Estudo indica que 2019 pode terminar como o 2º ano mais quente desde 1880

Não é a toa que o dicionário Oxford escolheu duas palavras (e não uma, como de costume) para representar o ano de 2019: emergência climática. A coisa está esquentando mesmo!

No último dia 18 de novembro, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), agência científica dos Estados Unidos, publicou um estudo que classifica 2019 como possivelmente o segundo ano mais quente dos últimos 140 anos. A NOAA monitora a temperatura global tanto nos oceanos quanto na superfície desde 1880.

De acordo com o levantamento, entre janeiro e outubro deste ano, a temperatura nos oceanos e na superfície ficou 0,94 °C acima do que a média de 14,11 °C para esse período em todo o século 20. O recorde, porém, ainda pertence ao ano de 2016, que registrou nesses meses uma alta de 1,19 °C em relação à média para essa época do ano ao longo do século passado.

Os locais do planeta com a maior alta de temperatura foram Alasca, noroeste do Canadá e a Rússia central – onde os termômetros se mantiveram ao menos 2 °C acima da média. Já o centro-norte dos Estados Unidos e centro-sul do Canadá apresentaram temperaturas 1°C abaixo da média para janeiro e outubro.

Temperaturas acima do normal também foram registradas no centro-sul da África, em Madagascar, na Ásia, na América do Sul e nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico.

Outubro

Também chama atenção no estudo que outubro de 2019 foi um dos mais quentes dos últimos 140 anos. Com uma média de 0.98 °C acima da média para o mesmo mês em todo o século 20, outubro deste ano foi o segundo mais quente desde 1880. O recorde ainda é de outubro de 2015.

Os rankings dos dez meses de outubro mais quentes dos últimos 140 anos está concentrado a partir de 2003 – mas o top 5 fica com os cinco outubros entre 2015 e 2019.

Segundo o levantamento, essa é a 43ª vez consecutiva que a temperatura neste mês fica acima da média em relação a outubros do século 20. Os recordes nos termômetros em outubro deste ano aconteceram principalmente no norte e no oeste do oceano Pacífico, no nordeste do Canadá, no sul do oceano Atlântico, na África, na Europa, no Oriente Médio, na América do Sul e no oceano Índico.

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    Lembrando aos alardeados, que essa matéria não tem nenhuma relação com a farsa do aquecimento global que vcs costumam acreditar. A "temperatura global" tem ciclos de esfriamento e aquecimento com origens naturais, sem a influência do homem, desde milhares de anos. Atualmente estamos no longo ciclo de esfriamento. Não deixem a temperatura pontual de uma região alimentar a farsa do aquecimento global.

Julho de 2019 foi o mês mais quente da história no planeta, diz agência americana

Foto: REUTERS/Peter Nicholls/Direitos Reservados

O mês de julho foi o mais quente no planeta nos últimos 140 anos, informou nessa quinta-feira (15) a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA na sigla em inglês).

Os dados da agência americana confirmam conclusões divulgadas no início do mês pelo serviço europeu Copernicus sobre mudança climática, que também havia apontado julho deste ano como o mês mais quente já registrado.

Segundo os cientistas da instituição americana, durante o mês de julho a média global das temperaturas foi 0,95°C superior à média de todo o século 20, que foi 15,77°C, o que torna julho de 2019 o mês mais quente nos registros da agência, que começaram em 1880.

No relatório, a NOAA lembrou que nove dos dez meses de julho mais quentes da história foram registrados desde 2005, sendo os dos últimos cinco anos os que tiveram as maiores temperaturas.

O calor sem precedentes em julho reduziu o gelo nos Oceanos Ártico e Antártico a mínimos históricos. O gelo do Oceano Ártico atingiu uma baixa recorde em julho, ficando 19,8% abaixo da média – superando a baixa histórica anterior, de julho de 2012. O gelo marinho médio da Antártica, por sua vez, ficou 4,3% abaixo da média de 1981-2010, atingindo seu menor tamanho para julho nos registros de 41 anos.

A NOAA afirmou que 2019 foi o ano com maiores temperaturas até o momento em partes da América do Sul e do Norte, Ásia, Austrália e Nova Zelândia, assim como na metade meridional da África e em porções do oeste do Oceano Pacífico, do oeste do Oceano Índico e no Oceano Atlântico. O Alasca teve seu mês de julho mais quente desde que começou a fazer registros, em 2005.

Recordes de temperatura também foram quebrados em diversos países europeus, como a Alemanha, Bélgica ou Holanda. Em Paris, por exemplo, os termômetros marcaram 42,6°C, a temperatura mais alta já registrada na capital francesa, ultrapassando o recorde anterior de 40,4°C alcançado em 1947.

Nesse sentido, o relatório americano ressaltou que entre janeiro e julho deste ano, a temperatura global esteve 0,95 graus acima da média do século passado, que foi de 13,83 graus centígrados, empatando com 2017 como o segundo ano mais quente até o momento (2016 é considerado até hoje o ano mais quente).

As conclusões confirmaram os dados divulgados pelo Serviço de Mudança Climática Copernicus, da União Europeia, em 5 de agosto, embora a margem do novo recorde em comparação com o último, em julho de 2016, tenha sido maior de acordo com os dados dos Estados Unidos.

O novo recorde é ainda mais notável porque o anterior seguiu um forte El Niño, que aumenta a temperatura média do planeta independentemente do impacto do aquecimento global.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ALEX DE MESQUITA disse:

    SÓ NÃO FOI AQUI EM NATAL….