Líder do PDT, presidenciável Ciro Gomes rechaça aliança com o MDB; lógica não vigora no RN

Valeria para o Rio Grande do Norte a declaração do presidenciável polêmico Ciro Gomes?

Em entrevista à Band, o paulista que fez carreira política no Ceará, disse que não quer negócio com a “quadrilha do PMDB”.

Para ele, governar com o MDB é o “caminho do fracasso sem falta”.

No solo potiguar, a aliança PDT/MDB vem sendo uma das parcerias mais duradouras na política local.

Em que pese o desgaste da legenda à qual é filiado Henrique Eduardo Alves, PDT e MDB conseguem atravessar com estabilidade a união, totalmente alheia às opiniões inflamadas de Ciro Gomes.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro Eneas disse:

    Certamente o blogueiro tem algum "probleminha" com algum (ou alguns) caciques do MDB no Estado. O que o faz misturar alhos com bugalhos, causando, no mínimo, aos mais desavisados, confusão.
    Apesar disso ainda existe brasileiros/potiguares com massa cinzenta e que conseguem diferenciar o que é bom para o país/Estado e o que é pura "moralidade de goela".

  2. Uthred Bebaburg disse:

    Só com a quadrilha do PT e com estado islâmico

  3. Marcelo disse:

    Ciro disse que não fará aliança alguma com "o lado quadrilha do MDB", tanto na entrevista na BAND quanto na FOLHA e em outras oportunidades. Em todas elas Ciro afirma que há gente boa no MDB, mencionando o Roberto Requião e outros. Com esses, Ciro disse que faria alianças. Seu posto não condiz com a verdade.

Sem acreditar na aliança com PDT, Júlio Protásio confirma Wilma no comando do PSB pontuando: “Ofício pode derrubar”

julio-protasioO PSB nacional decidiu manter a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria, no comando do diretório provisório, mas essa decisão pode ser revista a qualquer momento. O vereador Júlio Protásio explicou que, por se tratar de uma comissão provisória, a Guerreira pode ser destituída a qualquer momento por um ofício da Executiva nacional.

O vereador Júlio Protásio informou ao blog que existe uma pressão nacional para evitar que o partido continue diminuindo de tamanho, já que perdeu uma cadeira de deputado estadual durante a legislatura, com Gustavo Carvalho que deixou o PSB rumo ao PROS, que perdeu uma outra de estadual e uma de federal nas eleições, no caso de mãe e filha Sandra e Larissa Rosado.

“Existe uma pressão para que o PSB pare de diminuir de tamanho no Estado. Vieram vários emissários da Executiva nacional, no sentido que o partido perdeu espaço. Perdeu Governo, perdeu Prefeitura, perdeu bancada na Assembleia, perdeu um deputado federal. O PSB está pressionando o diretório estadual. Existe uma pressão forte em cima da professora Wilma. Hoje a professora Wilma é presidente. Foi renovado o diretório como é renovado a cada seis meses, mas é provisório. Qualquer ofício do presidente nacional pode mudar. Hoje, a Executiva é provisória”, confirmou.

Júlio também revelou que dificilmente o partido continuará coligado com o PDT do prefeito Carlos Eduardo Alves. Isso provocado pela aproximação do PMDB, que negocia a vaga de vice. “Na aliança que o PMDB se aproximou do PDT ficou claro que a vaga de vice está prometida ao PMDB. Certamente o PSB terá dificuldade de manter essa aliança se não for, pelo menos, com o que já tem que é a vice-prefeitura”, completou.

 

ELEIÇÕES 2016: PV, PSL, PRP, PRTB, PTC, PTN e PTB podem formar ‘bloco’ de olho na Câmara de Natal

O grupo formado pelos partidos PV, PSL, PRP, PRTB, PTC, PTN e PTB pode voltar a se unir em 2016 objetivando garantir o mínimo de uma cadeira na Câmara Municipal de Natal. Parte desses partidos estiveram juntos em 2014.

Os sete partidos estão mantendo um diálogo para tentar formar um bloco de apoio a algum dos candidatos a prefeito. Como o cenário ainda permite muitas mudanças como, por exemplo, a janela partidária para troca de legenda sem a perda do mandato, nada foi oficializado, mas o objetivo é fazer com que o grupo eleja dois vereadores em Natal.

