João Maia nega irregularidades enquanto esteve na Agência de Fomento

O deputado federal João Maia, alvo de acusações de prática de irregularidades quando esteve a frente do Conselho Administrativo da Agência de Fomento do Rio Grande do Norte (AGN), emitiu uma nota na tarde desta sexta-feira (20) negando qualquer tipo de ilícito.

As acusações começaram exatamente quando ele começa a ganhar força junto ao governo Rosalba Ciarlini, com direito a indicação no primeiro escalão. Acusação política? Culpado? Isso, o blog nunca vai fazer julgamento. Quem faz justiça é o Judiciário.

Confira a nota na íntegra

Nota de Esclarecimento sobre Inquérito 3324/11 e Matéria Veiculada na Imprensa.

De 17 de junho de 2004 a 8 de março de 2006, fui Presidente do Conselho de Administração da Agência de Fomento do Rio Grande do Norte (AGN), agência administrada por uma Diretoria composta de três executivos e supervisionada por um Conselho de Administração composto de 5 membros.

A AGN encontrava-se então com patrimônio líquido negativo. Foi proposto por seus técnicos e Diretores, que a AGN realizasse investimento em dois programas distintos, o PROFISE e o REFISE. O primeiro tinha como objetivo favorecer os servidores do Estado, fazendo credito consignado com taxas de juros melhores do que aquelas então vigentes no mercado. O segundo visava comprar a dívida de servidores em situação crítica, os refinanciando também com taxas mais favoráveis.

Do ponto de vista social, o programa teve impacto extremamente positivo para os servidores do Estado do Rio Grande do Norte. Do ponto de vista econômico, contribuiu para a recuperação financeira da AGN.

Com relação ao inquérito que está em andamento, e que parte da imprensa tem divulgado, quero ressaltar que:

(1) em nenhum momento foi dito ou alegado em qualquer instância que tivesse havido quaisquer desvios de recursos ou benefícios pessoais com essa política, devendo-se o inquérito única e exclusivamente a uma norma técnica do Conselho Monetário Nacional que, segundo o Banco Central do Brasil, proibiria a AGN de realizar tais investimentos (e cujo teor desconhecia à época em que votei de forma favorável a estes); e

(2) não foi apresentada qualquer acusação a mim direcionada, tendo o MPF requerido a oitiva de todos os membros do Conselho de Administração da AGN à época, seus então Diretores e a ex-governadora Wilma de Faria.

Com a autorização do STF, dei exatamente os esclarecimentos que estou dando a quem interessar possa através dessa nota. E, reafirmando que não conhecendo tal norma técnica, me pareceu correto votar em favor do interesse dos servidores públicos do Estado do Rio Grande do Norte e da economia local.

João Maia – Deputado Federal e ex-presidente do Conselho de Administração da AGN

Ps: A quem interessar conferir o despacho do STF (que transcreve o requerimento do MPF, basta acessar www.stf.jus.br, inserir 3324 em “Acompanhamento de Processos”, selecionar o Inq 3324 e clicar em Despacho)

Deputado Federal João Maia

Desportistas que batizaram o Machadão e o Machadinho serão homenageados na Arena das Dunas

A Arena das Dunas foi construída exatamente nas áreas dos antigos Machadão e Machadinho. Mas os desportistas que deram seus nomes para batizar as antigas praças esportivas não serão esquecidos na história. Eles receberão uma nova homenagem no estádio que vai sediar os jogos da Copa do Mundo.

A Prefeitura Municipal de Natal vai instalar no largo da arena os bustos em bronze dos potiguares João Cláudio de Vasconcelos Machado e de Humberto Nesi. João Cláudio de Vasconcelos Machado era o nome oficial do Machadão, enquanto Humberto Nesi era o do Machadinho.

O projeto para instalação dos bustos foi proposta pela Câmara Municipal de Natal através que um projeto de lei que foi aprovado e sancionado pelo Poder Executivo.

O processo para contratação dos artistas plásticos para confecção será aberto pela Secretaria Municipal da Juventude, Esporte e Lazer e da Copa (Sejel/Secopa). Apenas potiguares poderão concorrer.

 

Jornalista João Ururahy que marcou história no RN morre vítima de câncer

Arquivo TN

O jornalista João Ururahy Nunes do Nascimento, que ficou bastante conhecido entre os anos de 1987 e 1990 por ocupar o cargo de secretário-chefe da Casa Civil morreu na tarde desta quarta-feira (28) em Natal, vítima de câncer.

Mesmo sendo jornalista por formação, Ururahy também marcou história no Rio Grande do Norte por ter sido um dos pioneiros do ramo da publicidade no Estado, a frente da agência Expo Comunicação durante vários anos.

Desde o último domingo (25), dia do Natal, ele estava internado no Hospital Professor Luiz Soares. Hoje, ele não resistiu à luta contra a doença e faleceu.

O velório está ocorrendo no Centro do Morada da Paz, na avenida São José, em Lagoa Seca e o enterro está marcado para às 11 horas de amanhã, no cemitério do Alecrim.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Valmirbezerra disse:

    desempenhou papel brilhante na definição do papel da imprensa oficial do rio grande do norte no governo revolucionario de Aluizio Alves.

    Sua postura pessoal e profissional o qualificavam por ser o único negro que tinha brilho próprio no meio de uma sociedade predominantemente branca.

    A imprensa oficial do RN chora pela partida de João Ururahy.

    Deixou grande legado e amigos por aqui pelas bandas da Ribeira – Diário Oficial.

    Pêsames aos seus familiares. Saibam que partiu daqui pra vida melhor.

    João Ururahy fez o dever de casa. Combateu o bom combate.

    Saudades.

    Valmir Bezerra

Uísque Johnnie Walker quer dar a rasteira na cachaça João Andante

 

Acredite se quiser. A cachaça mineira João Andante, pouco conhecida no mercado potiguar, está sendo processada pela fabricante de uísque Johnnie Walker e o motivo? Plágio!

A marca de uísque argumenta que o nome João Andante é exatamente a tradução literal do nome Johnnie Walker, mas não é só isso. A marca do uísque é representada por um lorde andando para a direita (pra frente), já na da cachaça a marca é um andarilho andando para trás. É muita coincidência, mas que é engraçado, isso é!

Os quatro jovens que detêm a marca disseram que o nome João é bastante comum no Brasil e que o Walker da gigante do mercado de bebidas é um sobrenome e nada tem haver com o andar.

Não estou aqui para julgar, pelo contrário, para noticiar, mas como bom brasileiro tenho que confessar que fiquei curioso para saber da qualidade da cachaça. Ah! Um detalhe: A marca brasileira fabricava apenas 200 garrafas por mês e somente esta semana, após a abertura do processo, os pedidos feitos pela internet já ultrapassam mil garrafas. Se você também ficou curioso em experimentar a cachaça, vai ter que entrar na fila.

Com a alma sangrando, João Faustino se diz vítima e desafia MP a expor desvios

O suplente de senador deve ter aproveitado o final de semana em casa (após passar quase uma semana internado no hospital) para escrever a sua defesa.Agora há pouco, ele emitiu uma nota dizendo que é inocente, alegando que não teve qualquer tipo de vínculo com o consórcio Inspar, pivô do escândalo de fraudes instalados no Detran e descobertos pelo Ministério Público.

Na nota, aberta ao público, João Faustino disse que se sentiu pré-julgado e condenado. Ele declarou não ter recebido qualquer tipo de propina tampouco promessas de gratificações.

“Afirmo aos meus conterrâneos, ainda com alma sangrando, que nunca cometi qualquer ilícito e que nunca estive à margem da lei”, escreveu.

Serviço:

CartaJoaoFaustino.pdf