Geral

Cientistas veem luz por trás de buraco negro e confirmam teoria de Einstein

FOTO imagem: M. Weiss (Chandra X -ray Center) e Nasa

Uma equipe de astrônomos da Universidade de Stanford detectou luz que vinha detrás de um buraco negro. As observações, publicadas ontem na revista Nature, comprovam a teoria da relatividade embasada pelo astrofísico Albert Einstein, em 1905.

Ao observar raios-x lançados por um buraco negro supermassivo em uma galáxia a 800 milhões de anos-luz de distância da Terra, o cientista Dan Wilkins, de Stanford, notou uma novidade.

Segundo o site SciTech Daily, o astrofísico observou uma série clarões de raios-x — excitantes, mas não sem precedentes — e os telescópios registraram algo raro: flashes adicionais de raios-x que eram menores, posteriores e com cores diferentes em relação aos clarões.

Conforme a teoria da relatividade, os ecos eram consistentes com os raios refletidos por trás de um buraco negro. Ainda assim, a compreensão já estudada dos buracos negros diz que a luz oriunda desse lugar é estranha.

“Qualquer luz que entra naquele buraco negro não sai, então não devemos ser capazes de ver nada que esteja por trás do buraco negro”, conta Wilkins, que também é cientista do Instituto Kavli para Astrofísica de Partículas e Cosmologia em Stanford e SLAC National Accelerator Laboratory.

“A razão pela qual podemos ver isso é porque aquele buraco negro está deformando o espaço, dobrando a luz e torcendo os campos magnéticos em torno de si mesmo”, explica.

A descoberta é a primeira observação direta da luz por trás de um buraco negro, algo que foi previsto por Albert Einstein há mais de 100 anos, mas só confirmado agora, segundo o site.

“Cinquenta anos atrás, quando os astrofísicos começaram a especular sobre como o campo magnético poderia se comportar perto de um buraco negro, eles não tinham ideia de que um dia poderíamos ter as técnicas para observar isso diretamente e ver a teoria geral da relatividade de Einstein em ação”, diz Roger Blandford, co-autor do artigo.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Até aqui os jumentos de 2 pernas vem falar de luladrao… Ah… Não entendem nada que lêem mesmo

  2. Estou arrependido de ter votado nesse presidente. Não aquento mais essa vergonha e mentiras dessa criatura .

  3. Mais incrível ainda é ver acéfalos que ainda desdenham da ciência e dos cientistas conversando “farofa” mundo afora, kkkk.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Teoria de fuga do vírus de laboratório chinês é pouco provável, afirma especialista da OMS

Equipe da OMS que está investigando a origem do novo coronavírus na China deixa hotel em Wuhan em 29 de janeiro de 2021 — Foto: Thomas Peter/Reuters

O líder da equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que investiga a origem da pandemia em Wuhan, no centro da China, classificou nesta quinta-feira (4) como pouco provável que o coronavírus tenha saído de um laboratório. Para ele, esta é uma tese que seria um “excelente roteiro” para um filme.

Peter Ben Embarek integra a equipe de 10 especialistas da OMS que chegou à China em janeiro para investigar a origem da Covid-19.

A equipe visitou, na quarta-feira, o Instituto de Virologia de Wuhan. Segundo algumas acusações e o ex-presidente americano Donald Trump, o vírus teria saído de dentro deste instituto, por acidente ou não.

Este é o local mais polêmico visitado até o momento pela equipe.

“Se começarmos a seguir e perseguir fantasmas aqui e em outros lugares, nunca vamos chegar a lugar nenhum”, disse Ben Embarek por telefone de Pequim.

A visita ao instituto foi “um passo importante [para] entender de onde vêm estas histórias”, segundo o especialista em segurança alimentar, que trabalhou para a OMS em Pequim no início da década de 2010.

“E conseguimos, de forma racional […] explicar por que algumas delas [dessas histórias] são totalmente irracionais, por que algumas delas podem fazer sentido, e por que algumas delas podem ser explicadas ou não”, disse.

O Instituto de Virologia de Wuhan tem, desde 2012, um laboratório de alta segurança P4 para patógenos muito perigosos, que abriga cepas de vírus como o do ebola, que a OMS conseguiu visitar.

