Diversos

Burger King e Tim Hortons anunciam fusão para criar gigante do fast food

A rede de fast food Burger King anunciou nesta terça-feira (26) a fusão com a companhia canadense de cafés Tim Hortons.

Com a aquisição, as duas companhias passam a formar a terceira maior cadeia de fast food do mundo, com 18 mil lojas em mais de cem países e faturamento anual de US$ 23 bilhões.

O Burger King é controlado pelo fundo 3G Capital, dos brasileiros Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles, que já haviam se unido para a compra da Heinz, em outubro de 2013. Com a compra da Tim Hortons, a 3G seguirá no comando da nova companhia, detendo 51% de suas ações.

A fusão das empresas ainda precisará ser aprovada pelos acionistas da companhia e por órgãos regulatórios nos Estados Unidos e no Canadá. A aprovação da compra pelo Burger King já foi garantida e anunciada pela companhia, visto que o fundo 3G atualmente possui cerca de 70% das ações da empresa.

A rede de lanchonetes e a companhia de cafés continuarão a operar como marcas independentes e não trocarão de sede. A nova companhia, contudo, será sediada na província de Ontario, no Canadá.

Para concretizar a fusão, o Burger King adquiriu financiamentos que somam US$ 12,5 bilhões. Destes, US$ 9,5 bilhões vieram de um pacote de dívidas firmado com os bancos JP Morgan e Wells Frago.

Os US$ 3 bilhões restantes vieram do Berkshire Hathaway, holding do megainvestidor Warren Buffett. Segundo comunicado aos acionistas, o Burger King reafirma que a holding é “simplesmente uma fonte de financiamento e não terá participação na administração e operação do negócio”.

No documento, o Burger King se compromete a manter as ações sociais, sistemas de franquias e quadro de funcionários ativos da Tim Hortons no Canadá e afirma que a fusão irá gerar uma economia de custos.

“Além das sinergias de vendas criadas pelo crescimento internacional acelerado [das marcas], espera-se que a transação leve à economia de gastos por meio da influência da companhia em escala global e do compartilhamento e implementação de melhores práticas”, diz o comunicado.

“Nosso tamanho combinado, símbolos internacionais e trajetória de crescimento e liderança na indústria irão trazer valores e oportunidades esplêndidas aos acionistas do Burger King e da Tim Hortons, aos nossos funcionários dedicados, às franquias fortes e aos parceiros”, afirmou Alex Behring, presidente executivo do Burger King. Com a fusão, ele acumulará este cargo e a função de diretor da nova companhia.

“Estamos animados para construir sobre este progresso, ao continuarmos a expansão do Burger King pelo mundo e ansiosos para aprender com a Tim Hortons”, disse Daniel Schwartz, CEO do Burger King, que será CEO do grupo.

Marc Caira, presidente da Tim Hortons, será indicado à vice-presidência e à diretoria da nova empresa.

O novo conselho será composto por oito diretores atuais do Burger King e três membros da Tim Hortons, a serem indicados.

As ações da companhia gerada pela fusão serão negociadas nas Bolsas de Valores de Nova York e Toronto.

IMPOSTOS

De acordo com o jornal, a fusão do Burger King tem como principal objetivo a redução de impostos. Com o acordo com a Tim Hortons, a rede de lanchonetes terá sinal verde para criar uma holding com sede no Canadá, onde a tributação é menor.

A tendência já foi criticada pelo presidente Barack Obama e por assessores da Casa Branca, que prometeram medidas do governo para reduzir a prática, que afeta os cofres americanos.

Desde 1998, cerca de 40 companhias de diferentes setores fizeram aquisições planejadas, mudando a sede das empresas para obter vantagens tributárias.

Dados da consultoria e auditoria KPMG mostram que o imposto sobre as empresas canadenses é de 26,5%, enquanto nos EUA é de 40%.

Burger King – 2º tri/2014
Receita US$ 261,2 milhões
Lucro operacional US$ 151,5 milhões
Lucro líquido US$ 75,1 milhões
Número de funcionários 2,4 mil (não inclui franquias)
Tim Hortons – 2º tri/2014
Receita US$ 874,3 milhões
Lucro operacional US$ 192,4 milhões
Lucro líquido US$ 125,4 milhões
Número de funcionários 2,3 mil (não inclui franquias)

Folha Press

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Garota encontra cérebro de animal em refeição de famosa cadeia de fast-food

156Uma garota encontrou um cérebro de galinha em sua refeição. Flora Thomas, de apenas 16 anos, ficou horrorizada quando descobriu que em seu pedaço de frango que estava prestes a consumir existia um ‘cérebro’.

“Foi absolutamente repugnante. Todo mundo estava muito chocado e todos nós nos sentimos muito doentes. Eles nos ofereceram um substituto, mas tomamos um milkshake em vez disso”, comentou Flora ao portal Metro.

