WhatsApp vai processar usuário que enviar mensagens em massa pelo aplicativo

A partir de dezembro de 2019, a plataforma deverá tomar medidas legais contra divulgação de mensagens automáticas ou em massa

Na seção de perguntas e respostas do site do WhatsApp, agora consta a informação de que o aplicativo não foi projetado para enviar mensagens automáticas ou em massa, e que atitudes como essas violam os Termos de serviço da plataforma. Usuários e empresas que não respeitarem tal normativa, poderão ser processadas pela empresa a partir de 7 de dezembro de 2019.

Como parte de um extensivo trabalho na luta contra a disseminação de informações falsas, o WhatsApp optou por tomar atitudes mais efetivas contra o envio de mensagens em massa através do aplicativo.

Em fevereiro, executivos da empresa já haviam informado que estavam desenvolvendo um sistema de detecção e expulsão de usuários cujo comportamento fosse considerado inadequado. Isso permite barrar pessoas mal-intencionadas em várias situações: no momento de cadastro, enquanto enviam mensagens e quando são denunciados por outros usuários do serviço de mensagens. Logo, processar quem fizer uso indevido da plataforma, violando os termos de uso do WhatsApp é mais um instrumento da plataforma na luta contra as fake news.

Na seção “Uso não autorizado do WhatsApp” temos a seguinte informação:

Este é um desafio que requer uma abordagem holística. O WhatsApp está comprometido a utilizar todos os recursos à disposição dele, incluindo processar, se necessário for, para evitar abusos contra nossos Termos de serviço, como o envio de mensagens em massa ou utilização comercial. É por isso que, além das iniciativas tecnológicas, utilizamos uma abordagem jurídica contra indivíduos ou empresas que ligamos a evidências dentro da plataforma WhatsApp de abusos contra ela. O WhatsApp se reserva ao direito de continuar a tomar as medidas jurídicas cabíveis nesses casos.

Além disso, a partir de 7 de dezembro de 2019, o WhatsApp tomará medidas legais contra quem auxiliar a terceiros a violarem nossos Termos de serviços com práticas abusivas, como envio de mensagens em massa ou automatizadas, ou com a utilização comercial, mesmo que essas informações sejam disponibilizadas para nós fora da plataforma. As informações fora da plataforma, por exemplo, incluem declarações de empresas sobre a habilidade em utilizar o WhatsApp de forma que viola nossos Termos de Serviço. Este texto serve como aviso de que tomaremos medidas jurídicas contra as empresas que abusarem da nossa plataforma se tivermos evidências fora dela desses abusos se eles continuarem após 7 de dezembro de 2019, ou antes dessa data se essas empresas estiverem ligadas a evidências dentro da plataforma que evidenciem tais práticas.

O WhatsApp se esforça para conter usos inadequados, uma vez que sofre pressão em massa de governos – como acontece na Índia. Além de problemas com a justiça eleitoral, a distribuição de notícias falsas no país pelo WhatsApp incita comportamentos agressivos, que já causaram a morte de dezenas de pessoas, e aspectos semelhantes contribuem para violência étnica em Mianmar.

Mas a Índia não é o único país em que o WhatsApp vem enfrentando tais problemas. Durante as eleições no Brasil, depois da denúncia do jornal Folha de São Paulo sobre o disparo de mensagens em massa pela equipe do então candidato à presidência da república, Jair Bolsonaro, a empresa que pertence hoje ao Facebook desativou centenas de contas usadas para tal prática.

Como parte de uma ação mais rigorosa neste sentido, desde janeiro deste ano, o reenvio de mensagens está limitado a apenas cinco destinatários.

Logo, se você costuma compartilhar mensagens em massa, violando os Termos de uso do WhatsApp, saiba que a partir de 7 de dezembro deste ano poderá responder judicialmente por tal prática.

Olhar Digital, via WhatsApp

 

Motorista de aplicativo feito refém por dupla armada após solicitação de corrida relata momentos de terror durante a madrugada em Natal

Assaltantes deixam o carro do motorista de aplicativo e roubam um segundo veículo, um HB-20 de um idoso que havia estacionado o carro para ir caminhar na praça — Foto: Reprodução/vídeo

O portal G1-RN destaca nesta quarta-feira(29) os momentos de terror que um motorista de aplicativo passou nesta madrugada em Natal. Na ocasião, foi feito refém por dois assaltantes, e foi obrigado a dirigir para a dupla por quase duas horas. Boa parte deste tempo ele ainda foi trancado na mala do carro. Segundo a vítima, os bandidos procuravam alguém para matar.

