Em queda, desemprego no Brasil alcança 11,8% da população, menor percentual para o período desde 2016, confirma Ipea

Imagem: Rodrigo Bellizzi/Getty Images/iStockphoto

No trimestre encerrado em julho deste ano, o índice de desemprego no Brasil alcançou 11,8% da população economicamente ativa, segundo dados divulgados nesta quarta-feira(18) pelo Ipea.

Trata-se do menor percentual de desempregados para o período desde 2016.

Ao longo de 2019, a taxa já registrou um recuo de 0,9%.

No fim de agosto, o IBGE também registrou uma queda no desemprego pelo quarto mês consecutivo. A pesquisa mensal de emprego do IBGE foi uma das bases de dados utilizadas pelos pesquisadores do Ipea.

Com informações de O Antagonista e Ipea

NOVA DEFLAÇÃO: Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registra queda de 0,51% em agosto, diz FGV

FOTO: EBC

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou deflação (queda de preços) de 0,51% em agosto deste ano. A taxa é inferior ao IGP-DI do mês anterior, que já havia registrado deflação de 0,01%. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o IGP-DI acumula taxas de inflação de 3,86% no ano e de 4,32% em 12 meses.

A queda da taxa de julho para agosto foi puxada pelos três subíndices que compõem o IGP-DI. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede a variação no atacado, teve uma deflação de 0,90% em agosto, taxa inferior à queda de preços de 0,22% em julho.

De acordo com a FGV, a inflação do Índice de Preços ao Consumidor, que mede o varejo, recuou de 0,31% em julho para 0,17% em agosto. Já o Índice Nacional de Custo da Construção recuou de 0,58% para 0,42% no período.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    olha aqui estão pensando que a gente e imbecil idiota abestalhado so pode que historia e essa de deflação estão de sacanagem com a gente povo brasileiro não existe essa de deflação isso e conversa para enganar os bestas ha sim inflação e muita so que neguinho não informa e a gente vai se fudendo como sempre principalmente a respeito do salario minimo po isso nunca tem um aumento real eu disse real sacoooo!!!!!!

    • Onaireves Caba de Peia disse:

      Muita gente grande tem contratos reajustados por índices de inflação. Certamente ela não é manipulável. Aumento de salário só é saudável para uma economia quando decorre do aumento da
      produção ou da produtividade. Aumentar na canetada só gera inflação.

Enquanto se noticia “fritura”, Moro celebra apreensão recorde de cocaína, queda de crimes no país e enaltece que governo e estados “estão trabalhando como nunca”

Reprodução/Twitter

Em meio as noticiários de supostas tentativas ou estratégias de “fritura”, o ministro da Segurança e Justiça, Sérgio Moro, voltou a celebrar a queda de crimes no Brasil. No Twitter, divulgou números de cocaína apreendida de janeiro a julho deste ano,  e celebrou recorde.

Moro também enalteceu os esforços de segurança do governo Bolsonaro, e ainda os estados. “Estão trabalhando como nunca”, disse.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Batista disse:

    Quem é Mariele no jogo do bicho?

  2. Rosi Sampaio disse:

    E o caso Marielle? Cadê a solução?
    No Brasil só se desvenda os crimes que interessa, os demais é um faz de conta ou será que estão abafando alguma coisa? Muito estranho!

    • Fernando disse:

      Foram presos os executores e as investigações prosseguem, agora o caso de Celso Daniel e Toninho do PT é que o PT passou 16 anos investigando e não divulgaram a realidade, apesar de todo mundo já saber

  3. Ivan disse:

    A petralhada pira!!! Chupem essa manga adoradores de corruptos!!!! kkkkkkkkkkkkk

  4. PensoLogoExisto disse:

    Trabalhando como nunca?

    Porque eles nunca trabalharam assim? Porque só começaram a trabalhar mais agora? Quer dizer que é por governo? As forças de segurança do Brasil nunca cresceram tanto como nos governos do PT, assim como as escolas, saúde e etc.

    • Fato disse:

      Seu pseudônimo é inversamente proporcional ao que escreve.
      Onde a saúde cresceu com o PT?
      As escolas melhoraram em quê?
      Vamos refrescar sua memória: De 2013 a 2016 cerca de R$ 3,2 bilhões deixaram de ser repassados aos estados e municípios para serem utilizados na saúde pública.
      Apenas em 2015, DILMA CORTOU quase R$ 12 bilhões do Ministério da Saúde.
      (dados oficiais e públicos) Quer que desenhe?

  5. Bolsominion disse:

    Petistas detectados!!! kkkkkkk Chorem mais, bebês: o choro é livre. O Lula não… !!! kkkkkkkk

  6. Alexandre disse:

    Duvido prender Queiroz….

  7. José Cláudio Pereira disse:

    Moro para provar sua competência, tem de desvendar o mistério da propriedade do carregamento de cocaína 39 kilos encontrado no avião da presidência da República

    • Manoel disse:

      Eu já acho que para Moro mostrar que é super herói mesmo, tem que desvendar o assassinato "queima de arquivo" de Celso Daniel!

    • Waldemir disse:

      Petista encantado detectado

  8. Eu disse:

    #Moro2022

    • Rosi Sampaio disse:

      Nem Moro e nem Bolso! Com fé em Deus, em 2022 vai aparecer alguém melhor. #novoscandidatosem2022.

Setor de construção tem primeira alta após 20 trimestres de queda

O NÚMERO DE PESSOAS EMPREGADAS NO SETOR AVANÇOU 0,9% NO SEGUNDO TRIMESTRE (FOTO: FERNANDO DONASCI/AGÊNCIA O GLOBO)

O setor de construção subiu 2% no segundo trimestre de 2019 ante igual período do ano passado, após 20 trimestres consecutivos de queda nessa base de comparação, segundo dados divulgados na manhã desta quinta-feira pelo IBGE. O reaquecimento das obras impulsionou os investimentos, que avançaram 5,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

A construção civil é apontada como um bom termômetro para investimentos e emprego, pois mobiliza muita mão de obra. O motor desse segmento costuma ser um misto de ganho de renda da população, confiança do empresariado e das famílias de que dias melhores virão e investimento público, cada vez mais restrito.

Segundo o IBGE, o setor foi impulsionado pela alta de 10,7% no crédito para financiamento habitacional, o que acabou ampliando a abertura de vagas. O número de pessoas empregadas no setor avançou 0,9% no segundo trimestre.

A economia brasileira cresceu 0,4% no segundo trimestre ante os três primeiros meses de 2019, consolidando o quadro de estagnação que o país vive nos últimos anos. Frente ao mesmo período do ano passado, a alta ficou em 1%.

Analistas consultados pela Bloomberg esperavam expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,2% frente ao primeiro trimestre e 0,5% contra o mesmo período de 2018, quando houve a greve dos caminhoneiros que parou o Brasil e fez o PIB encerrar o ano com alta de apenas 1,1%.

Apesar da recuperação, a economia brasileira está no mesmo patamar de primeiro trimestre de 2012 e 4,8% abaixo do pico de produção anterior à crise, no primeiro trimestre de 2014.

Época

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Minha Opinião disse:

    Não vejo melhora alguma aqui no RN pelo ao contrário vejo muitos mas muitos Engenheiros Civis desempregados

  2. Lucar disse:

    20 trimestres de queda!! kkkk! Mas os corretores falam q não tem crise. Crise que crise? não tem crise nenhuma, está tudo muito bem, vejam a quantidade de lançamentos imobiliários na cidade. Todo mundo comprando e os preços subindo. Comprem na planta que vcs vão ganhar 30%aa.

Isolamento de chefes de facções contribuiu para queda de homicídios, diz secretário nacional de Segurança Pública

O secretário nacional de Segurança Pública Guilherme Theophilo (à esquerda) e o ministro da Justiça Sergio Moro Foto: Daniel Marenco / Agência O Globo

O secretário nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, credita a redução dos crimes violentos intencionais (homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte) ao aumento da coordenação entre as esferas de governo e a ações como o isolamento, em presídios federais, de chefes das principais facções do crime organizado.

O Ministério da Justiça planeja, para os próximos dias, o lançamento oficial do programa “Em Frente Brasil”, focado na redução da criminalidade. Cinco cidades foram escolhidas para o projeto-piloto: Ananindeua (PA), Goiânia (GO), Cariacica (ES), São José dos Pinhais (PR) e Paulista (PE), uma em cada região do país. Pesquisadores já estão há mais de um mês nos municípios colhendo dados para os diagnósticos locais de segurança, com informações de diversos indicadores e um direcionamento para os bairros mais violentos de cada município. A previsão é que, a partir de janeiro, planos específicos passem a ser implantados em cada um dos municípios.

Depois de seis meses da experiência inicial, o objetivo é que outras cidades possam aderir ao projeto. A primeira ação será o envio de cerca de cem agentes da Força Nacional de Segurança para cada uma das cidades, e o programa vai reunir oito ministérios: Justiça; Saúde; Educação; Mulher, Família e Direitos Humanos; Cidadania; Desenvolvimento Regional; Economia e Casa Civil.

Por que os homicídios estão caindo?

São vários fatores, mas eu citaria, primeiro, a transferência das lideranças criminosas. Nunca antes tinha sido feita uma operação de transferir as principais lideranças criminosas de São Paulo. Esperava-se um “salve geral” da facção, uma tragédia nacional, e não foi. Transferimos também no Ceará e no Pará. Há mais rigidez dentro das penitenciárias, com o advento da força-tarefa de intervenção prisional. Os presídios não serão mais quartéis de comando do crime organizado. Ordens todas emanavam de dentro dos presídios. Citaria também a integração efetiva entre as esferas federal, estadual e municipal e a atuação nas fronteiras, porque estamos dando grande desfalque à parte econômica do crime organizado com as apreensões.

O legado dos grandes eventos, como os centros integrados de comando e controle, tem ajudado?

A tecnologia tem facilitado o monitoramento, como no caso dos veículos roubados e dos presos com tornozeleira eletrônica. Temos também levantado manchas criminais em todos os municípios, o que permite antecipar o patrulhamento. É uma inteligência preditiva.

O governador Wilson Witzel já falou, por exemplo, em “atirar na cabecinha” de bandidos. Esse tipo de ação traz resultados efetivos ou é só retórica?

É uma característica do governador do Estado do Rio e vou me ater de fazer comentários, porque é uma política dele. Nós participamos da intervenção federal no rio, eu ainda era oficial do Alto Comando do Exército, e foi feito todo um trabalho de gestão. O general Braga Netto (interventor) e o general Richard (secretário de Segurança) deixaram grande legado para a segurança pública do Rio. Muita coisa que se está conseguindo agora é fruto de viaturas novas, armamentos novos, equipamentos novo e material de inteligência.

Qual é a diferença do plano do governo de combate à criminalidade violenta para os planos nacionais de segurança que outros ministros da Justiça já tentaram implementar?

A grande diferença de tudo que já existiu, como UPP (no Rio), Pacto Pela Vida (em Pernambuco), é que esses planejamentos só visualizavam repressão. O Em Frente Brasil é um projeto integrado. Temos oito ministérios. Não vai ser só a repressão. Vai ser repressão seguida de um diagnóstico local de segurança. Especialistas já estão nos municípios vendo problemas de saúde, educação, saneamento básico, coleta de lixo, iluminação pública, creche, esporte e lazer. Está tudo incluído. Vamos entrar com a repressão para que Estado volte a ser presente, depois vamos entrar com toda a obrigação do Estado e não vamos mais sair.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dilma disse:

    Se tivessem isolado o CANALHA do luladrão, o número de ladrões no Brasil iria reduzir bastante, pois serviria de exemplo pra outros que ousassem fazer a mesma CANALHISSE. Com certeza o Brasil e os brasileiros sairiam ganhando.

FOTOS: Universitária de 23 anos sobrevive a queda de prédio de 24m ao fazer posição de ioga

Foto: Reprodução/Twitter

Uma estudante universitária, de 23 anos, caiu de uma altura de 24 metros ao fazer uma arriscada posição de ioga na varanda de um apartamento em Nuevo León (México) na tarde do último sábado.

Uma imagem de Alexa Terrazas antes de cair, pendurada de cabeça para baixo sem apoiar as mãos no parapeito da varanda, viralizou em redes sociais. Incrivelmente, a mexicana sobreviveu à queda, de acordo com reportagem do jornal “El Imparcial”.

Alexa sofreu várias fraturas nas pernas, nos braços, na bacia e na cabeça. Familiares afirmaram que a universitária não deverá voltar a andar nos próximos três anos. A cirurgia de reconstrução das pernas durou 11 horas.

Vizinhos comentararam que não eram raras as vezes em que viam Alexa fazendo a mesma posição na varanda. A polícia está investigando o caso.

Alexa Terrazas Foto: Reprodução/Twitter

Extra – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. fabio disse:

    o título da postagem leva a crer que a moça só não morreu porque fez a posição de Ioga.

  2. JHF disse:

    Venha fazer ioga aqui na ponte nova!!

  3. ventura disse:

    o povo pensa que maconha da asas.

Dólar opera em queda, mas ainda na faixa dos R$ 4; Bolsa volta ao patamar de 100 mil pontos

Foto: Kiyoshi Ota / Bloomberg

O dólar comercial iniciou a semana semana em queda, mas logo no meio da manhã a tendência foi invertida. A moeda americana registra alta de 0,77%, valendo R$ 4,036 nesta segunda-feira. Um possível diálogo entre autoridades americanas e chinesas leva um certo tom de alívio para o mercado, mas não afasta a volatilidade.

O Ibovespa, principal índice do mercado de ações, voltou ao patamar dos 100 mil pontos. O índice opera com alta de 0,76%, aos 100.562 pontos.

— A volatilidade, causada pelo cenário externo, ainda é muito grande. O noticiário, porém, está um pouco mais animador. Os diálogos entre as autoridades da China e dos EUA, além de o presidente Trump declarar que a suspensão de restrições sobre a Huawei podem ser extendidas, dão um tom mais positivo ao mercado — destaca Álvaro Bandeira, economista-chefe do Modalmais.

Larry Kudlow, diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, disse que representantes da China e dos EUA conversaram por meio de vídeo conferência na semana passada. Segundo ele, o dialógo produziu “notícias positivas”. Kudlow foi entrevistado pela rede americana Fox News neste fim de semana.

Internamente, a equipe econômica deve iniciar os debates a respeito do pacto federativo com os senadores nesta terça. A iniciativa busca dar mais poder a estados e municípios em relação a recursos que ficam retidos pela União.

Risco de recessão

Principal economia da zona do euro, a Alemanha pode entrar em recessão no terceiro trimestre em consequência de uma “contração” da produção industrial provocada pelas tensões comerciais internacionais, advertiu nesta segunda-feira o Banco Central (Bundesbank) em seu relatório mensal.

“A economia pode registrar uma nova contração neste verão, após um retrocesso 0,1% do PIB alemão no segundo trimestre”, alertou o Bundesbank.

Do lado europeu, as notícias não são animadoras. Na Ásia, entretanto, o cenário é mais positivo. O Banco Central da China (banco do Povo) apresentou uma importante reforma dos juros no sábado, com o objetivo de ajudar a reduzir os custos de empréstimo para empresas e sustentar a economia, a qual vem sendo afetada pela guerra comercial com os Estados Unidos.

O Banco do Povo da China afirmou que irá melhorar o mecanismo usado para estabelecer a principal taxa de empréstimo (LPR) a partir deste mês, em uma medida para reduzir a taxa de juros real a empresas como parte das reformas de mercado.

O Globo

 

PRF informa queda no número de motoristas presos por embriaguez ao volante em BRs do RN

Foto: PRF / Divulgação

A Polícia Rodoviária Federal registrou uma queda no número de motoristas presos em flagrante por estarem dirigindo sob efeito de álcool nas BRs que cruzam o Rio Grande do Norte. No primeiro semestre de 2018, a PRF prendeu 84 pessoas por embriaguez ao volante. Já nos primeiros seis meses deste ano, foram dois casos a menos, ou seja, uma redução de 2,4%. A PRF também destaca que houve uma redução no número de acidentes provocados por motoristas bêbados. Em 2018, foram 111 casos registrados no primeiro semestre, enquanto no mesmo período, em 2018, foram 90 acidentes causados por embriaguez ao volante – queda de 19% de um ano para o outro.

Na “contramão”, a PRF também destaca que aumentou a quantidade de motoristas autuados administrativamente, no caso em que o condutor se recusa a soprar o bafômetro ou a quantidade de bebida ingerida registrada após ele fazer o teste fica abaixo de 0,34 miligramas por litro de ar expelido. Os número caso informa que 573 pessoas foram autuadas no primeiro semestre de 2018, contra 643 autuações registradas nos primeiros seis meses de 2019 – o que representa um crescimento de 12%.

 

Municípios considerados polos no RN, Natal, Mossoró e Parnamirim, registram queda de homicídios entre 26,2% e 45,7%

Foto: Ilustrativa

A continuidade na redução dos números de Condutas Violentas Letais e Intencionais (CVLIs) ao longo dos meses em 2019 é destaque nesta sexta-feira(02) no Rio Grande do Norte. A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) divulgou dados que apontam um início de segundo semestre com diminuição nas estatísticas, quando comparado aos números de 2018.

Outro importante quesito de redução ocorreu em municípios considerados polos no Rio Grande do Norte, são eles Natal, Mossoró e Parnamirim. Na capital potiguar, a maior diminuição desde 2015, com índice 45,7% casos a menos. Em 2018, foram 322 ocorrências, 147 a mais do que em 2019, quando foram registradas 175. De acordo com a Coine, Natal ficou, ainda, oito dias sem nenhuma ocorrência de CVLI durante o mês de julho. Além de Natal, Mossoró reduziu em 26,2% as suas ocorrências na comparação entre 2018 e 2019, dado semelhante ao registrado em Parnamirim, com uma redução de 27,9%.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gil disse:

    Polo de produção de bandidos. O RN está se firmando como o Estado que produz a maior quantidade de bandidos no Brasil. Inclusive é especialista em produzir aqueles bandidozinhos pé-de-chinelo, que anda limpando o cu e com tatuagem mal feita.

  2. Ems disse:

    É Gópi !!!

Bolsonaro comemora queda no risco país

O presidente Jair Bolsonaro comemorou na noite desta segunda-feira (22) em publicação em sua conta oficial no Twitter a queda no Credit Default Swap (CDS), índice que mede o risco país, do Brasil. O CDS chegou a 128 pontos, índice que, segundo o presidente, é o menor patamar em cinco anos e que indica a “recuperação da confiança de investidores internacionais no Brasil.”

“Junto a avanços como ingresso na OCDE e acordo Mercosul-UE, estamos colocando o Brasil no lugar que merece”, acrescentou Bolsonaro em sua postagem.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fagner disse:

    E tem mais como cair, se tá no chão.

  2. Manoel disse:

    Porque a mídia e contra o presidente principalmente a Globo lixo.

  3. Ems disse:

    Estranho ! Segundo a mídia o Brasil vai de mal a pior.

Brasil registra queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018

Mortes mês a mês — Foto: Guilherme Gomes/G1

O Brasil registra uma queda de 23% nas mortes violentas nos primeiros quatro meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2018. É o que mostra o índice nacional de homicídios criado pelo G1, com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Somente em abril, houve 3.636 assassinatos, contra 4.541 no mesmo mês do ano passado. Já no 1º quadrimestre, foram 14.374 mortes violentas — 4,3 mil a menos que o registrado nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 2018.

A tendência de queda nos homicídios do país foi antecipada pelo G1 no balanço dos dois primeiros meses do ano, que apresentaram redução de 25% em relação ao mesmo período do ano passado, e no balanço das mortes violentas de 2018, que teve a maior queda dos últimos 11 anos da série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, com 13%.

O número de assassinatos, porém, continua alto. Nos primeiros quatro meses de 2019, uma pessoa foi assassinada a cada 12 minutos no país.

O levantamento faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados apontam que:

houve 4.314 mortes a menos no 1º quadrimestre de 2019

todos os estados do país apresentaram redução de assassinatos no período

em abril, apenas quatro estados tiveram um número maior de mortes em relação ao mesmo mês de 2018: Amapá, Paraná, Piauí e Tocantins

quatro estados tiveram quedas superiores a 30% em quatro meses: Ceará, Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte

em números absolutos, o estado com a maior redução foi o Ceará, com 845 vítimas a menos no período

Todos os estados registram redução no número de mortes violentas — Foto: Gabriela Caesar/G1

Para entender o que pode estar por trás da tendência de queda, o G1 foi a fundo nos cenários de segurança pública de três estados que se destacaram por suas reduções desde 2018: Acre, Ceará e Rio Grande do Norte. Especialistas, integrantes e ex-integrantes dos governos e entidades foram consultados para levantar as principais medidas tomadas nos estados que podem ter resultado na queda da violência.

Entre as medidas adotadas estão:

Ações mais rígidas em prisões, como constantes operações de revistas e implantação do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD)

Isolamento ou transferência de chefes de grupos criminosos para presídios de segurança máxima

Criação de secretaria exclusiva para lidar com a administração penitenciária

Criação de delegacia voltada para investigar casos de homicídios

Integração entre as forças de segurança e justiça

Como o levantamento é feito

A ferramenta criada pelo G1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Em março, o governo federal anunciou a criação de um sistema similar. Os dados, no entanto, não estão atualizados como os da ferramenta do G1. O último mês disponível é janeiro de 2019 (e não há números de todos os estados).

Os dados coletados mês a mês pelo G1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço de 2018 foi publicado pelo Monitor da Violência separadamente, em abril.

Mapa mostra mortes violentas em abril — Foto: Arte/G1

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carlos Araújo disse:

    Se a notícia for ruim dirão que é culpa de Fátima, se a notícia for boa dirão que é mérito de Bolsonaro.

  2. Lourdes Siqueira disse:

    Que os brasileiros comemorem os índices. É uma maravilha pra todo mundo, minha gente. Seja esqueça ou direita. Roubo, assassinatos, estupro não tem partido. As vezes eu acho que tem gente que prefere que a violência aumente, mesmo que leve um tiro na cabeça ou um filho, do que aceitar que está melhorando só por ódio ao Presidente.

  3. Manoel disse:

    Isso só pode ser “culpa” de Bolsonaro e Moro!

  4. Antenado disse:

    Não é só deste ano de 2019. Desde o ano passado que vem caindo o índice. Efeito Bolsonaro.

  5. RILKE BARTH disse:

    Excelente notícia!

Bolsonaro critica “especialistas” sobre queda de homicídios no Brasil: “se o número tivesse aumentado, certamente culpariam o governo”

Pelas redes sociais,o  presidente Jair Bolsonaro(PSL) celebrou na tarde desta segunda-feira(13) a queda de 24% dos homicídios no Brasil no primeiro trimestre deste ano comparado ao ano mesmo período ano passado.

Por fim, criticou “especialistas”, que dão poucos méritos ao atual governo. “Se o número tivesse aumentado, certamente culpariam o governo”, disse.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gaius Baltar disse:

    Medidas de segurança levam meses ou até anos para terem efeito, então é óbvio que a queda da criminalidade não tem a ver com o governo atual, até porque segurança pública é atribuição dos governos estaduais.
    Se algum especialista atribuísse um eventual aumento da criminalidade à gestão do governo atual seria tão leviano quanto querer atribuir a queda ao mesmo governo.

  2. Rosa disse:

    Valeu mito, essa foi na mosca. Kkkkkkk

    • eron disse:

      Esse Jumento desse presidente tomou alguma medida para a violência diminuir? Não lembro de nenhum programa ou investimento dele até agora. Somente vi ele dizer que bandido bom é morto. Será que o filho dele e Queiroz, servem para a premissa…?

    • Rosa disse:

      Pra neutralizar bandidos e petralhas, só bater o pé e eles tremem

Divergências de interpretações e temor em perder processos e ter que arcar custos contribuem para queda de 47% de ações trabalhistas no RN

O Tribunal Regional do Trabalho destaca uma queda em 2018 de 47% no número de ações trabalhistas ingressadas na Justiça do Trabalho no Rio Grande do Norte. A reforma trabalhista, em vigor há mais de um ano é uma das responsáveis pela queda.

Segundo dados do Tribunal, no ano passado foram registradas 18.110 novas ações, enquanto que nos anos anteriores, 2016, registrou-se 34.321, e em 2017, 29.884 ações.

Especialistas na área avaliam que a retração das ações é causada por dois pontos determinantes: a insegurança jurídica diante de divergência de interpretações dos pontos alterados e, por fim, pelo temor do trabalhador em perder a ação e ter que arcar pelos custos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gabriel Fonseca disse:

    BG, outro ponto a ser observado é que os anos anteriores foram o ápice da crise, com muitas empresas fechando as portas sem pagamento das rescisões (o que contribui com esse elevado número de ações). Passado esse período, a maioria dos trabalhadores atingidos por essa crise já buscou o judiciário. É absolutamente normal que economias em crescimento possuam um menor número de ações, e quando essa mesma economia entra em colapso, como ocorreu desde 2014/15 no Brasil, o número cresce e depois tende a voltar ao normal, como está acontecendo agora. Em resumo: São vários fatores a serem observados por trás desse número, não apenas atribuir a queda do número de ações aos efeitos da reforma trabalhista.

  2. Gpms disse:

    Se realmente houver divida q seja cobrada, e vms acabar c essa % dos "trabalhadores" e advogados trabalhistas oportunistas. Da até mais coragem de empregar!

  3. IBMendonca disse:

    É uma vergonha!
    Para os empresários, dão todas as regalias que pedem!!
    Para os trabalhadores, dão o desprezo!!
    E ainda falam em oportunismo. Hammm, é brincadeira…
    Oportunista é quem não paga os direitos dos trabalhadores visando enriquecer a si próprio. Oportunista é quem não paga os impostos visando obter um parcelamento de dívida pelo REFIS que por sinal nunca são pagas.
    Oportunista é recolher o FGTS do trabalhador e não depositar na conta do beneficiário e etc…
    No Brasil tá cheio desse tipo de empresário… que bate no peito e diz: EU SOU EMPREENDEDOR!!! Parabéns fera…

    • Luciana Morais Gama disse:

      O maior direito que o trabalhador tem ele não usa. É o direito de pedir as contas. Eu fiz isso e hoje tenho um pequeno comércio.

  4. Lampejao disse:

    So quem ganha com Justiça Trabalhista é Advogado,e haja mentira!!!!!!

  5. Ivan disse:

    Ações mirabolantes, fictícias e mentirosas, têm enricado muito advogado trabalhista e inviabilizado muito posto de trabalho!!! Quem trabalha e produz agradece…Quem vive de oportunismo lamenta….

  6. Pato Amarelo disse:

    O trabalhador está com MEDO de acionar a Justiça para defender os seus direitos.

  7. Luciana Morais Gama disse:

    Agora é proibido mentiras, somente isso.

    • potiguar disse:

      têm detectores de mentira na Justiça do Trabalho? Quando essas engenhocas alcançaram os outros ramos do direito?

    • Ceará-Mundão disse:

      Verdade, Luciana. A indústria das ações judiciais sofreu um enorme baque. O desenvolvimento econômico do país agradece.

Estimativa para a inflação deste ano cai de 4,13% para 3,94%

(Arquivo/Agência Brasil)

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano caiu pela quinta vez seguida.

De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada nesta segunda-feira (26), em Brasília, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA – a inflação oficial do país) deve ficar em 3,94%. Na semana passada, a projeção estava em 4,13%.

Para 2019, a projeção da inflação passou de 4,20% para 4,12%. Não houve alteração na estimativa para 2020: 4%. Para 2021, passou de 3,90% para 3,86%.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%.

Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Já para 2020, a meta é 4%, e, para 2021, 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).

Taxa básica de juros

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano.

Para o mercado financeiro, a Selic deve permanecer em 6,5% ao ano até o fim de 2018.

Em 2019, a expectativa é de aumento da taxa básica, terminando o período em 7,75% ao ano. A previsão anterior era 8% ao ano. Para o término de 2020 e 2021, a expectativa segue em 8% ao ano.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico

As instituições financeiras ajustaram a estimativa para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, de 1,36% para 1,39% em 2018.

Para os próximos três anos, a estimativa segue em 2,50% nos próximos três anos.

Dólar a R$ 3,70

A expectativa para a cotação do dólar segue em R$ 3,70 no fim deste ano, e passou R$ 3,76 para R$ 3,78, no término de 2019.

Agência Brasil

 

Petrobras anuncia queda de 1,59% no preço da gasolina para esta quinta

Foto: Igor do Vale/Folhapress – 21.07.2017

A Petrobras anuncia que, com o reajuste que entrará em vigor na quinta-feira (14), o preço médio do litro da gasolina A sem tributo nas refinarias será de R$ 1,9351, com queda de 1,59% em relação à média atual de R$ 1,9664. Já o preço do diesel segue congelado em R$ 2,0316.

R7, com Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. jbvckdjk disse:

    Ela vai anunciar 20 vezes e nao vai abaixar nos posto. Ja houve unas 6 baixas nas ultimas semanas e nenhuma nas bombas. PQ???

    • Ângelo Júnior disse:

      A gente não ver a redução nos postos.
      Vejam só: a Petrobrás faz a redução, os postos não reduz, mas quando a petrobras aumenta, os postos aumentam. Portanto, o valor que caso, os postos reduzissem o preço, quando ocorresse aumento, não se elevaria, pois o que era antes volta a ser depois, porém, nessas práticas, não existe o antes é só o depois e, assim essa politica só prejudica o consumidor e, quem ganha é o Governo na arrecadação e donos de postos nos lucros.
      Exemplo: se a gasolina fosse 4,50 e fosse para 4,40 mas não foi. Depois ela subiu de preço com a mesma variação de redução, era para volta ao valor anterior, mas como não é assim, ela sai de 4,50 para 4,60.

    • Leo disse:

      É o livre mercado e o capitalismo de cartel q tem muita gente querendo, colega.

Preço da gasolina cai 0,68% nas refinarias a partir desta terça, após duas altas seguidas

Por interino

O preço da gasolina nas refinarias da Petrobras passará a ser R$ 1,9976 a partir desta terça (5) – uma redução de 0,68% em relação aos R$ 2,0113 vigente desde o último dia 2.

A redução é registrada depois de duas altas consecutivas do produto. No sábado, a estatal tinha elevado o preço da gasolina em 2,25%, após um aumento de 0,74% anunciado na quarta-feira (30).

Agência Brasil