Hoje, dos partidos em conversa, apenas o PV possui mandato na Câmara com o vereador Luiz Almir, mas ele pode estar de saída da legenda e todos podem começar a campanha do próximo ano sem representação no legislativo. A nominata deve ser grande para que o bloco consiga atingir o objetivo.

PSD e PMDB: Fábio Faria e Henrique Alves definem aliança em 2014

040213eleicao-ff_(1)-a_thumb[1]PSD e PMDB devem estar na mesma coligação proporcional nas eleições de 2014. Foi o que ficou acordado entre os deputados Fábio Faria (PSD) e Henrique Eduardo Alves, presidente do PMDB no Rio Grande do Norte.

Os dois se reuniram na sala do presidente da Câmara dos Deputados, nessa terça-feira (27), onde trataram de questões internas da Casa, da qual Fábio é segundo vice-presidente, e depois analisaram o momento político estadual.

“Tivemos uma reunião administrativa, tratamos demandas da Mesa Diretora da Câmara, mas não podemos deixar de conversar sobre as questões políticas do nosso Estado. Ficou acordado que o PSD vai integrar a mesma coligação que o PMDB e outros partidos já definidos, e faremos uma reunião em breve com a presença do presidente do PSD, vice-governador Robinson Faria, e lideranças das duas legendas”, disse Fábio Faria ao fim da reunião.

Faria deixou claro que não foi discutida a formação de chapas majoritárias para o pleito de 2014. Falou-se apenas de uma aliança na proporcional.

Assessoria

PMDB do Rio teria oferecido dinheiro por aliança de partido nanico, diz revista

De acordo com publicação da revista Veja, na versão online, o PMDB do Rio de Janeiro firmou um compromisso financeiro de 1 milhão de reais para ter o apoio de um partido nanico à reeleição de Eduardo Paes.

Na coluna Radar Online de Lauro Jardim, um vídeo exibe imagens do presidente estadual do PTN, Jorge Sanfins Esch, em conversas com correligionários do partido. No vídeo, Sanfins Esch garante que impediu uma candidatura própria do PTN, porque acertou o recebimento de 200 000 reais para bancar a campanha de candidatos a vereador do partido.

Sanfins Esch afirma que o acerto foi feito na convenção do partido em 30 de junho com o ex-chefe da Casa Civil de Paes, Pedro Paulo Teixeira, mas que ainda não recebeu os recursos. A coligação nega a promessa.

A convenção do PTN em 30 de junho foi à segunda do partido em menos de quinze dias. No dia 17 do mesmo mês, o partido chegou a homologar a candidatura a prefeito de Paulo Memória, mas Sanfins cancelou o encontro para depois declarar o apoio a Paes. Sanfins Esch esclarece no vídeo com correligionários o motivo da mudança de postura do PTN:

– Não tem condição de lançar candidatura própria (…). O cara dá 200 000 reais para dentro, dá uma prata para ele tirar a candidatura dele, dá todo o material de campanha, toda a estrutura para os candidatos. Chega lá dentro se bobear tem uma gasolininha extra para botar no carro. Pô!, não dá para recusar.

A coligação de Paes nega que tenha feito a promessa para repassar a quantia em espécie para o partido. A assessoria do prefeito afirma que dá suporte aos candidatos do PTN apenas com material de campanha e calcula que gastou em placas e panfletos 154 514 reais. A quantia total, no entanto, ainda não foi declarada no Tribunal Regional Eleitoral.

O segundo acerto revelado no vídeo diz respeito a uma dívida que Sanfins e três amigos cobram da prefeitura do Rio de Janeiro dos tempos em que trabalharam na RioLuz, órgão municipal responsável pela iluminação pública da cidade. Diante dos correligionários, Sanfins Esch diz que o presidente do PMDB do Rio, Jorge Picciani, se comprometeu a ajudá-lo.

Sanfins Esch explica em entrevista a VEJA que trabalhou no Conselho de Administração da RioLuz durante oito anos do governo Cesar Maia. Como o jetom pago pelo órgão era inferior aos de outras autarquias, Sanfins abriu um procedimento administrativo em 2008 na prefeitura junto com três ex-conselheiros para receber o valor retroativo e corrigido.

Em reportagem ao Jornal O Globo,o procurador regional eleitoral, Maurício da Rocha Ribeiro, afirmou que encaminhará ao Ministério Público Eleitoral pedido de abertura de ação para apurar se houve abuso de poder econômico e político do prefeito Eduardo Paes (PMDB), que tenta a reeleição apoiado por 19 partidos. Ele se baseou em reportagem do site da revista “Veja” deste fim de semana.

 

Força Sindical confirma aliança com Carlos Eduardo

Uma reunião promovida na manhã desta sexta-feira (31) ratificou o apoio da Força Sindical à campanha de Carlos Eduardo (PDT) para se eleger prefeito de Natal em outubro. O candidato foi recebido na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Construção Civil, no Alecrim, por membros e dirigentes da entidade, composta no Rio Grande do Norte por 120 organismos sindicais e mais de 100 mil trabalhadores filiados.

“Estamos aqui para expressar nossa alegria e nossa honra por ter ao nosso lado uma instituição da relevância da Força Sindical”, destacou Carlos Eduardo, ao fim da reunião em que apresentou as suas principais propostas para a cidade e em que também recebeu sugestões dos líderes sindicais.

Ele iniciou sua participação elencando algumas das realizações que empreendeu quando esteve à frente da Prefeitura, entre os anos de 2002 e 2008. A construção do Parque da Cidade, da maternidade Leide Morais e do ginásio Nélio Dias, assim como a realização de projetos de urbanização integrada nos bairros de Capim Macio e Nossa Senhora da Apresentação, foram citadas pelo ex-prefeito.

Também ganharam destaque na exposição do candidato as ações que ele planeja executar, em caso de vitória nas urnas. Dentre essas ações, serão de resolução imediata a regularização dos serviços de limpeza pública e a recuperação da malha viária da cidade. “Vamos promover ainda uma reforma administrativa, com extinção de cargos e secretarias ineficientes, para recuperarmos a capacidade de investimento da Prefeitura e fazermos as obras e intervenções que os natalenses reclamam”, completou ele.

Os sindicalistas também tiveram espaço para apresentar suas próprias reivindicações. Eles propuseram medidas como a abertura de um canal de diálogo entre suas entidades e a Prefeitura. Contaram com a pronta concordância do ex-prefeito.

Nem só de sugestões e propostas foi feita a reunião com a Força Sindical (representada na ocasião pelo primeiro e segundo vice-presidentes, respectivamente Ednaldo Fernandes Gomes e Raimundo Luiz de Sena). Alguns aproveitaram o contato com Carlos Eduardo para elogiá-lo pelos resultados apresentados pela gestão dele na Prefeitura.

O presidente do Sindicato dos Músicos, Ricardo Antão Nascimento, foi um deles, ressaltando a relação de harmonia existente entre a categoria e a administração de Carlos Eduardo. Nascimento lembrou que, naquela época, os artistas contratados pela Prefeitura eram tratados com respeito e recebiam seus cachês em dia. “A nossa luta foi muito satisfatória em seu governo”, definiu o representante dos músicos.

Presidente nacional do PHS vem a Natal para ratificar aliança com Carlos Eduardo

O presidente nacional do PHS, Eduardo Machado, estará em Natal nesta sexta-feira (24) para referendar a aliança do partido com o PDT, em apoio à candidatura de Carlos Eduardo à Prefeitura de Natal e, também, para intensificar o trabalho da militância e dos filiados para eleger nesta eleição de dois a três vereadores na capital potiguar. O encontro será realizado a partir das 10 horas no restaurante Cuxá, do Hotel Residence, localizado na avenida Senador Salgado Filho, 1791, em Lagoa Nova.

Na ocasião, será concedida uma entrevista coletiva à imprensa com as presenças do próprio Carlos Eduardo, do presidente estadual da legenda, Leandro Prudêncio, e de candidatos a vereador da coligação “União por Natal 3”, juntamente com os membros da direção regional provisória e dos municípios de Natal, Parnamirim, Caicó, Maxaranguape, Senador Eloy de Souza e Canguaretama.

Desde que tomou posse como presidente nacional do PHS, Eduardo Machado, acompanhado de membros da Executiva Nacional, vem visitando todos os Estados, visando a aumentar significativamente nestas eleições a participação política do partido nas Prefeituras e Câmaras Municipais, como também preparar a legenda  para as eleições de 2014. Hoje, o PHS possui mais de 150.000 filiados em todo o país.

Eduardo Machado assumiu o PHS no último dia 18 de julho. Em sua passagem pelos Estados, ele tem ressaltado a preocupação do partido com “a qualidade dos seus integrantes e não apenas a quantidade de filiados, parlamentares, prefeitos ou governadores”.

Wilma não descarta ser vice de Carlos Eduardo

A ex-governadora Wilma de Faria (PSB) não descarta ser vice de Carlos Eduardo Alves, ampliando as expectativas em torno de seu nome. Em entrevista ao repórter Dinarte Assunção, do portal Nominuto.com, a líder pessebista não negou a possibilidade quando foi indagada se ela própria não poderia ser a indicada do PSB.

“Não vou comentar nomes, nem quantificá-los”, respondeu, após um breve silêncio, quando foi questionada se ela negava ser uma das cogitadas. Conforme apurou a reportagem, o nome da vereadora Júlia Arruda (PSB), que tem a simpatida de Carlos Eduardo, foi vetado pela ex-governadora como indicação para vice, restando Wilma e outro nome especulado fortemente, o do ex-secretário Damião Pita.

De acordo com Wilma, a decisão sobre quem será o vice será comunicada amanhã ao candidato do PDT, Carlos Eduardo. Ela disse ainda que, uma vez informado, caberá ao ex-prefeito se prefere anunciar o companheiro de chapa de antemão, ou se aguarda pelo sábado, data para a qual estão agendadas as convenções dos dois partidos.

A ex-governadora destacou que a decisão sobre o vice não caberá a ela, mas ao partido. Conforme explicou Wilma, o nome está sendo discutido com vereadores e dirigentes da legenda de modo a se chegar a um consenso e alguém que detenha expressividade eleitoral.

Nos bastidores, também é cada vez mais crescente a tese de que a ex-governadora vai ser a vice de Carlos Eduardo Alves. O suspense, todavia, tem sido mantido por Wilma. “Nem a Carlos Eduardo ela tem comentado algo do tipo”, comentou uma fonte que acompanha as costuras.

Outro expoente defende que Wilma, sendo vice, poderá participar não apenas como apoio, mas integrando uma eventual vitória. “Lembre-se que ela perdeu em Natal na última eleição. Ganhando desta vez, ela poderá dizer que também são seus os votos de Carlos, o que é legítimo”, explicou.

Fonte: Nominuto.com

PT justifica a aliança com Maluf: ‘o Brasil mudou’

Testemunha ocular da reunião em que Lula e Fernando Haddad confraternizaram-se com Paulo Maluf, o companheiro Rui Falcão, presidente do PT federal, explicou a aliança com o impensável com uma frase inacreditável. Disse que mudou o país, não o PT. Heimm?!?

“Há 12 anos, éramos rivais e hoje somos aliados. O Brasil mudou. Mudou o eleitorado e mudaram os partidos que resolveram apoiar nosso projeto nacional, como é o caso do PP.” Hã, hã…

O Brasil, de fato, mudou muito desde o tempo em que cachoeira era apenas uma queda d’água. Hoje, sabe-se que Demóstenes era apenas a moral que ainda não descobrira os encantos da contravenção. Do mesmo modo, o PT era apenas a ética que ainda não chegara à chave do cofre. Com o passar dos anos, todos mudam. E alguns nem deixam o endereço.

Fonte: Josias de Souza

PMDB fecha apoio à reeleição de Maurício Marques em Parnamirim

O disse que me disse agora acabou. O PMDB selou nesta segunda-feira (18) o acordo para apoiar a candidatura da reeleição de Maurício Marques do PDT. A aliança em Parnamirim foi mediada pelo deputado Agnelo Alves.

O final de semana foi inteiro de negociações entre as lideranças Garibaldi Alves (ministro da Previdência), Henrique Alves (deputado federal e presidente estadual do PMDB) e Walter Alves (deputado estadual).

Ontem pela manhã, uma rodada de negociações terminou sem acordo fechado. Duarnte noite uma boa proposta foi levada para avaliação dos peemedebistas. Hoje as três principais lideranças do PMDB aceitaram os pontos finais, principalmente Garibaldi, que vinha sendo o principal negociador.

A forma como o PDT vinha acomodando o PMDB nessa gestão de Maurício Marques não vinha agradando a cúpula do partido, mas o deputado estadual Walter Alves tratou de colocar um fim na polêmica e disse que o PMDB vai unido apoiar Maurício Marques em Parnamirim.

Ontem, foi homologada a candidatura de Maurício Marques para a reeleição durante a convenção realizada no município. Ele terá como vice a vereadora Lucinha Tiago, do PSD.

João Maia escolherá vice de Hermano em consenso com Henrique Alves

A aliança firmada entre PR e PMDB realmente está forte. Prova é que o deputado federal João Maia, presidente estadual do PR, vai aguardar a chegada do também deputado Henrique Eduardo Alves, presidente estadual do PMDB, para escolher o nome do vice para compor a chapa majoritária do pré-candidato Hermano Morais em consenso.

João Maia não quer se antecipar na escolha e prefere esperar Henrique voltar de sua viagem pela Europa para definir um nome. Depois da não-liberação do Padre Nunes, vários estão sendo estudados, mas o PMDB quer um nome forte para viabilizar a campanha de Hermano que está mau nas pesquisas de opinião pública.

Enquanto o nome não sai, Hermano já começa a desenhar seu plano de governo. A enfermeira e ex-secretária de Saúde Ana Tânia Sampaio foi chamada para elaborar o plano de governo para a área de saúde. Ela ainda não respondeu ao convite, mas tudo indica que ela aceitará. Pessoa competente.

Júlia Arruda não acredita que Carlos Eduardo descumpra acordo

Ontem, o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves, em entrevista ao Diário de Natal, disse que iria rever a aliança com o PSB na composição da chapa proporcional. Em conversa com o BG, a vereadora Júlia Arruda disse não acreditar que Carlos Eduardo venha a ter outro comportamento senão formar a chapa.

A vereadora confirmou que parte do acordo para a aliança entre PDT e PSB envolvia a votação das contas de Carlos Eduardo e que, mesmo com dissidência de Bispo Francisco de Assis e Adenúbio Melo, o PSB lutou e defendeu a aprovação das contas. Inclusive, com os votos dela, de Júlio Protásio e de Franklin Capistrano contrários aos do relatório de Enildo Alves, na Comissão de Finanças e Orçamento.

Com o acordo mantido na majoritária, o PSB deverá indicar o nome para compor a chapa como vice de Carlos Eduardo. A falta de aliança também na proporcional pode deixar o ex-prefeito em maus lençóis com o principal aliado para as eleições de outubro desse ano.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Valerio Freitas disse:

    Ôxente…Essa declaração da vereadora Júlia Arruda é a PROVA maior que houve negociação política na votação das contas do exercício de 2008, do ex pref Carlos Eduardo. E essa negociação, conchavo político NÃO foi por parte da Prefeita Micarla, como o ver Júlio Protásio, mentirosamente falou, foi sim por parte do ex prefeito. Vejam no segundo parágrafo:"A vereadora confirmou que parte do acordo para a aliança entre PDT e PSB envolvia a votação das contas de Carlos Eduardo e que, mesmo com dissidência de …
    Cadê o Ministério Público para apurar essa IMORALIDADE?

Será que Carlos Eduardo vai virar as costas para o PSB?

O ex-prefeito de Natal e atual pré-candidato, Carlos Eduardo Alves, vai rever a situação de aliança com o PSB, pelo menos na chapa proporcional. O motivo? A dissidência dos vereadores Bispo Francisco de Assis e Adenúbio Melo na votação das contas referentes a 2009 realizadas pela Câmara Municipal de Natal (CMN). Dickson Nasser é excluído dessa conta porque ele já comunicou ao diretório estadual do partido que é dissidente e que deve ir para o PSDB do filho Dibson Nasser.

As contas de Carlos Eduardo foram reprovadas pelo placar de 15 a 6, quando eram necessários 14 votos. Ou seja, se os vereadores do PSB tivessem votado conforme orientação partidária, Carlos Eduardo nessa situação complicada, enfrentando a possibilidade de se tornar inelegível. Em entrevista dada hoje ao Diário de Natal, Carlos Eduardo confirmou que parte do compromisso envolvia exatamente essa votação das contas.

“Havia o compromisso da aliança proporcional antes do julgamento da minhas contas na Câmara. Mas, houve dissidências no PSB. Dois vereadores votaram contra. Então, não há definição em relação a isso. Vamos ainda analisar as possibilidades. A definição se dará na próxima semana”, declarou o ex-prefeito.

Será que Carlos Eduardo vai virar as costas para o PSB, principal aliado nestas eleições, durante essa revisão na composição da chapa proporcional? Como ficará, em havendo algum tipo de mudança, a situação dos vereadores que votaram a favor como Franklin Capistrano, Júlio Protásio e Júlia Arruda?

A edição de amanhã do Diário de Natal deve trazer mais notícias bombásticas do ex-prefeito de Natal.

DEM oficializa apoio a pré-candidatura de Rogério Marinho

O Partido dos Democratas oficializou nesta sexta-feira (1°) o apoio a pré-candidatura do deputado federal Rogério Marinho (PSDB) para a Prefeitura de Natal. O anúncio foi feito pelo senador José Agripino Maia, presidente nacional dos Democratas durante evento realizado no Cuxá Recepções, em Lagoa Nova.

Rogério agradeceu o apoio e destacou a importância da aliança para o pleito de 2012. “O Democratas e o PSDB estão juntos com o sonho de confirmar nossa candidatura no dia 30 de junho e transformar a cidade para melhor”, disse.

Agripino destacou o trabalho que Rogério vem realizando por meio do seu mandato na Câmara. Segundo o senador, “Natal precisa de um administrador que tenha trânsito em Brasília, e Rogério, mesmo sendo oposição ao governo, traz todas as suas emendas para o RN, porque tem bons projetos e sabe onde colocá-los”.

Para a governadora Rosalba Ciarlini (DEM), a pré-candidatura do presidente estadual do PSDB “é o que Natal está precisando”, acrescentando que o deputado “conhece os problemas e as necessidades da cidade”.

Já o deputado federal Felipe Maia (DEM) afirmou que a escolha pela pré-candidatura do colega de Câmara dos Deputados não foi apenas devido à afinidade entre seu partido e o PSDB, mas porque “Rogério Marinho é o mais preparado para governar Natal”.

Na oportunidade, o presidente estadual do PSL, Araken Farias, também declarou apoio a pré-candidatura de Rogério Marinho, mesmo posicionamento tomado pelo deputado estadual Ricardo Motta (PMN), presidente da Assembleia Legislativa.

“Ainda vou me reunir com os demais integrantes do meu partido, para decidir quem será nosso candidato oficial, mas me solidarizo com a pré-candidatura de Rogério Marinho”, afirmou Motta.

O evento ainda contou com a presença dos deputados estaduais Getúlio Rêgo (DEM) e Dibson Nasser (PSDB), os vereadores Enildo Alves (DEM), Ney Lopes Júnior (DEM) e Dickson Nasser (PSB), o ex-deputado José Adécio.

DEM oficializa apoio a pré-candidatura de Rogério Marinho nesta sexta

No último sábado (26) durante o curso de formação política do PSDB, o senador José Agripino Maia, presidente nacional do DEM, anunciou apoio à pré-candidatura de Rogério Marinho para disputar a Prefeitura de Natal.

Agora, o DEM se prepara para confirmar esse apoio na próxima sexta-feira (1º), no hotel Maine, às 9h30.

O partido está preparando toda a estrutura política para mostrar a força do apoio, que vão desde lideranças, pré-candidatos a vereador até a governadora Rosalba Ciarlini, o senador José Agripino e o deputado federal Felipe Maia.

Um fôlego a mais para Rogério Marinho, que vem despontando como terceiro nas pesquisas de intenção de voto que tinha Carlos Eduardo Alves e Wilma de Faria separados. Agora juntos, Rogério aparece como segundo nome mais cotado entre o eleitorado.

Enildo Alves critica aliança PSB e PDT: "Não consigo compreender"

O vereador Enildo Alves opositor ferrenho a Carlos Eduardo Alves aproveitou seu tempo na tribuna do plenário da Câmara Municipal de Natal (CMN) para criticar a aliança fechada ontem (e anunciada hoje) entre PSB e PDT para as eleições de outubro desse ano.

Enildo lembrou do troca-troca de partidos que Carlos Eduardo fez em sua trajetória política usando o termo “traição”.

“Quem trai uma vez, trai duas, trai três e trai quatro. Eu não consigo entender como um partido fecha questão por uma ilegalidade. Ela [Wilma de Faria], que se diz injustiçada, fica do lado de quem é um fora da lei. O partido que governou o Estado e a capital diminuiu. Nunca vi um partido diminuir. Politicamente, quem apoia Carlos Eduardo ganha, mas não leva. O PT tem lealdade canina ao PSB. Porque ela apoiar o PDT de um político que foi de um partido para o outro? Realmente nã consigo compreender”, disparou.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Breno Cardoso disse:

    jogo de interesses claro nessas votações, Rogério Marinho (apoiado por Enildo) só terá alguma chance se Carlos Eduardo for Inelegível