Ben Embarek disse que teve “conversas muito francas” com os interlocutores chineses.

Antes de deixar o posto de chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo voltou a fazer acusações contra o Instituto de Virologia de Wuhan, em janeiro. No entanto, até o momento, não foram encontradas provas para respaldar tais hipóteses.

Missão termina na próxima semana

Todas as conjecturas seriam “excelentes roteiros para filmes e séries”, disse o coordenador da equipe da OMS, que prometeu “seguir a ciência e os fatos” para chegar a uma conclusão sobre a origem da pandemia.

Ben Embarek afirmou que a delegação deve concluir a missão em Wuhan na próxima semana.

“Não vamos alcançar uma compreensão completa das origens deste vírus, mas será um bom primeiro passo”, disse ele.

“Será uma maneira muito robusta e clara que definiremos sobre como seguir adiante”.

G1, com AFP

Opinião dos leitores

  1. Pode até ser chinês o virus, mas tem um pai adotivo aqui no brasil que é o presidente, pois faz 10 meses que ele, todos os dias, icentiva as pessoas a não usar máscaras, não evitar o contato físico, nem manter o distanciamento social, pelo contrário, insiste que as pessoas devem levar a vida normalmente, ambiente propício para a propagação do virus, não é atôa que o Brasil oscila entre 2° e 3° lugar no ranking de infectados e em 2° em número de vítimas fatais.

  2. Como é ? Pouco provável?
    Como assim?
    Essa equipe da OMS foi a cidade berço do corona 1 anos da explosão de casos e diz um besterol desse.
    É resposta q se dê um ano depois?
    A OMS tá uma piada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

AVESSO DA TERRA: “Tente” entender possível “universo paralelo” divulgado por cientistas onde tempo passa ao contrário

Planeta Terra: universo descoberto pela Nasa é totalmente ao contrário do nosso (Bernt Ove Moss / EyeEm/Getty Images)

O personagem principal do filme O Curioso Caso de Benjamin Button teve tudo, menos uma vida comum. Button nasceu idoso e, conforme os anos foram passando, foi se tornando cada vez mais jovem — a ordem reversa da cronologia humana. E se o mesmo acontecesse no espaço? Cientistas de um grupo financiado pela Nasa, sem ligação direta com a agência americana, descobriram evidências de um “provável universo paralelo” onde o tempo passa ao contrário. Parece roteiro de filme de ficção científica — mas pode não ser.

O “universo paralelo” está localizado na Antártica e foi encontrado com ajuda da Antena Impulsiva Transiente da Antártica (Anita). Mas os cientistas não estavam procurando exatamente isso. A intenção era investigar os “ventos” de partículas de alta energia vindas do espaço. Durante o estudo, os pesquisadores observaram “neutrinos tau“, partículas de alta energia, mais pesadas, saindo da Terra, o que indica que elas estavam ao contrário no tempo.

Peter Gorham, físico experimental de partículas da Universidade do Havaí, e sua equipe, no entanto, encontraram partículas que se movimentam de forma contrária às do planeta Terra, viajando para trás, o que sugere a existência de um universo paralelo.

O que teria acontecido para que esse segundo “mundo” fosse possível, de acordo com a análise dos cientistas é que, no momento da explosão do Big Bang, dois universos foram criados. O primeiro é o que conhecemos, e o segundo, sob a perspectiva do tempo na Terra, está indo ao contrário. Se esse universo for habitado, nosso planeta estará contrário a ele. É como se fosse a versão do nosso em um espelho. A direita vira a esquerda, o positivo é o negativo, explica Gorham.

Em entrevista à revista científica New Scientist, em abril, Gorham afirmou que “nem todo mundo está confortável com essa hipótese” e até mesmo cientistas do grupo dele não confiam 100% na teoria.

Sobre a publicação do estudo, Gorham disse à New Scientist que se sente “relutante” por não ter nenhuma confirmação ainda sobre a existência do segundo universo. “Não sabemos como representar isso ainda, mas temos algo”, disse ele.

Thiago Gonçalves, coordenador da comissão de imprensa da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e professor de astrofísica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), as chances de esse universo existir são muito pequenas, se é que realmente existem. “Essa história de universo paralelo é uma explicação bastante exótica e foge do que seria esperado. De todas as teorias para explicar o resultado, essa é a menos provável de todas”, afirmou ele em entrevista à Exame por telefone.

É bom cruzar os dedos para que esse universo, se for real, ao contrário do invertido da série da Netflix, Stranger Things, não tenha nenhum demogorgon à espreita.

Exame

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

SEM BIG BANG. Um dos maiores físicos do Brasil acredita que o Universo não teve começo e nem fim; sempre existiu, e pulsa em ciclos

Foto: Reprodução/Super Interessante

No Budismo, o Universo é eterno, sem começo ou fim. Existem apenas ciclos de criação e destruição, chamados mahākalpa. Cada mahākalpa tem quatro subdivisões temporais, os kalpas. No primeiro kalpa, o mundo nasce, e semideuses reluzentes com 80 mil anos de vida cruzam os céus. O segundo kalpa, em que nós vivemos, é imperfeito, com decadência, guerra e miséria. O terceiro estágio é a dissolução do cosmos em fogo. E o quarto é o vazio absoluto – um interlúdio. É então que o vento primordial planta a semente do próximo mahākalpa.

Trata-se de uma cosmologia cíclica, típica das religiões do subcontinente indiano. Ela é bem diferente da criação na concepção judaico-cristã, em que Deus faz o mundo, vê que ele é bom e deixa o reality show rolar – sem data de validade. Todas as etnias têm uma cosmologia, que se apresenta em um desses dois tipos: ou o Universo é eterno e cíclico, ou emergiu em um instante único.

Essa dicotomia básica se mantém viva entre os cosmólogos – físicos que investigam a estrutura e a história do cosmos. A maioria deles advoga que o Universo teve um início definido, num estado denso e quente, e vem se expandindo desde então (o Modelo Cosmológico Padrão, popularmente chamado de Big Bang). Mas um grupo divergente propõe que o Universo infla e esvazia como um balão – e que a fase de expansão atual, em que as galáxias estão se afastando umas das outras, foi precedida por uma fase de contração. Um mahākalpa anterior ao nosso.

Um dos maiores estudiosos de universos cíclicos trabalha em um escritório no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), no bairro carioca da Urca. Mário Novello nasceu no Rio de Janeiro em 1942, filho de imigrantes italianos da província da Calábria. Aos 12 anos, ganhou do pai o livro O Universo e o Sr. Einstein, de Lincoln Barnett. E decidiu que dedicaria a vida à cosmologia – ainda que a palavra sequer existisse na época. “Meu pai riu e falou: bom, compete a você fazer isso. Acabou que aconteceu mesmo.”

Novello cursou física na Faculdade Nacional de Filosofia (hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro, a UFRJ) com alguns professores lendários – como José Leite Lopes, especialista em partículas que se doutorou em Princeton orientado por Wolfgang Pauli. Leite, diga-se, foi um dos fundadores do CBPF, onde Mário começou a estagiar durante a graduação. Era um lugar bem frequentado: às vezes, César Lattes, um dos descobridores da partícula subatômica méson pi, fazia uma visita.

Em 1968, com o decreto do AI-5, Leite Lopes foi cassado pela Ditadura Militar. Preocupado com os rumos da ciência nacional sob a opressão do regime, ele recomendou a seu pupilo que fosse fazer doutorado na Universidade de Genebra, na Suíça, com Josef-Maria Jauch. Foi então que Novello saiu do mundo das partículas subatômicas – área de especialização de seu mentor brasileiro – e começou a se envolver com o estudo do cosmos, seu objetivo desde a adolescência.

Em 1979, já com uma carreira sólida, Novello publica um modelo pioneiro de Universo com boucing, isto é: um Universo como o proposto pelo Budismo – que de tempos em tempos entra em colapso, atinge um tamanho minúsculo e volta a se expandir, reciclando seu conteúdo de matéria e energia. Nessa visão, não há Big Bang: o Universo não precisa ser criado, porque ele sempre existiu. É um debate esotérico, que deve ser explicado com calma. Se o Universo se expande, como pode ele se contrair? O que exatamente é o Big Bang? Houve algo antes dele? Para entender a obra de Novello, é preciso mergulhar na física do século 20. Vamos nessa.

A origem

(mais…)

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Teoria que o Brasil foi redescoberto no RN será debatida em série de eventos

Uma série de debates discutirá a teoria de que o Brasil foi descoberto pela esquadra de Pedro Álvares Cabral no Rio Grande do Norte e não em Porto Seguro, na Bahia, como os livros de história ainda contam. Os eventos, promovidos pelo Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado do Turismo, reunirão historiadores e especialistas para debater o tema. O primeiro debate acontece às 19h desta terça-feira (8), no auditório Lavoisier Maia, no Centro de Convenções e será voltado aos guias de turismo, mas estará aberto à imprensa e interessados.

“Os guias são fontes importantes de informação ao turista que visita nosso Estado. É fundamental que eles estejam capacitados a prestarem a informação correta e que reforce essa teoria defendida, hoje, pelos maiores especialistas no assunto e que é o mote da nossa campanha de marketing”, ressalta o secretário estadual de Turismo, Manuel Gaspar. A campanha #TudoComecaAqui foi lançada há dois meses e tem norteado a divulgação e promoção do Rio Grande do Norte nos principais eventos do setor e também em mídias especializadas.

Este primeiro debate precederá outros três, promovidos nos próximos meses de junho, julho e agosto, voltados aos bugueiros, aos hoteleiros e alunos de cursos técnicos e de graduação relacionados ao turismo. Todos realizados no mesmo local e também abertos a demais interessados. As datas ainda serão definidas. Para o mês seguinte, em setembro, a Setur RN pretende um grande evento nos municípios de São Miguel do Gostoso, Touros e Pedra Grande, para recontar, de forma cênica e histórica, a chegada das caravelas portuguesas ao Estado potiguar.

Para esta primeira edição estão confirmados quatro especialistas: o professor de história e escritor Antônio Holanda, o engenheiro Manoel Cavalcante (autor do livro 1500: de Portugal ao saliente Potiguar), o português Paulo Gonçalves (estudioso do tema) e o historiador Marcus Cesar Cavalcanti (autor do livro O Brasil nasceu juridicamente no RN). Cada um com um posicionamento particular a respeito do tema, mas todos favoráveis à teoria de que “tudo começou aqui”.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

O Brasil foi descoberto pelo Rio Grande do Norte? Estudiosos e historiadores lançam teoria e evidências

Não, a caravela de Pedro Álvares Cabral não aportou primeiramente na Bahia, em 22 de abril de 1500, conforme ensinam os livros de história. O descobrimento do Brasil se deu pelo Rio Grande do Norte, precisamente na Praia do Marco, município de Touros.

Pelo menos essa é a teoria levantada por historiadores e estudiosos respeitados. E para corrigir esse “equívoco” e reescrever a história do nosso descobrimento, uma série de seminários para discutir o tema está sendo arquitetada para o primeiro semestre de 2017, em Natal.

A ideia de levantar o debate em torno da história do Brasil partiu da Secretaria de Estado do Turismo do RN e da Empresa Potiguar de Promoção Turística do RN (Emprotur) e contará com a participação de importantes pesquisadores do assunto.

“Essa discussão merece ser aprofundada. Outros equívocos históricos já foram corrigidos e este pode ser mais um. Vamos dar a César o que é de César. Evidências mostram que o descobrimento se deu no litoral potiguar”, comentou o secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar.

A presidente da Emprotur, Aninha Costa, acredita no fato como uma nova possibilidade de projetar o turismo histórico-cultural potiguar. “Além da discussão em torno de um tema importante, também teremos a chance de divulgar nosso Estado na mídia, para além do Sol e Mar”.

A professora-doutora Rosana Mazaro, do Departamento de Turismo da UFRN, tem dado o suporte teórico à empreitada. Ela é também velejadora e une conhecimentos científicos e práticos para embasar cinco evidências para provar que o Brasil começou pelo RN.

Evidências

“A primeira é pelas correntes marítimas que direcionariam as caravelas naturalmente ao RN. Há uma dificuldade imensa para se chegar da Europa à Bahia e, em contraponto, facilidade para o RN. Há navegadores, sem exagero, que vão até Dakar (na África) para se aproximar do Brasil tamanho a força das correntes”.

