Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Foto: © REUTERS/Thomas Peter/Direitos Reservados

Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com biofarmacêutica Sinovac Life Science. De acordo com informações do governo de São Paulo e do Instituto Butantan, os resultados sairão na primeira semana de dezembro e a previsão é a de que, até janeiro de 2021, 46 milhões de doses estejam disponíveis no Brasil.

Os resultados serão enviados pelo Comitê Internacional independente na primeira semana de dezembro para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analise o relatório para verificação da vacina. Os testes no Brasil estão sendo coordenados desde julho pelo Butantan em 16 centros de pesquisa científica espalhados em sete estados brasileiros e no Distrito Federal, com 13 mil voluntários envolvidos. Na última semana, o primeiro lote com 120 mil doses chegou a São Paulo.

Na última terça-feira (17), os resultados da fase anterior de estudos clínicos da CoronaVac foram publicados pela revista científica Lancet, uma das mais importantes do mundo. A publicação mostrou que a vacina é segura e tem capacidade de produzir resposta imune no organismo 28 dias após sua aplicação em 97% dos casos.

Outras vacinas

Nesta segunda-feira (23) a farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou a vacina que o laboratório está desenvolvendo contra o novo coronavírus pode ter 90% de eficácia, sem nenhum efeito colateral grave. Desenvolvida pela Universidade de Oxford, atingiu esse percentual na prevenção da doença quando administrada em meia dose e, pelo menos um mês depois, uma dose integral, de acordo com dados do estudo clínico em estágio avançado realizado no Reino Unido e no Brasil. A farmacêutica terá 200 milhões de doses da vacina até o final deste ano, com 700 milhões de doses prontas globalmente até o fim do primeiro trimestre de 2021.

A americana Pfizer informou na última quarta-feira (18) que os resultados finais do teste de estágio avançado de sua vacina mostram que o imunizante é 95% eficaz, tem todos os dados de segurança exigidos referentes a dois meses e que solicitaria autorização para uso emergencial nos Estados Unidos em alguns dias. Segundo a Pfizer, a eficácia da vacina desenvolvida em parceria com alemã BioNTech foi consistente em dados demográficos de idade e etnia, e que não houve efeitos colaterais importantes.

A concorrente Moderna divulgou na segunda-feira (16) dados preliminares para sua vacina, mostrando eficácia semelhante.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Emerson Fonseca disse:

    Está vacina é para Seres humanos, para aftosa já existe vacina, o Gado Minion não precisa se preocupar. Muuuuuuu…👉🏽👉🏽🐃🐂🐃🐄🐃

  2. Biró disse:

    Pronto!!
    Chama na bunda da petezada.
    Kkkkkkk

Lote com as primeiras 120 mil doses da vacina CoronaVac chega a São Paulo trazido da China

Governador João Doria acompanha chegada dos lotes — Foto: Reprodução/TV Globo

O governo do estado de São Paulo recebeu na manhã desta quinta-feira (19) as 120 mil primeiras doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19. O material foi importado da China e desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan.

O governador João Doria (PSDB), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchtey, acompanharam a chegada do lote, que foi trazido em um voo da China que desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo.

A CoronaVac é uma das quatro candidatas a vacina contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) que estão sendo testadas no Brasil. O governo de São Paulo firmou acordo para a compra de 46 milhões de doses e para a transferência de tecnologia para o Instituto Butantan.

Para ser aplicada na população, a vacina ainda precisa ser autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Isso só pode ocorrer após a conclusão da realização de testes.

Atualmente, a CoronaVac está na terceira e última fase de testes, quando é avaliada em humanos. O estudo mais recente sobre a vacina aponta que ela mostrou segurança e resposta imune satisfatória durante as fases 1 e 2 de testes. Não há ainda, no entanto, estudos conclusivos sobre a fase 3 dos testes.

Até 6 milhões de doses até o fim do ano

As 120 mil doses fazem parte de um lote de 6 milhões previsto para chegar até o final de dezembro. Elas serão armazenadas em um local que não foi divulgado pelo governo paulista por questões de segurança.

Além das vacinas, que já virão prontas, o Instituto Butantan deve receber ainda este ano parte da matéria-prima para fabricar outras 40 milhões de doses, também de acordo com o governo do estado.

Na madrugada desta quinta (19), o diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, comemorou a chegada da vacina da Sinovac em solo nacional e disse que os testes clínicos da Coronavac estão avançados. A expectativa dele é enviar os resultados da última fase dos estudos sobre a vacina para aprovação pela Anvisa ainda em 2020.

“Ficamos, portanto, só no aguardo do registro da Anvisa. É a primeira vacina que aporta em solo nacional. Isso é importante: o Brasil já tem a sua vacina, que vai estar aguardando os trâmites junto à Anvisa e junto ao Ministério da Saúde para poder iniciar o programa de vacinação. E esperamos que comece aí em meados de janeiro no máximo até fevereiro e aguardamos as definições do Ministério da Saúde”, disse Dimas Covas ao Jornal da Globo.

Na manhã desta quinta, o governador João Doria disse que a CoronaVac “é uma das vacinas que vai ajudar a salvar a vida de milhões de brasileiros”.

“Até o final de dezembro serão 6 milhões [de doses], até janeiro, 46 milhões. E, muito em breve, podemos chegar a 100 milhões de doses. Nós temos, sim, outras vacinas também. A vacina salva, a vacina pode colocar a normalidade na vida do pais”, disse Doria após receber o lote.

Eficácia da Coronavac

Um estudo feito com 743 pacientes apontou que a CoronaVac mostrou segurança e resposta imune satisfatória durante as fases 1 e 2 de testes.

A fase 2 dos testes de uma vacina verifica a segurança e a capacidade de gerar uma resposta do sistema de defesa. Normalmente, ela é feita com centenas de voluntários. Já a fase 1 é feita em dezenas de pessoas, e a 3, em milhares. É na fase 3, a atual, que é medida a eficácia da vacina.

Os participantes eram adultos saudáveis de 18 a 59 anos e foram escolhidos aleatoriamente para receber duas doses da vacina experimental: dose baixa de 3 microgramas, dose alta de 6 microgramas, ou placebo. Segundo a pesquisa, as respostas de anticorpos foram induzidas no prazo de até 28 dias após a primeira imunização.

Destaques do estudo:

Fases 1 e 2 envolveram 743 voluntários saudáveis na China, de 18 a 59 anos. Na fase 1, foram 143; na fase 2, 600.

Vacina tem duas doses e parece ser segura e bem tolerada.

Efeito colateral mais comum relatado foi dor no local da injeção.

Objetivo principal desta etapa da pesquisa foi avaliar a resposta imune e segurança da vacina.

Estudo não avaliou a eficácia na prevenção da infecção por Covid-19.

Novos estudos serão necessários para testar a vacina em outras faixas etárias, bem como em pessoas que tenham condições médicas pré-existentes.

“Nossas descobertas mostram que a CoronaVac é capaz de induzir uma resposta rápida de anticorpos dentro de quatro semanas de imunização, dando duas doses de vacina em um intervalo de 14 dias”, disse o professor Fengcai Zhu, autor principal do estudo.

Liberação da importação

No final de outubro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a importação de 6 milhões do imunizante.

“As primeiras doses da vacina CoronaVac chegam ao Brasil no dia 20 de novembro e esta data está confirmada. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia autorizado, nós já tínhamos comentado isso com vocês, a própria Anvisa já havia emitido comunicado também, e agora as autoridades sanitárias da China a Anvisa chinesa também deu autorização para importação, pelo instituto Butantan, dos lotes 6 milhões de vacinas, sendo que as primeiras 120 mil doses chegam no dia 20 de novembro no aeroporto internacional de Guarulhos em São Paulo”, afirmou Doria durante coletiva de imprensa no início da tarde desta segunda.

Ainda de acordo com o governador, o Butantan receberá as doses em lotes e até o dia 30 de dezembro o Instituto terá as 6 milhões de vacinas previstas.

O diretor do Instituto, Dimas Covas, disse que o local onde o imunizante ficará armazenado será mantido em sigilo por motivos de segurança.

No final de setembro, Doria chegou a dizer que as primeiras doses chegariam em outubro.

Vacina chinesa

A CoronaVac está atualmente na terceira fase de testes. A Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pela vacina, ainda não obteve o registro para aplicação do imunizante, que não pode ser utilizado na população.

“Quero esclarecer aqui que nós seguimos e vamos continuar a seguir rigorosamente os protocolos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação da vacina. A vacina só será levada ao público às pessoas após autorização final da Anvisa”, disse Doria.

Até momento, apenas dados parciais referentes à segurança da vacina foram apresentados pelo governo de São Paulo, mas eles não foram enviados ao órgão ou publicados em revistas científicas.

A CoronaVac é alvo de disputa política envolvendo o Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

No final de outubro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou a negociação para adquirir as 46 milhões de doses. Contrariado, Bolsonaro mandou cancelar a compra – e o ministério, por sua vez, afirmou que “não há intenção de compra” e substituiu o comunicado no site.

46 milhões de doses previstas

No total, o governo paulista fechou contrato com a chinesa Sinovac para a aquisição das 46 milhões de doses da CoronaVac. Essas primeiras 6 milhões virão prontas da China, e as outras 40 milhões serão envasadas e rotuladas no Instituto Butantan a partir de material que será importado.

Segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, o cronograma estipulado pelo governo de São Paulo está mantido, independentemente do que as autoridades paulistas apontam como um atraso da Anvisa na liberação da importação de matéria-prima da China.

Centros de pesquisa

A CoronaVac está na terceira fase de testes. O grupo de voluntários é formado exclusivamente por profissionais de saúde. Até agora, 15 mil vacinações foram aplicadas em nove mil voluntários. Cada voluntário recebe duas doses. Com a abertura dos novos centros, a meta é ampliar a pesquisa para o total de 13 mil voluntários.

Nessa fase final da pesquisa, metade dos participantes é inoculada com a vacina e a outra metade recebe placebo. Para determinar a eficácia da CoronaVac, é preciso que ao menos 61 participantes sejam contaminados pelo coronavírus.

Se o imunizante atingir os índices necessários de eficácia e segurança, poderá ser submetido à avaliação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para registro e posterior uso na população.

Para agilizar o processo de análise de potenciais imunizantes contra o coronavírus, A Anvisa reduziu a exigência da documentação inicial e simplificou o processo de registro para que os dados dos estudos sejam enviados durante os trabalhos, e não somente ao final.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wellington disse:

    Pura Campanha eleitoral esse Cara tá fazendo com essa vacina. A todo custo quer ser o pioneiro, pra se amostrar de que foi o primeiro governador a vacinar o povo.

  2. Pixuleco disse:

    Gadolândia circulado ! Vacina só para os homens de boa fé e que acreditam na ciência . MUMMMMMMM

  3. Manu disse:

    DÓRIA TOME A VACINA – DÊ EXEMPLO –

  4. José Macedo disse:

    A importação de 6 milhões de doses até dezembro este jornaleco do G1 , postou 4 vezes, mas o mais importante na aplicação da fase 3 não informaram, crianças estão tomando?idosos estão tomando?, (que na minha opinião são os mais importantes por terem maior risco de morte)
    As pessoas com doenças pré existentes tipo, diabete, câncer, hipertensão estão tomando?, há alguma comprovação clínica que estas pessoas realmente tem a doença?
    Há testes clínicos aprofundados do antes e depois nessas pessoas ou é só " como você está se sentindo" , "sentiu alguma alteração" A Anvisa irá verifica através de testes clínicos ou vai acreditar nos cientistas chineses e nos cientistas paulistano ($) do calça apertada.
    Temos como péssimo exemplo um dos mais famosos infectologista brasileiro David uip, lembram dele, que disse não ter tomado a HidroxoCloroquina e depois foi constatado que tomou.
    Vocês acham que o calça apertada e sua turma irão tomar a vachina?
    Óbvio que não, só as cobaias dos esquerdopatas Irão tomar essa vachina.

  5. Severino disse:

    Esse cara é literalmente um preposto da economia chinesa no Brasill. Tem mais de uma dezena de vacinas em testes e esse elemento não se cansa de alardear essa vachina.

  6. Acosta disse:

    É desse forma mesmo que vc colocou ( Acorda Brasil). Queria ver Diria e os seus tomando essa vacina antes do povo

  7. Deco disse:

    Como a maioria dos políticos só pensa em se dar bem é de se imaginar as filas que eles farão pra tomar essa vacina antes de qualquer um mortal…sim. pois o importante é levar vantagem….
    Já posso imaginar Boulos e Covas e Doria madrugandoa na fila para serem os primeiros.
    Mas eles que se cuidem pois poderão perder as vagas na fila pra jornalistas do Globo News e alguns da CNN.

  8. Ricardo disse:

    Quem quiser proteção toma vacina de qualquer país, sem ideologia. Para o gado a gente dá vacina contra febre aftosa!!!

Anvisa autoriza retomada dos testes da CoronaVac

Foto: Antonio Molina / Agência O Globo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta quarta-feira a retomada dos testes da vacina contra Covid-19 CoronaVac, produzida pela empresa chinesa SinoVac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan, no Brasil. Segundo a Anvisa, a decisão foi tomada “após avaliar os novos dados apresentados”.

“Após avaliar os novos dados apresentados pelo patrocinador depois da suspensão do estudo (conforme listado na tabela), a ANVISA entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação e segue acompanhando a investigação do desfecho do caso para que seja definida a possível relação de causalidade entre o EAG inesperado e a vacina”, escreveu a agência, em nota.

Na segunda-feira à noite, a agência anunciou que os estudos seriam suspensos após “evento adverso grave” durante a fase de testes da vacina. O GLOBO apurou que o evento grave informado na nota da Anvisa foi a morte de um voluntário. De acordo com boletim de ocorrência registrado em São Paulo, a morte deu-se em decorrência de um suicídio.

A suspensão provocou críticas do Butantan, que defendia que a morte não tinha relação com a vacina e que não teria sido avisado da suspensão dos testes pela impresa. Em resposta, a Anvisa afirmou que as informações fornecidas à agência sobre o caso foram “insuficientes e incompletas” e que avisou o Butantan 38 minutos antes de divulgar a informação.

Na nota divulgada hoje, a Anvisa afirma que na segunda-feira, quando suspendeu os testes, não havia sido informada sobre a causa do evento adverso grave. Além disso, diz que o boletim de ocorrência relativo ao caso não havia sido enviado. Segundo a agência, esses dados foram entregues somente ontem.

“A medida, de caráter exclusivamente técnico, levou em consideração os dados que eram de conhecimento da Agência até aquele momento e os preceitos científicos e legais que devem nortear as nossas ações, especialmente o princípio da precaução que prevê a prudência, a cautela decisória quando conhecimento científico não é capaz de afastar a possibilidade de dano”, afirmou a agência.

A Anvisa ressaltou ainda que a suspensão dos testes não significa necessariamente que o produto não tenha qualidade, segurança ou eficácia.

“A suspensão e retomada de estudos clínicos são eventos comuns em pesquisa clínica e todos os estudos destinados a registro de medicamentos que estão autorizados no país são avaliados previamente pela Anvisa com o objetivo de preservar a segurança para os voluntários do estudo”, disse.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    Tem gente que não tem idéia do pântano que são os bastidores da indústria farmacêutica.
    Interessante que a comunistada seletivamente 'esquece' disso que lhe convém. Quando é para lacrar. Sim, a Sinovac é desenvolvida por fimas privadas também.

  2. Ricardo disse:

    Depois pesquisem sobre de quem é o Grupo Lide e seus negócios com a China.

  3. Santos disse:

    #ForaBolsonaro

  4. Minion de Peixeira disse:

    Qual o problema: a) se mandou suspender um teste por causa de uma morte; b) se disse depois que o óbito não teve relação de causalidade com o teste (supondo que a causa mortis já foi esclarecida, mas que é falso, por causa da dependência de laudos); c) de posse dessa informação, se autorizou a retomada dos testes. O resto é ruído de fundo com o qual abutres festejam.

    • Guzerá disse:

      Quem festejou o possível e desmentido fracasso dessa vacina foi o animal que ocupa a presidência, taokei? Qual é o pobrema?

    • Minion de Peixeira disse:

      Quais foram os desdobramentos disso?
      Efeitos práticos.

  5. otarocha disse:

    Quem ganhou foram os brasileiros e a população mundial com mais 1 opção de vacina .

  6. Talita disse:

    É só não tomar a vacina " QUERIDO" vá para o pasto que é lá que o gado está.

    • george disse:

      Mas se for obrigatória não teremos esta opção de 'é só não tomar'.

    • Minion de Peixeira disse:

      Quem vc chama de gado quer exercer o salutar direito de esperar pelo aprofundamento das pesquisas das várias vacinas (virou uma corrida). Tomara que testem em massa as dezenas que estão nos laboratórios. Dê aí o seu braço para o progresso da ciência (agradeço… depois eu vejo se tomo também). O mesmo "gado' que está no salutar direito de desconfiar de algumas delas (sobretudo por causa de interesses impublicáveis. Teoria da conspiração? Talvez. Sou sou adulto o suficiente para não excluir certas possiblidades. O Mundo é assim). Sim sobre ser gado, um espelho não é caro.

    • Walternani disse:

      Fala em progresso da ciência mas exclui dois países notoriamente grandes (Rússia e China) do páreo. Bom é a nossa nação, relevantíssima na ciência mundial…(a exceção de Ávila, Lattes, Chagas e uns bons outros…)

    • Walternani disse:

      **Boa

    • Minion de Peixeira disse:

      Não duvido da capacidade de nenhum país de desenvolver o que quer que seja.
      Até na base do errro e acerto alguém pode acertar na mosca.
      Mas tem que ver quem tem mais transparência,.
      Rússia e China tão longe disso.

    • Santos disse:

      Como o anúncio da suspensão do teste com a vacina, foi no mesmo dia que o governador de São Paulo anunciou o inicio da aplicação, está tem forte indicacao que foi mais uma vez politicagem, mais uma vez politicagem do presidente com a saúde do povo brasileiro, seja gado ou não.

  7. O Rei da Rachadinha disse:

    Então o Doria ganhou???

    • Brasil disse:

      Vagabundo …vai ficar de 4 para levar essa vacina , do mesmo país que inventou e dizimou o vírus 🦠….para defender bandido condenado você serve VAGABUNDO

    • O Rei da Rachadinha disse:

      Calma rapaz, já comprou sua baladeira para ir para guerra?

    • Pixuleco disse:

      Ganhou Dória , ganhou a ciência , fanhiu o bom senso e ganhou o Brasil. Sem violência ou preconceito e sem colocar o bem estar do povo em detrimento da política . Aos nervosinhos de plantão , sugestão . Relaxa que tudo encaixa , a mamgueura de ozônio pode ser usada em quem não quer vacina . O mangará da tranquilidade da bozolândia é : MUMMMMMMM

Anvisa não muda prazo para liberação da coronavac

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu, na manhã desta terça (10), dados referentes à morte do voluntário dos testes da vacina contra Covid-19 Coronavac que descartam a relação entre o incidente e o imunizante.

Ainda assim, o presidente da agência, almirante Antonio Barra Torres, afirmou em entrevista coletiva que não tinha informação sobre o suicídio presumido do voluntário —esta é a forma com que a polícia paulista trata o caso, que também pode se tratar de uma overdose.

Barra Torres pode estar apenas se escorando na questão do sigilo quando diz que esperará informações por canais oficiais, no caso o Comitê Independente Internacional que rege os testes de vacinas mundo afora.

No reunião virtual desta manhã, foram enviados relatórios policiais e médicos sobre o episódio.

Segundo integrantes do governo paulista, não haveria mais motivos técnicos para manter a suspensão dos testes da Coronavac, já que todos os detalhes do caso foram entregues à Anvisa. A agência manteve a decisão.

A reunião desta manhã com membros do Instituto Butantan, que patrocina os testes da Coronavac e irá produzir o imunizante se ele for eficaz, foi convocada na noite de segunda (9), pouco antes de a Anvisa tornar público que suspenderia os testes.

Membros da administração paulista afirmam não fazer sentido a suspensão ter sido anunciada apenas 38 minutos do envio de um e-mail sobre o tema, sugerindo a intenção de desagastar politicamente o governo de João Doria (PSDB-SP).

A comunicação do evento adverso grave foi feita no dia 6, mas ficou três dias parada no sistema de computadores da Anvisa. Naquele relato não havia dados detalhados do que havia ocorrido. A reunião desta terça poderia, na visão paulista, solucionar o caso.

A noção prevalente é a de que há má vontade política por parte da agência contra a vacina de origem chinesa que será produzida em conjunto com o Instituto Butantan.

O presidente Jair Bolsonaro deu o tom dessa disputa nesta manhã, ao celebrar o que chamou de vitória sobre Doria com a suspensão dos testes. A Anvisa teoricamente é uma agência reguladora independente.

O próprio Barra Torres afirmou na entrevista que há “uma guerra política lá fora”, e que seria importante deixá-la distante das atividades da agência.

Folha de SP

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jailson disse:

    Bolsonaro deve ser PRESO!

  2. Bolsovirus disse:

    Lendo posicionamento de cientistas envolvidos é possível chegar a conclusão que a única coisa que obstrui os avanços nos estudos são os interesses políticos do bolsovirus. Com certeza ele será responsabilizado por toda negligência na pandemia.

  3. Tom França disse:

    De todas as besteiras que Bolsonaro já falou (eu disse todas), e não foram poucas, essa sem dúvida, foi a pior! Pior, porque mexe intimamente com os familiares da pessoa que cometeu o suicídio! Poderia ter tido a mesma prudência que tá tendo, ao não reconhecer a vitória de Joe Biden! Foi totalmente desagradável antecipar um fato, do qual ele não tinha o menor conhecimento!

‘É impossível a vacina ter relação com o evento adverso’ em voluntário da CoronaVac, afirma diretor do Butantan

O governo de São Paulo afirmou nesta terça-feira (10) ser impossível relacionar o “evento adverso grave” que acometeu um voluntário que participou do estudo clínico da CoronaVac com a vacina. Na noite desta segunda-feira (9), a Anvisa suspendeu os testes da vacina da Sinovac, feita em parceria com o Instituto Butantan, após ter sido notificada sobre um “evento adverso grave” em um voluntário.

“Os dados são transparentes. Por que nós sabemos e temos certeza de que não é um evento relacionado a vacina? Como eu disse, do ponto de vista clínico do caso e nós não podemos dar detalhes, infelizmente, é impossível, é impossível que haja relacionamento desse evento com a vacina, impossível, eu acho que essa definição encerra um pouco essa discussão”, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

A declaração foi dada pelo diretor durante coletiva de imprensa na sede do Instituto Butantan, após o governo paulista se reunir virtualmente com representantes da Anvisa para tratar sobre a suspensão dos testes. Na noite de segunda, Dimas Covas afirmou que o voluntário morreu, mas disse que o óbito não tinha qualquer relação com a vacina (leia mais abaixo).

Durante a coletiva desta terça, representantes do governo de São Paulo demonstraram indignação com a medida e defenderam que não há relação entre o evento adverso e o imunizante.

“Não houve nenhuma relação da vacina com o evento adverso grave apresentado”, defendeu o secretário estadual de saúde, Jean Gorinchteyn.

Dimas Covas disse que a suspensão, além de desnecessária, provoca “dor e sofrimento nos voluntários”. “Não haveria a necessidade desse tipo de medida, que poderia ser resolvido administrativamente, como foi feito hoje de manhã”, disse Covas.

“Se interromper um estudo clínico que está indo muito bem causa sofrimento, causa dor, causa insegurança, naquelas pessoas que já foram submetidos ao estudo, causa dificuldade naqueles que querem ser submetidos ao estudo e que estão na fila para receber a vacina ou o placebo. Ou seja, são os voluntários, as pessoas que se dedicaram a esse estudo exatamente para trazer a esperança da vacina”, disse Covas.

Anvisa foi notificada no início de outubro

Ainda de acordo com Dimas Covas, a Anvisa foi notificada do evento adverso no voluntário no dia 6 de novembro. “Nós estamos tratando aqui de um evento adverso grave que não tem relação com a vacina. Repito: um evento adverso grave que não tem relação com a vacina. Essa informação está disponível à Anvisa desde o dia 6, quando foi notificado o efeito adverso grave”.

O diretor criticou o comportamento da Agência e a forma como o Instituto recebeu a notícia da interrupção dos testes.

“Dia 6 a Anvisa recebeu um documento dizendo: ‘olha um participante do estudo clínico teve um evento adverso grave não relacionado com a vacina’ ponto. O que que se espera diante de um comunicado desse? ‘Olha, ok, vamos avaliar, vamos nos reunir, vamos ver quais foram as causas desse evento adverso, se você está dizendo que não tem relação com a vacina, vamos apurar’. É isso o que a gente espera. Foi isso o que aconteceu? Não. Quer dizer, esse encaminhamento foi feito dia 06, ontem dia 09, às 20h40, encaminham um e-mail ao Butantan dizendo que haveria uma reunião hoje para tratar do evento adverso grave, mas ao mesmo tempo anunciava a suspensão do estudo. Oito e quarenta da noite, 20h40 da noite, 20 minutos depois essa notícia estava em rede nacional, 20 minutos depois de nós termos sido notificado por e-mail, a notícia estava em rede nacional”.

Dimas Covas disse ainda que o governo reenviou todos os esclarecimentos à Anvisa e aguarda que a liberação o mais rápido possível. “Ela agora está apta a tomar a decisão de retomar o estudo o mais rápido possível”, afirmou o diretor.

A expectativa do diretor é a de que, após os esclarecimentos, a Anvisa retome os estudos ainda nesta semana, possivelmente nesta quarta-feira (11).

Óbito de voluntário

Na segunda-feira (10) o diretor do instituto Butantan deu uma em entrevista à TV cultura onde afirmou que o efeito adverso trata-se de um óbito, no entanto, no dia seguinte à entrevista, durante a coletiva, Dimas disse que não falou que se tratava de um óbito, ou não, e que não poderia dar detalhes do ocorrido.

“O efeito adverso grave, observado em um voluntário não tem relação com a vacina. Não podemos dar detalhes a vocês porque isso envolve sigilo. Tem aí todo um aspecto ético que nos impede de dar as características do voluntário, ou da voluntária. O que eu afirmo a vocês é que esses dados estão todos de mão da Anvisa, estão todos fornecidos a Anvisa”.

Dimas Covas disse ainda que a Anvisa tem todas as informações e que não poderia “burlar a ética” ou “trair a confiança” que a família do voluntário tem no instituto.

“Nesse momento cabe a Anvisa que tem todos os dados dar essas informações, nós não podemos aqui burlar a ética, trair a confiança que a família [do voluntário] tem em nós. Nós não podemos dar qual foi o motivo do evento, o que que levou aos eventos, porque essas informações podem ser muito dolorosas para família e nós temos que respeitar esse aspecto. O que nós dizemos e repito: o evento não tem relação com a vacina”.

Interrupção

A Anvisa informou que foi notificada do “evento” em 29 de outubro. Mais de 10 dias depois, determinou que nenhum novo voluntário poderá ser vacinado até que a agência possa avaliar os dados e “julgar o risco/benefício da continuidade do estudo”.

Segundo uma lista divulgada pela agência, são considerados eventos adversos graves “morte, evento adverso potencialmente fatal, incapacidade ou invalidez persistente, internação hospitalar do paciente, anomalia congênita ou defeito de nascimento, qualquer suspeita de transmissão de agente infeccioso por meio de um dispositivo médico e evento clinicamente significante”.

Comunicado Sinovac

Nesta terça-feira (10), a Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pelo desenvolvimento da CoronaVac, afirmou em comunicado que “está confiante na segurança da vacina” contra a Covid-19.

Segundo o jornalista José Roberto Burnier, da GloboNews, a morte do voluntário não foi causada por doença respiratória. O paciente, de 33 anos, também não tinha comorbidades.

A Sinovac afirmou que “ficamos sabendo que o chefe do Instituto Butantan acreditava que esse evento adverso grave não tem relação com a vacina”.

A empresa afirmou que o estudo clínico em fase 3 no Brasil “é realizado estritamente de acordo com os requisitos do GCP” (Good Clinical Practice, ou “boas práticas clínicas” em tradução livre).

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em uma rede social, que o episódio é mais um em que “Jair Bolsonaro ganha”. No mesmo post ele citou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A CoronaVac é uma das candidatas a vacina contra o coronavírus e é desenvolvida pela Sinovac em parceria com o Butantan, em São Paulo. Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado.

Butantan estranha decisão

Na noite desta segunda, o diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que recebeu com estranhamento a notícia da suspensão temporária dos testes em humanos da CoronaVac no Brasil.

Segundo Covas, se trata de “um óbito não relacionado à vacina” e, portanto, “não existe nenhum momento [ou motivo] para interrupção do estudo clínico” da fase 3.

“Em primeiro, a Anvisa foi notificada de um óbito, não de um efeito adverso. Isso é diferente. Nós até estranhamos um pouco essa decisão da Anvisa, porque é um óbito não relacionado à vacina”, afirmou o diretor do Butantan.

“Como são mais de 10 mil voluntários nesse momento, podem acontecer óbitos. Nesse momento, [o voluntário] pode ter um acidente de trânsito e morrer. Ou seja, é um óbito não relacionado à vacina. É o caso aqui. Ocorreu um óbito que não tem relação com a vacina”, disse Dimas Covas na TV Cultura.

O diretor também afirmou que o Butantan já pediu esclarecimentos à Anvisa sobre a interrupção e que espera ter mais detalhes na manhã desta terça-feira (10).

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alex disse:

    Sei, Esses especialistas de São Paulo esconderam até o uso da cloroquina pelo seu próprio médico, que dita uma vacina política dessas.

  2. Delano disse:

    Vai jumentos petralhas, se não fizer efeito, pelo menos dá uma amenizada na sua doença dos cascos e de seus irmãos idiopatas. Bando de energúmeno parasitas.

  3. Rancho Americano 🇺🇸 Só disse:

    Oportunidade boa pra quem é veterinário, da pra ganhar uma grana boa aplicando vacina 💉 no gado.

  4. Alex Oliveira disse:

    Era só o que faltava: a saúde pública posta em cheque em razão de desavenças (vaidades) políticas.

  5. Chico 200 disse:

    Esse tem sobrenome Covas, o que se poderia esperar que ele falasse? Que foi culpa da vacina?

‘Mais uma que Jair Bolsonaro ganha’, destaca presidente sobre decisão da Anvisa de suspender testes da vacina CoronaVac

Foto: Jorge William/Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro ironizou nesta terça-feira a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na noite desta segunda-feira, de interromper o estudo clínico da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac Biotech. Bolsonaro frisou que o governador de São Paulo, João Doria, “queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la”, ressaltou que é contra a obrigatoriedade da vacinação e disse que é “mais uma que Jair Bolsonaro ganha”.

Segundo a agência, a interrupção se deu por conta de um “evento adverso grave” durante a fase de testes da vacina. O GLOBO apurou que o evento grave informado na nota da Anvisa foi a morte de um voluntário.

Em nota, o Butantan informou que “foi surpreendido” pela decisão. Em entrevista à TV Cultura, o diretor do Butantan, Dimas Covas, afirmou que a Anvisa foi notificada de um óbito não relacionado com a vacina. Ele negou que a morte possa ser classificada como um evento adverso. “Como são mais de 10 mil voluntários neste momento, pode acontecer um óbito”, afirmou. “Ocorreu um óbito, que não tem relação com a vacina. Portanto, não existe nenhum motivo para interrupção do estudo clínico”

O comentário de Bolsonaro foi feito feito em resposta a uma pessoa que o perguntou, no Facebook, se o Brasil iria comprar a CoronaVac caso ela fosse considerada segura.

O presidente compartilhou uma notícia sobre a interrupção dos testes. “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O Presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu Bolsonaro.

Depois, após o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciar a assinatura de um protocolo de intenções para a compra de 46 milhões de doses da vacina da Sinovac, Bolsonaro o desautorizou publicamente e disse que o Brasil não iria comprar a “vacina chinesa de João Doria”.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Amon Carlos de Oliveira disse:

    Paulo disse tudo que esse parasita comunista Manoel merece, morar em Cuba,Coreia do Norte, Venezuela ele não quer, porém quer continuar mamando no Brasil isso acabou, vá trabalhar todo comunista é preguiçoso

  2. Braulio Pinto disse:

    Essa pergunta é para o gado ruminar: porque deveríamos reeleger Bolsonaro se em vez de governar ele prefere provocar atrito com potenciais concorrentes à um segundo mandato, como faz agora? O presidente conseguiu se eleger mas não governa, vive de intrigas pensando em daqui a dois anos. Desperdiça o que não merece, fazendo um governo de destruição e que envergonha a todos.

  3. MITO, M I T O, M I T O disse:

    A morte do voluntário foi suicídio.

  4. CiÇO disse:

    Com Virus ou sem Vírus, é o Mito 2022 no 1 º Turno,Chora não Petralhada,o PT Ja Acabou !!!!

  5. Manoel disse:

    Essa é a alma mais sebosa q conheço.
    Imundo e tem gente q apoia.
    Tática manjada para iludir apenas o gado dele: elege um inimigo imaginário e começa a manipulação do gado.
    Quero ver ele se arrochar com a China impedindo da gente exportar soja e outros alimentos para lá. Quero ver ele se arrochar e deixar de comprar produtos baratos da China, inclusive vacinas.
    Óbvio q toda vacina tem q ser testada antes e ninguém está querendo comprar sem os testes.
    Mas o imbecil brinca com as vidas humanas e com aqueles q desejam uma vacina eficaz e barata, seja de onde for.

    • Paulo disse:

      Falou o seguidor de Lula e Maduro que espuma feito cão raivoso dia e noite nas redes sociais.
      Defende o comunismo mas não vai morar em Cuba, Venezuela, China.
      O comunista caviar defende o comunismo mas não quer viver na prática.
      O salário de um médico em Cuba é de 200 reais…

  6. Théo disse:

    Isso é um inundo. Fazendo politicagem com a morte de um ser humano. Meu Deus, esse Pateta tem q sair igual o Donald.

    • Paulo disse:

      Imunfo?
      Limpe sua boca suja.
      O presidente eleito na eleição mais democrática na história do país.
      Perseguido por políticos tradicionais derrotados, pela esquerda corrupta comunista, por maconheiros, por pessoas manipuladas.
      Certamente você gosta de Rodrigo Maia, Doria, Fátima…
      O foro de São Paulo promove campanha de perseguição para denegrir a imagem do presidente.
      Isso também aconteceu na Rússia, Venezuela, Cuba, Argentina.
      Pessoas sem capacidade de raciocinar caem na lábia da mafia comunista…
      Prometem o paraíso na terra.
      O fim é fome, miséria, ditadores comunistas.
      Fala mal de Bolsonaro, mas não quer ir morar em Cuba, Venezuela.
      Na primeira chicotada de Maduro iria chorar.
      Comunismo não é brincadeira.
      Nenhum país sério do mundo está usando a vacina chinesa.
      Por que esse desespero de Doria se não posar de Salvador da pátria, tentando se dar bem em cima do vírus chinês?

  7. Apolônio disse:

    Como sempre nosso presidente tem razão,os antis piram!

  8. Talita disse:

    Ainda tem papa capim que apoia e dá valor ao que esse projeto de incompetência presidencial. Brasil pelo ralo.

  9. Chicó disse:

    Os comentários são pura politicagem, onde a hipocrisia reina !!! Enquanto a cloroquina e a ivermectina eram consideradas um perigo para os usuários, agora temos a vacina chinesa, com alguns meses apenas de testes, sendo colocada como altamente segura.

  10. Paulo disse:

    Espero que o Brasil tenha aprendido com os Estados Unidos. Que os negros e negras, os pobres, nordestinos, indios, gays e lésbicas se unam para retirar esse Senhor do BRASIL.

    • Chico 200 disse:

      Quem disse que trump perdeu? Procura se informar! Só restam 259 delegados. Daqui a pouco não tem mais nenhum kkkkk

    • Paulo disse:

      Chora não… vai passar….🤣🤣🤣

  11. PAULO disse:

    Ainda abre a boca pra dizer que não está preocupado com reeleição! Cara vai governar o país e deixa os técnicos/cientistas trabalharem, já são mais de 160 mil mortos, fica aí torcendo contra por questões eleitoreiras.

  12. Ricardo disse:

    Quem faz politicagem com a vida das pessoas devia apodrecer na cadeia! Olhe que já morreram 162.638 e esse incompetente brincando com isso. Não venham me chamar de petista.

  13. Patriota disse:

    Por politicagem rasteira o presidente fica feliz com a morte de um cidadão. Que cristão exemplar!

    • Lucis disse:

      Esse cidadão usa o nome de cristão somente para esconder sua ruindade

  14. Rancho Boi 🐂 No Açoite disse:

    Deixa esse moribundo aproveitar, daqui a 2 anos, ninguém não vai nem lembrar desse resto de pano de chão.

  15. eu disse:

    Maior CANALHA DA TERRRA. So perde para o idolo dele, o Trump.

    2022 esse LIXO sera VARRIDO DO BRASIL.

  16. Maria Fofoca disse:

    Ñ gostar da China tudo bem, mas torcer para que uma vacina ñ dê certo só por motivos eleitorais, demonstra o quanto Bolsonaro é despreparado e egoísta, ele ñ da a mínima para o povo, para ele o que importa é seu projeto de poder particular.

    • Acorda Brasil disse:

      Minha linda, escute quem é da área. Uma vacina NÃO é a mesma coisa que um remédio. Ela muda o seu perfil imunológico por anos, 15 anos, por exemplo, a do tétano. NENHUMA vacina será segura, nem OXFORD, nem da CHINA, nem da RÚSSIA. O tratamento precoce reduziu as mortes a 0,03%, POR QUE AINDA SE FALA EM VACINA? ($$$$$$$)

    • Paulo disse:

      Não é o contrário?
      Por que Doria defende tanto a vacina chinesa?
      Desde 2019 ele assinou contrato para produzir vacinas com os chineses.
      Por que ele não espera todas as vacinas ficarem prontas?
      Lula comemorou a chegada do vírus chinês…
      Jane Fonda disse que o Corona vírus era um presente de Deus para a esquerda.
      Pense num povo imundo a esquerda.
      Que país desenvolvido do mundo usa essa vacina?
      Para a esquerda quanto mais mortes e desemprego melhor.
      Abutres se alimentam de desgraça..

  17. Edison Cunha disse:

    Todas as vacinas contra o vírus Chinês ainda estão em fase de testes, ainda não sabemos qual vacina é eficaz e segura. Certeza mesmo nós temos é que Lula é um ladrão safado e deveria tá preso.

    • Braulio Pinto disse:

      Só isso não, meu chapa. Certeza de que Bolsonaro é um incapaz e despreparado, e que você faz parte do rebanho dele.

  18. P. disse:

    Tem que empurrar essa vacina no rabo dos petistas cobaias.
    Aí se prestar e que vacina o gado de Bolsonaro.

  19. Gustavo disse:

    Que imbecil. Olha o comportamento completamente infantilizado desse sujeito. Além de falta de preparo, não tem mesmo dignidade para exercer o cargo que lhe foi confiado pelo eleitor traído.

‘Estamos confiantes na segurança da vacina’, diz laboratório chinês que desenvolve a CoronaVac

Foto: Divulgação/Governo de SP

A Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pelo desenvolvimento da CoronaVac, afirmou nesta terça-feira (10) em comunicado que “está confiante na segurança da vacina” contra a Covid-19.

A empresa se pronunciou um dia após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciar a suspensão temporária dos testes da CoronaVac devido a um “evento adverso grave”. A agência, entretanto, não informou a causa específica da suspensão.

Segundo o jornalista José Roberto Burnier, da GloboNews, a morte do voluntário não foi causada por doença respiratória. O paciente, de 33 anos, também não tinha comorbidades.

A Sinovac afirmou que “ficamos sabendo que o chefe do Instituto Butantan acreditava que esse evento adverso grave não tem relação com a vacina”.

A empresa afirmou que o estudo clínico em fase 3 no Brasil “é realizado estritamente de acordo com os requisitos do GCP” (Good Clinical Practice, ou “boas práticas clínicas” em tradução livre).

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em uma rede social, que o episódio é mais um em que “Jair Bolsonaro ganha”. No mesmo post ele citou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

A CoronaVac é uma das candidatas a vacina contra o coronavírus e é desenvolvida pela Sinovac em parceria com o Butantan, em São Paulo. Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado.

Butantan estranha decisão

O diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou na segunda-feira (9) ter recebido com estranheza a notícia da suspensão temporária dos testes em humanos da CoronaVac no Brasil.

Segundo Covas, se trata de “um óbito não relacionado à vacina” e, portanto, “não existe nenhum momento [ou motivo] para interrupção do estudo clínico” da fase 3.

“Em primeiro, a Anvisa foi notificada de um óbito, não de um efeito adverso. Isso é diferente. Nós até estranhamos um pouco essa decisão da Anvisa, porque é um óbito não relacionado à vacina”, afirmou o diretor do Butantan.

“Como são mais de 10 mil voluntários nesse momento, podem acontecer óbitos. Nesse momento, [o voluntário] pode ter um acidente de trânsito e morrer. Ou seja, é um óbito não relacionado à vacina. É o caso aqui. Ocorreu um óbito que não tem relação com a vacina”, disse Dimas Covas na TV Cultura.

O diretor também afirmou que o Butantan já pediu esclarecimentos à Anvisa sobre a interrupção e que espera ter mais detalhes na manhã desta terça-feira (10).

Outra morte de voluntário

Em 21 de outubro, um voluntário brasileiro que participava dos testes da vacina de Oxford contra a Covid-19 morreu de complicações da Covid-19. O voluntário tomou um placebo (substância inativa), e não uma dose da vacina.

Os testes foram suspensos, na época, pela própria AstraZeneca, que desenvolve a vacina em parceria com a Universidade de Oxford.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulão disse:

    Meu povo e minha pova.
    É fácil de indentificar as coisas certas no Brasil, no que diz respeito a politicos e a politica.
    Basta vê de que lado os PETISTAS estão.
    Simples assim.

  2. #Bolsonaro tem razão disse:

    Minina como vcs da esquerda estão assanhadas kķkkk vocês tem fetiches por chineses, vocês adoram um olhinho puxados , vocês estão com o olho corrugados piscando, calma o Natal é próximo mês, desliguem o pisca pisca kkkk

  3. Carlos Galego disse:

    Interessante ver os INSANOS da esquerda colocando para Bolsonaro a vacina chinesa DEFENDIDA por Dória, ACM Neto, Rodrigo Maia e toda turma da oposição.
    Estão loucos ou são alienados, papagaios irresponsáveis?
    Quem quer IMPOR ESSA VACINA CHINESA DESDE SEMPRE é o ditador e governador paulista Dória.

  4. Val do Açai disse:

    Os Bolsonaristas já estão todos com o bumbum empinado para lua esperando a vacina do Tio Sam.

  5. #Bolsonaro tem razão disse:

    Que o Governador Doriana seja o primeiro a tomar kkkk

  6. Lula é o maior ladrão do mundo disse:

    Lula é honesto,…
    Só que não!
    Vacina Chinesa e Vacina Russa eu não confio, consequentemente, eu não tomo.

    • Maria Fofoca disse:

      Se Bolsonaro mandar vc toma até vacina da Venezuela, quanto mais da china.

  7. Rancho Boiada 🐂 Sertaneja disse:

    Vacina 💉 pra o gado, não é contra a aftosa não? O que tem a ver com a Coronavac?

  8. Elio Cesario disse:

    O djabo é quem toma essa vacina!!!

SP receberá 120 mil primeiras doses de vacina Coronavac no dia 20

 Foto: Reprodução/Governo de SP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (9) que o estado vai receber as 120 mil primeiras doses da Coronavac, vacina contra Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, no dia 20 de novembro.

No final de outubro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a importação de 6 milhões do imunizante.

“As primeiras doses da vacina Coronavac chegam ao Brasil no dia 20 de novembro e esta data está confirmada. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia autorizado, nós já tínhamos comentado isso com vocês, a própria Anvisa já havia emitido comunicado também, e agora as autoridades sanitárias da China a Anvisa chinesa também deu autorização para importação, pelo instituto Butantan, dos lotes 6 milhões de vacinas, sendo que as primeiras 120 mil doses chegam no dia 20 de novembro no aeroporto internacional de Guarulhos em São Paulo”, afirmou Doria durante coletiva de imprensa no início da tarde desta segunda.

Ainda de acordo com o governador, o Butantan receberá as doses em lotes e até o dia 30 de dezembro o Instituto terá as 6 milhões de vacinas previstas.

O diretor do Instituto, Dimas Covas, disse que o local onde o imunizante ficará armazenado será mantido em sigilo por motivos de segurança.

No final de setembro, Doria chegou a dizer que as primeiras doses chegariam em outubro.

Fábrica da vacina

Durante a coletiva, também foi anunciado o início da construção da fábrica no Butantan que será responsável pela produção da vacina. A previsão é a de que a obra seja finalizada em setembro de 2021.

Para a construção, além dos recursos doados pela iniciativa privada, o governo paulista esperava receber R$ 80 milhões do governo federal, conforme anunciado por João Doria em coletiva de imprensa no final de setembro.

Entretanto, segundo o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, o repasse não foi feito pelo Ministério da Saúde.

“Nós tivemos em um dos encontros que tivemos no Ministério [da Saúde], há várias semanas, a referência de R$ 84 milhões que seriam ofertados para auxílio da fábrica. Até o momento esses recursos não foram disponibilizados. Então, até o momento, nós não temos esse recurso”, disse Gorinchteyn.

Vacina chinesa

A CoronaVac está atualmente na terceira fase de testes. A Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pela vacina, ainda não obteve o registro para aplicação do imunizante, que não pode ser utilizado na população.

“Quero esclarecer aqui que nós seguimos e vamos continuar a seguir rigorosamente os protocolos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação da vacina. A vacina só será levada ao público às pessoas após autorização final da Anvisa”, disse Doria.

Até momento, apenas dados parciais referentes à segurança da vacina foram apresentados pelo governo de São Paulo, mas eles não foram enviados ao órgão ou publicados em revistas científicas.

A CoronaVac é alvo de disputa política envolvendo o Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

No final de outubro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou a negociação para adquirir as 46 milhões de doses. Contrariado, Bolsonaro mandou cancelar a compra – e o ministério, por sua vez, afirmou que “não há intenção de compra” e substituiu o comunicado no site.

46 milhões de doses previstas

No total, o governo paulista fechou contrato com a chinesa Sinovac para a aquisição das 46 milhões de doses da CoronaVac. Essas primeiras 6 milhões virão prontas da China, e as outras 40 milhões serão envasadas e rotuladas no Instituto Butantan a partir de material que será importado.

Segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, o cronograma estipulado pelo governo de São Paulo está mantido, independentemente do que as autoridades paulistas apontam como um atraso da Anvisa na liberação da importação de matéria-prima da China.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Junin disse:

    É, o gado de Brasília tem histórico de atleta, precisa não…..

  2. Roberto disse:

    Joia. Vacina primeiro o Doria.

  3. Nordestino disse:

    Queria saber , lá na China essa vacina está sendo aplicada ? Qual o sucesso lá ? Alguma matéria BG sobre isso ?
    Por que só se fala em chegar ao Brasil e em comprar e briga política , mas qual a realidade do seu uso no país de origem ? Alguém já checou isso ?

  4. Loro disse:

    Essas primeiras doses, empurra no rabo dos petistas cobaias.
    Aí se prestar, vacina o gado de Bolsonaro.
    Kkkkk

  5. Deco disse:

    Bom!!
    Acredito que esse lote da pra vacinar todos do PSDB de SP e ainda sobra um pouquinho pro pessoal do PT.

Bolsonaro admite a aliados ideia de compra da vacina chinesa CoronaVac, diz colunista de O Globo

Foto: Sérgio Lima/AFP

Jair Bolsonaro mudou novamente de ideia sobre a compra da CoronaVac, vacina contra Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantã, em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Ministros e auxiliares do presidente afirmaram que Bolsonaro passou a admitir desde a semana passada, em conversas reservadas, que o Ministério da Saúde vai comprar o imunizante se for o primeiro a ter a eficácia atestada pela Anvisa.

Os integrantes do governo fazem coro com o vice-presidente Hamilton Mourão, que disse em entrevista à revista “Veja” que o governo vai comprar a CoronaVac se seu efeito para conter a covid-19 for comprovado.

Há duas semanas, após o Ministério da Saúde anunciar que firmou um protocolo da intenções para adquirir 46 milhões de doses da CoronaVac, Bolsonaro desautorizou o ministro Eduardo Pazuello e afirmou que o imunizante “não será comprado” pelo governo brasileiro. O principal entrave para o negócio é que o governador João Doria, desafeto do presidente, é o maior entusiasta dessa vacina.

Bela Megale – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Greg disse:

    Deu um nó na cabeça do gado.

    • Neto disse:

      Já comeu seu capim hoje, ou só vai comer depois que puxar a carroça?

  2. Santos disse:

    Mourão está tomando as rédias, menos mau.

  3. Sandra disse:

    Se isso for verdade, o PR está corretíssimo.
    Primeiro tem que vê a eficácia, nunca comprar de imediato, foi por causa disso que o RN perdeu 5.000 milhões de reais, com uma compra desastrosa de respiradores.
    O pior!!!
    Quantas pessoas não morreram esperando o enexistente.
    Essa patota do PT aqui no RN eram pra está todos presos.
    Bando de incompetente.
    Criminosos, deram fim o dinheiro do povo.
    Uma vergonha!!!

  4. Lindolfo de Araújo Maia disse:

    Pense numa fonte confiável… repórter da globo produz FACK NEWS diariamente contra Bolsonaro e o STF faz de conta que não vê é não sabe.
    Ontem foi uma jornalista da globo que inventou um telefone dele a Biden que nunca existiu e a mídia REPASSANDO as FAKES com força e sem ter a preocupação de verificar se é verdade

    • Deco disse:

      Kkkkkkk
      Verdade.!!

    • Aluísio Valença disse:

      É isso aí. Vamos boicotar esses FACKeseiros e nos informar com fontes confiáveis, tipo Terça Livre. Olavo de Carvalho é um poço de sabedoria. O baluarte da informação séria, Sikera, também é aconselhável. Jornalismo de alto nível. Fica a dica.

  5. Felipe disse:

    Deve ser muito difícil defender as "ideias" do PR.

  6. Maria Fofoca disse:

    Podem começar rir……… O recuo, do recuo, do recuo, do recuo. Quando Bolsonaro diz algo, é prudente esperar 30 minutos, ele pode dizer que ñ foi bem assim, que foi mal interpretado ou que a culpa é da Globo lixo.

    • Andinho disse:

      Este é um defeito do Presidente Bolsonaro, ele se comunica muito mal, mais tem feito um excelente governo, está botando o País nos eixos apesar de tanta pressão e tantos interesses contrários. Prefiro um Presidente conversador de besteira, do que um grande orador desonesto e contrário aos interesses da nação.

    • Maria Fofoca disse:

      Bolsonaro ñ é nenhum bobinho que ñ sabe se expressar. Ele joga para torcida, dependendo do bafo da crítica do seu eleitorado, ele dá uma de desentendido ou terceiriza a culpa para algum auxiliar desavisado. Nesse jogo meu amigo, de bobo só que acredita nas suas lorotas.

    • Pixuleco disse:

      Esse é o grande defeito do presidente Bolsonaro , só não é maior do que o péssimo governo que está fazendo , o BRASIL. está completamente fita do eixo e o DOIDIN , além de falar besteira está cercado de incompetentes .

Mourão critica “muita especulação” em cima de vacina e lembra que estados podem comprar, desde que a Anvisa teste e certifique medicamento

Foto: Reprodução/G1-RN

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse nesta quinta-feira (22) que os estados têm recursos e poderão comprar a vacina chinesa contra o novo coronavírus, desde que o medicamento seja testado e certificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na terça-feira (20), Ministério da Saúde anunciou a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan produzida em parceria com a empresa chinesa Sinovac.

Com isso, o governo federal deveria editar uma nova Medida Provisória para disponibilizar R$ 2,6 bilhões até janeiro. No entanto, nesta quarta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro afirmou nas redes sociais que o Brasil não irá comprar “a vacina da China”.

A afirmação foi feita em resposta a uma seguidora na rede social que pediu a exoneração do Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

“Bom dia presidente. Exonera Pazuelo urgente, ele está sendo cabo eleitoral do Doria. Ministro traíra”, escreveu a seguidora, referindo-se a João Doria (PSDB), governador do estado de São Paulo.

“Todo mundo pode comprar. O estado pode comprar, os estados né, eles tem recurso também. Desde que a Anvisa certifique. A Anvisa só vai certificar aquilo que está comprovadamente testado”, afirmou o vice-presidente nesta quarta.

Mourão disse que a politização do assunto “é um problema” e afirmou que conversando “a gente se entende”. Perguntado sobre o risco de judicialização do tema, o vice-presidente pediu “calma”.

“Acho que está muita especulação em cima disso. Ontem a posição correta o Ministério da Saúde já colocou. O diretor da Anvisa também já colocou. Qualquer vacina que esteja comprovadamente testada e certificada pela Anvisa estará a disposição para ser adquirido”, declarou.

G1

Governo federal anuncia em reunião com governadores que a União vai comprar 46 milhões de doses da CoronaVac e diz que imunização começa no 1º semestre de 2021

Foto: Bruno Escolastico/Photopress/Estadão Conteúdo

O governo federal anunciou em reunião com governadores nesta terça-feira (20) que a União vai comprar 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina do Instituto Butantan produzida em parceria com a empresa chinesa Sinovac. Com isso, o governo federal deve investir R$ 2,6 bilhões até janeiro.

A informação de que o acordo seria firmado durante a reunião foi antecipada pelo jornalista José Roberto Burnier, da GloboNews.

Assim como as demais vacinas testadas no Brasil, a CoronaVac está em fase de testes e sua eficácia ainda precisa ser comprovada antes que o uso seja liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e mais 23 governadores participaram da reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Segundo Pazuello, quando a vacina for aprovada, as doses serão distribuídas a todo o Brasil por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI), que há décadas já garante o sucesso das campanhas nacionais de vacinação. “Temos a expertise de todos os processos que envolvem esta logística, conquistada ao longo de 47 anos de PNI. As vacinas vão chegar aos brasileiros de todos os estados”, garantiu.

Até reunião anterior realizada na semana passada com os secretários estaduais de Saúde de todo o país, o governo federal não havia incluído a CoronaVac no programa nacional de vacinação.

Antes do anúncio desta terça-feira, a previsão do ministério era ter 140 milhões de doses no primeiro semestre de 2021:

40 milhões via iniciativa COVAX Facility, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS)

100 milhões de doses via AstraZeneca/Oxford (além dessas doses, no segundo semestre, governo deve produzir 165 milhões de doses deste imunizante).

Agora, o Ministério da Saúde afirmou que “somadas, as três vacinas – AstraZeneca, Covax e Butantan-Sinovac – representam 186 milhões de doses, a serem disponibilizadas ainda no primeiro semestre de 2021”.

Segurança da vacina

A CoronaVac está na terceira fase de testes. Nesta segunda-feira (20), o governo de São Paulo afirmou que 35% dos nove mil voluntários que participam dos testes no Brasil apresentaram reações adversas leves. Segundo o governo, não houve registro de efeitos colaterais graves, o que confirma a segurança da vacina.

A informação faz parte de um estudo parcial apresentado em entrevista coletiva. O estudo, no entanto, não foi publicado em revista científica. Ainda não há dados sobre a eficácia da CoronaVac. Segundo o governo, essas informações serão apresentados até o fim do ano.

46 milhões de doses

O acordo para a compra de 46 milhões de doses com verba estadual foi assinado por Doria durante coletiva de imprensa no final de setembro. No mesmo evento, o governador anunciou que a vacinação de profissionais de saúde deve ter início em 15 de dezembro.

Segundo Dimas Covas, a vacina começa ser produzida no Brasil este mês e até o final do ano o Instituto terá as 46 milhões de doses prontas. “Aí aguardaremos o processo de registro”.

O contrato assinado pelo governo com o laboratório chinês tem o valor de 90 milhões de dólares e prevê que a farmacêutica envie seis milhões de doses da vacina já prontas, enquanto outras 40 milhões serão envasadas em São Paulo até dezembro de 2020.

O governo estadual também anunciou a previsão de chegar a 60 milhões de doses até fevereiro de 2021. A expectativa era que, com o dinheiro do governo federal, o total pudesse chegar a 100 milhões.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ana Maria disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Desse jeito Bozo mata o gado…um dia, desce a ripa na vacina, no outro, compra milhões de doses.
    Assim o gado se atrapalha e tico e teco dão um nó…
    Já disse…a vacina não é pra vcs, gadinho…a sua é a da aftosa…kkkkkkk
    Muuuuuuuuuuuuu

    • Kemps disse:

      Espalhando fake aninha?
      A onde vc viu o PR descendo a ripa na vacina, em qual Televisão, jornal, rádio onde vc viu mulher??,
      Ele tem dito que compra a onde comprovarem eficácia, pode ser de qualquer lugar do mundo.
      Foi isso que ele disse ta??
      O resto é mau caratismo de petistas derrotados mesmo.
      Ok!?

  2. Silva disse:

    Ninguém se engane!!
    É muita grama envolvida nesse covid 19.
    Ninguém fala em milhões, o linguajar aí é bilhões de dólares.
    Não é a toa que tem governador no Brasil, querendo tornar o uso obrigatório.
    Quanto mais cabras, mais cabritos.
    Tire suas conclusões.

  3. João Silva disse:

    Ninguém é obrigado a ser cobaia de teste de qualquer substância externa. Não se conhece nem este vírus… Como se quer combatê-lo??

  4. Pixuleco disse:

    Eita e agora ? A Gadolândia vai entrar em parafuso . A vacina chinesa comprada pelo Tonho ? Acredito não ? Mas , contudo , todavia e entretanto ainda bem que temos um bom estoque de CLOROQUINA , para os terraplanistas tomarem. Eu , euzinho quero a minha logo e de graça . Obrigado da lua 🌑. Vou agora tomar meu suco palma com caseiro em homenagem ao gado 🐄 véio .

    • Paulo disse:

      Esse aí paasou o dia tomando a ração diária oferecida aos seguidores da seita, para mantê-los no estado de catotonia e repetindo palavras aleatórias.
      Zumbi em estado de confusão mental…

  5. Talita disse:

    Coronavac mais me parece vacina de gado

  6. Cidadão pagador de impostos disse:

    Tá cada vez mais difícil p o gado passar pano p esse governo fracassado e pró corrupção kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Moro Presidente 2022

    • Paulo disse:

      Zumbi de Maduro é cara de pau mesmo.
      Se passa por eleitor de Moro só para falar mal de Bolsonaro.
      Não passa de mais uma estratégia do Foro de São Paulo, que acabou levado o povo argentino a ser enganado mais uma vez.
      Fanáticos sendo usados como massa de manobra para atingir os objetivos da seita, o que inclui jornalistas, congressistas e até membros do judiciário na sanha de defender a seita.

VACINA: São Paulo vai receber 5 milhões de doses da CoronaVac em outubro; expectativa do governo é receber 46 milhões até dezembro

Foto: Governo de São Paulo

Até outubro, o governo de São Paulo vai receber as primeiras 5 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac com apoio do Instituto Butantan. Segundo o governador João Doria, o estado deve receber 46 milhões de doses do imunizante até dezembro.

O acordo feito pelo governo paulista com a Sinovac prevê, inicialmente, o envio de doses prontas ou semiprontas da CoronaVac fabricadas na China. Também há previsão de transferência de tecnologia, ou seja, o Instituto Butantan poderá produzir doses dessa vacina.

A CoronaVac já está na fase 3 de testes em humanos. No Brasil, os testes tiveram início em julho, com 9 mil voluntários em centros de pesquisas de seis unidades da Federação: São Paulo, Distrito Federal, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. Caso seja comprovada a eficácia, a vacina terá de ser aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) antes de ser disponibilizada para imunização no Brasil.

A vacina é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos do vírus, inativos. Com a aplicação da dose, o sistema imunológico passaria a produzir anticorpos contra o agente causador da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. No teste, metade das pessoas receberá a vacina e metade receberá placebo, substância inócua. Os voluntários não saberão o que vão receber. A vacina está sendo aplicada em duas doses.

Plano estadual

Em entrevista concedida no Palácio dos Bandeirantes, Doria voltou a dizer que a intenção do governo paulista é repassar a vacina para o Ministério da Saúde para que o imunizante possa ser distribuído a toda população.

Ele admitiu, no entanto, que já existe um plano estadual alternativo para distribuição da vacina, caso não seja feito um acordo com o governo federal. Neste caso, a vacinação aconteceria somente para os moradores do estado de São Paulo, população estimada em cerca de 45 milhões de pessoas.

“O que eu posso garantir é que os brasileiros que residem em São Paulo não vão ficar sem a vacina”, disse Doria.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gustavo disse:

    A China é admirável. Quebra as perna do caba e lhe vende a muleta.