NATAÇÃO – (Eterna em um centésimo): Etiene bate chinesa e vira 1ª campeã mundial do país

Etiene Medeiros ouro 50m costas mundial natação budapeste (Foto: Satiro Sodré/SSPress/CBDA)

Na semifinal, os resultados já davam um indício que a briga pelo ouro ficaria entre Fu e Etiene. A brasileira fez o melhor tempo da vida com 27s18, e a chinesa ficou só um centésimo atrás. Na decisão, as duas largaram lado a lado.

– Competi com essa chinesa em Kazan, e tive mais uma chance de competir com ela aqui de novo. Foi braçada a braçada. Nos meus últimos 10 metros eu sempre morro. Joguei o corpo e o braço na chegada e dessa vez eu consegui ser mais rápida que ela – comentou a brasileira.

A partida de Etiene foi um pouco pior que a chinesa, que teve o tempo de reação dois centésimos melhor. Mas, no nado submerso, Etiene já aparecia na frente. As duas faziam uma prova à parte, enquanto o restante lutava pelo bronze. Na chegada, as duas chegaram juntas. Era impossível a olho nu apontar quem havia vencido a prova. Mas no placar eletrônico veio a boa notícia: a brasileira bateu um centésimo na frente e levou o ouro.

?‍♀️ Final dos 50m costas feminino ?‍♀️

?Etiene Medeiros ?? 27.14
?Yuanhui Fu ?? 27.15
?Aliaksandra Herasimenia ?? 27.23

Com o resultado, são sete as medalhas do Brasil no Mundial de esportes aquáticos. Ana Marcela foi bronze nos 5km e 10km, além de ter sido campeã nos 25km da maratona aquática. Enquanto na piscina vieram três pratas: 4x100m livre, Nicholas Santos (50m borboleta) e João Gomes (50m peito).

Chierighini fica em 5º nos 100m livre

O tempo de 48s11 está entalado para Marcelo Chierighini. Pela terceira vez na carreira, ele cravou essa marca, que é o melhor tempo de sua vida. Na final dos 100m livre desta quinta-feira, terminou em quinto lugar. O ouro foi para o americano Caeleb Dressel com 47s17, a prata para o também americano Nathan Adrian, e o bronze para o francês Mehdy Mentella, com 47s89.

– Não gostei da minha prova. Eu fiz a prova que eu queria, passei mais suave, forcei no fim, mas queria ter ido ainda melhor. Tive a chance de nadar para 47s de novo, e não consegui. É frustrante – disse o brasileiro.

? Final dos 100m livre masculino ?

?Caleb Dressel ?? 47.17
?Nathan Adrian ?? 47.87
?Mehdy Metella ?? 47.89

Marcelo Chierighini volta a disputar uma prova no Mundial no domingo, o revezamento 4x100m medley, em que cada país entra em ação com um atleta em cada estilo.

Provas da natação nesta sexta-feira

4h30: Eliminatórias (SporTV 2)
50m livre masculino (Cesar Cielo e Bruno Fratus)
800m livre feminino
200m costas feminino
100m borboleta masculino (Henrique Martins)
50m borboleta feminino
4x200m masculino

12h30: Finais (SporTV 2)

Semifinal 50m livre masculino

Final 100m livre feminino
Final 200m costas masculino
Semifinal 200m costas feminino
Final 200m peito masculino
Final 200m peito feminino
Semifinal 100m borboleta masculino
Semifinal 50m borboleta feminino
Final 4x200m masculino

Globo Esporte

 

‘O Brasil é homofóbico, machista, racista e xenófobo’, desabafa Joanna Maranhão após ataques virtuais

joana

Foto:DOMINIC EBENBICHLER / REUTERS

A despedida de Joanna Maranhão dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro se transformou num grande desabafo da atleta. Após ficar de fora da semifinal dos 200m borboleta, a nadadora se emocionou na zona mista e soltou o verbo contra a pressão que os atletas brasileiros sofrem por resultados e as críticas raivosas feitas por pessoas pelas redes sociais. Joanna disse que nos últimos dias foi xingada e ouviu ofensas de pessoas que diziam desejar que ela fosse estuprada novamente. Por fim, a nadadora falou que o o Brasil é um país homofóbico, machista, racista e xenófobo.

Joanna ainda citou a história da judoca Rafaela Silva, que nesta segunda-feira ganhou o ouro na categoria até 57kg. Em Londres-2012, Rafaela foi alvo de comentários racistas de alguns brasileiros após perder a sua segunda luta para a húngara Hedvig Karakas por ter aplicado um golpe ilegal. Hoje ela é considerada uma heroína nacional.

– Eu lembro quando a Rafaela pegou na perna há quatro anos atrás e a galera esculachou com ela. Chamando de “macaco”. E agora, quatro anos depois ela se torna heroína. Mas ela já era uma heroína. Desde o momento que ele pegou a oportunidade de fazer judô. Do jeito dela. Que ela disse “treino pouco, vou lá e resolvo”. Essa é a personalidade dela. Já ganhou e já perdeu e vai continuar assim. Eu não subi no bloco para piorar meu tempo. Kitadai não entrou no tatame pra perder medalha. A Sarah não subiu no tatame pra não ganhar medalha. A Érika não medalhou o ciclo olímpico inteiro e mundial e foi tão constante pra perder a medalha e ficar em quinto – disse Joanna, citando ainda outros atletas brasileiros que não atingiram seus objetivos no Rio-2016.

– O Cielo não escolheu ficar de fora dos Jogos Olímpicos, o 4×100 livre do Brasil não ficou em quinto porque fez corpo mole. A gente dá duro todo dia. Mas o Brasil é país machista, racista, homofóbico e xenófobo. Não estou generalizando. Mas essas pessoas existem. Infelizmente. Aí quando elas estão em frente a um computador elas se sentem no direito de dizer essas coisas. Todo mundo tem o direito de discordar dos meus posicionamentos políticos. Mas a minha formação faz com que eu me posicione. E eu não vou parar. Mas desejar que eu seja estuprada. Desejar que a minha mãe morra, comemorar porque eu não peguei uma semifinal por cinco centésimos, acho isso covardia. Falta de caráter. E isso não se faz com ninguém – completou.

Antes do desabafo, Joanna postou uma mensagem em sua conta no Facebook avisando que iria processar todos os que a xingaram. E que o dinheiro seria revertido para entidades que combatem a pedofilia.

– Quando entrei na minha fan page eu não sabia que a coisa estava tão pesada. Eu não sou uma super mulher. Então a coisa mexeu comigo, óbvio. Eu demorei para dormir e quando acordei fiquei pensando muito sobre isso.

Joanna não conseguiu pegar uma semifinal nas três provas que disputou no Rio. Mas não usou os problemas enfrentados como desculpa para os seus resultados.

– Não acho que tenha feito efeito. Nadei mal e ponto final. A culpa é minha. Travei no final. Não estou usando isso para justificar.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Will disse:

    Ofensas e racismo são asquerosos, e devem ser condenáveis. Analisando tecnicamente , essa nadadora é fraca. Eterna promessa. Agora, veterana para o esporte, tenta tirar o foco de mais uma apresentação bisonha. E é militante do PT. Sempre usa discurso político e vem protestando contra a saída de uma Bandilma.

    • Brasil, Meu país NÃO será dos fascistas (Original) disse:

      Vá se tratar doente.

  2. Luiz Moreira disse:

    Ô seu curioso, o que significa esse comentário? Seja mais claro!!!

  3. rnatal disse:

    Pensei em fazer um comentário. Porém o comentário postado por "Edilson Medeiros" falou tudo.
    Parabéns !

  4. Max disse:

    Grande parte da mídia esportiva, incluindo o intragável Galvão Bueno, só valoriza o futebol masculino porque faturam muito em cima dele. Com o futebol brasileiro totalmente decadente juntamente com a mediocridade dos jogadores, inclusive o ex craque Neymar, pode o povo adotar outro esporte.

  5. Curioso disse:

    Maranhão é muito bom…

  6. Edilson Medeiros disse:

    CRITICAR É FÁCIL, VÁ FAZER!
    O povo brasileiro precisa amadurecer em muitos aspectos, dentre eles respeitar as limitações de nossos atletas devido ao limitado apoio na maioria das categorias. Temos boas estruturas no vôlei e basquete, começamos a ver de forma diferenciada o handebol, o futebol feminino, natação, atletismo e o judô. Os demais esportes dependem da saúde financeira de seus praticantes como a vela, o hipismo, remo e a natação. As escolinhas e centros desportivos são poucos e na maioria ficam devendo em metodologia, equipamentos e treinadores.
    Esperar que os atletas fizessem a diferença em todas as categorias é pedir o impossível, não vai acontecer. O Brasil era para ser uma potência no esporte, mas nosso dinheiro é todo direcionado as necessidades políticas. Dura e triste realidade de difícil mudança.

  7. Senhor Cidadão disse:

    ISSO E BRAZIL AQUI NÃO BOM PARA NINGUÉM !! SÓ PARA OS POLÍTICOS LADRÕES !!

Atleta Antonio Breda conquistou 5 medalhas no último Campeonato Norte-Nordeste de Natação

1383005_481753905255161_231564478_nAdolescente com apenas 15 anos já tem uma série de conquistas na natação. O atleta Antonio Breda, conquistou 3 medalhas de prata no JERN’S 2013, 4 medalhas de bronze e 1 de prata no último Campeonato Norte-Nordeste de Natação e se classificou com o melhor tempo para concorrer na etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude, com a conquista do melhor índice nos 50 costas.

Com jeito tímido de criança e um discurso maduro, Antonio Breda, tem se destacado na natação pelas suas conquistas dentro e fora das piscinas. Breda que começou a treinar por incentivo dos pais com apenas 3 anos, hoje participa de cerca de 9 campeonatos por ano e tem buscado melhorar seu tempo na prova dos 100m costas, segundo ele prova que lhe rende o seu melhor tempo, treinando cerca de 5 horas, todos os dias da semana na piscina do CEI Mirassol.

Em 2012, foi atleta ouro no JERN’S no Infantil masculino, este ano, conquistou 3 medalhas de prata: no 50 livre, 100 costas e 100 borboleta e conquistou uma vaga na etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude, com a conquista do melhor índice nos 50 costas, além disso, pretende participar do brasileiro no ano que vem.

Mas as conquistas não param por aí. Em sala de aula a premiação é ainda maior, o atleta consegue unir o estudo, as avaliações e os treinos e manter um alto desempenho em todas as vertentes. “Meus pais sempre incentivaram a autodisciplina e hoje eu consigo organizar meus horários. É claro que eu tenho que abrir mãos de sair com os amigos as vezes, perco eventos por causa dos campeonatos, mas vale a pena. Agora, eu já tô passado e algumas disciplinas”, afirmou Breda.

O atleta ainda complementa que o esporte tem aberto portas para a sua vida acadêmica. “Eu uso o esporte para conseguir vantagens para a minha vida acadêmica. Muitas universidades que tenho interesse de entrar oferecem bolsas para os atletas com bom rendimento, e é isso que espero”, explicou Breda. Para complementar os treinos, ainda sobra tempo para o tênis de quadra e o surf em família. Num riso solto, ele ainda afirma “da tempo pra tudo”.

 

Daniel Dias ganha o seu quinto ouro e é o maior medalhista paralímpico brasileiro

O nadador Daniel Dias se tornou nesta sexta-feira (7), o atleta paralímpico brasileiro com o maior número de medalhas de ouro na competição.

O nadador estabeleceu um novo feito ao quebrar o recorde mundial dos 50 metros estilo borboleta. Dias venceu a prova com um tempo de 34s15.

Agora, o atleta tem cinco medalhas de ouro nesta edição dos Jogos. No total, ele acumula 14 pódios em Pequim e em Londres, com nove ouros.

Daniel ultrapassou o também nadador Clodoaldo Silva e a velocista Ádria Santos, que têm 13 medalhas cada um.

Edênia Garcia vive expectativa de buscar o ouro em Londres

Promessa de medalha nas Paralimpíadas de Londres, a nadadora da delegação potiguar Edênia Garcia está pronta para entrar na piscina. Depois de longos meses de preparação, a sua prova acontece nesta quinta-feira (6), às 11h.

Edênia Garcia já participou das Paralimpíadas de Atenas (2004) e Pequim (2008), de onde trouxe medalhas de prata e bronze, respectivamente. A experiência acumulada deve ajudar na busca pelo inédito ouro.
“Comecei muito jovem e agora me sinto pronta para buscar o sonhado ouro. Certamente será muito difícil, mas fiz uma excelente preparação e estou pronta para buscar medalha”, garantiu a nadadora.

De acordo com a atleta, sua principal adversária será a Holanda. “Elas realizam um grande trabalho e devem ser fortes concorrentes. Contudo, eu estou competindo em competições internacionais há algum tempo e conheço bem minhas adversárias. O importante é trabalhar dentro da minha estratégia e buscar os resultados”, apontou a atleta.

Especialista em 50 metros costa, esta é a modalidade que vai representar em Londres. “A bateria e a final acontecem no mesmo dia. É preciso muita concentração e buscar sempre fazer o melhor. Espero trazer um grande resultado para o meu país”, destacou Edênia Garcia, que nasceu no Ceará e adotou o Rio Grande do Norte como seu estado para viver e competir.

Andre Brasil ganha ouro e quebra recorde mundial nos 50 metros nado livre nas Paralimpíadas

O nadador Andre Brasil conquistou o ouro na prova dos 50 metros nado livre S10 e quebrou o recorde mundial, com o tempo de 23s16. Essa é a segunda medalha do nadador nos Jogos Paralímpicos de Londres. Andre Brasil ganhou ontem (30) a medalha de prata nos 200 metros medley SM10, com o tempo de 2m12s36.

Com a estreia do atletismo na manhã de hoje, a atleta Marivana Nóbrega bateu o recorde das Américas, no lançamento de disco F35/36, com a marca de 23,73 metros. No entanto, a quebra do recorde parapan-americano não garantiu medalha para a brasileira, que terminou a prova em sétimo lugar.

Os nadador brasileiro Daniel Dias também foi ouro ontem, confirmando o favoritismo. Dias chegou em primeiro lugar nos 50 metros nado livre S5 e bateu o próprio recorde, com o tempo de 32s05 – 21 centésimos mais rápido que a marca anterior.

Até o momento, o Brasil ocupa o nono lugar no quadro geral de medalhas – com duas de ouro, duas de prata e uma de bronze. A China lidera o ranking com 31 medalhas, seguida pela Austrália (com 15 medalhas) e a Ucrânia (com 14 medalhas).

Repetindo o feito nas Olimpíadas deste ano, o judô foi o esporte que garantiu a primeira medalha para o Brasil nas Paralimpíadas ontem (30), com a vitória da judoca Michele Ferreira, na categoria até 52 quilos. A brasileira conquistou a medalha de bronze depois que a adversária, a francesa Sandrine Martinet, se machucou nas semifinais e não competiu.

A 14ª Paralimpíadas em Londres vão até o dia 9 de setembro. Participam dos Jogos, atletas com deficiências físicas e sensoriais. A equipe brasileira é formado por 182 atletas, que competem em 18 das 20 modalidades. O Brasil não participa das competições de rugby e tiro com arco.

Da Agência Brasil

Potiguar nadará por medalha nas Paralimpíadas de Londres

O nadador potiguar Adriano Lima (Potigás) desembarca no próximo domingo (12) em São Paulo, onde na segunda-feira (13) segue rumo a Londres para defender o Brasil nos 14º Jogos Paralímpicos de Verão. Ao desembarcar na capital inglesa, ele continuará em ritmo de treinos até o início da competição no dia 29 de agosto. O atleta representará o país nas provas de 50, 100 e 400m livre e 100m peito.

Adriano Lima já é presença constante em competições internacionais. O potiguar possui em seu currículo participações em grandes eventos do cenário paradesportivo, como os Jogos Paralímpicos de Pequim, em 2008. Entre os mais recentes, estão os Parapan-americanos de 2011 que aconteceram em Guadalajara (México), ocasião na qual conquistou seis medalhas (uma de ouro, quatro de bronze e uma de prata). Londres não representa apenas mais um evento, é sua quinta paralimpíada, e o esportista  se demonstra obstinado a conquistar novas medalhas.

Após uma campanha vitoriosa que rendeu cinco medalhas durante o Circuito Caixa Loterias Brasil (competição classificatória para Londres), o atleta iniciou em Natal um treinamento de intensidade e força, específico para provas de velocidade. A fase será de extrema importância para o seu condicionamento físico durante as provas em Londres. Numa estatística de treinos baseada em 4 mil metros diários (totalizando 20 mil metros semanais, em média), o nadador demonstra que está focado a repetir os ótimos resultados que vem obtendo.

Sobre Adriano e sua participação em Londres 2012, Diretor Presidente da Potigás, Fernando Dinoá, faz questão de reafirmar a confiança da distribuidora. “A Potigás patrocina Adriano Lima por ser um atleta que tem na superação o seu foco no dia a dia, além de defender o Rio Grande do Norte em busca de bons resultados, como vem conquistando a cada competição. A nossa Companhia tem papel social e o atleta faz parte da nossa política de incentivo ao esporte”, finaliza Dinoá.

Aposta de ouro, Cielo fica apenas com bronze nos 50 metros livre

Não deu para Cesar Cielo. Nesta sexta-feira, no Centro Aquático de Londres, o brasileiro defendeu seu título na prova dos 50 m livre obtido nos Jogos Olímpicos de Pequim há quatro anos, mas não repetiu o desempenho de 2008 e sucumbiu frente ao francês Florent Manaudou e ao americano Cullen Jones, que levaram ouro e prata, respectivamente.

O nadador brasileiro bem que tentou, mas foi superado nos milésimos finais e sobe ao pódio com a terceira colocação e leva para casa a condecoração de bronze.

Fonte: Terra

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Convidado disse:

    Apenas??? Rpz no dia que vc for o terceiro melhor do mundo no que vc faz… ai vc publica um APENAS desse!

[Paraolimpíadas] Potiguar fatura cinco medalhas na última competição antes de embarcar pra Londres

O nadador potiguar Adriano Lima, patrocinado pela Companhia Potiguar de Gás (Potigás), desembarcou na segunda-feira (16) em Natal trazendo na bagagem as cinco medalhas conquistadas durante a segunda etapa do Circuito Loterias CAIXA Brasil (competição realizada em São Paulo no último final de semana), sendo três delas de ouro, uma de prata e uma de bronze. Ele competiu nas provas de 50, 100, 400m livres, e nas de 100m peito e 50m borboleta.

As medalhas de ouro foram obtidas nas provas de 50, 100 e 400m livres; a prata veio nos 100m peito; e o bronze na prova de 50m borboleta. O atleta descreveu a competição como o primeiro passo para o ouro paralímpico, já que foi a última competição do potiguar antes das Paralimpíadas de Londres, que serão realizadas entre os dias 29 de agosto e 9 de setembro. Além de todas as estrelas paralímpicas, o Circuito Loterias Caixa também recebeu mais de 60 atletas estrangeiros, que representaram Argentina, Venezuela, Equador, Nigéria e Colômbia.

Adriano irá desembarcar em Londres no dia 12 de agosto, e se dedicará aos últimos dias de preparação na própria capital inglesa. “O circuito da CAIXA já me rendeu a oportunidade de participar de mais uma paralimpíada, essa segunda fase me serviu como um trampolim para o meu sucesso em Londres, eu quero trazer mais medalhas”, exalta Adriano, que se mantém focado e decidido a conquistar bons resultados nessa nova etapa de sua carreira.

Cesar Cielo pego no antidoping

Estadão:

Os nadadores Cesar Cielo Filho, Nicholas Santos e Henrique Barbosa, do Flamengo, e Vinícius Waked, do Minas Tênis, foram flagrados em exame antidoping. O controle foi realizado por ocasião do Campeonato Brasileiro – Troféu Maria Lenk de Natação e acusou resultado analítico adverso para a substância Furosemida, da classe S5 Diuréticos. A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 1, pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA).

O Painel de Controle de Doping, instaurado hoje pela CBDA, optou por uma advertência aos quatro atletas uma vez que não foi identificada culpa ou negligência por parte dos mesmos no episódio. Presidido pelo Prof. Dr. Eduardo de Rose e também composto pela Dra. Sandra Soldan, Dr. Marcus Bernhoeft e o Dr. Cláudio Cardone, o painel considerou o histórico dos atletas e o regulamento da Federação Internacional de Natação.

(mais…)