Saúde

Butantan entrega mais 2 milhões de doses de CoronaVac ao Ministério da Saúde

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O governo de São Paulo entregou nesta quarta-feira (4) ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) mais 2 milhões de doses da vacina contra covid-19 CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Com a nova entrega, as liberações chegam à marca de 64,8 milhões de doses fornecidas ao Ministério da Saúde desde 17 de janeiro, quando o uso emergencial do imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo informações do governo estadual, em julho foram entregues mais de 10 milhões de doses do imunizante, produzidos a partir de 6 mil litros de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) recebidos no dia 26 de junho. Na noite do último domingo (1º), o instituto recebeu uma carga de 2 mil litros de matéria-prima para produzir e entregar mais 4 milhões de doses da CoronaVac.

As vacinas liberadas hoje fazem parte do segundo contrato firmado com o Ministério da Saúde, de 54 milhões de de doses do imunizante. O primeiro, de 46 milhões, foi concluído em 12 de maio.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

    1. Calígula vamos orientar esses esquerdopatas a procurar um jeito de viver, quando o marginal e a anta saíram do governo foi dado PT (perda total) à quadrilha deles. Pão com mortadela está dificil sem financiamento do estado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: estudo feito no Chile aponta eficácia de 89,68% da Coronavac para internações em UTI

(Foto: Reprodução/Facebook Instituto Butantan)

Um estudo conduzido pelo governo chileno mostrou que a Coronavac – aplicada amplamente no país – tem eficácia de 58,49% para casos sintomáticos de covid-19, de 86,02% na prevenção de hospitalizações, 89,68% na prevenção de admissão em leitos de UTI, e de 86,38% na prevenção de morte por covid-19.

“A vacina Coronavac continua apresentando importantes sinais de eficácia contra a SARS-CoV-2 para casos de internação, internação em UTI e óbito. No entanto, sua eficácia na prevenção da doença diminui de 67% para 58,49%. Portanto, a discussão sobre uma dose de reforço é oportuna”, defende Dr. Rafael Araos, um dos líderes da pesquisa.

Além da coronavac, são consideradas no relatório publicado nesta terça-feira (3) as vacinas Pfizer e Astrazeneca – as três são aplicadas no Brasil. Os dados são atualizados mensalmente, mas essa é a primeira vez que os imunizantes da Pfizer e da Astrazeneca são incluídos na análise.

De acordo com o estudo, “todas as vacinas contra SARS-CoV-2 usadas no Chile mantêm altos níveis de eficácia para evitar hospitalização, admissão na UTI e morte.”

O Chile já administrou mais de 24,8 milhões de doses, em pessoas com mais de 16 anos, de fevereiro a julho de 2021. Desse total, 13.163.094 receberam a primeira dose e 12.167.623 são pessoas que completaram a vacinação, o que representa 87% e 80% respectivamente da população-alvo a ser vacinada.

Eficácia da Pfizer e da Astrazeneca

Com relação à vacina da Pfizer, o estudo demonstrou uma eficácia de 87,69% na prevenção de covid-19 sintomático, de 97,15% na prevenção de hospitalizações, 98,29% na prevenção de admissão em leitos de UTI, e 100% eficaz para prevenir a morte.

“A vacina também mostra diminuição da proteção contra covid-19, mas permanece estável nas demais variáveis, com bons números referentes a evitar internação, internação em UTI e óbito”, avalia Dr. Araos.

Já a Astrazeneca, ainda segundo o estudo chileno, se mostrou 68,68% eficaz na prevenção de covid-19 sintomático,100% eficaz para prevenir hospitalização, 100% em admissão na UTI e 100% eficaz para prevenir a morte. Mesmo com os índices de 100%, o médico chileno responsável pela pesquisa ressalta que tempo de seguimento desse imunizante no país é menor, por isso esses resultados devem ser confirmados no futuro.

Globo, via Crescer

Opinião dos leitores

  1. Caligula, pra você e pro gado bolsonarista só funciona o seguinte: Covaxin no braço e Ozonio na cloaca!

  2. Calígula: Imperador Romano. Ficou conhecido pela sua natureza extravagante, cruel e depravada. Por exemplo, manter relações incestuosas com as suas irmãs e até mesmo obrigá-las a prostituir-se, ESTE É APOIADOR DO BOZO!!! 🤡🤡🤡🤡🤡

  3. Este estudo demonstra a necessidade de uma terceira dose, também mostra que as pessoas vacinadas pela coronavac podem vir a óbito, pois anteriormente se passou a informação que não haveria óbitos de pessoas vacinadas pela coronavac.
    A população precisa de um posicionamento do laboratório, algo tem que ser feito, não se pode deixar ao acaso.

  4. Fraca, fraquinha e fraquerma.
    Essa aguavac, vão ter que aplicar, terceira, quarta e quinta dose por diante.

    1. todo bolsonarista defende o que não presta: milicianos, corruptos, antivacinas, terra plana. Fujam dessas pessoas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan entrega lote de 1,2 milhão de vacinas da Coronavac ao Ministério da Saúde

FOTO: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

O Instituto Butantan entrega na manhã desta sexta-feira (30) uma remessa de 1,2 milhão de doses da CoronaVac, imunizante contra covid-19 produzido em parceria com laboratório chinês Sinovac, ao PNI (Plano Nacional de Imunização) do Ministério da Saúde.

Com a remessa, são 62.850 milhões de doses da vacina do Butantan entregues ao PNI. A meta é completar 100 milhões de doses até o dia 30 de agosto. O prazo inicial era que a entrega ocorresse até 30 de setemebro. O término previsto para imunização de primeira dose para a população adulta de São Paulo é dia 16 de agosto.

Na quarta-feira (28) foi entregue mais 1,5 milhão de doses da CoronaVac, completando 61,649 milhões enviadas ao PNI. Desde o dia 14 de julho até hoje, foram entregues um total de 8,5 milhões de doses da vacina. Essas entregas são referentes à produção do lote de 10 milhões de doses processadas a partir dos 6 mil litros de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) recebidos no dia 26 de junho.

As entregas ao Ministério da Saúde começaram em 17 de janeiro deste ano, quando o uso emergencial do imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A matéria-prima foi envasada no complexo fabril do Butantan, na zona oeste da cidade de São Paulo, e passou por etapas como embalagem, rotulagem e controle de qualidade das doses. Na madrugada do último dia 13 de julho, o instituto recebeu carga recorde de 12 mil litros de matéria-prima para produzir e entregar as 20 milhões de doses.

As vacinas liberadas nesta quarta-feira fazem parte do segundo contrato firmado com o Ministério da Saúde, de 54 milhões de vacinas. O primeiro, de 46 milhões, foi concluído em 12 de maio.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Ministério da Saúde avalia terceira dose para pessoas que tomaram a CoronaVac

Foto: YURI CORTEZ / AFP

O Ministério da Saúde encomendou pesquisa para analisar a efetividade de uma terceira dose de vacina contra a Covid-19 para quem tomou CoronaVac. Realizada em parceria com a Universidade de Oxford, o resultado deve começar ficar pronto em novembro. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira em conversa com jornalistas.

— (O estudo) é para avaliar reforço em indivíduos que tomaram primeira e segunda dose da CoronaVac. Por que isso? Porque (para) essa vacina nós não temos uma publicação na literatura detalhada acerca da sua efetividade. Todas as respostas precisam ser dadas a partir de ensaios clínicos — afirma o ministro Marcelo Queiroga.

Ainda não há estudos conclusivos sobre a duração da proteção da Coronac, da Sinovac Biotech com o Instituto Butantan. A empresa e o centro de pesquisa não participarão do estudo.

— Para a vacina da Pfizer, de Oxford/AstraZeneca e da Janssen, já existem publicações mostrando realmente proteção em até um ano. Em relação à CoronaVac, nós precisamos avaliar isso. Existem estudos que já mostram que a proteção começa a cair com seis meses — conta a pesquisadora da Universidade de Oxford e coordenadora do estudo, Sue Ann Costa Clemmens.

Além de avaliar o tempo de proteção conferido pela CoronaVac, a pesquisa também ajudará a analisar a intercambialidade de vacinas, isto é, a mistura de doses fabricadas por diferentes laboratórios.

— Estaremos vacinando pessoas que já tenham tomado duas doses da Coronavac, seis meses depois da segunda dose, em quatro grupos: um grupo tomará reforço com a vacina da Coronavac, um outro com a Janssen, da Pfizer e da AstraZeneca — completa a médica.

O estudo deve começar daqui a duas semanas. Ao todo, serão 1.200 voluntários em São Paulo, junto à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e em Salvador, com o Hospital São Rafael. Poderão participar pessoas que já receberam duas doses de Coronavac há pelo menos seis meses. Os participantes serão divididos em grupos por idade — de 18 a 59 anos e acima de 60 — e por dose de reforço.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Placebo caríssimo. Melhor tomar um chá de eucalipto com alho e limão ou uma dose de cana com limão e mel de abelha. Rsrsrs

    1. Né isso! A que presta mesmo é aquela vacina indiana que nem tinha sido aprovada pela Anvisa e o governo federal iria pagar bilhões de propina né?!

  2. Questões nebulosas no Ar ! o laboratório já deveria ter estas respostas ! quais os interesses envolvidos nestas questões?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Butantan entrega ao Ministério da Saúde mais 1,5 milhão de doses de CoronaVac

Foto: © Rovena Rosa/Agência Brasil

O Instituto Butantan entregou nesta quarta-feira (28) mais 1,5 milhão de doses de CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Os imunizantes serão disponibilizados para todo o país pelo Programa Nacional de Imunizações.

Até o momento, o Butantan já entregou 61,6 milhões de doses da vacina encomendada por dois contratos assinados com o Ministério da Saúde. A previsão é que até o final de agosto o instituto forneça as 100 milhões de doses contratadas.

A entrega de hoje faz parte das 8,5 milhões de doses que estão sendo processadas a partir dos 6 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) recebidos da China no último dia 26 de junho. A matéria-prima é suficiente para a produção de 10 milhões de doses.

No último dia 13 de julho foram recebidos mais 12 mil litros de IFa que vão permitir o envase de 20 milhões de doses de vacina.

Agência Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTOS: RN recebe lotes de Coronavac e Astrazeneca; carregamento é parte das 179 mil doses aguardadas para esta semana

Fotos: Paulo Nascimento

A vacinação contra a Covid-19 no Rio Grande do Norte ganha um importante reforço esta semana. Por volta do meio-dia desta terça-feira (27), a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) recebeu os primeiros carregamentos de vacinas que serão distribuídas aos municípios. São três lotes de doses da Coronavac/Butantan e da Astrazeneca, somando 75.500 vacinas.

Dessas, 58.700 doses são da Coronavac/Butantan, divididas igualmente entre primeira e segunda doses. Já as 16.800 vacinas restantes, recebidas via consórcio Covax Facility, são todas para completar a imunização de pessoas dos grupos prioritários.

A equipe da Sesap trabalhará ao longo do dia para organizar a distribuição das doses dentro do tempo hábil.

De acordo com a indicação do Ministério da Saúde, ao fim da tarde desta terça-feira ainda serão encaminhadas mais 69 mil doses de Astrazeneca/Fiocruz, direcionadas como 2ª dose de trabalhadores portuários, aeroportuários, pessoas com comorbidades e forças de segurança.

Na quarta-feira (28) pela manhã deve ser entregue mais um lote, dessa vez de vacinas da Pfizer, com 35.100 doses, fracionado em parte para dar continuidade ao trabalho de imunização por faixa de idade e outra parte voltada a completar o esquema vacinal dos potiguares.

 

Opinião dos leitores

  1. NADA! O governo de Fátima do PT nada fez pelo RN até agora, em qualquer setor. E ainda impediu os potiguares de estudar (fechando as escolas) e trabalhar.

  2. Essa pessoa que está aparecendo na foto é Fátima genocida??
    Não deu pra eu conhecer, como eu sei que ela e caroneira e agora surfista também depois da medalha do ítalo, estou sem saber se é ela.
    Ela adora ir ao aeroporto tirar fotos, afinal.
    A rigor.
    O governo Federal na pessoa de Bolsonaro compra as doses, os prefeitos vacina, e o Gov do Estado do RN faz o quê mesmo heim?,?,?

    1. NADA! O governo de Fátima do PT nada fez pelo RN até agora, em qualquer setor. E ainda impediu os potiguares de estudar (fechando as escolas) e trabalhar.

    1. Uma pena que, no RN, muitos vieram a óbito sem terem acesso a um leito de UTI. Mas o governo Bolsonaro enviou bilhões de reais para cá.

    2. Dava pra salvar muito se tivessem ouvido o Presidente e não tivessem entrado na onda de Luiz mandeta, calcinha apertada e o tal do consórcio nordeste.
      Só aqui morreram mais de 900 pessoas nas filas esperando por atendimento que não vinha.
      A desgovernadora Fátima do PT, comprou o que não existia e fechou hospitais e leitos de UTIs, em pleno pico da doença.
      Uma irresponsável GENOCIDA.
      É mentira ???
      Responda comedor de dinheiro público.
      A sua boquinha tá bem pertinho de acabar.
      Já é o ano que entra viu??
      Tá lascado.
      Vc e Renan pilantra.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Natal amplia oferta de pontos de imunização para segunda dose da Coronavac

Comunicado segunda dose – Coronavac

Devido à alta procura da população pela segunda dose do imunizante Coronavac, a SMS Natal ampliou a oferta de pontos de imunização. Além do Palácio dos Esportes e Nélio Dias, o público que completou os 28 dias da primeira dose, também pode se dirigir ao drive do Sesi e ao do Via Direta para tomar a D2.

 

Opinião dos leitores

  1. Coronavac não imuniza p…. nenhuma, é a mesma coisa de tomar água, teve gente que morreu tendo tomado as duas dose dela.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan libera mais 1,5 milhão de doses de CoronaVac para Ministério da Saúde

Foto: Rodney Costa/Zimel Press / Agência O Globo

O Instituto Butantan anunciou nesta segunda-feira a entrega de mais 1,5 milhão de doses da CoronaVac para o Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou em coletiva de imprensa que o Instituto pretende concluir o contrato de 100 milhões de doses no dia 30 de agosto, um mês antes do previsto.

O Estado de São Paulo também anunciou que pretende começar a vacinar as faixas etárias de 12 a 17 anos e 11 meses a partir do dia 23 de agosto. Segundo o secretário, a expectativa é que três dias antes o governo de São Paulo conclua a vacinação (da primeira dose) de todo o público adulto acima dos 18 anos. Atualmente, já foram vacinados 34,5 milhões de pessoas, o que corresponde a 56% de toda a população.

Sobre a paralisação da vacinação para o público de 28 anos na cidade de São Paulo, a coordenadora do programa estadual de imunização do Estado de São Paulo, Rejane de Paula, afirmou que o calendário do estado prevê a vacinação dessa faixa etária até o dia 4 de agosto.

— Toda vez que qualquer município faz uma antecipação de doses tem um certo risco. O calendário estadual só prevê a vacinação de 25 a 29 anos a partir do dia 5 de agosto, até porque nós aguardamos vacinas do Ministério da Saúde — afirmou ela, lembrando que também são aguardadas vacinas da Pfizer.

Variante Delta

Gorinchteyn disse que o Estado de São Paulo não registrou novas identificações da variante Delta, se mantendo nos dez casos previamente identificados.

Segundo ele, há uma atenção redobrada na região do Vale do Paraíba, onde foram identificados casos em Pindamonhangaba e Guaratinguetá.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. ja pensou se não tivesse essa vacina? mas ai burrice tem limite, o capitão bunda mole e broxa queria mais mortes

  2. Ô véi porreta o Bolsonaro.
    É vacina chegando que a desgovernadora não da conta de entregar.
    E aí ainda tem um monte de galinhas atrás de sentar nos ovos das outras.
    O mito show!!!!
    O resto é tão somente o resto.

  3. Segue o show!!!
    Renan ta lascado.
    Safado.
    Deixe o homem trabalhar.
    A pêia é até 2026.
    Voto auditado já!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Bolsonaro diz que pediu investigação sobre preço da CoronaVac

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nessa quinta-feira (22) que enviou um pedido à CGU (Controladoria Geral da União) para investigar o oferecimento da vacina CoronaVac pelo Instituto Butantan.

“Chegou a documentação pra nós que empresa que fabrica a CoronaVac , a matriz que fornece o IFA, lá na China, oferecendo para nós agora essa vacina a US$ 5. […] O [ministro da Saúde, Marcelo] Queiroga conversou comigo encaminhamos esse oferecimento de vacina para a CGU (Controladoria Geral da União). Ontem encaminhamos ao Ministério da Justiça e hoje encaminharemos ao Tribunal de Contas pra que seja investigado o porquê da metade do preço agora, o que aconteceu com Butantan”.

De acordo com o presidente, o Instituto Butantan também foi oficiado para explicar porque a matriz está oferecendo a vacina a US$ 5 enquanto o Butantan revende a US$ 10.

“Pode ser que não haja nada de errado nisso tudo, mas o Butantan nunca nos apresentou as planilhas de preço e o custo final de cada vacina”, declarou. “Então temos agora sim uma questão pra ser investigada. Pode não ser nada? Pode. Mas pelo que tudo indica no momento, é o algo assustador o que vem acontecendo lá no no Butantan”.

“Eu acredito que em poucos dias a CGU, a Justiça e o TCU possam nos dar a resposta sobre esse contrato. Obviamente, que interessa pra nós, ao continuar usando a corovac no Brasil, comprar diretamente da China por metade do preço, do que pagar o dobro no Butantan. Deixo bem claro, não tô acusando de corrupção, de desvio, de nada, apenas uma documentação aqui que nos traz aqui uma enorme preocupação do que aconteceu”, disse.

RESPOSTA DO BUTANTAN

Em nota, o Instituto disse que o valor ofertado pelas vacinas “inclui todas as despesas ordinárias diretas e indiretas, incluindo o preço pago à SinoVac, os custos de importação (taxa de administração, frete, seguro do produto, tributos e impostos), os custos de produção (envase, recravação, rotulagem e embalagem), custos dos testes de qualidade, administrativos e regulatórios, armazenagem e transporte”.

Leia a íntegra:

“*NOTA SOBRE DECLARAÇÃO DO BOLSONARO*

É de conhecimento do Butantan que no início do mês de julho o consórcio COVAX Facility ofertou vacinas ao Ministério da Saúde. A quantidade, de apenas 500 mil doses, faz parte de um lote de 20 milhões de vacinas, a preço de custo, destinado a mais de 100 países em altíssima vulnerabilidade.

A negociação entre o Butantan e o Ministério da Saúde passou por todas as etapas legais, incluindo a apresentação da planilha de custos da vacina para as equipes técnicas do Governo Federal, em reunião no mês de outubro de 2020. O valor final das vacinas ofertadas pelo Butantan inclui todas as despesas ordinárias diretas e indiretas, incluindo o preço pago à SinoVac, os custos de importação (taxa de administração, frete, seguro do produto, tributos e impostos), os custos de produção (envase, recravação, rotulagem e embalagem), custos dos testes de qualidade, administrativos e regulatórios, armazenagem e transporte. O Butantan, portanto, se responsabiliza por todas as etapas que se referem à vacina, e entrega o produto pronto no armazém do Ministério da Saúde.

O Instituto Butantan mantém vários canais abertos com a sociedade civil, órgãos públicos e de controle, respondendo a todos os questionamentos desde o início do processo, com o intuito de colaborar com o aumento da transparência tão necessária neste momento do país.”

Poder 360

 

Opinião dos leitores

  1. Agora? Que demora? Recebeu denúncia de pedido de 1 dolar, e não encaminhou, contrato da Covaxin, assinado e recurso empenhado antes de qualquer sombra de autorização da Anvisa td em tempo recorde e por fim, compra de Coronavac com imtermediador que não era o Butantan. Depois do rei ter ficado nú, a conversinha é essa. CEY!SERTU!

  2. Bota pra torar Véio Bolsonaro do cunhão rôxo. Só não bote de uma vez, se não o calcinha apertada vai gostar kkkkk

  3. E as provas do tse? nada? Era só blefe ou curtindo as alucinações e devaneios? Fizer um exame de sanidade mental junto com pixuleco e seus codinomes, será diagnosticado um grau elevadíssimo de transtorno mental. Não consigo ver quem é menos vagabundos e ladrões.

  4. KKKK. E a culpa de comprar com sobrepreço no governo é de quem? De quem compra CLARO! Para fazer qualquer compra ou contratação pública, o gestor tem que saber a média de preços praticados no mercado ora! Mais uma cortina de fumaça desse governo inepto cheio de CORRUPTOS do MINTO das rachadinhas…

    1. Homem deixa de ser ridículo e vai ver o que tua esposa está fazendo, se é que vc tem uma, tu deve estar brocha e só se preocupa com política barata, escrevendo besteira, isso é muito feio para um homem, que danado quer saber das tuas opiniões idiotas e fora de contexto, o povo quer o melhor para o país, ninguém aguentava mais tanto roubo e miséria, e a volta daquele lixo é um sonho inatingível.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTOS: Lotes de Astrazeneca/Fiocruz e Coronavac chegam ao RN; 1º carregamento soma 48.700 vacinas; mais 74.750 chegam ao fim da tarde desta terça

Fotos: Paulo Nascimento

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) recebeu ao meio-dia desta terça-feira (20) a primeira parte do lote de mais de 140 mil vacinas contra a Covid-19 aguardadas para esta semana. Foram descarregadas no Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante 30.400 doses da Coronavac/Butantan e 18.300 de Astrazeneca/Fiocruz.

O lote de Astrazeneca é todo voltado para a primeira dose, ampliando o início da imunização entre os potiguares. Já a Coronavac será dividida igualmente entre D1 e D2, garantindo o esquema vacinal.

O reforço para a campanha de imunização no Rio Grande do Norte deverá ser ampliado ainda ao fim da tarde desta terça, quando, segundo a sinalização do Ministério da Saúde, serão entregues mais 74.750 unidades da Astrazeneca/Fiocruz, com parte para D1 e parte para D2.

A chegada do restante das vacinas anunciadas para está semana está marcada para o fim da manhã de quarta-feira (21), quando devem ser entregues 19.890 doses da Pfizer.

A equipe da Sesap seguirá trabalhando ao longo dos próximos dias para agilizar o esquema de distribuição das vacinas aos municípios, garantindo a continuidade da campanha de imunização.

 

Opinião dos leitores

  1. Eita danado!
    Como fica a narrativas da petezada.
    E a CPI do circo??
    Bora Renan pilantra.
    Levanta a bunda daí e vai ajudar ao pais seu vagabundo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: Butantan entrega mais 1 milhão de doses de vacina coronovac ao Ministério da Saúde

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O governo de São Paulo entregou nesta sexta-feira (16) ao Ministério da Saúde mais um lote de 1 milhão de doses da vacina CoronaVac contra a covid-19, produzida no Instituto Butantan. Com a remessa, as liberações somam 55,149 milhões de doses fornecidas ao Programa Nacional de Imunização (PNI) desde 17 de janeiro, quando o uso emergencial do imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A nova remessa é parte de um lote de 10 milhões de doses que serão processadas com os 6 mil litros de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) recebidos do laboratório chinês Sinovac no último dia 26 de junho. A matéria-prima foi envasada no complexo fabril do Butantan, em São Paulo, e passou por etapas como embalagem, rotulagem e controle de qualidade das doses.

Números

Na última quarta-feira (14), o Butantan liberou 800 mil doses e ontem (15), mais 200 mil, totalizando 2 milhões de doses entregues ao PNI nesta semana.

As vacinas entregues hoje fazem parte do segundo contrato firmado com o Ministério da Saúde, de 54 milhões de vacinas. O primeiro, de 46 milhões, foi concluído em 12 de maio. Até o final de agosto devem ser disponibilizadas dez milhões de vacinas.

Na madrugada de terça-feira (13), o instituto recebeu carga recorde de 12 mil litros de matéria-prima para produzir e entregar outras 20 milhões de doses. Uma nova remessa de IFA, com mais 12 mil litros, deve chegar até o final deste mês.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pazuello se reuniu com intermediadores que ofertaram CoronaVac pelo triplo do preço, mas negócio não foi efetuado

Foto: Reprodução

O então ministro Eduardo Pazuello (Saúde) prometeu a um grupo de intermediadores comprar 30 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac que foram formalmente oferecidas ao governo por quase o triplo do preço negociado pelo Instituto Butantan.

A negociação, em uma reunião fora da agenda oficial dentro do ministério em 11 de março, teve o seu desfecho registrado em um vídeo em que o general da ativa do Exército aparece ao lado de quatro pessoas que representariam a World Brands, uma empresa de Santa Catarina que lida com comércio exterior.

A gravação, obtida pela Folha e já de posse da CPI Covid no Senado, foi realizada no gabinete do então secretário-executivo da pasta, o coronel da reserva Elcio Franco. Nela, Pazuello relata o que seria o resumo do encontro.

“Já saímos daqui hoje com o memorando de entendimento já assinado e com o compromisso do ministério de celebrar, no mais curto prazo, o contrato para podermos receber essas 30 milhões de doses no mais curto prazo possível para atender a nossa população”, diz o então ministro, segundo quem a compra seria feita diretamente com o governo chinês.

A proposta da World Brands, também obtida pela Folha, oferece os 30 milhões de doses da vacina do laboratório chinês Sinovac pelo preço unitário de US$ 28 a dose, com depósito de metade do valor total da compra (R$ 4,65 bilhões, considerando a cotação do dólar à época) até dois dias após a assinatura do contrato.

Naquele dia, 11 de março, o governo brasileiro já havia anunciado, dois meses antes, a aquisição de 100 milhões de doses da Coronavac do Instituto Butatan, pelo preço de US$ 10 a dose. A demissão de Pazuello seria tornada pública por Bolsonaro quatro dias depois, em 15 de março.

Além da discrepância no preço, o encontro fora da agenda contradiz o que Pazuello afirmou em depoimento à CPI da Covid, em 19 de maio. Aos senadores o general disse que não liderou as negociações com a Pfizer sob o argumento de que um ministro jamais deve receber ou negociar com uma empresa.

“Pela simples razão de que eu sou o dirigente máximo, eu sou o ‘decisor’, eu não posso negociar com a empresa. Quem negocia com a empresa é o nível administrativo, não o ministro. Se o ministro… Jamais deve receber uma empresa, o senhor deveria saber disso”, disse Pazuello à CPI.

No vídeo(AQUI), um empresário que Pazuello identifica como “John” agradece a oportunidade do ministro recebê-lo e diz que podem ser feitas outras parcerias “com tanta porta aberta que o ministro nos propôs”.

A reunião dos empresários foi marcada com o gabinete de Elcio Franco, que recebeu o grupo. Segundo ex-assessores da pasta, Pazuello foi chamado à sala, ouviu o relato da reunião e fez o vídeo.

Três pessoas que acompanharam a reunião disseram que o vídeo foi gravado mesmo antes de Pazuello conhecer o preço da vacina.

Segundo um ex-auxiliar do ministro, a ideia era propagandear nas redes sociais o avanço em uma negociação, no momento em que o governo era pressionado a ampliar o portfólio de vacinas.

Após a gravação, de acordo com os relatos colhidos pela Folha, parte da equipe do ministro pediu que os empresários não compartilhassem o vídeo, que foi feito por meio do aparelho celular do empresário identificado como “John”.

Um dos assessores de Pazuello teria alertado o general após a reunião de que a proposta era incomum, acima do preço, e a empresa poderia não ser representante oficial da fabricante da vacina.

Caso o negócio fosse adiante, as doses seriam as mais caras contratadas pelo ministério, posto hoje ocupado pela indiana Covaxin (US$ 15), que tem o contrato suspenso por suspeitas de irregularidades.

A proposta da empresa tem data do dia 10 de março, véspera da reunião com Pazuello. Segundo dois auxiliares do ex-ministro e um dos empresários que acompanharam a conversa, a oferta só chegou à pasta no dia do encontro.

Apesar de Pazuello ter dito no vídeo que havia assinado um memorando de entendimento para a compra, a negociação não prosperou.

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Se Pazuelo estava negociando uma segunda frente de abastecimento de vacinas estáva mais do que certo; estava certíssimo… VEjam: com a pandemia se alastrando ferozmente, Calça apertada sonegando informações sobre coronavac e até chantageando governo; com a fiocruz atrasando importações e envasamento ( a turma lá é toda da canhota e começaram a inventar que a máquina que lacrava os frascos deu pane e demoraria consertar…) vcs acham que o governo iria ficar só assistindo?? Parabéns Pazuelo!!!

  2. Ué, mas não foi ele que disse que não negociava vacinas ?? rsrsrs
    Cada dia fica mais complicado defender esse governo!

  3. Mais um caso de pré-corrupção onde o negócio ainda não foi fechado, a compra ainda não foi paga e a propina ainda não foi recebida…Recorrem ao filme Minority Report, é o q os bandidos têm contra o governo???? kkkkkkkkkkkkkk

  4. Ué!!!!!
    Ja mudaram o laboratório??
    Kkķkkkkkkkk
    Palhaçada.
    Jaja vem a desmoralização desses babacas.
    Estão procurando pentelho em casca de ovo, não vão achar nunca.
    Vão investigar o consórcio nordeste que acham bem facinho.
    Tá bem razinho, é so querer, mais não ficam aí ciscando que nem galinha choca.
    Rsrsrs…

  5. Depois foi a cpi mentir. Disse que ministro não se reunia para compra de vacinas. Não cabia a ele. Como essa turma desse governo consegue mentir tão descaradamente. Num dia caguei, no outro tô entupido. Num dia entubado, no outro dando entrevista pra TV.

  6. Corrupção imaginâria, das vacinas que não foram compradas e pelas quais não foi pago um centavo sequer. E perde-se tempo e dinheiro com essa narrativa mentirosa, tentando criar algo que não existiu. Querem corrupção de verdade? Aguardem a CPI estadual, que investigará contratos efetivados (coisa REAL) pela governadora Fátima do PT, onde foi gasto muito dinheiro de verdade.

    1. CORONAVAC FOI COMPRADA E PAGA, A MATÉRIA RELATA REUNIÃO COM INTERMEDIÁRIOS DA CORONAVAC. Presidente LADRAO DE VACINAS !

    1. Dos escândalos com dinheiro escondido na cueca passamos aos escândalos de dinheiro escondido na farda. Que vergonha! Que desmoralização das forças armadas. Acabou a possibilidade de sermos ingênuos e acreditarmos na lisura e na honestidade dos militares. Colocados no poder se locupletam das verbas públicas tanto ou mais que os civis!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil recebe insumos para produção de 20 milhões de doses da vacina Coronavac

Foto: Hélia Scheppa/SEI

Desembarcou na manhã desta terça-feira (13), no aeroporto de Guarulhos (SP), o voo com uma remessa de 12 mil litros do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) a serem utilizados na produção de 20 milhões de doses da vacina Coronavac contra a Covid-19, pelo Instituto Butantan. De acordo com o governo do estado, esta é a maior remessa de insumos já recebida pelo Butantan até agora.

O recebimento do insumo faz parte de um acordo firmado com a biofarmacêutica chinesa Sinovac. O voo partiu de Pequim no último domingo (11), fez escala em Zurique, na Suíça, antes de pousar em São Paulo nesta manhã.

A parceira internacional do Instituto Butantan no desenvolvimento do imunizante Coronavac se comprometeu a ampliar o fornecimento de matéria-prima e também assegurar o envio de doses prontas para uso.

“A partir da chegada do IFA e entrega ao Butantan, a produção das vacinas em São Paulo envolve processos de envase, rotulagem, embalagem e um rigoroso controle de qualidade antes do fornecimento das vacinas ao Ministério da Saúde. As vacinas produzidas no Butantan são entregues ao Brasil em prazo de 15 a 20 dias a partir do início da produção”, afirmou o governo de São Paulo.

“Com essas 20 milhões de doses, nós vamos a um total de 83 milhões de doses da vacina do Butantan sendo entregues para o Ministério da Saúde”, disse o governador João Doria, em entrevista coletiva no aeroporto de Guarulhos. A previsão é de que o estado entregue 100 milhões de doses ao Plano Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, até agosto, um mês antes do previsto.

A partir de dezembro, o Butantan passará a produzir a matéria-prima da vacina contra a Covid-19 em uma nova fábrica em São Paulo. A construção da unidade deve ser concluída em setembro, com capacidade para fabricação local de 100 milhões de doses por ano, segundo informações do governo de São Paulo.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Irrrrrrhuuuuuuuuuuu!!!!!!!!.
    Tchau narrativas esqueedistas.
    A rede globo lixo ja pode ir inventando outra.
    Essa ja era.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

CoronaVac tem 86% de efetividade contra mortes, aponta estudo

FOTO: IVAN ALVARADO/REUTERS

A polêmica que se criou em torno da efetividade da CoronaVac após surtos de covid-19 no Chile, mesmo com a vacinação avançada, pode estar perto de acabar. Estudo publicado na quarta-feira (7), no New England Journal of Medicine, mostra que o imunizante teve 86% de eficácia na prevenção de mortes causadas pela doença no país andino.

A pesquisa foi realizada com o acompanhamento dos resultados de 10,2 milhões de pessoas vacinadas com as duas doses da Coronavac entre 2 de fevereiro e 1.º de maio. É o primeiro estudo de efetividade da vacina publicado em uma revista científica. Até então, essa era uma das críticas que o imunizante da chinesa Sinovac recebia.

Entre as pessoas que foram totalmente imunizadas, a eficácia da vacina foi de 65,9% para a prevenção de covid-19, de 87,5% para a prevenção de hospitalização, de 90,3% para a prevenção de internações em UTI, e de 86,3% para a prevenção de morte relacionada à doença.

Cerca de 55% da população chilena já está protegida pelas duas doses, o melhor desempenho na América Latina. Lá, estão sendo aplicadas as vacinas Pfizer, CoronaVac, CanSino e AstraZeneca. A CoronaVac foi a mais usada com 17,2 milhões de doses, seguida pela Pfizer com 4,3 milhões, AstraZeneca, 355 mil e CanSino, 296 mil.

“É o primeiro artigo sólido, publicado na revista mais conceituada do mundo. Os resultados falam por si. A Coronavac tem um excelente desempenho naquilo que mais importa que é salvar vidas”, diz Alexandre Naime, médico infectologista e professor da Unesp.

“É um resultado sólido que contraria as fakenews dos ‘antivaciners’ mostrando que toda vacina conta e impulsiona a necessidade de reforçar a vacinação”, acrescenta o especialista.

No Brasil, a Coronavac é produzida no Instituto Butantan. Apesar de ter sido primeira vacina a ser utilizada na campanha de imunização e a mais usada até abril, ela é constantemente alvo de críticas. “É provavelmente a vacina que mais salvou vidas, milhares, no Brasil. Ela vai ficar para sempre na história”, afirma Naime.

R7, com Estadão

Opinião dos leitores

  1. Pelo que estamos vendo são pessoas que ja foram vacinadas, que ja pegaram o virus e ficou bom e sendo infectado novamente de forma grave precisando ser entubada e ir ara UTI. agora, se outros virus fabricado pelos laboratórios para roubar mais dinheiro dos miseraveis paises, como o Brasil e Haiti, Congo, guatemala e por ai vai….. ai é outros motivos essa OMS E ESSA CHINA TEM QUE SE RESPONSABILIZAR PELO QUE ACONTECEU COM O MUNDO UMA VERDADEIRA SELECAO .

  2. Mas eu me pergunto… não se dizia lá no início da pandemia que 80% das pessoas, mesmo sem ser vacinadas e que pegaram Covid, apresentam sintomas leves e nem chegam a ser internadas?! Sinceramente, me parece que houve uma falha grande de metodologia nesse trabalho. Ainda não estou convencido da efetividade dessa Coronavac. Vacina sim, mas Vacina efetiva!

    1. Pesquisadores do mundo irão se reunir para convencer a esse abestalhado da efetividade da coronavac. Vai procurar pelo em pulga e deixa de conversar besteira. Vacina sim, não importa qual, o importante é estar vacinado, neurônios destrambelhado.

    2. Esse Bolsovirus eh um filhote da filosofia gramsciana que fica emburrecendo a discussão, sabe ao menos nem argumentar. Vai estudar lularapio esquerdista de cerebro vazio! Vai trabalhar seu sem futuro!

  3. Os “inventores” de vacinas já já chegam por aqui para vomitar pelos dedos e ofender a vacina CoronaVac…
    Idiotas, escrevem pouco e ruim, imagine “elaborar” vacinas.
    Vacina boa, é a que tem no posto.

  4. Lá em janeiro quando essa vacina foi aprovada pela ANVISA a propaganda era que ela era 100% eficiente contra mortes de covid19, em seis meses perdeu 14% da eficiência…

    1. Não existe vacina 100% eficaz contra nenhuma doença… No caso da Covid que surgem cepas novas devido a grande circulação do vírus no mundo, a tendência eh as vacinas perderem a eficácia, inclusive outras como a de Oxford, Pfizer ,etc.

    2. Daqueles que morrem atualmente, há dados consolidados relativos aos vacinados, inclusive qual teria sido a vacina?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

SP compra 4 milhões de doses de CoronaVac para paulistas, relaxa quarentena e anuncia 30 eventos-teste

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira a compra de 4 milhões de doses da vacina CoronaVac para acelerar a campanha de imunização contra a Covid-19 no estado. A primeira entrega deve ocorrer ainda nesta quarta, com 2,7 milhões de ampolas vindas da China. O restante, 1,3 milhão, é esperado para até 26 de julho.

Com essa quantidade extra de imunizantes, negociada diretamente pelo governo paulista junto ao laboratório Sinovac, um novo calendário deve ser apresentado nos próximos dias. O uso dessas vacinas será dedicado exclusivamente ao estado de São Paulo, sem entrar no estoque do Programa Nacional de Imunização (PNI).

Na mesma coletiva de imprensa, realizada no Palácio dos Bandeirantes, o governador anunciou relaxamento na quarentena a partir desta sexta-feira, 9 de julho, feriado no estado. O horário de funcionamento de atividades econômicas será ampliado até as 23h — anteriormente, o fechamento de estabelecimentos era marcado para as 21h. Assim, o toque de recolher valerá entre as 23h e as 5h.

O governo também permitiu o avanço da ocupação dos estabelecimentos, de 40% para 60%. Essas novas regras valem até 31 de julho.

Em relação à semana anterior, São Paulo apresenta queda de casos (-20,6%), mortes (-10,6%) e internações (-11,4%) por Covid-19, simultaneamente. Trata-se da segunda semana consecutiva em que o estado mira para esse cenário de redução no trio de indicadores.

— A queda não ocorreu no estado de São Paulo de maneira uniforme. Ela começou um pouco antes na Grande São Paulo e na Baixada Santista — explicou o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19, João Gabbardo. De acordo com o especialista, a redução no interior do estado demorou mais para acontecer, em comparação com essas duas regiões.

O ritmo da doença em velocidade variada no estado ainda causa, portanto, impacto em regiões do interior, que apresentam atualmente ocupação de leitos de terapia intensiva (UTI) superior a 80% — Gabbardo não especificou quais são essas localidades. Por outro lado, a Grande São Paulo tem 64,56% de ocupação de leitos de UTI.

Outra flexibilização anunciada é a da retomada das aulas presenciais nos ensinos técnico e superior. A partir de 2 de agosto, faculdades públicas e privadas poderão voltar a oferecer classes presenciais com até 60% de lotação.

Contrato

Nesta quarta, o governador João Doria (PSDB) também reiterou o compromisso de que o Instituto Butantan antecipará em 30 dias a conclusão da entrega dos 100 milhões de doses da vacina CoronaVac comprados pelo Ministério da Saúde.

— O instituto Butantan entregará 47 milhões de doses complementares (de CoronaVac) até 31 de agosto — afirmou Doria.

Pelo contrato, o instituto poderia entregar esses lotes até 31 de setembro ao PNI. A ideia de finalizar o contrato um mês antes já havia sido anunciada por Doria nos últimos meses, mas a escassez de matéria-prima para a produção da vacina colocava essa proposta em risco.

Uma nova entrega do ingrediente da CoronaVac marcada para 14 de julho, com 12 mil litros, suficientes para 20 milhões de doses, permitirá manter essa perspectiva, segundo o governador. Ainda segundo Doria, a compra de doses extras exclusivas para São Paulo em nada afeta esse cronograma.

Eventos

Outra novidade anunciada pela gestão Doria é a realização de eventos-teste a partir do próximo dia 17. As atividades serão das áreas de cultura, negócios, lazer, esportes e turismo.

O acesso a esses eventos será restrito a pessoas já vacinadas. Eles serão promovidos com “rígidos controles sanitários”. A ideia é que essas experiências sirvam de modelo para uma retomada segura de eventos no estado.

Até agora, está prevista a realização de feiras de economia criativa, shows — no Allianz Parque —, da feira SP Arte, da Campus Party, do Grande Prêmio de Automobilismo de São Paulo, uma prova de corrida de 10 quilômetros, além de eventos sociais, como casamentos e jantares. Os últimos ainda neste mês de julho.

As exigências para o público participante serão: ter concluído o esquema vacinal e testar negativo para Covid-19. Haverá monitoramento entre os participantes e ocupação reduzida dos ambientes que receberão essas atividades.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Pelo menos Dória comprou alguma coisa e a nosGovernadora Fátima, já comprou a Sputnik V?
    Só quero ver a presepada, quem vai quere tomar isso. Meu corpo minha regra.

    1. O que a galera da hipocrisia falso moralismo não fazem, defendem Dória, para acusar Fatão, povo sem coerência.

    2. Comprou, comprou Respiradores e não recebeu, comprou sucatas de respiradores, comprou sacos de lixos e outras coisitas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan deve receber no sábado mais 6 mil litros de IFA suficientes para produzir cerca de 10 milhões de doses da CoronaVac

Foto: © Arquivo/REUTERS/Amanda Perobelli/direitos reservados

No próximo sábado (26), o Instituto Butantan deve receber mais 6 mil litros de insumo farmacêutico ativo (IFA), suficientes para produzir cerca de 10 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra a covid-19.

Segundo o governador de São Paulo, João Doria, os insumos, provenientes da China, devem chegar no Aeroporto de Viracopos, em Campinas. “A autorização já foi emitida pelo governo da China. O embarque já está preparado. Estamos aguardando apenas autorização para que o voo fretado, que está em Bruxelas, na Bélgica, possa seguir até Pequim para o embarque de 6 mil litros de IFA e chegada no Aeroporto de Viracopos no próximo sábado”, disse Doria.

A última remessa de insumos para a CoronaVac chegou no dia 25 de maio, com 3 mil litros.

A produção das vacinas pelo Instituto Butantan, que prevê processos de envase, rotulagem, embalagem e controle de qualidade, leva cerca de 20 dias.

A expectativa do Instituto Butantan é de entregar 100 milhões de doses da vacina ao Ministério da Saúde até agosto, cumprindo o estabelecido em contrato assinado com o governo federal.

De acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, a expectativa é de que cheguem mais 12 mil litros de insumo em julho e 12 mil litros em agosto, suficientes para uma produção total de 40 milhões de doses da vacina.

Até o momento, 52 milhões de doses da CoronaVac já foram entregues ao Ministério da Saúde para o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *