Família de atleta potiguar colecionadora de medalhas no judô e jiu-jitsu nacional realiza rifa para ajuda em custas mirando competição no México

A família da atleta potiguar Ana Beatriz de Freitas Malta Feitosa, de 13 anos, realiza uma rifa para ajudar nas custas para a participação no Pan Americano de Judô, que será realizado em Guadalajara, no México, entre os dias 06 a 10 de novembro.

Bia, como é conhecida, foi a única atleta potiguar convocada pela seleção brasileira de Judô para participar dessa competição. Um feito grandioso.

A atleta de judô da Nagashima Futuro Campeão e de jiu-jitsu na Gracie Barra Natal coleciona conquistas nas duas artes marciais e vem sendo apontada como uma das grandes promessas do esporte potiguar e nacional.

Felizmente, a cada dia são registrados novos colaboradores, de anônimos a professores, mestres, alunos, amigos e familiares. A rifa custa R$ 5,00.

Dados Bancários

Nome: Bruno de Carvalho Malta Feitosa
CPF: 008.416.604-50
BANCO ITAÚ
Agência: 9686
C/C: 14072-5
Op.: 001
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Agência: 3242
C/C: 25388-2
Op.: 001

Na rifa, são 8 prêmios que serão sorteados. Maiores informações através do WhatsApp (84) 98181-1980. O sorteio está programado para o dia 02/11, às 11 horas, em uma live no Instagram na página da Nagashima Futuro Campeão. Nesta data também será divulgado o valor arrecadado.

A família informa que após o doador realizar o depósito e/ou transferência, deverá enviar o comprovante para o número do WhatsApp (84) 98181-1980 e receberá os bilhetes digitais em seu WhatsApp em menos de 24 horas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bebeto Potência disse:

    Beatriz é uma super atleta a única representante do Rio Grande do Norte nessa competição esperamos contar com ajuda de todos.

Brasil tem o melhor desempenho em Paralímpiadas e termina Londres em 7º

Além de ter conseguido seu melhor desempenho em Paraolimpíadas na edição de Londres, o Brasil também alcançou a meta estipulada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro de ser o sétimo colocado no quadro geral de medalhas.

Em 2008, na capital chinesa, os para-atletas brasileiros conquistaram 16 ouros, 14 pratas e 17 bronzes (47 medalhas ao todo), e terminaram em nono lugar no quadro geral de medalhas.

Com 21 medalhas de ouro, 14 de prata e 8 de bronze (43 no total), o país ficou à frente da Alemanha (18 ouros, 26 pratas, 38 bronzes e 98 no total) e se despede da Grã-Bretanha em grande estilo –Tito Sena conquistou, neste domingo, o lugar mais alto do pódio da maratona classe T46, ao completar os 42 km em 2h30min40s.

A China, que obteve 95 ouros, 71 pratas e 65 bronzes (231 no total), ficou na primeira colocação geral dos Jogos Paraolímpicos de Londres-2012, seguida por Rússia, Grã-Bretanha, Ucrânia, Austrália e Estados Unidos (na ordem da classificação).

Para o Brasil, a modalidade que mais rendeu medalhas de ouro foi a natação –nove ao todo. Daniel Dias, maior medalhista paraolímpico brasileiro, conquistou seis. O nadador André Brasil faturou os outros três ouros nas piscinas de Londres.

 

Confira o top 10 do quadro geral de medalhas

1º China – 95 ouros, 71 pratas e 65 bronzes (231 no total)

2º Rússia – 36 ouros, 38 pratas e 28 bronzes (102 no total)

3º Grã-Bretanha – 34 ouros, 43 pratas e 43 bronzes (120 no total)

4º Ucrânia – 32 ouros, 24 pratas e 28 bronzes (84 no total)

5º Austrália – 32 ouros, 23 pratas e 30 bronzes (85 no total)

6º Estados Unidos – 31 ouros, 29 pratas, 38 bronzes (98 no total)

7º Brasil – 21 ouros, 14 pratas e 8 bronzes (43 no total)

8º Alemanha – 18 ouros, 26 pratas e 22 bronzes (66 no total)

9º Polônia – 14 ouros, 13 pratas e 8 bronzes (36 no total)

10º Holanda – 10 ouros, 10 pratas e 19 bronzes (39 no total)

Confira as 43 medalhas do Brasil em Londres

Atletismo :7 ouros, 8 pratas, 3 bronzes (18 no total)

Bocha: 3 ouros e 1 bronze (4 no total)

Futebol de cegos: 1 ouro

Golbol: 1 prata

Judô: 1 prata e 3 bronzes (4 no total)

Natação: 9 ouros, 4 pratas e 1 bronze (14 no total)

Esgrima em cadeira de rodas: 1 ouro

(Tito Sena ganha o último ouro do Brasil na Paraolimpíada)


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações da Folha S. Paulo

Brasil conquista 20 medalhas de ouro nas Paralímpiadas de Londres e supera marca de Pequim

O Brasil atingiu hoje (8) a marca de 20 medalhas de ouro nas Paralímpiadas de Londres, superando os 16 ouros registrados nos Jogos de Pequim em 2008.

A seleção brasileira de futebol de cinco venceu a França por 2 a 0 na final. Os gols foram marcados por Bill e pelo francês Martin Baron (gol contra). Na estreia dos jogos de Londres, as duas equipes se enfrentaram e fecharam o placar em 0 a 0.

A brasileira Shirlene Coelho conquistou o ouro no lançamento de dardo F37/38 . Além de registrar a melhor marca da prova, a atleta bateu o recorde mundial na categoria com 37,86m – a marca anterior, de 35,95m, também era de Shirlene.

Na categoria bocha BC2, Maciel Sousa Santos venceu o chinês Zhiqiang Yan por 8 a 0 e também conquistou a medalha de ouro. Na bocha BC4, Dirceu Jose Pinto venceu o chinês Yuansen Zheng e garantiu seu segundo ouro na competição.

Na natação, o brasileiro Daniel Dias ficou em primeiro lugar nos 100m estilo livre S5 com o tempo de 1m09s35. Esse é o sexto ouro do atleta na competição de Londres e a 15ª medalha dele na história das paralimpíadas.

 

Paralimpíadas: Brasil fecha terceiro dia de competições com nove medalhas

O Brasil encerrou o terceiro dia dos Jogos Paralímpicos de Londres com mais três medalhas, totalizando nove até o momento. Os nadadores Daniel Dias e André Brasil conquistaram o ouro e estabeleceram novos recordes nos 200 metros livre da classe S5 e 100m borboleta da classe S10. Além deles, o experiente Antônio Tenório, judoca com deficiência visual tetra campeão paralímpico, ganhou o bronze nesta edição.

André Brasil e Daniel Dias começam a fazer suas coleções de medalhas nos jogos de Londres. Com as de hoje, André já soma três medalhas e Dias, duas. Nas Paralimpíadas de Pequim, há quatro anos, o primeiro subiu cinco vezes ao pódio, sendo quatro delas no lugar mais alto, e o segundo foi o recordista de medalhas daquela edição, com nove, sendo quatro de ouro e quatro de prata.

Com as conquistas de hoje, o Brasil se aproxima da meta de ficar entre as sete primeiras nações no quadro de medalhas. Com quatro ouros, o país está na oitava posição, também com duas pratas e três bronzes.

Nas Paralimpíadas, os atletas são separados, em cada modalidade, em cinco tipos de categorias de deficiência: paralisados cerebrais, deficientes visuais, atletas em cadeira de rodas, amputados e les autres (pessoas com esclerose múltipla ou nanismo). Além disso, são classificados de acordo com suas capacidades físicas e competitivas, colocando deficiências semelhantes em um mesmo grupo, buscando o nivelamento mais justo.

Brasil vai superar meta de 15 medalhas em Londres, afirma COB

Com a medalha que a equipe de vôlei masculino garantiu, após vitória por 3 sets a 0 na semifinal contra a Itália, o Brasil conseguirá 16 medalhas, superando a meta de 15 projetada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para os Jogos Olímpicos de Londres.

Atualmente com 11 medalhas conquistadas (duas de ouro, duas de prata e sete de bronze), o Brasil tem garantidas três medalhas de prata no futebol masculino, no vôlei masculino e no vôlei feminino, modalidades em que suas equipes disputarão a final; além de uma de prata e uma de bronze no boxe, com os irmãos Esquiva e Yamaguchi Falcão. Esquiva, que luta na categoria até 75 quilos, está na final de amanhã. Na categoria até 84 quilos, Yamaguchi disputa, ainda hoje, o bronze. Se vencer, avança à final.

A seleção olímpica de futebol jogará a final contra o México amanhã (11), às 10h. As finais de vôlei feminino, contra os Estados Unidos, e do boxe, de Esquiva Falcão contra Ryota Murata, do Japão, também serão amanhã, 14h30 e às 17h45, respectivamente.

 

Com informações da Agência Brasil

 

Vencedores dos Jerns ficarão mais dias sem medalha

Os campeões dos Jogos Escolares do Rio Grande do Norte – Jerns – estão sem medalha e assim deverão permanecer ainda alguns dias, mesmo com a competição praticamente acabando.

Na semana passada, mais precisamente na quinta-feira, a coordenação do evento conseguiu dar andamento à licitação para comprá-las, mas uma coisa é lançar a licitação e a outra é já dispor das medalhas. Ou seja: vai levar tempo.

Aí os alunos e os pais reclamam da situação. Os vencedores são campeões sem pódio.

Previsão para entrega das medalhas: a partir da próxima semana.

No interior do Estado, a responsabilidade vai ficar com as Direds.