Instituto de Medicina Tropical registra aumento de testes positivos para covid-19 em novembro no RN

Foto: Reprodução/IMT

O Instituto de Medicina Tropical (IMT) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou, até novembro, um total de 57.773 testes da covid-19, sendo 49.273 do tipo RT-PCR e 8.500 do tipo sorológico. A unidade registrou ainda um aumento significativo no número de resultados positivos em novembro, aproximando da quantidade que foi registrada nos meses de pico da doença.

Do total de 49.273 testes do tipo RT-PCR, 15.360 foram positivos para covid-19, o que representa cerca de 31% dos exames. Já dos 8.500 testes sorológicos, 1.700 deram positivo, correspondendo a 28% dos exames. O Instituto registrou, em julho, 3.579 resultados positivos para covid-19; em agosto, 1.990; em setembro, 1.190; em outubro, 808; em novembro, 2.785; e, somente no primeiro dia de dezembro, foram registrados 208 testes positivos.

Conforme a diretora do IMT, Selma Jerônimo, havia alertado no início de novembro, a tendência de aumento nos casos se concretizou, o que reforça ainda mais a necessidade de redobrar as medidas de prevenção, como o distanciamento social, a higiene das mãos e uso de máscaras. “Estamos vivendo um momento crítico com relação à pandemia da covid-19, com claro aumento nos casos. Nós voltamos, em novembro, à situação observada em junho e julho. Esse aumento irá repercutir no adoecimento de pessoas com algum tipo de comorbidade. Novamente, haverá uma demanda excessiva dos serviços de saúde com eventual saturação”, analisa a cientista.

Ainda segundo a professora, o aumento de casos da doença observado no Brasil e nos Estados Unidos, além de países da Europa, mostra que aglomeração sem os cuidados preventivos resulta em maior transmissão do vírus. Nessa perspectiva, “atividades que envolvem uma maior quantidade de pessoas têm que ser cuidadosamente planejadas, asseguradas que todas as medidas sejam implementadas e as pessoas realmente sigam o protocolo de biossegurança. Apesar da maioria com doença evoluir sem complicações, um percentual importante evolui com doença grave, mesmo entre os mais jovens”, Selma Jerônimo considera ainda que o momento exige cautela e participação de todos para minimizar risco e diminuir a transmissão.

Atualmente, com recursos doados pelo Ministério Público do Trabalho e material adquirido com verba do Ministério da Educação, o IMT realiza testes para 17 municípios do estado, que são Natal, Mossoró, Apodi, Areia Branca, Caraúbas, Cruzeta, Extremoz, Felipe Guerra, Governador Dix Sept Rosado, Grossos, Itaú, Janduís, Olho-D’água do Borges, Pureza, Rodolfo Fernandes, Santa Cruz e Severiano Melo, além de analisar os exames de profissionais da saúde, como os do Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), do Hospital Universitário Ana Bezerra (HUAB) e da Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC).

Com UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    Supermercados e shoppings em Natal.
    Pessoas não respeitam distanciamento e várias não usam máscara.
    Ou seja, não estão nem aí e os estabelecimentos não colocam ninguém para chamar atenção nem a prefeitura fiscaliza.

  2. Matheus disse:

    É óbvio que com o tempo, cada vez mais pessoas vão ter contato com o vírus. Mas não faz o menor sentido querer fazer lockdown ou fechar o comércio por causa de uma doença que a imensa maioria das pessoas terão apenas sintomas leves (ou nem isso!)

    • Paulo disse:

      Negativo.
      Estava diminuindo.

    • Isabel disse:

      Então, para você, já que pessoas vão "morrer mesmo" e a maioria TALVEZ nem sinta nada, o melhor é negar o óbvio e seguir com a boiada? Lendo esse tipo de coisa vejo que tem os muito a melhorar enquanto seres humanos… O que dizer a quem perdeu um pai, uma mãe, um filho…?

  3. Calígula disse:

    Novidade!

COMENTE AQUI