Saúde

Covid no BBB: Público desconfia após Caio perder paladar e brothers apresentarem sintomas

Foto: Divulgação/BBB

Parte do público do BBB 21 na internet levantou a suspeita de que alguns participantes do estão com covid-19. O que mais deu força a tese foi que Caio disse que não sentia mais o sabor de alimentos.

“Eu estou tomando muito remédio, já não sinto gosto de nada. A textura do frango está linda, eu sinto gosto, mas muito pouco”, disse o brother ao ser questionado por Fiuk sobre o gosto do almoço.

Além disso, alguns internautas observaram que Camilla de Lucas teve tosse seca em vários momentos do dia. Para completar, Rodolffo e Viih Tube relataram incômodo na garganta.

COVID NO BBB: PÚBLICO LEVANTA SUSPEITAS

Um dos principais motivos da hipótese levantada na web é que Arthur e Caio receberam atendimentos médicos recentemente. Os dois se machucaram na última prova do líder, vencida por Sarah.

Caio fraturou o metatarso do pé esquerdo enquanto Arthur deslocou o ombro e saiu da casa do BBB para ir ao hospital fazer exames.

No entanto, vale ressaltar que a Globo sempre teve um cuidado excepcional com a saúde dos participantes. Isso foi ressaltado pelo apresentador Tiago Leifert no BBB 20, por exemplo, quando a pandemia de coronavírus começou.

No BBB 21, a preocupação com a covid-19 estendeu o período de confinamento dos participantes antes do reality começar.

A emissora ainda não se pronunciou sobre o assunto, mas certamente está monitorando todo e qualquer eventual sintoma da doença que já matou quase 250 mil pessoas no Brasil.

Veja reações do público:

Paraná Portal

Opinião dos leitores

  1. Mas se estão todos com poucos sintomas e isolados em uma casa, pq cancelar o programa? Eles já estão de quarentena!

  2. Cancelei todas as atividades da minha tarde para acompanhar de perto essa situação. Creio que vou perder o sono a noite por causa disso. First things first.

    1. Assim como você tbm não acrescenta na vida deles, kkkk. Se não gosta, não assista, amor.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Comunidade científica desconfia que há algo errado com a Coronavac

FOTO: REUTERS / Amanda Perobelli (Amanda Perobelli/Reuters

A ausência da apresentação de dados de eficácia sobre a vacina Coronavac nessa quarta-feira, dia 23, durante coletiva de imprensa realizada no Instituto Butantã, deixou a comunidade científica preocupada em relação à eficácia do imunizante. O governo de São Paulo já havia adiado a apresentação dos dados, programada inicialmente para o dia 15. Agora, a divulgação foi novamente postergarda. O novo anúncio do resultado dos testes está programado para daqui a duas semanas.

“O problema é que a falta de uma explicação mais consistente sobre o motivo de tantos adiamentos começa a deixar os cientistas desconfiados de que pode ter havido algum problema com a vacina”, diz Maria Amélia Veras, epidemiologista da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo e do Observatório Covid-19 BR.

Segundo o Instituto Butantã, os dados não foram apresentados porque haveria divergências com os resultados dos testes clínicos em países como a Turquia e a Indonésia, onde as avaliações também estão sendo conduzidas.

Os cientistas brasileiros que vêm acompanhando a evolução da vacina dizem que poucos voluntários receberam a dose de imunização na Turquia e na Indonésia, o que não justifacaria um problema de divergências nos testes. “A maior parte dos testes aconteceu no Brasil mesmo”, diz Fernando Reinach, biológo, PHD em biologia celular e molecular pela Cornell University e autor do livro “A Chegada do Novo Coronavírus no Brasil”.

“O novo adiamento dos resultados dos testes de fase 3 da Coronavac levantam a suspeita de que possa haver algum problema com a eficácia da vacina ou com o ensaio clínico do Butantã”, afirma Reinach.

Existe a desconfiança de que os resultados possam ter sido inconclusivos ou que a vacina teria uma baixa eficácia, já que o Instituto Butantã ainda não divulgou os dados que sobre o índice de eficiência do imunizante. “Toda a comunidade científica esperava que os resultados fossem divulgados nesta quarta, conforme o Butantã havia anunciado, e ficamos pasmos com o cancelamento da abertura das análises”, diz Veras.

Os cientistas também se revelam preocupados pelo fato de que nem mesmo a China registrou a vacina ainda. “Não sabemos muito bem o que se passa na China, por se tratar de um país fechado”, afirma Gonzalo Vecina, médico sanitarista e presidente da Anvisa entre 1999 e 2003. “Pode ser que estejam tomando um cuidado especial ou estejam envoltos em questões burocráticas, mas o fato é que sem o registro da vacina na China é impossível haver um registro pela Anvisa no Brasil”.

Vecina também alerta que o resultado dos ensaios clínicos de fase 3 ainda não foram publicados em revistas científicas, o primeiro passo de processos de comprovação da eficácia de vacinas e medicamentos. Após a publicação, a comunidade científica internacional analisa os dados do estudo e dá seu parecer.

Outro fator potencialmente preocupante é o real índice de eficácia da Coronavac. De acordo com o Butantã, os testes clínicos mostraram um índice de eficácia no limiar de 50%, embora ninguém tenha visto os dados. Outras vacinas, como as da Pfizer e Moderna, apresentam uma eficácia de 95%.

“Uma taxa de 50% significa que apenas metade da população que receber a vacina estará de fato imunizada”, explica Vecina. Caso isso aconteça, um dos problemas que é a população pode acreditar que está totalmente imunizada e descuidar de medidas essenciais como usar máscara e manter o distanciamento social, embora ao menos parte das pessoas de fato adquira anticorpos contra o coronavírus.

A comunidade científica também acredita que o calendário de vacinação proposto pelo governo de São Paulo, com início em 25 de janeiro, talvez precise ser revisto. Como a divulgação dos dados sobre os testes 3 da vacina foram postergados para 15 dias, existe uma probabilidade de não haver tempo hábil para providenciar o registro junto à Anvisa e começar a imunização em janeiro. Além disso, é preciso que antes a China registre a vacina.

Até agora, as vacinas que já obtiveram registros em órgãos internacionais são as da Pfizer e da Moderna, autorizadas nos Estados Unidos. “Em relação à Coronavac, o processo não caminhou tanto assim”, diz Vecina.

Exame

 

Opinião dos leitores

  1. E os jumentinhos do Lula estão doidinhos pra tomar essa vacina, apliquem logo nesses acéfalos e deixa se lascar esses vermes.

  2. BG!
    Já já essa Coronadoriana, chega a 25 de Março.
    O chá lá, se ja não exister e estão vendendo.
    Brasil sil sil sil.

  3. Embora trabalhe na área da saúde não sou imunologista e não tenho sapiência para dizer qual vacina é válida. Isso é tarefa das autoridades de saúde, no caso a Anvisa. Se a Anvisa liberar pra uso eu acredito e utilizo. Se não liberar não tomo. Simples assim. Vamos parar de politizar até vacina e nos atermos à ciência.

  4. A melhor opção é Moderna e Pfizer. A logística que ainda atravanca muita coisa ( sem contar a má vontade do governo )

  5. Dória se mandou para os EUA para tomar vacina confiável, Hô Dória escroto, Hô Doriana cara de pau.

  6. O nome dessa vacina deveria ser COROPOLITICA , absurdo desses FDPs , pelo poder estão fazendo política com a saúde e prevenção do povo , os PTralhas nessa hora estão TODOS CALADOS , estavam IDOLATRANDO O DORIA , cadê esses RATOS PTralhas ???

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Roberto Alvim diz em mensagem desconfiar que ‘ação satânica’ tenha provocado sua queda

Foto: Secretaria da Cultura

Após ser demitido por Jair Bolsonaro, Roberto Alvim compartilhou uma mensagem em grupos de WhatsApp em que diz desconfiar que uma “ação satânica” tenha provocado a sua saída da Secretaria Especial da Cultura. Alvim foi exonerado pelo presidente diante da repercussão de um pronunciamento oficial com inspiração nazista.

“Foi tudo uma série terrível de eventos e coincidências que levaram a essa catástrofe… Estou orando sem parar, e começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrível história”, diz o texto.

A mensagem foi publicada nas redes sociais pelo cineasta Josias Teófilo, diretor de “O jardim das aflições”, documentário sobre o ideólogo Olavo de Carvalho. Na sexta-feira, diante da repercussão do vídeo de Alvim, Teófilo foi uma das vozes da direita a pedir a saída do secretário do governo. No post, o cineasta disse que não endossa a mensagem de Alvim.

Leia o texto de Alvim na íntegra:

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Alvin está perdoado, mas que sirva de lição
    Até na contravenção (jogo do bicho) diz vale o que esta escrito.
    E diz também o velho deitado;
    Escreveu não leu o pau comeu.
    Tudo estava perfeito no dia, estava bem apresentável, cenário adequado, e a leitura foi feita e p mindo caiu.
    O que faltou!!! Checar, mostrar e pedir a opinião de alguém.
    Dizem que foi praga do cachaça

  2. Acredito em sua sinceridade e arrependimento. Todo mundo tem direito de errar e quem nunca errou na vida que atire a primeira pedra. Da minha parte está mais do que perdoado.

  3. Será que ele copiou essa frase de alguém???….. Acredito que todos que compõem esse governo tem esse pensamento…

  4. Pessoal, esse é apenas mais um com o perfil técnico prometido pelo presidente! Que fase… Ah, e antes que venham os minions, que se dane o PT, taokey?

    1. Acho que tem mais desequilibrados no governo do que no mundo!!!
      #SaiDeRetroSatanás

  5. SAATÂNICO É ELE O SENHOR ALVIM ADORADOR DE HITTLER E AINDA SE DIZ CRISTÃO. QUEM ADORA HITTLER NÃO É NEM JAMAIS SERÁ CRISTÃO.

    1. Pois é poeta concordo com você.
      E o que me diz de Lula quando disse admirar Hitler.
      Não sabes quem é Lula. Vou te apresentar.
      Conhecido como o cachaça evque disse que comanda um bocado de doidim

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *