Geral

Estudo mostra presença do SARS-CoV-2 em águas residuais do Brasil antes de 1º caso na China

FOTO: EDUARDO VALENTE/ESTADÃO CONTEÚDO

Pesquisadores da universidade de Burgos, na Espanha, e da Universidade Federal de Santa Catarina, coordenaram um estudo que demonstra a presença do SARS-CoV-2, o novo coronavírus que provoca a covid-19, em águas residuais do Brasil ainda em novembro de 2019.

Conforme informou nesta terça-feira (8) a instituição espanhola, o estudo, publicado pela revista Science of the Total Environment, analisou especificamente a presença do patógeno em águas residuais em Florianópolis.

Todos os resultados da pesquisa indicavam que o SARS-CoV-2, provavelmente, circulava sem ser detectado no Brasil desde aquela época, dois meses antes da notificação do primeiro caso na América do Sul, em 21 de janeiro de 2020 e um mês antes da confirmação dos primeiros positivos em Wuhan, na China.

No estudo, foram analisadas as águas residuais humanas de Florianópolis, recolhidas diretamente da rede de esgoto, para a detecção do novo coronavírus, durante o período de outubro de 2019 e março de 2020.

O patógeno foi detectado mediante diferentes sistemas de RT-qPCR, recomendados por centros de controle de doenças dos Estados Unidos, Europa, entre outras. Todos os resultados positivos de amostras foram confirmados posteriormente por laboratório independente.

Para corroborar a veracidade das conclusões, foram sequenciados os produtos de RT-qPCR para confirmar a identidade com o SARS-CoV-2, e foi feito um estudo de sequenciação direto e completo das amostras de água residual.

Além disso, as amostras de três análises posteriores (de dezembro de 2019, fevereiro e março de 2020) deram positivo em todos os testes RT-qPCR, inclusive com um forte aumento nas amostras colhidas no início de março do ano passado.

Esta é a primeira detecção da presença do RNA do vírus SARS-CoV-2 no continente americano, e indica a presença e circulação do patógeno 56 dias antes da primeira notificação oficial de um caso clínico de Covid-19 no continente, e mais de 90 dias antes do primeiro positivo no Brasil.

Os resultados também demonstraram que a carga viral do novo coronavírus se manteve constante de novembro de 2019 até março de 2020, para em seguida sofrer aumento que coincidiu com o início dos casos em Santa Catarina.

R7

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

RN criou 4.796 novos postos de trabalho formal no mês de novembro; 6º mês consecutivo com saldo positivo no estado

O Rio Grande do Norte criou 4.796 novos postos de trabalho formal no mês de novembro de 2020., segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta (23), que ainda apontam que, embora tenham sido registrados 9.147 desligamentos no mês passado, também foram contabilizadas 13.943 mil admissões, o que resulta no saldo positivo.

Segundo o Caged, esse foi o sexto mês consecutivo com saldo positivo na geração de empregos no estado – o crescimento acontece desde junho. O estado teve uma série negativa de janeiro a maio, com o pico sendo atingido em abril, mês já afetado pela pandemia do coronavírus, com 8.303 empregos deixando de existir.

Entre os municípios, o maior saldo positivo em novembro, de 2.175 vagas, foi registrado em Natal; seguido por Mossoró, com 712; e Parnamirim, com 515 novos postos.

Entre os setores, o melhor saldo no mês, de 2.088 novas vagas, foi observado no setor de comércio. Já o segmento de serviços, ganhou 1.942 postos de trabalho.

No acumulado do ano, o saldo também é positivo, com 3.257 novas vagas. Nos primeiros 11 meses deste ano, o estado registrou 125.679 contratações e 122.422 demissões.

Com acréscimo do G1-RN

Opinião dos leitores

  1. Porreta essa afirmação kkkkkkkkkkkkk , vamos agora viver de ilusões, pense num cabra arretado e verdadeiro. Provavelmente GD está trabalhando num quintal que a gente não vê, óbvio que assessorada por sua corja de incompetentes, que coloca uma cortina para ninguém ver o seu compromisso e trabalho.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Emprego formal no Brasil tem melhor resultado da série histórica em novembro com criação de 414,5 mil vagas com carteira assinada no mês

Foto: © Agência Brasília

Pelo quinto mês consecutivo, o número de contratações com carteira assinada superou o de demissões no Brasil. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quarta-feira (23) , o país criou 414.556 vagas de emprego em novembro. O número é o melhor da série histórica da pesquisa, iniciada em 1992.

Diante da sequência de dados positivos, o saldo acumulado em 2020 ficou positivo pela primeira vez e chegou a 227.025 postos de trabalho criados ao longo do ano.

O desempenho no ano foi motivado especialmente pelo programa do governo que permitiu a suspensão de contratos de trabalho e a redução de salários e jornada, medida que, segundo especialistas, evitou um número maior de demissões.

Ao avaliar os dados, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o fato dos setores de comércio e serviços, os mais atingidos pela pandemia, com 179.261 e 179.077 postos respectivamente, terem sido destaques na geração de emprego, significa o Brasil apresenta uma “retomada em V da economia”.

“Como eu disse, o Brasil está surpreendendo o mundo. As reformas prosseguiram, em ritmo mais lento, mas seguem acontecendo, e a economia brasileira voltou em V, como poucos acreditavam. Em vez da destruição de 1,5 milhão de empregos, como na recessão de 2015, da destruição de 1,3 milhão em 2016, nós já estamos, antes de chegarem os dados de dezembro, com 227 mil empregos criados”, destacou.

Vacinação

Guedes agradeceu a resiliência dos brasileiros neste ano e disse que todo o esforço em 2021 será para uma vacinação em massa contra a covid-19.

“Foi um ano muito difícil para todos nós. Eu espero que vocês se mantenham em boa saúde e celebrem a vida com as famílias. No que vem, nossa esperança, e nosso trabalho, vai ser a vacinação em massa para salvar vidas, garantir um retorno seguro ao trabalho e garantir a retomada do crescimento econômico brasileiro”, afirmou o ministro.

Texto, título e linha fina foram alterados às 12h05. O texto foi ampliado com a inclusão de declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. PARABÉNS PRESIDENTE BOLSONARO, a sua preocupação constante com a ECONOMIA mostra os bons resultados.
    Enquanto muitos influenciados pelo PÂNICO difundido pela mídia lixo não enxergavam a importância da questão, o PRESIDENTE corajosamente alertava para a necessidade de salvar os empregos e a economia do país.
    Os bons resultados agora chegam, e mostram que o país vai conseguir superar a pandemia sem quebrar toda a economia, salvando muitos empregos e evitando assim a miséria, a fome, e vários outros males decorrentes.

  2. Resultado esperado, pois com a enxurrada de demissões no início da pandemia e com a retomada da econômia nos últimos meses, essas pessoas teriam que ser recontratadas novamente.

  3. Manoel, Pixuleco e Samuel Uel, meninos traquinas onde vcs estão? Vamos ler e fazer o dever de casa, se vcs pensam que vão continuar na ignorância, esmola, desemprego e analfabetismo estão enganados. Precisamos de vcs, temos muito o que fazer, depois da terra agarrada deixada por nove dedos e a Anta.

    1. Eu não estou na ignorância. Não tenho político corrupto de estimação! Por mim tanto lulaladrao como o MINTOmaníaco já estariam presos junto com toda a corja de políticos corruptos. Mas aqui no Brasil a gente eh roubado e ainda se apega a defender esses nossos empregados!!! Quanto a matéria em questão, como o desemprego está muito alto, eh normal a retomada indicar altos índices também…

    2. O Brasil esfolado, economia só os frangalhos, dólar nas alturas, inflação para pobre altíssima, desemprego galopante, tarifas públicas subindo a toda hora, gasolina acima de 5 reais e o idiota feliz.
      A gente nao merece esse tipo de gente.

    3. Alguém esqueceu que estamos em um período de PANDEMIA que ainda não acabou, com muitas restrições, e o Brasil mantém o crescimento de emprego e PIB acima da média mundial. Na Europa com as medidas restritivas falta alimentos e NEM COM PREÇOS MAIS ELEVADOS a população consegue comprar, por aqui , país em desenvolvimento você encontra tudo nas prateleiras, e os índices positivos batendo recordes por que será?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Desemprego diante da pandemia atinge 14 milhões em novembro; aumento da população desocupada ocorreu, principalmente, na região Nordeste

Desempregados diante da pandemia, em milhares. — Foto: Economia G1

O desemprego diante da pandemia do coronavírus bateu novo recorde em novembro, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o levantamento, o Brasil encerrou o mês de novembro com um contingente de 14 milhões de desempregados, aumento de 2% frente a outubro (13,8 milhões), e de 38,6% desde maio (10 milhões), quando começou a série da pesquisa.

Com isso, a taxa de desemprego ficou em 14,2% em novembro, ante 14,1% no mês anterior e 10,7% em maio.

Os dados são da última edição da PNAD Covid-19, lançada neste ano pelo IBGE para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal no Brasil.

“Esse aumento da população desocupada ocorreu, principalmente, na região Nordeste. Nas demais regiões ficou estável, sendo que no Sul houve queda na desocupação”, destacou a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Viera.

Já a população ocupada subiu para 84,7 milhões, aumento de 0,6% em relação a outubro (84,1 milhões), e, pela primeira vez desde o início da pesquisa, apresentou contingente superior ao de maio (84,4 milhões).

O nível de ocupação, no entanto, segue bem baixo. Ficou em 49,6% em novembro, ou seja, menos da metade da população em idade para trabalhar estava ocupada.

“A população ocupada se aproximou do patamar de março, apesar da taxa de desocupação maior. Isso porque temos mais pessoas pressionando o mercado de trabalho em busca de uma ocupação. Esses números refletem a flexibilização das medidas de distanciamento social, com mais pessoas mês a mês deixando de estar fora da força de trabalho”, destacou Maria Lucia.

Em novembro, a taxa de informalidade ficou em 34,5%, a mesma do mês anterior, o que corresponde a 29,2 milhões de pessoas.

Flexibilização do isolamento

Segundo a pesquisa, em novembro, 11,1% de toda a população do país se dizia rigorosamente isolada, em distanciamento social. Em outubro esse percentual era de 12,4%. Em julho, chegou a 23,3%.

A região Norte (8,8%) apresentou o maior percentual de pessoas que não fizeram restrições, e o Nordeste, o maior percentual de pessoas que ficaram rigorosamente isoladas (12,8%).

“Entre os 211,7 milhões de residentes, 10,2 milhões (4,8%) não fizeram nenhuma medida de restrição em novembro, 97,9 milhões (46,2%) reduziram o contato, mas continuaram saindo de casa, 79,3 milhões (37,5%) ficaram em casa e só saíram por necessidade básica e 23,5 milhões (11,1%) ficaram rigorosamente isolados”, informou o IBGE.

9,1% dos trabalhadores em trabalho remoto

Segundo o IBGE, em novembro, 94,8% da população ocupada não estavam afastados do trabalho que tinham, contra 94,4% em outubro. Os que trabalharam de forma remota (à distância, home office) representaram uma fatia de 9,1% (7,3 milhões de pessoas) da população ocupada. Em outubro, o percentual era de 9,6% (7,6 milhões de pessoas).

A região Norte tinha o menor percentual de pessoas ocupadas trabalhando remotamente (3,9%) e o Sudeste, o maior (11,8%).

Veja outros destaques da pesquisa:

Em 28 milhões de domicílios, algum morador recebeu auxílio emergencial

28,6 milhões de pessoas fizeram algum teste para a Covid-19 até novembro

22,7% das pessoas (6,5 milhões) que realizaram testes para coronavírus até novembro testaram

10,2 milhões de pessoas não tomaram nenhuma medida de restrição para evitar o contágio

11,2% dos estudantes não tiveram atividades escolares no país, sendo que no Norte esse percentual foi mais que o dobro (25,4%).

204 mil estudantes não realizaram tarefas devido à falta de acesso à internet, 169 mil não conseguiram se concentrar e 154 mil não tinham computador, tablet e celular

G1

Opinião dos leitores

  1. Situação difícil. E o governo bolsominion ainda cortando o acesso aos benefícios previdenciários.

    1. E os governadores do nordeste fazendo “desparecer “ 49 milhões de reais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Arrecadação federal tem melhor desempenho para novembro em seis anos

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A recuperação da economia e o pagamento de tributos adiados no início da pandemia de covid-19 fizeram a arrecadação federal ter, em novembro, o melhor desempenho para o mês em seis anos. No mês passado, o governo federal arrecadou R$ 140,101 bilhões, alta de 7,31% em relação a novembro de 2019 descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

De janeiro a novembro, o governo federal arrecadou R$ 1,32 trilhão. Apesar do repique nos últimos meses, a arrecadação acumula queda de 7,95% em relação ao mesmo período do ano passado, também em valores corrigidos pelo IPCA. Gradualmente, o desempenho da arrecadação acumulada melhora. De janeiro a julho, o encolhimento nas receitas chegou a 15,16% na mesma comparação.

Segundo a Receita Federal, a recuperação de setores da economia, principalmente da produção industrial e do comércio, ajudou a impulsionar a arrecadação em novembro. Isso compensou a queda na arrecadação dos serviços e das importações. Além disso, o pagamento de tributos suspensos no primeiro semestre ajudou a impulsionar a arrecadação em R$ 14,77 bilhões no mês passado.

A arrecadação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) subiu 19,46% acima da inflação em novembro na comparação com o mesmo mês de 2019. Além do crescimento da venda de bens, o tributo reflete o pagamento de PIS/Cofins suspenso no início da pandemia de covid-19.

A arrecadação com as receitas previdenciárias aumentou 10,58% na mesma comparação, beneficiada pelo aumento do emprego formal nos últimos meses. A arrecadação de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) aumentou 9,66% acima da inflação, beneficiada por um recolhimento atípico de R$ 1,2 bilhão em novembro. Alegando respeito ao sigilo fiscal, a Receita Federal não informou em que setor da economia ocorreu o pagamento extraordinário de IRPJ/CSLL.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19 foi 2ª maior causa de mortes no Brasil em novembro; nos EUA, foi 3ª

Foto: Mufid Majnun/Unsplash

O Brasil teve pelo menos 13.933 notificações de mortes por covid-19 em novembro, de acordo com o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde. A marca faz com que a doença seja a 2ª maior causa de óbitos quando considerada a média das mortes para novembro de 2014 a 2018, últimos 5 anos com dados disponíveis.

As mortes causadas pelo novo coronavírus superam o histórico de males como infarto, pneumonia e hipertensão.

Foto: Reprodução/Poder 360

EUA: 3ª MAIOR CAUSA DE MORTES

A mesma comparação mostra que, nos Estados Unidos, país com o maior número de mortes pela pandemia (281.442 até esta 4ª feira, 9.dez), o coronavírus foi a 3ª maior causa de mortes. Foram registrados 37.896 óbitos pela covid-19.

As fontes dos dados desta reportagem são todas oficiais. Para conhecer mais detalhes sobre o que cada país, Brasil e EUA, usam para definir causas de mortes, entre nos sites do Datasus e do CDC (Centers for Disease Control and Prevention).

Foto: Reprodução/Poder 360

MÉDIA DE MORTES NO BRASIL

O cálculo da média de mortalidade nos últimos 7 dias ajuda a entender melhor as mortes pelo novo coronavírus no país. Isso porque reduz o efeito de subnotificações –realidade reconhecida pelo próprio Ministério da Saúde.

O infográfico do Poder360 indica que há menos registros nos finais de semana por causa do regime de plantões nos hospitais, o que pode representar uma distorção nos dados.

Foto: Reprodução/Poder 360

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Teve um pai dos burros aí que disse que não chegaria a 800 mortes no ano.
    Morrem 800/dia e tem quem diga que ele tem razão.

  2. Os zumbis de esquerda estão em polvorosa.
    Cumprindo direitinho as ordens da cúpula da seita.
    Ofendendo e desrespeitando o presidente da República, espalhando fakenews.
    A turma de Maduro quer voltar.
    A turma do Maduro não respeita a democracia, já tomou o poder em vários países e subjugou a população.
    No Brasil, Bolsonaro é quem impede a seita de tomar o poder.
    Por isso, o salve para os zumbis: passem noite e dia nas redes sociais usando apelidos estranhos e critiquem e ofendam o presidente para passar a ideia de que a população não gosta do presidente.
    Aproveitem que não estão dando ou tendo aula ou que passam o dia em casa sem fazer nada.
    Maduro agradece seu empenho.
    Amanhã chega mortadela fresquinha.
    Vão buscar no comitê da seita mais próximo de sua casa.

    1. Paulo zumbi de Maduro. Muda o disco. Bolsonaro está mais parecido com Maduro do que essa sua mente curta e tosca consegue imaginar. Para de repetir o que te dizem e lê um pouco mais. E deixa de perseguir professores e alunos. Não têm culpa de você não ter estudo.

    2. Bolsonaro em constantes afagos com Vladimir Putin(Rússia) e Viktor Orbán(Hungria)e vc querendo falar de… pegue papel higienico e vá limpar os dedos garoto!

  3. Patriota? Cognição e lumpensinato, boa….kkkkkk foi longe a viagem, vcs acabaram……simples assim.

    1. Vai pastar, bezerrão. Fugiu da escola e não entende nada do que lê. Só entende de bordões surrados. Terça Livre te acha mais útil lá do que aqui.

    1. Ele fala essas abobrinhas porque sabe que há uma demanda terraplanista que precisa de mentiras para existir. As pessoas com um mínimo de cognição acham isso um absurdo, mas ele sabe que tem um capital de apoio forte no lumpesinato e isso é o que o move.

    2. Bolsonaristas tem preguiça de pensar e não possuem argumentos pra defender esse desgoverno.
      Eles acreditam que basta ser contra a gestão Bolsonaro pra ser comunista… Hilário!
      Tem um desses acéfalos que chamou o Joe Biden de comunista! Pode? Esses apoiadores do Bozo não passam de papagaios de pirata. São amplificadores da ignorância, do atraso!
      Isso que dá colocar um "ogro" na presidência!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Novembro fecha com maior arrecadação de ICMS da história do RN

Foto: Reprodução

A arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Rio Grande do Norte registrou um recorde de R$ 592.876.883 milhões em volume recolhido em novembro.

Em comparação com o mesmo período ano passado(2019), que registrou um volume de R$ 497.586.038, a diferença, mesmo em tempos de pandemia, foi de mais de R$ 95 milhões.

Opinião dos leitores

  1. Parabéns CADU e equipe parabéns a governadora Fátima, isso é que é trabalho. O RN agradece. Viva o Nota potiguar e outras ações.

  2. Pena que o contribuinte não ver o retorno desse imposto, em educação, segurança, saúde… Vejam que pagamos uma carga tributária altíssima como 29% em combustível, telefonia, energia… É foda!!

  3. E ainda tem gente que tem saudades do ladrão de nove dedos.
    Em plena pandemia, o Brasil em vento e poupa.
    Aqui no RN o investimento do governo Bolsonaro foi monstruoso pra que isso aconteça.
    Pela desgovernadora, era pra está tudo paralizado e o povo em casa.
    Ôôô Presidente véi duro!!
    Ôôô homi bom!!

  4. Uma carga alta de ICMS que a Desgovernadora não pensa em reduzir.
    E por sorte que temos o Melhor presidente do Brasil , que selou para a economia não quebrar.
    Pensem em dois Véios bons e duros Jair Bolsonaro e Paulo Guedes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

2020 tem o novembro mais quente de todos os tempos

Foto: David Becker – 17.ago.2020 / Reuters

O mundo acabou de passar pelo novembro mais quente já registrado, enquanto a Europa teve o outono com temperaturas mais altas, segundo um alarmante relatório do Serviço de Mudança Climática do Copernicus, da União Europeia.

As temperaturas foram mais elevadas em regiões ao norte da Europa, Sibéria e Oceano Ártico, onde o gelo do mar ficou no segundo nível mais baixo da história para o mês de novembro.

Os Estados Unidos, a América do Sul, a África do Sul, o planalto do Tibete, o leste da Antártica e a maior parte da Austrália também registraram temperaturas muito acima da média.

Em todo o planeta, novembro ficou quase 0,8ºC acima da média para os anos de 1981 a 2010, e 0,1ºC mais quente que 2019. E esse calor incomum surgiu mesmo com o efeito de esfriamento do fenômeno La Niña.

Tendência de aquecimento

Na Austrália, um incêndio florestal está há seis semanas fora de controle na região turística de Fraser Island, enquanto algumas partes do país sofrem com uma onda de calor recorde.

“Esses recordes são compatíveis com a tendência de aquecimento de longo prazo do clima global”, disse Carlo Buontempo, diretor do Serviço de Mudança Climática do Copernicus no Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo.

Ele afirmou que novembro foi “um mês excepcionalmente quente” em todo o planeta e as temperaturas no Ártico e no norte da Sibéria permaneceram altas enquanto o gelo do mar ficou no nível mais baixo.

“Essa tendência é preocupante e destaca a importância do monitoramento abrangente do Ártico, enquanto ele se aquece mais rápido do que o restante do mundo”, disse Buontempo.

Ele ressaltou que governantes que priorizam a mitigação dos riscos climáticos “devem ver esses recordes como um alarme” e pensar mais seriamente do que nunca em como cumprir com o Acordo de Paris de 2015.

Cenário perturbador

Os Estados Unidos deixaram o Acordo de Paris em novembro, com o atual presidente Donald Trump alegando que ele “foi projetado para matar a economia norte-americana”. Contudo, o presidente eleito, Joe Biden, prometeu que o país vai voltar ao tratado assim que ele tomar posse.

Dados do Serviço de Mudança Climática do Copernicus mostram que 2020 pode ser o ano mais quente já registrado. Ele está no mesmo nível de 2016, o mais quente até agora, e provavelmente vai igualar o recorde ou excedê-lo levemente, a menos que haja uma queda em dezembro.

O relatório climático anual da Organização Mundial de Meteorologia (WMO, em inglês), divulgado na semana passada, mostrou que 2020 estava a caminho de ser um dos três anos mais quentes da história, atrás apenas de 2016 e 2019.

A WMO informou que a média global de temperatura foi de cerca de 1,2ºC acima dos níveis pré-industriais. Deve-se evitar que as temperaturas globais subam acima de 1,5ºC para que grandes impactos no clima sejam contidos, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da Organização das Nações Unidas (ONU).

Apesar de os dados de dezembro serem decisivos, é quase certo que 2020 será o ano mais quente para a Europa, indicam relatórios do Copernicus. O período de janeiro a novembro foi 0,5ºC mais quente do que o mesmo período de 2019, e ao menos 0,4ºC mais quente do que o mesmo período de qualquer outro ano.

Em setembro, outubro e novembro, a temperatura média na Europa foi 1,9ºC acima da média de 1981 a 2010 e 0,4ºC acima da média de 2006, outono (no hemisfério norte) mais quente até então. A maior parte da Europa viu um calor acima da média, com temperaturas subindo mais nas regiões ao norte e leste do continente.

No Ártico e nas áreas ao norte da Sibéria, as temperaturas têm ficado acima da média para todo o ano de 2020. A cobertura do gelo marinho está particularmente baixa desde o início do verão.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

81 municípios do RN registram aumento no número de casos de Covid-19 em novembro, destaca levantamento

O Rio Grande do Norte teve 81 municípios que registraram mais casos de Covid-19 no mês de novembro em comparação com o mês de outubro. Os dados estão na plataforma de monitoramento do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS). De acordo com levantamento de momento, Natal foi quem mais cresceu no número de casos registrados, com um aumento de 141%. Em outubro, foram 1.434 casos confirmados na capital. Já em novembro, esse número saltou para 3.469 – uma diferença de 2.035 casos.

Outro crescimento relevante aconteceu em Parnamirim, que registrou 831 casos a mais em novembro (1.315) que em outubro (484). Jucurutu, que tem uma população estimada pelo IBGE em cerca de 18 mil habitantes teve 177 casos a mais em novembro (259) que em outubro (82). Caicó, que já tinha registrado 322 casos em outubro, teve 473 confirmados em novembro – 151 a mais. O município de Macaíba, na Região Metropolitana, que tinha registrado 41 casos em outubro, teve 167 confirmados em novembro – 126 a mais. Situação semelhante a de São Gonçalo do Amarante, que teve 105 casos a mais em novembro (160) que em outubro (55). Houve aumento significativo ainda em municípios pequenos, como Passagem, que tinha registrado apenas um caso em outubro e teve 30 em novembro. Passagem tem população estimada em cerca de 3 mil habitantes.

O RN tem atualmente mais de 97 mil casos confirmados de Covid-19 e mais de 2.700 mortes pela doença, segundo a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). O Instituto de Medicina Tropical da UFRN também registrou um aumento de casos confirmados que são analisados no laboratório. Ao todo, novembro teve 2.785 casos confirmados contra 808 em outubro.

Veja lista dos municípios AQUI em reportagem na íntegra do G1-RN.

Opinião dos leitores

  1. Passando ontem pela Zona Sul (Av. Engenheiro Roberto Freire e Ponta Negra) a sensação que tive foi de normalidade e zero fiscalização. Uma dúvida: quais as regras em vigor para as igrejas?

  2. Eleitores vão na casa dos prefeitos e vereadores, para eles custearem as despesas. Muito foram a churrascos, passeatas, carreatas , tá na hora deles mostrarem gratidão pelos votos, cuidado para não serem recebidos a cintadas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Instituto de Medicina Tropical registra aumento de testes positivos para covid-19 em novembro no RN

Foto: Reprodução/IMT

O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou, até novembro, um total de 57.773 testes da covid-19, sendo 49.273 do tipo RT-PCR e 8.500 do tipo sorológico. A unidade registrou ainda um aumento significativo no número de resultados positivos em novembro, aproximando da quantidade que foi registrada nos meses de pico da doença.

Do total de 49.273 testes do tipo RT-PCR, 15.360 foram positivos para covid-19, o que representa cerca de 31% dos exames. Já dos 8.500 testes sorológicos, 1.700 deram positivo, correspondendo a 28% dos exames. O Instituto registrou, em julho, 3.579 resultados positivos para covid-19; em agosto, 1.990; em setembro, 1.190; em outubro, 808; em novembro, 2.785; e, somente no primeiro dia de dezembro, foram registrados 208 testes positivos.

Conforme a diretora do IMT, Selma Jerônimo, havia alertado no início de novembro, a tendência de aumento nos casos se concretizou, o que reforça ainda mais a necessidade de redobrar as medidas de prevenção, como o distanciamento social, a higiene das mãos e uso de máscaras. “Estamos vivendo um momento crítico com relação à pandemia da covid-19, com claro aumento nos casos. Nós voltamos, em novembro, à situação observada em junho e julho. Esse aumento irá repercutir no adoecimento de pessoas com algum tipo de comorbidade. Novamente, haverá uma demanda excessiva dos serviços de saúde com eventual saturação”, analisa a cientista.

Ainda segundo a professora, o aumento de casos da doença observado no Brasil e nos Estados Unidos, além de países da Europa, mostra que aglomeração sem os cuidados preventivos resulta em maior transmissão do vírus. Nessa perspectiva, “atividades que envolvem uma maior quantidade de pessoas têm que ser cuidadosamente planejadas, asseguradas que todas as medidas sejam implementadas e as pessoas realmente sigam o protocolo de biossegurança. Apesar da maioria com doença evoluir sem complicações, um percentual importante evolui com doença grave, mesmo entre os mais jovens”, Selma Jerônimo considera ainda que o momento exige cautela e participação de todos para minimizar risco e diminuir a transmissão.

Atualmente, com recursos doados pelo Ministério Público do Trabalho e material adquirido com verba do Ministério da Educação, o IMT realiza testes para 17 municípios do estado, que são Natal, Mossoró, Apodi, Areia Branca, Caraúbas, Cruzeta, Extremoz, Felipe Guerra, Governador Dix Sept Rosado, Grossos, Itaú, Janduís, Olho-D’água do Borges, Pureza, Rodolfo Fernandes, Santa Cruz e Severiano Melo, além de analisar os exames de profissionais da saúde, como os do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), do Hospital Universitário Ana Bezerra (HUAB) e da Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC).

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. Supermercados e shoppings em Natal.
    Pessoas não respeitam distanciamento e várias não usam máscara.
    Ou seja, não estão nem aí e os estabelecimentos não colocam ninguém para chamar atenção nem a prefeitura fiscaliza.

  2. É óbvio que com o tempo, cada vez mais pessoas vão ter contato com o vírus. Mas não faz o menor sentido querer fazer lockdown ou fechar o comércio por causa de uma doença que a imensa maioria das pessoas terão apenas sintomas leves (ou nem isso!)

    1. Então, para você, já que pessoas vão "morrer mesmo" e a maioria TALVEZ nem sinta nada, o melhor é negar o óbvio e seguir com a boiada? Lendo esse tipo de coisa vejo que tem os muito a melhorar enquanto seres humanos… O que dizer a quem perdeu um pai, uma mãe, um filho…?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Reportagem destaca “conjunto” de casos de aglomerações no RN nos últimos 30 dias, e membro de comitê científico defende redução de atividades não prioritárias

Reportagem da Tribuna do Norte nesta quarta-feira(02) destaca que o Rio Grande do Norte apresenta uma tendência preocupante em relação à pandemia do novo coronavírus com o aumento expressivo de casos confirmados e da ocupação dos leitos, tanto na rede pública quanto na rede privada. De acordo com levantamento, nos últimos 30 dias foram registrados 14.169 novos casos de covid-19 e a ocupação de leitos públicos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) estava em 59% nessa terça-feira (1°), acendendo o sinal de alerta para que tanto os gestores quanto a população adotem as medidas necessárias para evitar a propagação do vírus.

A reportagem alerta que o descuido com a infecção que já tinha matado 2.695 potiguares até esta terça-feira (1°) pode ser observado nas aglomerações que têm se formado nas ruas, bares e casas noturnas, quase sempre sem o cumprimento de medidas como o distanciamento, higienização frequente com álcool em gel e uso de máscaras. Não bastasse, durante o período eleitoral, as aglomerações sem as devidas precauções se tornaram ainda mais evidentes em reuniões e eventos de campanha, culminando com o aumento dos casos que estava reduzindo até o mês de setembro.

Segundo a reportagem, os infectologistas e pesquisadores que estudam a pandemia dizem que a ocupação atual é reflexo do número de infecções ocorridas há cerca de uma semana, ou seja, quem vai ficar internado até a próxima semana é porque já está com o vírus hoje. A infectologista e pesquisadora do Laboratório de Inovação Tecnológica da UFRN (LAIS/UFRN), que integra o Comitê Científico da Sesap/RN, Marise Reis de Freitas, explicou que já vivenciamos este cenário no primeiro semestre. “Se daqui a uma semana tivermos 300 pessoas internadas, em poucos dias não haverá mais leitos disponíveis. O que estamos vendo é uma retomada de novos casos, numa curva ascendente. É inegável que temos a oportunidade de chegarmos ao mesmo pico que estávamos entre maio e junho”, destacou Marise Reis, que também é professora do Departamento de Infectologia da UFRN.

Para a infectologista, este é o momento dos gestores aumentarem as restrições sanitárias, mas a responsabilidade maior deve partir de cada cidadão. “É o momento de eliminar minimamente atividades não prioritárias, reduzindo horários, aglomeração, não necessariamente fechando. Evitar ações que facilitam a propagação do vírus. Poderíamos trabalhar uma segunda lógica que seria se as pessoas se conscientizassem do risco e se mantivessem em casa sem imposição do Governo sobre o que fecha ou abre. Precisaríamos de cidadãos comprometidos com a saúde, com a sua vida e a do próximo”, sugeriu a pesquisadora.

Leia todos os detalhes AQUI em reportagem na íntegra.

 

Opinião dos leitores

  1. Agora não adianta reclamar
    Os culpados ja sabemos quem são
    Elegeram GD e agora reclamam
    Deixem as escolas e igrejas abertas
    O comércio deve abrir
    Proibir venda de bebida alcoólica

  2. Ministerio público não faz nada sabem porquê? porquê é fatima que vai indicar o próximo desembargador do TJ.

  3. TODOS sabiam que o AUMENTO de Casos de covid-19, com infectados e mortes IA acontecer. Só que trocaram VIDAS por projetos pessoais e politicos mais impostos. como a Maioria da população NÃO Tem apego a Sua Vida e de seus familiares procuram sempre estarem se expondo a contaminação e disseminando o virus. Por FALTA de Coragem, Determinação e Interesse em combater o virus por PARTE da autoridades, governantes, politicos e população esse é o reflexo da TANTA Inconsequencia e TANTA Irresponsabilidade. Que DEUS tenha MISERICORDIA DE NÓS.

  4. É só mandar esse povo que tava em aglomeração política para casa dos políticos, resolvido o problema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Percentual de famílias brasileiras endividadas cai em novembro e chega a 66%

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Após três quedas consecutivas, o número de famílias brasileiras com dívidas chegou em novembro ao mesmo patamar de fevereiro, antes dos impactos mais severos da pandemia de covid-19. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada hoje (1) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Segundo o estudo, 66% das famílias estão endividadas, o que representa uma queda de 0,5 ponto percentual em relação a outubro. A pesquisa considera como dívidas as despesas declaradas com cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestação de carro e de casa, ainda que estejam em dia.

Segundo a pesquisa, o cartão de crédito é a principal modalidade de endividamento para 77,8% das famílias. Em seguida, aparecem os carnês (16,1%) e o financiamento de veículos (10,7%), associados ao consumo de médio e longo prazos.

Renda

As famílias com renda de até 10 salários mínimos tiveram queda do endividamento pelo terceiro mês seguido, mas continuam acima da média, com 67,5%. Para as famílias com renda maior que 10 salários mínimos, o endividamento se manteve estável em 59,3%.

A confederação avalia que os indicadores recentes apontam para uma recuperação da economia mais robusta do que as estimativas indicavam, o que impacta, inclusive, em pressões inflacionárias. Ainda assim, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, alerta a proporção de endividados no país é elevada e sublinha a necessidade de ampliar o acesso a recursos com custos mais baixos, possibilitando o alongamento de prazos de pagamento.

Dívidas em atraso

A inadimplência, que contabiliza as dívidas em atraso, também teve queda em novembro e chegou a 25,7%. No mês passado, o percentual era de 26,1%. Da mesma maneira, o grupo de famílias que declararam não ter condições de pagar suas dívidas em atraso caiu de 11,9% para 11,5%.

Apesar da queda, a inadimplência continua acima dos patamares de 2019. Em novembro do ano passado, 24,7% das famílias eram inadimplentes e 10,2% declararam não ter condições de pagar suas dívidas em atraso.

O tempo médio de atraso na quitação das dívidas das famílias inadimplentes vem aumentando desde junho e atingiu o maior patamar, desde maio, no mês passado: 62,5 dias. Também está em alta desde agosto o percentual de famílias que demoram mais de 90 dias para quitar as dívidas em atraso. Em novembro, o percentual chegou a 42,9%.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro; saldo é 4,7% maior que o mesmo mês de 2019

Foto: © Arquivo/26.07.2012/Tânia Rêgo/Agência Brasil

A balança comercial registrou, em novembro, o terceiro maior superávit para o mês. O país exportou US$ 3,732 bilhões a mais do que importou, divulgou nesta terça-feira (1º) Ministério da Economia. Isso representa crescimento de 4,7% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando o superávit atingiu US$ 3,565 bilhões.

O resultado só perde para novembro de 2016 (superávit de US$ 4,75 bilhões) e de 2018 (superávit de US$ 4,08 bilhões). No mês passado, o país vendeu US$ 17,531 bilhões para o exterior, com queda de 1,2% pelo critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. As importações, no entanto, caíram mais, somando US$ 13,799 bilhões, redução de 2,6% também pela média diária.

Com o resultado do mês passado, a balança comercial acumula superávit de US$ 51,159 bilhões de janeiro a novembro. Esse também é o terceiro melhor resultado da série histórica para o período, perdendo para janeiro a novembro de 2017 (superávit de US$ 61,992 bilhões) e de 2018 (superávit de US$ 51,605 bilhões). No acumulado de 2020, as exportações somam US$ 191,678 bilhões, retração de 6,1% na comparação com o mesmo período de 2019, pela média diária. As importações totalizam US$ 140,518 bilhões, recuo de 13,6% pelo mesmo critério.

Categorias

A maior parte da alta do saldo em novembro é explicada pelo aumento de 26,93% na média diária de exportações da indústria extrativa, com destaque para o minério de ferro e o petróleo bruto. Essa elevação compensou o recuo de 21,87% na média diária de vendas da agropecuária para o exterior.

Com a antecipação de embarques que ocorreu neste ano, as exportações de soja caíram 70% em novembro na comparação com o mesmo mês de 2019, também pelo critério da média diária.

A indústria de transformação exportou 2,92% a menos em novembro pela média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. Os principais produtos que afetaram a queda foram os combustíveis, com recuo de 35,5%, e aeronaves e componentes, com retração de 44% pela média diária.

Do lado das importações, a queda decorreu principalmente do recuo nas compras de petróleo bruto (-63,7%) e de estruturas de ferro e de aço (-49,5%).

Estimativas

Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2019 em US$ 48,035 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima menor volume de comércio em 2020, por causa da pandemia do novo coronavírus. No entanto, a retração das importações em ritmo maior que a das exportações elevou as projeções de saldo.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 57,9 bilhões para este ano. O Ministério da Economia estima saldo positivo de US$ 55 bilhões para 2020.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Muito bom ver o crescimento da economia , para informação aos esquerdopatas acéfalos, estes dados são importantes por atraírem investimentos gerando assim mais emprego e mais empregos significa mais poder de compra que gera mais empregos.
    Mas para eles o país ideal é uma Argentina em um mês tem a inflação anual do Brasil 3,8% em outubro, ou Venezuela que já nem o índice informa mais.

  2. Resultado da alta do dolar.
    Agora vou fazer o resumo.
    O rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre.

    1. Dólar alto se torna melhor produzir por aqui,
      Dólar baixo, melhor comprar e turistar lá fora,
      Advinha para onde impostos e empregos vão?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: média dos últimos sete dias no país é de 521 mortes, segundo Fiocruz

Foto: Reuters

A média móvel de mortes por covid-19 dos últimos sete dias passou de 483,57, no domingo, dia 22 de novembro, para 521,43 novos óbitos, no sábado (29). Os números são do indicador Monitora Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Na comparação com os 30 dias anteriores, a diferença sobe: no dia 29 de outubro, foram registradas 438,43 novas mortes.

A média móvel é um indicador considerado importante por pesquisadores para avaliar a tendência da pandemia, com menor interferência das oscilações diárias. O cálculo é feito a partir do número de mortes registradas nas últimas 24 horas, somadas às que ocorreram nos seis dias anteriores, e o resultado é dividido por sete.

Segundo o Monitora-Covid-19, a média móvel de novos casos dos últimos sete dias no Brasil também aumentou. Eram 29.758,29 no dia 22 de novembro e ontem alcançou 34.762,71.

Nos estados

O Brasil registrou nesse domingo 6.314.740 casos confirmados do novo coronavírus, conforme balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. Desde o início da pandemia ocorreram em todo o país 172.833 óbitos. Conforme o balanço, 563.789 pessoas estão em acompanhamento. O número de recuperados está em 5.578.118. https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-11/covid-19-brasil-registra-24468-casos-e-272-mortes-em-24-horas

Segundo o Ministério da Saúde, os estados com mais mortes pela covid-19 são São Paulo (42.076), Rio de Janeiro (22.561), Minas Gerais (10.031), Ceará (9.607) e Pernambuco (9.030). As unidades da Federação com menos óbitos pela doença são Acre (723), Roraima (727), Amapá (806), Tocantins (1.162) e Rondônia (1.555).

A média móvel de mortes dos últimos sete dias no estado de São Paulo aumentou de 100,43 em 22 de novembro para 115,57 ontem. Já a média móvel de novos casos dos últimos sete dias caiu de 5.849,71 em 22 de novembro para 4.412,14 nesse domingo.

No caso do estado do Rio de Janeiro, a média móvel de novos óbitos dos últimos sete dias caiu de 97,14 em 22 de novembro para 83,86 ontem. Já a média móvel de novos casos dos últimos sete dias cresceu de 1.606,71 em 22 de novembro para 2.159 nesse domingo.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Municípios no RN somam 137 em zonas de risco e perigo

Foto: Reprodução/Lais/UFRN

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta segunda-feira (30). O índice que indica o potencial de transmissão da covid 19, a Rt, está em 0,50 no estado como um todo.

No Estado, 80 municípios se encontram em zona de risco, enquanto outros 57 estão em zona de perigo. Os dados são do Laboratório de Inovação Tecnológica (LAIS) da UFRN no fim da manhã. VALE DESTACAR que essa taxa tem grande variação ao decorrer do dia, e pode ser conferida a situação em tempo real conforme link no fim do post.

A Taxa de Transmissibilidade, ou Taxa Rt para ser mais simples, é um dos indicadores utilizados para medir a evolução de uma doença endêmica. De forma simples, essa taxa indica quantas pessoas podem ser infectadas a partir de uma pessoa já doente.

Para exemplificar suponha o Rt = 2, isso significa dizer que, estatisticamente falando, uma pessoa doente contaminará duas saudáveis. O ideal então é que esta taxa se mantenha o mais próximo possível de zero.

A partir do momento que ela se mantém constantemente abaixo do valor 1, significa dizer que a doença está em um estado “controlado”.

NÚMEROS EM TEMPO REAL AQUI.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Taxa de ocupação de leitos para covid no RN nesta segunda-feira é de 51,1%; pacientes clínicos e críticos internados passam de 200

(Foto: Reprodução/Regula/Sesap)

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta segunda-feira (30). Quanto à taxa de ocupação geral das unidades de saúde, os números no fim da manhã mostram 51,1%. Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 201.

Segundo a Sesap, o Seridó registra 30.4% dos leitos ocupados, seguido da Região Metropolitana(49,1%); e a região Oeste tem (62,7%) – em destaque como o índice mais alto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *