Diversos

UERN emite nota à comunidade acadêmica

Nota à Comunidade Acadêmica

A Administração Central da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), a respeito do processo de consulta à comunidade para composição de lista tríplice para escolha de reitor e vice-reitor, considera importante trazer ao público os esclarecimentos seguintes, prezando pela informação correta, honesta e justa em relação ao que definiu o Conselho Universitário – CONSUNI, e repudia deturpações e falsas informações propagadas com o objetivo de confundir a comunidade e colocar em dúvida a lisura e seriedade do trabalho realizado pela equipe de gestão universitária da Uern.

Resolução 014/2020-CONSUNI, que estabelece normas complementares para a composição de lista tríplice para escolha de Reitor e Vice-reitor, Diretor e Vice-Diretor de Unidade Universitária e Chefe e Subchefe de Departamento Acadêmico, o Conselho Universitário define, no Art. 2º, § 1º que: “a consulta será conduzida pelo Consuni, através da Comissão Eleitoral designada especialmente para essa finalidade”. Tal apontamento faz-se necessário para reafirmar que não compete à Reitoria da Uern, mas sim à Comissão Eleitoral, a condução, acompanhamento e supervisão de todo o processo. Cabe à Administração Central prestar o apoio necessário e demandado pela comissão para o bom andamento dos trabalhos. Instituída, a comissão é autônoma e independente, devendo submissão de suas decisões, quando achar necessário, somente ao Consuni, órgão colegiado, representativo e instância máxima da universidade. Atribuir à gestão universitária medidas tomadas em relação à condução deste processo trata-se de ato de desinformação e postura repudiável.

Ainda conforme a Resolução 014/2020 – CONSUNI, em seu Art. 5º, a Comissão Eleitoral é nomeada pela reitoria e composta por sete membros, sendo 01 docente indicado pela Associação dos Docentes da Uern (Aduern), 01 técnico administrativo, indicado pelo Sindicato dos Técnicos-Administrativos da Uern (Sintauern), 01 discente indicado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE), 02 conselheiros indicados pelo Consuni e 02 servidores da Fuern indicados pela Reitoria. Desta forma, no dia 07 de janeiro de 2021, foram nomeados para compor a comissão, por meio da Portaria 01/2021 – GR-UERN, os seguintes servidores: Patrícia Batista Barra (Aduern), Geovani Carlos de Andrade Filho (Sintauern), Antônio de Medeiros Pereira Filho (DCE), Álvaro Marcos Pereira Lima e Lucas Moreira Rosado (Consuni), e Armando Lúcio Ribeiro e Jônatas Marques de Andrade (Reitoria). Constituída a comissão, todas as decisões a respeito da consulta à comunidade passam a ser prerrogativas dela, não cabendo à Reitoria ingerência no trabalho desta equipe.

Por meio da Resolução 02/2021 – CONSUNI, o Conselho Universitário instituiu modelo de votação por meio de plataforma virtual na consulta para formação de lista tríplice para Reitor e Vice-Reitor. Da mesma forma, a Resolução 014/2020-CONSUNI, com as alterações dadas pela Resolução 02/2021-CONSUNI, garante que entre as competências da Comissão Eleitoral está “emitir instruções sobre a sistemática de votação” (Art.8º, V). Outra vez, esclareça-se: não coube, nem cabe, à Reitoria a determinação de modelo de votação, nem tampouco de instruções sobre a sistemática de votação, mas sim ao Conselho Universitário e à Comissão Eleitoral.

Com base nas prerrogativas expressas pelas Resoluções 014/2020 e 02/2021 do Consuni, a Comissão Eleitoral expediu a Instrução Normativa 001/2021 – CE/UERN, que “estabelece normas complementares referente ao processo de eleição para composição da lista tríplice para a escolha de Reitor(a) e Vice-Reitor(a) da UERN”. Em seu Art.6º, § 4º, a instrução define que: “Para efetivação de seu direito ao voto o eleitor deverá realizar cadastro prévio na plataforma Sigaa até a data limite de 12/04/2021”.

Em decisão liminar, referente ao Processo nº0806865-50.2021.8.20.5106, a juíza Adriana Santiago Bezerra, da 3ª Vara da Fazenda Pública de Mossoró, determinou a suspensão da exigência contida no Art.6º, §4º da referida Instrução Normativa, expedida pela Comissão Eleitoral. Para a magistrada, tal exigência “impõe restrição em desacordo com a Resolução nº 014/2020-CONSUNI”. A decisão impõe também que “seja assegurado o direito ao voto a todos os eleitores cujos nomes estiverem incluídos em lista publicada no Jouern, nos termos do Art.66, da Resolução nº 014/2020-CONSUNI, sendo que, na impossibilidade técnica de cumprimento, proceda com a suspensão do pleito até a habilitação na plataforma virtual de todos os eleitores aptos a votar”. Com base na decisão, mantida após negativa de recurso impetrada pela Uern junto ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, a Comissão Eleitoral suspendeu a eleição, marcada para a última quarta-feira (14/04).

Cumpre-nos esclarecer que, conforme assegurado pela Diretoria de Informatização (DINF/UERN), todos os eleitores cujos nomes estão incluídos na lista de aptos a votar, publicada no Jouern, já se encontram inseridos no Sigaa, em situação de pré-cadastro, restando a eles apenas a validação/confirmação de seus dados no sistema (cadastro), para geração de login e senha. A necessidade de geração de senha individual, por parte de cada usuário, é condição necessária para a garantia de segurança dos seus dados e do seu voto. Tal procedimento segue rotina padrão do sistema SigEleição, sendo semelhante em todos os processos realizados em diversas universidades e institutos federais brasileiros que utilizam este sistema para escolha de seus dirigentes. Para suporte e auxílio aos usuários que encontrem dificuldade durante a validação/confirmação de seu cadastro, a Uern colocou à disposição da comunidade – a pedido da Comissão Eleitoral – equipes de suporte técnico remoto de plantão, garantindo a solução do caso em sua totalidade em todos os atendimentos. Tal suporte continuará sendo oferecido, inclusive durante todo o dia de votação, caso a Comissão Eleitoral considere pertinente e demande tal necessidade.

Por fim, asseguramos que não há, em nenhum momento, qualquer ato expedido ou determinado pela Reitoria da Uern que limite ou coloque em risco a participação da comunidade acadêmica no processo democrático de escolha dos novos dirigentes da instituição. Atribuir à Reitoria a responsabilidade por medidas referentes à condução do processo de consulta em questão demonstra desconhecimento das normas institucionais vigentes, apresentadas anteriormente, ou simplesmente má-fé de quem busca macular a seriedade, compromisso e zelo que essa equipe de gestão tem com a administração da universidade. Ao tempo que reafirmamos a confiança na independência e lisura do trabalho feito pela Comissão Eleitoral e das decisões do Consuni, já estamos prestando as informações e esclarecimentos necessários à justiça, buscando uma solução rápida para o caso, de forma a garantir que o Conselho Universitário possa definir nova data de votação o mais breve possível. A democracia é valor inestimável, intimamente ligada a uma condição que se faz ainda mais urgente em nossos dias: a defesa da verdade.

Profª Fátima Raquel Rosado Morais
Reitora em exercício da UERN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Comunidade científica desconfia que há algo errado com a Coronavac

FOTO: REUTERS / Amanda Perobelli (Amanda Perobelli/Reuters

A ausência da apresentação de dados de eficácia sobre a vacina Coronavac nessa quarta-feira, dia 23, durante coletiva de imprensa realizada no Instituto Butantã, deixou a comunidade científica preocupada em relação à eficácia do imunizante. O governo de São Paulo já havia adiado a apresentação dos dados, programada inicialmente para o dia 15. Agora, a divulgação foi novamente postergarda. O novo anúncio do resultado dos testes está programado para daqui a duas semanas.

“O problema é que a falta de uma explicação mais consistente sobre o motivo de tantos adiamentos começa a deixar os cientistas desconfiados de que pode ter havido algum problema com a vacina”, diz Maria Amélia Veras, epidemiologista da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo e do Observatório Covid-19 BR.

Segundo o Instituto Butantã, os dados não foram apresentados porque haveria divergências com os resultados dos testes clínicos em países como a Turquia e a Indonésia, onde as avaliações também estão sendo conduzidas.

Os cientistas brasileiros que vêm acompanhando a evolução da vacina dizem que poucos voluntários receberam a dose de imunização na Turquia e na Indonésia, o que não justifacaria um problema de divergências nos testes. “A maior parte dos testes aconteceu no Brasil mesmo”, diz Fernando Reinach, biológo, PHD em biologia celular e molecular pela Cornell University e autor do livro “A Chegada do Novo Coronavírus no Brasil”.

“O novo adiamento dos resultados dos testes de fase 3 da Coronavac levantam a suspeita de que possa haver algum problema com a eficácia da vacina ou com o ensaio clínico do Butantã”, afirma Reinach.

Existe a desconfiança de que os resultados possam ter sido inconclusivos ou que a vacina teria uma baixa eficácia, já que o Instituto Butantã ainda não divulgou os dados que sobre o índice de eficiência do imunizante. “Toda a comunidade científica esperava que os resultados fossem divulgados nesta quarta, conforme o Butantã havia anunciado, e ficamos pasmos com o cancelamento da abertura das análises”, diz Veras.

Os cientistas também se revelam preocupados pelo fato de que nem mesmo a China registrou a vacina ainda. “Não sabemos muito bem o que se passa na China, por se tratar de um país fechado”, afirma Gonzalo Vecina, médico sanitarista e presidente da Anvisa entre 1999 e 2003. “Pode ser que estejam tomando um cuidado especial ou estejam envoltos em questões burocráticas, mas o fato é que sem o registro da vacina na China é impossível haver um registro pela Anvisa no Brasil”.

Vecina também alerta que o resultado dos ensaios clínicos de fase 3 ainda não foram publicados em revistas científicas, o primeiro passo de processos de comprovação da eficácia de vacinas e medicamentos. Após a publicação, a comunidade científica internacional analisa os dados do estudo e dá seu parecer.

Outro fator potencialmente preocupante é o real índice de eficácia da Coronavac. De acordo com o Butantã, os testes clínicos mostraram um índice de eficácia no limiar de 50%, embora ninguém tenha visto os dados. Outras vacinas, como as da Pfizer e Moderna, apresentam uma eficácia de 95%.

“Uma taxa de 50% significa que apenas metade da população que receber a vacina estará de fato imunizada”, explica Vecina. Caso isso aconteça, um dos problemas que é a população pode acreditar que está totalmente imunizada e descuidar de medidas essenciais como usar máscara e manter o distanciamento social, embora ao menos parte das pessoas de fato adquira anticorpos contra o coronavírus.

A comunidade científica também acredita que o calendário de vacinação proposto pelo governo de São Paulo, com início em 25 de janeiro, talvez precise ser revisto. Como a divulgação dos dados sobre os testes 3 da vacina foram postergados para 15 dias, existe uma probabilidade de não haver tempo hábil para providenciar o registro junto à Anvisa e começar a imunização em janeiro. Além disso, é preciso que antes a China registre a vacina.

Até agora, as vacinas que já obtiveram registros em órgãos internacionais são as da Pfizer e da Moderna, autorizadas nos Estados Unidos. “Em relação à Coronavac, o processo não caminhou tanto assim”, diz Vecina.

Exame

 

Opinião dos leitores

  1. E os jumentinhos do Lula estão doidinhos pra tomar essa vacina, apliquem logo nesses acéfalos e deixa se lascar esses vermes.

  2. BG!
    Já já essa Coronadoriana, chega a 25 de Março.
    O chá lá, se ja não exister e estão vendendo.
    Brasil sil sil sil.

  3. Embora trabalhe na área da saúde não sou imunologista e não tenho sapiência para dizer qual vacina é válida. Isso é tarefa das autoridades de saúde, no caso a Anvisa. Se a Anvisa liberar pra uso eu acredito e utilizo. Se não liberar não tomo. Simples assim. Vamos parar de politizar até vacina e nos atermos à ciência.

  4. A melhor opção é Moderna e Pfizer. A logística que ainda atravanca muita coisa ( sem contar a má vontade do governo )

  5. Dória se mandou para os EUA para tomar vacina confiável, Hô Dória escroto, Hô Doriana cara de pau.

  6. O nome dessa vacina deveria ser COROPOLITICA , absurdo desses FDPs , pelo poder estão fazendo política com a saúde e prevenção do povo , os PTralhas nessa hora estão TODOS CALADOS , estavam IDOLATRANDO O DORIA , cadê esses RATOS PTralhas ???

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

IDE e educador português debatem a transformação da escola em comunidade de aprendizagem

Foto: Divulgação

O Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE) põe em discussão a necessidade de transformar a escola enquanto resposta à falta de motivação de crianças e jovens para se manterem engajados com os estudos. “É cada vez mais comum as queixas das escolas quanto à dispersão dos estudantes que influencia nos resultados de aprendizagem e é preciso identificarmos os motivos e as soluções”, destaca Cláudia Santa Rosa, diretora executiva do IDE.

Constata-se que a escola predominante no Século XXI ainda é a mesma que foi estruturada há 200 anos. A crença é de que a aprendizagem só acontece por meio de lições repassadas pelo professor, num modelo de aula padronizado, com forte apelo às longas exposições. Consequentemente, a escola se mantém fechada nela própria, reduzida aos limites de um prédio, muitas vezes sem dispor das condições apropriadas ao desenvolvimento integral de quem aprende.

Para discutir uma pauta urgente, o IDE vem realizando uma agenda semanal de debates sobre importantes temas que afetam a escola, especialmente em tempo de pandemia. O projeto “Diálogos em Defesa da Educação” receberá o educador português, José Pacheco, idealizador da revolucionária Escola da Ponte, localizada no norte de Portugal, que vai discutir a necessidade de a escola ser repensada para sobreviver na atualidade. O encontro acontecerá nessa terça-feira (14), às 19h30, pelo Instagram @ClaudiaStaRosa.

O caminho para fortalecer a educação formal, que José Pacheco defende, é o da inovação, por meio da transformação da escola em comunidade de aprendizagem, um conceito que reconhece os círculos de vizinhança como potencialidades para ampliar os espaços de aprendizagens para além do prédio escolar.

“Pacheco é incansável na luta por uma educação libertadora. O que ele fez na Escola da Ponte já foi extraordinário, mostrou que a utopia pedagógica é realizável. Agora ele dá um passo adiante com a proposta de espalharmos comunidades de aprendizagens por todos os lugares”, comenta Santa Rosa, que, em 2008, defendeu tese de doutorado em educação a partir de uma profunda pesquisa realizada na Escola da Ponte.

A professora Santa Rosa vem implementando projetos em escolas de Natal, baseados em sua tese de doutorado, sempre com enorme sucesso, basta dizer que a escola com o IDEB mais alto do RN (7.1), foi a primeira que ela implantou a experiência: a Escola Estadual Hegésippo Reis, no bairro Nova Descoberta. Na Escola Estadual de Tempo Integral Dr. Manoel Dantas o trabalho começou em 2015. A instituição tinha medido IDEB 2.5 em 2013 e subiu para 5.8 em 2017. “Com essa Live queremos inspirar professores para inovar e o momento de retorno das escolas às atividades presenciais será muito oportuno”, destaca Cláudia.

Serviço

LIVE no Instagram: @ClaudiaStaRosa

Data: 14/07/2029

Hora: 19h30

Tema: Comunidades de aprendizagem – um novo jeito de fazer educação no retorno às escolas.

Debatedores: José Pacheco e Cláudia Santa Rosa

Opinião dos leitores

  1. Nos anos 70's quando andei ligado ao ensino, numa altura agitada (pós – revolução) aqui por Portugal, e quando se implemantaram inúmeras reformas do ensino, recordo-me de um mestre Rui Grácio que publicou um trabalho, que guardo, "Os Professores e a reforma do Ensino" pertence à Biblioteca do Educador Profissional. Neste trabalho lê-se: "…nada na vida individual e colectiva dos homens é alheio à política, banalidade que só a ignorância ou má fé se atrevem a impugnar."

    Vale a pena ler!

  2. Como pré-candidato a prefeito de Sao Vicente RN, Pedagogo com especialidades em Gestão de Negócios, MBA em Gestão de Pessoss (RH) e uma vida dedicada a Gestão na Petrobras, sonho com minha cidade transformada numa cidade voltada para a aprendizagem libertadora, numa comunidade de aprendizagem – um novo jeito de fazer educação.
    Identiquei-me na hora com o projeto, vou além, incluiria o item a parte, a escola com uma área especificas para preparação para concursos de acesso as melhores escolas ou empregos no Pais.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Covid-19: Semarh e Comunidade de Oiticica decidem adiar obras da Barragem até 20/05

FOTO: ASSECOM/RN

Após diálogo com o Movimento dos Atingidos pela construção da Barragem de Oiticica e a constatação, pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), de que o Consórcio EIT/Encalso não teria condição de cumprir as exigências sanitárias e preventivas para evitar contágio da Covid-19, o Governo do Estado adiou, até o próximo dia 20, a retomada das obras do reservatório, em Jucurutu.

Em nota endereçada à Governadora Fátima Bezerra, a comunidade expôs preocupação com a atual situação de crescimento acelerado do conta´gio da Covid-19 no interior, levando em consideração que a maioria dos trabalhadores da obra sa~o moradores de Barra de Santana, a comunidade a ser realocada.

Os recursos de R$ 50 milhões destinados ao Complexo de Oiticica são provenientes das emendas impositivas da bancada federal em 2019, então não existe a possibilidade de serem contingenciados. Eles se encontram na conta da Semarh e parte já foi utilizado para pagamento de faturas.

“A questão de Oiticica e a redenção hídrica do Seridó é uma prioridade que sempre esteve pautada nas minhas principais lutas enquanto pessoa pública. E agora como governadora não é diferente. Estamos trabalhando com muito afinco e não mediremos esforços para tornar possível esse sonho da região do Seridó” enfatiza a governadora Fátima Bezerra.

Logo que o Consórcio concluir a implantação de todos protocolos e medidas preventivas quanto a contaminação por COVID-19, será feita uma vistoria com a Sesap, para atestar o cumprimento do que foi pactuado. Até que isso aconteça, a orientação ao consórcio é que garanta o pagamento do salário dos trabalhadores, uma vez que não existe nenhuma fatura em atraso.

Opinião dos leitores

  1. Só na "Caixa Pregos", mesmo. Um Estado paupérrimo e uma comunidade *pobre de marré" esnobando para R$50 milhões e mais de 300 empregos diretos. E ainda por cima em se tratando de uma estrutura hídrica numa das regiões mais secas do Brasil. Governadora, pelo amor de Deus tome jeito!!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Sem prazo para retorno de atividades, reitor publica Carta à comunidade da UFRN

Foto: Cícero Oliveira

O reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), José Daniel Diniz, envia carta aberta à comunidade universitária sobre as ações de combate ao novo coronavírus (Covid-19). Confira o texto:

Natal, 22 de março de 2020.

Vivemos um momento particularmente difícil, com a chegada do novo coronavírus (Covid-19), que tem afetado a todos nós e a cada família brasileira, numa ocorrência que – por seu caráter de pandemia – verifica-se hoje em todos os lugares do mundo.

Na UFRN, bem no início da crise, criamos o Comitê Covid-19, formado por especialistas nesta área de conhecimento para nos assessorar nas decisões tomadas pela instituição. Atendendo sua recomendação, suspendemos por tempo indeterminado, as aulas, os eventos e, em seguida, todas as atividades presenciais não essenciais. Sabemos o quanto isso afeta as vidas de todos nós. Mas essa foi uma medida necessária para diminuir o convívio social enquanto durar o risco de transmissão do vírus.

A UFRN segue cumprindo sua missão institucional de compromisso com a sociedade, atuando em várias frentes para apoiar o enfrentamento dessa crise. Os nossos três hospitais universitários são parte do esforço conjunto em todo o estado, no combate ao novo coronavírus. O Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas está realizando exames de arboviroses para reduzir a demanda do Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte. Outro esforço, coordenado pelo Instituto de Medicina Tropical (IMT-UFRN), consiste na busca de aquisição de insumos necessários para iniciar testes do Covid-19. Além disso, uma linha de teleatendimento está sendo avaliada para implementação pelo IMT para informar e tirar dúvidas da população.

Estamos também buscando alternativas para a produção de álcool no Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (Nuplam-UFRN) e no Departamento de Farmácia. Várias outras medidas podem ser tomadas, a exemplo da iniciativa do Departamento de Nutrição e do Programa de Pós-Graduação em Nutrição, que elaboraram uma cartilha nutricional de orientações de enfrentamento ao coronavírus. Ações como essas são muito importantes e exemplificam como a nossa diversidade de áreas de conhecimento permite contribuir de diferentes maneiras.

Não é possível ainda saber quando nossas atividades poderão ser retomadas. Por oportuno lembramos que ficar em casa e evitar contato físico com as pessoas é também uma maneira de ajudar e conter a disseminação do vírus. Portanto, pedimos a manutenção do diálogo pelos diversos canais de comunicação, em especial por meio dos nossos sistemas.

Por fim, queremos registrar os nossos sinceros agradecimentos aos servidores dedicados dos nossos hospitais, que estão e continuarão à frente deste enorme esforço de atendimento à população, bem como a todos os outros que mantêm as atividades essenciais.

Reiteramos a necessidade de ressaltar que o momento exige ainda mais solidariedade de cada um de nós. Estamos confiantes de que superaremos unidos este momento e que dele haveremos de sair mais fortes.

Agradecemos a compreensão de cada um e reforçamos que a UFRN continuará à disposição do nosso estado e do nosso país.

José Daniel Diniz Melo
Reitor

Opinião dos leitores

  1. Sair mais forte? O Brasil vai sair dessa destroçado. Os danos serão gigantes com milhões de desempregados à beira de passar fome.

    1. Sugira o que se deve fazer! Já está tão convicto do que vai acontecer…

    2. Uma das soluções possíveis, é isolar apenas os idosos e pessoas do grupo de risco, o restante da população continuaria girando a economia.

      Mas teria de haver um cuidado grande com os idosos, eles parariam de abraçar os netos, ficariam em cômodos separados, quando fossem comer as embalagens deveriam ser limpas e etc.

      Soluções existem, mas a mais fácil e preguiçosa é dizer: Ninguém mais sai de casa!

      É a mesma coisa de proibir carros de transitarem pra parar com os acidentes de carro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

OPORTUNIDADE: UFRN oferece jiu-jitsu também para a comunidade externa

Foto: Reprodução/Yotube

O esporte tem se tornado um importante aliado na formação dos indivíduos, por isso há 11 anos a Escola de Ciências e Tecnologia (ECT) da UFRN promove o projeto Arte Suave na UFRN, com aulas de jiu-jitsu. Voltados para alunos, servidores da UFRN, terceirizados e toda a comunidade externa, os treinos acontecem todas as terças e quintas-feiras, das 16h30 às 18h30, no ginásio da UFRN. Para participar, os interessados devem se inscrever no salão de lutas da UFRN.

Com o objetivo de somar experiências acadêmicas relativas ao esporte educacional e disciplinas afins, o projeto reafirma a extensão universitária como processo de aproximação entre a universidade e comunidade.

Arte Suave na UFRN já abarcou várias pessoas, formou faixas pretas e conquistou medalhas em campeonatos, inclusive nacionais. Além disso, tem sido fundamental no serviço à comunidade, pois proporciona conhecimento, saúde e melhor qualidade de vida por meio da atividade física, do treinamento marcial e do convívio social.

Com informações da UFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Departamento de Arquitetura da UFRN divulga carta aberta à comunidade quanto ao Plano Diretor de Natal, que visa à verticalização da orla da capital

Departamento de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (DARQ) se pronunciou, por meio de uma carta aberta, acerca do posicionamento de membros do Departamento quanto ao Plano Diretor de Natal, que visa à verticalização da orla da capital e deve ser votado no primeiro semestre de 2020.

No decorrer do documento, assinado pelo DARQ e apoiado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo (CAU), pelos programas de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU) e em Projeto, Arquitetura e Meio Ambiente (PPAPMA) e pelo Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo (CAAU) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o Departamento reitera seu “seu compromisso histórico e público de mais de 40 anos com a formação profissional no estado do Rio Grande do Norte”.

O DARQ afirma ainda que “nunca deixou nem deixará de participar e de se posicionar nas questões que dizem respeito ao campo profissional da arquitetura e do urbanismo”, o que inclui as dimensões do projeto urbano, suas relações com o conforto ambiental e os direitos sociais, entre outros inscritos na Constituição Federal e no Estatuto da Cidade. Com isso, “o DARQ não pode fugir a sua responsabilidade social, uma vez que essas dimensões estão presentes na discussão e nos debates do Plano Diretor de Natal”.

Leia a carta completa.

Com informações da UFRN

Opinião dos leitores

  1. Falou, falou, falou….. e não disse nada. Apenas uma "carta aberta" recheada de ideologia.
    "Tempos de intolerância e ataques à educação pública", apenas reforçou o conceito que eu já tinha desses que fazem o tão "excelso e incriticável" Departamento de Arquitetura da UFRN! Apenas a vanguarda do atraso e defensores da perpetuação da pobreza.

    Do que adianta a UFRN formar engenheiros e arquitetos se não não se pode conatruir aqui devido a esse "maravilhoso" Plano Diretor? Vão construir em outros Estados e no fim das contas não é a Natal que este Departamento está servindo. Parabéns aos envolvidos!

  2. A melhor urbanização da orla foi a de João Pessoa. Fortaleza e Recife, repetiram o erro do Rio de Janeiro, com a construção de um paredão de arranhas-céu na primeira rua da praia.

  3. O departamento tem demonstrado forte ódio a qualquer coisa que lembre Dubai, preferindo ver pessoas sem possibilidade de vender ou negociar seus imóveis dadas as fortes limitações do plano diretor, pessoas, milhares já teriam mudado de vida não fosse a perda do direito de valorização de suas áreas e embelezamento da cidade , atraso fortemente causado pelos atuantes agentes de um plano diretor travante

  4. Contrate um (a) arquiteto (a) desse grupo, pague bem e aí verá quem manda nele (a).

  5. Basta ler o último parágrafo para perceber que não se trata de uma mera discussão quanto aos aspectos arquitetônicos da cidade:
    "Em que pese esse percurso respeitável de produção acadêmica e profissional, o
    conhecimento assim gerado tem sido objeto de ataques e críticas infundadas ao longo
    do processo de revisão do Plano Diretor de Natal, que escamoteiam e confundem o
    debate democrático. Desta forma, em tempos de intolerância e ataques à educação
    pública, o DARQ reafirma a importância da livre exposição de ideias, dados técnicos e
    científicos, por meio de seus projetos de pesquisa e extensão validados pela UFRN
    como contribuição para toda a sociedade."
    O DARQ defende a "livre exposição de ideias", mas diz que as críticas que recebe são infundadas e "que escamoteiam e confundem o debate democrático", atribuindo isso aos "tempos de intolerância e ataques à educação pública".
    Bem se vê qual o pensamento desse pessoal. Longe de ser uma discussão sobre o crescimento ordenado da cidade, o DARQ apega-se a questões ideológicas e político-partidárias para tentar desqualificar as críticas que recebe. Querem, na verdade, manter a cidade ligada ao atraso!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Mistério assombra moradores de comunidade na zona rural de Ipanguaçu-RN

Reprodução

O Blog Focoelho, destaca nesta segunda-feira(04) relatos de moradores do sitio Língua de Vaca, comunidade localizada na zona rural da cidade de Ipanguaçu, na região Oeste potiguar, distante 215 km de Natal.  Eles contam que pedras estão sendo jogadas nos telhados das residências e até mesmo nas pessoas.

De acordo com o site interiorano, alguns moradores já deixaram suas casas, pois já não aguentam mais. O mistério é grande, não se sabe de onde vem e nem quem estaria jogando as pedras.

Segundo o Focoelho, a polícia de Assu, Itajá e Ipanguaçu já foram acionadas e mesmo na presença dos policiais as pedras continuam sendo arremessadas.

“Deve ser coisa de outro mundo, só pode ser, ninguém sabe de onde vem essas pedras, de dia e a noite é a mesma situação” disse um morador.

A polícia já realizou diligências a vários dias na região, mas, até o momento, o mistério continua assombrando os moradores.

Opinião dos leitores

  1. Isso acontece quando existe bruxas , e quando elas quebram regras tudo em sua volta é apedrejado até que dia moradia seja destruída.

  2. Isso pode ser um caso clássico de parapsicologia. Se as pedras aparecem no ar e se entram nas casas sem quebrar o telhado, tem alguém doente no local que está provocando esse fenômeno. Precisa ser identificado e tratado.

  3. Concordo com a Juliana!
    Isso acontece em vários lugares do mundo… e não tem nada haver com o nosso querido presidente Bolsonaro, sua idiota esquerdista!
    Vc tbm é do mal?!
    Vcs devem fazer orações em família p expulsar esses espíritos malignos… só assim vcs terão tranquilidade e paz!
    O maligno está rondando todas as pessoas do mundo p levá-la com ele! Precisamos orar muiiiito e sempre…
    Que Deus nos proteja do mal!

  4. Já tive um problema assim em colorado do oeste rondonia era um funcionário que trabalhava pra mim não sei como ele consegui fase isso mas jogava pedra em todos os funcionário era garimpo de ouro só lembro o apelido dele era gavião e não mexia um dedo

  5. Pedras de assombração não machuca ninguém, nem são vistas, apenas o barulho. Penso que é alguém vivo.

  6. Isso já aconteceu em um povoado perto de caiçara do rio dos ventos. No povoado por nome de RIO NOVO. lá acontecia isso e ninguém nunca descobriu. Existia um ditado que todo mundo dizia quando via algo estranho que dizia assim: SÓ PODE SER O CÃO DO RIO NOVO. rsrsrs

  7. Acontecia na minha casa que morava em Alto do Rodrigues,a onde eu morava,era em Ponciana, hoje moro Río de Janeiro, estou na época eu tenha 11 a 12 anos, meu pai foi atingido por uma quase ,perde os movimentos das pernas, graça a Deus ele ficou bom, com Oraçãos ,acocelho fazer Oraçãos, si reúne vão pra rezar mais só Deus pra para tudo isso, boa sorte para todos,eu vou ficar a entecedendo grande abraço, Deus abençoe.

  8. Aqui no Piauí também tá assim, quanto mais procuramos, mais pedras são jogadas, um drone foi abatido procurando por pistas.

  9. Isso significa que em tais locais existe alguma pessoa que tem mediunidade. Encontrem essa pessoa, a afaste do local e o problema desaparece.

  10. Só pode ser os eleitores de Bolsonaro que enlouqueceram mesmo antes dele por em prática seus tiranos projetos.
    Mas ele avisou TUDO. NÃO ENGANOU NINGUÉM.
    AGORA É PRÁ ENDOIDAR MESMO.

  11. Boa noite amigo,sou Fábio ex morador do povoado de PATAXÓ,amigo isso também aconteceu lá em pataxó,eu tinha de 13 a 14 anos de idade,hoje Tou com 38 e ainda não sei e nem ninguém sabe o que acontecia ale,vai lá e pergunta a TITICO DE AGUSTIM,ele vai falar o que eu sou te falando.

    1. Minha avó era de lá, ela dizia q isso acontecia na casa de algum parente dela.

  12. A alguns anos atrás aconteceu,isso na cidade de parnamirim no centro da cidade mais nunca descobriram quem jogava as pedras .vinham de toda direção até paralelepípedos eram arremessado nos telhados começava sempre a tardinha mais ou menos as 17h nem polícia nem vigias conseguiram descobrir.

  13. TEM QUE FAZER UMA RONDA OSTENSIVA TEM ALGUEM ATIRANDO PEDRA COM BALADEIRA ELA JOGA LONGE ESSA PESSOA TEM UMA BOA MIRA

  14. Um episódio muito parecido com esses fatos inconvenientes aconteceu em meados da década de 60 no sítio Milagre que fica a 11 km da cidade de Campo Grande-RN. São ações aparentemente provocadas por espíritos inconvenientes que só podem ser expulsos em o nome de Jesus Cristo. Segundo alguém que testemunhou os acontecimentos que, por sua vez, eram de hábitos noturnos, afirmou que tais entidades indesejáveis voltariam algum tempo depois.

    1. Concordo, são Espíritos malignos,Zombeteiros,sugiro que façam orações para exorcizar essas entidades perturbadas ou entrem em contato com os centros espíritas eles sabem orientar nesses casos.

  15. Vai ver que é alguém querendo dizer que essa cidade está dominada pelo mau. Lembram dos rituais malignos que ocorreram nessa cidade há décadas?

  16. Aqui em.são Gonçalo do Amarante em uma de suas localidades há anos atrás também teve um fenómeno desses e repercutiu a empresa veio até o local e depois de algum tempo descobriram que era um cabra safado que não tinha o que fazer e ficava jogando pedras nas casas. É bom observa acho que aí vai ser a mesma coisa!

  17. Já vi muito disso. Na minha cidade esse fenômeno era chamado de "Romãozinho" e não raro ocorria, infernizando durante dias os moradores de uma casa.
    As pedras só caíam sobre aquela casa. Nenhuma outra era afetada.
    Além das pedras também aconteciam umas coisas estranhas dentro da casa. Nem padre dava jeito.
    Depois, do mesmo jeito que havia começado, cessava e não acontecia mais.

    1. É isso mesmo, " Romãozinho".
      E só sai com orações diárias, do terço.

  18. Aki em Paraú já aconteceu a mesma coisa, os moradores mesmos descobriram q era um "caba safado" q n era da cidade, e ouvi falar q ele tinha ido morar pás bandas daí ????

    1. Toma na cabeça tonto, seu governo de bandidos escraxando o país mundo afora, é a sua cara! Lixo!

  19. Alguém que tem interesse de tirar eles das terras . Com uma funda é um canto escondidinho e uma boa mira

    1. Puxa, se não fosse Scooby e esses garotos abelhudos meu plano teria dado certo!

  20. Algum cabra safado está atirando pedras de longe ,precisam procurar melhor ,já vi algo parecido no Interior de São Paulo e no final era uma turma tirando o sarro dos moradores…

    1. Pegaram algumas pedras para analisar, junto a Universidade?

    1. Granizo?
      Meu amigo, nesse povoado o sol é brabo viu.
      Como pode ser granizo?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Linhas de ônibus de Mãe Luíza voltam a circular pela comunidade

Com a liberação do tráfego de veículos na Av. Governador Silvio Pedroza, as linhas que atendem ao bairro de Mãe Luíza, região leste da capital, voltaram a circular pela comunidade. A orientação foi encaminhada pela Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) às operadoras do serviço de transporte. O serviço de ônibus estava prejudicado naquele bairro desde o dia 13 de junho devido ao deslizamento da encosta da Rua da Guanabara, que interditou as duas vias por onde circulava os ônibus daquele bairro.

Itinerários

A linha 33 (Planalto/Praia do Meio, via Av. Prudente de Morais/Mãe Luíza) voltou a realizar seu itinerário normal. Ela segue pela Av. Governador Silvio Pedroza, Via Costeira, Rua João XXIII, Rua Trairi, Av. Hermes da Fonseca e segue para o bairro Planalto.

Já as linhas 33A (Planalto/Praia do Meio, via Av. Hermes da Fonseca/Mãe Luíza) e 40 (Planalto/Mãe Luíza) continuam realizando desvios dentro do bairro de Mãe Luíza, pois estas circulavam pela Rua da Guanabara. A linha 33A está subindo a Rua João XXIII e seguindo até a Via Costeira, de onde seguem o itinerário normal. Por sua vez, a linha 40 sobe a Rua João XXIII, faz o retorno na rotatória da Via Costeira e volta para Rua João XXIII, de onde segue seu itinerário normal.

Linha 56

A linha 56 (Rocas/Ponta Negra, Via Costeira) também voltou a realizar seu itinerário normal, seguindo pela Av. Prudente de Morais, Av. Nilo Peçanha, Av. Presidente Getúlio Vargas, Ladeira do Sol, Av. Governador Silvio Pedroza, Via Costeira de onde segue para Ponta Negra.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *