Governo realizará mutirão de ortopedia

IMG000000000131039Foto: Assecom-RN

O governador Robinson Faria pediu apoio ao Ministério da Saúde para a realização de um mutirão estadual de ortopedia para atender a demanda reprimida nessa área da saúde. A Secretaria Estadual de Saúde está providenciando os trâmites administrativos para que esse mutirão seja realizado no mês de novembro. O pedido foi feito na manhã desta sexta-feira (21), durante evento realizado para assinatura das portarias do Ministério da Saúde, que disponibilizaram R$ 6.7 milhões para ampliar atendimento à população do Rio Grande do Norte. “Peço apoio ao Ministério para um grande mutirão que faremos de cirurgias ortopédicas no estado”, pediu o governador ao secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Rogério Abdalla.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, George Antunes, o mutirão está em processo de avaliação sobre como será realizada a contratação dos hospitais prestadores de serviço. “Os recursos estão sendo levantados. Mas com a ajuda do Ministério da Saúde o mutirão poderá ser feito com mais efetividade”, enfatizou o titular da pasta.

Rogério Abdalla esclareceu que os recursos das portarias são oriundos de medidas tomadas nos 100 primeiros dias de gestão do ministro da Saúde, Ricardo Barros, quando foi economizado R$ 1 bilhão. “Isso é apenas o começo. Esses são os resultados de que é possível fazer mais por menos”, declarou.

No Rio Grande do Norte serão beneficiadas as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Natal e Parnamirim somando R$ 4.2 milhões. Também foram contemplados o Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi, em Macaíba, na ordem de R$ 2.4 milhões e a Casa de Saúde Dix-Sept Rosado, em Mossoró com R$ 98.550.

Em todo país 216 entidades filantrópicas serão beneficiadas com a garantia de um repasse de R$ 317.9 milhões e mais 99 UPAs, com impacto financeiro anual de R$ 182 milhões.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio disse:

    E os salários dos funcionários onde vão levantar?? Vai ficar pagando a prestação?? Funcionário público do RN virou casas Bahia abrindo crediário para receber salário!! ISSO E UMA VERGONHA!!

  2. Jane disse:

    Ótimo!!

  3. EDER disse:

    NA CAERN ?????

  4. José Vieira Bezerra disse:

    Mto bom!

Atendimento em ortopedia é retomado no Walfredo Gurgel

Após a última reunião realizada entre os ortopedistas do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG) e a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), nesta terça-feira (14), o atendimento para pacientes clínicos graves vítimas do trauma foi retomado na manhã de hoje (15). A cada plantão, três ortopedistas se revezarão entre o Centro Cirúrgico e os consultórios do Pronto Socorro Clóvis Sarinho (PSCS), a fim de atender à população.

De acordo com chefe da especialidade, Amaro Alves, “a ideia é que a gente consiga manter esse grupo de ortopedistas para resolver a demanda do hospital, já que no Walfredo a metade dos atendimentos é de ortopedia”.

Nos últimos dois anos o HMWG teve uma baixa de 17 profissionais ortopedistas em decorrência de pedidos de exoneração ou aposentadoria. Visando a reverter esse quadro, a Sesap já estuda a viabilização de um novo concurso público, ainda para este ano, para a admissão de novos profissionais no quadro do hospital.

Sesap renovará contrato para mutirão de ortopedia

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) renovará, até o próximo mês, o contrato emergencial referente ao mutirão de ortopedia com a Clínica Paulo Gurgel, com o Hospital Memorial e o Médico Cirúrgico. O objetivo é atender a demanda de pacientes que estão nas portas dos hospitais Monsenhor Walfredo Gurgel, em Natal, Deoclécio Marques, em Parnamirim, e o Regional Tarcísio Maia, em Mossoró, que em função das dificuldades para realizar essa medida por parte do município de Natal, a quem caberia essa iniciativa por ter gestão plena, acabam se acumulando nas unidades da rede estadual enquanto aguardam pelo procedimento.

O período da nova contratação será de 90 dias, de acordo com a Lei 8.666/93, quando serão realizados procedimentos cirúrgicos de trauma-ortopedia de média e alta complexidade. Para tanto, será destinado recursos advindos do Orçamento Geral do Estado (OGE) e federais do Sistema Único da Saúde (SUS).

No primeiro contrato referente ao mutirão de ortopedia, mais de 300 pessoas foram atendidas em apenas dois meses, conseguindo zerar a fila inicial de espera antes do prazo previsto de três meses. Iniciado em 1º de agosto deste ano, o mutirão recebeu um investimento de R$ 701 mil, dos quais R$ 401 mil foram oriundos do OGE e mais R$ 300 mil de recursos federais do Sistema Único da Saúde (SUS). As cirurgias foram realizadas por meio da prestação de serviços por parte da Clínica Paulo Gurgel, do Hospital Memorial e do Médico Cirúrgico.

Para o Secretário Estadual de Saúde Pública, Luiz Roberto Fonseca o mutirão realizado nos meses de agosto e setembro ocorreu conforme planejado e a execução desta ação garantiu uma expressiva diminuição da quantidade de pessoas nos corredores, melhorando, assim, a assistência à população. “Conseguimos alcançar a meta inicial do Governo do Estado e efetivamos o compromisso público defendido pela governadora Rosalba Ciarlini, de zerarmos a fila de espera por cirurgias ortopédicas nos hospitais do estado. Assim, garantimos o fluxo natural dos pacientes que chegaram aos hospitais regionais e tiveram a capacidade de serem encaminhados para o segundo tempo cirúrgico com mais agilidade”, destacou Luiz Roberto Fonseca.

Ao contratar unidades hospitalares da rede privada para estes procedimentos ortopédicos, a Sesap, mais uma vez, assume uma responsabilidade que, segundo a Lei Orgânica do Sistema Único de Saúde (SUS) e a hierarquia das três esferas de poder, é de obrigação do município de Natal, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A necessidade dessa medida também reflete a falha na assistência de baixa e média complexidade nas unidades de saúde dos municípios.

181 pacientes já foram atendidos pelo mutirão de cirurgias ortopédicas do Governo do Estado

A Central de Regulação da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) já viabilizou o atendimento de 181 pacientes que aguardavam a realização de cirurgias ortopédicas na rede estadual de saúde.

O mutirão iniciado em 1º de agosto foi possível através de uma determinação do Governo do Estado que repassou o valor de cerca de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) e viabilizou, junto ao Ministério da Saúde, recursos de urgência e emergência também em torno de mais R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) para a execução dos convênios com os hospitais da rede privada. As cirurgias estão sendo realizadas na Clínica Paulo Gurgel, Hospital Memorial e Hospital Médico Cirúrgico.

A medida tem desafogado os corredores das unidades hospitalares, como o Hospital Walfredo Gurgel, onde foi constatada uma visível redução do número de pacientes que ocupavam o corredor do setor de politraumatizados. O Secretário Estadual de Saúde, Luiz Roberto Fonseca, visitou a unidade na última quinta-feira (08) e comemorou o novo cenário, que possibilita uma melhor assistência aos demais pacientes ainda internos. “Desafogando o Walfredo Gurgel, o hospital poderá ficar focado na sua missão prioritária que é o atendimento das causas externas, na patologia do trauma”, afirmou.

Nos dois últimos dias (quarta e quinta-feira), 30 pacientes foram transferidos do Hospital Regional Declécio Marques de Lucena, em Parnamirim, e outros 17 do Hospital Walfredo Gurgel, em Natal. A previsão é de que, ainda neste final de semana, sejam viabilizados pelo menos mais 13 atendimentos. O trabalho conjunto será mantido até que a fila de espera, que inicialmente contava com 279 pacientes, seja zerada. A expectativa do Governo do Estado é eliminar a fila de espera por cirurgias ortopédicas nos hospitais do estado.

Ao contratar unidades hospitalares da rede privada para estes procedimentos ortopédicos, a Sesap, mais uma vez, assume uma responsabilidade que, segundo a Lei Orgânica do Sistema Único de Saúde (SUS) e a hierarquia das três esferas de poder, é de obrigação do município de Natal, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A necessidade dessa medida também reflete a falha na assistência de baixa e média complexidade nas unidades municipais de saúde.https://mail.google.com/mail/ca/u/0/images/cleardot.gif

Sesap realiza mutirões de cirurgias ortopédicas em agosto

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) vai realizar uma série de mutirões para reduzir a fila de espera por cirurgias ortopédicas de pequeno e médio porte a partir de agosto. Três hospitais da rede conveniada serão contratados para atender os 279 pacientes que aguardam cirurgias ortopédicas no Rio Grande do Norte.

A decisão foi tomada durante reunião realizada na manhã de hoje entre o secretário estadual de Saúde Pública, Luiz Roberto Fonseca, e diretores de três hospitais conveniados.

Uma minuta foi elaborada após a reunião, oficializando a contratação dos serviços, e será encaminhada ainda hoje para apreciação da direção dos hospitais, que se comprometeu a realizar as cirurgias a partir do próximo dia 1°. O contrato deverá ser assinado na próxima sexta-feira.

A previsão é que as 279 cirurgias sejam realizadas dentro dos próximos 90 dias. “Reduzir essa fila de espera é nosso compromisso. Vamos realizar reuniões periódicas para avaliar os resultados dos mutirões”, afirmou o secretário Luiz Roberto.

Crianças sofrem à espera de cirurgias ortopédicas no Walfredo Gurgel

O caos no Walfredo Gurgel é crescente, além da falta de medicamentos e matérias básicos para o trabalho da equipe médica, a UTI cardiológica foi fechada ontem (31) pela falta de condições para funcionar. O setor de ortopedia sofre de problemas crônicos, vez por outras dando sinais de que não está bem e não há previsão para melhorar. Na Tribuna do Norte deste sábado a reportagem de Isaac Lira, mostra a espera de crianças por uma cirurgia ortopédica, que quando não feita logo, pode gerar sérios problemas de calcificação dos ossos e sequelas para a vida toda.

Confira abaixo a matéria na íntegra

Luiz Felipe Vieira e Abraão Mateus de Sousa têm 12 anos e até a última sexta-feira, 24 de agosto, não se conheciam. Além da idade, os meninos têm outras coisas em comum. Os dois são de Natal. Da mesma forma, ambos têm tido, desde o dia em que se conheceram, febre e crises de vômito constantes. Luiz Felipe e Mateus chegaram no mesmo dia ao Hospital Walfredo Gurgel, com fraturas no mesmo membro: o braço esquerdo. A febre é consequência da fratura, que não tem dia para ser tratada de forma adequada.

O caos na ortopedia da rede estadual de saúde passou a afetar também as crianças. Na clínica pediátrica do Hospital Walfredo Gurgel, cinco crianças esperam, sem perspectivas de serem atendidas, uma cirurgia para corrigir problemas em membros fraturados. Neste momento, com a paralisação do atendimento nos hospitais conveniados, que são o Memorial e Médico-cirúrgico, não há como precisar o dia exato em que serão atendidos. Até lá, esperam.

Os garotos estão na fila da Unidade de Gerenciamento de Vagas do Walfredo Gurgel. Quando um paciente chega ao Hospital com um membro quebrado e é necessário uma cirurgia, a equipe do Walfredo faz o primeiro atendimento e encaminha para o Memorial ou para o Médico-cirúrgico. Lá, a cirurgia é realizada, dentro de um convênio com o Município de Natal. Sem pagamento, os hospitais interromperam na última semana esse atendimento. Resultado: a fila de pacientes supera as 50 pessoas.

No caso de crianças, a espera traz mais conseqüências. Como se sabe, a calcificação do osso é mais rápida nesta faixa de idade e a demora pode fazer com que o osso “cole” numa posição errada. “As crianças podem ganhar seqüelas para toda uma vida por conta da demora em se resolver esse tipo de coisa”, aponta o médico do Walfredo Gurgel, Sebastião Paulino. Os pais das crianças, algumas do interior, estão preocupados. “Estamos realmente sem saber se teremos o nosso problema resolvido”, diz Francisca de Sousa, mãe de Abraão Mateus.
A diretora do Walfredo, Fátima Pereira, disse que o Hospital não tem como resolver o problema dos pacientes à espera de atendimento nos corredores do Hospital, porque a responsabilidade pelas cirurgias é dos municípios. “Não temos como fazer esses procedimentos aqui. O Walfredo Gurgel faz unicamente o primeiro atendimento e as cirurgias relativas a fraturas expostas”, explica.

Os dois hospitais conveniados deixaram de receber pacientes da rede pública na última semana. Eles alegam a falta de repasses por parte do Município. A reportagem da TRIBUNA DO NORTE procurou a secretaria de Saúde, mas não houve retorno das ligações.

Outro problema que se agravou com a crise da saúde no Estado foi o da UTI cardiológica do Walfredo Gurgel. Na última quinta-feira, quatro dos seis leitos foram impedidos de receberem novos pacientes pela própria equipe médica por falta de medicamentos e equipamentos para atender os pacientes. Ontem pela manhã apenas dois leitos continham usuários do serviço de saúde.

Um dos equipamentos em falta é o marcapasso provisório, necessário para estabilizar vários tipos de pacientes. O estoque também está no fim para o medicamento chamado noradrenalina. “Em alguns casos, o paciente pode até morrer pela falta desse medicamento. E estamos no fim do estoque. Na semana passada, faltou máscaras. Então, é uma situação muito difícil”, aponta a médica Cristina Pita, que faz parte da equipe da UTI.

A diretora Fátima Pereira explicou que o setor será abastecido hoje e os atendimentos serão retomados. A unidade cardiológica do Walfredo Gurgel é a única UTI pública a tratar de problemas cardíacos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rnatal disse:

    Enquanto ISTO OS ATUAIS E FUTUROS POLÍTICOS
    ESTÃO PREOCUPADOS APENAS EM CONSEGUIR VOTOS. Político bom seria aquele que
    abandonaria a campanha e iria para o Walfredo tentar resolver esta situação
    vergonhosa e alarmante. Não sei como a Governadora consegue dormir em paz
    diante disto, COMO ELA TEM CORAGEM DE SUBIR EM UM PALANQUE E PEDIR VOTO PARA ALGUÉM. PARE E PENSE GOVERNADORA: Imagine que um filho, neto ou sobrinho seu estivesse internado no Walfredo. O QUE A SENHORA FARIA?
    A rua está repleta de candidatos a vereadores, de artistas
    a esportistas, de conhecidos a anônimos, todos em busca de um emprego fácil,
    enquanto as CRIANÇAS SOFREM NO WALFREDO. O QUE DEVIA SER OBRIGATÓRIO NESTE PAÍS
     ERA NÃO VOTAR. Votar em quem? Para que?

    O aumento das passagens de ônibus foi a última e
    inimaginável loucura da administração da Prefeita de Natal: Quem diria que a
    coisa ainda pudesse piorar. Antes, pelo menos na época da campanha os políticos
    eram bonzinhos, agora, nem mesmo nas campanhas.