QUALIDADE DE VIDA – Menos trânsito, poluição e violência: bons serviços e economia em alta estimulam migração dos brasileiros para o interior

Foto: Jefferson Coppola/Veja

Fernanda Vasconcelos, 44 anos, terapeuta

“Eu e Danilo aproveitamos o isolamento para dar a nossos filhos mais contato com a natureza no sítio da família. Cultivar uma horta e andar pela mata nos ajudou a atravessar a crise. Percebemos que precisamos de pouco para viver bem e nos mudamos para Bragança Paulista, no interior de São Paulo.”

Migrar é uma atividade tão antiga quanto a própria humanidade, consequência da busca de melhores condições de vida — mais caça e fontes de água na pré-história, mais espaço para fixar comunidades na Antiguidade, mais terra para cultivar e pastorear na Idade Média, mais territórios para ocupar no Novo Mundo, mais segurança e liberdade desde sempre. Ao longo do século XX, os deslocamentos seguiram a trilha aberta na Revolução Industrial: esvaziamento do campo e inchaço das cidades, culminando no aparecimento das megalópoles, capazes de aglomerar milhões de pessoas em uma área relativamente pequena. Como o ser humano é bicho que não se acomoda, nas últimas duas décadas o fluxo começou a se inverter, com as cidades médias atraindo um contingente de moradores urbanos cansados da vida corrida e atentos a economias que emergiam. Agora, veio a pandemia e, também no movimento migratório, seu onipresente efeito se fez sentir. Trabalhando a distância, livres da necessidade de bater o ponto no escritório, milhares de famílias estão pondo o pé na estrada, de mudança para recantos onde mais importante do que ganhar muito dinheiro e ter acesso ao que há de melhor em convívio social e cultura é poder desfrutar uma existência da mais alta qualidade.

O migrante de hoje difere do que já estava indo para o interior no sentido de tratar sua opção não como um sonho, mas como uma realidade que enxerga de olhos bem abertos, firmada na comparação concreta entre o que tinha na metrópole — emprego, restaurantes, escolas de primeira — e o verde e a tranquilidade usufruídos em uma mudança que era para ser temporária e virou definitiva. Seu novo chão se localiza, principalmente, nos municípios situados em um raio de 100 quilômetros ao redor das capitais — cidades com boa oferta de serviços de saúde e educação, razoáveis opções de lazer e um conceito retirado da obsolescência e catapultado à condição de ambição: o ritmo de vida típico do interior. Segundo a mais recente estimativa de população realizada pelo IBGE, a das cidades entre 100 000 e 1 milhão de habitantes vem crescendo na última década a um ritmo até 50% mais rápido do que nas capitais — estas, por outro lado, detentoras de expansão minguada, ou mesmo zero. Atualmente, dois de cada três brasileiros residem em municípios com não mais do que meio milhão de habitantes. “Até 2014, as grandes cidades atraíam muitos trabalhadores por causa da ampla oferta de emprego, mas a crise econômica mudou essa tendência”, explica José Eustáquio Diniz Alves, demógrafo do IBGE.

Outra manifestação do atrativo pela almejada casa no campo — para morar mesmo, não para passar o fim de semana — está em uma pesquisa realizada pelo Zap+, que congrega os dois maiores portais de imóveis do Brasil, obtida com exclusividade por VEJA. Ela mostra que mais da metade — exatamente 59% — dos moradores de São Paulo e de Belo Horizonte, se tivesse de decidir neste momento sobre ir morar em um lugar menor, diria sim à mudança. No Rio de Janeiro, a disposição é ainda maior: 67%. O casal Fernanda, 44 anos, e Danilo Vasconcelos, 48, integra a turma dos novos migrantes. Por causa da pandemia, saiu de São Paulo e instalou-se com os filhos na casa de campo em Bragança Paulista, a 94 quilômetros de distância. Agora, resolveu que lá é o seu lugar: alugou uma casa ampla em condomínio fechado, matriculou as crianças em uma escola com 30 000 metros quadrados de área verde e planeja se mudar de vez. “Percebi que precisava de pouco para viver bem e que o contato com a natureza era fundamental. Não me vejo mais voltando a morar em São Paulo”, reconhece Fernanda.

João Tucci. Foto: Cristiano Mariz/VEJA

Sai avião, entra arara

João Tucci, 45 anos, analista financeiro

“Há dois anos comecei a questionar a vida em São Paulo, trabalhando doze horas por dia. Conheci a Chapada dos Veadeiros, me encantei, virei gerente de uma pousada e entrei para a ponte aérea. Na pandemia, mudei de vez. Agora, tomo banho de cachoeira, medito e, em vez de aviões, ouço o canto das araras.”

Os motivos citados para a virada de rumo são conhecidos: violência, poluição, trânsito e a brutal desigualdade social exposta nas metrópoles. O arquiteto carioca Hélio Pellegrino, 68 anos, desistiu do Rio de Janeiro e foi buscar a tal felicidade em Búzios, balneário a quase 200 quilômetros de distância. “No Rio, andar pela rua à noite, um dos grandes prazeres do carioca, passou a ser uma roleta-russa. Nunca se sabe quem será a próxima vítima”, critica Pellegrino, que tem assumido menos projetos e aproveita o tempo livre para pintar, tocar piano e violão e fazer caminhadas pela exuberante Praia da Ferradura. O fluxo para cidades menores tem, é claro, reflexo no mercado imobiliário. Na Baixada Santista, a compra e venda de imóveis subiu 31% no terceiro trimestre de 2020, em comparação com o mesmo período do ano anterior, contra meros 5% na região metropolitana de São Paulo. Nas cidades no cobiçado raio de 100 quilômetros, área que engloba Sorocaba, Itu, Jundiaí, Bragança Paulista e Atibaia, os negócios cresceram embalados por uma taxa de 25%.

As casas que os migrantes urbanos estão comprando e alugando oferecem duas características imprescindíveis: área verde e cômodos que possam ser adaptados para home office. “Muitas famílias não têm renda para adquirir um imóvel com esse perfil em São Paulo e se mudam para o interior, onde o metro quadrado é bem mais barato”, explica Patricia Ferraz, diretora de relações institucionais do Registro de Imóveis do Brasil, que congrega cartórios de vários estados. “A pandemia escancarou nossa necessidade por espaço, tanto interno quanto externo”, diz Ju Collen, funcionária pública de 46 anos que está prestes a trocar Porto Alegre por Gramado, a 150 quilômetros de distância.

Luiz Soares. Foto: Pedro Silveira/VEJA

Troca de endereço

Luiz Soares, 48 anos, dono de confecção

“Vim para minha casa de veraneio na Praia do Forte para fugir da pandemia, mas me acostumei à rotina de esportes, banhos de mar e acesso aos bons restaurantes locais. Mudei de endereço: moro aqui e só apareço de vez em quando na casa de Salvador. Tenho qualidade de vida e segurança, sem perder o agito.”

Um dos motores econômicos que impulsionam a migração atual é a mudança profunda nas relações de trabalho trazida pela pandemia. A jornada de quem manteve o emprego durante o período de isolamento social caiu 14% e a renda média, em efeito dominó, diminuiu 20%, segundo uma pesquisa da FGV-RJ. Enquanto apertava o cinto, uma leva de brasileiros fez as malas em busca de vida mais simples e ao mesmo tempo de maior qualidade. O que se observa neste movimento é uma inesperada inversão das prioridades das famílias. “Nas classes mais abastadas, com recurso para mudanças radicais, ganhar dinheiro passou a ser menos importante do que aproveitar a vida”, ressalta Marcelo Neri, diretor da FGV Social.

Helio Pellegrino. Foto: Alex Ferro/VEJA

Adeus, depressão

Hélio Pellegrino, 68 anos, arquiteto

“Morava em uma casa espaçosa no Rio de Janeiro e tinha um escritório de arquitetura bem-sucedido. Mas a violência e a desigualdade social me deixavam cada vez mais deprimido. Quando me instalei na casa de Búzios, vi que era para sempre. Aqui faço o que realmente gosto: pinto, toco violão, namoro e vou à praia.”

Um estudo do Ipea revelou que quase um quarto das ocupações brasileiras está apto a fazer a transição para o home office e são justamente os ocupantes dessas posições, em boa parte situadas no setor financeiro e de tecnologia, que mais se veem à vontade nestes tempos para mudar de vida. Durante quase duas décadas João Tucci, 45 anos, analista financeiro de uma grande empresa de consultoria, experimentou a rotina extenuante de até doze horas de trabalho por dia. Há cinco anos, em plena crise de identidade, conheceu a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, e se apaixonou pelo local. Como em um namoro, ele passou a se revezar entre Alto Paraíso e São Paulo — até a chegada da pandemia desembocar em união estável. Tucci se mudou de vez para a Chapada e de lá presta sua consultoria aos clientes, além de ser gerente de uma pousada. “Continuo a fazer o que gosto, mas agora, em vez de barulho de avião na janela, tenho o canto das araras”, comemora, feliz da vida. Embora ainda esteja em fase de consolidação, o fenômeno já é encarado como uma nova etapa dos deslocamentos internos que a população empreende em épocas distintas.

A engrenagem que movimenta as migrações brasileiras tem uma relação histórica com os efeitos da desigualdade social. Mal as primeiras fábricas começaram a se instalar no país, há quase 100 anos, e milhões de pessoas das regiões mais pobres, principalmente do Norte e Nordeste, pegaram seus poucos pertences, deram adeus à zona rural e foram tentar a vida no Sul maravilha. Assim caminharam os brasileiros até o fim do século XX, quando a meia volta começou. A descentralização da indústria e a expansão das fronteiras agrícolas fizeram o interior ser atraente de novo e suas cidades entraram para o rol das localidades recebedoras de mão de obra, em uma dinâmica classificada de “rotatividade migratória”. No arranjo que se desenvolveu durante a pandemia, uma parcela dos migrantes combina o melhor dos dois mundos: muita gente, em vez de ir embora de vez, optou pela dupla residência. Dono de uma confecção de moda praia, Luiz Soares, 48 anos, morava em Salvador e costumava ir para a casa de veraneio na Praia do Forte, a 85 quilômetros, nos fins de semana e feriados. Para cumprir o isolamento social, acabou se instalando na segunda casa e inverteu a ordem dos endereços. Mantém um pé na capital, para compromissos de trabalho, mas mora mesmo na praia. “Aqui tenho qualidade de vida, conforto e segurança sem perder o agito”, alegra-se.

Ju Collen. Foto: Daniel Marenco/VEJA

Vida espaçosa

Ju Collen, 46 anos, funcionária pública

“Sempre quisemos ter um sítio para relaxar nas horas de folga. O isolamento no apartamento em Porto Alegre mudou nossos planos. Compramos um terreno em Gramado e nossa casa, com uma bela vista da Serra Gaúcha, acaba de ficar pronta, satisfazendo a necessidade de espaço interno e externo.”

Os especialistas antecipam que a migração de pessoas com recursos suficientes para sustentar duas casas deve levar riqueza e alterar de forma relevante o perfil de consumo dos municípios médios e pequenos. Atualmente, as cidades com até 500 000 habitantes concentram 68% da população, 58% do PIB e 237 dos 577 shopping centers em atividade no Brasil. A expectativa é que a proporção seja cada vez maior, à medida que o agronegócio se expanda e a busca de qualidade de vida se amplie — uma aliança que tem tudo para mudar para melhor a cara do interior. “O deslocamento das classes mais abastadas traz novos contornos aos processos migratórios e reflete a inserção do Brasil em um contexto global. O território perde importância, já que o mundo está conectado em rede e as relações ocorrem por meio da tecnologia”, explica Rosana Baeninger, demógrafa e professora do Núcleo de Estudos de População da Unicamp. Nos Estados Unidos, onde as migrações rotativas são vistas há mais tempo, os municípios do entorno dos grandes centros urbanos já apresentam um perfil menos provinciano. “Muitos subúrbios estão se reformando e ganhando contornos mais urbanos, com centros comerciais, restaurantes e boas escolas”, lembra James Hughes, professor de planejamento urbano da Universidade Rutgers, em Nova Jersey.

Empurradas para as moradias mais amplas do entorno, em vez de se isolarem em minúsculos apartamentos, cerca de 100 000 pessoas acabaram optando de vez por sair de Man­hattan, o bairro mais habitado de Nova York, a meca cosmopolita do planeta, e pelo menos 30 000 foram embora de São Francisco ao longo da pandemia. Em compensação, Santa Maria e Santa Bárbara, nas imediações de Los Angeles, receberam 124% mais moradores neste ano, em comparação com o ano passado. Louisville, na encruzilhada entre Nova York e Chicago, ganhou 113% mais moradores e Buffalo, no estado de Nova York, aumentou sua população em 80%. A fuga da megalópole se repete em países como Japão — Tóquio subtraiu 30 000 habitantes — e Austrália, onde, desde março, 14 000 pessoas deixaram Sidney e 25 000 deram adeus a Melbourne. “Hoje, há uma competição por gente talentosa, criativa e inovadora. As cidades médias têm tudo para se beneficiar com a absorção dessa mão de obra qualificada”, diz Robert Muggah, fundador do Instituto Igarapé e uma das maiores autoridades sobre o tema. Enquanto a humanidade se desloca, o mundo se transforma.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Riva Júnior disse:

    Por isso estou partindo pro sertão do Seridó, graças a Deus!!!🤠🙏🏼☀️🌵

  2. RCMelo disse:

    Eu vou morar no Congo, lá é menos perigoso que o Brasil. Tem um ditador lá, mas nada que dê pra notar, aqui nem o presidente manda, tem 11 que determina.

  3. Luiz disse:

    Vou comprar uma bucólica casa em São Gonçalo, Macaíba ou Extremoz. Lá vou viver feliz da vida e dormir com as portas abertas kkkkk

  4. nasto disse:

    Aqui para onde formos corremos perigo. Praias assaltos, arrastões, tiros, agressões , etc: Nos sítios e fazendas a mesma coisa. Todos trancados , medo, insegurança. E não temos perspectiva de melhoras. Se correr o bicho pega, se parar o bicho come. Lastimável mas é a VERDADE.

  5. Calígula disse:

    Quero ver irem pra Tangará, Acari, Japi, Campo Redondo, Campo Grande, São Rafael, Coronel João Pessoa, Equador e enfrentar uma seca danada kkkkk

Homem agride esposa e esfaqueia a própria filha de 1 ano no interior do RN, diz PM

Uma criança de 1 ano de idade foi ferida de raspão por uma facada desferida pelo próprio pai na noite desta quarta-feira (13), na cidade de Umarizal, região Oeste potiguar. Segundo informações da Polícia Militar, o homem estava agredindo a esposa e tentou esfaquear a mulher, mas acabou acertando a criança. A mulher e a criança foram levadas ao hospital. O homem foi preso.
Todos os detalhe AQUI em reportagem do G1-RN.

VÍDEO: ‘Papai Noel’ furta bike de entregadora de queijos no interior de SP

Foto: Reprodução/Instagram

Um homem vestido de Papai Noel furtou a bicicleta de Fabíola Oliveira, de 33 anos, enquanto ela concluía uma entrega de queijos em salão de beleza no centro de São José dos Campos (SP), no sábado (12), por volta das 17h.

O crime ocorreu na rua Euclides Miragaia e foi flagrado pela câmera de segurança do local. Nas imagens, que mostram parte da zona externa do comércio e parte da zona interna, um homem com trajes típicos de Papai Noel pega a bike e sai pedalando.

Os funcionários do salão de beleza são clientes antigos da empresária Fabíola Oliveira, que realizava sua última venda do dia e aproveitou para tomar um copo d’água no estabelecimento. Quando voltou para pegar a bike, a mulher entrou em desespero.

“Fiquei muito nervosa, comecei a gritar na rua, chorei”, conta Fabíola, que pagou R$ 1.500 na bicicleta um dia antes do furto.

A bike foi adquirida exclusivamente para fins comerciais, segundo a vendedora. “Nós entregávamos de carro, mas por conta do preço do combustível decidimos comprar uma bicicleta”, conta ela, que administra a empresa junto com a família.

O irmão da vítima, Fernandon, postou o vídeo nas redes sociais. “Parece cômico, mas é verdade. Em um tempo onde está tão difícil para todos, com falta de emprego e muitos ralando para conseguir trabalhar honestamente, as pessoas não têm pena de ninguém e roubam até os pequenos trabalhadores”, escreveu ele.

Após registrar Boletim de Ocorrência no 3º DP de São José dos Campos, Fabíola ainda procurou o assaltante pela cidade, mas não obteve sucesso. “Ontem eu acabei não trabalhando porque fui tentar achar o Papai Noel”, disse.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Neco disse:

    Bike?… cadê o vernáculo?

Bebê de 11 meses cai de primeiro andar de prédio no Seridó

O portal G1-RN noticia nesta quarta-feira(02) que uma criança de 11 meses caiu do primeiro andar de um prédio, uma altura de aproximadamente 4 metros, no município de Parelhas, região Seridó potiguar. O caso aconteceu na tarde dessa terça-feira (1). As circunstâncias da queda não foram esclarecidas.

A matéria ainda destaca que de acordo com informações de familiares, o bebê fez uma exame tomografia e foi diagnosticado com traumatismo craniano. Os médicos estabilizaram a criança e, em seguida, ela foi transferida para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calígula disse:

    Entra Governo e sai governo e a promessa de construir um hospital Regional de Emergência no Seridó nunca é cumprida.
    Muitos hospitais no interior mal tem um RX.

    • Alexandre Magnus disse:

      Tem um em Caicó e outro em Currais Novos.

    • Maria disse:

      Uiii, concordei com vc, vou dar um exemplo, Se um infarta, o único exame é eletrocardiograma e o SAMU pra enviar pra Natal, dezenas de pessoas teriam sido salvas se já tivesse como fazer cateterismo no Serido. Quando tem a crise , o médico pede o cateterismo e demora um ano ou mais para ser autorizado, digo de certeza, tenho amigos por lá já esperando há dois anos por esse exame.

    • Calígula disse:

      Pois é Alexandre Magnus, o problema é falta de equipamentos, médicos especialistas, todo e qualquer problema que requeira imagens, cuidados especiais, os pacientes são transferidos para o Walfredo Gurgel ou Deoclecio Marques. O de Caicó e CN suas emergências são limitadas a pequenos casos.

    • BRUNO FERNANDES MEDEIROS disse:

      Um amigo quê enfartou no município de Jaçanã, realizou um procedimento cirúrgico após infarto no hospital de Currais Novos.

Polícia investiga assassinato no interior do RN de adolescente asfixiado com braçadeiras e saco plástico

Um adolescente de 16 anos foi assassinado por asfixia e teve o corpo encontrado com braçadeiras em volta do pescoço e um saco plástico sobre a cabeça no município de Marcelino Vieira, no Oeste potiguar. As mãos da vítima também estavam amarradas com braçadeiras de plástico conhecidas como enfoca-gato. A Polícia Civil acredita que o crime tenha sido premeditado.

O caso aconteceu na segunda-feira (30) e chocou moradores da cidade. Nicolas da Silva Ribeiro havia saído de casa no início da tarde e foi encontrado morto pouco depois no campo de futebol localizado na área do beira-rio, no setor urbano do município. A família do jovem afirma que ele não era envolvido em qualquer tipo de crime e não sabe o motivo do assassinato. Mais detalhes AQUI em reportagem do G1-RN.

Homem no interior do RN com quase 300 quilos aguarda transferência para UTI em colchão no chão de hospital

Foto: Cedida

Reportagem do portal G1-RN destaca que um homem de 43 anos, que pesa cerca de 300 quilos, está internado no Hospital Regional de João Câmara, município a 74 km de Natal, e precisa de um leito de UTI para estabilizar o quadro de saúde. Devido à condição de obesidade mórbida, Carlos Alberto Félix da Silva teve que ficar em um colchão no chão da unidade hospitalar, já que não existia maca adequada para suportar o peso. A família espera por uma transferência de urgência para um hospital na capital potiguar. Veja todos os detalhes AQUI no G1-RN.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mendes disse:

    Verdade. Já pagou DUAS das QUATRO folhas de pagamento atrasadas. E vai ser reeleita por mais QUATRO anos.

  2. Juliano bugueiro disse:

    No governo de Robson eram 30 no corredor desse hospital

  3. Beto disse:

    Isso é uma vergonha!!
    Fátima tá acabando com o RN.

TRAGÉDIA – (FOTOS): Acidente em rodovia no interior de SP entre ônibus e caminhão provoca 41 mortes, diz PM

Acidente provocou mortes entre Taguaí e Taquarituba — Foto: Arquivo Pessoal

Um acidente entre um ônibus e um caminhão deixou 41 mortos e feridos na manhã desta quarta-feira (25) em Taguaí (SP), segundo a Polícia Militar de São Paulo. A colisão aconteceu no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho.

Segundo o porta-voz da PM, tenente Alexandre Guedes, o local é de difícil acesso e as informações sobre o número de vítimas ainda podem mudar. Algumas pessoas ficaram presas às ferragens.

O acidente aconteceu em um trecho de curva da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho. A causa do acidente é investigada. A suspeita da polícia é que uma ultrapassagem teria provocado a colisão.

Resumo:

Ônibus e caminhão colidiram em Taguaí (SP)

Acidente aconteceu por volta das 7h

41 pessoas morreram no local; há pessoas feridas

Ônibus levava cerca de 50 trabalhadores de uma empresa têxtil

Colisão ocorreu no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho

Uma lista recebida pelas equipes de resgate aponta que 52 trabalhadores estariam no ônibus, além do motorista. A polícia trabalha na identificação das vítimas.

“A informação inicial, [seriam] funcionários de uma empresa, ao menos 53, não temos dados precisos, é uma região de difícil acesso. Pessoas socorridas para hospitais da região e outras estão recebendo socorro, presas nas ferragens”, informou o tenente Guedes.

Segundo os bombeiros, os funcionários eram levados para uma empresa têxtil em Taguaí. Os feridos estão sendo levados a hospitais de Taguaí, Fartura e Taquarituba.

O motorista do caminhão bitrem foi socorrido com vida e levado ao pronto-socorro de Fartura.

O acidente aconteceu por volta das 7h e a rodovia precisou ser interditada para atendimento da ocorrência. Equipes de resgate da Polícia Rodoviária, bombeiros e até do helicópteros Águia, da PM, trabalham no local. Até as 11h30, a rodovia permanecia fechada para o tráfego de veículos.

A Prefeitura de Taguaí decretou luto oficial por três dias na cidade. O G1 tenta contato com a Star Turismo, empresa dona do ônibus envolvido no acidente.

Arte acidente Taguaí – distância capitais — Foto: Arte-G1

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ELEITOR disse:

    Que pena lamentável, Deus conceda um bom lugar para esses espiritos e conforte familiares e amigos.

  2. Calígula disse:

    Tragédia mesmo.

Partidos do Centrão avançam nas capitais e interior do país; PT, PSDB e MDB amargam prejuízos

Dirigentes partidários do chamado centrão — bloco da Câmara que reúne legendas como PP, PL, Republicanos, PSD e PTB Foto: Editoria de Arte

Com a apuração de 99,5% dos urnas em todo o país, o mapa dos partidos brasileiros indica que legendas de centro seguem predominando no comando do Executivo em todo o Brasil. No entanto, o equilíbrio de forças se altera radicalmente para os próximos quatro anos. O MDB segue como maior partido do país, com menor força que outrora, ao passo que DEM, PSD, PP e Republicanos avançam sobre esse eleitorado. Já partidos tradicionais, com PT e PSDB, amargam prejuízos.

O retrato eleitoral indica que discursos radicais de antipolítica, uma das principais marcas do pleito de 2018, não teve força relevante no país em 2020. O histerismo que embalou candidaturas bem-sucedidas há dois anos foi ofuscado agora – as mudanças no jogo partidário envolveram mais a reorganização de atores políticos tradicionais do que o surgimento de outsiders.

Os números devem mudar até a consolidação final do resultado. No entanto, já mostram que, apesar de predominar no país, o MDB perdeu espaço e força em quatro anos, principalmente no interior do país. Até o momento, o partido comandará 750 prefeituras do país, menos do que os 1.049 políticos no Executivo em 2016 – queda de 28,5%.

Alijado do comando da máquina pública em Brasília, o partido perdeu protagonismo para legendas mais próximas do poder, mas segue influente em todo o país, com candidatos disputando em sete das 18 capitais com 2º turno.

Já as legendas com maior salto foram o núcleo duro do Centrão, base de apoio do presidente Bolsonaro no Congresso, como PP, PSD e Republicanos.

O crescimento já era esperado, uma vez que essas legendas já haviam apresentado um crescimento no número de filiados para esta eleição. Também foram alvo das principais migrações partidárias nos últimos quatro anos. Ou seja, acumulam maior capilaridade a partir de agora.

Entre os Progressistas, os 648 prefeitos eleitos até o momento colocam o partido numa posição confortável de 53% de crescimento na comparação com 2016. Mais que o avanço, a legenda conseguiu reverter a tendência de declínio no número de prefeituras conquistadas.

Desde 2000, quando conquistou 620 cidades, o partido vinha em queda no número de prefeitos. Há quatro anos atrás, foram 498.

Já o PSD, comandado pelo ex-ministro Gilberto Kassab, comandará 636 cidades, 96 a mais do que o registrado em 2016. A principal delas é Belo Horizonte, onde o prefeito Alexandre Kalil venceu no primeiro turno.

O partido do presidente Rodrigo Maia, o DEM, também avançou sua base de influência em todo o país. Até o momento, comandará 440 prefeituras, 60% a mais do que o registrado há quatro anos, quando conquistou 272 . Além do interior, o DEM cresceu sobre o eleitorado nas grandes cidades.

O Democratas comandará prefeituras importantes como Curitiba, Florianópolis e Salvador e Campo Grande. E ainda tem chance de vitória em centros importantes como Rio de Janeiro, onde Eduardo Paes disputa o segundo turno contra Marcelo Crivella (Republicanos).

Já o Republicanos, partido dos filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mostra crescimento expressivo da influência. Até o momento, comandará 216 cidades, praticamente o dobro do que conquistou em 2016 (106).

PT e PSDB em declínio

Na tentativa de recuperar o resultado de 2016, o PT conquistou até o momento menos prefeituras do que conseguiu há quatro anos. Até o momento, 178 petistas estão eleitos nos municípios – 79 a menos do que no passado, quando conquistou 257.

A despeito do cenário negativo, o partido pode terminar com um saldo melhor do que no último pleito. A legenda tem 15 candidatos classificados para o 2º turno nas maiores cidades, o que poderá aumentar sua influência sobre eleitores.

Os tucanos, por sua vez, elegeram 525 neste domingo. São 280 a menos do que o registrado há quatro anos, quando comandou 805 cidades. Assim como o PT, os tucanos podem conquistar cidades importantes e reduzir o impacto do prejuízo nas pequenas cidades.

O PSDB tem hoje 14 candidatos com chances de eleição no próximo dia 29. Além disso, conquistou nove cidades importantes, como as capitais Palmas (TO) e Natal (RN), por exemplo.

A decepção maior foi com o resultado do PSL. Com a maior parcela do fundo partidário, a antiga legenda do presidente Jair Bolsonaro elegeu apenas 85 prefeitos pelo país. Nenhum dentro das cidades com mais de 200 mil eleitores do país.

O partido poderá diminuir o resultado negativo no próximo dia 29, quando disputará o segundo turno em Sorocaba e Praia Grande, ambas em São Paulo.

O candidato à prefeitura Eduardo Paes, do DEM, vota no Gávea Golfe Clube, em São Conrado, acompanhado da mulher e dos filhos Foto: Gabriel de Paiva/Agência O Globo

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    Direita agora se transformou em centrão.

  2. Observando. disse:

    Mas o importante é que tiramos o PT, ne isso?

  3. Cris disse:

    Só lembrando que Bolsonaro não tem partido político.
    Como é o perdedor?

  4. Vale lembrar disse:

    Faltou mencionar o PSL que já foi praticamente extinto dessa eleição municipal.

  5. Jailson disse:

    O bolsonarismo levou uma lapada graaande!!

  6. Calígula disse:

    Betão Jeferson, como é bom ver o partido dele crescendo, adoro quando ele mete o pau no STF e nos políticos.

  7. Calígula disse:

    Hô centrão bom, Hô centrão invocado, tirando o PT, PSOL e PCdoB é o que interessa kkkķkkk.

  8. jb disse:

    Só a nata da Corrupção.

Advogada candidata à vice-prefeita no interior do RN publica carta aberta à sociedade, questiona ação policial e denuncia “grande perseguição política”

Foto: Reprodução

CARTA ABERTA À SOCIEDADE, DE DOUTORA DAMARIA JACOME

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Olá, meu amigos!

É com muita tristeza, revolta e indignação, que venho através dessa carta aberta à sociedade, esclarecer o momento de injustiça que eu, Dra Damaria Jácome, advogada e candidata à vice-prefeita da cidade de João Dias/RN e o Vereador Laete Jácome, meu pai, estamos sofrendo nesses últimos dias. Me mantive calada durante esse tempo esperando que a justiça fizesse seu trabalho, na demora vejo que não há razão para me calar mais e é preciso mostrar a verdadeira versão dos fatos.

É de conhecimento de todos, os últimos acontecimentos que de forma estranha tomaram uma grande repercussão em todos os jornais e blogs da Região. Neste último sábado, 17 de outubro de 2020, a minha residência foi invadida por 23 policiais e mais dois Delegados da Polícia (DEICOR/PCRN, de Natal). Chegaram na minha casa sem apresentar nenhum mandado de busca e apreensão, alguns deles com vestes não condizentes (de shorts/bermudas, chinelo), e todos com os rostos cobertos por touca “ninja”.

Chegaram truculentamente, de forma agressiva e atirando, como pode ser visto através das fotos e das muitas testemunhas que presenciaram o momento de terror vivido naquele sábado. Por medo de estarmos sendo vítimas mais uma vez de um atentando (como o que ocorreu poucos meses antes), meu pai, Laete Jácome, pediu que estes policiais, que chegaram de forma assustadora apresentassem o mandado de busca e apreensão, o qual não foi apresentando em nenhum momento, então meu pai pediu para que os policiais então esperassem a chegada de um advogado, para poder termos um pouco de garantia de segurança (pois temíamos pelas nossas vidas), que se tratavam realmente de policiais; pois, como todos sabem, dia 03 de agosto passado, nossa família foi vítima de um atentando terrorista onde chegaram cerca de 10 homens fortemente armados em carros, com sirene e se identificando como policiais, e destruíram parte da nossa residência. Isso pode ser facilmente provados através das reportagens divulgadas em vários blogs e jornais.

Quero informar a todos que, por medidas de segurança, diante de tantas ameaças e do ataques que nossa família vem sofrendo nesses últimos tempos, temos 6 armas registradas e autorizadas as respectivas posses pela Polícia Federal (órgão competente para tal). Eu, Damaria Jacome, e meu pai, Vereador Laete Jácome, adquirimos as armas de forma regular, fizemos provas, fomos aprovados e foi dado à mim e ao meu pai o direito de adquirir posse de armas e munições, TUDO LEGALIZADO E AUTORIZADO PELA LEI, como pode ser facilmente provado através dos documentos de registro. Vale ressaltar que as armas de nossa posse são seis, sendo três de minha propriedade e três de propriedade do meu pai, Laete.

Quero dizer, ainda, que, de forma estranha, meu pai foi conduzido até a delegacia de Alexandria pela polícia, mesmo tendo sido provado desde antes da chegada à própria delegacia que as armas eram todas legalizadas e devidamente registradas, todas as nossas armas registradas e legalizadas foram apreendidas e até o presente momento não foram devolvidas.

Vale ressaltar que meu Pai se encontra preso há mais de uma semana. Meu pai é um senhor de 64 anos com sérios problemas de saúde, é diabético e hipertenso. Meu pai se encontra preso acusado de porte e posse ilegal de armas de fogo, mais uma vez repito DENTRO DA MINHA CASA NÃO FOI ENCONTRADO NADA ILEGAL, apenas 6 ARMAS REGISTRADAS E LEGALIZADAS as quais estavam guardadas na parte superior da casa fora do alcance das pessoas.

Mesmo assim, o Delegado representou pela prisão do Vereador Laete, sobre as acusações de porte e posse ilegal de armas levantando a frágil fundamentação que haviam encontrado uma arma ilegal fora de nossa residência, num terreno distante e fora de nossa propriedade, sob frágil hipótese que tal arma fora arremessada da nossa residência, no entanto não foi apresentada nenhuma prova nesse sentido, somente a suposição dos delegados e os contraditórios depoimentos prestados em dissonância com o que foi apurado. Não consta nenhuma prova, e ainda assim foi decretada a prisão preventiva, tanto do meu pai, quanto minha, e estamos lutando agora para reverter essa grave injustiça e perseguição política nunca antes vivenciada.

Vale ressaltar que eu, Damaria Jacome, sequer me encontrava na minha residência no momento da busca e apreensão, cheguei apenas quando os policiais já estavam encaminhando o meu pai Laete para a delegacia. Fui até a delegacia, acompanhei o depoimento do meu pai me apresentei como Advogada e apresentei os documentos das armas que eram de minha propriedade ainda no sábado, não sendo exigido sequer meu depoimento. De maneira bizarra, na segunda-feira, foi decretada a prisão preventiva de minha pessoa, sendo que não respondo e nunca respondi nenhum processo, tenho antecedentes criminais exemplares, como poder ser visto.

Vale ressaltar que minha prisão foi fundamentada somente sob as alegações das armas registradas e legalizadas em
meu nome, como também o fato de ser irmã de pessoas que respondem processo, o que muito me estranha pois todos sabem que armas registradas/legalizadas não geram processo, muito menos de prisão. Como também, ser parente de pessoas que respondem processos nunca foi e nunca será um crime diante da justiça, pois tal ato se torna ilegal e inconstitucional, pois as penas não poderão ultrapassar da pessoa do condenado. Art 5º “XLV – nenhuma pena passará da pessoa do condenado (…)” da Constituição Federal.

Dito isto, não há dúvida nenhuma que eu, Damaria Jacome, e o vereador Laete Jacome, meu pai, estamos sofrendo uma grande injustiça e uma grande perseguição política, pois somos cidadãos de bem, com uma reputação limpa, temos mãos limpas e nada devemos à Justiça.

De forma estranha, todos esses acontecimentos foram divulgados repentina e repetidamente em inúmeros jornais e blogs, tática usada pelos nossos opositores políticos, que assim tentam denegrir a nossa imagem, em razão de estramos “disparados” na frente da disputa eleitoral em João Dias. Pois, João Dias após 40 anos de oligarquia, nesse ano de 2020 anda bem próximo de conquistar a democracia, ainda não existente na nossa cidade de João Dias .

As pessoas têm expressado sua revolta diante de tamanha injustiça; tem ido às ruas, tem se manifestado pedindo Justiça e fim da Ditadura em nossa cidade.

Eu, como profissional atuante da justiça que inclusive fiz varias denúncias, apresentando inúmeras provas de várias irregularidades do poder executivo de João Dias, que deram início a 5 processos (nepotismo, uso indevido dos transportes públicos, empregos fantasmas, distribuição ilegal de remédios e combustíveis e ainda contratação irregulares de servidores entre outros) que ainda estão pleno andamento, venho sofrendo perseguições por parte do poder executivo de João Dias ; por exercer a minha profissão e o meu direito de cidadã, valendo ressaltar que desde que fiz tais denúncias, não tive mais paz na minha vida; que desde que entrei na política de João Dias, sou ameaçada e perseguida diariamente.

Usando de minhas prerrogativas como profissional do direito e da advocacia, e como cidadã de bem, venho PEDIR JUSTIÇA às autoridades, que reparem tantas injustiças que tem sido praticado por algumas pessoas e por algumas autoridades.

Quero, de verdade, acreditar que tudo que aprendi durante os 5 anos de faculdade não foi em vão, que as madrugadas que passei acordada, estudando o direito, não foram perdidas, que as dificuldades que passei para me formar andando a pé, por falta de dinheiro para pagar minhas passagens, não foram em vão, que todo o esforço dedicado para passar na OAB não foi perdido, pois sou conhecedora do direito e da Lei e mesmo assim vivo um momento de muita injustiça!

ESPERO MUITO EM BREVE QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA !

PEÇO PROVIDÊNCIAS URGENTES AOS ÓRGÃOS DA OAB/RN, MINISTÉRIO PÚBLICO, PODER JUDICIÁRIO E TODAS AS AUTORIDADES COMPETENTES.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge disse:

    Está na cara q é perseguição política e muita grana na jogada. Tão pagando bem pago .

  2. Caio disse:

    Estamos com você doutorinha, o povo de João Dias sabe de toda a vdd, sabe quem é você, vai da tudo certo em nome de Jesus

  3. Tamara veríssimo disse:

    Dr Damaria é uma pessoa empenhada em fazer o bem e ajudar as pessoas , pessoa íntegra e correta , que hoje sofre uma grande injustiça ou melhor dizendo sofre uma grande perseguição política.

  4. Tamara veríssimo disse:

    Faltou falar sobre a crueldade pela qual trataram o candidato a prefeito da cidade que ocorreu ontem dia 26-10 , onde humilharam um homem do bem,agricultor,trabalhador, o levando a ser constrangido onde foi colocado em camburão da polícia com os pés presos, sendo tratado como deliquente por qual motivo? Já que procuraram um pra o manterem preso mais não conseguiram graças a Deus e a movimentação dos seus amigos que não suportam mais tamanha crueldade e ficaram na porta da delegacia, sem argumentos nenhum o deixaram livre , a ele, um advogado e Leidiane jácome candidata a vereadora ( grávida e deixa por horas no sol passando mal, e ainda levada numa viatura por vários lugares com a intenção de está hoje estampados os rostos de inocentes em jornais como bandidos!
    Mais o povo está do lado da verdade e essa verdade será a resposta nas urnas…. Juízes, promotores, justiça olhem os seus motivos e procurem quem devem mais não permita que támanha crueldade seja feita com inocentes que apenas lutam pela dignidade dos pobres de uma cidade que foi escrava de uma família durante muitos anos e Única coisa que deseja é mudança! Deixem o povo trabalhar!

  5. olavo disse:

    Dr é quem tem doutorado.

    • João disse:

      Dr é toda pessoa que tenha conhecimento sobre uma profissão. Até um mecânico pode ser doutor.

  6. Mitbonen disse:

    Que absurdo isso! Não tem justiça que resolva??

  7. Jayne disse:

    Isso tudo é perseguição política, mas Deus está ctg.

  8. Jayne Jácome disse:

    Estamos ctg doutorinha

  9. Jayne Jácome disse:

    Que a justiça seja feita, a doutorinha é pessoa do bem.

  10. Webrevenger disse:

    Adêvogado que não sabe escrever vale o quê?

  11. Camila disse:

    Dr Damaria é conhecida por todos os joãodienses. Menina de bem, está sendo injustiçada. Mas Deus chegará com providência!

Polícia prende no interior do RN homem suspeito de matar ex-namorada e dois adolescentes por ciúmes

O portal G1-RN noticia nesta segunda-feira(26) que um homem de 29 anos foi preso suspeito de ter assassinado uma jovem de 19 anos e dois adolescentes em julho, no município de Barcelona, distante cerca de 110 quilômetros de Natal. Segundo a polícia, o homem seria ex-namorado da mulher, Maria Fernanda Borges de Sousa, e teria cometido o crime por ciúmes. A prisão foi realizada na tarde do último sábado (24), na própria cidade, por policiais da Delegacia de São Tomé, com apoio da equipe da Delegacia de Plantão da Zona Sul de Natal. O mandado de prisão temporária foi expedido pela Vara Única da Comarca de São Tomé. Matéria com detalhes aqui, em texto na íntegra.

Candidato a vereador é preso com R$ 15 mil na cueca no interior de Sergipe

Foto: Divulgação/PM-SE

Um candidato a vereador de Carira, no semiárido de Sergipe, foi preso ontem com R$ 15.300 em uma sacola escondida na cueca. Edilvan Messias dos Santos, o Vanzinho de Altos Verdes (PSD), foi detido em flagrante por policiais militares que investigavam uma denúncia de compra de votos no povoado de Altos Verdes, zona rural do município.

O PSD anunciou que investigará o caso. O UOL procurou a defesa do candidato, mas não obteve resposta.

Segundo a PM, o flagrante foi realizado depois que a equipe da 2ª Companhia Militar foi informada, por uma denúncia pelo número 190, que pessoas circulavam em dois veículos no povoado sob a suspeita de comprar votos.

Os policiais foram ao local e, após buscas na região, localizaram os suspeitos por volta das 14h30. Durante a abordagem, os policiais encontraram material de campanha dentro de um dos carros, que estava ocupado por um casal.

Ainda de acordo com a PM, ao ser questionado sobre a procedência do dinheiro, Vanzinho de Altos Verdes informou que havia recebido um pagamento na cidade de Itabaiana (SE) e pretendia usar o valor para comprar um veículo.

O suspeito foi apresentado na Delegacia de Carira, onde foi aberto um inquérito para investigar o caso. O PSD disse que vai apurar o caso e avaliar o que fará com o candidato. A reportagem do UOL tenta contato com a defesa do candidato.

A Secretaria de Segurança Pública do Sergipe informou ainda foi instaurado inquérito para apurar o caso, e que o candidato vai responder em liberdade. A Justiça Eleitoral já foi comunicada do caso.

UOL

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eleição disse:

    Só encontra na Cueca..? E na calcinha..?

  2. Théo disse:

    Virou moda foi?!

  3. Marquito disse:

    É porque é messias……kkkkkk

VÍDEO: TRE precisa se posicionar sobre aglomerações políticas no interior

Já é a quarta semana seguida que vários municípios no Rio Grande do Norte concentram multidões nas ruas, com carros de som, paredões, sem contar aglomerações em postos de gasolina e praças. Multidão. Pior do que carnaval fora de época, eventos e festas, que estão proibido. (Vídeo cedido acima foi registrado na cidade de Encanto).

Mas, no interior, os políticos acham isso normal. E não adianta terceirizar a responsabilidade para a população. O responsável é o candidato. O Tribunal Regional Eleitoral(TRE) precisa de posicionar.

É uma vergonha o que assistimos esse final de semana em mais de 15 municípios do estado. É uma falta de respeito. O Custo de vida e econômico não é dessa turma que tá lacrando feito um bando de bestas para políticos, para mostrar força. É para toda sociedade e, principalmente, para os profissionais de saúde.

BASTA.

BG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria disse:

    BG, informa pra gente casos de relação entre flagrantes de aglomerações e aumento de casos de COVID, me refiro a antes dessas por motivos eleitorais… em tempo: numa era de internet, redes sociais, etc.. acho hilário essas campanhas de cidades do interior, com um monte de gente na rua, muito dinheiro gasto… porém, uma coisa eh uma coisa e outra eh outra…

  2. GUEDES disse:

    Creio que devemos dar uma resposta a este absurdo, e temos a ferramenta em mãos ,vamos boicotar as eleições deixando so esses idiotas irem votar

  3. Carlos disse:

    Não querem nem saber, e os besta correndo atrás, o que interessa é o bolso cheio desses políticos .

  4. Paulo Roberto disse:

    O provável é que aumentem os casos de covid. Só espero, que passada a campanha, não venham com conversa de lockdown para a atividade econômica. Lembrando, que a grande maioria das empresas, fez investimentos pesados nas medidas profiláticas.

  5. LEO disse:

    Aglomeções para movimento político PODE,fazer a Economia Funcionar,e Voltar ás aulas,NÃO Pode…So num Desgoverno Incompetente como esse do RN !!!!!!

  6. Tarcísio Eimar disse:

    É só impugnar a candidatura, no instante acaba com essa baderna

  7. Vergonha disse:

    Esses vermes políticos pode tudo …escola fechada pode

  8. Adailton disse:

    Culpa de nossas cortes superiores, especialmente o TSE que insistiu numa eleição esse ano. Interior é tradição eleição juntar bastante gente, as pessoas são apaixonadas por politica e não quem proíba isso. As vezes os candidatos nem sabem da realização de tais eventos. O erro foi não consolidar as eleições em 2022. Reduziria custos, integraria todas as eleições do país e evitaria uma segunda onda de Covid.

  9. Mariangela disse:

    O TRE, deveria punir o candidato com a perda da candidatura.
    Num instante isso se resolveria.
    Infelizmente as coisas nesse país só se resolve quando alguém sente na pele.

  10. pereira disse:

    Essas autoridades salafrarias, NUNCA tiveram INTERESSE no Isolamento e Distanciamento Social, bem como em uma FISCALIZAÇÃO Rigorosa, PARA CUMPRIMENTO das Diretrizes contidas nos decretos publicados. É Tudo um FAZ DE CONTA, Tudo de Mentirinha, Tudo Enganação. e agora com as eleições tende essa pandemia a PIORAR, em virtude do povo também NAO se interessar por Isolamento e os candidatos gostarem de verem o povo sofrendo e lhes pedindo favores. ISSO É UMA VERGONHA E UM CRIME CONTRA A HUMANIDADE.

  11. JAG disse:

    O pacto pela vida da Gov. Fátima só valia para destruir a economia, para a politicagem pode tudo, começando por ela no evento de Mossoró, vergonha.

  12. Azevedo disse:

    Cadê o governo do Estado do RN com seu pacto pela vida? Cadê as autoridades de saúde com seus me engana que eu gosto do “fique em casa”, política é tudo uma porcaria só.

  13. Almir disse:

    Tem que cassar a chapa do candidato que tiver passeata, comício ou qualquer tipo de aglomeração.

  14. AMAURY OLIVEIRA disse:

    É o Brasil dando show de incompetência, mais uma vez, infelizmente.

  15. Daniel Oliveira disse:

    Deve ser culpa do Bolsonaro.

  16. Nildo disse:

    Claro que não precisa fiscalizar porque eles O TRE colocou a vacina na rua o nome da vacina ELEICÕES, pense em uma vacina boa. No RN a vacina do TRE já tá fazendo efeito 2 ou 1 morte por dia e o numero de mortes em investigação só aumenta.

Candidato a prefeito no interior do RN está desaparecido e família pede ajuda

O Jornal Folha Regional, no Alto Oeste, noticia que o candidato a prefeito de Antonio Martins, João Venâncio, está desaparecido desde de ontem quando saiu em busca da cidade de Pau dos Ferros. A família está desesperada atrás de notícia dele.

Segundo o jornal Folha, o carro de João Venâncio foi encontrada oa BR 405, às margens da pista, mas até o momento o candidato Venâncio não foi localizado.

“Já procuramos nos hospitais, delegacias, e vários outros locais”, relatou uma pessoa ligada a família que solicitou a ajuda do Jornal para tentar localizar seu João Venâncio.

Matéria completa AQUI.

Polícia Civil conclui investigação sobre perfis falsos atuantes no interior do RN e suspeito é indiciado por estelionato; Facebook, Instagram, Tinder e WhatsApp entre ferramentas

Foto: Ilustrativa

Policiais civis da Delegacia Municipal de Marcelino Vieira concluíram, nesta quarta-feira (23), uma investigação sobre perfis falsos em redes sociais, que se passavam por uma jovem do município de Marcelino Vieira e marcava encontros de natureza sexual, bem como divulgava fotos íntimas, captadas aleatoriamente na internet, como se fossem dela. Os fatos ocorriam há, aproximadamente, três anos. O perfil falso utilizava das plataformas do: Facebook, Instagram, Tinder, bem como WhatsApp para marcar os encontros.

O autor dos perfis falsos tinha conhecimento da rotina da vítima e, muitas vezes, marcava encontros em lugares nos quais sabia que ela estaria, de modo com que a pessoa que o perfil falso havia conversado chegava apresentando intimidades com a outra vítima (do perfil), sem que esta soubesse de nada do referido encontro.

Além disso, o autor dos perfis falsos chegou a solicitar dinheiro às pessoas com quem conversava, se passando pela jovem. Os policiais da equipe conseguiram identificar o criador dos perfis falsos, que confessou a autoria das condutas criminosas. O suspeito foi indiciado pelo crime de estelionato, pelo fato de ter solicitado dinheiro se passando pela jovem.

Com relação às outras condutas, estas configuram crime de iniciativa privada, de modo que a vítima foi cientificada sobre o resultado da investigação e deverá ingressar com a competente queixa-crime. De acordo com o delegado responsável pelo caso, o resultado da investigação sinaliza importância, sobretudo neste momento eleitoral, pois é bastante comum que alguns cidadãos se escondam, por meio do anonimato das redes sociais, para atingir a honra de outras pessoas.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio carlos disse:

    Bacana seria se o telefone informado atendesse 🤷‍♂️🤷‍♂️🤷‍♂️

  2. Paulo disse:

    Bacana, trabalho interessante da Polícia Civil! 👏👏👏

FOTOS: ‘Deu vontade’, diz homem preso em flagrante após confessar que ateou fogo em área de vegetação no interior do RN

Homem ateou fogo em vegetação às margens da BR-226 em Janduís, região Oeste — Fotos: Focoelho.com

Um homem de 62 anos foi preso em flagrante na tarde desta terça-feira (8) depois de atear fogo em uma área de vegetação às margens da BR-226, no município de Janduís. Questionado pela Polícia Militar sobre o motivo de ter iniciado o fogo, ele disse que o fez porque “deu vontade”. Ele foi encaminhado a delegacia e em seguida ao sistema prisional.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    É mais um esquerdopata lutando para destruir a nação.
    Tem que investigar quem é o mandante.
    Se pegasse 10 anos de prisão nunca mais faria isso.

Mais de R$ 106 milhões movimentados entre 2018 e 2020 – (FOTOS): Operação da PF combate contrabando de cigarros no interior do RN e realiza prisões

Fotos: Divulgação/PF

A Polícia Federal em Mossoró, com apoio da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI/MJSP), deflagrou na manhã desta quarta-feira(29) a Operação Smoke Route para combater o contrabando de cigarros no interior do Rio Grande do Norte.

Cerca de 40 Policiais Federais cumpriram 3 mandados de prisão preventiva, 10 mandados de busca e apreensão, além de dar cumprimento à cautelares diversas das prisões decretadas contra 3 investigados. Todas as medidas judiciais foram determinadas pela 12ª Vara da Justiça Federal em Pau dos Ferros/RN.

As prisões e buscas ocorreram em cidades potiguares situadas na Região Oeste: Umarizal, Riacho de Santana e José da Penha. Entre os presos está uma mulher de 35 anos, esposa de um comerciante da cidade de Umarizal que já havia sido alvo de diligências no mês de junho último, o qual ainda se encontra foragido, e dois homens, de 38 e 34 anos, irmãos desse mesmo investigado. Foram apreendidos automóveis, caminhão, moto, celulares e R$ 200 mil em espécie.

As investigações tiveram início a partir de 11/06/2020 quando a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a SEOPI/MJSP realizaram a apreensão de 1.362 caixas de cigarros em uma propriedade rural pertencente ao grupo, cuja carga foi avaliada pela
perícia criminal em cerca de R$ 3,4 Milhões.

Essa mesma investigação já tinha resultado na prisão de outros 3 homens no dia 26/06/2020, os quais atuavam como braço armado do bando na segurança do transporte das cargas ilícitas.

Ressalte-se que esse grupo familiar estruturou uma organização criminosa dedicada ao contrabando de cigarros, adotando práticas de lavagem do dinheiro ilícito por meio de “laranjas”, movimentando entre os anos de 2018 e 2020, mais de R$ 106 milhões em
suas contas bancárias.

Há indícios de que os cigarros são trazidos de Trinidad e Tobago, no Mar do Caribe, em embarcações que circulam pela costa do litoral potiguar, seguindo posteriormente em carretas para destinos variados, inclusive outros estados da Federação.

O nome da operação faz referência a rota internacional de contrabando de cigarros que em território brasileiro se utiliza de estradas secundárias, evitando rodovias federais, visando burlar a fiscalização e atuação repressivas das polícias.

Apesar das restrições sanitárias impostas pela pandemia do novo coronavírus, a Polícia Federal e as demais forças policiais seguem atuando em sintonia contra o crime organizado no estado do Rio Grande do Norte.