Polícia

Bandidos invadem granja na Grande Natal, fazem reféns e trocam tiros com a PM

Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

A Polícia Militar registrou uma invasão criminosa a uma granja na noite dessa terça-feira (27), no distrito da Taborda, em São José de Mipibu, na região metropolitana de Natal. De acordo com a ocorrência, bandidos fizeram moradores reféns e trocaram tiros com a PM. A série de crimes começou por volta das 19h. Na ocasião, três criminosos invadiram a granja e fizeram o caseiro e seu filho reféns.

Segundo a PM, após revirarem a casa das vítimas à procura de armas e objetos de valor, os bandidos determinaram que os homens abrissem o portão que dá acesso à casa principal da granja. Cinco pessoas da mesma família estavam dentro do imóvel. O casal dono da granja disse que tinha acabado de jantar, quando ouviu batidas na porta. Uma das vítimas, uma empresária de 37 anos, afirmou que achava que eram pessoas conhecidas, mas olhou por uma fresta e viu que eram bandidos armados. Ela avisou a todos da casa que se acalmassem. A mulher ainda afirmou que percebeu que os marginais estavam com os caseiros como reféns. Os bandidos exigiam os carros, dinheiro e armas que houvesse em casa. Para proteger os reféns, a família entregou a chave de dois veículos. Um dos carros, uma caminhonete Hilux, foi levada pelos assaltantes, além de dinheiro e celulares.

Após o crime, a Polícia Militar fez buscas na região e se deparou com os bandidos no distrito de Arenã, entre São José de Mipibu e Vera Cruz. Os criminosos então atiraram em direção aos policiais, que revidaram. Apesar do cerco, os criminosos conseguiram fugir. A caminhonete roubada foi recuperada pela polícia.

Com acréscimo de informações do G1-RN

Opinião dos leitores

  1. Segundo os ESQUERDOPATAS essa bandidagem são as VÍTIMAS DA SOCIEDADE.
    Foram anos repetindo esse mantra, o resultado está aí.
    Violência sem controle, onde ninguém está protegido mesmo dentro de seus lares.

    1. O teu Minto, disse que iria resolver. E já se passaram 2 anos…

    2. Nessas situações, a polícia tinha que cancelar pelo menos dois CPFs

  2. Esses lixos sempre roubam hillux… Podiam colocar eles dentro da caçamba com a lona fechada, borrifar spray de pimenta e fechar a tampa pra deixarem de ser otários…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTO: Baloeiros invadem o Galeão e trocam tiros com policiais atrás de artefato que poderia ter causado ‘acidente aéreo de proporções gigantescas’

Foto: Divulgação / Polícia Federal

Um grupo de baloeiros armados invadiu o Aeroporto Internacional do Galeão no fim da noite desta segunda-feira, por volta das 23h, com carros e motos atrás de um balão de cerca de 18 metros que caiu na pista e, de acordo com a Polícia Federal, poderia ter causado um acidente aéreo “de proporções gigantescas”. Além do risco de uma tragédia, os criminosos, que buscavam o artefato que entre as quadrilhas valia um prêmio de R$ 5 mil, ainda trocaram tiros com os policiais. Dois foram presos e o restante do grupo conseguiu fugir num barco.

A ação, conta a PF, foi notada quando policiais de plantão no Galeão receberam a informação da invasão e detectaram a movimentação dos bandidos nas câmeras de segurança do aeroporto. Os baloeiros chegaram a trocar tiros com os policiais, antes de dois deles serem presos. De acordo com a dupla, o bando estava em busca do artefato chamado entre eles de “balão painel”. Segundo os investigadores, tratava-se de um balão disputado entre grupos de baloeiros, sob a recompensa de R$ 5 mil e até um troféu para quem conseguisse resgatá-lo “a qualquer custo”. Fotos divulgadas pela PF mostram o artefato caído sob a pista do aeroporto.

“A ousadia destas pessoas foi tamanha que além dos vários veículos que invadiram o Aeroporto Internacional, os marginais utilizaram na fuga, inclusive uma embarcação marítima que conseguiu, após trocar tiros com os policiais civis e federais, escapar pela Baía de Guanabara”, conta trecho da nota divulgada pela Polícia Federal.

Em nota, a concessionária RIOGaleão afirmou que as atividades não foram afetadas, e que colabora com as autoridades sobre o incidente. O comunicado, ao contrário das versões das polícias Civil e Federal, diz que a invasão foi impedida:

“O RIOgaleão esclarece que, ontem à noite (20/07), uma ação coordenada entre a segurança da concessionária e os órgãos públicos de segurança impediu a invasão de um grupo de pessoas ao sítio aeroportuário. Duas pessoas foram presas ao tentar entrar em área restrita sem autorização. O RIOgaleão ressalta que colabora com as investigações da Polícia e que já forneceu imagens das câmeras de segurança para apuração do caso. A operação do Aeroporto Internacional Tom Jobim não foi afetada”.

‘Consequências imprevisíveis’

Para Moacyr Duarte, especialista em análise e gerenciamento de riscos, os riscos eram grandes e com consequências imprevisíveis, e houve atraso na resposta da polícia, que, a partir desta ação, deve passar atentar-se melhor para este tipo de situação, principalmente neste momento, temporada em que estas gangues mais atuam.

– O balão é proibido, entre outros motivos, porque ele afeta o tráfego aéreo. Isso todos nós já sabemos. O que não sabíamos é que os baloeiros conseguiriam invadir pistas de aeroporto. Todas as instalações ou indústrias localizadas em áreas grandes devem também pôr as barbas de molho agora: com esse cenário, se eles invadiram um aeroporto, qual área não invadirão atrás de um balão? – questionou.

O pesquisador surpreendeu-se com a ousadia dos criminosos, que entraram com carro e morto e conseguiram fugir ainda numa embarcação.

– Os baloeiros entraram de carro e moto, ostensivamente, então o sistema de identificação via câmera e o sincronismo de resposta efetivamente foi algo que tardou. Segundo a polícia, eles já tinham entrado quando foram notados, então eles arrombaram alguma entrada ou entraram por algum ponto descoberto, o que eu acho difícil num ambiente tão controlado. Eles tiveram tempo para efetivar a ação – disse. – Me chamou muita atenção também eles fugindo de barco. A área de proteção marítima ali do Galeão é enorme, e não ter uma resposta com meio prático… é tudo muito estranho.

Duarte falou também sobre os riscos da invasão: grandes e de consequência imprevisíveis.

– Quanto à intervenção deles naquele ambiente, poderia fazer, dependendo da posição deles ou do balão, com que um avião arremetesse, por exemplo, ou que até mesmo transformasse um pouso tranquilo num pouso de emergência com consequências imprevisíveis. Naquela troca de tiros, pilotos estrangeiros poderiam achar até que tratava-se de uma ação terrorista.

– A impressão que eu tenho é que o estado de alerta da defesa não era proporcional ao que de fato aconteceu: e proporcional ao que eles acham que pode acontecer. Como esse cenário dessa invasão é completamente estapafúrdio, isso não devia estar no radar deles. Espero que daqui para frente, principalmente nesta época do ano, temporada de baloeiros, eles façam agora um plano de emergência, contingência: monitorem de fato quando um balão tem potencial de chegar à área. Caso aconteça, que já cerquem-se as entradas, para evitar invasões – concluiu.

Após as formalidades na Delegacia do Aeroporto Internacional, os presos foram autuados no artigo 42, da Lei de Crimes Ambientais, Artigo 261 (expor a perigo embarcação ou aeronave, própria ou alheia, ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação marítima, fluvial ou aérea) e associação criminosa. Não há fiança. Eles foram encaminhados à Seap, onde ficarão à disposição da Justiça.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Ainda tem seguidor de um cara que acha que o Brasil vai ficar mais tranquilo quando cada cidadão tiver com uma pistola na mão. Os policiais vão correr risco de vida a cada abordagem ou atendimento de ocorrência.

    1. Quanta asneira! Entraram armados e segundo você, deveriam ser combatidos com flores? Surreal!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Bandidos assaltam padaria, trocam tiros durante fuga, mulher corre assustada e é atropelada na Avenida Prudente de Morais

Foto: Reprodução

O portal G1-RN destacou na noite dessa terça-feira(22) uma ação criminosa realizada por dois assaltantes no início da noite na padaria Gosto de Pão, localizada na Avenida Prudente de Morais, no bairro Barro Vermelho, na capital potiguar. Segundo relatos de clientes, na saída os criminosos trocaram tiros com um homem que presenciou a fuga e reagiu.

Os bandidos conseguiram escapar por uma rua lateral à padaria. Uma mulher que estava indo em direção ao estabelecimento percebeu a ação, se assustou com a troca de tiros e correu. Ela tentou atravessar as duas vias da Avenida Prudente de Morais, mas acabou sendo atropelada por um carro no sentido Zona Sul para o Centro.

Segundo a reportagem, a mulher foi atendida pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e, conforme relatou o marido, estava consciente, mas sentia muitas dores.

Ainda segundo a reportagem, pessoas que estavam no local disseram que os bandidos levaram alguns pertences de clientes, como celulares. Diligências foram realizadas, mas nenhum suspeito foi encontrado.

https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2019/10/22/bandidos-assaltam-padaria-e-trocam-tiros-durante-fuga-em-natal-mulher-corre-assustada-e-e-atropelada.ghtml

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Bandidos fazem arrastão em ônibus fretado na Grande Natal, trocam tiros com a polícia e abandonam material roubado

O portal G1-RN destaca nesta segunda-feira(14) uma ocorrência policial em que quatro homens armados fizeram um arrastão na noite desse domingo (13) em um ônibus fretado que seguia pela BR-101, em São José de Mipibu, na Grande Natal. Depois de recolher os pertences de cerca de 30 vítimas, eles fugiram, mas foram encontrados pela polícia, trocaram tiros com os policiais e abandonaram o material roubado. O veículo seguia com um grupo de 40 pessoas evangélicas que voltavam de Maceió (AL). Leia todos os detalhes aqui em texto na íntegra.

Opinião dos leitores

  1. Francisco, era um carequinha, doutorado em segurança, só que ele só deu entrevista quando o governo era Robson, com Fatinha ele sumiuuuuuuuuuuuuuuuuu…

  2. Por onde anda aquele senhor, que alimentava a mídia com dados estatísticos, sobre violência no RN, até o final do ano passado, e que foi designado para um cargo, não me ocorre, agora, qual, no governo do Estado do RN? Quase toda semana o mesmo estava nos órgãos de imprensa, dando entrevistas sobre tais dados e, de repente, SUMIU!!!

  3. A violência voltou a estar descontrolada e em níveis alarmantes em nosso Estado. A população esta amedrontada e acuada, e o Governo finge que nada esta acontecendo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *