Polícia

Atentado no interior do RN deixa sete pessoas da mesma família baleadas

O portal G1-RN noticia que sete pessoas da mesma família foram baleadas durante um atentado que aconteceu na madrugada desta segunda-feira (17) em Caiçara do Norte, no Litoral Norte potiguar. De acordo com a Polícia Militar, as vítimas estavam bebendo na calçada em frente de casa, quando homens passaram no local em um carro a começaram a atirar. Ainda não se sabe quantos criminosos estavam no veículo.

Segundo o G1-RN, a polícia afirmou que, entre os feridos, está uma mulher de 55 anos, e os filhos dela. Após o atentado, as vítimas foram socorridas para o hospital da cidade e em seguida, foram transferidas para unidades de saúde em Natal. O estado de saúde dessas pessoas ainda não foi informado.

Matéria completa AQUI.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil deflagra Operação “Natal com Justiça” e prende sete pessoas em Natal e Mossoró; entre suspeitas, tráfico de drogas, roubos e homicídios

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), com apoio da 2ª Delegacia Regional de Polícia (DRP) de Mossoró, deflagraram, nesta terça-feira (22), a Operação “Natal com Justiça”. A ação resultou na prisão de sete pessoas pela suspeita de integrar uma organização criminosa voltada à prática de tráfico de drogas, roubos e homicídios. As prisões aconteceram em cumprimento a mandados de prisão preventiva, nos municípios de Natal e Mossoró, onde eles concentravam a atuação criminosa.

Durante a ação, foram detidos: Carlos Alexandre Martins Salviano, conhecido como “Nem da Abolição”; Lázaro Nascimento de Souza, conhecido como “Bufa”; Márcio Gomes da Silva, conhecido como “Mago Véi”; Erasmo Carlos da Silva, conhecido como “Palmeirense”; Judson Bezerra Araújo Batista, conhecido como “Bebezão”; Walter Linhares dos Santos, conhecido como “Nenenzinho”; e Thiago Marques de Araújo, conhecido como “Nino”.

De acordo com as investigações, a organização criminosa, comandada por “Nem da Abolição”, traficava drogas, financiava roubos e ainda ordenava a morte de seus desafetos. Um dos homicídios atribuídos ao grupo é o da empresária Flávia Magalhães da Rocha, que foi morta dentro de uma farmácia, com cerca de 20 disparos de pistola, no mês de abril deste ano.

Ainda segundo as investigações, o crime teria sido motivado pelo fato de “Nem da Abolição” e sua esposa, Fernanda Bernarmino da Silva, atribuírem suas prisões à vítima. Foi constatado ainda que a esposa de “Nem da Abolição” atualmente estaria foragida da Justiça e comandando o tráfico de drogas no lugar do marido, que se encontra preso.

As investigações continuam até a identificação e prisão dos demais envolvidos na organização criminosa. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, através do Disque Denúncia 181 ou Disque DEICOR, por meio dos números: (84) 3232-2862 e (84) 98135-6796 (WhatsApp).

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Justiça Federal do RN condena 7 pessoas envolvidas na Operação Pecado Capital e concede perdão judicial a outras 10 pessoas

A Justiça Federal do Rio Grande do Norte proferiu mais uma sentença sobre a operação Pecado Capital, como ficou conhecida a denúncia do Ministério Público tratando de suposto esquema de corrupção no Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (IPEM).

O Juiz Federal Walter Nunes da Silva Júnior sentenciou, em 236 páginas, o processo número 0006796-31.2012.4.05.8400, foram condenadas 17 pessoas. No entanto, dez receberam perdão judicial, a partir do instrumento da colaboração premiada. Outras seis tiveram a pena reduzida por também ter feito a colaboração premiada.

“Conforme descritos nas denúncias e respaldados nas provas produzidas nos autos do presente processo, os eventos criminosos foram praticados contra a administração pública pelo esquema criminoso idealizado e gerenciado por RYCHARDSON DE MACEDO BERNARDO, que, para satisfazer os seus propósitos ilícitos, reuniu-se com os outros acusados, … no objetivo de desviar e apropriar-se dos valores e recursos do IPEM/RM, os quais lhe foram transferidos pelo INMETRO, para fins de realização de serviços comuns e em decorrência de convênios chancelados entre essas duas entidades jurídicas”, escreveu o magistrado na sentença.

O Juiz Federal Walter Nunes também analisou o sentimento de repulsa da população pelos escândalos de corurpção: “Diante de tantos abusos e desperdício de dinheiro público, da corrupção em alta escala, da sofisticação e aperfeiçoamento dos crimes e de tantas outras formas de subtração dos recursos públicos, historicamente praticados contra os recursos do Estado e do povo em geral, cada vez mais cresce a repulsa da população a esse estado de coisas”.

Na sentença, receberam o perdão judicial, a partir da colaboração premiada os acusados Zulmar Pereira de Araújo, Carlos Macílio Simão da Silva, Maria do Socorro Freitas, Rosângela Frassinete Ramalho, Deusdete Fernandes de Araújo, Allan Aluízio Fernandes de Faria, Valmir Dantas, Lilian de Souza Batista Silva, Sheila Suerda de Medeiros Sousa e Conrado Souza da Circuncisão.

As penas de cada um dos réus:

RYCHARDSON DE MACEDO BERNARDO 44 anos, 5 meses e 21 dias, após a colaboração premiada pena finalizada em 6 anos, 3 meses e 19 dias em regime semiaberto

DANIEL VALE BEZERRA – em 22 anos, 10 meses e 23 dias, após a colaboração premiada pena 7 anos, 7 meses e 19 dias em regime semiaberto

AÉCIO ALUÍZIO FERNANDES DE FARIA – 21 anos, 3 meses e 10 dias, após a colaboração premiada pena de 7 anos, 1 mês e 4 dias, em regime semiaberto

ADRIANO FLÁVIO CARDOSO NOGUEIRA – 20 anos, 8 meses e 26 dias, após a colaboração premiada pena de 6 (seis) anos e 11 (onze) meses, sob o regime inicial semiaberto

RHANDSON ROSÁRIO DE MACEDO BERNARDO – 8 anos e 9 meses, após a colaboração premiada pena de 1 ano, 1 mês e 10 dias de reclusão, sob o regime inicial aberto, pena convertida em restritiva de direito para prestação de serviço à comunidade por igual período.

LAMARK BEZERRA DE ARAÚJO – 15 anos, 3 meses e 10 dias

SEBASTIÃO GARCIA SOBRINHO – 8 anos e 4 meses, após a colaboração premiada pena de2 anos, 9 meses e 10 dias de reclusão, sob o regime inicial aberto, pena convertida em restritiva de direito para prestação de serviço à comunidade por igual período.

JFRN

https://www.jfrn.gov.br/index.xhtml

Opinião dos leitores

  1. Blog do Bg, com relação a idoneidade dos advogados condenados eles teram alguma penalidade da Ordem (OAB)?

  2. Isso só pode ser brincadeira !!!! e os maiores por trás de tudo isso ? porque alguem os colocou lá ????!!! é realmente uma pena ler uma coisa dessa e saber que quem se beneficia sao justamente os que legislaram e fizeram essas malditas leis!!!!

  3. Reduzir uma pena de 44 anos para apenas 6 anos, é uma prova de que no BRASIL o crime compensa.

  4. Sr. Carvalho, quem estabelece a gradação do benefício (redução da pena ou perdão judicial) é a própria lei, a depender da importância e eficácia das informações dadas em Juízo. Portanto, não seja injusto com o Juiz que só cumpriu a lei. Contenha-se.

  5. O que vemos com estas decisões? A prática de crime contra o patrimônio público compensa! Então a corrupção pode e corre solta no país. Depois, de gastarmos enormes quantias financeiras para manter os órgãos de atuação como MP, Judiciário e Polícias, esperamos muito mais punição para estes meliantes.

  6. Sinceramente com todo respeito a Justiça Federal mas uma decisão dessa é um estimulo a esses desonestos continuarem a praticar crimes de corrupção. Um "cidadão" é condenado a 44 anos de prisão e tem uma pena reduzida para 6 anos em regime semi aberto é o fim da picada. Vai continuar esnobando e zombando de quem é honesto e integro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *