Judiciário

MPF em MG conclui que Adélio agiu sozinho na facada a Bolsonaro e pede arquivamento

O MPF em Minas Gerais pediu o arquivamento provisório do segundo inquérito policial que apura a possível participação de terceiros no atentado contra Jair Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018, em Juiz de Fora.

Na manifestação enviada à Justiça Federal, o MPF, após analisar a investigação realizada pela PF, concluiu que Adélio Bispo de Oliveira concebeu, planejou e executou sozinho o atentado.

Segundo o inquérito, Adélio já estava em Juiz de Fora quando o ato de campanha foi programado –portanto, não se deslocou até a cidade com o objetivo de cometer o crime. Também não se verificou movimentação financeira atípica nas contas dele ou de seus familiares.

Declarado inimputável por ter doença mental, o esfaqueador de Bolsonaro cumpre medida de segurança no presídio federal de Campo Grande.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Não foi apurado nada porque não houve nenhuma facada. Tudo inventado pra não comparecer aos debates.

  2. Pobre Adélio, quando sair da cadeia não arranja mais emprego nem sequer como atirador de facas em circo mambembe. Pudera, ele é incapaz de acertar com êxito um alvo parado.
    É o fim da linha para um maluco que desperdiçou a única oportunidade que teve de usar sua maluquice com algum proveito social.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Em 2º inquérito, PF conclui que Adélio Bispo agiu sozinho e sem mandantes

Foto: Reprodução/GloboNews

A Polícia Federal concluiu, no segundo inquérito sobre o caso, que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho e não teve mandantes no ataque ao então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro.

A facada aconteceu em 6 de setembro de 2018 na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

De acordo com o inquérito presidido pelo delegado Rodrigo Morais e entregue nesta quarta-feira (14) à Justiça Federal, Adélio agiu por iniciativa própria e foi o responsável pelo planejamento e execução da ação criminosa.

Ainda segundo as investigações, não foram comprovadas a participação de agremiações partidárias, facções criminosas, grupos terroristas ou mesmo paramilitares seja na cogitação, preparação ou execução do crime.

“O que a investigação comprovou foi que o perpetrador, de modo inédito, atentou contra a vida de um então candidato à Presidência da República, com o claro propósito de tirar-lhe a vida”, destaca o delegado no inquérito.

Todo o material apreendido com Adélio Bispo foi investigado minunciosamente. São eles: computador portátil, aparelhos celulares e documentos.

No total foram analisados 2 terabytes de arquivos de imagens, 350 horas de vídeo, 600 documentos e 700 gigabytes de volume de dados de mídia, além de 1.200 fotos — além de 40 mil e-mails recebidos e enviados em contas registradas em seu nome.

Foram ouvidas no inquérito 102 pessoas em campo e 89 testemunhas, o que resultou na elaboração de 23 laudos periciais elaborados. Sigilos fiscais, bancários e telefônicos do acusado foram quebrados, além de diligências de busca e apreensão.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. Quem pagou os 4 advogados de Adelio? Quem pagou o jatinho para esses advogados? Como um servente de pedreiro tem condições financeiras de rodar o país em busca de uma pessoa? Pq Adélio foi ao gabinete de Jean Willis em 2013? Pq sumiram com o registro da entrada de Adelio na Câmara dos deputados? E o vídeo q mostra claramente outras pessoas falando antes do atentado dizendo calma Adélio, agora não..?! Como derrubaram o aviao de Eduardo Campos? Responde essa PF! Mais do mesmo… Tem gente muito graúda nessa história… Idiota é quem acredita q esse cara agiu sozinho…

    1. Esse mito insiste nessa tecla igualzinho o luladrão na que ele é inocente. Ai, tem que ter saco pra escutar essas ladainhas desses dois hipnotizadores de idiotas

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Vermelho é ‘gênio louco’ e agiu sozinho, diz advogado de casal preso

Foto: Reprodução/via Crusoé

O advogado Ariovaldo Moreira disse hoje que vai pedir a libertação do casal Gustavo Santos e Suelen Oliveira, seus clientes, presos pela PF na Operação Spoofing.

Moreira atribuiu a culpa pelo ataque hacker a Walter Delgatti Neto, o Vermelho, que segundo ele é um “gênio louco”.

O Antagonista com Crusoé

Opinião dos leitores

  1. O cara só nasce uma vez e já vem com a maldade para prejudicar as pessoas de bem.
    Mal intencionado, para ganhar dinheiro é capaz de vender a própria mãe.
    Não tem nada de louco é criminoso mesmo.
    Cana longa para aprender a fazer as coisas corretas.

  2. Vai pra o sacrifício, e já se considera louco. 100 mil em casa, nunca rasgou dinheiro, movimentou meio milhão, ganhando 2 conto. Entregou as conversas de graça! Muito bestinha essa criança. Tô só veno

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *