberá 4 milhões de dólares por dois anos de contrato.

Bilionários mas sem jato

Alguns bilionários brasileiros, como Roberto Irineu Marinho, Jorge Paulo Lemann e Abilio Diniz, receberam uma má notícia nos últimos dias. Os três são proprietários do Falcon 7X, o jato executivo de alto luxo produzido pela francesa Dassault. O brinquedinho de uns 45 milhões de dólares, com capacidade para até dezenove passageiros, foi proibido de decolar pelo fabricante, após uma recomendação da Easa, a equivalente europeia da Anac.

O motivo foi um defeito no sistema de controle de voo de um Falcon 7X em procedimento de pouso na Malásia. As causas do problema estão sendo investigadas. Até lá, toda a frota deve ficar no chão.

LULA, o impertinente

Além da intervenção visível e registrada em fotos, Lula tem interferido nos bastidores do governo. Ultrapassando, como é sua característica, o bom-senso e os limites. Recentemente, ele pegou o telefone e ligou para a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que ocupava o mesmo cargo no fim de seu governo.

Exigiu — repetindo: exigiu — que ela apressasse a licença ambiental definitiva de Belo Monte, prometida há tempos pelo Ibama e, afinal, liberada na quarta-feira passada. Em determinado momento da conversa, o impertinente disse:

– P…, Izabella, você está me prometendo isso desde agosto.

 

 

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *