Ministério da Justiça e Segurança Pública diz que celular de Bolsonaro foi alvo de ataque hacker

Foto: Marcos Corrêa/PR – 23.07.2019

O Ministério da Justiça e Segurança Pública informou, nesta quinta-feira (25), que os celulares usados pelo presidente Jair Bolsonaro foram alvos de ataques de hackers.

As invasões aos celulares do presidente teriam sido feitas pelo grupo preso na terça-feira (23), acusado de hackear aparelhos de outras autoridades, como os ministros Sergio Moro e Paulo Guedes e procuradores da operação Lava Jato.

Leia a nota da pasta na íntegra:

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública foi, por questão de segurança nacional, informado pela Polícia Federal de que aparelhos celulares utilizados pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, foram alvos de ataques pelo grupo de hackers preso na última terça feira (23). Por questão de segurança nacional, o fato foi devidamente comunicado ao Presidente da República”.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nordeste com orgulho disse:

    Vejam o nível de insanidade, o que é revelado pela justiça, pelos investigadores, pelas provas, não tem valor. Não senhores, não vele nada
    Mas o discurso que sai dos porões da corrupção, o falatório que surge da lama cerebral dos condenados, as colocações criminosas dos bandidos contra justiça, isso sim é aceito e repetido pelos zumbis esquerdopatas que estão desesperados com o fim da distribuição insana dos recursos públicos e soltam seus berros insanos, com conclusão deplorável, reflexo da completa falta de raciocínio.

  2. Maurício disse:

    Qual o problema nisso? É o vale tudo para derrubar Bolsonaro, mesmo sendo ilegal, contra a segurança nacional, entendendo – terrorismo, mesmo sendo de forma criminosa. É o desespero em sua materialidade.
    Mas Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, aquela que responde a processo por apropriação de recursos dos idosos, processo parado no STF devido ao foro privilegiado, está participando do famigerado "foro de São Paulo", repleto de figuras controversas da esquerda, ocorrendo na Venezuela, país com ditador… é legal, democrático e compreensível, nada demais.
    Por sinal ontem todos ficaram no escuro devido a falta de energia, mais um apagão na Venezuela.
    Venezuela que dá exemplo de tratamento igualitário com 90% da população na miséria, fugindo para outros países, fugindo da fome, da falta de emprego, da falta de saúde, fugindo da perseguição violenta do ditador Maduro e suas milícias em nome do poder.
    Mas é assim que estamos vendo o momento atual, onde bandido, criminoso e terrorista fazem o que querem e bem entende e o ministro da justiça que vai dar satisfação.
    Um país de cabeça para baixo, totalmente invertido, alguma dúvida?

  3. joao disse:

    KKKKKKKKKKKKKK…que cascata danada..
    Quem acredita nessa idiotice, só o gado mesmo…kkkkkkkk

Reportagem de O Globo revela que ataque criminoso de hackers foi orquestrado e mirou ‘coração’ da Lava-Jato”, atingindo até Janot e juíza que substituiu Moro; veja como PF detalha ação

Foto: Jorge William / Agência O Globo -20/05/2019

Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) têm indícios de que o ataque hacker que expôs mensagens privadas do juiz Sergio Moro e de procuradores foi muito bem planejado e teve alcance bem mais amplo do que se sabe até agora. Entre os alvos dos criminosos, estiveram integrantes das forças-tarefas da Operação Lava-Jato de ao menos quatro estados (Rio, São Paulo, Paraná e Distrito Federal), delegados federais de São Paulo, magistrados do Rio e de Curitiba.

Além do atual ministro da Justiça e do procurador Deltan Dallagnol,foram alvo de ataques a juíza substituta da 13ª Vara Federal Gabriela Hardt (que herdou processos de Moro temporariamente quando ele deixou o cargo), o desembargador Abel Gomes (relator da segunda instância da Lava-Jato no Rio), o juiz Flávio de Oliveira Lucas, do Rio, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot , os procuradores Januário Paludo, Paulo Galvão, Thaméa Danelon, Ronaldo Pinheiro de Queiroz, Danilo Dias, Eduardo El Haje, Andrey Borges de Mendonça, Marcelo Weitzel e o jornalista do GLOBO Gabriel Mascarenhas . Outros dois procuradores, ambos ex-auxiliares de Janot, relataram ao GLOBO também terem sido vítimas de ataques de hackers, mas pediram para não terem os nomes publicados.

Em nota, a Justiça Federal confirmou que a substituta de Moro foi atingida e disse que o fato foi “imediatamente comunicado à Polícia Federal”. Segundo o texto, “a juíza não verificou informações pessoais sensíveis que tenham sido expostas”.

Em alguns casos, como o da força-tarefa da Lava-Jato no Rio, alguns integrantes evitaram a invasão, já que tinham controles mais rígidos, em especial a verificação em duas etapas para acesso remoto ao aplicativo Telegram.

As mensagens atribuídas a Moro e Deltan indicam uma atuação combinada em determinados momentos da Lava-Jato, inclusive no processo que resultou na condenação do ex-presidente Lula, expondo a operação a inédito desgaste.

Mesmo após a revelação do caso, o esquema criminoso continua em atuação. Na noite de terça-feira, um hacker entrou em contato com José Robalinho, ex-presidente da Associação Nacional de Procuradores, se fazendo passar pelo procurador militar Marcelo Weitzel, que teve seu celular invadido, como revelou a revista Época.

Em meio à crise deflagrada pelos ataques, procuradores discutem entre si as mais variadas teses sobre as origens dos ataques. Alguns levantam suspeitas até sobre invasões de origem russa, o que não está comprovado. Mas, se os autores ainda são desconhecidos, entre os alvos prevalece a ideia de que as invasões são uma ação orquestrada contra a Lava-Jato.

Ação profissional

A Polícia Federal investiga os ataques dos hackers com duas turmas de agentes e delegados, em quatro cidades. A Procuradoria-Geral da República também abriu um procedimento para acompanhar o trabalho da polícia. A apuração desse tipo de crime é tida como complexa, e o prazo para conclusão das investigações será longo, prevê a cúpula da PF.

As suspeitas iniciais apontam para um mandante com capacidade financeira para bancar o esquema aparentemente sofisticado de ação. Uma das hipóteses é a de utilização de equipamentos que custam entre US$ 2 milhões e US$ 3 milhões, segundo uma fonte da cúpula da PF ouvida pelo GLOBO. Há diversas empresas sediadas no leste europeu e no Oriente Médio que oferecem estes serviços por esses valores.

Por outro lado, chamou a atenção o fato de o suposto hacker ter feito piada na terça-feira com um dos alvos. Numa das mensagens, o invasor afirmou que é apenas um “técnico de TI” (Tecnologia da Informação), sem objetivos partidários.

Segundo os relatos das vítimas e apurações do Ministério Público Federal, o esquema funciona em três etapas:

1 – O hacker descobre o número do celular da vítima e o utiliza para solicitar, via desktop, a abertura de nova sessão do Telegram. Imediatamente, o aplicativo encaminha para a vítima o código de acesso, via SMS, achando que o pedido foi feito pelo dono da conta;

2- O clonador adquire um número de celular, geralmente em países onde há pouca fiscalização, e o utiliza para ligar para a vítima, depois de ter solicitado o código de acesso. Por alguma técnica ainda desconhecida, a vítima, ao atender, permite que o clonador capture todo o conteúdo do SMS, incluindo o código de acesso ao Telegram;

3- Com esse código, o hacker acessa o Telegram através de seu PC e pode ver todas as conversas da vítima, entre as quais as de grupos. Isso porque os diálogos pretéritos ficam guardados no aplicativo. O hacker pode fazer um backup de todos os arquivos, mídias e conversas da vítima e/ou pode se passar por ela perante terceiros no aplicativo, dialogando etc.

Os integrantes do MPF só deram conta do tamanho da ação depois da divulgação dos diálogos de Moro com os membros da força-tarefa de Curitiba. Para o golpe ter êxito, desconfiam, é preciso da conivência de alguém dentro das operadoras de telefonia, uma vez que o acesso é dado no momento em que a vítima atende a ligação. Alguns dos números usados pelo esquema já foram repassados à Polícia Federal.

O problema, apuraram, seriam uma brecha denominada pelas operadoras de “Falha SS7”. Embora aplicativos como o WhatsApp e a Telegram ofereçam criptografia ponta a ponta para evitar que suas mensagens sejam interceptadas, ambos usam o número de celular do usuário para funcionar, e isto abre a guarda para os ataques. A fraude do SS7 permite que qualquer pessoa com acesso à rede de telecomunicações envie e receba mensagens celulares específicas, com alguns ataques que permitem aos hackers interceptar textos, chamadas e dados de localização.

O início dos ataques

A série de invasões teve início, até onde se sabe no momento, em 24 de abril. No primeiro dia de aposentadoria, Janot voltou mais cedo para casa aborrecido com uma série de ligações e mensagens esquisitas que tinha recebido ao longo do dia. Alguns telefonemas tinham partido do próprio número do ex-procurador. Por volta das 22 horas, o telefone celular voltou a tocar.

— Diga aí — disse um procurador, amigo de Janot, do outro lado da linha.

— Diga aí você, que está me ligando — respondeu o ex-procurador-geral, estranhando a abordagem do colega.

— Estou ligando porque você está me pedindo dados que eu já te passei — respondeu Janot.

— Estou estou te pedindo dados ?? — questionou Janot.

Antes de terminar a frase, os dois perceberam que estavam sendo vítimas de um ataque quase simultâneo de um mesmo hacker. O estranho, que tinha ligado várias vezes durante o dia para Janot, estava usando a conta do Telegram do ex-procurador-geral para conversar com um outro procurador. O invasor estava em busca da senha do Twitter do ex-procurador-geral.

No meio da confusão, o procurador interrompeu a conversa com o hacker e orientou Janot a não mais atender ligação e nem abrir mensagens para mudar códigos da Apple, do Telegram ou de outros aplicativos.

O Globo

(Colaboraram Cleide Carvalho, Gustavo Schmitt e Bela Megale)

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rômulo disse:

    Hacker não tem dever funcional de seguir a lei. Não adianta a Globo tentar inverter a situação! Quem tem dever de seguir a lei são os juízes! Moro, o anti-herói dos bozopatas, estava em conluio com a acusação para prender Lula para fins políticos. Isso já era praticamente verdade sabida, mas não havia como provar. Agora que a merda foi jogada no ventilador, ele pode esquecer a cadeirinha no STF, e tomar cuidado para não ir para atrás das grades! Estou ansioso pela liberação de áudios, pois são irrefutáveis!

    #VazaJato

  2. Walsul disse:

    A desmoralização da operação lava jato é mundial, não tem como mudar isso. O conteúdo do que está sendo exposto é criminoso para um juiz que deveria ter a função de zelar pela legalidade e isenção do julgamento. O fato se torna mais criminoso ainda, quando as decisões são para interferir no processo democrático. Quanto a globo, esperava-se o que? Como disse o jornalista , ela é sócia da operação lava jato. Essa discussão do hacker é para desviar o foco dos crimes cometidos. Não tem nenhuma prova que os documentos que desmascaram a operação tenha partido de hackers. Tem muita coisa para vir à tona e é isso que a globo teme.

  3. Gaius Baltar disse:

    Ativar verificação em dois passos evitaria todo esse imbróglio, mas a turma usa celular desprotegido para veicular informações sensíveis.
    OBS: O Telegram não tem criptografia ativada nos chats normais, do nos secretos.

  4. Rivanaldo disse:

    Brasil: O país onde o professor tem de ser imparcial mas juiz pode ter lado!

    • Rodrigo disse:

      Melhorando seu comentário: O país onde o professor tem de ser imparcial, quanto a política, mas o juiz pode ter lado, quanto a corrupção.

  5. M.Vinícius disse:

    Pacientemente, vou aguardar ss novidades contra os cibermortadelas!

  6. Potiguar disse:

    Essa reação contra os vazamentos da conversa do Moro era esperada. Eles não vão soltar o lula tão facilmente, apesar das evidências. Todavia, a repercussão do tema é grande no exterior vide reportagem do le monde, guardian, NYT… A dúvida que resta é a seguinte: lula receberá o nobel em Curitiba ou Oslo?

WhatsApp detecta ataque hacker e pede que usuários em todo o mundo atualizem o aplicativo

Whatsapp divulgou comunicado sobre vulnerabilidade no sistema (Thomas White/Reuters)

O aplicativo de mensagem instantânea WhatsApp, de propriedade do Facebook, divulgou, nessa segunda-feira 13, que foi detectada uma vulnerabilidade em seu sistema que permitia que hackers instalassem spyware em alguns telefones – conseguindo, assim, acessar os dados contidos nos aparelhos.

A empresa confirmou em comunicado à imprensa a informação publicada horas antes pelo jornal Financial Times e pediu aos 1,5 bilhão de usuários em todo o mundo que “atualizem o aplicativo para sua versão mais recente” e mantenham durante o dia seu sistema operativo como medida de “proteção”.

O WhatsApp, que foi adquirido pelo Facebook em 2014, indicou que neste momento ainda não é possível dizer quantas pessoas foram afetadas, mas estimou que as vítimas foram escolhidas “especificamente”, de maneira que em princípio não se trataria de um ataque em grande escala.

O software espião que foi instalado nos telefones “se assemelha” à tecnologia desenvolvida pela empresa de cibersegurança israelense NSO Group, que levou o WhatsApp a colocá-lo como o principal suspeito por trás do programa de espionagem.

A vulnerabilidade no sistema, para a qual a empresa lançou um patch na segunda-feira, foi detectada há apenas alguns dias e, por enquanto, não se sabe quanto tempo duram as atividades invasoras.

Os hackers faziam uma ligação através do WhatsApp para o telefone cujos dados queriam acessar e, mesmo que o destinatário não respondesse à chamada, um programa de spyware era instalado nos dispositivos.

Em muitos casos, a chamada desaparecia mais tarde do histórico do aparelho, de modo que, se ele não tivesse visto a chamada entrar naquele momento, o usuário afetado não suspeitaria de nada.

O WhatsApp declarou que, logo após tomar conhecimento dos ataques, alertou a organizações de direitos humanos (que estavam entre as vítimas da espionagem), empresas de segurança cibernética e o Departamento de Justiça dos EUA.

O fato de algumas das organizações afetadas serem plataformas de defesa dos direitos humanos reforça a hipótese de envolvimento do Grupo NSO, uma vez que seu software já foi utilizado no passado para realizar ataques contra esse tipo de entidades.

Segundo o Whatsapp, o “spyware” detectado teve capacidade para infectar telefones com sistema operacional da Apple (iOS) e do Google (Android).

Veja, com EFE

PSN e Xbox Live sofrem ataque hacker e ficam fora do ar durante o Natal

Por interino

As plataformas de jogos on-line Playstation Network (PSN), da Sony, e Xbox Live, da Microsoft, sofreram um ataque hacker que as deixou fora do ar nessa quinta-feira (25).

O grupo hacker “Lizard Squad”, que esteve por trás de outro ataque à PSN no começo do mês, reivindicou os ataques contra as duas empresas.

O grupo anunciou que parou o ataque na madrugada desta sexta (26) e que os serviços devem ser completamente restabelecidos nas próximas horas.

O ataque cessou após o empresário alemão Kim Dotcom, conhecido como o criador do extinto site de downloads Megaupload, entrar em cena e negociar com os hackers pelo Twitter.

“Olá Lizard Squad. Eu quero jogar ‘Destiny’ na Xbox Live. Eu vou dar a todo o seu grupo cupons vitalícios para o Mega se vocês nos deixarem jogar. Pode ser?”, escreveu o empresário.

Dotcom ofereceu 3.000 cupons para contas premium em seu site de compartilhamento de arquivos Mega Privacy aos membros do Lizard Squad para que o ataque fosse encerrado.

“Obrigado pelos cupons Kim Dotcom. Você é a razão pela qual paramos os ataques. O Mega Privacy é um ótimo serviço”, diz um tuíte do grupo hacker.

Segundo o site da Sony, a Playstation Network (PSN) continua indisponível na manhã desta sexta-feira. Já a página de suporte da Microsoft diz que a Xbox Live voltou a funcionar, mas alguns usuários dizem no Twitter que ainda enfrentam problemas para acessar a plataforma.

Folha Press