Governo do RN reduz um terço de seu endividamento público em um ano

A série de medidas para corte de despesas, controle e fiscalização de gestão e aumento de receitas, adotadas desde o início deste Governo, elevaram o Rio Grande do Norte ao segundo Estado do Nordeste com menor endividamento junto à União, atrás apenas da Paraíba.

Em apenas um ano, praticamente um terço da dívida foi reduzida, de 46,25% para 31,98%. Com essa redução, o Estado potiguar passou de 10º para 8º na lista de Estados menos envidados do país, de acordo com dados de relatórios estaduais e da Secretaria do Tesouro Nacional.

O titular da pasta estadual de Planejamento e Finanças, Aldemir Freire, ressalta que hoje o maior problema do Rio Grande do Norte não é o volume, mas o perfil da dívida: “Temos uma dívida alta de curto prazo com o servidor. Nossa prioridade é mudar o perfil dessa dívida: substituir a dívida com o servidor por uma instituição financeira e alongar o pagamento a juros baixos”.

Para tanto, o secretário reforça a necessidade do chamado “Plano Mansueto”, um programa do Governo Federal que autoriza os Estados a contraírem novas dívidas com garantia da União em troca de medidas de ajuste fiscal. Caso se concretize, o RN deverá receber, por esse programa, aproximadamente R$ 1,1 bilhão, dividido em três parcelas.

“Até a chegada desse ou outros recursos, precisamos segurar essa dívida. Temos nos esforçado para evitar novos endividamentos. Pagamos toda a folha de 2019, além de dois passivos. Avançamos no pagamento de precatórios e reduzimos a dívida com fornecedores. Por outro lado, aumentamos a arrecadação, seja com receitas normais ou extraordinárias”, concluiu o secretário.

A base de cálculo para esse índice é medida pela dívida bruta de cada Estado, subtraída da disponibilidade de caixa e dividida pela receita líquida corrente. O Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, respectivamente, permanecem como os Estados mais endividados do país, com aumento da dívida ao longo de 2019.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dilson disse:

    Oxe…
    Nenhum comentário para elogiar o governo do petê? Minios, a gritaria só serve para a crítica? Vamos lá, mostrem um pouco de civilidade!

  2. Julia disse:

    Quando Lula foi presidente tb zerou a dívida externa. E foi o melhor presidente do Brasil. Mas os mínimos não aceitam.

    • Sandra disse:

      Voce tem razao. Em 2008, o Lula zerou a divida externa, mas em contrapartida, aumentou a divida interna brasileira, que em 2003 era pouco mais de 600 bilhoes de reais, e pulou em 2008 para 1,4 trilhao de reais, consumindo 64% do PIB brasileiro so para pagamento da divida interna, que nao parou de crescer nos anos seguintes, gerando um endividamento aloprado do pais e gastos anuais com juros que passaram consumir anualmente 12% do PIB. Sem falar na reducao do prazo do pagamento e aumento da taxa de juros dos bancos para pagamento dos JUROS dessa divida INTERNA, sem falar no pagamento dos juros dos custos dos programas politiqueiros, como liberacao de credito facil, bolsa familia, minha casa minha divida, etc. Entao, a partir do fim do governo LULA, essa divida interna passou a ser sentida pelo povo brasileiro, que eh o verdadeiro devedor e esta com ela atolada ate o pescoco, ate Deus sabe quando. Entao, se essa matematica te consola, sim o LULA foi o melhor presidente que f…. o Brasil e os banqueiros agradecem!