Segundo a reportagem, a solicitação da corrida veio pelo aplicativo, no qual o nome da passageira aparecia como Carol. A suposta mulher pedia para ser encontrada em uma padaria na Av. Antônio Basílio, na Zona Sul da cidade. Ao chegar ao ponto de partida, dois homens apareceram armados e o renderam. Ele conta que então partiu com os dois criminosos com destino ao bairro de Nova Descoberta, que o ameaçaram se cruzassem com alguma viatura da Polícia Militar e fizesse qualquer sinal de que estava em apuros, Seria morto na mesma hora. O tormento da vítima só acabou no início da manhã,  por volta das 5h10, quando os bandidos ordenaram que ele parasse o veículo quando perceberam um idoso estacionar o carro em uma praça no bairro de Lagoa Nova. O idoso havia estacionado o carro para poder caminhar na praça, e teve seu bem roubado.

Veja mais detalhes impressionantes e imagens clicando aqui em texto na íntegra

Aplicativo acaba com as ligações indesejadas do telemarketing de bancos e operadoras que atrapalham seu dia

Aplicativo gratuito ajuda a evitar interrupções e melhora a produtividade do usuário

Feito para quem está cansado de receber chamadas indesejadas do telemarketing de bancos e operadoras, o Whoscall é um aplicativo gratuito, disponível para iOS e Android, que permite ao usuário identificar e bloquear números desconhecidos sem a necessidade de atender à ligação.

Para fazer isso, o programa conta com uma base de dados de mais de 1 bilhão de números de telefones cadastrados do mundo todo. Sempre que o celular do usuário recebe uma chamada, o número é checado e, se estiver cadastrado nessa base de dados, um alerta informa a sua origem – “telemarketing”, por exemplo. Em seguida, o usuário pode escolher se rejeita a chamada e se já bloqueia o número desconhecido, o que ajuda a evitar ligações de números insistentes.

Com o fim dessas chamadas, o usuário ganha em produtividade, pois não precisa se preocupar com interrupções quando está concentrado em uma tarefa no trabalho ou quando está no meio de uma reunião importante.

Além das identificações automáticas, o programa também permite que o usuário faça bloqueios por categorias específicas. É possível impedir ligações pelo DDD, bloquear números privados e até mesmo evitar chamadas internacionais. Também dá para bloquear números de instituições como bancos e operadoras, o que ajuda a acabar de vez com as interrupções do telemarketing.

Segurança e economia

O Whoscall não apenas melhora a produtividade do usuário, com o fim das interrupções indesejadas no dia a dia, mas também traz funções que ajudam na segurança e na economia. Uma dessas funções é a interação que o aplicativo permite dos usuários com a sua base de dados. Qualquer usuário do Whoscall pode informar ao programa que um determinado número é indesejado ou malicioso.

Para fazer isso, é preciso escolher algumas tags que informam o motivo da adição do número à base de dados do app, como “trote”, por exemplo. O algoritmo do Whoscall analisa essas tags e, quando os critérios de aprovação são alcançados, a informação é compartilhada com todos que utilizam o programa. Com isso, o usuário consegue ter mais proteção contra ligações de presídios, golpes de sequestro e clonagens de celular.

O aplicativo também possui uma função que permite descobrir qual é a operadora de todos os números cadastrados na agenda de contatos. Dessa maneira, caso o usuário tenha mais de um chip de operadora em seu aparelho, poderá verificar se um deles não é da mesma operadora do seu contato antes de fazer a ligação. Assim, é possível aproveitar as promoções que as operadoras oferecem e economizar na conta do celular no fim do mês.

Olhar Digital

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José disse:

    Acho que todos os celulares novos vêm com essa função. Para os "antigos" já existe vários aplicativos que fazem a mesma função. Acho que a única alternativa seria punir essas empresas de telemarketing, principalmente as que ligam e não falam um "oi".

  2. hein? cuma? disse:

    O TRUECALLER já faz isso a anos, ainda gerencia SMS e os bloqueia também.

Polêmico, aplicativo de mensagem anônima vira febre mundial

Profoundly.me é um aplicativo de perguntas anônimas — Foto: Nicolly Vimercate/TechTudo

O Profoundly.me, aplicativo de perguntas anônimas, ganhou popularidade na Internet nas últimas semanas. O app saltou da 1068ª posição para o segundo lugar entre os mais baixados da App Store nos Estados Unidos. Seguindo a temática de aplicativos de como o CuriousCatSecretAsk.fm e Sarahah, o Profundly.me permite enviar mensagens anônimas para amigos do Facebook, garantindo aos usuários que as perguntas recebidas são de autoria de pessoas próximas.

Mesmo com a rápida popularidade, o Profoundly.me se tornou alvo de críticas devido à sua finalidade e performance. Usuários relatam no Twitter diversas queixas de mau funcionamento do aplicativo, mas a maior polêmica é a prática de cyberbullying dentro da plataforma. O Google Trends, que monitora o volume de pesquisas na Internet, indica um pico de 100% de aumento no interesse pelo aplicativo nos Estados Unidos em abril, o que mostra o sucesso do Profoundly.me apesar das controvérsias. Entenda mais sobre o caso e o conheça o aplicativo na lista a seguir.

1. O que é e como funciona?

O Profoundly.me é um aplicativo que permite enviar perguntas e mensagens anônimas para amigos conectados no Facebook. O app está disponível de graça e em inglês para Android, pelo Google Play, e para iPhone (iOS), na Apple Store. Usuários podem receber conteúdos como confissões, segredos e notícias, sem saber quem enviou o conteúdo. As perguntas podem ser compartilhadas nas redes sociais acompanhadas de respostas.

Após logar com a conta do Facebook no Profoundly.me, a interface se assemelha a de uma rede social. O usuário pode buscar por outros usuários, mas não tem permissão para enviar mensagens anônimas para perfis com quem não compartilha uma amizade no Facebook. É possível conferir as respostas de outras contas, e receber suas próprias perguntas.

2. Por que o Profoundly.me foi banido do Facebook?

Até o final de abril deste ano, o Profoundly.me funcionava dentro do Facebook, como um aplicativo, até que foi banido da rede social. A ação não foi justificada pelas suspeitas de casos de cyberbullying na plataforma (reclamação comum nos comentários dos usuários nos posts), mas em razão da política de regras da rede social, que não permite o compartilhamento de mensagens de forma anônima.

Desde então, o Profoundly.me teve seu modo de funcionamento totalmente remodelado, passando a funcionar apenas dentro de seu aplicativo próprio, para Android e iPhone, sem vínculos com a rede social.

3. O Profoundly.me é seguro?

O Profoundly.me usa criptografia para proteger o anonimato de usuários ao enviar perguntas para outros perfis. Apesar de ter sido banido do Facebook, o aplicativo ainda tem como requisito que usuários compartilhem uma amizade na rede social para enviar mensagens anônimas. Ou seja, pessoas desconhecidas não podem enviar perguntas no Profoundly.me.

Há rumores de extensões e sites criados para roubar informações do app, revelando o nome de quem realizou as perguntas. Contudo, nenhum caso foi confirmado e os criadores do Profoundly.me afirmam que ela é completamente segura.

De acordo com os usuários, o maior risco para quem está no app é sofrer bullying. De acordo com o site Technobuffalo, que testou o Profoundly.me, basta alguns minutos usando o aplicativo para que mensagens ofensivas ou de assédios comecem a chegar. É possível denunciar este tipo de comentário à plataforma e ele some do app, mas não é possível saber quem é o responsável nem há garantias de que conteúdos desse tipo vão parar de chegar.

4. Outros apps de mensagens anônimas que causaram polêmica

É comum que aplicativos de mensagens anônimas sejam usados de maneira indevida para o cyberbullying, apesar das diretrizes das plataformas. O caso do Profoundly.me não é o primeiro a vir à tona, causando preocupação na Internet: aplicativos anteriores com a mesma finalidade chegaram a ser encerrados devido a casos de violência verbal, ameaças e assédio.

O Secret, por exemplo, aplicativo de perguntas anônimas lançado em 2014, ganhou popularidade online, mas logo caiu em desuso devido a casos de cyberbullying. O mesmo aconteceu com o Sarahah em 2017, quando o próprio desenvolvedor decidiu retirar o app das lojas após ele ser usado para espalhar mensagens de agressivas e de ódio.

Buscando reverter a má popularidade, a empresa responsável pelo Sarahah lançou o aplicativo Enoff em fevereiro. O app funciona de forma anônima, mas possui uma finalidade diferente das demais redes sociais: Enoff permite que funcionários de um empresa relatem más condutas de outros trabalhadores diretamente para a equipe responsável. A ideia é criar um ambiente seguro de trabalho para todos.

Globo, via Techtudo, Profoundly.me, Google Trends e TechnoBuffalo

 

WhatsApp detecta ataque hacker e pede que usuários em todo o mundo atualizem o aplicativo

Whatsapp divulgou comunicado sobre vulnerabilidade no sistema (Thomas White/Reuters)

O aplicativo de mensagem instantânea WhatsApp, de propriedade do Facebook, divulgou, nessa segunda-feira 13, que foi detectada uma vulnerabilidade em seu sistema que permitia que hackers instalassem spyware em alguns telefones – conseguindo, assim, acessar os dados contidos nos aparelhos.

A empresa confirmou em comunicado à imprensa a informação publicada horas antes pelo jornal Financial Times e pediu aos 1,5 bilhão de usuários em todo o mundo que “atualizem o aplicativo para sua versão mais recente” e mantenham durante o dia seu sistema operativo como medida de “proteção”.

O WhatsApp, que foi adquirido pelo Facebook em 2014, indicou que neste momento ainda não é possível dizer quantas pessoas foram afetadas, mas estimou que as vítimas foram escolhidas “especificamente”, de maneira que em princípio não se trataria de um ataque em grande escala.

O software espião que foi instalado nos telefones “se assemelha” à tecnologia desenvolvida pela empresa de cibersegurança israelense NSO Group, que levou o WhatsApp a colocá-lo como o principal suspeito por trás do programa de espionagem.

A vulnerabilidade no sistema, para a qual a empresa lançou um patch na segunda-feira, foi detectada há apenas alguns dias e, por enquanto, não se sabe quanto tempo duram as atividades invasoras.

Os hackers faziam uma ligação através do WhatsApp para o telefone cujos dados queriam acessar e, mesmo que o destinatário não respondesse à chamada, um programa de spyware era instalado nos dispositivos.

Em muitos casos, a chamada desaparecia mais tarde do histórico do aparelho, de modo que, se ele não tivesse visto a chamada entrar naquele momento, o usuário afetado não suspeitaria de nada.

O WhatsApp declarou que, logo após tomar conhecimento dos ataques, alertou a organizações de direitos humanos (que estavam entre as vítimas da espionagem), empresas de segurança cibernética e o Departamento de Justiça dos EUA.

O fato de algumas das organizações afetadas serem plataformas de defesa dos direitos humanos reforça a hipótese de envolvimento do Grupo NSO, uma vez que seu software já foi utilizado no passado para realizar ataques contra esse tipo de entidades.

Segundo o Whatsapp, o “spyware” detectado teve capacidade para infectar telefones com sistema operacional da Apple (iOS) e do Google (Android).

Veja, com EFE

Aplicativo Feira em Casa Natal já possui mais de 1000 clientes cadastrados e ativos

O aplicativo Feira em Casa Natal, que tem conquistado natalenses ao facilitar as principais compras da feira via internet, com preços justos e entrega a domicílio , já tem mais de 1000 clientes cadastrados e ativos!

O serviço ainda não completou um ano e já é um sucesso. Nas vitrines virtuais, disponíveis via site e aplicativo, os interessados podem escolher, entre cerca de 200 opções de produtos, o que desejam colocar no carrinho de compras. Todo o processo é feito pelo próprio cliente, tudo online: cadastramento, escolha dos produtos, fechamento do carrinho e pagamento.

As entregas acontecem de segunda a sexta. As compras são de, no mínimo, 60 reais. A atual área de entrega abrange os bairros Praia do Meio; Barro Vermelho; Ribeira; Alecrim; Cidade Alta; Tirol; Petrópolis; Areia Preta; Lagoa Seca; Candelária; Lagoa Nova; Nossa Senhora de Nazaré; Cidade da Esperança; Nova Descoberta; Conjunto Mirassol; Capim Macio; Ponta Negra; e Neópolis. Além do condomínio Alphaville/RN. A taxa de entrega é de apenas 5 reais.

Tecnologia, marketing, e-commerce e produtos de alta qualidade formam a base do serviço. Azeites e especiarias, frutas frescas e congeladas, itens culinários para preparos artesanais, hortifrutigranjeiros, produtos regionais, vinhos e polpas de frutas – tudo embalado em caixas personalizadas e entregues em domicílio no dia seguinte (exceto sábados, domingos e feriados) à encomenda feita na internet até as 21 horas do dia anterior.

O serviço FEIRA EM CASA NATAL está ao alcance do consumidor natalense, via internet, por meio do aplicativo e do site www.feiraemcasanatal.com.br. Ideia nascida da união da _expertise_ dos publicitários Odemar Neto e Erick Gurgel, da Executiva Comunicação, e de dois tradicionais atacadistas da Ceasa, Renato Melo e Flávio Varela, da Amarante Comércio e Representações.

No Facebook e no Instagram, o serviço também é sucesso total, com milhares de seguidores admiradores dos perfis *@feiraemcasanatal* . Vale mesmo a pena acompanhar as divertidas e informativas publicações. Não deixe de seguir e baixar o aplicativo. 😉

Se ainda ficou com alguma dúvida, converse com o atendimento online, via whatsApp: (84) 99955-0119. Também é muito válida uma visita curiosa ao site www.feiraemcasanatal.com.br .

 

Aplicativo “Detran-RN” ultrapassa os 250 mil downloads

O aplicativo criado pelo Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) para levar comodidade, agilidade e melhoria da relação existente entre os usuários e os serviços oferecidos pelo Órgão de trânsito estadual alcançou a marca de 254 mil downloads. A ferramenta trata-se do aplicativo para smartphone denominado “Detran-RN”, que permite a acesso a várias demandas relacionadas a registro de veículos e de condutores.

O aplicativo leva de forma fácil e prática diversos tipos de serviços oferecidos pelo Detran, possibilitando que o usuário possa acessar e resolver parte de suas demandas diretamente pelo sistema, que pode ser baixado nos smartphones com sistemas operacionais Android ou iOS.

Um ponto importante do aplicativo é a facilidade para gerar boletos digitais referentes as taxas de Licenciamento, IPVA, DPVAT e multas relacionadas a infrações de trânsito. O usuário conta com todas as informações do automóvel e pode quitar os débitos de casa mesmo, bastando ter disponível o aplicativo do seu banco.

Os serviços disponíveis no aplicativo Detran-RN vão desde agendamento online até acesso a informações relacionadas a documentação exigida para cada tipo de demanda atendida pelo Detran. Outra praticidade para o usuário são os agendamentos de vistoria veicular e o de serviços de habilitação de condutores, nesse último caso para atendimentos na unidade do Detran Natal Shopping. O processo permite que o cidadão escolha dia e horário para ser atendido, gerando dessa forma, menor tempo de espera e comodidade.

No aplicativo o usuário também tem acesso a relação de todos os serviços oferecidos pelo Detran, apontando informações úteis como a documentação exigida para a apresentação no ato da realização do serviço. O cidadão também pode cadastrar seu veículo e CNH e ter disponível no smartphone informações de infrações, impostos e taxas referentes ao automóvel, além de conseguir visualizar as informações relacionadas a sua CNH, a exemplo de pontuação, validade, consulta de exames e demais dados.

Na plataforma online do aplicativo também é possível visualizar os números de contatos do Detran e ainda tem acesso ao mapa com a localização das unidades de atendimento mais próximas do usuário.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] Aplicativo “Detran-RN” ultrapassa os 250 mil downloads […]

WhatsApp vai permitir que brasileiros transfiram dinheiro pelo aplicativo

Já se sabe há algum tempo que o WhatsApp pretende implementar um sistema de pagamentos, que permitiria que usuários transferissem e recebessem dinheiro de contatos, chegando até mesmo a se estudar o desenvolvimento de uma criptomoeda própria. Agora surgiu a informação de que o Brasil pode estar na próxima leva de regiões a receber a novidade.

A informação vem do site WABetaInfo, que se especializou em antecipar os recursos do aplicativo com uma taxa de acerto impressionante. Ele menciona que o sistema, que já havia sido implementado na Índia desde o ano passado, e agora será expandido para três outras nacionalidades: Brasil, México e Reino Unido.

Por enquanto, no entanto, o WhatsApp Payments continua funcionando sem depender de criptomoedas. O único local onde ele já está ativo é na Índia, onde ele opera integrado ao UPI, o sistema unificado de pagamentos do país, que integra bancos e instituições financeiras locais, o que significa que você pode associar seu WhatsApp a uma conta bancária e transferir seu dinheiro a partir da sua conta corrente.

Na Índia, para usar o recurso é necessário fazer a verificação do número telefônico mais uma vez para fazer a associação do app a uma conta bancária. Então, basta abrir uma conversa com outro usuário habilitado a receber pagamentos, selecionar o ícone de pagamentos e definir a quantia a ser transferida.

O mecanismo pode ser imprescindível para o futuro do WhatsApp. O aplicativo está tentando se tornar uma ferramenta de comunicação entre empresas e consumidores, então o próximo passo natural seria permitir a aquisição de produtos e serviços sem precisar sair do aplicativo, transformando o WhatsApp em um intermediário do comércio eletrônico. Seria uma maneira interessante de começar a pagar o investimento bilionário de cerca de US$ 20 bilhões feito pelo Facebook pela compra do app em 2014.

Ainda não há previsão de quando o novo recurso será habilitado no Brasil, nem nas outras regiões para onde o recurso deve se expandir em breve.

Olhar Digital

 

PODER DO VOTO: Aplicativo de acompanhamento do trabalho parlamentar é lançado

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Para marcar o lançamento do aplicativo Poder do Voto, um binóculo gigante apontado para o Congresso Nacional foi instalado hoje (12) em frente ao Parlamento, na Esplanada dos Ministérios. O aplicativo pode ser baixado gratuitamente nas plataformas Android e IOs.

Por meio do aplicativo, o cidadão poderá acompanhar as discussões no Congresso dos projetos de lei em pauta e conhecer a opinião de diferentes entidades sobre determinada matéria. O cidadão pode seguir, no aplicativo, até três senadores e um deputado, e saber como votaram. O usuário também poderá comentar se é a favor ou contra uma lei.

Segundo Mario Mello, fundador do Poder do Voto, instituição sem fins lucrativos criada em 2017, ao se cadastrar no aplicativo, o usuário recebe alertas de leis relevantes antes de a matéria ser votada em plenário. “Você coloca a sua opinião e o parlamentar receberá um relatório de quantos são contra ou a favor”, explicou.

Mario Mello disse que as opiniões dos usuários são enviadas para os e-mails dos parlamentares. “O aplicativo tenta resolver três problemas: amnésia política, acompanhamento do parlamentar e responder à pergunta: ele representa ou não me representa?”.

O objetivo, disse Mario Mello, é fortalecer a cidadania. “É um instrumento de participação e cobrança, e o binóculo representa esse marco: transparência e aproximação com a atividade parlamentar”.

O taxista Bastião Carlos de Oliveira, de 53 anos, disse que vota desde os 18 anos e acompanha os parlamentares em quem votou. “Eu acompanho a política. Tem que ser, quem não gosta da política sofre nas mãos dos políticos. Se eles desvirtuam daquilo que prometeram, eu caio fora. Não voto mais nele”, disse.

A instalação com o binóculo poderá ser vista até sábado (16).

Agência Brasil

 

WhatsApp passa a permitir transferências de dinheiro pelo aplicativo

Há algum tempo já se ouve falar de um novo recurso do WhatsApp que permite a realização de pagamentos e transferências de dinheiro por meio do aplicativo. Agora a função ganhou caráter quase oficial, estando disponível para testes para vários usuários na Índia, e só não foi anunciada publicamente ainda por não estar liberada para todos os indianos.

Como resultado, já é possível ver como o recurso vai funcionar, graças aos usuários que estão postando capturas do sistema em funcionamento, já com suporte a vários bancos nacionais, que incluem o State Bank of India, ICICI Bank, HDFC Bank e Axis Bank utilizando o UPI, sigla para Interface Unificada de Pagamentos da Índia.

Para ativar, no entanto, os usuários precisam primeiramente verificar novamente seus números de telefone por meio do SMS e selecionar um dos bancos listados, que não são poucos.

Entre os usuários que já receberam o recurso, já é possível perceber como vai funcionar. Onde há a opção de enviar uma foto, vídeo, localização ou um arquivo também aparecerá a opção de pagamento, por meio da qual será possível realizar a transferência entre duas pessoas diretamente.

 

Agora é esperar para ver quais são os planos do WhatsApp para o futuro desse recurso. Mesmo com a função já ativa a empresa continua sem falar sobre ela abertamente, então não há como saber sobre as perspectivas de expansão e se ou quando o recurso chegará ao Brasil.

Olhar Digital

 

Polícia em Natal prende suspeitos de latrocínio contra motorista de aplicativo Uber; dupla estava realizando assalto a taxista, quando foi surpreendida por barreira policial

Policiais civis com o apoio da Polícia Militar prenderam em flagrante, nesta segunda-feira (31), Marcos Paulo Coelho Vilela, 21 anos e Kleydson Victor de Oliveira, 19 anos. Os dois estavam realizando um assalto a um taxista, quando passaram por uma barreira policial na Ponte de Igapó, foram abordados e presos no momento do crime.

A dupla é suspeita também de praticar um latrocínio contra o motorista do aplicativo “Uber” Gilberto Bezerra, dias atrás no município de Senador Eloi de Souza. O corpo do senhor Gilberto foi encontrado nesta segunda-feira(31), nas proximidades do estádio de futebol novo. Ainda segundo investigações, houve a participação de uma terceira pessoa no crime, conhecido como “Kauan”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antônio Freire disse:

    Crime brutal.

  2. Antônio Freire disse:

    Foi um crime cruel e tratado pelos meliantes em redes sociais como uma brincadeira qualquer , pois disseram rindo entre eles que acabaram com uma família pois era do dia da vítima. Riam sem parar. Aplicação rigorosa da lei é o mínimo que deve ser feito. reforma já do Código Penal para crimes dessa ordem….

  3. WRM disse:

    Acabaram com o ano novo de uma família de bem. Gloriosa PM foi rápida na elucidação, parabéns. Esses desgraçados vão mofar na cadeia, se Deus quiser.

  4. Gutto disse:

    Vamos dar baixa nesses cpf's com sucesso!

  5. HSA disse:

    Parabéns gloriosa PMRN.
    Obrigado pelo trabalho incansável

Aplicativo para smartphones do Detran-RN alcança a marca de 235 mil downloads

Um sistema criado pelo Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) vem sendo responsável por comodidade, agilidade e melhoria da relação existente entre os usuários e os serviços oferecidos pelo Órgão de trânsito estadual. A ferramenta trata-se do aplicativo para smartphone denominado “Detran-RN”, que alcançou neste mês a marca de 235 mil downloads.

O aplicativo leva de forma fácil e prática diversos tipos de serviços oferecidos pelo Detran, possibilitando que o usuário possa acessar e resolver parte de suas demandas diretamente pelo sistema, que pode ser baixado nos smartphones com sistema operacional Android ou iOS.

Os serviços disponíveis no aplicativo vão desde agendamento online até acesso a informações relacionadas a documentação exigida para cada tipo de demanda atendida pelo Detran. Um dos pontos importantes para a praticidade do usuário é o agendamento de vistoria veicular e o de serviços de habilitação de condutores, nesse último caso para atendimentos na unidade do Detran Natal Shopping. O processo permite que o cidadão escolha dia e horário para ser atendido, gerando dessa forma, menor tempo de espera e comodidade.

No aplicativo o usuário também tem acesso a relação de todos os serviços oferecidos pelo Detran, apontando informações úteis como a documentação exigida para a apresentação no ato da realização. O cidadão também pode cadastrar seu veículo e ter disponível no smartphone informações de infrações de trânsito, impostos e taxas referentes ao automóvel, além de conseguir visualizar as informações referentes a sua CNH, a exemplo de pontuação de infração, validade, consulta de exames e demais dados.

O diretor-geral do Detran, Eduardo Machado, ressaltou que a alta aceitação do aplicativo demonstrar a viabilidade da ferramenta que foi produzida tendo como meta facilitar o acesso dos usuários a informação e aos serviços do Detran. “Nosso objetivo é de que possamos implementar novos serviços na plataforma tornando o aplicativo uma ferramenta cada vez mais usual e cômoda para as pessoas que buscam o Detran”, comentou.

Na plataforma online do aplicativo também é possível visualizar os números de contatos do Detran, o mapa com a unidade de atendimento mais próxima do usuário e os vídeos das campanhas educativas promovidas pelo Detran. O aplicativo foi originalmente criado em meados de 2016 e ao longo do tempo foram acrescentadas novas funcionalidades.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alberto disse:

    Não funciona para cotar o código de barras! Detalhe: o erro existe há dois anos, e ninguém faz nada

  2. Heriberto tavares disse:

    muito bom ,mais infelizmente não estou conseguindo acessa o app Detran .
    e também não estou conseguindo recupera senha . como faço

Uber não responde por danos de acidente de trânsito envolvendo motorista do aplicativo

Em mais uma recente decisão, o TJ/SP, por meio do colégio Recursal da Lapa, reconheceu que a Uber não deve responder por danos suportados por vítima de acidente de trânsito causado por motorista cadastrado no aplicativo, mas que não se encontrava ativo na plataforma.

Trata-se de ação indenizatória em que a autora alegou ter se envolvido em acidente de trânsito com um motorista parceiro da Uber. Sustentou que o acidente ocorreu quando o semáforo estava fechado e que o motorista teria “cochilado” ao volante, colidindo fortemente com a traseira de seu veículo. Narra que, em tratativas diretamente com o motorista, não logrou êxito em ser ressarcida pelos prejuízos, razão pela qual buscou a via judicial, inclusive, responsabilizando a Uber pelo acidente, já que, no seu entendimento, a empresa seria supostamente responsável por ações e condutas dos motoristas cadastrados em sua plataforma.

Em sua defesa, a Uber delimitou o âmbito de sua atuação, demonstrando ser mera intermediadora entre motoristas autônomos e interessados no transporte por eles oferecido, sustentando que, a despeito da ausência de responsabilidade, no momento do acidente o motorista não estava conduzindo nenhum usuário do aplicativo. A Uber reforçou ainda que os motoristas são autônomos e livres para fazerem seus próprios horários. No mais, impugnou os pedidos indenizatórios, argumentando pela inexistência dos pressupostos da responsabilidade civil e ausência do dever de indenizar.

O juízo singular, contudo, julgou parcialmente procedente a ação, para condenar a Uber no pagamento de indenização por danos materiais, em razão de suposta responsabilidade solidária pelos atos dos motoristas, afastando o pedido de indenização moral.

Inconformada, a empresa recorreu da decisão, reiterando a inexistência de responsabilidade solidária, não podendo a Uber responder por atos praticados pelos motoristas, principalmente em situações em que nem sequer estariam transportando usuários do aplicativo.

Assim, a 2ª turma Cível do Colégio Recursal da Lapa acolheu a tese esposada e reformou integralmente a sentença de modo a reconhecer a manifesta ilegitimidade passiva da Uber em relação aos danos narrados. Em extensa fundamentação, o juiz relator Julio César Silva de Mendonça Franco discorreu sobre diversas formas de responsabilidade civil, afastando a incidência de cada uma delas no presente caso, para, ao fim, concluir que a Uber não pode responder pelos danos causados pelo motorista. Vale destacar abaixo trecho importante do acórdão:

“Acontece que inexiste relação contratual direta entre o Autor e a Recorrente, ou mesmo responsabilidade civil desta última, de modo a justificar o apontamento da mesma no vértice negativo da contenda. (…) É forçoso concluir, portanto, que em momento algum se estabeleceu relação de consumo entre Recorrido e Recorrente, e tampouco se configurou, na espécie, culpa direta ou indireta, pessoal ou por fato de terceiro, desta última. Portanto, sob qualquer prisma sob o qual se pretenda enfocar a questão, chegaremos à inarredável conclusão de que a Recorrente não tem legitimidade para figurar no pólo negativo desta demanda, não podendo ser instada a prestar ao Recorrido a indenização desejada.”

O escritório De Vivo, Whitaker e Castro Advogados patrocinou a empresa na causa.

Processo: 1012376-75.2017.8.26.0011
Migalhas

 

WhatsApp reativa conta do aplicativo de Flavio Bolsonaro

Depois de divulgar que havia sido banido do WhatsApp, Flavio Bolsonaro teve o seu aplicativo reativado. Mas o WhatsApp não explicou nada a ele. As informações são de o Antagonista.

Do Blog:

A medida criticada por milhares de pessoas, instantaneamente nas redes sociais, classificada como censura, entrou em ebulição, principalmente, sobre a brecha que abriria para bloqueio de contas de apoiadores de todos os partidos.

Afinal, qual “criatura” que usa este aplicativo não compartilhou conteúdo político neste período eleitoral. Sobre o que foi divulgado, fica na consciência de cada um, devendo, no mínimo, apurar se procede ou não. Questão de responsabilidade.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. daniel carlos disse:

    se não é censura é oq?
    mark zuckenberg é de esquerda, quem não sabe disso?
    apoiar o PT é o mínimo que ele deve fazer né.

    vote 17

Motorista de aplicativo, jornalista relata quatro horas de pavor sob mira de armas em sequestro em Natal

O jornalista Rafael Araújo passou por momentos de pânico neste sábado, quando ficou quatro horas sob a mira de armas e sequestrado por bandidos, que utilizaram seu carro para realizar assaltos em Natal e região metropolitana.

Rafael é jornaslita, mas está atualmente na ocupação de motorista de aplicativo.

“Me liberaram aqui no matagal perto de uma festa e me deram 50 reais para voltar para casa e mandaram eu vazar, sem olhar para trás”, descreveu ele em mensagem de áudio no WhatsApp.

A última localização de Rafael, antes do ocorrido, havia sido em Neopólis, quando ele acionou o código de ajuda da Uber.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sérgio disse:

    Rafael, é melhor vc Jair se acostumando.
    Pior é o seu candidato o PRESODENCIÁVEL LULADRÃO. ?

  2. Paulo disse:

    Realmente, apesar de não gostar mais vejo que é a hora de Bolsonaro.

  3. Severo disse:

    Bandido dando dinheiro, isso tá mau contado.

  4. Severo disse:

    Muito estranho, o bandido dar $50, 00 reais

  5. Binho disse:

    Que "estoria" mais mal contada, os bandidos deram até 50 reais pra ele. O negócio tá estranho!

  6. Luiz disse:

    #BOLSONARONELES

  7. Leonardo Heydmann Barata disse:

    Minha solidariedade a um dos melhores jornalistas da primeira metade do século 21 no RN.

  8. Vendo certo disse:

    Por isso que temos que acabar com essa Piedade e bandidolatria com criminosos, apoiar mais a polícia e desconstruir a falsa cultura dos direitos humanos de só proteger bandidos, esquecendo das vítimas e atacando os policiais, e sendo omisso com outras questões como a seca, a falta de moradia, o aborto criminoso, os homicídios, os dependentes químicos, DESTRUINDO A IMAGEM DA POLÍCIA como se não precisasse dela durante séculos.

Telepesquisa lança nova versão do seu aplicativo

Será lançada no início de agosto, uma nova versão do aplicativo Telepesquisa. Ainda mais dinâmico, prático e interativo, ele estará disponível para download gratuito na loja do Google Play (Android) ou da App Store (IOS). A empresa estuda lançar em breve uma versão compatível com o Windows Phone.

Com layout mais clean e moderno, o novo aplicativo ganhou outras funções, entre elas, sorteios para os usuários realizados semanalmente (ingressos para cinema, shows, eventos, produtos e serviços de empresas conveniadas), notificações (sistema que avisa sobre as novidades) e acesso aos álbuns (todas as fotos tiradas nos shows da cidade e eventos promovidos pela Telepesquisa).

O aplicativo disponibiliza ainda de sugestões de pontos turísticos dos estados do RN e da PB, além de notícias atualizadas diariamente sobre entretenimento, temas empresariais, ações promocionais entre outras novidades dos mais diversos segmentos.

“Divulgaremos o novo aplicativo nos principais blogs e portais de notícias do Rio Grande do Norte e da Paraíba, faremos publicações no Google, Facebook e Instagram, além de ações promocionais para apresentar a ferramenta ao público e tirar todas as dúvidas que possam surgir”, afirmou Cinthia Santos, diretora administrativa da Telepesquisa.