Novo estudo revela risco maior em regiões costeiras devido à elevação no nível dos mares

Foto: maria.adjuto

Um novo estudo revelou que o aumento esperado no nível do mar, causado pelas mudanças climáticas, poderia colocar em risco três vezes mais pessoas em regiões costeiras do que as estimativas anteriores.

O periódico britânico Nature Communications publicou nessa terça-feira (29) o estudo, coordenado por cientistas do Climate Central, um grupo de pesquisa americano sem fins lucrativos.

O estudo utilizou um novo modelo digital de elevação, baseado em inteligência artificial, para examinar dados de 135 países.

Ele revela que até 340 milhões de pessoas vivem em locais cujas projeções indicam vulnerabilidade a inundações anuais até 2050.

Estima-se que, na Ásia, 237 milhões de pessoas que vivem em regiões costeiras poderiam estar expostas a inundações crônicas mesmo se emissões de carbono forem reduzidas aos níveis definidos pelo Acordo de Paris.

O número inclui 5,3 milhões de pessoas que residem na costa do Japão, e representa 700 mil pessoas a mais do que o estimado anteriormente.

*Emissora pública de televisão do Japão

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Verdade disse:

    Lorata nada. Apesar de vermos com certa frequência debates sobre o aquecimento global, com pessoas que negam as mudanças climáticas, argumentando que o fenômeno trata-se de uma farsa, o consenso de que o Homem é o principal responsável pelas mudanças climáticas é cada vez maior no meio científico. Quem afirma isso é o pesquisador John Cook, principal autor de um estudo de 2013 publicado na Environmental Research Letters. Olha aqui https://canaltech.com.br/meio-ambiente/99-dos-cientistas-concordam-que-mudancas-climaticas-sao-causadas-pelo-homem-144917/

  2. Emerson disse:

    Lorota.

Trump comemora elevação da cota de importação de etanol pelo Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comemorou a elevação da cota brasileira para importação anual de etanol em medida que foi publicada no “Diário Oficial da União” durante o último fim de semana.

“O Brasil permitirá que mais etanol americano entre no país sem tarifas, uma decisão que as usinas brasileiras estão comemorando”, escreveu o presidente americano no Twitter. “A reação aparentemente contra intuitiva deriva do tom das negociações em andamento entre a nação sul-americana e os EUA para um acordo comercial”, completou.

A cota passou de 600 milhões para 750 milhões de litros ao ano, sem a tarifa de 20% para produtos fora do Mercosul.

Para Trump, essa medida está trazendo “grandes progressos para agricultores”. “Será ainda melhor para o etanol e nós vamos salvar as nossas pequenas refinarias.”

Valor

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. WASHINGTON disse:

    TEM QUE ZERAR E DAR CONDIÇÕES PRA OS PRODUTORES DA QUI DO BRASIL POSSAM COMPETIR , SE NÃO VAI ACABAR COM A PRODUÇÃO BRASILEIRA. BG PODE DIZER COMO É AS CONDIÇÕES DOS PRODUTORES DA QUEI?

  2. Raimundo disse:

    Livre mercado, a indústria nacional pressionará para cair tarifas internas para competir com o álcool que vai entrar e esta competição será boa para o consumidor, protecionismo é bom no curto prazo mais deixa a indústria obsoleta devido à falta de competitividade. Países fechados não desenvolvem sua indústria

  3. Anti-Político de Estimação disse:

    "Em decisão que prejudica gravemente o Nordeste, ameaçando quase 500 mil empregos, o governo elevou em 25% a cota de importação de etanol americano com imposto 0%, passando de 600 para 750 milhões de litros anuais. O Brasil abrirá mão de R$270 milhões em impostos de importação. O anúncio coincide com a visita de Eduardo Bolsonaro a Washington. É outra vitória da máfia dos distribuidores, atravessadores no mercado, na tentativa de enfraquecer os produtores do Nordeste".
    Deu na coluna do Claudio Humberto, um notório anti-petista. Será que é para isso que querem empurrar o menino de Bolsonaro para a Embaixada em Washington ??????????

  4. Dilermando disse:

    Lá eles querem salvar as refinarias. Já aqui a ordem é para acabar com tudo….