VÍDEO: Parrachos de Maracajaú não foram prejudicados por fragmentos de óleo e visibilidade de águas segue cristalina

Em nota, o Idema, junto com Fundep e EcoRecifes, informam que fragmentos de óleo que atingem o litoral nordestino e, em significativa parte, o estado do Rio Grande do Norte, até o momento, não comprometem os parrachos de Maracajaú, um dos principais pontos turísticos da região nordeste.

Veja mais – VÍDEOS: Bugueiros e banhistas tranquilizam e mostram praias limpas nos litorais norte e sul do RN

Em nota acima, a situação dos parrachos de Macacajaú, encontra-se em situação de normalidade, inclusive, com normalidade para passeios, banhos e mergulho. Conforme vídeo abaixo, mergulhadores constataram 100% de visibilidade das águas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcio disse:

    Conseguem postar de mais praias… estou com viagem marcada para 02/11/2019.

Parrachos de Maracajaú e Rio do Fogo: monitoramento paralisa atividades turísticas entre os dias 1 e 20 de junho

Parrachos da APARC têm atividades turísticas suspensas para monitoramento. Foto: Divulgação

O Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte – Idema comunica que, entre os dias 1 e 20 de junho, ocorrerá a paralisação anual da atividade turística nas áreas de visitação da Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais. O hiato na localidade dos Parrachos de Maracajaú e Rio do Fogo acontece em cumprimento à recomendação feita pelo Plano de Manejo da Aparc (Portaria 136/2012).

O supervisor do Núcleo de Unidades de Conservação, Rafael Laia, explica que durante a paralisação será realizado intenso monitoramento ambiental: “Essa atenção é muito importante para registrar o comportamento do ecossistema recifal sem a interferência humana”, afirma.

O Idema conta com a compreensão e parceria de todos os operadores e turistas da região. Cuidar da saúde dos parrachos é garantir a manutenção da biodiversidade e do turismo no Rio Grande do Norte.

Maracajaú concorre para ser "8ª maravilha do mundo"

O site Virtual Tourist abriu votação até o próximo dia 30 de setembro para escolher a “8ª maravilha do mundo”. Estão concorrendo 200 destinos turísticos e um deles, o único do Brasil, é Maracajaú, com seus já famosos parrachos.

A votação é feita através do endereço http://www.virtualtourist.com/8thwonder. Para votar no representante potiguar e brasileiro, digite “Maracajaú” no campo de formulário “search”, na parte superior direita da página, e tecle ENTER. Quando o resultado da pesquisa aparecer, clique em “vote”. Você pode votar quantas vezes quiser, mas só uma vez por dia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eliane Praça disse:

    Valeu Bruno, nós todos temos que entrar de cabeça nessa campanha. Não custa nada dar um voto e ao mesmo tempo, é um grande presente para o Estado. Infelizmente , as pessoas de fora ,dão mais valor os nossos destinos turísticos ,do que nós mesmos.Já coloquei na Barra de Favoritos e darei meu voto todos os dias. Espero que o Rio Grande do Norte e o Brasil, faça isso também.Parabéns pela sua sensibilidade.

MPF e Ibama discutem aperfeiçoamento de regras para visita aos Parrachos de Pirangi

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) e o Ibama estão trabalhando no aperfeiçoamento do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que regulamenta a atividade econômica de passeio turístico e as atividades de lazer nos recifes marinhos da Ponta de Pirangi, conhecidos como Parrachos de Pirangi.

O TAC proposto pelo MPF foi assinado em 2010 pelo Ibama, Idema, Secretaria do Patrimônio da União (SPU) e quatro empresas que promovem passeios até o local, além da ONG Oceânica e a Associação Náutica de Pirangi. O aprimoramento do termo contará agora com o apoio da Marinha, através da Capitania dos Portos, que se somará aos demais órgãos no sentido de definir as normas de controle das visitas aos parrachos.

“Nosso objetivo é encontrar a melhor forma de garantir a sustentabilidade da exploração comercial naquela área, conciliando defesa do meio ambiente com desenvolvimento sócio-econômico”, destacou a procuradora da República Caroline Maciel da Costa. O Termo de Ajustamento de Conduta prevê normas que devem ser mantidas até que sejam concluídos os estudos necessários à criação de uma unidade de conservação costeiro-marinha na área.