A adolescente comprou uma refeição no KFC – um fast-food com mais de 60 anos de existência e com 5.000 lojas em todo o mundo, inclusive no Brasil. A empresa surgiu de um pequeno restaurante dentro de um posto de gasolina no Kentucky, EUA.

Ela disse: “Eu não acho que eu vou para a KFC novamente. Eu já ouvi histórias, mas nunca pensei que iria acontecer comigo”.

Oficialmente, a loja se desculpou com Flora e disse que fez uma reciclagem de seus cozinheiros para garantir que deslizes não ocorram novamente.

157Um porta-voz da empresa comentou ao Bornemouth Eco: “Porque todos os nossos frangos são preparados à mão, infelizmente, em raras ocasiões, o erro humano pode significar que um “miúdo” não seja removido no processo de preparação e parece que é isso o que ocorreu neste caso”.

De acordo com o jornal britânico Metro, esta não é a primeira vez que algo assim ocorre na empresa. No início de 2013, outras duas clientes mostraram insatisfeitas quando encontraram órgãos como o cérebro em suas refeições.

R7 via Jornal Ciência

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Funcionários do Burger King, McDonald´s e Wendy´s entram em greve nos EUA

fastfood1Funcionários de redes de fast food nos EUA entraram em greve nesta quinta-feira, para protestar por melhores salários. Segundo organizadores ouvidos por agências e sites internacionais, as manifestações atingem pelo menos 60 cidades, como Nova York, Chicago, Detroit e Seattle, e mobiliza trabalhadores de restaurantes como McDonald’s, Burger King e Wendy’s.

É o mais recente episódio de uma luta por melhores salários da categoria, que já dura cerca de um ano. A principal exigência dos trabalhadores é o aumento do salário mínimo — que está em US$ 7,25 por hora desde 2009 — para US$ 15 por hora.

— Você tenta se levantar e só cai ainda mais. Todos nós estamos na mesma crise financeira. Nós estamos tentando cuidar de nossas famílias e de nosso sustento — disse Shantel Walker, de 31 anos, que ganha salário mínimo em uma pizzaria em Nova York, em entrevista ao site da CNBC.

Casos como o de Walker ilustram uma mudança de paradigma: cada vez mais as vagas em redes de fast food são ocupadas por adultos, e não por adolescentes. Segundo a reportagem da CNBC, dados do Escritório de Estatísticas de Emprego dos EUA mostram que apenas 16% dos postos de trabalho no setor são ocupados por adolescentes. Há uma década, esse percentual era de 25%. Ainda de acordo com a estimativa, mais de 42% dos empregados em restaurantes desse tipo têm mais de 25 anos e ensino superior.

Em nota, o McDonald’s respondeu que a história da rede é marcada por histórias de sucesso:

“Nossa história é cheia de indivíduos que tiveram o primeiro emprego no McDonald’s e prosseguiram em carreiras de sucesso, dentro e fora do McDonald’s”.

O Instituto de Políticas de Emprego (EPI, na sigla em inglês) também critica a greve, afirmando que o efeito pode ser inverso ao desejado, com um aumento de demissões, caso os salários comecem a subir.

— Você pode aumentar os preços e perder clientes ou então automatizar esses postos de trabalho. A ideia de que restaurantes estão nadando em dinheiro não representa a situação das franquias — afirmou o diretor de pesquisas do EPI, Michael Saltsman.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

[FOTOS] McDonald's terá maior loja da rede dentro da Vila Olímpica dos jogos de Londres

O McDonald’s terá o maior restaurante e cardápio da rede durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Londres. Focada em sustentabilidade, a marca levou três anos entre planejamento e execução do projeto, instalado na Vila Olímpica do evento.

Ao todo, o restaurante tem 1.500 lugares, incluindo 70 em um balcão no segundo piso, e cerca de 500 funcionários. O maior da rede em todo o mundo. Entre as inovações, estão as filas expressas, com pagamento sem dinheiro, e equipamentos de cozinha com dispositivos que diminuem o consumo de água e energia.

O fast food também recolherá e reciclará o óleo usado, que será transformado em biodiesel para abastecer caminhões durante as entregas no Reino Unido. Após o evento, 75% dos materiais serão reutilizados e alguns itens reciclados para serem reaproveitados e distribuídos entre os restaurantes futuros e já existentes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Rede de fast-food inaugura loja com conceito premium em Natal

Hoje (19), às 16h, o Pittsburg, considerada uma das maiores redes de fast-food do Nordeste, lança uma nova loja em Natal, dessa vez com o diferencial de trazer o conceito premium, em Petrópolis, bairro nobre e polo gastronômico. A proposta é oferecer ao cliente uma experiência exclusiva e diferenciada, com refinamento, conforto e a qualidade encontrada em todas as lojas da rede.

Para a loja Pittsburg Premium, um cardápio cheio de novidades foi desenvolvido exclusivamente. Além dos diferenciais no atendimento, ambiente sofisticado e conforto, os sanduíches e demais produtos serão servidos de um modo diferente, em elegantes pratos. Para manter a qualidade e padrão elevados, a rede continua em investir nos melhores produtos disponíveis no mercado e por dispor de alimentos com produção local. Uma receita de sucesso que só cresce há 25 anos.

Mais uma inovação que a rede traz para o mercado de fast-food em Natal será o sistema de inauguração em soft-opening (sistema de pré-inauguração) ou “período de testes” em que os clientes conhecem o projeto e podem participar dos ajustes finais antes da abertura oficial. Segundo Kleber Carlos Carvalho, presidente da rede Pittsburg, a loja piloto no conceito premium é uma aposta do grupo e tende a expandir muito rapidamente. “Vamos testar a receptividade do conceito com essa primeira loja em Petrópolis e o objetivo é expandir a ideia”.

Serviço
Inauguração do Pittsburg Premium
Dia e horário: Quinta (19) | 16h
Local: Rua Potengi, 594, Petrópolis
Informações: (84) 4008-7000 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Consumidor alega encontrar lesma em prato do Giraffas

Crédito: Alexadre Mattos

O leitor Alexandre Mattos teve uma surpresa desagradável ao almoçar no Giraffas do West Shopping, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio, na terça-feira (7). Depois de comer quase toda a refeição servida pela loja da rede, ele percebeu que havia uma lesma em sua salada.

“Fui falar com o gerente, que me pediu desculpas. Porém, é um episódio lamentável que desculpas somente não resolvem, e sim a saúde pública”, protestou Mattos no relato enviado ao Eu-Repórter.

Segundo o Giraffas, as unidades que recebem reclamações pertinentes são punidas, “conforme previsto no contrato de franquia.” A empresa garantiu que, diante de casos do tipo, a empresa realiza investigações “independentes e próprias (…), o que pode envolver também os fornecedores da empresa”. De acordo com a companhia, “os responsáveis pelos restaurantes possuem obrigação contratual de seguir as normas estipuladas pelo Manual de Boas Práticas de Fabricação – BPF da Anvisa”, além de padrões próprios adotados pela rede.

A empresa também afirmou manter “uma equipe de consultores próprios que fazem a fiscalização de todas as franquias da rede para se certificarem da correta aplicação das normas do manual de Boas Práticas de Fabricação pelos restaurantes”, além de contar com uma “consultoria externa contratada que realiza trabalhos de vistoria técnica de conformidade e de cliente oculto em todas as suas unidades.” Clientes podem fazer reclamações diretamente à rede pelo telefone 4003-1551.

A Vigilância Sanitária municipal disse realizar “vistorias de rotina” no estabelecimento em intervalos de, em média, dois meses, mas não informou até o começo da noite desta quarta (8) quando visitou a filial do Giraffas no West Shopping pela última vez. No dia 19 de outubro do ano passado, a loja teve sua câmara frigorífica interditada durante uma operação do órgão. Técnicos retornaram ao local dias depois para desinterdição da câmara.

O consumidor pode fazer denúncias e reclamações à Vigilância Sanitária municipal pelo telefone 1746.

Fonte: Blog Eu Repórter/O Globo

Opinião dos leitores

  1. Não sou mais cliente do girafas pelos motivos:
    1 – Atendimento Péssimo.
    2 – Demora de mais de quarenta minutos para entregar um simples sanduíche.
    3 – Os pedidos nunca estão completos. Sempre falta alguma coisa. (Molho, batata, bacon) Já aconteceu do pedido "Brutus" vir SEM A CARNE.
    4 – Economia das porções. Nos pedidos de refeiçoes as porção de batata grande é menor
    que o pedido da porção de batata pequena.
    5 – As bandejas nunca vem com guardanapos, nem com saches de ketchup ou mostarda. Economizam até nos canudos para sucos e refrigerantes.
    6 – Qualidade do produto é duvidosa. Encontram-se pequenas lascas de osso no meio da carne.

  2. Apoiar a greve na Bahia ? Ta brincando né ? Greve nao se faz armado, com vandalismo, muito menos ameacando a populacao.

  3. "Esse tipo de operação de transferência de grandes numerários é normal que aconteça duas ou três vezes por ano em Natal." E todas as vzs esse aparato todo foi utilizado e ninguém viu? Estranho…..

  4. BG, recentemente fui com meu sobrinho ao girafas do natal shopping, e no prato dele encontrei um pedaço de plastico de uns 3 cm, reclamei, mas eles alegaram que não trabalhavam com plástico, fica a dica pra quem leva criança até o estabelecimento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *