PGR vai investigar motivos para troca no comando da PF do Rio

Foto: Antonio Augusto / Secom / PGR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai investigar se há motivos indevidos para a troca no comando da Superintendência da Polícia Federal do Rio, uma das primeiras decisões do novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza. O caso será analisado no inquérito já aberto pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que apura as acusações do ex-ministro Sergio Moro de que o presidente Jair Bolsonarotentou realizar interferências indevidas na PF.

Bolsonaro deu posse ao novo diretor-geral da PF nesta segunda-feira, em uma rápida cerimônia, depois que o ministro Alexandre de Moraes, do STF, barrou a nomeação de Alexandre Ramagem para comandar a PF, devido à sua proximidade com a família do presidente e sob as suspeitas de que haveria desvio de finalidade nessa nomeação. Ainda durante a segunda-feira, Rolando convidou o superintendente da PF do Rio, Carlos Henrique Oliveira, para assumir o cargo de diretor-executivo, o número dois da corporação em Brasília, abrindo espaço para nomear outra pessoa para comandar a PF fluminense.

A rápida troca na PF do Rio chamou atenção dos investigadores, porque o ex-ministro Sergio Moro reforçou diversas vezes em seu depoimento que o principal interesse de Bolsonaro era mudar o comando da PF do Rio e indicar uma pessoa de sua confiança. Ainda não foi divulgado o novo nome escolhido.

Diligências à vista

A avaliação na PGR é que a tentativa de troca na Superintendência da PF no Rio já é objeto do atual inquérito em andamento e, por isso, a atual troca também deve ser esclarecida. Em seu depoimento, Moro não soube explicar as razões pelas quais Bolsonaro gostaria de indicar um nome de sua confiança para a PF do Rio e disse que esta pergunta deveria ser direcionada ao presidente.

Nesta segunda-feira, o procurador-geral Augusto Aras enviou ao ministro Celso de Mello uma lista de diligências a serem realizadas no próximo dia para o esclarecimento dos fatos. Dentre elas, está prevista a tomada de depoimentos de delegados da PF que acompanharam o imbróglio no Rio, como o ex-diretor-geral Maurício Valeixo e os dois últimos superintendentes do Rio, Ricardo Saadi e Carlos Henrique Oliveira, além do delegado Alexandre Saraiva, que havia sido o nome escolhido anteriormente por Bolsonaro para comandar a PF do Rio. Essas diligências também buscarão esclarecer os motivos da realização desta troca neste momento.

As diligências serão realizadas por procuradores da PGR e por investigadores do Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq) da PF, responsável pelos casos envolvendo políticos com foro privilegiado.

A mudança também provocou mal-estar dentro da PF. Como mostrou a colunista Bela Megale, a Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal (ADPF) recuou da intenção de divulgar uma nota de apoio a Rolando depois de saber da imediata troca na PF do Rio. Apesar de significar uma promoção para Carlos Henrique, que terá um cargo com mais poder dentro da estrutura da PF, a promoção foi vista como uma tentativa de apaziguar os ânimos internos para permitir a nomeação de um nome de interesse do presidente no Rio.

Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro deu declarações públicas na saída do Palácio da Alvorada, sua residência oficial, confirmando a troca na PF do Rio, apesar de ela não ter sido oficializada ainda, mas negou que fosse uma interferência sua.

– Não tem nenhum parente meu investigado pela Polícia federal (no Rio), nem eu nem meus filhos, zero. É uma mentira que a imprensa replica o tempo todo, dizendo que meus filhos querem trocar o superintendente (do Rio). Para onde está indo o superintendente do Rio? Para ser o diretor-executivo da PF. Eu estou trocando ele? Estou tendo influência sobre a Polícia Federal? Isso é uma patifaria. Cala a boca, não perguntei nada (quando repórteres perguntaram se ele havia pedido a troca) – disse o presidente, em tom irritado, e acrescentou:

– (O delegado Carlos Oliveira) vai ser diretor-executivo a convite do atual diretor-geral. Não interferi em nada. Se ele for desafeto meu e se eu tivesse ingerência na PF, não iria para lá. Não tenho nada contra o superintendente do Rio de Janeiro e não interfiro na Polícia Federal — afirmou Bolsonaro.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    Ainda têm duvida?

  2. Flauberto Wagner disse:

    Será se o presidente tenha necessidade de troca o jardineiro do Planalto, terá que pedir licença a PGR ou STF?
    Não tenho procuração do presidente e muito menos quero para lhe defender, mas com a devida data vênia, acho que não precisamos de presidente, e sim de uma junta governativa judiciária, haja vista que os seus atos não seriam censurados e nem contestados, assim, como são o da maior autoridade constitucional do pais.
    Vivemos em um tempo, fora do tempo aonde minoria é maioria.

JUÍZO PASSA LONGE: Pesquisa diz que pessoas se sentem atraídas por outras no carnaval, aponta “motivos” para traição, e revela que maioria não quer separação

Foto: Ilustrativa

O carnaval está aí é o clima é de folia e pegação até para os comprometidos. Pelo menos é isso que indica pesquisa do site Second Love, dedicado a pessoas que desejam ter relações extraconjugais, que mostra que a infidelidade aumenta nesse período.

De acordo com o site, isso acontece porque muitos homens e mulheres encontram nos bloquinhos ou nas festas de carnaval uma oportunidade de fugir de uma relação que pode ter caído na monotonia. Os motivos para cometer uma traição , segundo os 2400 entrevistados na pesquisa, não param por aí:

cerca de 50% sentem-se atraídos por outras pessoas;

68% das mulheres confessam a necessidade de sentirem desejadas novamente;

25% das mulheres referem-se à necessidade de uma aventura por viverem um relacionamento sem sexo;

mais de 80% dos homens traem devido à falta de sexo com a justificativa de ter mais frequência e variedade

Ainda assim, a ideia é trair nos dias de folia e seguir o relacionamento , já que 70% dos entrevistados afirmam que não querem se divorciar. Eles dizem que ainda amam seus parceiros, valorizam a família ou que apenas buscam uma diversão, não um novo namorado (a). Para eles, trair no carnaval é uma oportunidade para experimentar momentos de fantasia e exaltação, além de viver níveis altos de adrenalina.

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anderson M. G. disse:

    Em um relacionamento verdadeiro não há traição. Afastem se dessa degradação chamada Carnaval que só potencializa a traição!

Aventura ou insegurança? Pesquisa aponta motivos para traição no carnaval

Foto: Ilustrativa

Todo início de ano o carnaval levanta as seguintes questões nos relacionamentos: Por que trair no carnaval , quando existe a opção de terminar o relacionamento? Por que mentir para curtir o carnaval, se existe a possibilidade de abrir o coração outra vez e mudar o rumo da sua vida? Encontrar essas respostas levam para outra pergunta: Por que terminar com o parceiro, quando tudo que a pessoa deseja é apenas um amor de carnaval, ou seja, passageiro?

As condutas morais não passam de regras éticas que visam orientar o comportamento coletivo, e que ignoram a felicidade e as particularidades de cada um. O desejo de trair dentro de um relacionamento e, principalmente, casamento, é algo que pesa.

Segundo pesquisa da Second Love, 6 em cada 10 mulheres que procuram um amante durante o período carnavalesco, não querem se divorciar; mas querem ter uma aventura, sentir emoções, ou seja, uma diversão passageira e não um compromisso com alguém.

Em outro cenário, em um relacionamento estável e duradouro, por exemplo, regendo uma família feliz e cumprindo inúmeros papéis exigidos – mulheres e homens apaixonados, mães e pais cuidadosos -, a diversão acaba sendo deixada ‘de lado’.

Caso juntarmos tudo isto com a rotina e a monotonia das relações monogâmicas de longa duração, a vontade de ir em um bloquinho de carnaval ou dar uma fugidinha de casa acaba surgindo inevitavelmente.

A Second Love realizou uma consulta com os usuários e listou alguns motivos que alimentam o desejo de trair durante o carnaval e outros pelas quais o término da relação não é desejado, mesmo com o desejo de se divertir livremente durante esse período.

Durante o carnaval, a traição ocorre, pois:

– Cerca de 50% que são infiéis, sentem-se atraídos por outras pessoas;
– 68% das mulheres confessam a necessidade de sentirem desejadas novamente;
– 25% das mulheres referem-se à necessidade de uma aventura por viverem um relacionamento sem sexo;
– Mais de 80% dos homens traem devido à falta de sexo com a justificativa de ter mais frequência e variedade;
– Nos relacionamentos a longo prazo, corpo e sexo acabam se tornando secundários;
– É uma oportunidade para experimentar momentos de fantasia e exaltação;
– Sentem necessidade de correr riscos e experimentar níveis altos de adrenalina.

Mais de 70% dos usuários confessam que não planejam terminar o relacionamento para curtir o carnaval, pois:

– Ainda amam seus parceiros;
– Valorizam a harmonia familiar;
– Muitos casais mantêm um acordo para se relacionar abertamente;
– Não querem outro parceiro, apenas uma diversão durante o período de carnaval .

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    LEGAL MUITO LEGALLLLLLL!!!!!!!! PEGA O DEDO E ARRRRGGGG!!!!!!!!!

  2. gustavo disse:

    Interessante!

Domício diz que não vai falar. "Estou de férias"

Exonerado oficialmente ontem da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), o médico Domício Arruda recusou-se a comentar os motivos de sua demissão. Procurado pelo Diário de Natal, o ex-secretário sequer explicou se pediu exoneração ou foi demitido do cargo. “Eu tive uma conversa com a governadora, na qual acertei que não falaria sobre esse assunto. Não comentarei. Estou de férias”.

Fonte: Diário de Natal

Vejam porque você pode não ser seguido no Twitter

Quem nunca recebeu um tweet “Oi @fulano, estou te seguindo. Me segue de volta?”. Pois é. E aposto que você já começou a seguir alguém no Twitter na esperança de que essa pessoa te seguisse de volta. Mas, sabemos muito bem que esses chamegos em 140 caracteres nem sempre são correspondidos. Por isso, o Mashable elaborou uma lista com oito motivos que fazem as pessoas não te seguirem de volta. Vamos a eles:

1) Você é um ovo

Nada acusa mais o fato de alguém ser novo no Twitter do que não usar uma foto no perfil. O melhor é sempre mostrar a cara. Caso você esteja à frente do Twitter de uma marca ou não queira revelar sua identidade, dá para usar uma imagem.

2) Você não escreveu nada na sua bio

Ninguém consegue saber quem você é só com uma imagem. Você tem 160 caracteres à disposição, use-os para contar mais sobre você e dizer sobre que assuntos você pretende twittar.

3) Algo na sua bio pode afastar outros usuários

É claro que você pode defender ideias religiosas, políticas ou qualquer assunto controvertido na sua bio. No entanto, vale saber que isso pode afugentar possíveis seguidores. Por outro lado, pode atrair quem pensa parecido. Na dúvida, tente abrir o espectro da sua bio com um texto amigável e informativo ao mesmo tempo.

4) Seus tweets são bloqueados

Simples: se seus tweets são protegidos, dificilmente alguém se preocupará em pedir permissão para lê-los. As mensagens diretas estão aí para quem quer dizer algo de forma particular.

5) Você twitta muito pouco

Possíveis seguidores gostam de dar uma olhada na sua timeline para saber o que você anda falando e com que frequência. Se parece que você twitta uma vez por semana, às vezes menos, dá a impressão de que você não é muito fã de mensagens em 140 caracteres.

6) Você twitta demais

Pense: você acaba de seguir alguém e, de repente, sua timeline foi floodada por tweets dessa pessoa. Imagina fazer o mesmo com os outros? Unfollow na certa.

7) Fala demais, interage pouco

O Twitter não é um monólogo. Se alguém mencionou você, responda. Junte-se a conversas na timeline. Dê RTs no que achar interessante.

8) O problema não é com você, é comigo

Seu perfil está lindão: foto nos trinques, bio bem escrita. Você twitta diariamente, sem entupir a timeline dos seguidores. Mas nada do que você escreve atrai aquela pessoa que você gostaria que te seguisse. Não tem problema: se você fizer tudo direitinho, vários outros vão se interessar. =)

O que achou das dicas? Se você tiver outras, deixe nos comentários.

(por @bernardobarbosa, via @mashable) nas Redes