Aplicativo de fila digital permite que usuário saia de casa apenas no horário de atendimento

 Foto: Reprodução

Um grupo composto por alunos e ex-alunos do curso de ciência da computação, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), desenvolveu um aplicativo para diminuir a aglomeração de pessoas que aguardam atendimento em estabelecimentos.

Por meio da plataforma, o cliente poderá entrar em uma fila virtual, que mostra o tempo de espera, e não precisará ficar fora de casa por grandes períodos.

Sem aglomerações

O protótipo da equipe de São Carlos (SP) foi elaborado em 48 horas durante uma competição online que tinha como objetivo usar a tecnologia para solucionar os desafios impostos pelo coronavírus na área de negócios.

O projeto foi selecionado como uma das melhores soluções para reduzir em curto prazo os impactos da pandemia na sociedade.

Foi o estudante Alcides Mignoso e Silva, de 21 anos, quem sugeriu a criação da fila digital após observar que a população continuava se aglomerando em bancos sem seguir as orientações do Ministério da Saúde para evitar a disseminação da Covid-19.

“A ideia surgiu porque um dia eu estava passando em frente ao banco com o meu pai e vi que tinha uma fila gigante com um monte de gente fazendo nada, então, cheguei em casa e pensei na possibilidade de fazer isso de forma virtual”, explica o estudante.

Como funciona?

As filas digitais já eram usadas de outras formas por algumas organizações, mas, mesmo assim, muitas pessoas ainda não entendiam como funcionava na prática.

Para atender toda a população, os desenvolvedores buscaram criar uma plataforma de fácil acesso, na qual os usuários se organizam por ordem de chegada, mesmo sem estarem fisicamente no local.

O aplicativo vai disponibilizar aos clientes a quantidade de pessoas que serão atendidas antes deles, além do tempo de espera aproximado.

Segundo a universitária Renata Sarmet Smiderle Mendes, de 22 anos, o projeto também foi pensando para quem não pode instalar o software.

“A primeira solução para quem não tem o celular, é que o próprio estabelecimento mantenha a pessoa responsável pela organização das filas físicas na organização das filas virtuais. Assim, esse profissional teria a visão total do local e conseguiria adicionar pessoas na fila”, disse Renata.

Apesar de não serem beneficiadas com a possibilidade de saírem de casa apenas no horário de atendimento, a medida evita prejuízos para quem não tem o aplicativo, já que a organização será a mesma de uma fila física.

Dificuldades

O grupo realizou uma pesquisa de mercado para conseguir mais informações sobre o perfil dos usuários. O estudo contou com a participação de 500 pessoas e apenas 4% delas disseram que não usariam um aplicativo de fila digital.

Para Renata, os números são positivos e demonstram que a pandemia de coronavírus fez com que as pessoas repensassem certos hábitos para evitar a transmissão da Covid-19.

“A gente sabe que a fila digital é uma mudança de conceito e que vai ser difícil para as pessoas assimilarem no começo, mas, nessa quarentena, a gente conseguiu evoluir muito. Antes, ninguém mexia em videochamada e agora todo mundo está fazendo live, então, não era comum e agora todo mundo está fazendo. Pensar numa fila virtual não é uma coisa comum, mas é uma coisa que o momento pede bastante”, explica a desenvolvedora.

Lançamento

Além de Alcides e Renata, os universitários Lorhan Sohaky de Oliveira Duda Kondo, de 22 anos, e Mariana Cavichioli Silva, de 23 anos, também participaram do desenvolvimento do projeto. O ex-aluno Leonardo Penna de Lima, de 21 anos, fez parte da equipe, mas precisou ser substituído ao final do hackathon pela recém-formada Bianca Garcia Martins, de 24 anos.

Os desenvolvedores deram prioridade para a parte visual e funcional do desenvolvimento do protótipo durante o fim de semana em que participaram do HackaTrouble. Agora, eles trabalham em melhorias para lançar o aplicativo até o fim de maio.

A funcionalidade principal do aplicativo será gratuita e todos vão poder usar as filas digitais. A plataforma também terá funções extras para os estabelecimentos que optarem pela versão premium. Os clientes ou estabelecimentos interessados em estrear o software podem entrar em contato pelo e-mail [email protected]

G1 São Carlos e Araraquara

 

Departamento de Educação Física da UFRN lança aplicativo de exercícios em casa

Foto ilustrativa: shutterstock

Assim como inúmeras atividades, o famoso discurso de “segunda-feira eu começo a malhar” também está suspenso durante o isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19. Porém o que poderia ser a desculpa perfeita para alguns, uma vez que as academias estão fechadas, passa a ser uma preocupação para pessoas que desejam manter uma determinada rotina de exercícios físicos.

Na internet, tornaram-se comuns iniciativas que mostram pessoas se exercitado e tentando preservar a forma. Muitos dos que já têm uma boa experiência em atividades físicas conseguem fazer isso sozinhos, utilizando seus próprios conhecimentos, mas como ficam aqueles que precisam de acompanhamento na hora do exercício?

A partir desse questionamento surgiu uma ideia. A Base de Pesquisa em Atividade Física (Afisa) do Departamento de Educação Física (DEF/UFRN) criou um aplicativo para auxiliar quem quer estabelecer ou manter uma atividade física regular mesmo cumprindo a recomendação de distanciamento social.

“O que nós fizemos foi pensar em alguma coisa com a qual a Educação Física pudesse ajudar. As pessoas estão em casa, precisam se movimentar, porque se manter fisicamente ativo melhora uma série de aspectos, como as condições cardiocirculatória e cardiopulmonar”, explica o professor do DEF, Paulo Dantas, um dos coordenadores da base de pesquisa.

Com o Aplicativo de Atividade Física e Isolamento Social – AFISapp, de fácil utilização e disponibilizado de forma gratuita nas lojas App Store e, em breve, na Google Play, os usuários têm à disposição orientações quanto aos tipos de exercício e à maneira correta de executá-los, bem como recomendações nutricionais.

Diante do avanço da Covid-19 em todo o país, adotar medidas de proteção como o distanciamento social e os cuidados com a higiene, especialmente das mãos, são as principais formas de defesa conforme recomendações das autoridades sanitárias nacionais e internacionais. Da mesma forma, a prática de atividades físicas também pode ter contribuição significativa para a preservação da saúde.

“Além da sensação de bem-estar, o exercício é ansiolítico, diminuindo a ansiedade causada pelo isolamento, é anti-hipertensivo, contribuindo para a melhora do condicionamento geral. A consequência disso é um aumento da capacidade imunológica da pessoa de reagir a quaisquer tipos de vírus ou bactérias que ataquem o seu organismo” afirma o professor Paulo.

Responsáveis pelo desenvolvimento, três estudantes do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) doaram seus conhecimentos nessa missão e entregaram um aplicativo que contribui para a saúde da população.

“Para ser o mais eficiente possível, o aplicativo recolhe algumas informações do usuário, como perguntas sobre a saúde e o biotipo. Então, de acordo com as respostas, é gerado um treino adaptado. A pessoa deve escolher um dia de descanso entre os exercícios e durante os demais dias o treino a ser realizado é indicado, com imagens e vídeos exemplificando a maneira correta de executá-lo”, explica Fernando Bruch, um dos desenvolvedores.

UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antônio Cláudio disse:

    Oi como entrar?

  2. Phelipe Wilde disse:

    O aplicativo sê chama Afisapp. Por enquanto só está disponível para IOS.

  3. Sonia Maia disse:

    Qual o aplicativo?

  4. Heder disse:

    Está disponível? Qual o nome do aplicativo? por favor.

  5. Patrícia Fonseca disse:

    Já está disponível? Qual o nome do app?

  6. Tarcísio disse:

    Já está disponível BG?

Auxílio emergencial: mais de 13 milhões de informais terão que refazer o cadastro no aplicativo da Caixa

Foto: Agência O Globo

Um universo de 13,6 milhões de informais terão que refazer o cadastro no aplicativo e site da Caixa Econômica Federal para receber o auxílio emergencial de R$ 600. Ao analisar 40 milhões de cadastros realizados no sistema do banco, a Dataprev não conseguiu identificar se esses trabalhadores têm direito ao benefício. Outros 20,27 milhões foram considerados elegíveis e 6,97 milhões, inelegíveis.

Ao todo, foram finalizados no sistema 49, 2 milhões de cadastros até a tarde desta quarta-feira. Desse total, 46 milhões já foram repassados à Dataprev para cruzamento de dados e autorização do pagamento.

Quando o resultado é inconclusivo, o interessado pode fazer uma nova solicitação para corrigir dados informados anteriormente. Entre os motivos para esse tipo de resultado estão: marcação como chefe de família sem indicação de nenhum membro; falta de inserção da informação de sexo; inserção incorreta de dados de membro da família, tais como CPF e data de nascimento; divergência de cadastramento entre membros da mesma família; inclusão de alguma pessoa da família com indicativo de óbito.

Se o resultado for “benefício não aprovado”, o interessado poderá contestar o motivo da não aprovação ou realizar nova solicitação. Para receber o auxílio emergencial, ele não pode receber outro benefício do governo e precisa se enquadrar nos critérios previstos nas lei: renda mensal de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar total de até três mínimos (R$ 3.135,00)

A Caixa Econômica Federal informou ainda que já pagou o auxílio emergencial de R$ 600 para 46,2 milhões de pessoas, o que representa um volume total de R$ 32,8 bilhões. Desse universo, 17,3 milhões são beneficiários do Bolsa Família, 10,5 milhões são trabalhadores inscritos no cadastro do governo e 18,4 milhões, informais que fizeram o cadastro no aplicativo e site da Caixa para receber o benefício.

O cronograma de saque do auxílio, em dinheiro, para os informais que tiveram o auxílio creditado em conta poupança ainda está sendo executado pela Caixa: começou na segunda-feira para nascidos em janeiro e fevereiro e continua até o dia 05 de maio. O banco abriu em nome desses trabalhadores 14 milhões de contas digitais.

Segundo o calendário, nascidos em maio e junho podem efetuar o saque nas agências da Caixa e rede de lotéricos, nesta quarta-feira.

O pagamento do auxílio para beneficiários do Bolsa Família também está em andamento. Nesta quarta-feira, um grupo de 1,9 milhão de pessoas, com NIS final 9, receberam o crédito.

Por decisão do governo, a Caixa está concentrando esforços para acelerar o atendimento, já que as pessoas enfrentam problemas para acessar o sistema e filas nas agências para receber a primeira parcela do auxílio. O calendário de pagamento da segunda parcela só será anunciado depois que esses problemas forem solucionados.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Batista Paulo da Silva disse:

    Boa noite Bruno desde o dia 07 março quer fiz até agora nadar tá muito difícil receber esse dinheiro

Aplicativo Tô de Olho ajuda a conter o coronavírus no RN

A tecnologia está ajudando a fortalecer as ações de contenção da pandemia da Covid-19 no Rio Grande do Norte. É o caso do aplicativo “Tô de Olho”, desenvolvido para a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) através de uma parceria com o Ministério Público do RN (MPRN) e o Instituto Metrópole Digital (IMD), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A nova ferramenta está disponível para todos os potiguares e será bastante útil para reduzir o contágio em massa pelo novo coronavírus.

A parceria tem objetivo de criar uma rede de proteção contra a pandemia que atingiu o Pais há dois meses e já matou cerca de 800 pessoas. Através do aplicativo ou do cadastramento no site todeolho.mprn.mp.br, os potiguares poderão informar a presença de aglomerações, que serão comunicadas às administrações públicas municipais e ao Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), com garantia da identidade preservada.

Outra funcionalidade é o rastreamento dos contatos, que permite fazer um histórico da localização das pessoas. Através dessa funcionalidade, quem tiver algum contato com uma pessoa infectada no período de contágio será notificado para que possa reforçar o isolamento. O aplicativo permite acesso a um mapa com as regiões de maior risco de infecção, informa ocorrência de sintomas, aponta o índice de isolamento das pessoas e registra denúncias sobre eventual aglomeração em qualquer cidade.

O uso do “Tô de Olho” é totalmente gratuito. Basta instalar o aplicativo, disponível no Google Play, ou se cadastrar no site (https://todeolho.mprn.mp.br). Os dados fornecidos serão utilizados apenas durante a pandemia e para fins específicos do controle da cadeia de contágio, sendo totalmente destruídos ao fim da crise epidêmica.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonia souza disse:

    Estou me cadastrando para ajudar

  2. Carlos disse:

    Bisbilhotar indiscriminadamente a vida de terceiros e prejudicar por prazer já faz parte do cotidiano do MPRN.

  3. Meu nome é Rosineide Félix Barbosa disse:

    To de olho

  4. Antonio Turci disse:

    Isto de matar de inveja o criminoso Stalin e sua KGB. Mais uma vez uma instituição pública federal (UFRN) mostra suas unhas. George Orwell 1984 fazendo cumprir a proficia da chegada do 'Grande Irmão". Acompanhar os passos das pessoas…….

MPRN e IMD lançam aplicativo para ajudar governo a evitar aglomerações durante isolamento social

Imagem: divulgação

Com o intuito de contribuir para o combate ao Covid-19, pesquisadores do Instituto Metrópole Digital (IMD/UFRN) e do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP/RN), em parceria com a Sesap e Sesed, desenvolveram um sistema para auxiliar o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) na prevenção à formação de aglomerações de pessoas no estado potiguar.

Intitulada Tô de Olho, a tecnologia, acessível por meio deste link, já está em uso e permite que os usuários possam fazer denúncias online caso saibam da ocorrência de aglomerações – situação que colabora com a propagação do novo Coronavírus.

“Agora, ao invés da pessoa ligar para o ‘190’ e denunciar alguma situação de aglomeração, é possível entrar no sistema e fazer, lá mesmo, a queixa”, explica o professor Nélio Cacho, articulador da iniciativa junto ao IMD e vice coordenador do Smart Metropolis, Projeto especializado na criação de tecnologias para Cidades Inteligentes.

Graças a uma parceria com a Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn), todas as cidades do estado foram cadastrados no Tô de Olho e qualquer potiguar tem acesso ao canal de denúncia e, consequentemente, pode contribuir com a prevenção da propagação do Covid-19.

Alerta

Além de canal oficial de denúncias, o Tô de Olho também vai contribuir para reduzir a propagação do Coronavírus por meio de um algoritmo de rastreamento de contato.

“O algoritmo vai detectar, através do histórico de localização, quem teve algum contato com uma pessoa infectada no período de contágio, sem identificar a pessoa, obviamente. As pessoas que tiveram contato são notificadas para reforçar o isolamento”, afirma Nélio Cacho.

Para isso, a equipe conta com o apoio da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN), que disponibiliza à ferramenta dados de laudos médicos registrados em todo o estado, de modo que qualquer um que tenha sido diagnosticado com o novo vírus seja mapeado pelo aplicativo, sem que haja, no entanto, nenhum tipo de identificação pessoal.

Outro requisito para o bom funcionamento da tecnologia é a doação do histórico de localização – informação que deverá ser disponibilizada no sistema pelo próprio cidadão usuário de contas do Google.

Assim, será possível ao Tô de Olho criar o vínculo epidemiológico entre os usuários da solução. Segundo a equipe, isso ajudará a diminuir a propagação da doença em ambientes domésticos e profissionais.

De acordo com Nélio Cacho, a ferramenta também estará em breve disponível para ser utilizada por meio de aplicativos.

“Preferimos, ao invés de esperar as validações da loja da Google e Apple, lançar o Tô de Olho no portal web e, em breve, na Play Store e Apple Store, para que a população tenha acesso às informações o mais rápido possível”, comenta o docente.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. wilson Junior disse:

    Vá na alameda da Alexandrino de Alencar q tem aglomeração de caminhantes

  2. Maria do Socorro de Medeiros Lima disse:

    Parabéns! Muito importante esse aplicativo.

  3. Manoel disse:

    De qual parte esse desgoverno não entendeu que tem que isola os idosos eles falam e não fazem nada sobre isso os idosos passam o dia para cima e para baixo e ninguém toma providências vocês querem engana quem dizendo que estão preocupados me poupe vão ter vergonha na cara todos se aproveitando de um momento difícil para os mais carentes para querer aparecer.

  4. Ana disse:

    BG, o clique no link não está funcionando. Qual o nome do aplicativo?

Aplicativo da Caixa vai identificar quem tem direito ao ‘coronavoucher’


Imagem: pixabay

A Caixa Econômica Federal vai lançar um aplicativo para começar a cadastrar e identificar os trabalhadores que têm direito a receber o auxílio emergencial de R$ 600, que ficou mais conhecido como ‘coronavoucher’. O aplicativo deve ser lançado nas plataformas digitais a partir de terça-feira (7).

O novo sistema irá identificar os trabalhadores que não estão em nenhuma outra base do governo. O governo estima que há de 15 a 20 milhões de pessoas que não estariam cadastradas em nenhuma base de dados.

Quem já é registrado no Cadastro Único (CadÚnico) ou no Bolsa Família, não precisam fazer novo o cadastro no aplicativo que será lançado pela Caixa.

Na Play Store, o aplicativo do Cadastro Único (CadÚnico) tornou-se o mais baixado em meio ao anúncio das medidas econômicas para minimizar o impacto do coronavírus.

CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge italiano batista disse:

    Eu tenho Direito ?

  2. Rosi Sampaio disse:

    Brasileiro acha que só tem direito e cadê os deveres? Nessa hora ninguém lembra que para ter direitos tem que ter deveres, mas aqui o povo esquece disso.

  3. Lorena Cristina Silva do Nascimento disse:

    Eu tenho diteito som o não

Governo vai usar aplicativo para cadastrar informais que têm direito a auxílio de R$ 600

Foto: Ilustrativa

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, disse nesta sexta-feira (3) que será usado um aplicativo para celulares para identificar os trabalhadores informais que não estão em nenhum cadastro do governo mas têm direito de receber o auxílio de R$ 600.

Esse aplicativo, informou, poderá ser baixado a partir da terça-feira (7).

O benefício é uma das medidas de alívio à crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus.

Segundo o ministro, entre 15 milhões e 20 milhões de trabalhadores que têm direito ao auxílio não estão atualmente em nenhum cadastro usado pelo governo.

Devem fazer o cadastramento pelo aplicativo:

trabalhadores que não estão no Cadastro Único único do governo;
contribuintes individuais do INSS;
microempreendedores individuais.

De acordo com o ministro, trabalhadores que já estão nos cadastros do governo mas que não sabem disso e venham a tentar fazer o credenciamento pelo aplicativo, vão ser informados de que precisam fazer esse registro.

Onyx informou ainda que:

o dinheiro será creditado na conta bancária informada pelo trabalhador;
ou ele receberá uma autorização para fazer o saque nas lotéricas.

“Futuramente vamos evoluir para disponibilizar nos caixas eletrônicos também”, afirmou o ministro.

Onyx afirmou que a previsão é que esses trabalhadores possam começar a receber o auxílio 48 horas depois de concluírem o cadastramento pelo aplicativo.

“Queremos dar tranquilidade ao taxista, ao vendedor de pipoca, à diarista, de que ela, a partir de terça-feira (7), terá as condições de fazer o cadastramento e, em poucas horas, receber os recursos”, disse o ministro da Cidadania.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dione disse:

    E qual plicativo

Coronavírus: Prefeitura de São Gonçalo do Amarante disponibiliza aplicativo para população protocolar documentos e requisitar serviços sem sair de casa

Foto: Divulgação

Como mais uma ação de prevenção à propagação do Covid-19, o prefeito Paulo Emídio, Paulinho, de São Gonçalo do Amarante/RN, disponibilizou um aplicativo de celular, denominado ‘1Doc Atendimento’, que possibilita a população, pessoa física e jurídica, protocolar documentos e requisitar serviços públicos sem precisar sair de casa.

O app pode ser baixado gratuitamente nas lojas virtuais da Play Store (Android) e Apple Store (iOS), e está integrado à plataforma ‘Simplifica’ de comunicação e tramitação de processos da prefeitura que já funciona de forma digital, sem a necessidade do papel.

Atendimento presencial suspenso

Na tarde desta terça-feira, dia 17, o prefeito publicou Decreto Municipal 1182/2020, em edição extra no Jornal Oficial do Município, suspendendo, entre outras medidas, o atendimento presencial ao público externo que puder ser prestado por meio eletrônico.

A plataforma ‘Simplifica São Gonçalo’, lançada ainda em 2019 pela Prefeitura, visa a desburocratização e modernização dos serviços públicos e possibilita que os servidores municipais possam trabalhar de casa, medida considerada de grande relevância para conter o avanço do coronavírus.

A administração municipal também está avaliando adoção do ‘home office’, trabalho remoto, como uma das próximas medidas.

Link para baixar o aplicativo no Android:
https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.a1doc.theioapp

Link para baixar o aplicativo no iOS:
https://apps.apple.com/br/app/1doc-atendimento/id1494746128

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Maria Pegado disse:

    Se não tem condições de atendeu uma criança vomitando.
    Mentiroso irresponsável.

Não, o Orkut não voltou; app que aparece na Play Store foi criado por fãs


Um aplicativo com o mesmo nome e identidade visual do Orkut surpreendeu muita gente que acessou a Play Store recentemente.

A ferramenta, no entanto, foi criada por fãs do antigo site e não tem nenhuma relação com a plataforma encerrada em 2014 pelo Google.

O assunto causou euforia entre os nostálgicos fãs da rede social e chegou aos Trending Topics do Twitter, rendendo muitos comentários saudosos.

FOTO: Motorista de aplicativo vira veículo na Via Costeira

Foto: Cedida

Um carro utilizado para transporte via aplicativo acabou tombando na manhã desta quinta-feira(30) na Via Costeira, nas imediações da curva do Hotel Pirâmide. Mais uma vez, a pista escorregadia após uma pancada de chuva contribuiu para o acidente, sem maiores detalhes.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dilma disse:

    Se computar as perdas materiais dos usuários da via costeira, decorrente dessa reforma mal planejada e mal executada, seria suficiente pra fazer 100 obras dessa, e menos perigosa. Como pode até hj não ter ocorrido uma intervenção, ou pelo menos uma melhor sinalização, em locais em que são recorrentes os acidentes, é um verdadeiro afronte a Cidadania e aos cidadãos pagadores de impostos, um verdadeiro descaso. Mais grave é saber que esse descalabro já ceifou uma centenas de vidas humanas. Até quando teremos que suportar isso? O MP poderia acionar o estado pra minimizar mais esse mal.

  2. paulo disse:

    BG
    "Legado" da guerreira, gastou uma fabula e desgraçou o que já tinha problemas, ficou muitíssimo pior do que antes. São as obras$$$$$$$$$$$$$$.

  3. joão carlos disse:

    isso pq é motorista profissional, imagine os amadores… ali na via costeira é só o que tem: gente que não sabe dirigir, invadindo faixa, correndo a mais de 120… não tem fiscalização né, fazer oq

  4. roberto disse:

    alta velocidade

  5. Antonio Barbosa Santos disse:

    Regra de ouro de todo aquele que dirige: adequar-se as condições da via e do tempo.
    Aqui em Natal tanto faz pista boa, em reta, sol intenso quanto uma com buracos, em curva e chovendo. O povo anda do mesmo jeito.
    Aí quando dá nisso, tira o "braço da seringa" e diz que a culpa é da pista, do poste, da lua…

Sharon Stone entra em aplicativo de paquera, é bloqueada e reclama na web

A atriz Sharon Stone utilizou o Twitter e o Instagram para reclamar do bloqueio de sua conta no aplicativo de namoro Bumble. A celebridade de 61 anos disse que sua presença no app foi bloqueada após vários usuários a denunciarem sob a suspeita de ser uma conta fake.

A artista escreveu no Twitter: “Eu fui entrar no Bumble e eles fecharam a minha conta. Alguns usuários fizeram denúncias alegam que não era eu! Ei Bumble, ser eu mesma é fato de exclusão? Não me tirem da colméia”, fazendo referência à abelha que é símbolo do app.

Depois ela compartilhou um print da tela inicial do seu aplicativo, com o aviso do bloqueio: “Você foi bloqueada. Temos o compromisso de manter o Bumble seguro, o que significa que precisamos reforçar certas regras quando nossos valores são violados”.

O aviso encerra afirmando: “A sua conta foi bloqueada porque recebemos várias denúncias de que seu perfil seria fake”.

Fundado em 2014, o Bumble é considerado um “app de namoro feminista” por sua dinâmica de funcionamento. No caso de match entre os usuários, apenas a mulher pode fazer o primeiro contato. Já no caso de match entre pessoas do mesmo sexo, qualquer uma delas pode enviar a mensagem inicial.

Vencedora de um Globo de Ouro e indicada ao Oscar em 1996 por seu trabalho em ‘Cassino’ (1995), a também estrela de ‘Instinto Selvagem’ (1992) não voltou a tratar publicamente do tema apesar de vários questionamentos de seus fãs.

Da mesma forma, os assessores e representantes do Bumble nas redes também não responderam Stone em público até o momento sobre seu bloqueio.

O último relacionamento público de Stone foi com o empresário bilionário do ramo de imóveis Angelo Boffa (42 anos). Os dois namoraram por nove meses até encerrar o relaionamento em outubro de 2018.

A atriz já foi casada duas vezes: com o produtor de TV Michael Greenburg e com o jornalista Phil Bronstein, com quem ela adotou seu primogênito, Roan (19 anos). Ela tem mais dois filhos adotados: Laird (14 anos) e Quinn (13 anos).

Globo, via Monet

Amigos criam aplicativo para ajudar universitários a produzir TCC

Ketlen Komorek e Tiago Hermano, dois dos criadores do aplicativo “Minha Jornada TCC” (Foto: Divulgação)

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é muito temido pelos universitários. E não é à toa: produzir um projeto grande e conciliá-lo com aulas e estágio é uma das tarefas mais desafiadoras da vida universitária. Mas, com organização e planejamento, a vida do formando pode ficar muito mais fácil.

Foi pensando nisso que os amigos Ketlen Komorek, Tiago Hermano, Victória Arantes e Gabriel Rodrigues decidiram criar um aplicativo que faz um planejamento personalizado e facilita a organização do aluno que está encarando o último ano da graduação.

A ideia surgiu durante um hackathon organizado pela Universidade Federal de Goiás (UFG), onde estudam. “Eu já entendia muito bem a realidade desse processo do TCC, já que passei muito mais tempo do que devia fazendo o meu trabalho pela dificuldade de me organizar”, afirma Ketlen, que se formou em dezembro de 2019 em Publicidade e Propaganda.

Batizado de Minha Jornada TCC, o aplicativo organiza o planejamento do trabalho final e cobra os estudantes para os prazos devem cumprir. Com isso, o universitário consegue traçar suas metas — e a faculdade ainda poderia acompanhar a evolução do trabalho em tempo real.

Segundo a publicitária, eles decidiram criar o aplicativo porque perceberam que não existe um produto focado no processo de produção do TCC. Os recursos disponíveis se aplicam apenas ao resultado final, como editar o trabalho segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). “Mesmo que o aluno consiga entregar o trabalho no prazo, ainda é um processo que bagunça muito a sua vida”, afirma Ketlen.

Como funciona

O aplicativo começa fazendo algumas perguntas relacionadas ao trabalho e à personalidade do aluno. “A partir dessa análise inicial, a plataforma cruza dados para criar um método de gerenciamento completo das tarefas a serem feitas e ainda estabelece um canal direto com o professor orientador do trabalho”, diz Tiago, que estuda Sistema da Informação.

O app ainda está em fase de desenvolvimento e não tem previsão de quando será lançado. Mas já é muito promissor: ele foi escolhido entre mais de 100 projetos de todo o Brasil para o encontro global do Red Bull Basement University, que aconteceu em dezembro de 2019 no Canadá. O evento contou conta com palestras, oficinas e sessões de orientação, além de uma competição.

Participaram do torneio 26 equipes, mas apenas 10 foram classificadas para a final. “Competimos pelo último lugar na final com o Japão e, infelizmente, não passamos”, diz Tiago. “Mas toda a vivência foi riquíssima, fizemos grandes amigos de diversos países, trocamos muitas experiências e conhecimentos. A energia era muito mais colaborativa do que competitiva”.

Galileu

Truque simples ensina como postar fotos no Instagram sem utilizar o aplicativo ou o celular

Já imaginou postar uma foto no Instagram sem precisar instalar o aplicativo em seu smartphone? Sim, é possível. Apenas utilizando o Google Chrome em seu computador, um usuário consegue publicar na rede social por meio de um truque simples, que transforma a página da web da plataforma em uma versão para celulares. Veja como.

1. Para começar, abra o site do Instagram e entre em sua conta.

2. Logo que a página carregar, aperte F2 e aguarde até uma tela abrir no lado direito.

3. Clique no ícone de celular/tablet que se encontra ao lado esquerdo da tela.

4. Aperte o botão F5 para atualizar e página e aparecer a barra inferior do app com o ícone de sinal de “+”.

5. A partir do ícone, basta publicar a foto desejada em sua conta.

Olhar Digital, via UOL

 

Twitter pede que usuários do Android atualizem o aplicativo imediatamente; falha permite que hackers acessem informações não públicas da conta

Foto: Divulgação/Olhar Digital

Se a interminável rolagem do feed do seu Twitter fizer parte da sua rotina, você vai querer atualizar o aplicativo o mais rápido possível, se for usuário do Android. Isso porque, nessa semana, a empresa confirmou uma vulnerabilidade em seu aplicativo que poderia permitir que hackers vissem “informações não públicas da conta” e enviassem tuítes e mensagens sem permissão do usuário.

De acordo com um blog do Twitter Privacy Center, a questão de segurança – que já foi corrigida – permitiria que hackers controlassem uma conta e tivessem acesso aos dados de localização e de tuítes protegidos “através de um processo complicado que envolve a inserção de código malicioso em áreas restritas de armazenamento do aplicativo do Twitter”, potencialmente colocando em risco milhões de usuários do aplicativo. Um tuíte do suporte do Twitter afirmou que o problema foi corrigido para a versão 7.93.4 do Android (lançada em novembro) e para a versão 8.18 (lançada em outubro).

Portanto, se você usa o aplicativo da rede social em um aparelho Android, precisa atualizar para a última versão. A postagem do blog dizia que atualmente não há evidências de que alguém se aproveitou dessa falha, mas que “não podemos ter certeza absoluta”. No momento, o Twitter está enviando um e-mail para os usuários que correm maior risco,fornecendo instruções sobre como atualizar o aplicativo.

Embora essa não seja a mesma falha que um hacker explorou ao invadir a conta de Jack Dorsey, CEO do Twitter, em agosto, é possível perceber que os problemas de segurança são graves e recorrentes.

Olhar Digital, via Gizmodo

Aplicativo permite “navegar” para descobrir em quais streamings determinado filme ou série está disponível

Foto: Reprodução

Google Play Filmes serve como um grande catálogo para ver onde determinado conteúdo pode ser assistido. Além dos streamings já suportados como HBO Max, Hulu e Amazon Prime Video, agora a plataforma também mapeia os títulos presentes na Netflix e no Disney +.

Para descobrir se algum filme ou série está presente em determinado streaming, vá para a página inicial e clique no cartão “Já possui Netflix ou Disney +?”. Em seguida, selecione “Adicionar seus serviços” e escolha os serviços de streaming que você possui ou que deseja conhecer. Essa guia é configurável e você pode editá-la a qualquer momento, acessando a aba de navegação.

Após essas operações, os aplicativos serão definidos como os programas padrões de exibição. Assim, sempre que você escolher um filme e clicar em determinado streaming, ele abrirá o aplicativo correto e dará início a reprodução imediatamente.

Por enquanto, esse recurso está apenas disponível no aplicativo de Android e ainda não chegou para iOS. Obviamente, também é possível procurar um título na barra de pesquisa do Google e obter resultados semelhantes, mas a experiência do Play Filmes torna a navegação mais simples, já que oferece trailers, filmes semelhantes, sinopse, e outras especificações da obra em apenas um aplicativo.

Olhar Digital, via 9to5Google

WhatsApp corrige falha e todos devem atualizar o aplicativo

Foto: Rubens Achilles/TechTudo

Uma falha no WhatsApp que permitia travar o aplicativo para todos os integrantes de um grupo foi anunciada nessa terça-feira (17). A vulnerabilidade, detectada pela equipe de segurança cibernética Checkpoint, afeta celulares Android e iPhone (iOS) e consiste em alterar o número de telefone de um dos participantes do chat para desencadear o congelamento constante do app no celular do resto dos membros. A única solução seria apagar o grupo e, consequentemente, perder todas as mensagens compartilhadas nele.

O bug foi informado pela Checkpoint à equipe do WhatsApp em agosto por meio do programa de recompensas do aplicativo. O mensageiro liberou em setembro a atualização com correção da falha na versão 2.19.58 para todos os usuários de iPhone e Android.

A vulnerabilidade foi descoberta pela equipe Checkpoint ao acessar o protocolo de mensagens do app para alterar o parâmetro de remetente, que é examinado pelo WhatsApp para identificar aos usuários quem enviou determinada mensagem na conversa coletiva. Os desenvolvedores, então, adicionaram caracteres especiais ao parâmetro do número de telefone de um dos integrantes do grupo.

Assim, quando esse usuário mandar alguma mensagem no chat, o aplicativo do WhatsApp trava em loop no celular de todos os outros participantes da conversa. O app continua congelado mesmo após fechar e reabrir o mensageiro.

Além disso, não é possível acessar novamente o grupo em que a vulnerabilidade ocorreu. Portanto, para impedir que o aplicativo continue congelando, a solução seria apagar o chat em questão que sofreu a falha. Isso resultaria na perda de todas as mensagens e mídias compartilhadas na conversa.

O bug foi consertado pelo WhatsApp a partir da atualização de número 2.19.58 para iPhone e Android. É importante manter os aplicativos atualizados para evitar falhas de segurança como essa. Inclusive, pesquisadores do Checkpoint descobriram em agosto uma vulnerabilidade que permitia editar mensagens enviadas pelo WhatsApp.

Outras brechas detectadas no mensageiro ainda este ano incluem invasão do celular por meio de GIFs maliciosos, ataques de spyware, e roubo de dados ao receber arquivos em formato MP4.

Globo, via Techtudo, 9to5Mac, Engadget, Bleeping Computer e Checkpoint