Diversos

VÍDEO: Prefeito de Criciúma-SC fala em ‘lockdown sem remuneração’ ao permitir licença


O prefeito de Criciúma (SC), Clésio Salvaro (PSDB), anunciou que autorizará servidores do município a pedir licenciamento durante a situação de calamidade pública em Santa Catarina por causa da pandemia do novo coronavírus. Porém, a licença não será remunerada.

Em vídeo no Twitter, Clésio explicou a medida e falou, com ironia, em “lockdown sem remuneração”, fazendo referência à palavra utilizada para um conjunto de medidas que restringem a circulação para evitar a disseminação da doença. Ele disse que tomou a decisão após ouvir questionamentos de servidores sobre o assunto.

“Vocês vão ter lockdown, estou assinando o decreto. Lockdown sem remuneração. Não quer vir trabalhar, não tem problema. Quer se cuidar, ótimo, vai ficar em casa. E não vai receber salário. É muito fácil pedir lockdown quando a geladeira está cheia e o salário garantido”, disse.

O prefeito ainda descartou adotar um lockdown na cidade para conter a epidemia de covid-19. No momento, a cidade tem 239 pacientes internados nos hospitais por causa da doença. Durante a pandemia, 309 pessoas morreram de covid-19.

“As pessoas perguntam se vai ter lockdown, eu digo não. Pelo menos no que depender de mim. Tudo é atividade essencial, trabalhar com todos os cuidados sanitários, colocando a vida em primeiro lugar, saúde sempre com cuidados redobrados. Não há necessidade de parar com a economia, precisa continuar trabalhando”, disse.

O que é lockdown?

Epidemiologistas têm recomendado lockdown como forma de controlar a disseminação do novo coronavírus e diminuir a pressão no sistema hospitalar, que está entrando em colapso em muitas cidades do Brasil. Araraquara, no interior de São Paulo, apresentou melhora na epidemia com a adoção da medida, também utilizada em países da Europa como Portugal e Reino Unido

Lockdown refere-se ao bloqueio total de uma região, imposta pelo Estado ou pela Justiça. É a medida mais rígida adotada durante situações extremas, como uma pandemia.

O cidadão é restrito de circular áreas públicas sem motivos emergenciais, cruzar fronteiras e muitas vezes pode haver toque de recolher. A fiscalização é feita pelo governo.

Reação

De acordo com a prefeitura, o gestor de cada pastada administração pública deverá analisar a possibilidade de afastamento do servidor, sem prejuízo ao serviço público. Caso o pedido seja aceito e o quadro remanescente não puder desempenhar as funções, o gestor deve solicitar contratação temporária para suprir a ausência.

Em entrevista para o site local Engeplus, a presidente do Siserp (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Criciúma e Região), Jucélia Vargas, rebateu o prefeito e disse que os servidores pediram para que os servidores do grupo de risco não trabalhassem presencialmente.

“Nem um servidor público está pedindo lockdown para ficar em casa vendo televisão e comendo pipoca. Estamos solicitando que os servidores que são do grupo de risco tenham a possibilidade de trabalhar de forma remota, mas ninguém está dizendo que quer lockdown. O prefeito faz um vídeo ridículo, irresponsável, apenas desviando o foco da sua irresponsabilidade de não dar conta da saúde do município”, disse.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Como o Brasil, precisa de gestores públicos, como o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro. Claro, os sindicatos, os pelegos e a esquerda preguiçosa, não ficaria nada satisfeita. Com certeza, seríamos um país mais justo. João Macena.

  2. Tudo isso faz parte da narrativa de desvalorização do serviço público. Uma pena esse tipo de pensamento.
    Mais se o gestor que pensa assim, se responsabilizar em dar condição de trabalho adequada e for responsabilizado criminalmente pelas mortes de cada servidor contaminado em serviço, sem tomar vacina.
    O que não dá, é ter esse discurso, com frases de efeito e não se responsabilizar pelas consequências.

    1. Deve ser um ganhador no mole… fácil defender Lockdown ganhando td no fim do mês. Vc abdica do seu salário, como milhões de brasileiros que são obrigados, para poder ficar em casa? Hipocrisia

    2. Engraçado , o caixa de supermercado, a moça da farmácia , o frentista etc esses não correm perigo ??? Deixa de ser VAGABUNDO

    3. Mais quem deveria ser responsabiliza era a China porém não querem nem ouvir!!!

    4. Trabalho em média 10 horas por dia e estou a 11 anos sem receber nenhum tipo de aumento, nem progressão de nível, e vou ficar mais 15 anos sem ter a possibilidade de aumento. Não reclamo, por que entendo o momento difícil que passamos. Quem é gestor, tem que se responsabilizar pelas suas atitudes, boas ou rins. E para constar trabalho em um serviço essencial, trabalho desde o começo da pandemia.

