Geral

Governador de SC é absolvido em tribunal de impeachment e retorna ao cargo

Foto: Governo de Santa Catarina/Divulgação

O tribunal de julgamento absolveu nesta sexta-feira (7) o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), por crime de responsabilidade na compra dos respiradores para pacientes da Covid-19 por R$ 33 milhões. A sessão terminou por volta das 14h30.

Foram 6 votos a favor do impeachment e 4 contrários. Para que ele fosse condenado, seriam necessários pelo menos 7 votos pelo seu afastamento. Com isso, ele acabou absolvido.

O político estava afastado do cargo desde 30 de março, quando o tribunal do impeachment aceitou a denúncia contra ele. Desde então, o governo catarinense era comandado pela vice-governadora, Daniela Reinehr (sem partido).

Como votaram os julgadores

Contra o afastamento definitivo:

Deputado Marcos Vieira (PSDB)
Deputado José Milton Scheffer (PP)
Deputado Valdir Cobalchini (MDB)
Deputado Fabiano da Luz (PT)

A favor do afastamento definitivo

Desembargadora Rosane Portela Wolff (relatora)
Desembargador Luiz Zanelato
Desembargadora Sônia Schmitz
Desembargador Roberto Pacheco
Desembargador Luiz Fornerolli
Deputado Laércio Schuster (PSB)

Como foi a sessão?

A sessão teve início com a leitura dos pontos principais do processo. O presidente do Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC) e do Tribunal Especial de Julgamento, desembargador Ricardo Roesler, fez um resumo das votações.

Os autores da denúncia e o governador afastado optaram por não se manifestar no início da sessão. Com isso, os advogados de acusação e defesa se manifestaram por cerca de 2 horas e meia. Os 10 julgadores, um a um, discutiram o processo (veja as principais falas mais abaixo).

Depois disso, Roesler apresentou um relatório resumido com os argumentos da acusação e defesa, assim como provas, para dar início à votação.

Cada um dos julgadores respondeu, com sim ou não, se Moisés cometeu crime de responsabilidade e se deveria ser condenado com a perda do cargo (veja acima).

Deputado Laércio Schuster (PSB)

“Isso não é grave, é gravíssimo, é um escândalo, um desrespeito com o povo catarinense”, disse o deputado ao votar pela condenação de Moisés.

Deputado Fabiano da Luz (PT)

Deputado Fabiano da Luz (PT) falou brevemente sobre o processo e disse considerar Moisés inocente das acusações.

Desembargadora Rosane Portella Wolff

Sétima a falar, a relatora do processo afirmou que as investigações mostraram que Moisés “não agiu criminalmente em conluio” com os responsáveis pela compra, mas sabia da aquisição.

“Nesse cenário político, o que se analisa é a governabilidade do representado, o seu trato com a coisa pública e a tomada de cautela, ou não, para evitar prejuízo ao erário”, disse.

Deputado Valdir Cobalchini (MDB)

Sexto a falar, o parlamentar ressaltou que não há novas provas no processo que garantam que Moisés cometeu crime na compra. O deputado falou por cerca de 10 minutos e citou a investigação sobre o processo no Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

“Não é crível querer atribuir ao governador do estado crime de responsabilidade”, afirmou.

Desembargador Luiz Zanelato

O desembargador foi o quinto a se manifestar e terceiro a votar pela condenação de Moisés. Na fala, o magistrado afirmou que “o denunciado tinha noção sobre o perigo” na compra com dispensa de licitação, manteve-se omisso. Além disso, lembrou que Santa Catarina ainda sofre as consequências da compra.

“Os autos são fartos e eloquentes a indicar que ele tinha conhecimento do negócio firmado”, afirmou.

Deputado José Milton Scheffer (PP)

O deputado José Milton Scheffer (PP), quarto a falar, indicou que vota pela absolvição de Moisés. Ele citou que;

“[..] Cinco instituições com competência e prática para identificar indícios” de crime já se posicionaram sobre a inocência do governador.

Desembargador Roberto Lucas Pacheco

Terceiro a falar, o desembargador também adiantou o votou pela perda do mandato do governador. Segundo ele, o processo de impeachment mostrou que Moisés sabia da compra irregular dos respiradores.

“Está suficientemente demonstrado que o senhor governador tinha conhecimento da compra irregular que estava sendo efetuada e nada fez para impedir”, disse.

Deputado Marcos Vieira (PSDB)

Segundo a se manifestar, Marcos Vieira (PSDB) também adiantou o voto. Em uma rápida fala, o parlamentar disse que não houve provas para condenar Moisés.

“Não posso, nesse momento em que Santa Catarina vive a sua pior crise sanitária, de uma hora para outra substituir o governador por causa desse suposto crime de omissão que eu não reconheço”, afirmou.

Desembargadora Sônia Schmidt

Primeira a falar, a magistrada repassou os pontos do processo e ressaltou as diferenças entre processos judiciais e políticos. No debate, ela adiantou o voto e pediu a condenação por crime de responsabilidade por entender que não houve fato novo em decisões em outras instâncias que a levassem a mudar de posição.

“Constatada notória ausência de capacidade de gestão, e do bom uso do poder público, do direito e da política, torna-se inarredável o término antecipado do mandato do governante”, disse.

Defesa

Marcos Probst, advogado de Moisés, defendeu que não houve ato ilegal praticado pelo governador. Durante quase 1 hora, ele falou sobre as investigações que apontaram que o político não sabia da compra antecipada dos equipamentos.

“A acusação desrespeita as autoridades de investigação no país. Falar que existem provas robustas de que o governador tinha pleno conhecimento e de que o governador se omitiu é um desserviço para a República”, disse Probst.

Acusação

Durante pouco mais de 1 hora, os advogados Bruno de Oliveira Carreirão, Josué Ledra Leite, Ivo Borchardt, Dulciane Beckhauser Borchardt e Leonardo Borchardt fizeram suas manifestações a favor do impeachment de Moisés.

“Trata-se de infração de natureza política, que indica a perda de legitimidade democrática para permanecer no cargo”, disse Dulciane.

O que aconteceu com os respiradores?

Dos 200 respiradores, apenas 50 chegaram em Santa Catarina e foram confiscados pela Receita Federal por irregularidades nos documentos. Desses, 11 foram aprovados pelo Estado e estão sendo usados, mas nenhum em unidade de terapia intensiva, por não se enquadrarem dentro das exigências solicitadas. O governo ainda tenta notificar a empresa sobre rescisão da compra e ainda não recuperou todo o dinheiro pago a ela.

Segundo pedido de impeachment

Abertura: a representação por crime de responsabilidade que deu origem ao segundo pedido de afastamento foi apresentada em 10 de agosto na Alesc. O texto foi recebido pela casa no dia 3 de setembro, com base em recomendação da Procuradoria Jurídica da assembleia.

Votação em Comissão Especial: em 13 de outubro, a comissão formada por nove deputados aprovou, por unanimidade, o relatório do deputado Valdir Cobalchini (MDB), que deu continuidade ao processo e pediu o arquivamento da denúncia contra a vice-governadora.

Votação em plenário: com 36 votos a favor, 2 contrários e uma abstenção, o plenário da Alesc votou pelo prosseguimento do segundo processo contra Moisés na tarde de 20 de outubro. Eles também arquivaram, definitivamente, o pedido contra a vice-governadora Daniela Reinehr.

Formação do Tribunal de Julgamento: cinco desembargadores foram escolhidos por meio de sorteio em 26 de outubro. Os cinco deputados estaduais foram selecionados por votação em 27 de outubro.

Entrega do relatório do 2º pedido de impeachment: a desembargadora Rosane Portella Wolff, relatora do tribunal de julgamento, entregou em 12 de novembro o parecer sobre a denúncia.

Denúncia aceita: em 26 de março de 2021, o tribunal de julgamento decidiu aceitar parcialmente a denúncia contra o governador, apenas na parte da compra dos respiradores. Com isso, Moisés foi afastado do cargo em 30 de março. A vice-governadora, Daniela Reinehr, assumiu o posto.

Afastamento no primeiro pedido de impeachment

Moisés foi afastado pela primeira vez em 27 de outubro após a denúncia contra ele no primeiro pedido de impeachment ser aceita. Ele foi absolvido no tribunal de julgamento em 27 de novembro e voltou ao posto. Durante o mês em que não esteve no cargo, o estado foi comandando pela vice-governadora, Daniela Reinehr (sem partido), já que a parte da denúncia relacionada a ela não foi aceita.

Primeiro pedido de impeachment

O primeiro pedido de impeachment foi aceito pela Alesc em 22 de julho. Na denúncia, parlamentares votaram sobre a aumento salarial dos procuradores do estado.

Em 15 de setembro, a comissão votou por unanimidade por aprovar o relatório e seguir com a denúncia. O alvo, além de Moisés e da vice, também era o ex-secretário de Administração, Jorge Tasca, mas ele pediu exoneração e foi retirado do processo.

Votação do relatório em plenário na Alesc por todos os deputados, o que ocorreu em 17 de setembro. Os deputados escolheram dar prosseguimento ao processo de impeachment.

Após a etapa, foi formado o Tribunal Especial de Julgamento, que afastou Moisés, mas absolveu Reinehr. Em 27 de novembro, Moisés foi absolvido e retornou ao cargo.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Autor de ataque em creche em SC passou por duas cirurgias, deve ter alta da UTI nos próximos dias e polícia prepara interrogatório

Arma que foi apreendida e irá passar por perícia no IGP — Foto: Jornal e TV A Sua Voz, reprodução

A Polícia Civil ouviu mais de 10 testemunhas na investigação sobre o ataque a creche em Saudades, no Oeste catarinense, até quinta-feira (6). O delegado Jerônimo Marçal Ferreira afirmou autor do crime, um jovem de 18 anos, será ouvido assim que o estado de saúde ele permitir.

O autor está internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, cidade a cerca de 60 quilômetros de Saudades. Segundo o boletim médico da noite de quinta, ele passou por duas cirurgias e está se recuperando.

Ele deve ter alta da UTI nos próximos dias. A Polícia Civil quer descobrir a motivação por trás do ataque.

Na manhã de terça (4), o jovem foi à escola infantil Aquarela e, armado com um facão, matou três crianças de um ano, uma professora de 30 e uma agente educativa de 20. Depois, golpeou o próprio corpo. Um bebê foi socorrido e se recupera no hospital.

Ele passou por procedimentos cirúrgicos no pescoço, tórax, abdômen e pernas, conforme o hospital.

Análise do material apreendido

A Polícia Civil já começou a analisar os dois computadores e um pen drive encontrados na casa do homem apontado como autor do ataque. A autorização para investigar os dispositivos foi obtida pela Justiça na quarta-feira (5).

Estão sendo investigados e-mails, mensagens trocadas e outras interações que o jovem possa ter feito em redes sociais e fóruns.

Na quarta, o delegado confirmou o indiciamento do autor por cinco homicídios triplamente qualificados, além de uma tentativa de homicídio contra a criança ferida. As qualificadoras dos crimes são: motivo torpe, utilização de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e a utilização de meio cruel.

Na quarta a Justiça negou o pedido de exame de sanidade mental do autor. O motivo da negativa foi o atual estado de saúde do agressor.

Após manifestação do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a Justiça catarinense decretou a conversão da prisão flagrante em preventiva.

Investigação

Na casa do homem, os agentes encontraram também R$ 11 mil em espécie e duas embalagens de facas novas. O dinheiro era proveniente de salários que o assassino guardava. Ele trabalha em uma empresa de produção de roupas.

Ninguém da família do homem de 18 anos suspeitava que ele planejava crime, segundo a polícia. O autor não tinha antecedentes criminais e era descrito como quieto pela comunidade.

“Pais e irmã disseram que ele era mais quietão, não saía com ninguém, não tinha celular. Tinha se afastado dos poucos amigos”, relatou o delegado.

Uma arma apreendida no local do crime também passa por perícia no Instituto Geral de Perícias (IGP).

Com G1

 

Opinião dos leitores

  1. Esse individuo cometeu um CRIME horrível contra inocentes, mas isso parece ficar em segundo plano quando a polarização está em um nível tão assustador quando o CRIME cometido por esse cidadão. O mais importante é que esse criminoso pague pelos crimes que cometeu.
    Que Deus de alguma forma conforte o coração dessas famílias.

    1. Mais um protegido com o famigerado discurso de “coitadinho, excluído social”. Dessa vez perderam o discurso contra as armas de fogo, afinal a esquerdalha afirma que só elas matam. Só matam nas mãos do cidadão e da PM, não nas mãos dos bandidos arma de fogo nunca matou.
      O povo já percebeu que a mídia imediatamente noticia que toda bala perdida vem da arma de PM, criando uma mentira no sentido que bandido nunca errou 01 tiro, bandido nunca matou inocente., bandido nunca foi violento, por isso eles continuam armados com rifles e metralhadoras, pois revolver é coisa de ladrão de galinha.
      Como vai a CPI da vergonha? formada por senadores que respondem a processo por corrupção?

    2. Na pagina de facebook dele tinha uma imagem de che-guevara e uma imagem de #forabolsonaro. Então já da pra deduzir que o cara era da esquerda mesmo… e se bobear era PTista ou ligado ao PSOL.

    3. Errou amigo, o perfil dele apagado no instagram era de esquerdista raiz, lulalivre e fora bolsonaro além de fã de Che Guevara

    4. O esquerdista vomitando seu ódio sem saber do que fala, como sempre.
      O tal Fabiano mantinha nas redes sociais, perfil com #forabolsonaro e mostrando seus ídolos Che Guevara e Fidel Castro. Obrigado direita esclerosada, você dá prova que realmente é um esclerosado que tem corrupto de estimação.

    5. Bando de retardados, que acreditam em corrente de WhatsApp.

    6. D. Esclerose, vc é um comentarista bofote e imbecil. Ao que consta, são diametralmente o opostas as convicções políticas desse psicopata, bem ao gosto da esquerda doente que mata e esconde a unha, veja a tentativa de matar o presidente, os acertos com o PCC, Toninho do PT, Celso Daniel, MST, e tantos outros. Esse meliante, que provavelmente é um paciente Psiquiátrico, vai soltar a língua, não precisa soltar baboseira antecipada na net. Guarde suas opiniões para os seus lacaios.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Autor de ataque em creche de SC é autuado por cinco homicídios triplamente qualificados

Foto: Jornal e TV A Sua Voz

A Polícia Civil investiga qual a motivação do ataque a uma creche de Saudades, no Oeste catarinense. Um dia depois do crime que deixou cinco pessoas mortas, entre elas três crianças, a Polícia Civil afirmou, nesta quarta-feira (5), que irá ouvir mais testemunhas e reunir novas provas.

O autor do ataque, um jovem de 18 anos, segue internado e está sedado. Ele foi autuado em flagrante por cinco homicídios triplamente qualificados, além de uma tentativa de homicídio contra a criança que foi ferida. As qualificadoras dos crimes são: motivo torpe, utilização de recurso que impossibilitou a defesa das vítimas e a utilização de meio cruel.

Três crianças e duas mulheres, sendo uma professora e a outra agente educacional, morreram no ataque. As vítimas foram enterradas nesta manhã. Uma quarta criança ficou ferida, passou por cirurgia e está em internada na UTI (veja mais abaixo).

Cada uma das vítimas levou ao menos cinco golpes de facão, informou o Instituto Geral de Perícias (IGP) em coletiva de imprensa. O assassino deu golpes contra o próprio corpo e foi levado ao hospital.

De acordo com o delegado Jerônimo Ferreira, nesta quarta a polícia espera conseguir a autorização da Justiça para começar a analisar o computador encontrado na casa do homem. No local, os agentes encontraram também R$ 11 mil em espécie e duas embalagens de facas novas. O dinheiro era proveniente de salários que o assassino guardava. Ele trabalha em uma empresa de produção de roupas.

Entre os depoimentos, o delegado pretende ouvir o autor nos próximos dias. O homem está internado no Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, com quadro clínico considerado estável. Segundo o último boletim médico, ele está sedado e se recupera da cirurgia.

Há escolta no local. O Hospital de Pinhalzinho, também no Oeste, onde autor foi internado na terça, também recebeu escolta policial.

Ninguém da família do homem de 18 anos suspeitava que ele planejava crime. Autor não era conhecido pela polícia, não tinha antecedentes criminais, informou o delegado.

“Pais e irmã disseram que ele era mais quietão, não saía com ninguém, não tinha celular. Tinha se afastado dos poucos amigos”, relatou o delegado.

Ninguém da família do homem de 18 anos suspeitava que ele planejava crime. Autor não era conhecido pela polícia, não tinha antecedentes criminais, informou o delegado.

“Pais e irmã disseram que ele era mais quietão, não saía com ninguém, não tinha celular. Tinha se afastado dos poucos amigos”, relatou o delegado.

Quem são as vítimas:

Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, era professora e dava aulas na unidade havia cerca de 10 anos

Mirla Renner, de 20 anos, era agente educacional na escola

Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses

Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses

Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

O que se sabe até agora:

Um homem de 18 anos invadiu a escola Aquarela com duas facas às 10h de terça (4).

A creche fica na cidade de Saudades (SC), 600km de Florianópolis, e atende crianças de 6 meses a 2 anos.

20 crianças estavam no local sob os cuidados de 5 professoras.

A primeira pessoa que o assassino atacou foi a professora Keli Adriane Aniecevski.

Mesmo ferida, a professora correu para uma sala, onde estavam quatro crianças e a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos.

O homem chegou até a sala e continuou os ataques, matando Keli e três crianças. Mirla chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Veja quem são as vítimas.

Todas as vítimas foram atingidas com, pelo menos, cinco golpes de facão.

O assassino tentou entrar em todas as salas da creche, mas professoras conseguiram se trancar e proteger as crianças.

A única sobrevivente ao ataque é uma criança de 1 ano e 8 meses, que está na UTI.

O assassino foi preso e levado ao hospital após dar golpes contra o próprio corpo. Estado de saúde dele é grave.

Polícia encontrou R$ 11 mil e duas embalagens de facas novas na casa do assassino.

O velório e o sepultamento das cinco vítimas foram coletivos.

G1-SC

Opinião dos leitores

  1. Resumindo: até ontem era um homem de bem. Apto a portar arma de fogo se quisesse. Como muitos que estão sedentos…

    1. Mas não conseguiria porque não passaria no teste de sanidade mental assim como vc não passaria nem no moral por ser tão burro

    2. Comentário ridículo. Alguém armado e próximo TALVEZ tivesse evitado essa tragédia. Por seu raciocínio infantil, insano, as facas e facões deveriam ser proibidas.

    3. Esses agressivos aqui, são o exemplo vivo dos que não podem possuir armas. Futuros homicidas!

  2. A pena máxima são 30 anos. Com 1/6 da pena, com um bom advogado, ele tem a pena relaxada. No Brasil, o crime compensa. Infelizmente….

  3. Não apareceu nenhum advogado criminalista para defender o coitadinho?
    Também vai ser declarado inimputável como foi Adélio?
    A sorte é que não tinha policial por perto, pois a mídia iria colocar toda culpa no PM e chamar o assassino de suspeito.
    Mas isso não acontece só quem tem arma de fogo?

    1. É só contratar o advogado do ladrao Lula, esperar o STF e correr para o abraço

    2. Melhor contratar o advogado do Flávio Bolsonaro… Melhor não há…ele até esconde os criminosos na casa dele…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Professora e agente educativa mortas em atentado em creche em SC são identificadas

Mirla e Keli estão entre as vítimas da tragédia em creche de SC (Foto: Reprodução/Facebook)

A professora Keli Adriane Aniecevski, 30 anos, morreu no local, e a agente educativo Mirla Renner, que atuava como uma espécie de auxiliar das professoras, chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Ela havia completado 20 anos em janeiro. Elas estão entre as cinco vítimas do ataque a creche Aquarela, no pequeno município de Saudades, no Oeste de Santa Catarina. O crime aconteceu nesta manhã (4), por volta das 9h30, segundo a Secretaria de Educação do município. Além delas, outras três crianças com menos de 2 anos também morreram. A creche atendia bebês de 6 meses a 2 anos de idade.

Em entrevista à CRESCER, a secretária municipal de educação, Gisela Ivani Hermenn disse que chegando lá, viu uma “cena de terror”. “O jovem que, até então, tinha matado a professora e mais três crianças, estava deitado no chão. Muitas pessoas já estavam lá. Ele estava no chão, agonizando, pois as pessoas revidaram”, relatou. “Ele chegou ao local com um facão e outra arma metálica. Tinha muito sangue… é uma cena de terror, de horror… horrível… Eu estou em estado de choque”, lamentou.

Segundo o Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, “o autor desferiu golpes também contra o próprio pescoço, além de abdomen e tórax, e foi encaminhado em estado gravíssimo ao Hospital em Pinhalzinho”. Gravemente ferido, o agressor também foi encaminhado ao hospital. Ainda não se sabe o que motivou o crime. Saudades fica no Oeste de SC e tem cerca de 9 mil habitantes.

Globo, via Crescer

Opinião dos leitores

  1. Bastava que houvesse uma pessoa do bem armada por perto e essas pessoas estariam vivas. Sou do tempo em que os “mocinhos sempre ganhavam.

    1. Pela sensibilidade de seus comentários que a gente vê pq o MINTO é o que é: Ele tem que “agradar” pessoas míopes como vc! Não sou contra o cidadão de bem ter arma e poder se defender, mas se arma nas mãos de pessoas treinadas para usar resolvesse tudo, não teríamos tantos policiais armados mortos por bandidos! Pela sua lógica Esdrúxula, as professoras teriam que entrar na sala de uma creche armadas né?! Ou seriam os bebês que já nasceriam com porte de arma? O bandido renderia o segurança ou professora com o facão e roubaria a arma e a desgraça seria maior !

    2. Então porque os 3 policiais que foram motos por bandidos nessas últimas semanas aqui no RN não conseguiram se defender e defender a sociedade? Eles estavam armados, e ai? Argumento ridículo como sempre

    3. Mês passado morreram varios policiais executados a tiros, todos portando armas, isso pq são policiais treinados… agora só na cabeça de pessoas como vcs para achar q um cidadão normal armado nas ruas seria viável. Quem tem q ter o direito por lei de andar armado nas ruas é a policia

    4. Só na cabeça de pessoas como vc que não pensam como um ser humano racional, andar nas ruas armado seria bom para a sociedade.

      Nesse ultimo mês foram vários policiais, treinados, mortos executados, todos com armas na cintura.

    5. Concordo plenamente. Bastava uma pessoa ali armada, uma professora, um professor, um funcionário, e essas pessoas inocentes não teriam sido vítimas. Mas não, só quem pode usar armas são os bandidos e loucos como esses, fora isso vai preso e condenado. Se a esquerda tivesse desarmado os bandidos, ai a violência diminuiria , mas de que adianta desarmar todos com uma lei de desarmamento , menos os bandidos. Não são todos que podem portar e ter a posse de uma arma, mas para quem tem bom senso e usando numa situação dessas ela tem valia.

    6. Nunca pensei ou disse que armas “resolveriam tudo”, da mesma forma que a existência dos bombeiros não impede os incêndios ou a destruição que eles causam. Mas, sou a favor do direito de defesa das pessoas de bem, usando de quaisquer meios ao seu alcance, e quero ter garantido o acesso aos meios de exercer essa defesa. Outra coisa, vc nem ninguém deve ser obrigado a usar aquilo que repudia. E isso deve valer para TUDO, sejam remédios, máscaras ou armas de fogo. Cuidar da sua vida e deixar a dos outros em paz deve ser a base da convivência social saudável.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

ATENTADO – TRAGÉDIA: Jovem invade creche e mata três bebês, uma professora e uma funcionária em Santa Catarina com golpes de facão

Fotos: Simone Fernandes/Arquivo Pessoa

Três crianças e duas funcionárias de uma escola infantil de Saudades, no Oeste de Santa Catarina, morreram após um ataque a faca nesta terça-feira (4). O assassino, um jovem de 18 anos, deu golpes contra o próprio corpo e foi levado em estado gravíssimo para um hospital da região após o crime.

O delegado regional de Chapecó, Ricardo Newton Casagrande, afirmou que o jovem entrou no local e atingiu as vítimas com um facão. Chamada Aquarela, a escola atende crianças de 6 meses a 2 anos.

As funcionárias eram professora e agente educacional da escola. Keli Adriane Aniecevski dava aulas na unidade havia cinco anos. Ainda não há mais informações sobre as outras vítimas.

O prefeito da cidade, Maciel Schneider, chorou ao falar do caso: “Tenho filho pequeno”. Uma professora da escola, que não estava na unidade no momento do ataque, disse que, segundo relatos de colegas, professoras começaram a esconder os bebês. Assista ao vídeo no começo da reportagem.

De acordo com o 2º Batalhão da PM de Chapecó, que prestou apoio à ocorrência, a corporação começou a receber várias ligações de moradores e funcionários pedindo socorro por volta das 10h35. Segundo os relatos, um pessoa que entrou na escola estava golpeando alunos e professores com um facão.

A secretária municipal de Educação, Gisela Hermann, afirmou que as cenas no local eram de terror.

“Chegamos lá, uma cena de terror. Consegui entrar na escola. Tinha um cara deitado no chão, mas ainda vivo, uma professora morta, uma criança morta também. A sala estava fechada, não deixaram a gente entrar.”

O Corpo de Bombeiros foi ao local para isolar a área (veja fotos abaixo). O suspeito tentou suicídio após o ataque e precisou ser levado a um hospital de Pinhalzinho.

O município tem 9,8 mil habitantes e fica a cerca de 70 quilômetros de Chapecó, a maior cidade do Oeste catarinense, e a 600 quilômetros de Florianópolis.

Repercussão

A governadora do estado, Daniela Reinehr, decretou luto oficial de três dias.

“Manifesto profunda tristeza e presto minha solidariedade. Determinei que o Governo dê todo o amparo necessário às famílias”, escreveu a governadora em uma rede social.

O prefeito da cidade, Maciel Schneider, afirmou que todas as aulas foram canceladas nesta semana.

“É um momento muito triste na nossa pequena cidade. Colocamos todas nossas equipes para dar esse apoio, decretamos luto oficial, cancelamos todas as aulas essa semana. Colocamos nossas equipes de saúde [a disposição], psicólogos estão acompanhando as famílias”, afirmou.

“A gente nem sabe muito como agir. Também sou um gestor de primeiro mandato, de 35 anos, também tenho filho pequeno. Começa a passar um filme na cabeça da gente.”

Atentado a creche em SC: infográfico mostra onde fica o estabelecimento em Santa Catarina — Foto: Editoria de arte/G1

G1

Opinião dos leitores

  1. Meu Deus… O que é mais triste são os comentários idiotas, tudo se leva para a política. Idiotas de esquerda e de direitas, respeitem ao menos a dor da família.

  2. Turma boa, aproveita qualquer tragédia para vender seu peixe político. Alteriade e empatia passam longe.

  3. Uma arma de fogo com um funcionário teria evitado isso.
    Agora como fazermos pra tirar um porte de faça?
    O cachaceiro disse se for eleito vai desarmar a população de bem. Será que ele vai desarmar os cumpanheiros?

    1. Oxi, mais o CB Gustavo, morreu mesmo tendo porte de armas… O bandido tirou da cintura dele e atirou nele com a própria arma. Porte de armas não resolve nada… Educação e leis mais severas talvez…

    2. Toda ditadura começa desarmando as pessoas de bem. Na Venezuela fizeram isso e depois distribuíram armas para os tais “coletivos”. A receita é SEMPRE essa.

    1. Procura um psicólogo,vc está precisando.estamos falando de vidas que foram ceifadas,e vc vem com papo de política…

  4. Direita honesta,um conselho:sei q muitas vezes vc tem vontade de aparecer, mas muitas vezes tb é necessário saber se calar.

    1. Não preciso disso. O que comento é apenas na tentativa de abrir os olhos de alguns e melhorar o meio em que vivo. Nunca iria pretender a aprovação de alguém como vc. Certamente, somos de mundos opostos.

    2. E quem vc pensa que é para me aconselhar? Pretenciosa eu já vi que vc é. Rsrsrs

    3. Você tenta “abrir os olhos” mas não abre os seus.

      Não adianta, “direita honesta”.

      Alienado e sem argumento como 9lo pobre Calígula, que passa vexame todo dia com suas postagens

  5. Se houvesse alguém nessa escola portando uma “arma de fogo”, essa tragédia teria sido evitada ou, na pior das hipóteses, teria sido minorada.

    1. Né isso! É tanto que nenhum policial morre né? Afinal estão sempre armados e são treinados para isso! Que comentário mais TOSCO e sem NEXO!

    2. Onde ele estar errado, como se enfrenta um bandido com uma arma branca, louco para matar, com a cara e coragem seu s imbecís.

    3. Esse corno não respeita nada, nem ninguém.
      A cloroquina que ele toma diariamente, está vencida.

    4. E se o cara que surtou estivesse com uma arma de fogo muito mais gente teria morrido, não é?

    5. É verdade. Estamos reféns desses loucos e dos Políticos desarmamentistas.

    6. Gordin’ que nunca empunhou uma arma, fica quieto! Quem garante que não tinha aumentado o número de mortos? Aliás, é bom quando os outros executa não é, ruim é ficar com o trauma de ter matado alguém.

    7. Malfeitores não precisam de porte nem registro. Quem precisa somos nós, as pessoas de bem. As vítimas não podem ser culpadas pela criminalidade. Ou deveríamos proibir também o uso de facas e facões?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Em caso inédito, gêmeas de 19 anos fazem readequação de sexo em SC

Foto: Alex Ferrer/Divulgação

Duas gêmeas de 19 anos realizaram cirurgia de readequação de sexo em um hospital de Blumenau, no Vale do Itajaí. Elas nasceram com o sexo biológico masculino, mas discutem a transição para o feminino desde antes da maioridade. O hospital informou que a cirurgia de uma delas terminou na noite de quarta-feira (10). A outra irmã foi operada na quinta (11).

Antes de ser submetido à cirurgia, o paciente precisa passar por acompanhamento multidisciplinar por cerca de dois anos. As gêmeas fizeram a cirurgia pela rede particular, mas o procedimento é disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Dos cinco hospitais públicos brasileiros que prestam esse serviço, nenhum fica em Santa Catarina. A espera no país para iniciar o processo pode levar até cinco anos (leia mais abaixo).

Segundo o hospital, as gêmeas passaram por acompanhamento psicológico e orientações médicas. As duas começaram o tratamento hormonal por volta dos 15 anos.

A cirurgia feita na quarta-feira durou cinco horas, mesmo tempo que o procedimento da irmã, realizado nesta quinta. As duas estão de repouso no mesmo quarto e ficarão internada por três dias, conforme o hospital.

Os médicos José Carlos Martins Junior e Cláudio Eduardo, especializados em cirurgia trans e feminização facial, foram os responsáveis pelo procedimento cirúrgico realizado no Hospital Santo Antônio. Segundo a unidade, é a primeira vez que gêmeas passam por esse tipo de procedimento no país.

Legislação

Conforme mostra o vídeo(AQUI em reportagem na íntegra), em 2020 novas regras para a cirurgia de transição de gênero foram aprovadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). A resolução amplia o acesso à cirurgia e também ao atendimento básico para transgêneros.

A norma reduziu de 18 para 16 anos a idade mínima para o início de terapias hormonais e define regras para o uso de medicamentos para o bloqueio da puberdade. Procedimentos cirúrgicos envolvendo transição de gênero estão proibidos antes dos 18 anos. Antes era preciso esperar até os 21 anos.

Cirurgia é último recurso procurado

Para o pesquisador Rodrigo Moretti, professor e pesquisador do departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), do Núcleo de Estudos em Gênero e Saúde, a busca de pessoas transexuais interessadas em fazer a cirurgia de readequação de sexo diminuiu nos último anos.

Isso porque antes do decreto nº 8.727 de abril de 2016, que trata sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis ou transexuais, a cirurgia era obrigatória para que a pessoa pudesse modificar seus documentos.

“A cirurgia é o último recurso, muitas vezes a população necessita só da modificação das características secundárias, que o uso de hormônio as vezes dá conta, sem a necessidade de alteração genital”, afirmou Rodrigo Moretti.

Foto: Alexandre Mauro / G1

Procedimento pelo SUS

É a portaria nº 2.836 de dezembro de 2011, que instituiu a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, que trata sobre o direito da cirurgia de readequação de sexo e o uso de hormônios. O objetivo é geral da portaria é promover a saúde integral da população LGBT.

Para realizar a cirurgia de readequação de sexo pelo SUS, o acesso inicial é via Unidade Básica de Saúde (UBS). Após esse primeiro contato, é função da rede estadual direcionar essa pessoa para um dos centros de referência habilitados pelo Ministério da Saúde que realizam o procedimento .

No Brasil, cinco hospitais prestam esse serviço de acompanhamento para a população. Nenhum deles fica em Santa Catarina.

“Os mais próximos do estado ficam em Porto Alegre e São Paulo. Tem também um no Rio do Janeiro, em Pernambuco e Goiás. Cada um dos centros realiza no máximo duas cirurgias como essas por mês. Então, isso dá uma média 10 procedimentos por mês e isso é muito aquém da necessidade. É uma situação precária”, disse Rodrigo.

Segundo o pesquisador a fila de espera é longa, com relatos de pessoas que esperam por mais de cinco anos para iniciar o processo.

“O direito destas pessoas está assegurado, é uma politica pública que já tem 10 anos. Mas se avançou muito pouco desde então. Há grandes dificuldades na realização deste procedimento hospitalar pelo SUS. […] Por mais que essas mulheres trans sejam cidadãs, elas não tem o seu direito cumprido na sua totalidade neste sentido”, disse.

O G1 procurou a Secretaria de Estado da Saúde para informações sobre a fila de espera e não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Avanço

Mesmo com um cenário que ainda precisa melhorar, Rodrigo Moretti, vê o procedimento das gêmeas como um grande avanço.

“Até muito recentemente, mesmo com recursos para fazer a cirurgia no sistema privado de saúde e passando pelo acompanhamento com profissionais qualificados, as pessoas não conseguiriam realizar esta cirurgia. Acho que tem uma mudança de cenário bem interessante neste sentido”, explica o professor.

De acordo com o pesquisador esse tempo segue parâmetros internacionais que são seguidos pelo CFM.

“Esse procedimento não é tranquilo, é algo que mesmo depois da cirurgia demora tempo para a pessoa se adaptar. É uma modificação muito profunda. No fim, essa mulheres já são mulheres desde sempre, mas foram lidas como homens pela questão genital e por uma certa incompreensão da sociedade. Tem que limpar uma vida aí, toda uma uma trajetória de opressão”, concluiu.

Ambulatório Trans

Florianópolis é uma das poucas capitais do país que tem um ambulatório de atendimento específico para este público. Segundo o último levantamento da prefeitura, 400 pessoas trans foram atendidas no local regularmente.

Os atendimentos acontecem no Centro de Saúde do Saco Grande e Campeche. Os médicos e outros profissionais de Saúde acompanham os processos de hormonização e indicam exames aos pacientes. Esse acompanhamento também pode implicar em tirar dúvidas sobre a cirurgia readequação de sexo.

“O ideal que não tivéssemos locais específicos. O melhor seria que esta população pudesse frequentar qualquer posto próximo. Mas é possível ver essa sensibilidade da rede municipal de saúde nesta questão. A gente tem vários estudos que apontam que temos mulher trans e homens trans com problemas básicos de saúde, como por exemplo, unha encravada. A pessoa não tinha a coragem de ir no serviço de saúde pelo estigma que ela sabia que iria sofrer por ser uma pessoa trans. O hormônio é sim importante, mas o básico também é”, disse Rodrigo Moretti.

Primeira cirurgia

A primeira cirurgia no Brasil foi anterior a qualquer resolução oficial. Ela foi feita em 1971 pelo cirurgião Roberto Farina, que chegou a ser condenado por isso. Farina também fez a primeira cirurgia em um homem transexual no Brasil – o paciente foi o psicólogo e escritor João Nery, autor do livro “Viagem solitária – memórias de um transexual 30 anos depois”.

Já a primeira cirurgia de redesignação sexual na rede pública no Brasil foi realizada em 1998, no Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas. Na época, o procedimento só foi possível após a resolução 1482/97 do CFM. A primeira mulher trans a ser operada pela rede pública de saúde foi Bianca Magro, em 1998.

G1-SC

Opinião dos leitores

  1. Não entendi se eram homens que se transformaram em mulheres, ou mulheres que tinham nascido com uma espécie de pênis ou coisa assim. Como é isso?

  2. Infelizmente, não irão sentir prazer sexual de agora por diante. Agora, irão se sentir melhor como pessoa e isso importa.

    1. É verdade sem o clitóris fica impossivel a mulher sentir algum prazer sexual no ato sexual,para uma mulher natural que tem o clitóris já è bastante difícil atingir o clímax na penetración sexual para a maioria das mulheres normais e para um homem não atingir a liberação do prazer final da ejaculação,semeadura è mesmo que não sentir nada,não sei como é para as mulheres,mais deve ser terrivel terminar entre 60,70 e 80%das relacões sexuais durante a vida toda sem atingir o prazer final e depois de 9 meses ainda irão sentir uma dor da luz ou parto da vida pobre de nossas mães,Avós,tías,namoradas ou esposas.

    2. Esses casos dizem que a pessoa "se sente" que "nasceu no corpo errado".
      O que está errado? O corpo ou a mente?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Garis ajudam, e homem recupera R$ 25 mil jogados no lixo por engano em SC

Homem abraça gari em agradecimento (Foto: Comcap / Divulgação)

Um morador de Florianópolis passou por um susto nesta semana ao jogar no lixo a quantia de R$ 25 mil, em espécie, que guardava em casa. De acordo com a Comcap, responsável pela coleta de lixo na capital catarinense, o homem escondia suas economias em uma rede, guardada em um saco de lixo e se confundiu ao jogar fora os demais resíduos da residência.

O homem percebeu o erro minutos após o caminhão fazer a coleta em sua rua no bairro dos Ingleses. Ele, então, foi atrás do caminhão e informou aos garis o que havia acontecido.

Os trabalhadores começaram a busca pelo dinheiro, abrindo os sacos de lixo na caçamba do caminhão. O valor foi encontrado pela gari Geovana Duarte Farias 20 minutos depois. O dono do dinheiro, que não teve o nome divulgado por questões de segurança, abraçou a equipe em agradecimento.

Globo, via Marie Claire

Opinião dos leitores

  1. Parabéns ao Mito Bolsonaro que com sua honestidade e simplicidade devolveu ao povo a esperança de dias melhores e valores, ética e justiça. Fazendo com que o povo seja mas honesto.

    1. Meu Deus, isso já é loucura dessa mulher, até um ato desse atribuir ao Minto, que loucos meu!!!!

  2. Parabéns aos companheiros que fizeram esse gesto tão grande.
    Uma das profissões mais importantes, porém não é valorizada como deveria.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

TRAGÉDIA: Menino de 5 anos cai da cadeirinha da bicicleta do pai e morre atropelado por ônibus em SC

Foto: Reprodução

Um menino de 5 anos morreu atropelado por um ônibus do transporte público após cair da cadeirinha da bicicleta do pai na noite de segunda-feira (11) na Rua Alfredo Eicke, no bairro Barra do Rio, em Itajaí, no Litoral Norte.

Segundo a Polícia Militar, o homem se desequilibrou da bicicleta e bateu na lateral do ônibus que passava no momento da queda. A criança caiu, foi atingida pelo veículo e morreu no local.

A mãe estava próximo de onde ocorreu o acidente e acompanhava o passeio. Segundo Robson Costa, coordenador da Coordenadoria de Trânsito (Codetran) do município, os pais estavam do lado oposto da ciclofaixa.

“Caíram os dois, tanto o pai quanto a criança, mas o pai só teve escoriações, mas infelizmente a criança rolou para baixo do ônibus”, disse.

A Polícia Civil e o Instituto Geral de Perícias (IGP) estiveram no local colhendo informações para investigar as causas do acidente.

Luto

Após a notícia do morte do menino, o Lar de Idosos São Vicente de Paula, onde a mãe da criança trabalha como enfermeira, manifestou solidariedade à família. Em uma publicação em uma rede social, o estabelecimento se colocou à disposição para ajudar os pais da criança.

“Tudo perde o sentido quando uma mãe perde seu filho. Sentimos muito por você ter que passar por isso e os funcionários e idosos se colocam à disposição para o que precisar. Que Deus lhe ajude a achar um caminho para seguir em frente e que sua fé lhe dê razões para acreditar”, disse o Lar de Idosos.

G1-SC

 

Opinião dos leitores

  1. Deus conforte a família.
    Infelizmente erro do pai por estar na rua e maior ainda erro do motorista do ônibus que não teve cuidado algum em manter distância e diminuir velocidade ao passar por um ciclista. Vamos ter mais cuidado!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Assalto em Criciúma: ‘Ação foi bem sucedida para os marginais, essa é a verdade’, diz governador de SC

Foto: Arte G1

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), afirmou sobre o assalto ocorrido nesta madrugada em Criciúma, no Sul catarinense, que a “ação foi bem-sucedida para os marginais, essa é a verdade”. A declaração foi dada durante entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (1°).

“Eles conseguiram o seu intento, mas nós precisamos de fato colocar o estado à disposição porque nós temos já um histórico de investigação sobre esse tipo de atuação com sucesso na resolução de problemas”, afirmou Moisés.

Ele continuou, relembrando outro crime de repercussão no estado: “Recentemente, tivemos também, em Blumenau, no aeroporto, um episódio muito semelhante, com um número menor de participantes, mas que está sendo desvendado pela polícia, pela Polícia Civil, e cerca de 50% dos envolvidos já foram presos. E essa é a nossa esperança, que o estado dê a resposta necessária”.

Moisés afirmou também os assaltantes não devem ser do estado. “Falar um pouco também da qualificação desse ato, que utiliza quantidades numerosas de explosivos, tecnologia de ponta, para nós percebemos que provavelmente esta ação não se dá por criminosos aqui de Santa Catarina, provavelmente uma ação orquestrada por outro estado ou por criminosos que estão organizados em outra unidade da federação, mas que Santa Catarina acabou se tornando este cenário”.

O assalto causou surpresa às autoridades do estado, disse o governador, já que, segundo ele, esse tipo de crime contra agências bancárias diminuiu em 2019 em Santa Catarina devido ao trabalho das polícias e investigação.

“Nos surpreende, uma vez que nem na esfera federal nem na estadual nós não tínhamos qualquer indício ou qualquer informação da atuação marginal que se deu na noite passada”, afirmou Moisés.

Assalto em Criciúma

Uma quadrilha usou o Centro de Criciúma para assaltar um banco entre o fim da noite desta segunda-feira (30) e início da madrugada desta terça-feira (1º).

O grupo fortemente armado invadiu a tesouraria regional de um banco, provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, usou reféns como escudos e atirou várias vezes. Um PM e um vigilante ficaram feridos. A Polícia Militar acredita que dois criminosos tenham se ferido também.

RESUMO

Cerca de 30 pessoas encapuzadas assaltaram uma agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma às 23h50 de segunda-feira (30). A ação durou 1 hora e 45 minutos.

Pessoas foram feitas reféns e cercadas por criminosos; houve bloqueios e barreiras para conter a chegada da polícia.

Um PM e um vigilante ficaram feridos. Ninguém morreu. O PM precisou passar por cirurgia.

Criminosos fugiram, e parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas. Valor levado e abandonado não foi calculado ainda.

Quatro moradores foram detidos após recolherem R$ 810 mil que ficaram jogados no chão devido a explosão durante o assalto.

Criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Polícia não sabe o total utilizado.

10 carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

A PM, baseada em manchas de sangue encontradas em dois carros, calcula que dois criminosos tenham se ferido

Em nota, o Banco do Brasil disse que funcionários não foram feridos, que não há previsão para reabertura da agência e que não informa “valores subtraídos durante ataque às suas dependências”.

PM pede que pessoas que tenham informações ou filmagens da ação, entrem em contato pelo telefone 190.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Explosivos e “chuva de dinheiro”: veja detalhes do assalto em SC que repercutiu em todo o país

Foto: Caio Marcello / Estadão Conteúdo

Explosivos, dinheiro espalhado pelo chão e veículo queimado. O assalto a uma agência bancária na cidade de Criciúma, em Santa Catarina, na manhã desta terça-feira (1º), fechou ruas, deixou reféns sentados em via pública e um caminhão em chamas, provocando terror nos moradores do município catarinense.

De acordo com a polícia, os homens que participaram da ação portabam armas de grosso calibre (5.56, 7.62 e .50) e utilizaram cerca de 10 veículos para lançar um caminhão em chamas em frente ao 9º Batalhão da Polícia Militar. O fogo atingiu diversos cômodos do local, mas nenhum policial militar ficou ferido. A ação teve início às 23h40.

Dez minutos depois, durante os disparos no Batalhão, duas guarnições da polícia cruzaram com um dos veículos utilizados pelos homens na próximo ao Shopping Criciúma. Nesse momento, houve troca de tiros e o soldade Jefferson Luiz Esmeraldino foi atingido. O PM foi internado e passou por uma cirurgia. Até a manhã desta terça-feira, ele permanece em estado grave.

Por volta das 00h, os homens armados foram em direção a área central de Criciúma, fecharam algumas ruas, abordaram veículos e iniciaram uma série de disparos de arma de fogo. Às 00h10, utilizaram explosivos para executar o roubo em uma agência do banco do Brasil. Nesse momento, pessoas foram feitas reféns, obrigadas a ficar sentadas em meio a uma via pública.

Às 00h30, a polícia confirmou que havia um caminhão sendo incendiado no morro do formigão, em Tubarão. Uma hora depois, as equipes também confirmam o uso de um caminhão de lixo por parte dos homens armados.

Por volta das 2h da madrugada, os veículos dos homens armados se deslocaram para a cidade de Nova Veneza e às 3h os reforços policiais começaram a chegar na região.

No fim da madrugada, às 5h40, quatro pessoas que recolheram parte das cédulas de papel espalhadas pelo chão da cidade, após a invasão e o roubo a agência, foram conduzidas à delegacia. Com eles, foram localizados R$ 810 mil.

No início da manhã, às 6h30, 10 veículos abanadonados pelo grupo foram localizados em um milharal no município de Nova Veneza. Por volta das 8h, quatro artefatos explosivos foram desativados pelo esquadrão de bombas, três deles nas proximidades da Praça do Congresso e um na agência bancária assaltada.

Neste momento, as investigações e buscas da polícia continuam.

R7

Opinião dos leitores

  1. Cadê o presidente que iria acabar com esse tipo de crime?
    Pense num fanfarrão.
    Só sabe fazer rachadinha e levar facada.

  2. É preciso um trabalho minucioso de inteligência e uma ampla revisão dos métodos de trabalho das policias. O modelo que hoje se apresenta, não inibe mais a bandidagem que a cada dia fica mais ousada, orquestrando assaltos muito bem planejados e utilizando armas de guerra. As politicas de segurança em todo território nacional tem sindo incapaz de enfrentar e debelar com precisão estes grupos. E eles estão em todos os cantos do País.

  3. Com esse tempo todo, daria tempo a polícia colocar explosivos nas saídas da cidade ou grampos. Muito tempo. Só faltaram pedir uma pizza pelo aplicativo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEOS: Quadrilha sitiou Centro de Criciúma e fez reféns em assalto a banco; criminosos fortemente armados provocaram terror na cidade de SC na madrugada

MAIS VÍDEOS AQUI em texto na íntegra.

Quadrilha usou reféns para bloquear ruas em Criciúma e bloquear a aproximação da polícia — Foto: Reprodução / TV Globo

Uma quadrilha sitiou o Centro de Criciúma, no Sul de Santa Catarina, para assaltar um banco no início da madrugada desta terça-feira (1º). O grupo fortemente armado invadiu a tesouraria regional de um banco, provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, usou reféns como escudos e atirou várias vezes.

Resumo:

Cerca de 30 pessoas encapuzadas assaltaram uma agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma às 23h50 de segunda-feira (30). A ação durou 1 hora e 45 minutos.

Pessoas foram feitas reféns e cercadas por criminosos; houve bloqueios e barreiras para conter a chegada da polícia.

Um PM e um vigilante ficaram feridos. Ninguém morreu.

Criminosos fugiram, e parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas. Valor levado e abandonado não foi calculado até as 7h30. Quatro moradores foram detidos após recolherem R$ 810 mil que ficaram jogados no chão devido a explosão durante o assalto.

Criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Polícia não sabe o total utilizado.

10 carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

Até por volta de 7h30, o Banco do Brasil não havia se pronunciado.

A prefeitura pediu ajuda a batalhões de municípios vizinhos e também para cidades do Rio Grande do Sul.

Criciúma tem cerca de 217 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e fica 200 km ao sul da capital catarinense, Florianópolis, e 285 km ao norte da capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. A economia do município se baseia, principalmente, em exploração de carvão, indústria, agricultura e pecuária.

Reféns sentados na rua

Os primeiros relatos do tiroteio foram feitos por volta da meia-noite. O som dos disparos foi ouvido principalmente na região central de Criciúma.

Imagens nas redes sociais mostraram reféns e pessoas cercadas nas ruas pelos criminosos. Homens foram deixados sem camisa sentados sobre uma faixa de pedestres na rua.

A PM informou que o grupo incendiou um túnel no município de Tubarão (SC) que dá acesso a Criciúma, para tentar impedir que reforços chegassem até o local dos assaltos.

Segundo a PRF, um caminhão com placa de Dumont (SP) foi atravessado no túnel, na BR-101, e foi incendiado. Também foram espalhados miguelitos (apetrechos de metal capazes de furar pneus de carros) para dificultar a ação da polícia e dos bombeiros. O túnel foi liberado após os bombeiros apagarem as chamas.

O delegado Victor Bianco Cruz informou que os criminosos usaram veículos de ‘alta potência e grande valor comercial’, de marcas como Audi, Land Rover, BMW, Mitsubishi e Volkswagen.

“Nós acreditamos, sim, que o valor levado é bastante grande, pelos vídeos que circulam nas redes sociais aqui, onde teria uma enorme quantidade de dinheiro na caçamba de uma caminhonete”, disse o delegado.

Após o ataque, os criminosos fugiram e abandonaram dinheiro no local. Por volta das 2h30, peritos estavam nas ruas para analisar a suspeita de abandono de materiais explosivos. Nas calçadas e nas ruas próximas da ação foram encontradas várias cápsulas de munição, inclusive de fuzil.

Funcionários que pintavam faixas feitos reféns

O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) disse que os reféns foram liberados sem ferimentos. Os homens mostrados em imagens divulgadas em rede social sentados em uma rua, usados como uma barreira pela quadrilha, eram funcionários do município que pintavam faixas de trânsito.

Durante a madrugada, Salvaro orientou aos moradores que ficassem em casa.

“A cidade neste momento tá sitiada. São criminosos aí muito bem preparados. Certamente vieram de outros estados da federação. Recomenda-se que você fique em casa”, disse à 1h.

Polícia fala em ‘novo cangaço’

A PM informou que buscou reforços. Segundo o tenente-coronel Cristian Dimitri Andrade, do 9ª Batalhão da Polícia Militar (9º BPM), agentes de Araranguá, Tubarão e Içara se deslocaram para a cidade.

“Uma quadrilha do crime organizado, que é especializada em assalto a banco. A gente chama de modalidade ‘novo cangaço’. Eles fazem assaltos simultâneos, atacam quarteis, como atacaram no batalhão também”, disse o tenente-coronel ainda na madrugada.

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) e o Choque da PM de Florianópolis também foram acionados.

Fuga

Durante a fuga, pelo menos um malote de dinheiro foi abandonado pela quadrilha. Cédulas e cápsulas também ficaram espalhadas pelas ruas.

Segundo o prefeito, os criminosos fugiram em comboio.

PM e vigilante baleados

Ao menos um policial militar e um vigilante foram baleados. Conforme Andrade, o policial foi atingido na região do abdômen e foi levado ao hospital. O estado de saúde dele é considerado estável.

Ainda não há informações sobre o estado de saúde da outra vítima.

G1-SC

 

Opinião dos leitores

    1. Ela só apoiou governo que incentivou a disseminação das facções pelo Brasil inteiro, hj em cada rua, bairro, cidade e estado tem uma facção comandando e foi a partir do governo petralha que o pcc e cv, com o beneplácito do luladrão, antes do pt só tínhamos notícias deles em SP e RJ respectivamente. Com certeza teve boi na linha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Governador de SC, Carlos Moisés é absolvido em processo de impeachment e retorna ao cargo

Governador de SC, Carlos Moisés, em coletiva em março de 2020 — Foto: Mauricio Vieira/Secom/Divulgação

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), foi absolvido no tribunal especial de julgamento do primeiro pedido de impeachment nesta sexta-feira (27). Com isso, ele retorna ao cargo. O chefe do executivo foi julgado por crime de responsabilidade no aumento salarial dado aos procuradores do estado.

Ele foi absolvido por seis votos a três, com uma abstenção. O julgamento ocorreu no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), em Florianópolis, durou cerca de cinco horas e terminou às 14h19.

Segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), Moisés retorna ao cargo imediatamente. Ele dará uma entrevista coletiva às 17h para falar sobre a volta ao governo.

“O tribunal, após deliberar, decidiu que o senhor governador Carlos Moisés não cometeu os crimes de responsabilidade descritos na representação e retorna ao cargo imediatamente”, disse o desembargador Ricardo Roesler, presidente do tribunal de julgamento e do TJSC, ao ler a súmula da sessão.

Moisés estava afastado do cargo de governador desde 27 de outubro. Isso ocorreu porque o tribunal especial, em sessão de 24 de outubro, decidiu aceitar a denúncia contra ele e rejeitar a parte referente à vice-governadora, Daniela Reinehr (sem partido). Por causa disso, ela assumiu como governadora interina desde que Moisés foi afastado.

Os integrantes do tribunal de julgamento foram escolhidos em 23 de setembro. No Tribunal de Justiça catarinense, foi feito um sorteio para a seleção dos cinco desembargadores: Cláudia Lambert, Rubens Schulz, Sérgio Rizelo, Carlos Alberto Civinski e Luiz Felipe Siegert Schuch.

Já na Alesc, houve uma votação. Os deputados selecionados foram: Kennedy Nunes, Laércio Schuster (PSB), Luiz Fernando Vampiro (MDB), Maurício Eskudlark (PL), e Sargento Lima (PSL).

Como votaram

Contra o afastamento definitivo:

Desembargadora Cláudia Lambert

Desembargadora Rubens Schulz

Desembargador Sérgio Rizelo

Desembargador Carlos Alberto Civinski

Deputado Laércio Schuster (PSB)

Deputado Maurício Eskudlark (PL)

A favor do afastamento:

Desembargador Luiz Felipe Siegert Schuch

Deputado Kennedy Nunes

Deputado Sargento Lima (PSL) – a favor do impeachment

Abstenção:

Deputado Luiz Fernando Vampiro (MDB)

Como foi a votação

A sessão teve início às 9h09 e foi aberta pelo presidente Roesler. Durante a manhã, deputado Kennedy Nunes (PSD), que era relator do processo, fez um pedido de vista coletivo, mas pouco antes das 14h voltou atrás e a votação teve início nominalmente.

Antes, porém, os julgadores puderam fazer manifestações individuais, a partir do meio-dia. Os membros do tribunal anteciparam o voto para rejeitar e aceitar o pedido de impeachment já nas falas.

Primeiro a se manifestar na sessão, o defensor público Ralf Zimmer Junior, autor do processo de impeachment, defendeu a tese de que Moisés cometeu crime de responsabilidade. Na sequência, dois advogados de acusação, Leandro Maciel e Péricles Prade, usaram a bancada da assembleia para falar sobre o processo.

O governador também poderia se manifestar, mas preferiu não comparecer à sessão. Ele acompanhou o julgamento da Casa D’Agronômica. Somente Marcos Probst, advogado de defesa, falou.

Logo após o resultado, Daniela se manifestou. Em uma mensagem em uma rede social, elogiou as instituições e se colocou à disposição do governador.

“A Comissão Mista decidiu hoje pelo retorno do governador Carlos Moisés. Em que pese ter havido desgastes, as instituições mostraram-se maduras para identificar possíveis erros e adotar medidas de controle suficientes e adequadas para a manutenção da democracia e do bem público”, escreveu.

Como a denúncia chegou até o tribunal de julgamento?

Pedido de impeachment foi aceito pela Alesc em 22 de julho.

Oito dias depois, 29 de julho, a assembleia abriu oficialmente o processo. Foi feita uma comissão especial dentro da Alesc para analisar a denúncia e o relator escolhido foi Luiz Fernando Vampiro (MDB).

Em 15 de setembro, a comissão votou por unanimidade por aprovar o relatório e seguir com a denúncia. O alvo, além de Moisés e da vice, também era o ex-secretário de Administração, Jorge Tasca, mas ele pediu exoneração e foi retirado do processo.

Votação do relatório em plenário na Alesc por todos os deputados, o que ocorreu em 17 de setembro. Foi feita, primeiramente, votação da denúncia contra a vice-governadora, depois em relação ao governador. Nos dois casos, os deputados escolheram dar prosseguimento ao processo de impeachment.

Após a etapa, foi formado o Tribunal Especial de Julgamento, que afastou Moisés, mas absolveu Reinehr.

Validação da Justiça

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) validou a equiparação dos salários dos procuradores do Estado em julgamento realizado na quarta (25) em Florianópolis. A decisão pela legalidade do aumento do salário saiu um dia após a governadora interina anular o ato administrativo de janeiro de 2019 que autorizava o pagamento.

Os desembargadores decidiram que o reajuste dado aos procuradores do Estado é legal e que deve ser retroativo à data em que foi autorizada por Carlos Moisés, em janeiro de 2019. O julgamento levou quase quatro horas.

Governo interino

Daniela Reinehr assumiu o governo de forma interina em 27 de outubro. Desde então, ela fez várias mudanças no alto escalão. Foram trocados os nomes na Procuradoria-Geral do Estado (PGE), Casa Civil, Casa Militar, Articulação Nacional e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável.

No governo de Reinehr, também foi autorizada a volta às atividades presenciais nas escolas em regiões classificados como risco grave para a Covid-19. Inicialmente, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) havia suspendido a medida, mas voltou atrás após recurso da PGE.

Em 17 de novembro, a governadora interina testou positivo para o coronavírus. Ela teve sintomas leves e não precisou tomar medicamentos, segundo o governo do estado. Por causa da doença, ela suspendeu compromissos presenciais e continuou a agenda de forma remota. Na quinta (25), Reinehr anunciou estar recuperada e pronta para retomar atividades presenciais.

Outros pedidos de impeachment

Além desse processo que o afastou temporariamente do cargo, Moisés se defende de outro Tribunal de Julgamento.

O governador responde por crime de responsabilidade na compra de 200 respiradores a R$ 33 milhões pagos antecipadamente e sem garantia de entrega e pela tentativa de contratação de um hospital de campanha em Itajaí.

Em 12 de novembro, a relatora do segundo processo entregou o relatório ao tribunal misto, formado por outros cinco deputados e cinco desembargadores. A data da leitura e votação da denúncia ainda não foi definida.

Um terceiro pedido de impeachment contra o governador foi entregue pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Respiradores à Alesc em 8 de setembro. De acordo com a assembleia, esse documento seguia em análise até a publicação desta reportagem. Um quarto pedido, feito pelo deputado estadual Ivan Naatz (PL), também é analisado.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Talvez tivesse dado aumento aos servidores de base, aquela classe menos favorecida, não tivesse sido absolvido.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

SC: Prefeito que indicou polêmico tratamento com ozônio para Covid-19 é reeleito

Foto: Reprodução

Após ficar marcado pela polêmica de recomendar um tratamento retal com ozônio para combater o novo coronavírus, Volnei Morastoni (MDB) conseguiu, nesse domingo (15), a reeleição como prefeito de Itajaí, em Santa Catarina.

O tratamento indicado por Morastoni, que é médico, não possui comprovação científica e nem recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apesar da vitória em primeiro turno, a diferença entre o médico o e segundo lugar foi de menos de 3%. Volnei Morastoni ficou com 47,98% dos votos válidos (49.888) e, logo atrás, Robison Coelho, do PSDB, com 44,95% (46.734).

Como a cidade tem menos de 200 mil habitantes, não tem a disputa de um segundo turno.

Além do tratamento com ozônio, o prefeito reeleito também já indicou a medicação de pacientes do novo coronavírus com a hidroxicloroquina e invermectina, que também não possuem eficiência comprovada empiricamente contra a doença.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP de SC afirma que não existe “estupro culposo” e que réu foi absolvido por falta de provas

MPSC reafirma que réu foi absolvido por falta de provas por estupro de vulnerável

Não é verdadeira a informação de que o Promotor de Justiça manifestou-se pela absolvição de réu por ter cometido estupro culposo, tipo penal que não existe no ordenamento jurídico brasileiro. Salienta-se, ainda, que o Promotor de Justiça interveio em favor da vítima em outras ocasiões ao longo do ato processual, como forma de cessar a conduta do advogado, o que não consta do trecho publicizado do vídeo.

A 23ª Promotoria de Justiça da Capital, que atuou no caso, reafirma que combate de forma rigorosa a prática de atos de violência ou abuso sexual, tanto é que ofereceu denúncia criminal em busca da formação de elementos de prova em prol da verdade. Todavia, no caso concreto, após a produção de inúmeras provas, não foi possível a comprovação da prática de crime por parte do acusado.

Cabe ao Ministério Público, na condição de guardião dos direitos e deveres constitucionais, requerer o encaminhamento tecnicamente adequado para aquilo que consta no processo, independentemente da condição de autor ou vítima. Neste caso, a prova dos autos não demonstrou relação sexual sem que uma das partes tivesse o necessário discernimento dos fatos ou capacidade de oferecer resistência, ou, ainda, que a outra parte tivesse conhecimento dessa situação, pressupostos para a configuração de crime.

Portanto, a manifestação pela absolvição do acusado por parte do Promotor de Justiça não foi fundamentada na tese de “estupro culposo”, até porque tal tipo penal inexiste no ordenamento jurídico brasileiro. O réu acabou sendo absolvido na Justiça de primeiro grau por falta de provas de estupro de vulnerável.

O Ministério Público também lamenta a postura do advogado do réu durante a audiência criminal, que não se coaduna com a conduta que se espera dos profissionais do Direito envolvidos em processos tão sensíveis e difíceis às vítimas, e ressalta a importância de a conduta ser devidamente apurada pela OAB pelos seus canais competentes.

Salienta-se, ainda, que o Promotor de Justiça interveio em favor da vítima em outras ocasiões ao longo do ato processual, como forma de cessar a conduta do advogado, o que não consta do trecho publicizado do vídeo.

O MPSC lamenta a difusão de informações equivocadas, com erros jurídicos graves, que induzem a sociedade a acreditar que em algum momento fosse possível defender a inocência de um réu com base num tipo penal inexistente.

https://www.mpsc.mp.br/noticias/mpsc-reafirma-que-reu-foi-absolvido-por-falta-de-provas-por-estupro-de-vulneravel

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Deputados aprovam segundo pedido de impeachment contra governador de SC; dessa vez, por denúncia de compra de respiradores artificiais da China, pagos de forma antecipada, mas nunca entregues

(Foto: Maurício Vieira/Secom)

Por 36 votos a favor, dois contra, uma abstenção e uma ausência, o plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) aprovou o segundo pedido de impeachment contra o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) nesta terça-feira, 20. A denúncia aponta crime de responsabilidade na compra de 200 respiradores artificiais da China, pagos de forma antecipada, mas nunca entregues. O processo também investiga a contratação de um hospital de campanha e falta de procedimentos administrativos contra secretários envolvidos nas denúncias.

O processo agora segue para o tribunal de julgamento, que será formado por cinco deputados e cinco desembargadores, sob o comando do presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC), Ricardo José Roesler, e que terão a função de promover o julgamento do caso.

No primeiro processo de impeachment, aprovado no plenário em 17 de setembro, já foi formado tribunal de julgamento e, na sessão marcada para a próxima sexta-feira, 23, os membros analisam o relatório preliminar que poderá afastar o governador e a vice por 180 dias enquanto aguardam julgamento.

Neste processo, o governador e a vice, Daniela Reinehr (sem partido), são acusados de autorizarem a equiparação salarial dos procuradores do Estado sem autorização legislativa. No segundo processo, dos respiradores, apenas o governador responde às acusações.

Se confirmado o afastamento de Carlos Moisés na sexta-feira, 23, quem assume o governo interinamente é o deputado Julio Garcia (PSD), presidente da Alesc.

Garcia também está envolvido em escândalos e foi denunciado duas vezes pelo Ministério Público Federal, na Operação Alcatraz, por corrupção, peculato, fraude em licitação e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de liderar um grupo que se beneficiava de contratos com o governo nas gestões passadas.

Defesa alega inocência

O advogado de Moisés, Marcos Probst, classificou o pedido de impeachment como “uma fraude”, e desqualificou as provas apresentadas na denúncia, como as lives de Moisés e uma declaração do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Adircélio de Moraes Ferreira Júnior, e reiterou que o governador não sabia do pagamento antecipado de R$ 33 milhões pelos 200 respiradores.

Probst voltou a informar que o governador não participou e não autorizou os pagamentos e que, ao saber da denúncia, determinou investigação

A líder do governo, deputada Paulinha (PDT), uma das poucas pessoas em plenário a defender o governador, criticou a tramitação do processo na Alesc e falou em pressa para tirar o governo Moisés do poder. “Não apenas por levar isso tão longe, por achar que estamos prestando um desserviço, mas pela pressa, pelo flagrante uso do regimento para o benefício daqueles que querem o afastamento do governador”, afirmou a parlamentar.

O caso dos respiradores foi denunciado pelo site The Intercept Brasil em 28 de abril, apontando fraudes nos orçamentos apresentados para uma compra com pagamento antecipado e sem garantia de entregas.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) abriu um inquérito no início de setembro, com relatoria do ministro Benedito Gonçalves, para apurar a participação do governador nos indícios de pagamento e a autorização do processo de compra dos respiradores. No início deste mês, neste inquérito, foi determinada apreensão de celular e computador do governador em buscas realizada na residência oficial, em Florianópolis.

Estadão

 

Opinião dos leitores

  1. Partido do Suco de Laranja – PSL
    Partido do Presidente que pegou carona e hoje foge apoiado pelos honestos desse partido.

  2. Cadê o Impeachment de uma (des)Governadora que fez a mesma coisa? Alô Alô Assembleia

    OS 5 MILHÕES SUMIRAM ? ? ? ? ??

  3. Pelo que parece os direitões da direita são errados do mesmo jeito dos erradões da esquerda.

    1. No RN, aconteceu dessa forma até hoje os 5 MILHÕES ñ foram devolvidos. A GOVERNADORA FÁTIMA DO PT e seus Secretários ñ justificaram.
      Aínda tem ñ autoridade moral e política de lançar candidato a PREFEITO DA CAPITAL pêlos desmandos que fez na REFORMA PREVIDÊNCIA, de empobrecer o funcionalismo e principalmente os APOSENTADOS E PENSIONISTAS. Ñ se preocupe GOVERNADORA breve as URNAS abrirão e a resposta seguirá no contexto político. Já no momento GOVERNADORA do seu CANDIDATO RENUNCIAR, pelas suas mentiras e ATRAÇÕES.

  4. A corrupção é o câncer do Brasil, que nos come por dentro : está na esquerda, na direita, como no caso acima, e sempre esteve no centrão.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Governador de SC é alvo de buscas da PF e MP em investigação sobre suposta fraude na compra de respiradores

Governador Carlos Moisés é alvo de investigação por causa da compra de respiradores e de processo de impeachment — Foto: Cristiano Estrela/Secom

A Polícia Federal e a Ministério Público Federal (MPF) cumprem na manhã desta quarta-feira (30) mandado de busca e apreensão na Casa da Agronômica, onde mora o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), em Florianópolis. Ele é alvo de uma operação que investiga a compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões pagos antecipadamente pelo governo. O G1 procurou a defesa de Moisés e aguardava retorno até a última atualização. O Governo do estado informou à NSC TV que por enquanto não vai se manifestar.

Segundo a PF, cinco mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos no estado e dois ex-integrantes do governo, que não tiveram os nomes divulgados, também são alvo da operação.

O mandado foi expedido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e é necessário, segundo o Ministério Público Federal, para apurar a relação de Carlos Moisés com empresários que venderam aparelhos ao estado.

O governador de Santa Catarina é alvo de dois processos de impeachment, um relacionado à compra dos respiradores, em um pedido entregue por 16 pessoas entre advogados e empresários, e outro relacionado ao aumento dado aos procuradores do estado em 2019.

Há ainda um terceiro pedido, também relacionado à compra dos respiradores, que é avaliado pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). Este processo, da questão salarial está sendo julgado por um tribunal mistro entre deputados e desembargadores. O segundo pedido é analisado por uma comissão especial de deputados.

Os respiradores foram comprados em março pelo Governo e não foram entregues. Apenas 50 dos 200 respiradores chegaram ao estado, mas foram apreendidos. Eles também não atendiam à necessidade do estado, segundo o próprio secretário de Estado da Saúde.

A compra foi alvo de investigação da Polícia Civil e Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). A investigação foi enviada pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) ao STF, que em agosto determinou que a Polícia Federal investigasse a compra.

Além disso, uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa de Santa Catarina também investigou a compra e o relatório dos deputados pediu o impeachment do governador, apontando que ele foi omisso. O pedido é analisado pela Alesc e não foi votado.

As viaturas saíram descaracterizadas da Polícia Federal e do MPF logo no início da manhã em direção à Casa da Agronômica, que fica na Avenida Beira-mar Norte, na região central da capital catarinense, a poucos metros das sedes da PF e MPF.

De acordo com o MPF, as investigações sobre a compra desses respiradores apontaram indícios da participação do governador na contratação da empresa Veigamed para fornecimento de 200 respiradores. Segundo a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, o mandado de busca e apreensão foi pedido para averiguar se a ordem de compra partiu do chefe do executivo.

“Há elementos que demonstram a constituição de um esquema criminoso de desvio de dinheiro público”, informou o MPF, que investiga se ocorreu fraude à licitação, peculato, corrupção, concussão, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Está faltando uma voltinha do pessoal da PF aqui no estado, muitas coisas estranhas tem acontecido, principalmente a nível de governo e na SESAP, tem que ir na redinha, favela do mosquito, casas de marmita, etc. Vão descobrir muita coisa.

  2. Como que o gado é engraçado o cara é do PSL , kkkkk , aí querem dizer que ele é PT ,vão chupar à kid bolsonarsta sem futuro

  3. Vermes petistas, a diferença é grande, o Mito não age a favor dos ladrões, seu guru além de agir a favor, queria a parte dele. Corja de fdp!!!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *