Polícia

Servente de pedreiro é assassinado com golpes de pá na Grande Natal

Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

O portal G1-RN noticia que um servente de pedreiro de 46 anos foi assassinado a golpes de pá em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal. O crime aconteceu na Rua Padre João Maria, no bairro Regomoleiro. De acordo com a matéria, o corpo foi encontrado na noite dessa segunda-feira (3) entre a sala e a cozinha do imóvel.

A vítima era um servente de pedreiro que morava sozinho há cinco meses na própria casa em que trabalhava realizando uma reforma. A porta da frente da residência não tem sinais de arrombamento. Vizinhos contaram à polícia que ouviram barulhos estranhos, pancadas, e a vítima gritando por socorro.

Segundo a polícia, havia sinais de luta corporal no local. A pá usada no crime foi apreendida para passar por perícia e ajudar nas investigações.

O Instituto Técnico-Científico de Perícia realizou perícia no local e levou o corpo para a sede do órgão em Natal.

Mais detalhes AQUI em matéria completa.

 

Opinião dos leitores

  1. Mais um glorioso guerreiro pedreiro que é abatido pela violência. Sigam em frente guerreiros pedreiros, Tenho certeza que os senhores, juntamente com os briosos guerreiros da polícia, acabarão com essa violência.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

(ÁUDIO): Polícia Civil do PA identifica 50 suspeitos de incêndio na floresta amazônica

Foco de queimada na Amazônia. Foto: Carl DE SOUZA / AFP

Fazendeiros, pecuaristas e contratados para atear fogo devem responder por crime ambiental. Já a Polícia Federal ainda apura Dia do Fogo, em que ação pode ter sido orquestrada.

No Senado, governo não conseguiu impedir que um pedido de criação de uma CPI fosse apresentado para investigar a devastação na Amazônia.

CBN – Globo Rádio

Opinião dos leitores

  1. Sabe qual foi o período onde houve a maior quantidade de queimadas na Amazônia ? Uma dica: começou em 2003.

  2. Na verdade, quem está oindo fogo no Brasil por inteiro é Bolsonaro. O PT levou o dinheiro e ele vai acabar com os direitos. Quem puder, fuja!

  3. E o cara da bicicleta que Bolsonaro falou? …hahahahaha é sem dúvidas a melhor fala dele sobre esse problema todo, dizer que tem um homem de bicicleta pondo fogo na floresta amazônica….hahahahahaha me acabo de rir, relaxa QQ momento mais tenso.

    1. Desde o começo do governo que estudiosos alertavam para esse empoderamento dos agricultores, eles acreditavam que nåo seriam punidos, essa era a sensação. Nas palavras da campanha presidencial, quem foi atento, percebeu, previu que isso aconteceria, que alguém mandou tocar fogo, isso já é sabido, o presidente disse que seriam as Ongs, aí é diferente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS: Vendedor de coco no PA cria canudo de bambu e evita descarte de 8 mil canudinhos de plástico por mês

Said Trindade inova e fabrica canudos de bambu em barraca de coco em praça de Belém — Foto: Reprodução/ TV Liberal

Com proibição do uso de canudos de plástico em diversas cidades do Brasil, uma ideia inusitada e ecológica surgiu no centro de Belém. Trabalhando com a venda de cocos na praça Batista Campos há quase 30 anos, Said Trindade criou novos canudos feitos de bambu. O produto é artesanal e ainda pode virar adubo após utilizado. A novidade aumentou em 60% as vendas na barraca, segundo o vendedor.

“Eu pensei no canudinho de bambu num momento de desespero. Eu trabalho vendendo coco aqui na praça há mais de 30 anos. Eu só sei vender coco, não sei fazer mais nada e estava preocupado com a possível proibição dos canudinhos de plástico, como acontece em outras cidades. Nesse momento eu me lembrei do bambu. Eu sou de Concórdia do Pará e lá tem muito bambu”, relata o vendedor.

Segundo Said, o sucesso dos canudos veio pelas redes sociais. Ele conta que uma cliente gostou da ideia e fez uma postagem divulgando o produto. A repercussão foi rápida e deixou a barraca conhecida na praça. O sucesso foi tanto que as vendas cresceram mesmo em período de baixa temporada.

“Eu comecei a fazer os canudos em julho, mas ninguém tinha dado muita importância. Até que veio uma cliente aqui, gostou da ideia e postou nas redes sociais. No dia seguinte o canudo já era um sucesso. Em menos de seis horas, todos os canudos que eu tinha terminaram. Por conta disso, voltei pro interior e produzi mais canudos. Minhas vendas cresceram em 60% justo no período de chuvas aqui na região, quando eu vendo menos coco”, explica.

Fabricação

Said garante que o processo de fabricação dos canudos é simples. Após o corte do bambu, os canudos passam por um processo de higienização para eliminar possíveis bactérias. De acordo com o vendedor, isso tudo é feito em casa.

“Eu corto a junta do bambu em dois lugares, dispenso a junta e aparece o canudinho. Depois disso eu escaldo os canudos e coloco eles no álcool. Então eu lavo com água e sabão, eles são lixados e colocados na barraca”, conta.

Ao contrário de outros canudos reutilizáveis como os de inox ou papel, o canudo de bambu deve retornar à natureza. Cada cliente ganha o canudo de presente, mas os que não são levados são transformados em adubo no sítio do vendedor, em Concórdia do Pará, nordeste do Estado.

“Nós jamais lavamos os canudos. Eu acho que lavar o canudinho é muita falta de higiene. O canudo é uma coisa individual e descartável. Uma barraca que vende vários cocos por dia não pode fazer isso. Nós costumamos dar os canudos para os clientes. Os que sobrarem nós vamos guardar, triturar e transformar em adubo para o meu terreno em Concórdia. A nossa intenção é levar o mínimo de canudos para o lixo”, declarou.

Sustentável

Vendas na barraca aumentaram mais de 60% depois dos canudos de bambu — Foto: Reprodução/TV Liberal

Said diz que os canudos estão abrindo novas portas. Ele já recebeu um convite da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) para falar sobre a invenção. Além disso, o vendedor já está comercializando os canudos para outras barracas na praça.

“A procura pelo canudo é muito grande, e as outras barracas se sentem pressionadas a fazer algo parecido. Eu vou aproveitar isso é deixar a praça mais sustentável. Vou cobrar um valor simbólico de cada barraca para a produção do canudo, só envolvendo a mão de obra. Futuramente eu penso em vender para outras empresas fora da praça”.

O comerciante também tem noção de como sua iniciativa é importante para a preservação ambiental. O uso de canudos de bambu representa cerca de 8 mil canudinhos a menos no lixo em cada mês, somente na barraca de Said.

“Aqui na praça nós vendemos muito coco. Eu vendo cerca de 2 mil cocos por semana. Em um dia de muito movimento, a praça toda vende 5 mil cocos por dia. Isso representa 5 mil canudinhos que vão pro lixo. Se a gente conseguir reduzir é excelente. O canudo de bambu ajuda nisso. Não é porque a gente trabalha na rua que a gente vai bagunçar tudo. Um pouco que a gente faça já ajuda em muito a natureza”.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Veja os relacionados do ABC para duelo contra o Remo neste domingo no PA

Foto: Andrei Torres/ABCFC

A comissão técnica abecedista definiu nessa quinta-feira (26), depois do trabalho tático realizado no Frasqueirão, a relação com os jogadores convocados para o jogo contra o Remo/PA, válido pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série C. O treinador Ranielle Ribeiro relacionou 20 atletas para a partida, desafio marcado para o domingo (29), às 19h, no estádio Mangueirão, em Belém (PA).

Veja mais – Série C: restando três jogos para o término da 1ª fase, Globo recebe o vice-líder Náutico e ABC visita o desesperado Remo

O técnico segue sem contar com o goleiro Rodrigo Carvalho, os laterais Vitinho e Alan Cardoso, o volante Victor Feitosa e o atacante Jorge Eduardo, entregues ao Departamento Médico, e acabou perdendo de última hora o atacante Luan Santos, que sentiu dores na coxa no treino desta tarde e foi vetado.

Confira a relação completa:

Goleiros: Edson e Igor Bohn;
Laterais: Arêz e Igor;
Zagueiros: Vinicius, Henrique e Danrlei;
Volantes: Anderson Pedra, Felipe Guedes, Jardel e Leomir;
Meias: Marcos Júnior, Higor Leite, Erivélton e Daniel;
Atacantes: Leandrão, Matheus Carvalho, Lauder, Leandro Cearense e Rodrigo Rodrigues.

Com informações do site do ABC

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Jogador Kleber é acusado pela mulher de agressão no RS

O atacante Kleber, 28, do Grêmio, é acusado por sua mulher, a jornalista Débora Favarini, de agressão. No boletim de ocorrência, ela disse que levou um soco na cabeça do ex-palmeirense na madrugada de 28 de janeiro, em Porto Alegre (RS), na 2ª DPPA (Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento), após discussão em um hotel.

Segundo o delegado da 2ª DPPA, Daniel Mendelski, que foi quem cuidou do caso, Favarini chegou à delegacia nervosa, “com olhos e rosto vermelho, mas não histérica”.

Wesley Santos/Folhapress
Débora Favarini, mulher do atacante Kleber, em foto de arquivo
Débora Favarini, mulher do atacante Kleber, em foto de arquivo

A jornalista contou que, após uma festa, já no hotel onde estão morando provisoriamente, a briga aconteceu por causa do telefone celular de Kleber. Ainda segundo relatos para a polícia, Favarini tomou o aparelho das mãos do atleta e se trancou no banheiro. O jogador derrubou a porta e, em seguida, acertou um soco na cabeça da mulher.

“Acredito que é um gesto quase autoexplicativo, a procura de uma constatação de infelidade. Ela disse que era o tipo de coisa que acontecia [traição e agressão], mas que não falava para não prejudicar a carreira do atleta”, recordou Mendelski à Folha.

Favarini foi informada que poderia entrar com uma representação legal contra Kleber. Passaria por exame de corpo de delito e, se constatada a lesão corporal, como marcas de agressão, o atacante poderia ser preso. Outra opção seria pedir uma medida protetiva, para imediatamente impedir a aproximação do agressor.

Favarini, porém, decidiu, pelo menos naquele momento, não ir em frente com o assunto e, no boletim de ocorrência, a agressão está registrada como “vias de fato”.

“Mas é bom deixar claro que ela não renunciou expressamente a esses direitos [de representação legal contra Kleber] e tem ainda um prazo de seis meses”, explicou Mendelski. E por que, então, procurar a polícia? “Para deixar um registro, dar um basta. Quando isso acontece é porque a mulher já na está mais aguentando”, explicou o delegado, que indicou a Delegacia da Mulher como mais um caminho.

A jornalista não deu pistas do que faria, mas deixou claro que pegaria seus pertences, os filhos e iria o quanto antes deixar a capital gaúcha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *