Natal possui o menor valor da cesta básica, aponta Dieese

ext-cestaO custo da cesta básica aumentou em fevereiro em 13 capitais do Brasil e diminuiu em 14, de acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Os menores valores foram observados em Natal (R$ 331,79), Salvador (R$ 337,84), Maceió (R$ 347,38) e Rio Branco (R$ 349,22).

As maiores altas foram registradas em Macapá (8,93%), Belém (8,64%) e Manaus (7,92%). As quedas mais significativas ocorreram em Vitória (-8,45%), Palmas (-7,80%) e Campo Grande (-6%). De acordo com os dados, São Paulo foi a capital onde o preço da cesta básica ficou mais alto (R$ 443,40). Em seguida, vêm Brasília (R$ 438,69), Manaus (R$ 437,86) e Florianópolis (R$ 430,69).

Segundo o Dieese, com base no total apurado para a cesta mais cara, o salário mínimo necessário para suprir as despesas de uma família com quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.725,01, 4,23 vezes maior do que o valor atual de R$ 880.

Em fevereiro, a maioria dos preços dos produtos da cesta aumentou. Todas as capitais registraram alta no óleo de soja, com variações oscilando entre 1,54%, em Manaus, e 16,76%, em Macapá.

O feijão-carioquinha teve aumento de preço em 26 cidades, com elevações entre 2,73%, em Campo Grande, e 22,77%, em Aracaju. A única capital onde houve queda foi Belo Horizonte (-3,57%).

O leite teve o preço elevado 25 capitais, com destaque para Aracaju (12,70%), Manaus (2,54%), Florianópolis (2,25%), Porto Velho (2,02%) e Palmas (1,89%). O açúcar aumentou em 25 capitais, sendo as altas mais expressivas em Florianópolis (17,31%), Natal (11,46%),Maceió (10,61%), João Pessoa (10,12%) e Boa Vista (10,04%).

A farinha de mandioca pesquisada no Norte e Nordeste ficou mais cara em 14 cidades e mais barata em Aracaju (-4,22%). As maiores altas foram verificadas em Belém (21,18%), Macapá (18,97%) e Manaus (16,89%).

Dieese: 13º salário deve injetar R$ 158 bi na economia

A economia brasileira receberá até dezembro uma injeção de cerca de R$ 158 bilhões adicionais por conta do pagamento do 13º salário, estima o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O montante, que beneficiará mais ou menos 84,7 milhões de trabalhadores do mercado formal, inclusive empregados domésticos, contribuintes da Previdência Social e aposentados e beneficiários de pensão, responde aproximadamente por 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Pelos cálculos do Dieese, os beneficiados pelo 13º receberão em média R$ 1.774,00 adicionais até dezembro. O cálculo do Dieese leva em conta dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) ambos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Também foram consideradas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a 2013, e informações do Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS) e da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

No caso da Rais, o Dieese considerou todos os assalariados com carteira assinada, empregados no mercado formal, nos setores público (estatutários ou celetistas) e privado, que trabalhavam em dezembro de 2013, acrescido do saldo do Caged de 2014 (até setembro).

fonte: Estadão Conteúdo

Dieese: Florianópolis tem cesta básica mais cara do País; veja ranking de outras cidades, inclusive, Natal-RN

Florianópolis manteve, em setembro, pelo terceiro mês consecutivo, o posto de capital brasileira com a cesta básica mais cara do Brasil. Conforme levantamento nacional realizado em 18 capitais pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a capital catarinense liderou o ranking no mês passado, depois de a cesta apresentar um leve aumento de 0,04% ante agosto, para R$ 340,76.

São Paulo também ficou, pelo terceiro mês consecutivo, no segundo posto entre as cidades com a cesta mais cara do País. Em setembro, o conjunto de produtos alimentícios essenciais custou, em média, R$ 333,12, na capital paulista, o que representou um recuo de 1,39% ante o preço observado em agosto.

Vitória foi a terceira capital pesquisada com preço mais elevado de R$ 328,33. Na sequência, as outras cidades com preços de cesta básica acima de R$ 300,00 foram: Porto Alegre (R$ 327,65), Rio de Janeiro (R$ 326,78), Belo Horizonte (R$ 303,54), Manaus (R$ 302,49), Curitiba (R$ 301,08) e Brasília (R$ 300,54).

Aracaju, onde o conjunto de itens ficou com valor médio de R$ 233,18 no mês passado, foi o local com a cesta básica mais barata do Brasil. A capital de Sergipe foi seguida por Salvador (R$ 263,63), Natal (R$ 267,39), João Pessoa (R$ 268,56) e Fortaleza (R$ 277,37).

Com base no maior preço apurado para a cesta em setembro, de R$ 340,76, em Florianópolis, e levando em consideração o preceito constitucional que estabelece que o salário mínimo deve ser suficiente para garantir as despesas familiares com alimentação, moradia, saúde, transportes, educação, vestuário, higiene, lazer e previdência, o Dieese calculou que o valor mínimo pago ao trabalhador brasileiro deveria ser de R$ 2.862,73.

O resultado encontrado representa 3,95 vezes o mínimo em vigor, de R$ 724,00. Em agosto, o salário mínimo necessário era de R$ 2.861,55, as mesmas 3,95 vezes do piso vigente. Em setembro de 2013, era menor e correspondia a R$ 2.621,70, ou 3,87 vezes o mínimo da época (R$ 678,00).

O Dieese realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica nas cidades de Aracaju, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória.

fonte: Estadão Conteúdo

Pagamento do 13 º incrementará R$ 1,559 bilhão na economia do RN

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) publicou nesta segunda-feira (28) a expectativa de injeção na economia até o fim do ano, de acordo com o pagamento do 13 º salário do trabalhador.

Segundo o Dieese, cerca de R$ 1,559 bilhão deve ser injetado na economia potiguar, que representante um montante aproximado de 3,8 do PIB, e será destinado ao trabalhador formal, dentre eles domésticas (o), beneficiários da Previdência Social e ainda aposentados e pensionistas da União e Estado, distribuídos em mais de R$ 1,1 milhão de trabalhadores com rende adicional média de R$ 1.274,15.

Brasileiros receberão, em média, R$ 1.740 de 13º este ano, diz Dieese

 Até o final deste ano, cerca de R$ 143 bilhões devem ser injetados na economia brasileira a título de 13º salário, de acordo com cálculos do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O montante representa aproximadamente 3% do PIB (Produto Interno Bruto) do país, e será pago a mais de 82 milhões de brasileiros. A entidade calcula que, em média, os trabalhadores vão receber um 13º no valor de R$ 1.740.

O montante será pago aos trabalhadores do mercado formal, inclusive empregados domésticos; aos beneficiários da Previdência Social, e para aposentados e beneficiários de pensão da União e dos estados.

De todos os brasileiros que devem receber o 13º, a maior parte é de trabalhadores formais, aproximadamente 50,6 milhões de pessoas, ou 61,4% do total. Em segundo lugar estão os aposentados ou pensionistas da Previdência Social, já que representam 37,4% de todos que receberão o benefício (30,76 milhões).

CRESCIMENTO

O número de pessoas que receberá o 13º este ano é cerca de 2,9% superior àquele calculado para 2012.

Estima-se que mais de 2 milhões de pessoas passarão a receber o benefício, por terem requerido aposentadoria ou pensão, por se incorporarem ao mercado de trabalho ou ainda devido à formalização do vínculo empregatício.

No ano passado, o Dieese havia estimado que R$ 131 bilhões entrariam na economia a título de 13º pago em 2012. Na comparação com este ano, houve um crescimento de 9,8%.

METODOLOGIA

Para chegar nos valores divulgados, o Dieese levou em conta dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), ambos do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Também foram consideradas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente a 2012, e informações do Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS) e da Secretaria Nacional do Tesouro (STN).

Folha

Salário mínimo precisaria ser de R$ 2.824,92 para cobrir as necessidades básicas, diz Dieese

O novo salário mínimo nacional, de 678 reais, ainda está longe de ser o ideal, segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

De acordo com cálculos divulgados pelo departamento, o valor deveria ter sido de 2.824,92 reais no mês passado para cobrir as necessidades básicas dos brasileiros. Esse salário mínimo teórico foi calculado com base nos preços da cesta básica durante o mês de março. O número mostra alta em relação ao divulgado em março (relativo a fevereiro), de 2.743,69 reais.

Confira a evolução do salário mínimo desde o início do plano real, de acordo com dados do Dieese, em comparação com o salário mínimo necessário, calculado pelo departamento:

Natal é única capital que registra queda de preço na cesta básica

A notícia é boa e está na Agência Brasil. A cidade de Natal é a única das 17 capitais brasileiras pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que apresentou uma redução no preço da cesta básica. Confira…

O conjunto dos itens essenciais à mesa do brasileiro foi reajustado acima de 10% ao longo do ano passado em três das 17 capitais onde é feita a Pesquisa Nacional da Cesta Básica pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A maior alta ocorreu em Vitória (13,8%) com o valor de R$ 275,39, em dezembro de 2011. A segunda maior elevação foi constatada em Belo Horizonte (11,75%) onde a cesta básica custava R$ 264,01, seguido por Florianópolis com alta de 10,2% e valor de R$ 262,44 no último mês de dezembro.

Ao longo do ano, a cesta básica ficou mais cara em 16 das 17 capitais pesquisadas. A única exceção foi registrada em Natal onde houve queda de 3,38%, com o valor passando para R$ 212,36.

Na comparação com novembro, o valor da cesta básica no último mês do ano diminuiu em cinco localidades: Florianópolis (-2,28%); Curitiba (-1,80%), Porto alegre (-0,99%); Manaus (-0,98%) e Brasília (-0,50%). Entre as 12 capitais em alta as mais expressivas foram: Goiânia (5,58%); Vitória (4,35%) e Fortaleza (4,25%).

Com base no maior valor apurado, em dezembro, o Dieese estimou que o salário mínimo ideal para o trabalhador suprir as necessidades básicas da família deveria atingir R$ 2.329,35 – 4,27 vezes o mínimo em vigor R$ 545. Em dezembro de 2010, o cálculo indicava um mínimo ideal de R$ 2.227,53 – o que representava 4,37 vezes o piso daquela época (R$ 510).

Entre os produtos em alta nas 17 capitais ao longo de 2011 estão o café e o óleo de soja. O Dieese justificou a elevação do café como consequência da longa estiagem que prejudicou a flora e implicou em atraso na colheita do grão no mercado interno. Paralelamente, houve quebra da safra no Vietnã e aumento da demanda nos países asiáticos, pressionando a cotação no mercado internacional.

Já no caso do óleo de soja, estoques reduzidos, quebra de safra e consumo elevado na Índia e China provocaram alta do produto. A carne bovina e o pão francês subiram de preço em 15 localidades. Em relação à carne, o período favorece os reajustes já que este produto tem maior consumo durante as festas de final de ano. Além disso, a longa estiagem, no ano passado, reduziu a oferta de pasto e isso afetou a engorda do gado.

Também por causa da seca, o Brasil colheu menos trigo, no ano passado. O país que já é dependente da produção externa deste item teve de aumentar as importações, onerando o custo das massas em geral que inclui o pão francês.

Em sentido oposto, caiu a cotação do arroz e do feijão entre 16 capitais no acumulado do ano. Na passagem de novembro para dezembro, o valor subiu em 15 localidades no caso do feijão e em 11, do arroz. O fato de ter ciclos mais curtos de produção com três safras, a oferta foi  melhor do que nos demais produtos agrícolas da cesta.