Polícia

RJ: Operação mira quadrilha que vende drogas pelas redes sociais e aceita criptomoedas como pagamento

Alluan Araújo, o Alfafa, é apontado como o chefe da quadrilha Foto: Reprodução

Uma quadrilha que vendia drogas pelas redes sociais e até recebia criptomoedas como pagamento, para driblar os órgãos financeiros, é alvo de uma operação da Polícia Civil e do Ministério Público do Estado na manhã desta sexta-feira. Intitulada Operação Batutinha, os agentes têm como objetivo cumprir 18 mandados de prisão e 31 de busca e apreensão. Os acusados atuavam em bairros nobres da Zona Sul do Rio e na Barra da Tijuca. Até as 8h30m, 11 homens já haviam sido presos.

Entre os detidos está Alluan Araújo, o Alfafa, apontado como o chefe da quadrilha. Ele foi encontrado em casa, em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio. Além dele, também foi preso o ex-policial militar Edmilson Gomes da Silva, apontado como o segurança do bonde.

De acordo com os investigadores, a quadrilha fazia os atendimentos pelo WhatsApp e aceitava pagamentos em criptomoedas. As moedas digitais mais utilizadas pelo grupo eram Bitcoin e Ethereum.

O grupo foi monitorado por pelo menos nove meses. As investigações apontaram “a existência de uma verdadeira sociedade empresária criminosa com sofisticada organização para aquisição, armazenamento e distribuição de drogas de alta pureza aos clientes finais que residem em regiões abastadas do Rio de Janeiro”, diz a Polícia Civil.

De acordo com os investigadores, a quadrilha investigada chegou a comprar armamentos, “incluindo fuzis de grosso calibre para proteção e emprego contra organizações rivais, contando ainda com a segurança do ex-policial militar para movimentações de entorpecentes e entregas de grandes valores em espécie”.

Durante o período investigação foram realizadas prisões em flagrante em bairros nobres, perícias criminais e papiloscópicas em veículos utilizados pelos indiciados, análise de conteúdos telemáticos de telefones apreendidos após quebras judiciais que culminaram com a conclusão do inquérito a denúncia dos suspeitos.

O Globo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS E VÍDEOS – Araçatuba – SP: quadrilha ataca agências bancárias e faz moradores reféns(inclusive sobre carros); três pessoas morreram

Fotos: Arquivo pessoal

Criminosos fortemente armados atacaram três agências bancárias no Centro de Araçatuba (SP), no início da madrugada desta segunda-feira (30). Pelo menos três pessoas morreram, segundo a Polícia Civil, sendo dois moradores e um criminoso. Dois suspeitos foram presos. (Vídeo AQUI) e  mais AQUI).

A ação criminosa em Araçatuba, cidade na região noroeste de SP com cerca de 200 mil habitantes, durou duas horas, entre ataque às agências, tiroteio e fuga.

Resumo:

Criminosos, cerca de 20, abordaram pedestres e motoristas e os fizeram reféns na cidade;

Três agências foram atacadas;

Dois suspeitos foram presos;

Reféns foram colocados em cima do carro;

Para monitorar os policiais, os criminosos contaram com o auxílio de drone;

No ataque, grupo usou dez carros; alguns foram abandonados e veículos de moradores roubados na fuga;

PM isolou ruas e orienta que os moradores de Araçatuba não saiam de casa até que a situação esteja controlada, pois há explosivos espalhados pela cidade;

Aulas estão suspensas, segundo prefeito.

Após o ataque às agências, o grupo com cerca de 20 criminosos em dez carros abordou pedestres e motoristas e os fizeram reféns na cidade. Eles também cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.

Em vídeos que circularam nas redes sociais, algumas vítimas aparecem em uma espécie de “escudo humano” dos criminosos e sobre carros. Outras imagens mostram eles atirando pela cidade.

Para monitorar os policiais, os criminosos contaram com o auxílio de drone. Eles também fecharam algumas entradas da cidade com veículos em chamas para evitar que equipes chegassem ao local, segundo a polícia.

Parte dos criminosos fugiu em direção ao bairro Taveira, área rural, onde houve confronto com a polícia. Um criminoso morreu e outro ficou baleado. Ele foi levado à Santa Casa.

A quadrilha abandonou veículos usados no crime e roubou outros de moradores para fugir. Moradores também relataram que encontraram explosivos e munições nas ruas da cidade. Lojas também ficaram danificadas. Uma das ruas interditadas é a Luiz Pereira Barreto, onde mais de dez explosivos foram encontrados.

A Polícia Militar isolou algumas ruas e orienta que os moradores não saiam de casa até que a situação esteja controlada, pois há explosivos espalhados pela cidade e que podem ser acionados por calor ou movimento. Policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foram chamados para desativar os explosivos.

Devido à gravidade da ocorrência, o Batalhão de Ações Especiais da Polícia (Baep) de São José do Rio Preto (SP) também foi acionado para auxiliar no caso.

“É uma sensação horrível, um horror. Moro a poucas quadras do Centro. Ouvi todos os tiros, acompanhando através de vídeos. Não saí de casa e peço à população que fique em casa”, disse o prefeito Dilador Borges.

“Quando iniciou tudo isso, sentimos o drama que seria nossa noite, entrei em contato com o governador João Doria, que através do secretário de Segurança disse que viria reforço de Rio Preto, Bauru e Prudente”, completou Borges.

Com G1 e CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Um país em que o presidente é suspeito de ser integrante de milícia. Uma polícia que se diz inteligente mas que só corre atrás dos prejuízos!! Já que não evitam os ataques, já são centenas, que colocasse armadilhas quando das saídas dos bandidos. É muito simples isso. Basta usar o mesmo “veneno” que eles usam.

    1. Vc quis dizer, um país em que um ex presidente criminoso, bandido é defendido por toda qualidade de gente, como vc, além de defendidos pelo stf, esperar mais o que?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS: PM encontra 8 ovelhas dentro de carro e prende quadrilha suspeita de roubos em propriedades rurais no RN

Fotos: PM/Divulgação

A Polícia Militar encontrou oito ovelhas dentro de um carro de passeio e prendeu oito homens suspeitos de furtos e roubos em granjas, sítios e fazendas na região metropolitana de Natal, durante uma ação policial na madrugada desta quarta-feira (21) na comunidade Rio dos Índios, em Ceará-Mirim, na região metropolitana de Natal. De acordo com a polícia, os presos são suspeitos de assaltos em outros municípios da região, como Macaíba e São José de Mipibu.

Segundo a PM, ação policial se iniciou quando dois carros foram abordados pela equipe da Companhia Independente de Operações e Patrulhamento Rural (Ciopar). Com os suspeitos, além dos animais, os policiais encontraram armas e produtos como roupas e até alimentos roubados de propriedades rurais. Os oito suspeitos foram conduzidos para a Delegacia de Plantão da Zona Norte.

A polícia ainda orientou que pessoas que tenham sido vítimas de roubos em propriedades rurais nos últimos dias procurem a delegacia para tentar reconhecer os suspeitos e os objetos apreendidos.

A notícia tem acréscimo de informações do G1-RN.

 

Opinião dos leitores

  1. Criava as ovelhas/bodes dentro do carro ou estava levando para dá um passeio ???
    Esse dai rouba um de cada vez.
    Político corrupto,rouba todo mundo ao mesmo tempo.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Justiça Federal do RN condena quadrilha especializada em roubo de cargas e Correios

O Juiz Federal Walter Nunes da Silva Júnior condenou nove pessoas que integram uma quadrilha especializada em roubo de cargas. O grupo foi condenado por roubo, porte ilegal de arma, uso de documento falso, corrupção de menor, entre outros crimes. O grupo foi acusado de cometer oito assaltos nos municípios de 2 em Bom Jesus, 2 em Macaíba, 1 em São Pedro do Potengi, 2 em Santa Maria e 1 em Riachuelo.

Em 99 páginas da sentença, o magistrado discorreu sobre os crimes cometidos pela quadrilha e determinou a manutenção da prisão preventiva de nove dos acusados: Eric Dias do Nascimento, Jadenilson Pereira Matias de Sousa, Jackson Firmino Lira da Silva, Gabriel Lucas Félix Barbosa, Judson Bezerra Araújo Batista, Ronald Felipe de Andrade Lunardo e Matheus Gleydson Resende da Silva

Um dos crimes praticados pela quadrilha ocorreu no dia 11 de julho de 2018, em um trecho da BR 304, nas imediações da cidade de Riachuelo, quando foram roubadas mercadorias que eram transportadas de Recife para Fortaleza.

As condenações dos réus foram assim definidas:

Gabriel Lucas Félix : 19 anos de prisão e 487 dias-multas, com cada dia-multa equivalendo a 1/30 do salário mínimo vigente

Jadenilson Pereira Matias de Sousa : 7 anos e 10 meses de reclusão e 78 dias-multa

Maxwell Siqueira Gomes : 29 anos e 11 meses de prisão e 1.113 dias-multa

Matheus Gleydson Resende da Silva:  17 anos e 2 meses de prisão e 690 dias-multa

Jackson Firmino Lira da Silva:  9 anos e 5 meses de prisão e 345 dias-multa

Judson Bezerra Araújo Batista:  9 anos e 5 meses de prisão e 345 dias-multa

Eric Dias do Nascimento: 9 anos e 5 meses de prisão e 345 dias-multa

Ronald Felipe de Andrade Lunardo: 9 anos e 5 meses de prisão e 345 dias-multa

João Paulo Queiroz Rodrigues: 7 anos de prisão e 20 dias-multa

https://www.jfrn.jus.br/noticia.xhtml?idNoticia=19246

Opinião dos leitores

  1. Deveriam ter iniciado a vacina pelas pessoas ativas, que pfecisam sair de casa. Começaram pelos idosos qu nao precisam se deslocar num.tempo de pandemia. Agora taî o resultado: idosos vivos e milhares de pessoas ativas mortas.

  2. Vamos lá Manoel F, Samuel Uel, Pixuleco, ZeGado , e outros menos cotados, façam uma vaquinha para defender esses coitados que estavam fazendo algo para sobreviver, esses aí precisam de um olhar social cuidadoso, nasceram pobres, continuam pobres, vcs com certeza podem ajudar.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: Quadrilha de capitão da PM cria túnel e rua para roubar petróleo no RJ; quatro presos

Foto: Divulgação

Agentes da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) prenderam, na manhã desta terça-feira (2), quatro suspeitos de integrar uma organização criminosa especializada em furto de petróleo diretamente de dutos da Transpetro/Petrobras. Ao todo, os agentes visam cumprir cinco mandados de prisão e 14 de busca e apreensão. (VÍDEO AQUI em matéria na íntegra).

Um dos alvos da ação é um capitão da Polícia Militar, que não foi localizado e já é considerado foragido. Segundo as investigações, Marcelo Queiroz dos Anjos, lotado na Diretoria Geral de Pessoal da PM, é um dos líderes do esquema.

Walmir Aparecido Marin, denunciado pelo Ministério Público e empresário do município de Rolândia, no Paraná, já havia sido preso em 2020 na operação Sete Capitães II. Ele era o responsável por levar o combustível furtado até o interior do Paraná.

GIlson Cunha Júnior, que também era responsável por coordenar o transporte do combustível até o receptador, foi um dos presos na operação. O prejuízo com as perfurações realizadas pela organização criminosa é de aproximadamente R$ 2 milhões.

Desde 2015, foram 259 incidentes registrados de tentativas ou furtos consumados de combustível em dutos da Petrobras, de acordo com fontes do G1.

2015 – 11
2016 – 32
2017 – 95
2018 – 69
2019 – 40
2020 – 12 (até setembro)

Abertura de ruas e túneis

As investigações duraram seis meses, iniciando-se após uma perfuração de dutos da Transpetro no município de Guapimirim em junho de 2020.

Os agentes também identificaram perfurações para furto de petróleo em Nova Iguaçu e em Queimados, também na Baixada Fluminense.

Nestes municípios, foram furtados, respectivamente, 47 mil litros e 21 mil litros de petróleo, totalizando 169, 5 mil litros do combustível em três roubos diferentes.

“Chamou a atenção a sofisticação dessa organização criminosa, que passou a furtar milhares de litros da Petrobras, causando um prejuízo de R$ 2 milhões. Conseguimos concretizar pelo menos três furos, feitos com perfeição”, afirmou o delegado André Leiras, delegado titular da Delegacia de Serviços Delegados (DDSD), no Bom Dia Rio.

Em Queimados, os criminosos chegaram a construir um túnel subterrâneo para acessar o duto e também alugaram uma retroescavadeira para abertura de uma via de acesso para caminhões tanque para retirar o petróleo.

Os mandados são cumpridos no Rio, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense e Itaboraí, Região Metropolitana. Também são cumpridas ordens de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

De acordo com as investigações, o petróleo subtraído no Rio de Janeiro era transportado para a cidade de Rolândia (Paraná), para adulteração e revenda.

“Essa investigação será desdobrada para alcançar outros membros dessa organização criminosa”, disse o delegado.

Em 2019, a Delegacia de Serviços Delegados (DDSD) e o Ministério Público prenderam um homem que era o coordenador de um esquema de roubo de combustíveis no interior do Rio.

A ação é comandada por agentes da DDSD e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

G1

Opinião dos leitores

    1. Já sei, tavas mamando numa teta e ele cortou não foi?
      Aprendiz de jumento.

  1. BG
    Este nosso País está dificílimo, BANDIDOS em todas as instituições. E nós pagando a conta com IMPOSTOS ESCORCHANTES

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Quadrilha que atacou Cametá errou cofre e não levou nada de banco, diz governador do Pará

 Foto: Ascom/Governo do Pará

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), disse nesta quarta-feira (2) que a quadrilha que assaltou uma agência do Banco do Brasil em Cametá errou o cofre e não levou nada do banco.

“A quadrilha não obteve êxito. No momento da incursão interna, a quadrilha acabou errando o cofre e não levando nenhum valor da agência bancária”, afirmou o governador.

O ataque teve início pouco antes de 0h desta quarta-feira (2). Ao menos 10 criminosos tomaram as ruas da cidade, que fica a 235 km de Belém, para assaltar a agência, que fica no mesmo prédio da Câmara Municipal da cidade.

A polícia encontrou dois veículos usados na fuga mas, até a publicação desta reportagem, ninguém havia sido preso.

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, na madrugada desta terça (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município em ação para assaltar uma agência do Banco do Brasil.

Monitoramento da região

A equipe do sistema de segurança do estado, com os batalhões especiais da Polícia Militar, o Núcleo de Inteligência da Polícia Civil e mais dois helicópteros estão na região para contribuir com as buscas e investigação.

“Temos que estar alertas porque uma quadrilha como esta, quando faz uma operação desta dimensão, isso custa muito dinheiro e nós temos que estar atentos e alertas na região. Todo o sistema de segurança está em alerta, para evitar que porventura eles tentem uma nova ação em outros municípios, em outras unidades bancárias”, afirmou o governador.

De acordo com as informações do governo do estado, durante a fuga os criminosos deixaram uma caminhonete com explosivos no km 15 da estrada que liga Cametá a Tucurí.

Também foram encontradas dinamites no km-40 da BR-422, ainda em Cametá. Mais adiante, no km-80 da mesma rodovia, mas já no município de Baião, um carro suspeito de ter sido usado na fuga foi encontrado dentro do rio Itaperuçu. A Polícia acredita que os suspeitos seguiram pela mata a partir daí.

Uma equipe do Centro de Perícias Científicas vai periciar os veículos encontrados para buscar identificar digitais. As imagens do câmeras de segurança de circuitos de monitoramento próximo também já foram solicitadas.

Resumo

Uma quadrilha com pelo menos 10 criminosos assaltou uma agência do Banco do Brasil em Cametá, a 235 km de Belém.

A ação começou por volta da meia-noite e durou cerca de 1 hora e meia.

Os bandidos usaram moradores da cidade como escudo humano e atacaram o 32º Batalhão da Polícia Militar do Pará.

Um dos reféns morreu.

Quadrilha usou armas de alto calibre e explosivos.

Os bandidos fugiram de carro e, depois, em barcos.

Ninguém foi preso.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE, e fica próximo à Ilha do Marajó, no norte do estado. Os bandidos deixaram a cidade pela rodovia Transcametá e seguiram pelo rio. Segundo a PM, o grupo fugiu usando carros e barcos – a cidade fica às margens do Rio Tocantins. Não há presos.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Triste do nosso amado Brasil, com regras frouxas e com normas revisadas, os Marginais e Milicianos, compram munição em lojas convencionais sem medo de ser feliz.

    1. Tu acha que esse tipo de bandido compra munição em loja?Tu es um imbecil mesmo.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEOS: Quadrilha sitiou Centro de Criciúma e fez reféns em assalto a banco; criminosos fortemente armados provocaram terror na cidade de SC na madrugada

MAIS VÍDEOS AQUI em texto na íntegra.

Quadrilha usou reféns para bloquear ruas em Criciúma e bloquear a aproximação da polícia — Foto: Reprodução / TV Globo

Uma quadrilha sitiou o Centro de Criciúma, no Sul de Santa Catarina, para assaltar um banco no início da madrugada desta terça-feira (1º). O grupo fortemente armado invadiu a tesouraria regional de um banco, provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, usou reféns como escudos e atirou várias vezes.

Resumo:

Cerca de 30 pessoas encapuzadas assaltaram uma agência do Banco do Brasil no Centro de Criciúma às 23h50 de segunda-feira (30). A ação durou 1 hora e 45 minutos.

Pessoas foram feitas reféns e cercadas por criminosos; houve bloqueios e barreiras para conter a chegada da polícia.

Um PM e um vigilante ficaram feridos. Ninguém morreu.

Criminosos fugiram, e parte do dinheiro ficou espalhada pelas ruas. Valor levado e abandonado não foi calculado até as 7h30. Quatro moradores foram detidos após recolherem R$ 810 mil que ficaram jogados no chão devido a explosão durante o assalto.

Criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Polícia não sabe o total utilizado.

10 carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

Até por volta de 7h30, o Banco do Brasil não havia se pronunciado.

A prefeitura pediu ajuda a batalhões de municípios vizinhos e também para cidades do Rio Grande do Sul.

Criciúma tem cerca de 217 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e fica 200 km ao sul da capital catarinense, Florianópolis, e 285 km ao norte da capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. A economia do município se baseia, principalmente, em exploração de carvão, indústria, agricultura e pecuária.

Reféns sentados na rua

Os primeiros relatos do tiroteio foram feitos por volta da meia-noite. O som dos disparos foi ouvido principalmente na região central de Criciúma.

Imagens nas redes sociais mostraram reféns e pessoas cercadas nas ruas pelos criminosos. Homens foram deixados sem camisa sentados sobre uma faixa de pedestres na rua.

A PM informou que o grupo incendiou um túnel no município de Tubarão (SC) que dá acesso a Criciúma, para tentar impedir que reforços chegassem até o local dos assaltos.

Segundo a PRF, um caminhão com placa de Dumont (SP) foi atravessado no túnel, na BR-101, e foi incendiado. Também foram espalhados miguelitos (apetrechos de metal capazes de furar pneus de carros) para dificultar a ação da polícia e dos bombeiros. O túnel foi liberado após os bombeiros apagarem as chamas.

O delegado Victor Bianco Cruz informou que os criminosos usaram veículos de ‘alta potência e grande valor comercial’, de marcas como Audi, Land Rover, BMW, Mitsubishi e Volkswagen.

“Nós acreditamos, sim, que o valor levado é bastante grande, pelos vídeos que circulam nas redes sociais aqui, onde teria uma enorme quantidade de dinheiro na caçamba de uma caminhonete”, disse o delegado.

Após o ataque, os criminosos fugiram e abandonaram dinheiro no local. Por volta das 2h30, peritos estavam nas ruas para analisar a suspeita de abandono de materiais explosivos. Nas calçadas e nas ruas próximas da ação foram encontradas várias cápsulas de munição, inclusive de fuzil.

Funcionários que pintavam faixas feitos reféns

O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) disse que os reféns foram liberados sem ferimentos. Os homens mostrados em imagens divulgadas em rede social sentados em uma rua, usados como uma barreira pela quadrilha, eram funcionários do município que pintavam faixas de trânsito.

Durante a madrugada, Salvaro orientou aos moradores que ficassem em casa.

“A cidade neste momento tá sitiada. São criminosos aí muito bem preparados. Certamente vieram de outros estados da federação. Recomenda-se que você fique em casa”, disse à 1h.

Polícia fala em ‘novo cangaço’

A PM informou que buscou reforços. Segundo o tenente-coronel Cristian Dimitri Andrade, do 9ª Batalhão da Polícia Militar (9º BPM), agentes de Araranguá, Tubarão e Içara se deslocaram para a cidade.

“Uma quadrilha do crime organizado, que é especializada em assalto a banco. A gente chama de modalidade ‘novo cangaço’. Eles fazem assaltos simultâneos, atacam quarteis, como atacaram no batalhão também”, disse o tenente-coronel ainda na madrugada.

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) e o Choque da PM de Florianópolis também foram acionados.

Fuga

Durante a fuga, pelo menos um malote de dinheiro foi abandonado pela quadrilha. Cédulas e cápsulas também ficaram espalhadas pelas ruas.

Segundo o prefeito, os criminosos fugiram em comboio.

PM e vigilante baleados

Ao menos um policial militar e um vigilante foram baleados. Conforme Andrade, o policial foi atingido na região do abdômen e foi levado ao hospital. O estado de saúde dele é considerado estável.

Ainda não há informações sobre o estado de saúde da outra vítima.

G1-SC

 

Opinião dos leitores

    1. Ela só apoiou governo que incentivou a disseminação das facções pelo Brasil inteiro, hj em cada rua, bairro, cidade e estado tem uma facção comandando e foi a partir do governo petralha que o pcc e cv, com o beneplácito do luladrão, antes do pt só tínhamos notícias deles em SP e RJ respectivamente. Com certeza teve boi na linha.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Quadrilha abandona dinheiro após assalto e tiroteio em Criciúma-SC; quatro homens são presos com R$ 810 mil

Veículo incendiado pelos criminosos em Criciúma — Foto: Janniter de Cordes

A quadrilha que invadiu o prédio de uma agência bancária para roubar cofre da tesouraria, na madrugada desta terça-feira (1º), deixou diversas notas de dinheiro jogadas pelas ruas de Criciúma, no Sul de Santa Catarina.

Quatro homens foram detidos pelo furto das cédulas abandonadas pelos criminosos. Segundo a Polícia Civil, eles foram encontrados em um apartamento com mais de R$ 810 mil dentro de duas malas. Dois suspeitos de 24 anos e outros dois de 27 e 28 anos devem ser encaminhadas ao Presídio Regional. Além disso, a polícia encontrou espalhado pelas ruas cerca de R$ 300 mil.

Segundo a polícia, foi levado o dinheiro do cofre, que era o alvo do grupo de criminosos. O valor total do roubo ainda não foi divulgado. A explosão provocada durante a ação danificou estrutura da tesouraria regional, que fica anexa a uma agência bancária, no Centro do município.

Além disso, o bando fortemente armado provocou incêndios, bloqueou ruas e acessos à cidade, atirou contra o Batalhão da Polícia Militar, usou reféns como escudos. Durante a ação, que durou pouco mais de uma hora, os criminosos efetuaram diversos disparos. Duas pessoas ficaram feridas: um policial militar e um vigilante.

Responsável pelo caso, o delegado Ulisses Gabriel afirmou o dinheiro que a quadrilha não conseguiu levar ficou abandonado pelas ruas, bolsas e mochilas. Todas as notas já foram recolhidas e a polícia vai tentar identificar se mais pessoas pegaram o dinheiro.

“Eles [assaltantes] não conseguiram carregar todo o dinheiro. Na verdade, tem quatro presos aqui que se aproveitaram da situação. O dinheiro ficou caído e quando a minha equipe chegou no local, inclusive tinha um individuo tentando carregar o dinheiro e a gente fez a abordagem”, afirmou o delegado.

A suspeita da polícia é de que pelo menos 30 pessoas participaram da ação. Após o assalto, os criminosos fugiram em comboio. Segundo o delegado Anselmo Cruz, da Divisão Estadual de Investigação Criminal (Deic), dez veículos utilizada pelos criminosos foram localizados em Nova Veneza, que fica cerca de 200 quilômetros do município.

Por volta das 5h50, a equipe do esquadrão antibombas estava no local e utilizava um robô para retirar cerca de 30 quilos de explosivos que foram deixados pelo grupo criminoso no local.

Os primeiros relatos do tiroteio foram feitos por volta meia-noite e duraram mais de uma hora e meia. Imagens nas redes sociais mostraram reféns e pessoas cercadas nas ruas pelos criminosos. O som dos disparos foi ouvido principalmente na região central.

G1-SC

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Operação Cyber Lance, com policiais civis de MG, RJ, SP e DF desarticula quadrilha de falsos leilões de veículos

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Um grupo criminoso que aplicava golpes por meio de falso leilão virtual de veículos foi desarticulado pela Operação Cyber Lance, da Polícia Civil de Minas Gerais, nesta quarta-feira (4). A ação, comandada pela Delegacia de Polícia Civil de Unaí (MG), contou com o apoio operacional das polícias civis dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro e do Distrito Federal. Estão sendo cumpridos 27 mandados de busca e apreensão e dez de prisão preventiva.

Segundo as investigações, a organização criminosa é especializada na prática de crimes eletrônicos por meio da criação de sites falsos de leilão virtual de veículos, com ofertas de bens com valores bem inferiores aos praticados pelo mercado. Os investigados foram identificados pela Polícia Civil de Minas Gerais, com apoio do Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas (Seopi/MJSP).

Após ofertar e fechar o lance, o criminoso entrava em contato com a vítima e solicitava o envio de comprovante de depósito bancário para assegurar a aquisição do veículo. A partir de então, a vítima não conseguia mais contato com os responsáveis pelo site.

“Os criminosos tiram proveito desse cenário para alcançar cada vez mais vítimas. Nesse contexto, inserem-se os crimes praticados por meio de sites falsos de leilão de veículos na internet. Ao criarem esses sites falsos, muitos dos quais com excelente layout, os criminosos promovem falsas ofertas de veículos a preço abaixo de mercado, o que atrai facilmente as vítimas”, disse o coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas, Alessandro Barreto.

Somente este ano, foram registradas mais de 900 ocorrências de fraudes por meio da realização de falso leilão em Minas Gerais, com um prejuízo estimado às vítimas de cerca de R$ 50 milhões. Na cidade de Unaí, foram identificadas nove vítimas, que perderam R$ 577 mil com os golpes.

Durante a investigação foram localizados mais de mil sites fraudulentos de veículos. As polícias civis de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e do Distrito Federal ainda cumprem medidas de bloqueios de contas bancárias e de criptomoedas, apreensão de veículos, sequestro de imóveis e remoção de sites falsos hospedados no exterior.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Excelente ação da polícia civil. Espero que os criminosos sejam presos, e confiscados todos os bens e os valores em dinheiro que estão em posse desses bandidos. Brava polícia civil, va em frente.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Membros de quadrilha de roubo de carga que agia no RN, PB e PE eram investigados desde julho; delegado detalha

Operação da PRF no bairro do Bessa, em João Pessoa, apreendeu documentos e celulares de suspeitos de integrar grupo que atua no roubo de cargas — Foto: Walter Paparazzo/G1

O portal G1-RN destaca que uma operação contra uma quadrilha suspeita de roubos de cargas no Rio Grande do Norte, na Paraíba e em Pernambuco prendeu dois homens, na noite dessa quinta-feira (22) em Mamanguape, na Paraíba também deu voz de prisão a um homem que já estava detido em um presídio potiguar, nesta sexta-feira (23). A quadrilha é investigada desde julho e cometeu pelo menos sete crimes no RN, segundo o delegado responsável. O número total de crimes praticados nos três estados não foi informado.

A Operação Cargas, realizada em conjunto pela Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal, foi deflagrada na noite dessa quinta (22), com a prisão dos dois homens na Paraíba. O suspeito que recebeu voz de prisão no RN, na manhã desta sexta-feira (23), estava no presídio de Ceará-Mirim, na Grande Natal, desde o dia 15 de outubro, após ter sido preso em flagrante com uma carga de caixas de água roubada. Um quarto homem, que também teve mandado de prisão expedido pela Justiça potiguar, continua foragido.

Nesta sexta-feira (23), um mandado de busca e apreensão também foi cumprido em Parnamirim, na região metropolitana de Natal. Outros dois foram cumpridos pela PRF em João Pessoa.

De acordo com o delegado Joacir Rocha, da Delegacia Especializada de Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (Deprov) do RN, a quadrilha era investigada desde julho e os alvos dos mandados são apontados como os cabeças dos roubos. Veja todos os detalhes AQUI em reportagem na íntegra.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF prende integrantes de quadrilha que confeccionava cédulas falsas de “ótima qualidade”

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) prendeu ontem (2), no interior de São Paulo, três pessoas que faziam parte de uma quadrilha responsável pela impressão de cédulas falsas de 10, 20, 50 e 100 reais. De acordo com a PF, a quadrilha, que fabricava essas notas com ótima qualidade, já vinha sendo investigada em Birigui e Araçatuba há mais de um ano na Operação Matriz 188. Foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão nas duas cidades e todos os integrantes já tinham passagem criminal por esses e outros crimes.

Segundo a PF, a organização usava máquinas diversificadas e técnicas gráficas diversas para simular os itens de segurança das cédulas verdadeiras. “Há também suspeita de que possuam matrizes de cédulas de dólar, o que ainda está sendo objeto de investigação”, diz a PF.

As investigações da PF mostraram que nos últimos três anos, a quadrilha colocou em circulação milhares de cédulas falsas. As notas apreendidas e retiradas no comércio chegam a 996 exemplares de 10 reais; 58.738 de 20 reais; 15.234 de 50 reais; e 3.012 de 100 reais. Nesta soma não entram as notas apreendidas ontem. “No total foram produzidas até o momento, por esta organização criminosa, 77.980 cédulas falsas, somando mais de R$ 2 milhões em dinheiro falso retirado do mercado brasileiro”, esclareceu a Polícia Federal.

Um dos integrantes da quadrilha permanece foragido, porque não foi encontrado em sua casa. Emtretanto, no local foram encontradas notas que seriam vendidas pela internet e enviadas pelo correio. Segundo a PF, no laboratório encontrado na casa desse integrante havia cédulas prontas e em fase de confecção, impressão e acabamento. “Também foi apreendida grande quantidade de aparatos para falsificação de moeda, como papéis, impressoras, tintas, equipamento gráfico pesado e material de acabamento”.

Os detidos serão encaminhados para a Cadeia Pública de Penápolis, no interior de São Paulo e se julgados culpados responderão pelos crimes de moeda falsa, cuja pena é de 3 a 12 anos de reclusão e pelo delito de organização criminosa, com pena de 3 a 8 anos de reclusão.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Delegado diz que quadrilha de pistoleiros não participou das mortes de Marielle e Anderson

Leonardo Gouvea da Silva , o Mad, é conduzido por um agente logo após ser preso. Foto: Hermes de Paula / Agência O Globo

O delegado titular da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), Daniel Rosa, disse, nesta terça-feira, que a principal quadrilha de matadores de aluguel do Rio não participou dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. O bando foi alvo de uma operação das Polícias Civil e do Ministério Público do Rio. A Polícia Civil só descobriu a existência de integrantes do grupo de matadores de aluguel que atuava no Rio, há mais de 10 anos, justamente por causa das investigações do Caso Marielle.

Ao tentar buscar os autores dos homicídios da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, os investigadores ouviram três deles, em agosto de 2018. No entanto, a partir de outubro daquele ano, após denúncia anônima para a DHC apontando o sargento reformado Ronnie Lessa como assassino da parlamentar, a atuação do bando foi descartada.

— Inicialmente, o Escritório do Crime foi a nossa primeira linha de investigação. A partir de uma apuração mais profunda, descobrimos que o grupo não participou do homicídio da Marielle. Além de termos provas de que Ronnie Lessa executou Marielle, momentos antes da morte dela, o grupo de Mad (Leonardo Gouvêa da Silva) assassinava outra vítima, Marcelo Diotti. Em razão deste confronto de horários, vimos que o grupo não poderia ser responsável por matá-la — esclareceu Daniel Rosa.

O empresário Marcelo Diotti foi morto na noite do dia 14 de março de 2018, quase ao mesmo tempo em que Marielle e Anderson eram assassinados. O delegado ressaltou ainda que o crime contra Diotti ocorreu num restaurante da Barra da Tijuca, enquanto o da vereadora foi no Estácio.

— Ronnie Lessa foi quem matou Marielle. Apesar de ele ter aproximação com o Escritório do Crime, nós nunca tivemos este dado concreto de ele ter integrado o grupo criminoso. O Escritório do Crime é um verdadeiro grupo de matadores de aluguel. Grupo muito perigoso contratado por outras organizações criminosas para matar seus desafetos — concluiu o delegado.

Prisão de Mad

Apontado pela polícia e pelo MP como o chefe da quadrilha, Leonardo Gouvea da Silva, o Mad, foi preso em casa, na Vila Valqueire, Zona Norte do Rio. Ele foi surpreendido pelos agentes quando estava dormindo. De acordo com as investigações, Mad herdou a chefia o grupo do ex-capitão do Batalhões de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, morto em fevereiro deste ano. Adriano teria se afastado do bando para se dedicar a duas milícias na Zona Oeste do Rio.

As mortes ocorreram em 14 de março de 2018, na Rua Joaquim Palhares, no bairro do Estácio, na Zona Norte do Rio. Um Cobalt prata fechou o Agile branco onde estavam Marielle, Anderson e uma assessora parlamentar, que escapou com vida. Marielle tinha acabado de sair de um evento chamado “Jovens Negras Movendo as Estruturas”, realizado na Rua dos Inválidos, na Lapa, e seguia para a sua casa na Tijuca. Ela foi a quinta vereadora mais votada do Rio nas eleições de 2016.

Facção conta com informações privilegiadas

O quadrilha de pistoleiros se destaca das demais que praticam o mesmo tipo de crime pelo grau de sofisticação das ações. Seus integrantes jamais usam celulares pessoais, trocando de chip pré-pago do aparelho, constantemente. Outra característica da organização criminosa é planejar com cuidado as ações, mediante levantamento prévio, a partir de informações privilegiadas, para a escolha da melhor oportunidade. A opção geralmente recai sobre áreas sem câmeras de vigilância, pouco movimentadas e próximas à rotas de fuga.

Operação ‘Anjo’: Advogado de Queiroz é o mesmo que defendeu Adriano Nóbrega, acusado de chefiar milícia e morto em fevereiro

Por serem policiais e ex-PMs, conhecem bem a máquina administrativa e têm uma farta rede de informantes. Seus carros são cuidadosamente escolhidos e adulterados desde seus acessórios até as placas, que são clonadas para confundir o monitoramento por câmeras e despistar eventuais rastreamentos. Após essa etapa de preparo, os criminosos estudam os hábitos e as rotinas das vítimas.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. "Além de termos provas de que Ronnie Lessa executou Marielle, momentos antes da morte dela, …"
    Seria dificílimo executa-la após sua morte.

  2. A delegação do vizinho e pai de uma namoradinha do filho do Naro pode esclarecer muita coisa.

  3. Não sei quantos anos se passaram do assassinato de Celso Daniel, prefeito de s. André, município da grande S. Paulo. As nove testemunhas do caso, morreram em acidentes nunca descobertos. Esse caso de Marielle e seu motorista Anderson, ainda vai ter alguns anos pela frente para ser apurado. Isso é o Brasil de todos os Brasileiros.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTO: Quadrilha usa explosivos durante ação criminosa no Banco do Brasil no interior do RN e ainda faz reféns durante fuga

Foto: Redes Sociais

A Polícia Militar registrou uma ação criminosa que teve sequência uma explosão em uma agência bancária em Umarizal, no Oeste potiguar, na madrugada desta sexta-feira (31). De acordo com a PM, pelo menos seis bandidos chegaram ao local em dois carros roubados, entraram pela porta da frente do banco, arrombaram portas e fizeram uma explosão para tentar abrir o cofre da agência. A polícia não informou se os criminosos conseguiram roubar dinheiro da agência. Aparentemente, os caixas eletrônicos da agência bancária não foram afetados.

Segundo a PM, diversas cápsulas de calibres 9 e 12 mm foram encontradas no chão em frente ao banco. Ainda na ação criminosa, duas pessoas que estavam em uma praça próxima ao local foram feitas de reféns e libertadas pelos criminosos após a quadrilha sair da cidade. A Polícia Militar ainda confirma que na fuga com destino desconhecido, os bandidos espalharam grampos pelas ruas da cidade para dificultar a perseguição.

A assessoria de comunicação do Banco do Brasil confirmou a ação de criminosos no estabelecimento e informou que a agência não abrirá nesta sexta. O banco disse que não informa valores roubados durante ataques às suas dependências e que vai colaborar com as autoridades policiais na apuração da ocorrência. Segundo a assessoria, não há previsão de reabertura da agência.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: PRF prende quadrilha de estelionatários em Mossoró

Foto: Divulgação/PRF-RN

Em Mossoró/RN, no Km 37 da BR 304, às 01:40 dessa quinta-feira (3), foram apreendidos 22 ingressos falsos, R$ 2.667,00 em espécie e uma máquina de cartão de crédito. Foram presos dois homens de 41 e 42 anos respectivamente, ocupantes de um veículo Novo Gol.

A dupla foi detida na saída de um show que estava sendo realizado na Arena Partage em Mossoró. Ocorrência encaminhada à Delegacia de Polícia Civil local.

Após a prisão da dupla e novas diligências feitas pela PRF em parceria com a Policia Civil, foram apreendidos mais material usado nas falsificações como impressoras e presos mais cinco homens com idades entre 33 e 58 anos, integrantes da quadrilha.

Eles encontravam-se hospedados em pousadas e hotéis, mas já haviam saído dos locais. Todos foram presos na estação rodoviária. Os detidos fazem parte de uma mesma quadrilha especializada em falsificação de ingressos para grandes shows.

Os estelionatários são oriundos de vários estados como, Ceará, Maranhão, Bahia, Rio Grande do Norte e São Paulo.

https://www.youtube.com/watch?v=HPLmndh4GcU

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Quadrilha é presa em PE com carga de produtos eletrônicos roubada no RN; caminhão transportava TVs, celulares, videogames e mais

Foto: Klênyo Galvão/Inter TV Cabugi

O portal G1-RN destaca nesta sexta-feira(16) que quatro homens suspeitos de terem roubado uma carga de produtos eletrônicos foram presos na noite dessa quinta-feira (15) em Itapissuma, na região Metropolitana do Recife. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a mercadoria estava sendo transportada em um caminhão-baú, que foi interceptado pela quadrilha quando passava pela BR-304, no município de Caiçara do Rio do Vento, na região Central potiguar. O caminhão transportava TVs, celulares, videogames e brinquedos, e foi trancado por três carros na altura do km 222. Veja todas as informações em texto na íntegra aqui.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Operação Forró: MPF denuncia delegado da Polícia Civil no RN por envolvimento com quadrilha

Denúncia contra Sílvio Fernando já foi recebida pela Justiça Federal, que decretou indisponibilidade de bens no valor de R$ 58 mil

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o delegado aposentado da Polícia Civil Sílvio Fernando Nunes Silva por receber propina de dois grupos investigados pela Operação Forró, ligados à exploração de jogos de azar com uso de máquinas eletrônicas (os chamados caça-níqueis) montadas com componentes de importação proibida. Em troca, ele permitia a continuidade das atividades ilegais. Agora poderá responder pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha (art. 288, parágrafo único, do Código Penal, em sua redação originária).

O dinheiro – pelo menos R$ 58.170 – era recebido em espécie e acabava depositado em sua conta, de forma fracionada para tentar fugir aos mecanismos de controle. Os valores foram recebidos entre setembro de 2011 e abril de 2013, quando Sílvio Fernando era titular da Delegacia Especializada em Defesa do Consumidor (Decon), que incorporou as funções da Delegacia Especializada em Costumes (DEC), responsável pela repressão aos jogos de azar. A Justiça Federal já determinou a indisponibilidade de bens do réu, até a quantia de R$ 58.170.

Dos demais envolvidos, o MPF aponta a relação direta dele com, pelo menos, o policial militar reformado José Anselmo Soares Filho e o seu amigo Wagner Miguel de Araújo Galvão, conhecido como “Novinho do Gás”. Os dois ajudavam a dar proteção ao “grupo dos cariocas” e ao “grupo de Paulinho”, que mantinham diversos pontos de jogos de azar na capital potiguar.

Ambos serviam de intermediários do delegado e cobravam uma média de R$ 3 mil por semana de cada um dos grupos. “Em consequência das promessas e dos repasses de vantagens pecuniárias indevidas, ele (Sílvio) realmente se omitiu de seus deveres funcionais e viabilizou a contínua exploração de jogos de azar”, ressalta a denúncia. Em 2013, a movimentação financeira do delegado foi mais que o dobro de seus rendimentos líquidos recebidos formalmente da Polícia Civil.

Sacolinha – A participação do delegado no esquema foi apontado por um dos líderes do grupo dos cariocas, Eduardo Madureira, em acordo de colaboração premiada. Segundo ele, pelo recebimento das propinas o titular da Decon ficou conhecido como “Sílvio Sacolinha”. Foram autorizados, então, os afastamento dos sigilos fiscal e bancário e a análise dos dados revelou que Sílvio “efetivamente se associou, de modo estável e permanente” aos dois grupos criminosos.

Eduardo relatou um encontro no estacionamento de um shopping de Natal para tratar do pagamento de propina, do qual o próprio delegado participou. Na ocasião foram cobrados R$ 7 mil para a abertura de uma nova casa de jogos, além da quantia semanal. Somado a conversas telefônicas interceptadas pela Operação Forró (deflagrada em dezembro de 2013), Sílvio Fernando também é citado direta ou indiretamente em várias mensagens de celular trocadas pelos demais criminosos.

Operações fakes – Em uma dessas mensagens, eles falam de operações de combate promovidas por outras delegacias e indicam que as ações eram consideradas uma forma de “desmoralizar Sílvio”. Algumas vezes as ações eram da própria Decon, contudo serviam mais como forma de pressão para garantir que as propinas continuassem a ser repassadas. Nesses casos, não eram adotadas todas as providências devidas. O delegado lavrava simples termos circunstanciados de ocorrência e deixava de apurar a provável prática do crime de contrabando, não enviando os equipamentos para perícia e muito menos tomando medidas para remessa dos elementos à Polícia Federal ou à Justiça Federal

Os envolvidos chegaram a lamentar a saída de Sílvio da delegacia, em 2013, o que dificultou o andamento dos “negócios” dos dois grupos. Há conversações, inclusive, no sentido de buscar algum nome que permitisse a continuidade do esquema de propina, já que com o delegado que tomou o seu lugar não “teria esquema”. Os criminosos reclamam que o novo titular teria dito que “vai atrás de tudo” e “falou que vai moralizar a delegacia”. Também há diálogos lamentando os pedidos recorrentes para que a propina paga fosse aumentada. Chegou a se cobrar um valor de R$ 6 mil semanais de cada grupo, para que nenhuma casa de jogos fosse reprimida.

Moto – A proximidade de Sílvio com Wagner Miguel também ficou clara. Em um computador deste, apreendido pela “Operação Forró”, foi encontrado arquivo contendo planilhas de 2009 em que constam pagamentos ao lado da menção: “moto Dr. Silvio”. O delegado declarou que nunca teve uma motocicleta, porém as investigações do MPF demonstraram que, na época e até hoje, existia e existe uma cadastrada em seu nome. Diversos cheques de Sílvio, totalizando R$ 6 mil, também foram emitidos para a empresa de “Novinho do Gás”, mantido em nome de sua sobrinha.

Além da condenação pelos crimes, o MPF requer o pagamento de danos morais causados por suas condutas, “especialmente à imagem da Polícia Civil do Rio Grande do Norte”, em um valor mínimo de R$ 58 mil, atualizado com juros e correção monetária; assim como a decretação da perda de sua aposentadoria.

A ação penal irá tramitar na Justiça Federal sob o número 0802910-44.2019.4.05.8400.

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *