MERCADO FETICHISTA: Mulheres ganham dinheiro vendendo fotos de pés

Foto: Pixabay/Reprodução

A podolatria é um fetiche bastante conhecido em que as pessoas se excitam com pés, mesmo sem tocá-los ou fora de um contexto sexual. Por isso, não é difícil encontrar pelas redes sociais homens buscando uma forma de alimentar o fetiche e soltando frases do tipo “tem foto do pézinho?” para mulheres.

Assim, com a demanda criada, a oferta logo se estabeleceu, criando um novo nicho no mercado fetichista: a venda de pack de pés. A questão é que, em algum momento, essa informação saiu do submundo fetichista das redes sociais e emergiu para a superfície, dando origem a diversos memes sobre a prática.

“Na internet a gente vê várias piadinhas sobre vender pack do pézinho né? Acabei ficando curiosa se fazer isso rendia um dinheiro mesmo. Até porque não tinha nada a perder, sequer preciso mostrar o meu rosto”, conta Venus (nome fantasia usado nas redes sociais para venda dos packs).

Venus tem 20 anos e entrou nessa há pouco mais de um mês, como uma experimentação, e conta que hoje já consegue um dinheiro bom para comprar umas cervejas no fim de semana e algumas roupas.

Já para algumas pessoas mais familiarizadas com o meio fetichista, como Paula, de 30 anos, a venda de packs veio de forma espontânea, quando ela utilizava o perfil para compartilhar as fotos que gostava. “Percebi que a venda era uma possibilidade quando os seguidores começaram a pedir fotos personalizadas e exclusivas — unha de uma cor, um tipo de calçado, um tipo de pose etc — e me pagavam para isso, em troca eu enviava packs de fotos e vídeos”, relata.

“Confesso que não dou muita prioridade ao perfil e acabo deixando de atender muitos desejos dos seguidores em relação a compras, mas sei que pessoas que se dedicam e têm um bom conteúdo, lucram muito bem”, continua.

Os tabus ainda existem e nem todos lidam com naturalidade ao saber que alguém ganha dinheiro vendendo fotos de partes do corpo para estranhos na internet, mesmo que não sejam as partes íntimas. “Meus familiares não sabem que vendo fotos, mas meus amigos mais próximos, sim, inclusive eles quem me deram a ideia de começar pra ver o que rolava, é a nossa piada interna”, assume Venus.

Para Paula, que já tem o perfil criado para o público fetichista há bastante tempo e começou a vender as fotos há três anos, é mais fácil tratar isso com naturalidade. Segundo ela, a família e amigos não apenas sabem da prática como a ajudam a tirar as fotos. “Mas quando eu conto para as pessoas no geral, elas geralmente não acreditam, sempre perguntam se estou falando sério”.

Os preços variam bastante, para fotos e vídeos personalizados o valor fica mais alto, podendo chegar a R$ 100 o pacote com três fotos, mas Venus faz preços mais baixos para os seguidores e vende packs de dez vídeos e três fotos a R$ 50 e, o mais barato, por R$ 25 com três vídeos.

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Victorino disse:

    Nem uma novidade, tem gente para tudo, inclusive os que acreditam na inocência do corrupto Lula, e até quem masca fumo.

Grupo de homens que têm fetiche em pagar boletos promove trocas de fotos e vídeos sensuais por dinheiro

Formulário que deve ser preenchido para ser aceito no grupo do Facebook. Foto: Reprodução/Facebook

O meme é real. Existe um grupo no Facebook onde homens pagam boletos para mulheres e eu entrei para ver como funciona. A prática, que pode ser considerada um fetiche, é conhecida como “money slave” (escravo do dinheiro, por português). “São homens que se submetem financeiramente a uma mulher”, diz a criadora do grupo Beatriz, que prefere não ter o sobrenome revelado, 20 anos, estudante de engenharia, de Belém (PA).

Logo que eu encontrei o grupo, já percebi que as coisas não funcionavam como eu imaginava. Na verdade, o nome é “Homens que pegam boletos & Garotas que dão algo em troca”. Mesmo assim, fui ver o que rolava lá. Para ser aceita, precisei preencher um formulário que, entre algumas perguntas, dizia: “Muitos homens querem algo em troca para pagar boletos, você estaria disposta?”.

No grupo, encontrei muitas mulheres oferecendo fotos e dizendo que precisavam pagar contas ou comprar livros. E vi poucos homens de fato oferecendo pagar boletos.

Beatriz explica o que acontece: “Observei que são raríssimos os money slave do meio e o propósito não tava dando certo, pois um verdadeiro money slave nunca pode exigir nada em troca por pagamentos. Ele simplesmente faz por prazer. A maioria dos homens queria pagar boletos em troca de algo. Conversas, fotos íntimas e por aí vai”. Por isso, ela incluiu o “garotas que dão algo em troca” no nome do grupo.

Como funciona

Beatriz diz que analisa o perfil de todos que preenchem o formulário antes de aceitar no grupo para tentar minimizar contas falsas e golpes. Depois de aceito, a publicação está liberada.

“Geralmente, as garotas postam fotos dizem o que precisam/ para o que precisam. É como se fosse uma espécie de propaganda. Elas também falam o que estão procurando e o que estão dispostas a vender ou trocar por dinheiro”, detalha. Os homens também entram na “propaganda” e compartilham o quanto vão pagar e o que querem em troca. “Também deixamos aberto aos verdadeiros money slaves”.

O grupo tem algumas regras, que são apresentadas com o formulário para a entrada. O texto ressalta a importância da confiança entre os participantes, respeito e, principalmente, proíbe qualquer tipo de assédio ou desrespeito contra as mulheres. Além disso, incentiva a conversa entre os membros e orienta a denúncia daqueles que desrespeitam as regras.

“Sempre oriento os membros a denunciarem para ajudar na filtragem de pessoas mal intencionadas, fakes e golpistas. Sempre falo para terem cuidado com os acordos, não enviarem suas fotos de primeira ou até que uma parte do pagamento seja feita”, explica Beatriz.

Quem participa

O grupo tem 1664 membros e, de acordo com a administradora, a maioria é de São Paulo, capital, sendo 80,9% mulheres e 19,1% homens, com idade média entre 18 e 24 anos. Beatriz explica que como a oferta é maior do que a procura, a concorrência entre as mulheres é grande.

Apesar disso, ela já consegue lucrar com o grupo. Beatriz diz que a pandemia afetou sua renda, mas a troca de imagens por dinheiro é uma ajuda no fim do mês. Para Júlia*, 26 anos, de Santa Catarina, o grupo também é uma forma de ajudar os pais a pagar o aluguel e os livros para fazer o TCC (trabalho de conclusão de curso). Ela explica que não está no grupo por fetiche, apenas por interesse financeiro.

“Entrei no grupo porque, com essa crise em meio à pandemia, eu precisava complementar meu salário de estagiária”, comenta a estudante de direito. Júlia conta que oferece fotos, vídeos e até chamada de vídeo, e o valor varia conforme a quantidade e o conteúdo.

“Gosto de conversar bastante antes para saber o que eles querem e tudo é acordado antes”, fala. Ela explica que primeiro recebe o comprovante de depósito/ transferência e depois envia as fotos ou vídeos. “Com alguns, a conversa se estende e continuam pedindo, outros já são mais diretos, pedem o que querem e paramos por ali”, conta.

Em relação ao “público” Júlia diz que é variado. “A maioria dos caras são casados ou namoram e fazem escondido. Já mandei para dois que têm esposa. Às vezes são tantos anos junto com uma pessoa que eles querem ver uma coisa diferente”.

Também conversei com Raul, que prefere não revelar o sobrenome, 33 anos, de São Paulo (capital), praticante de BDSM há cinco anos e membro do grupo. “Entrei pois queria encontrar alguém para mimar assim como fizeram nossos antepassados”, fala.

“A sociedade nos oprime em nossa sexualidade tanto no dias atuais que essa foi forma de me libertar de todo o conservadorismo e me ligar a liberdade dos nossos antepassados que viviam o BDSM de forma livre, independentemente de classe ou cor”, completa.

Diferente da ideia do “money slave”, ele não está no grupo apenas para pagar boletos. Segundo ele, isso seria “anti-ético” com as práticas BDSM. Segundo Raul é preciso uma troca, por isso, paga as mulheres e recebe fotos ou vídeos em troca.

Sobre a relação com as mulheres do grupo, ele comenta que percebe que, muitas vezes, a ideia inicial do fetiche é deixada de lado por necessidades financeiras. “Você não acreditaria se te falasse o número de mulheres comprometidas que mandaram e ofereceram fotos e vídeos, muitas vezes é em troca de um hambúrguer. Não me sinto muito bem em relação a esse tipo de coisa”, comenta.

“Tem também as meninas que vêm com histórias tristes, contando sobre os problemas que a pandemia vem fazendo dentro de casa, desemprego, falta de dinheiro pra se alimentar, algumas pedindo fraldas, outras pedindo leite pros filhos. Às vezes eu acho que isso passou de um fetiche e virou uma lupa para alguns problemas sociais” , conclui.

*Nome alterado a pedido entrevistada para preservar sua identidade

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sérgio disse:

    Volta Jesus!!!!!!

  2. Papa Jerry Moon disse:

    Raparigagem virtual.

  3. Aluísio Valença disse:

    Vou enviar minhas fotos. Vamos ver quantos boletos dá pra pagar com fotos de um velho pelado.

Operação da PF mira José Serra, que é denunciado por lavagem de dinheiro

Foto: Reprodução

Operação Lava Jato em São Paulo denunciou, nesta sexta-feira (3), o senador José Serra e a filha dele, Verônica Allende Serra, por corrupção. A Polícia Federal cumpre oito mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Segundo informações do Ministério Público Federal (MPF), a Operação Revoada apura o funcionamento de um esquema de lavagem de dinheiro no exterior, em favor de agentes políticos e outros operadores.

A denúncia indica que, entre 2006 e 2007, José Serra se aproveitou de seu cargo e influência política para receber, da Odebrecht, pagamentos indevidos em troca de benefícios relacionados às obras do Rodoanel Sul. Milhões de reais foram pagos pela empreiteira por meio de uma sofisticada rede de offshores no exterior.A denúncia indica que, entre 2006 e 2007, José Serra se aproveitou de seu cargo e influência política para receber, da Odebrecht, pagamentos indevidos em troca de benefícios relacionados às obras do Rodoanel Sul. Milhões de reais foram pagos pela empreiteira por meio de uma sofisticada rede de offshores no exterior.

As investigações mostram que o empresário José Amaro Pinto Ramos e Verônica Serra constituíram empresas no exterior, ocultando seus nomes. Por meio delas, os dois receberam os pagamentos que a Odebrecht destinou ao então governador de São Paulo.

Eles realizaram diversas transferêcias para dissimular a origem do dinheiro e o manteve em uma conta de offshore controlada, de maneira oculta, por Verônica até o fim de 2014, quando foram transferidos para outra conta de titularidade também oculta, na Suíça.

Até agora, a força-tarefa já detectou que podem ter sido lavados dezenas de milhões de reais ao longo dos últimos anos. Com as provas colhidas até o momento, o MPF obteve autorização na Justiça Federal para o bloqueio de cerca de R$ 40 milhoes em uma conta na Suíça. As investigações seguem em sigilo.

Segundo o colunista Igor Gadelha, Serra não está em sua residência no bairro de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o senador está com a filha em uma casa no sul da Bahia.

Um dos mandados é cumprido nesta sexta em um endereço na Vila Nova Conceição, bairro nobre da capital paulista. No RJ, os policiais estão no bairro do Leblon, zona sul da capital fluminense. Até o momento, não há informações sobre mandados de prisão sendo cumpridos.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pura Verdade disse:

    Isso é só pra inglês vê!!!

    Colarinho branco no Brasil recebe honras… Se fosse bandido pé de chinelo…era enviar direto pro presídio de segurança máxima.

  2. Ivan disse:

    Serra é vítima de perseguição orquestrada pela zelite…Ele é inocente…#eleiçãosemserraégópi…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  3. militonto disse:

    #serralivre kkkk

  4. ABESTALHADO disse:

    Quer dizer que não é só no PT que existem corruptos? Esse PSDB é o novo partido do Prefeito Álvaro Dias que saiu do MDB de Henrique.

  5. Gustavo Ferreira disse:

    SANTA COINCIDÊNCIA BATMAN!

    Foi só o Moro sair da Lavajato e do Ministério da Juatiça, perdendo o seu PODER, que um Tucano de alto calado caiu nas malhas da PF pela primeira vez.
    Será que Moro, o padroeiro da honestidade, protegia os Tucanos?

    • Genaro disse:

      Quem comanda as operações da lava jato é o MP com autorização do juiz, ministério da justiça só disponibiliza a polícia, e essa estava a disposição da lava-jato. MORO 2022

  6. Catia disse:

    A coisa mais rara do mundo era ver um tucano na lava jato, será que o Sérgio Moro tava protegendo a espécie?
    Moro 2022, na cadeia!

BOLA DENTRO: Banco Central vai permitir saque de dinheiro em comércios

Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, anunciou nesta segunda-feira que a autoridade monetária vai passar a permitir saque em dinheiro em comércios. A autorização ainda depende do estabelecimento das regras, que deverão ser divulgadas em agosto.

Em fevereiro, Campos Neto adiantou que o BC estava estudando uma maneira de permitir os saques em estabelecimentos comerciais. Na época, ele explicou que a operação funcionaria da seguinte maneira: o consumidor compraria um produto em alguma loja e pagaria um valor a mais. Essa diferença seria devolvida ao consumidor em espécie, com o possível pagamento de uma taxa de serviço.

Segundo Campos Neto, a autorização virá dentro do Pix, programa de pagamentos instantâneos que está sendo construído pelo BC. O Pix deve começar a funcionar em novembro.

— Essa facilidade visa trazer mais eficiência por meio de reutilização do dinheiro no varejo e aproveitamento dessa rede, e fomentar a competição, ampliando as opções e a capilaridade das instituições para ofertarem o saque.

O presidente do BC disse que essa opção deve diminuir o custo logístico e operacional de distribuição de moeda e facilitar o serviço para os clientes.

— Além de agregar conveniência aos consumidores, pode gerar negócios adicionais aos varejistas, e permite aos participantes do Pix novas funcionalidades.

Pix

O presidente do BC participou do discurso de abertura da reunião plenária que está discutindo a modelagem do Pix. Em sua fala, Campos Neto afirmou que 980 instituições já se inscreveram para participar do projeto que vai permitir pagamentos e transferências em até 10 segundos. Atualmente, o Pix está na etapa homologatória.

— Iremos divulgar o regulamento definitivo no próximo mês, proporcionando plena clareza em relação às regras do arranjo para o seu lançamento — disse.

De acordo com Campos Neto, as transações serão gratuitas para pessoas físicas e o programa será acessível e efetivo para quem paga e para quem recebe.

— Em 2018, o BC definiu que atuaria como instituidor do arranjo e como provedor da infraestrutura centralizada de liquidação, de forma a possibilitar uma estrutura neutra e sem objetivo de lucro, além de um modelo amplo de participação, fomentando a competição no setor.

Em seu discurso, João Manoel de Pinho Mello, diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do BC, ressaltou a diversidade de instituições que aderiram ao Pix, como bancos, instituições de pagamento, fintechs, financeiras e cooperativas.

— Essa pluralidade possibilita não só o amplo acesso ao Pix, mas que surjam modelos de negócio de nicho, ofertando serviços mais adequados a cada realidade.

WhatsApp

Ao divulgar, na semana passada, que vai permitir pagamentos e transferências pelo aplicativo, o WhatsApp levantou dúvidas no Banco Central quanto ao seu funcionamento. Em nota, o órgão regulador do sistema financeiro disse que estaria “vigilante” ao projeto.

Nessa nota, o BC avaliava que há potencial na integração dos pagamentos no WhatsApp com o Pix e sinalizou a necessidade da interoperabilidade das operações com o Pix.

A preocupação do Banco Central é de que a iniciativa do WhatsApp seja fechada, apenas para transações dentro do aplicativo. Parte da agenda dessa gestão do Banco Central é abrir o sistema que tem o Pix como uma das principais bandeiras.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. JMalucelli disse:

    Bolsonaro até 2027.
    Petralhas nunca mais.
    Podem esperniarem.
    NÃO votei em Fátima e NÃO me arrependo.
    Mito 2022.

“Não era um valor expressivo. Não tinha nada escondido, fundo falso, nada disso”, diz promotor, sobre dinheiro com Queiroz

Foto: CNN

O promotor Jandir Moura Torres Neto, que acompanhou a prisão de Fabrício Queiroz, disse à Rádio Gaúcha que o dinheiro em espécie apreendido estava na carteira do investigado.

“Não era um valor expressivo.”

Segundo o promotor, “a busca foi absolutamente tranquila”.

“Não tinha nada escondido, fundo falso, nada disso. A busca foi absolutamente tranquila, ele foi colaborativo.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    Cidadão de bem da tradicional família brasileira kkkkkk

  2. paulo disse:

    BG
    Os do consorcio comunista do Nordeste, ficavam escondidos no forro das casas. Crapulas

  3. João Maria disse:

    Rapaz sei não viu, eu acho que a ex. vereadora Carla Dickson agora deputada federal fez uma troca errada renunciando a câmara municipal e assumindo a federal, e se for aberto um processo de impeachment de Bolsonaro, Fabio volta a câmara pra defender o presidente e se Bolsonaro for cassado antes do final do ano? o ministro Fábio Faria volta a ser deputado e a dra. Carla fica sem o mandato de vereadora, e se isso se configurar quem se deu bem foi o vereador Cezar Aridan eita mundo véi doido.

    • Fran disse:

      Vou contratar você para fazer análises políticas. Pense num cara inteligente!

    • paulo disse:

      Também está muito distante o fim do mandato de vereador dessa legislatura 31.12.2020.

    • João Maria disse:

      Amigo Paulo eu sei exatamente o tempo que falta são exatos 06 meses, mas para muitos político vale mais o salário de vereadora ou deputada do mesmo o tempo que resta, juntando todas vantagens do mandato de um vereador ou deputado ou senador tu sabes quanto cada um ganha no final do mês? é por isso e muito mais que fazer as contas é sempre vantajoso. Um abraço paulo.

  4. Ricardo disse:

    Rindo aqui com os cartaz-aviso na imagem.

“O malote saiu meio gordinho”, diz delegado, em casa que Queiroz estava

O delegado da Polícia Civil responsável pela operação que prendeu Fabrício Queiroz, Osvaldo Nico Gonçalves, disse à GloboNews que o portão da casa em que ele estava escondido, pertencente ao advogado de Flávio Bolsonaro, teve de ser arrombado.

A reportagem perguntou ao delegado se o malote contendo o dinheiro encontrado na casa saiu “gordo” ou “magro”.

Ele respondeu:

“O malote saiu meio gordinho”.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Mais uma fake news?
    E aí xande de morais???
    Kkkk

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Se esse novelo for devidamente puxado vai expor muita gente "graúda" por aí. Mas acho difícil acontecer, pois as milícias são organizações mafiosas, e não costumam brincar em serviço.
    Já devem ter "lacrado" a língua de Queiroz, kkkkk.

  3. Cigano Lulu disse:

    Homem de boa fé, o advogado de Queiroz deverá exigir que ninguém abra o malote, porque o "gordinho" (portador de comorbidade) pode estar infectado com coronavírus.

WhatsApp vai permitir enviar e receber dinheiro pelo aplicativo; Brasil será primeiro país com a novidade

WhatsApp vai permitir fazer pagamentos a amigos e lojas pelo aplicativo. — Foto: Divulgação/WhatsApp

O WhatsApp anunciou nesta segunda-feira (15) que o Brasil será o primeiro país a receber uma atualização do aplicativo que vai permitir que usuários enviem e recebam dinheiro, usando cartões cadastrados. A novidade também vai permitir que contas do WhatsApp Business recebam pagamentos por produtos e serviços.

A função chega ao Brasil já nas próximas semanas, de acordo com o WhatsApp. Será preciso cadastrar um cartão com a função débito para fazer as transferências.

Os pagamentos acontecem dentro de uma função chamada Facebook Pay. A rede social também é dona do Instagram, além do Whatsapp. Em nota, o WhatsApp afirma que o recurso tem esse nome para que, no futuro, os mesmos dados de cartão possam ser utilizados em toda a família de aplicativos da empresa — sinalizando que o Facebook planeja expandir funções de pagamento para outros apps.

O WhatsApp não é o primeiro a expandir um aplicativo de mensagens em sistema de transferências eletrônicas. Na China, o WeChat foi responsável por uma revolução na maneira de pagar no país e atualmente é também rede social e uma plataforma de vendas.

Como vai funcionar?

Para que usuários possam enviar e receber dinheiro pelo WhatsApp será preciso cadastrar um cartão na função Facebook Pay. Veja como vai funcionar:

Haverá uma função, no mesmo menu do envio de imagens, chamada “Pagamento”;

Quando o usuário clicar nela, o aplicativo vai pedir um valor e redirecionar para a criação de uma conta;

Será preciso aceitar os termos de uso da plataforma e criar uma senha numérica de 6 dígitos;

Depois, o usuário vai precisar incluir nome, CPF e um cartão emitido por um dos bancos parceiros;

Será preciso verificar o cartão junto ao banco, recebendo um código por SMS, e-mail ou aplicativo do banco.

De acordo com o WhatsApp, o uso da senha (ou reconhecimento biométrico do celular) vai ser necessário toda vez que o usuário for enviar dinheiro. As informações de cartão são encriptadas.

Quem vai poder usar?

Inicialmente será possível usar cartões de débito, ou que têm função de débito e de crédito, Visa e Mastercard dos bancos Nubank, Sicredi e Banco do Brasil. A transferência vai ser intermediada pela Cielo e será sem taxas para os usuários. Segundo o WhatsApp, o modelo é aberto e está disponível para receber outros parceiros no futuro.

As transações só podem ser feitas em real e dentro do Brasil. Há um limite de R$ 1 mil por transação e R$ 5 mil por mês. Será possível fazer até 20 transações por dia.

Para as contas comerciais, usando o WhatsApp Business, será preciso ter uma conta Cielo para solicitar e receber pagamentos ilimitados, tanto de crédito quanto de débito, oferecer reembolsos e ter suporte técnico. Os comerciantes, diferentemente dos usuários, pagam uma taxa fixa de 3,99% por transação.

“Pequenas empresas são fundamentais para o país. A capacidade de realizar vendas com facilidade no WhatsApp ajudará os empresários a se adaptarem à economia digital, além de apoiar o crescimento e a recuperação financeira”, disse Matt Idema, diretor de operações do WhatsApp em nota.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Isabela disse:

    Aqui na Noruega é chamado de vips, funciona muito bem.

    • Cigano Lulu disse:

      Avisa aí na Noruega que o "mito" tá mandando umas toneladas de hidroxicloroquina pra ocêis se curarem da Covid-19, talkey?

Ministro Onyx Lorenzoni desmente reportagem sobre retirada de recursos do Bolsa Família para propaganda e diz que tentam jogar Nordeste contra o governo

Foto: Reprodução/Twitter

O ministro da Cidadania do Governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, anunciou que desmontou “mais fake news criminosas” com o objetivo de “distorcer” informações. Ele diz que não é verdade que o governo tirou dinheiro do Bolsa Família para gastar com propaganda. “Os recursos estão garantidos, disso em trecho;

O ministro ainda disse que, “mais uma vez tentam jogar o povo do Nordeste contra o governo”. Ele ainda destaco que “é importante lembrar que o Nordeste responde sozinho por mais de 51% dos benefícios. Ninguém cuidou tanto do NE”, finalizou.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alguém disse:

    E ele liga para o povo? Ele liga em defender os filhos e defender os empresários. A população pobre que se lasque.

  2. MORO 2022 disse:

    Vamos deixar de falar desse governo, que a PF e a justiça já estão cuidando dele. Nesses dias nosso presidente será outra pessoa.

    • Luciano disse:

      Quem? O colunista da Globo? O tucano de Curitiba? O fofoqueiro? O juiz que queria ser ministro do supremo? Kkkkkkkkkkkk

    • Joel disse:

      Tem um tal de Tacla Duran por aí a fora, que não garante muito moro em 2022.
      Assunto para próximos capítulos.

  3. Arthut disse:

    Realmente, propaganda presidencial é bem mais importante do que ajudar o povo do Nordeste.

    • Francisco Alves disse:

      É bem verdade o que dizes! No governo do teu ladrão favorito, foram mais de oito bilhões em propaganda do governo, gastos só com a Rede Globo. Quantos hospitais no Nordeste, seriam construídos com esses bilhões?
      Diz aí quadrúpede.

PM prende suspeito e apreende drogas e dinheiro na zona Norte de Natal

Foto: PM/ASSECOM

Na manhã dessa segunda-feira (25), policiais militares da Força Tática do 4° Batalhão (FT4) detiveram um homem, de 23 anos, suspeito de tráfico de drogas no Conjunto Vila Paraíso, zona norte da capital.

Por volta das 11h30, os militares realizavam patrulhamento e ao passar na Travessa Santa Karina, um homem percebeu a presença da viatura e se evadiu pulando um muro. Acompanhado pela FT4, o infrator foi detido escondido no telhado, ao lado de uma caixa d’água, e com uma chave de uma residência. Dentro do imóvel foram encontrados cerca de 689 porções de maconha, 40 porções de crack, 01 tablete de aproximadamente 01 Kg de Pasta base, saco contendo cocaína, 03 balanças de precisão pequena, 01 balança grande, 01 simulacro de pistola 24/7, além da quantia R$ 4.264,55 em espécie.

O suspeito foi conduzido à Delegacia Especializada em Narcóticos – DENARC.

Startup potiguar inova com sistema que oferece dinheiro de volta em aplicativo gratuito

Com plataforma recém-lançada, Koinz oferece dinheiro de volta aos usuários que fazem compras em estabelecimentos parceiros e promete incentivar pequenos negócios. Foto: Divulgação

Um aplicativo desenvolvido pela empresa potiguar Koinz foi lançado recentemente e trabalha com o sistema de ‘cashback’, ou seja, fazendo com que parte do dinheiro gasto em lojas parceiras do app retorne para o usuário. O app, que leva o mesmo nome da empresa, pode ser utilizado em compras pagas com cartão de crédito ou débito e o valor ressarcido fica disponível na conta do cliente para ser utilizado em qualquer estabelecimento credenciado à rede.

De acordo com Giovanni Magnus, diretor de marketing da Koinz, o método de cashback possibilita ao cliente recuperar parte do dinheiro gasto em mercadorias, sem limites de ganhos. “A ferramenta estimula o consumidor a adquirir cada vez mais produtos de lojas parceiras, que devolvem uma porcentagem do valor total da compra, fazendo com que o dinheiro renda mais. Acumulando cachbacks, é possível fazer novas compras, por exemplo”, explica.

Além de receber dinheiro de volta, o usuário também pode ganhar dinheiro por cada indicação que ativar o seu cadastro no aplicativo: são R$ 5 na conta do usuário a cada amigo que se cadastrar no app. Essa é uma estratégia que visa o crescimento de adesões a plataforma, como explica Giovanni.

“Outra grande vantagem é a possibilidade de indicar e ganhar, sem limites, por exemplo, além dos R$ 5 ganhos por indicação. Sempre que um indicado fizer compras e ganhar cashback, o usuário que fez o convite também ganha 14% de cashback bônus, assim, alimentamos o sistema de benefícios e a nossa rede no aplicativo”, conta.

Apoio a empresas locais

A ideia do Koinz é que o consumidor faça compras de forma rápida e de fácil pagamento, obtendo vantagens com seu dinheiro de volta e além de ter essa rede de benefícios, o cliente ainda está ajudando a fortalecer o comércio local. O aplicativo gera campanhas diárias de cashbacks especiais, mais expressivas que as ofertadas no mercado.

“Com esse sistema que criamos, o usuário terá razões para indicar o app de cashback para seus conhecidos. Quanto mais amigos e familiares baixarem o app e ativarem suas contas, a quantidade de cashback resgatado se torna ilimitada e nossa rede, que apoia iniciativas comerciais locais, continua crescendo”, esclarece Giovanni.

A criação da plataforma foi pensada para empoderar consumidores e também as empresas, criando um sistema que fideliza o cliente, por meio de um sistema inteligente de acompanhamento dos usuários.

“Nossa missão é também fornecer uma ferramenta de retenção e fidelização do cliente para comerciantes, que tem acesso a gestão eficaz de sua base de usuários, crescimento e faturamento”, finaliza o diretor de marketing.

Para fazer parte da Koinz, basta fazer o download do aplicativo no Google Play Store, Apple Store ou em www.koinz.com.br/download-do-app.

Folha diz que chefe da Secom recebe dinheiro de emissoras e agências contratadas pelo governo federal

Foto: Reprodução/Youtube

Chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), Fabio Wajngarten recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de emissoras de TV e de agências de publicidade contratadas pela própria secretaria, ministérios e estatais do governo Jair Bolsonaro.

A Secom é a responsável pela distribuição da verba de propaganda do Planalto e também por ditar as regras para as contas dos demais órgãos federais. No ano passado, gastou R$ 197 milhões em campanhas.

Wajngarten assumiu o comando da pasta em abril de 2019. Desde então, se mantém como principal sócio da FW Comunicação e Marketing, que oferece ao mercado um serviço conhecido como Controle da Concorrência. Tem 95% das cotas da empresa e sua mãe, Clara Wajngarten, outros 5%, segundo dados da Receita e da Junta Comercial de São Paulo.

A FW fornece estudos de mídia para TVs e agências, incluindo mapas de anunciantes do mercado. Também faz o chamado checking, ou seja, averiguar se peças publicitárias contratadas foram veiculadas.

A Folha confirmou que a FW tem contratos com ao menos cinco empresas que recebem do governo, entre elas a Band e a Record, cujas participações na verba publicitária da Secom vêm crescendo.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Nao tem nada , a firma dele faz outros tipos de trabalhos do que propaganda estatal, ela faz checagem de Midia , o problema é que a folha quer mais propaganda e isso não vai ter mais

  2. Minion alienado disse:

    Só tem gente boa na extrema-direita 😂 Só os minions alienados defendem.

  3. Naldinho disse:

    Culpa de LULA

  4. Antonio Turci disse:

    Caso seja verdade, Bolsonaro certamente afastará o suspeito e caso comprovado o ato lesivo, sem dúvida demitirá o cidadão.

  5. Dan disse:

    Demite esse vagabundo … Não temos bandidos de estimação …

  6. Bento disse:

    Qualquer notícia da "foia" bote um pé na frente e outro atrás senão …
    Você cai do cavalo.
    Pense numa desgraça do capeta

  7. Erinaldo disse:

    A SECOM é vinculada diretamente à presidência da república, vale ressaltar!

  8. djailson disse:

    e ai bolsonaro traíra vai demitir?

  9. socorro medeiros disse:

    HUM, FOSSE no governo do PT taa todo mundo gritando inclusive a midia bolsonarista do Rn…escandalizando..gritando

FOTOS: Operação NÍQUEL deflagrada pela PF no RN apreendeu dinheiro, armas e até jet ski

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal divulgou o balanço das apreensões da Operação Níquel, deflagrada nesta terça-feira,14, que prendeu membros de organização criminosa acusados de contrabandear cigarros.

Foram apreendidos R$ 267 mil em espécie, U$ 183,00, 60 mil guaranis, moeda paraguaia, 4.700 pacotes de cigarro, além de pistolas, carregadores, munições de diversos calibres (inclusive, restritos) e veículos (Carros, moto, jet ski, etc).

Veja mais aqui no Justiça Potiguar.

Relatório do MP do RJ diz que Flávio Bolsonaro depositou R$ 638 mil em dinheiro para ‘lavar’ compra de imóveis

Foto: Reprodução/JN

Relatório do Ministério Público estadual afirma que o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) depositou R$ 638.400 em dinheiro vivo na conta de um corretor e assim ocultou o ganho ilícito com as chamadas “rachadinhas”.

De acordo com as investigações, os depósitos aconteceram em 27 de novembro de 2012 e tratam da compra de dois apartamentos em Copacabana, na Zona Sul do Rio.

Os imóveis pertenciam a investidores americanos. Um deles localizado na Avenida Prado Junior. Outro na rua Barata Ribeiro.

Enquanto a valorização imobiliária na região não ultrapassou 11%, Flavio Bolsonaro declarou um lucro de 292% na venda dos apartamentos em fevereiro de 2014.

O relatório do MP faz parte do pedido de busca e apreensão realizada, na quarta-feira (18), contra 24 alvos. Entre os alvos estavam Queiroz, parentes dele e de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsionaro.

Lavagem de dinheiro

As atenções do MP começaram a se voltar para os apartamentos a partir da declaração feita pelo senador de venda dos dois imóveis em pouco mais de um ano.

A suspeita do MP é que o senador e sua mulher, Fernanda, declararam um preço menor do que o imóvel valia no momento do registro de sua compra.

Dessa forma, o procurador, o americano Glenn Dillard, receberia um dinheiro “por fora” para os pagamentos de valores não declarados nas escrituras.

Para o MP, ao usar o valor em espécie o senador ocultaria parte do dinheiro sacado por seus assessores. Ao mesmo tempo, o procurador receberia os recursos sem fazer os repasses aos proprietários dos imóveis vendidos.

Oficialmente, no dia da compra, o senador depositou, em cheque, o valor correspondente a R$ 310 mil pela compra dos dois apartamentos.

No mesmo dia em que foram assinadas as escrituras de compra e venda dos dois apartamentos e depositados os cheques de pagamento, a conta de Glenn Dillard recebeu depósitos em dinheiro das contas do parlamentar e de sua mulher.

PM pagou prestação de outro apartamento

Um policial militar do Rio de Janeiro pagou uma prestação de compra de um apartamento feita pelo senador Flávio Bolsonaro e por sua mulher, Fernanda Antunes Nantes Bolsonaro, de acordo com investigações do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ).

Segundo o documento, Diego Sodré de Castro Ambrósio quitou um boleto no valor de R$ 16.564,81, emitido no nome de Fernanda, em outubro de 2016. O pagamento serviria para ajudar a pagar um apartamento comprado em Laranjeiras, bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro.

O endereço do policial foi um dos locais que o MP-RJ pediu busca e apreensão por causa de movimentações financeiras suspeitas. Uma operação aconteceu na última quarta-feira (18).

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PT=VAGABUNDOS MACONHEIROS disse:

    E o pt quase n roubou o pais! bando de desocupados q querem so mamar nas bolsa maconheiro!

    • Marcos disse:

      Amigo, roubo do PT, PSDB, PMDB, PSL é tudo igual. Vamos deixar de querer só condenar o PT e atacar a corrupção que nos assola. Temos é que ser contra isso, criticar os roubos, não ficar somente defendendo a sua bandeira.

  2. José Araújo disse:

    Bolsomicos não têm BANDIDO de estimação tem QUADRILHA de estimação

  3. Flavio disse:

    Omi vão atrás do trilhão que luladrao e sua turma roubaram do país.

  4. Pedro disse:

    Concordo com vc PAPAI,…….. Se errou justiça nele. O que não pode e deve acontecer é vermos um ladrão ser julgado em várias instâncias solto, bem como, muitos dos políticos brasileiros seguirem na mesma toada, errou vai para o pau. Ou vc deseja apagar um erro com outro? Eu abomino essa saída. Deixemos de ser hipócritas.

  5. Luiz Antônio disse:

    Isso é uma perseguição.

    • Jorge disse:

      Mesmo discurso utilizado pelo PT.
      Pensei que ninguém tinha mais ladrão de estimação.

  6. PAPAI, A DIPLOMAMATA DEU ERRADO disse:

    Eita… Tá ficando bacana 😎!!!

Polícia faz operação contra desvio de dinheiro em entidades do futebol carioca

Policiais civis e integrantes do Ministério Público cumprem nesta quarta-feira(18) treze mandados de busca e apreensão contra suspeitos de desviar dinheiro de entidades ligadas ao futebol carioca. A Operação Cartão Vermelho também pede a quebra de sigilo bancário e fiscal dos investigados.

Os mandados serão cumpridos nas residências do presidente do Sindicato de Árbitros do Estado do Rio de Janeiro, do presidente da Cooperativa dos Árbitros de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Coopaferj), de integrantes das duas entidades, além das sedes dos órgãos e da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A investigação apura o desvio de dinheiro dessas entidades e o uso da Coopaferj para arrecadar dinheiro para os dirigentes, sem nenhuma contraprestação ou transparência nas contas, de acordo com a Polícia Civil.

Agência Brasil

Juro em queda: onde investir seu dinheiro com a Selic a 4,5% ao ano

Foto: Getty/Playbuzz

A queda é boa para o desenvolvimento da economia real, pois abre oportunidades para o desenvolvimento do mercado de capitais do país, ao tornar bem menos atrativo o investimento em renda fixa — poupança, CDB, LCI, títulos do Tesouro Selic, que podem perder até da inflação. Mas isso significa que o investidor terá que buscar outras opções de investimento.

“A Selic baixa é positiva para as empresas porque anteriormente, com a Selic elevada, era muito caro para elas tomarem dívida para fazerem projetos de desenvolvimentos. Com a Selic baixa se torna mais viável. Vamos ter mais empresas se desenvolvendo e crescendo, e isso incentiva o mercado de ações e também o crédito privado, que é uma renda fixa diferente dessa a qual estamos acostumados. Vai dar para continuar investindo na renda fixa, mas será uma renda fixa com um pouco mais de risco. Vamos ter de acostumar com essa novidade: para ter mais rentabilidade, precisaremos tomar mais risco”, afirma Gabriela Mosmann, analista da Suno Research.

Para ela, as altas rentabilidades obtidas de forma completamente segura que vimos no passado, com títulos de renda fixa, títulos públicos, pagando quase 15% ao ano, isso não vai mais existir. Essas taxas não são típicas de economias estabilizadas, mas de países com inflação alta.

Segundo a analista, quando a Selic caiu a 5% ao ano, na última reunião, a previsão já era de que a renda fixa renderia menos do que a inflação. “Isso não é uma completa novidade, pois já tivemos perdas reais mesmo com a Selic mais alta. Quando a poupança rendia 6% ao ano e a inflação foi de 10%, em 2015, por exemplo, a perda real para o investidor foi de cerca de 4%, mas isso agora está ficando mais “na cara”. Perda real é o resultado negativo da conta que compara rentabilidade e inflação.

Para saber onde investir com a queda da taxa de juros para o menor nível histórico veja a recomendação dos especialistas Gabriela Mosmann e Mauro Calil, fundador da Academia do Dinheiro.

Veja aqui.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Silvio disse:

    Melhor investir no RN, a governadora ta pagando taxa de17%, mas acho que tem que pagar alguma urêinha, pois a bagaça é um achado, só pros parça.

Lava Jato: indícios de dinheiro da OI para comprar sítio de Atibaia

A Lava Jato tem indícios de que o sítio de Atibaia foi adquirido com recursos ilícitos de contratos das Gamecorp (Lulinha) e Gol (Jonas Suassuna) com empresas do grupo Oi/Telemar.

Entre 2004 e 2016, Lulinha, Jonas e Kalil Bittar receberam juntos mais de R$ 132 milhões da Oi, sem “justificativa econômica plausível”.

“As investigações apontam que as empresas do grupo Gamecorp/Gol não possuíam mão de obra e ativos compatíveis com a efetiva prestação dos serviços para os quais foram contratadas pela Oi/Telemar. Provas documentais colhidas, como contratos e notas fiscais, além de dados extraídos a partir do afastamento dos sigilos bancário e fiscal dos investigados, indicam que as empresas do grupo Oi/Telemar investiram e contrataram o grupo Gamecorp/Gol sem a cotação de preços com outros fornecedores, fizeram pagamentos acima dos valores contratados e praticados no mercado, assim como realizaram pagamentos por serviços não executados.”

O Antagonista

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    tem que reaver essa granaaaaaa!!!!!!! pegar de volta e muito dinheiro porraaaaaaaaaaaa!!!!!!! esse barbudo tem que pagar por esse rombo fdp. fdp. fdp. fdp. de canalha canalha canalhaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. Manoel disse:

    Olhaí de onde vieram os milhões de Lula e Lulinha.