A segunda evidência apontada pela professora é o monte avistado pelos portugueses ser o Pico do Cabugi, na região central do RN. Pescadores nativos até hoje tomam o Pico como referência para voltar à terra. Enquanto o Monte Pascal, na Bahia, sequer é um “monte”, mas uma torre, cortada e sem “pico”.

A terceira seria a presença de “aguada” no litoral, conforme consta na carta do descobrimento. Aguada seria água doce, presente nas proximidades do Marco de Touros e inexistente em Porto Seguro, na Bahia.

A penúltima evidência seria o Marco de Touros, diferente do fincado na Bahia. O daqui é esculpido com símbolos e brasões semelhantes ao marco chantado no município de Cananéia, em São Paulo, que seria o segundo marco português no Brasil.

Por último, o argumento mais evidente apontado pelos estudiosos: consta no mapa português que eles navegaram duas mil léguas ao Sul do país para fincar o segundo marco. Essa distância corresponde exatamente o percurso do Estado potiguar a São Paulo. Caso partisse da Bahia, o segundo marco estaria fincado na Argentina.

 

Opinião dos leitores

  1. Excelente e válida iniciativa! Com efeito, o estudo dos ventos também permite cogitar seriamente como verdadeira a tese de que os navegantes teriam primeiro chegado ao RN e depois "escorrido" ao longo da costa até Porto Seguro. Ou seja, de acordo com o regime e comportamento dos ventos alísios (e, por consequência, das calmarias que eles tentavam evitar, fazendo a Volta do Mar), as caravelas não teriam como chegar a outro local primeiro que não a região de Touros/SMiguel. Aduzir também que os índios potiguares eram conhecidos como pouco receptivos, o que pode ter contribuído para a decisão de não aportar por muito tempo ali. A História de Portugal, como outras, é repleta de lacunas, e escrita por interessados diretos. Em janeiro de 1500, Vicente Yanes Pinzón, a serviço da Espanha, estivera na costa do RN e no Cabo de Santo Agostinho. Ele próprio passou por Portugal e, seguindo o famoso Tratado de Tordesilhas, comunicou ao rei. Chegando a Espanha, se apressou em comunicar à Igreja e noticiar isso por toda Europa. O RN faz certo e tem todo o direito de levantar este debate e buscar todos os especialistas que possam esclarecer a questão.

  2. Isso mesmo, Manoel Cavalcanti Neto. É bom que, antes de se fazer algum comentário jocoso, as pessoas leiam os livros do Professor Lenine Punto. Concordo também com Washington Luiz. Os nossos políticos à época não tiveram força para barrar a investida do governador de Pernambuco, Miguel Arraes, que fora preso político na Ilha, no período do governo militar, e isso se tornou uma questão de honra, ou seja, no passado, preso na Ilha, e agora (à época) governador e "mandatário" da Ilha.

  3. Essa história sempre voi mau contada. É igual a ilha de Noronha. A Bahia roubo o descobrimento e Pernambuco levou a ilha. Será que agora vai, vai não pois as famílias que toma conta do estado é igual a seleção de 98 foi muito dinheiro!!!!!

    1. Essa e uma das minhas indagações desde o tempo em que saia de Natal e pegava água e matérias no Recife pra levar pra Noronha. Ora por quer tínhamos que deslocar até Recife se Natal sempre foi mais próximo da paradisíaca ilha?

  4. Se começou pelo RN, tá explicado: não é sem razão que o Brasil jamais correu o menor risco de um dia dar certo.

    1. Se o Brasil nunca teve o risco de dar certo, é por pessoas como você que desacreditam no nosso País, Seja Mais patriótico meu Amigo.

  5. A Carta de Caminha, que permaneceu desaparecida por quase 300 anos é um documento factual muito bem escrito, porém incompleto e distorcido principalmente por Francisco Varnhagen (Varnhagen em alemão antigo significa porto seguro) que escreveu uma história a pedido de D. Pedro II, a partir de uma cópia da carta, existente no Rio de Janeiro. Há inúmeras distorções na história de Varnhagen questionadas por Caspistrano de Abreu, Assis Cintra e seus pares do Instituto Histórico. "O mando do mar" de Lenine Pinto é fundamental para se conhecer parte dessa tese, mas há muita coisa mais ao se estudar os autores dos séculos XV, XVI, XIX e XX.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *