Antônio Jácome: “Não vou fazer indicação para cargos no Governo Federal”

jacomeO deputado federal Antônio Jácome segue firme no seu posicionamento favorável ao processo de impeachment. Hoje, ele confirmou ao Blog do BG que o PTN recebeu convite para participar do governo federal supostamente em troca do apoio na derrubada do impedimento na Câmara, mas que ele se posicionou contra.

“O PTN foi convidado para compor o governo. Teve reunião hoje. Os cargos foram oferecidos. Não aceitei fazer parte. Não vou fazer parte nenhuma indicação para cargos no Governo Federal e nem aceitarei convite para compor ministérios”, disse.

Depois da saída do PMDB, o governo federal tenta negociar com outros partidos espaços em busca de barrar o processo de impeachment na Câmara. PR, PP e PSD tem sido os principais partidos em negociação, mas o PTN também está na mira dos governistas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Raimundo Nonato disse:

    Valeu, Deputado!
    Parabéns, o seu posicionamento está correto, é assim que se faz, e fazendo bonito!
    Concordo com você.
    Um forte abraço.

  2. beto costa disse:

    Omi, fica calado..

  3. fernando alves disse:

    Este politico religioso e mais falso que um celula de R$ 30, 00 reias.

  4. Micael Melo disse:

    Parabéns Deputado! Decisão coerente. Você honra o voto de nós cristãos. Esse governo que milita para destruir as famílias brasileiras e a nossa economia não merece qualquer voto de apoio.

  5. Verys disse:

    Esse cara votou contra a cassação de Cunha na câmara. Agora quer se passar de bom moço. Kkkk. Aliais. Nenhum deputado do RN votou a favor a cassação. Tudo farinha do mesmo saco. As próximas eleições o povo jamais irá votar nestes deputados que não representam o RN.

  6. ANHAM disse:

    Sério!!
    KKKKKKKKKK

ELEIÇÕES 2016: PV, PSL, PRP, PRTB, PTC, PTN e PTB podem formar ‘bloco’ de olho na Câmara de Natal

O grupo formado pelos partidos PV, PSL, PRP, PRTB, PTC, PTN e PTB pode voltar a se unir em 2016 objetivando garantir o mínimo de uma cadeira na Câmara Municipal de Natal. Parte desses partidos estiveram juntos em 2014.

Os sete partidos estão mantendo um diálogo para tentar formar um bloco de apoio a algum dos candidatos a prefeito. Como o cenário ainda permite muitas mudanças como, por exemplo, a janela partidária para troca de legenda sem a perda do mandato, nada foi oficializado, mas o objetivo é fazer com que o grupo eleja dois vereadores em Natal.

Hoje, dos partidos em conversa, apenas o PV possui mandato na Câmara com o vereador Luiz Almir, mas ele pode estar de saída da legenda e todos podem começar a campanha do próximo ano sem representação no legislativo. A nominata deve ser grande para que o bloco consiga atingir o objetivo.

PMDB do Rio teria oferecido dinheiro por aliança de partido nanico, diz revista

De acordo com publicação da revista Veja, na versão online, o PMDB do Rio de Janeiro firmou um compromisso financeiro de 1 milhão de reais para ter o apoio de um partido nanico à reeleição de Eduardo Paes.

Na coluna Radar Online de Lauro Jardim, um vídeo exibe imagens do presidente estadual do PTN, Jorge Sanfins Esch, em conversas com correligionários do partido. No vídeo, Sanfins Esch garante que impediu uma candidatura própria do PTN, porque acertou o recebimento de 200 000 reais para bancar a campanha de candidatos a vereador do partido.

Sanfins Esch afirma que o acerto foi feito na convenção do partido em 30 de junho com o ex-chefe da Casa Civil de Paes, Pedro Paulo Teixeira, mas que ainda não recebeu os recursos. A coligação nega a promessa.

A convenção do PTN em 30 de junho foi à segunda do partido em menos de quinze dias. No dia 17 do mesmo mês, o partido chegou a homologar a candidatura a prefeito de Paulo Memória, mas Sanfins cancelou o encontro para depois declarar o apoio a Paes. Sanfins Esch esclarece no vídeo com correligionários o motivo da mudança de postura do PTN:

– Não tem condição de lançar candidatura própria (…). O cara dá 200 000 reais para dentro, dá uma prata para ele tirar a candidatura dele, dá todo o material de campanha, toda a estrutura para os candidatos. Chega lá dentro se bobear tem uma gasolininha extra para botar no carro. Pô!, não dá para recusar.

A coligação de Paes nega que tenha feito a promessa para repassar a quantia em espécie para o partido. A assessoria do prefeito afirma que dá suporte aos candidatos do PTN apenas com material de campanha e calcula que gastou em placas e panfletos 154 514 reais. A quantia total, no entanto, ainda não foi declarada no Tribunal Regional Eleitoral.

O segundo acerto revelado no vídeo diz respeito a uma dívida que Sanfins e três amigos cobram da prefeitura do Rio de Janeiro dos tempos em que trabalharam na RioLuz, órgão municipal responsável pela iluminação pública da cidade. Diante dos correligionários, Sanfins Esch diz que o presidente do PMDB do Rio, Jorge Picciani, se comprometeu a ajudá-lo.

Sanfins Esch explica em entrevista a VEJA que trabalhou no Conselho de Administração da RioLuz durante oito anos do governo Cesar Maia. Como o jetom pago pelo órgão era inferior aos de outras autarquias, Sanfins abriu um procedimento administrativo em 2008 na prefeitura junto com três ex-conselheiros para receber o valor retroativo e corrigido.

Em reportagem ao Jornal O Globo,o procurador regional eleitoral, Maurício da Rocha Ribeiro, afirmou que encaminhará ao Ministério Público Eleitoral pedido de abertura de ação para apurar se houve abuso de poder econômico e político do prefeito Eduardo Paes (PMDB), que tenta a reeleição apoiado por 19 partidos. Ele se baseou em reportagem do site da revista “Veja” deste fim de semana.