  3. Funcionário público só quer ganhar no mole, pedir Lockdown pra ficar em casa é bom mas se não produz nada não é pra receber só ver os professores do RN

  4. Calígula, eu não concordo com vc, muitos professores não estão desenvolvendo suas atividades, não é, porque não queiram e sim pelos decretos e liminares que os obrigam a realização de suas atividades de forma remota.

    1. Calígula, eu tenho pena de vc em todos os sentidos . O que dizer de um babão , chupa ovo de político , tipo Jair Bolsonaro ??? Nada .

    2. Não precisa ter bola de cristal pra ver isso calícula véi. Não são todos, mas a grande maioria dos que defendem criminosos corruptos agiriam assim. Bando de canalhas

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEOS: Quadrilha sitiou Centro de Criciúma e fez reféns em assalto a banco; criminosos fortemente armados provocaram terror na cidade de SC na madrugada

MAIS VÍDEOS AQUI em texto na íntegra.

Quadrilha usou reféns para bloquear ruas em Criciúma e bloquear a aproximação da polícia — Foto: Reprodução / TV Globo

Uma quadrilha sitiou o Centro de Criciúma, no Sul de Santa Catarina, para assaltar um banco no início da madrugada desta terça-feira (1º). O grupo fortemente armado invadiu a tesouraria regional de um banco, provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, usou reféns como escudos e atirou várias vezes.

Resumo:

Cerca de 30 pessoas encapuzadas assaltaram uma agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma às 23h50 de segunda-feira (30). A ação durou 1 hora e 45 minutos.

Pessoas foram feitas reféns e cercadas por criminosos; houve bloqueios e barreiras para conter a chegada da polícia.

Um PM e um vigilante ficaram feridos. Ninguém morreu.

Criminosos fugiram, e parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas. Valor levado e abandonado não foi calculado até as 7h30. Quatro moradores foram detidos após recolherem R$ 810 mil que ficaram jogados no chão devido a explosão durante o assalto.

Criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Polícia não sabe o total utilizado.

10 carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

Até por volta de 7h30, o Banco do Brasil não havia se pronunciado.

A prefeitura pediu ajuda a batalhões de municípios vizinhos e também para cidades do Rio Grande do Sul.

Criciúma tem cerca de 217 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e fica 200 km ao sul da capital catarinense, Florianópolis, e 285 km ao norte da capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. A economia do município se baseia, principalmente, em exploração de carvão, indústria, agricultura e pecuária.

Reféns sentados na rua

Os primeiros relatos do tiroteio foram feitos por volta da meia-noite. O som dos disparos foi ouvido principalmente na região central de Criciúma.

Imagens nas redes sociais mostraram reféns e pessoas cercadas nas ruas pelos criminosos. Homens foram deixados sem camisa sentados sobre uma faixa de pedestres na rua.

A PM informou que o grupo incendiou um túnel no município de Tubarão (SC) que dá acesso a Criciúma, para tentar impedir que reforços chegassem até o local dos assaltos.

Segundo a PRF, um caminhão com placa de Dumont (SP) foi atravessado no túnel, na BR-101, e foi incendiado. Também foram espalhados miguelitos (apetrechos de metal capazes de furar pneus de carros) para dificultar a ação da polícia e dos bombeiros. O túnel foi liberado após os bombeiros apagarem as chamas.

O delegado Victor Bianco Cruz informou que os criminosos usaram veículos de ‘alta potência e grande valor comercial’, de marcas como Audi, Land Rover, BMW, Mitsubishi e Volkswagen.

“Nós acreditamos, sim, que o valor levado é bastante grande, pelos vídeos que circulam nas redes sociais aqui, onde teria uma enorme quantidade de dinheiro na caçamba de uma caminhonete”, disse o delegado.

Após o ataque, os criminosos fugiram e abandonaram dinheiro no local. Por volta das 2h30, peritos estavam nas ruas para analisar a suspeita de abandono de materiais explosivos. Nas calçadas e nas ruas próximas da ação foram encontradas várias cápsulas de munição, inclusive de fuzil.

Funcionários que pintavam faixas feitos reféns

O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) disse que os reféns foram liberados sem ferimentos. Os homens mostrados em imagens divulgadas em rede social sentados em uma rua, usados como uma barreira pela quadrilha, eram funcionários do município que pintavam faixas de trânsito.

Durante a madrugada, Salvaro orientou aos moradores que ficassem em casa.

“A cidade neste momento tá sitiada. São criminosos aí muito bem preparados. Certamente vieram de outros estados da federação. Recomenda-se que você fique em casa”, disse à 1h.

Polícia fala em ‘novo cangaço’

A PM informou que buscou reforços. Segundo o tenente-coronel Cristian Dimitri Andrade, do 9ª Batalhão da Polícia Militar (9º BPM), agentes de Araranguá, Tubarão e Içara se deslocaram para a cidade.

“Uma quadrilha do crime organizado, que é especializada em assalto a banco. A gente chama de modalidade ‘novo cangaço’. Eles fazem assaltos simultâneos, atacam quarteis, como atacaram no batalhão também”, disse o tenente-coronel ainda na madrugada.

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) e o Choque da PM de Florianópolis também foram acionados.

Fuga

Durante a fuga, pelo menos um malote de dinheiro foi abandonado pela quadrilha. Cédulas e cápsulas também ficaram espalhadas pelas ruas.

Segundo o prefeito, os criminosos fugiram em comboio.

PM e vigilante baleados

Ao menos um policial militar e um vigilante foram baleados. Conforme Andrade, o policial foi atingido na região do abdômen e foi levado ao hospital. O estado de saúde dele é considerado estável.

Ainda não há informações sobre o estado de saúde da outra vítima.

G1-SC

 

Opinião dos leitores

    1. Ela só apoiou governo que incentivou a disseminação das facções pelo Brasil inteiro, hj em cada rua, bairro, cidade e estado tem uma facção comandando e foi a partir do governo petralha que o pcc e cv, com o beneplácito do luladrão, antes do pt só tínhamos notícias deles em SP e RJ respectivamente. Com certeza teve boi na linha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Quadrilha abandona dinheiro após assalto e tiroteio em Criciúma-SC; quatro homens são presos com R$ 810 mil

Veículo incendiado pelos criminosos em Criciúma — Foto: Janniter de Cordes

A quadrilha que invadiu o prédio de uma agência bancária para roubar cofre da tesouraria, na madrugada desta terça-feira (1º), deixou diversas notas de dinheiro jogadas pelas ruas de Criciúma, no Sul de Santa Catarina.

Quatro homens foram detidos pelo furto das cédulas abandonadas pelos criminosos. Segundo a Polícia Civil, eles foram encontrados em um apartamento com mais de R$ 810 mil dentro de duas malas. Dois suspeitos de 24 anos e outros dois de 27 e 28 anos devem ser encaminhadas ao Presídio Regional. Além disso, a polícia encontrou espalhado pelas ruas cerca de R$ 300 mil.

Segundo a polícia, foi levado o dinheiro do cofre, que era o alvo do grupo de criminosos. O valor total do roubo ainda não foi divulgado. A explosão provocada durante a ação danificou estrutura da tesouraria regional, que fica anexa a uma agência bancária, no Centro do município.

Além disso, o bando fortemente armado provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, atirou contra o Batalhão da Polícia Militar, usou reféns como escudos. Durante a ação, que durou pouco mais de uma hora, os criminosos efetuaram diversos disparos. Duas pessoas ficaram feridas: um policial militar e um vigilante.

Responsável pelo caso, o delegado Ulisses Gabriel afirmou o dinheiro que a quadrilha não conseguiu levar ficou abandonado pelas ruas, bolsas e mochilas. Todas as notas já foram recolhidas e a polícia vai tentar identificar se mais pessoas pegaram o dinheiro.

“Eles [assaltantes] não conseguiram carregar todo o dinheiro. Na verdade, tem quatro presos aqui que se aproveitaram da situação. O dinheiro ficou caído e quando a minha equipe chegou no local, inclusive tinha um individuo tentando carregar o dinheiro e a gente fez a abordagem”, afirmou o delegado.

A suspeita da polícia é de que pelo menos 30 pessoas participaram da ação. Após o assalto, os criminosos fugiram em comboio. Segundo o delegado Anselmo Cruz, da Divisão Estadual de Investigação Criminal (Deic), dez veículos utilizada pelos criminosos foram localizados em Nova Veneza, que fica cerca de 200 quilômetros do município.

Por volta das 5h50, a equipe do esquadrão antibombas estava no local e utilizava um robô para retirar cerca de 30 quilos de explosivos que foram deixados pelo grupo criminoso no local.

Os primeiros relatos do tiroteio foram feitos por volta meia-noite e duraram mais de uma hora e meia. Imagens nas redes sociais mostraram reféns e pessoas cercadas nas ruas pelos criminosos. O som dos disparos foi ouvido principalmente na região central.

G1-SC

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *