FOTO: Prefeitura de São Gonçalo vai construir mais uma unidade de saúde

A obra será em Olho D’Água do Carrilho. Foto: Wendell Jefferson

Na manhã dessa segunda-feira (2), o prefeito Paulo Emídio (Paulinho) assinou mais uma ordem de serviço. A comunidade de Olho D’água do Carrilho será beneficiada com a construção de uma Unidade Básica de Saúde. O espaço contará com área de 320m² para atender a população com serviços básicos.

O valor da obra é de mais de R$ 638 mil, oriundos do governo federal, através de emenda parlamentar da senadora Zenaide Maia, e contrapartida da Prefeitura de São Gonçalo do Amarante/RN. A previsão de conclusão da obra é de nove meses.

Segundo o prefeito Paulinho, poderá ser a obra mais rápida da gestão, já que os recursos estão assegurados. “Queremos estar aqui em seis meses entregando mais esse equipamento de grande alcance social. Não iremos medir esforços para que tudo fique pronto o quanto antes, beneficiando assim toda a população de Olho D’água do Carrilho com um atendimento mais digno”, disse o gestor.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Magnum disse:

    Parabéns ao povo de São Gonçalo do Amarante., o Prefeito Paulinho tem trabalhado em benefício desse povo maravilhoso!!

FOTOS: Casal sob risco de pena de morte por construir uma casa no mar

O casal questiona o argumento das autoridades tailandesas de que a estrutura foi construída em águas do país — Foto: BBC/Marinha da Tailândia

Um americano e sua namorada tailandesa podem terminar seus dias na prisão ou até serem condenados à morte.

As autoridades da Tailândia acusam o casal de ter construído uma casa em águas do país asiático – a ação, segundo a Marinha tailandesa, ameaça a segurança nacional.

Chad Elwartowski e a namorada Supranee Thepdet passaram a se esconder, após a estrutura de metal que fizeram no meio do mar ter sido descoberta.

A plataforma, em que ambos viveram, ocupa cerca de 20 metros quadrados e foi erguida a cerca de 19 quilômetros da costa de Phuket, uma ilha tailandesa a oeste do território nacional.

Elwartowski insiste que, por se localizar a essa distância da costa, a casa está fora da jurisdição da Tailândia.

Mas a Marinha tailandesa discorda e argumenta que o imóvel foi construído sem a devida permissão.

O coronel da polícia Nikorn Somsuk disse à agência AFP que a Marinha vai se reunir com autoridades locais “para analisar que medidas vai tomar”.

Se o casal for considerado culpado, poderá enfrentar desde prisão perpétua até pena de morte.

Sujeitos a lei nenhuma

O homem e a mulher pertencem ao movimento chamado “seasteading”, que promove a construção de habitações permanentes no mar, em águas internacionais, para que não estejam sujeitas às leis de nenhum país.

Eles também fazem parte do grupo Ocean Builders, uma comunidade de empresários que trabalham para financiar esse tipo de moradia.

Foto: BBC/Marinha da Tailândia

Em um vídeo publicado em fevereiro, Elwartowski disse que essa comunidade era um lugar onde “as pessoas que amam a liberdade podem se unir e ser livres”.

A estrutura alvo do conflito foi construída no mesmo mês, mas só recentemente foi encontrada pelas autoridades. Quando a descoberta foi feita, nem o americano nem a namorada dele estavam no local.

Um comunicado publicado no site da Ocean Builders diz que o casal não foi responsável pela construção da casa, mas que eles eram apenas inquilinos.

“Eles passaram algumas semanas na casa flutuante e documentaram sua aventura”, diz o site. “Eles não estiveram envolvidos no projeto, de maneira nenhuma.”

De acordo com declarações de Elwartowski à AFP, ele e a namorada estão escondidos “em um lugar bastante seguro” enquanto esclarecem sua situação atual.

Micronações

Embora não existam dados específicos sobre o número de casas construídas em águas internacionais, outras estruturas como esta (denominadas “micronações”) foram construídas por razões semelhantes.

As micronações são estados autodeclarados que não possuem o reconhecimento de nenhum governo.

Uma das mais conhecidas é Sealand, uma plataforma marítima localizada a menos de 10 quilômetros da costa de Suffolk, um condado no leste da Inglaterra.

Esta famosa e controversa estrutura tem a própria bandeira, uma moeda e até um time de futebol.

Em países como a Austrália, por exemplo, várias micronações também foram erguidas.

Entre elas está a província de Hutt River, uma propriedade privada a 500 quilômetros ao norte da cidade australiana de Perth – que anunciou sua separação em 1970, após desentendimentos com o governo por causa dos impostos sobre o trigo.

Nessa área, eles também têm sua própria bandeira e moeda: o dólar do Rio Hutt.

Outro exemplo é a micronação de Akhzivland, no norte de Israel, que contou com uma população de apenas duas pessoas durante quase meio século.

Assim foi até seu fundador e presidente, Eli Avivi, morrer no ano passado aos 88 anos.

G1, com BBC

 

FOTO: Japão vai começar a construir um muro gigante de gelo em Fukushima

18wzs8fgk2hydpng-1260x710Lembra daquela vez que o Japão teve uma ideia maluca de construir uma parede gigante de gelo para conter os vazamentos de água radioativa da usina de Fukushima? Bem, eles conseguiram apoio, e vão colocar a ideia em prática. De verdade.

Após examinar os planos da Tokyo Eletric Power Co (TEPCO) para construir uma parede de gelo gigante, o órgão regulador de energia nuclear japonês aprovou a construção da barreira. Técnicas parecidas já foram usadas no passado, mas nunca com a mesma escala como neste projeto proposto para Fukushima. Falando ao PhysOrg, um representante anônimo explicou que:

Tínhamos algumas preocupações, incluindo a possibilidade de parte do chão afundar. Mas não houve grandes objeções ao projeto na reunião, e concluímos que a TEPCO pode seguir em frente ao menos com parte do projeto proposto após passar por alguns procedimentos necessários.

Em junho, engenheiros construirão o muro de 1,5km que deve estancar o fluxo da água radioativa. Já explicamos como isso funcionará:

A ideia é posicionar canos verticais com cerca de um metro de distância entre 20 e 40 metros no chão e bombear água refrigerada por eles. Isso efetivamente criaria uma barreira de gelo ao redor das instalações afetadas, mantendo a água contaminada dentro e a subterrânea fora.

Apesar do fato do projeto ter sido aprovado, a TEPCO deve ter que rever outras partes do projeto conforme ele progride. Há ainda alguma preocupação que a parede de gelo possa afetar a infraestrutura existente, o que significa que ela deve ser cuidadosamente monitorada conforme o projeto avança.

GIZMODO – UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alysson disse:

    Winter Is Coming…