Sistema de monitoramento em Parnamirim é ampliado; veja bairros com implantação de câmeras

Fotos: Divulgação

Para levar mais segurança à população, a Prefeitura de Parnamirim, através do Grupo de Ciência, Tecnologia da Informação e Inovação (GCTI), segue ampliando o sistema de monitoramento e instalando novas câmeras pela cidade. Ao todo mais de 150 equipamentos já foram instalados em locais internos e externos no município.

Planejado, projetado e com a execução técnica realizada pelo GCTI, o sistema também conta com a participação da Sesdem na operação da parte de segurança e uma parceria com a PRF para a cessão de imagens dos portais da cidade. Nas últimas semanas, alguns pontos nos bairros do Vale do Sol, Rosa dos Ventos, Santa Tereza, Nova Esperança e Jockey Clube, receberam a implantação dos equipamentos.

De acordo com o secretário adjunto Dario Medeiros, responsável pelo GCTI da Prefeitura, o projeto contempla 7 modelos de câmeras com aplicação externa (ruas e avenidas) e internas, nos prédios públicos. Os equipamentos são do tipo inteligente, com recursos analíticos, que são capazes de detectar e alertar o Centro de Operações Integradas (COI).

“Desde um movimento suspeito de um pedestre, objeto suspeito deixado em algum lugar, registrar placas de veículos e alerta em tempo real sobre sua situação, detecção facial de pessoas, alertando sobre sua situação, demarcar linhas de intrusão (cerca virtual), entre uma infinidade de aplicações, é possível programar as câmeras para, a partir de um determinado horário, caso um veículo passe por um determinado local (entrada de bairro), as demais câmeras existentes foquem esse alvo”, comentou Dario Medeiros sobre as funções do sistema de monitoramento.

Sobre a qualidade do sistema, o secretário adjunto do GCTI, lembrou que o serviço vem sendo executado com uma tecnologia de ponta. “As câmeras são conectadas via fibra ótica, através de uma rede de dados própria chamada de Rede Giga Parnamirim. São mais de 80.000km de fibra conectando também todas as secretarias e órgãos da Prefeitura, com qualidade, eficiência e economia de recursos, propiciando a evolução constante dos projetos Parnamirim+Segura e Rede Giga Parnamirim”.

Já foram contemplados com o sistema de monitoramento alguns pontos nos bairros Centro, Boa Esperança, Liberdade, Primavera, Jardim Planalto, Cohabinal, Vale do Sol, Santos Reis (Etapa 1), Monte Castelo, Jockey Clube, Vida Nova, Passagem Areia, Bela Vista (Etapa 1), Rosa dos Ventos, Santa Tereza, Nova Esperança e Antigo Aeroporto (Estrada da Base Aérea e CCTV).

“Além do nosso sistema, contamos com as ações de integração do nosso COI, com a Polícia Militar, despachando ocorrências em tempo real para a viatura mais próxima da ocorrência integrada, com a nossa Guarda Municipal e também com a Polícia Civil e PRF. Seguramente já temos uma resposta eficiente na diminuição de crimes em nossa cidade, e, a médio e longo prazo, cada vez mais esse efeito vai se ampliar”, disse Dario Medeiros, sobre a importância do monitoramento na cidade em conjunto com as forças de segurança.

Ainda de acordo com o secretário adjunto do GCTI, os próximos bairros que receberão a implantação das câmeras de monitoramento serão Emaús, Parque Industrial, Nova Parnamirim, Coophab, Cajupiranga, Pium, Cotovelo e Pirangi.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Otávio Arouca disse:

    No dia que a prefeitura de Parnamirim monitorar Pium, cotovelo e Pirangi,o ano inteiro e não só no veraneio,esse prefeito vai entrar pra história do município. Vai fazer com que muitas pessoas usem as sua casas o ano inteiro. Passando a morar lá. A câmera vai dar segurança.

  2. Paulo disse:

    E esse cidadão e bem faz essas coisas kkkkkkkk….
    Hipócrita

  3. Calígula disse:

    Vixe, tenho uma amante casada com um esquerdista , que sempre traço ela dentro do carro , no jokey clube, será possível invadir minha privacidade kkkkk

    • João disse:

      Enquanto tu tá com a mulher do outro, possívelmente tem alguém com a tua, dando a assistência que tu não dá…
      Corno… kkkkk

    • Calígula menininha do Pr. disse:

      Respeita o Calígula e seus machos, em especial uma certa família que quer se perpetuar no poder.

    • Paulo disse:

      Quem tem machos não é o pessoal de direita…

Monitoramento respiratório: Tecnologia desenvolvida na UFRN auxilia na recuperação de pacientes

Foto: Reprodução/UFRN

Um novo equipamento foi desenvolvido por cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em associação com pesquisadores do Politécnico de Milão na Itália, para ser utilizado na avaliação e no monitoramento de parâmetros respiratórios em pacientes que estejam usando ventilação mecânica invasiva (VMI) e a não invasiva (VNI), situações comuns em pessoas com insuficiência respiratória aguda, casos de pneumonia e covid-19, dentre outras enfermidades.

Objeto de pedido de patenteamento pela Universidade, o dispositivo foi desenhado com tecnologias de última geração relacionadas a medida de variáveis respiratórias diretas que possibilitarão a tomada de decisão clínica em diferentes situações durante suporte ventilatório. Coordenador da pesquisa que resultou na nova invenção, Guilherme Augusto de Freitas Fregonezi pontuou que, atualmente, os aparelhos disponíveis são capazes de fazer avaliações limitadas o que dificulta a tomada de decisão.

“A aplicação dessa tecnologia é variada, considerando espaços físicos e condições clínicas. Ela pode ser utilizada em diferentes ambientes do sistema de saúde onde haja indivíduos em suporte ventilatório”, descreveu Guilherme Fregonezi. Com aplicação clínica e para pesquisa, a patente é vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia (RENORBIO) e foi depositada sob a denominação Dispositivo para avaliação e monitoramento respiratório.

Desenvolvido nos laboratórios PneumoCardioVascular e no Neuroengenharia, o dispositivo permite o monitoramento de respiração espontânea. Foto: Cícero Oliveira.

Além disso, a técnica da ventilação mecânica é utilizada amplamente em diferentes situações, como no pós-operatório de cirurgias com anestesia geral, em pacientes com necessidade de controle dos gases sanguíneos e nos casos de disfunção de outros sistemas ou órgãos. Contudo, a técnica pode induzir diversas complicações, razão pela qual é importante diminuir o tempo e restabelecer a ventilação espontânea tão logo seja possível. E é aqui que apresenta-se um dos outros diferenciais do equipamento: o potencial para identificação de probabilidade de sucesso ou fracasso do desmame.

“Em muitos procedimentos de monitoramento respiratório, é crucial o conhecimento de parâmetros importantes da respiração. Os principais usos do equipamento depositado são o monotonamente de parâmetros respiratórios utilizados para determinar tomadas de decisão durante o suporte ventilatório, de forma presencial ou remota. Um exemplo disso se dá durante o Desmame da Ventilação Mecânica Invasiva, que é um procedimento que exige uma avaliação minuciosa para a eleição dos pacientes aptos a realizar o desmame do ventilador”, ressaltou Fregonezi, também professor do Departamento de Fisioterapia.

Também vinculado ao Grupo de Pesquisa de Avaliação, Inovação e Intervenção em Fisioterapia Respiratória e Cardiovascular, o docente frisou que o novo dispositivo, ao utilizar parâmetros respiratórios na determinação da avaliação, diferencia-se de como ocorre atualmente, onde avaliações são clínicas e subjetivas, utilizando parâmetros isolados para a seleção dos pacientes candidatos ao desmame ventilatório. O grupo de autores do invento inclui ainda os cientistas Saint-Clair Gomes Bernardes Neto, Íllia Nadinne Dantas Florentino Lima, Andrea Aliverti, George Carlos do Nascimento e Vanessa Regiane Resqueti.

Fregonezzi destaca que essa tecnologia pode utilizada em diferentes ambientes do sistema de saúde onde haja indivíduos em suporte ventilatório. Foto: Cícero Oliveira.

Para o diretor da Agência de Inovação (AGIR), Daniel de Lima Pontes, este depósito de pedido de patente é um exemplo de criação de produtos e processos que ajudam no desenvolvimento econômico do país. “É também uma espécie de utilização dos resultados encontrados nas pesquisas científicas que geram produtos que atendem a demanda de um setor tão importante como o da saúde. Na UFRN, temos uma vitrine tecnológica com quase 300 pedidos de patente que podem ser fruto de parcerias público-privadas, por exemplo, na qual os investidores podem ter vários benefícios ao associar-se à Universidade, como o know-how e a expertise que nós detemos em vários âmbitos”, afirmou Daniel Pontes.

Os pedidos de patentes e as concessões já realizadas podem ser acessadas através do endereço www.agir.ufrn.br, mesmo local em que os interessados obtêm informações a respeito do processo de licenciamento. O diretor da AGIR esclareceu que, mesmo durante a pandemia, a Agência está realizando atendimento e dando andamento aos depósitos de pedido de patente, via e-mail da Agência de Inovação (AGIR), [email protected]

Com UFRN

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo disse:

    A cápsula Vanessa ninguém fala…

  2. Paulo disse:

    Cura da covid, inventar equipamento que identifique a presença do vírus no ar e em superfície. Instantaneamente, aparelho de ar condicionado que filtre o ar em shoppings, lojas, supermercados, elevadores.
    Nada disso é pesquisado.

    • Paulo disse:

      Se na entrada de supermercados, shoppings, bancos, aeroportos houvesse uma espécie de bafômetro para identificar a presença do corona vírus no ar, com resultado instantâneo, a pessoa seria chamada para fazer um teste swab, o local seria descontaminado, e a probabilidade de transmitir o vírus seria mínima.
      Mas ninguém pesquisa isso.
      Onde estão os cientistas?
      Estamos na maior crise do mundo.
      E os cientistas de braços cruzados.
      Não há iniciativa nenhuma.
      Daqui a 10 anos, depois de várias descobertas, os cientistas vários artigos citando descobertas para as quais não contribuíram em nada e baterao no peito dizendo sou cientista, sou ciência.
      Ciência que não colabora de forma rápida para resolver os grandes problemas do mundo tem pouca utilidade.
      Não adianta descobertas daqui a 2, 5, 10 anos.
      Cientistas, se mexam.
      Muitos são pagos com recursos públicos mas não estão fazendo nada para reduzir os impactos da covid.
      Já imaginou parar a doença sem parar a economia?

Estações da Rede Sismográfica Brasileira operadas pela UFRN registraram mais de 50 tremores na região Nordeste nos últimos quatro meses

Foto: Reprodução/UFRN

No começo da semana, um terremoto sacudiu o sossego de milhares de baianos, que ainda despertavam para mais um domingo lento de quarentena. O forte tremor de magnitude 4.6 e seus efeitos devastadores foram percebidos em várias cidades do interior da Bahia: Paredes racharam, tetos caíram, estoques desabaram. O evento que pegou moradores de surpresa foi no mesmo instante identificado e classificado, a quase 220 quilômetros de distância dali, por uma das estações da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) operadas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Desde a década de 1970, o laboratório tem trabalhado em parceria com entidades públicas e privadas, como a Defesa Civil, a fim de informar e auxiliar as populações locais sobre eventos sísmicos, uso da sismologia para entender a estrutura e evolução da Terra e a formação de recursos humanos de alto nível. Atualmente, o LabSis conta com estações de monitoramento sísmico em todos os estados do Nordeste para detectar as menores vibrações que ocorrem na região. Após as últimas ocorrências na Bahia, por exemplo, já está prevista a instalação de uma rede sismográfica local pelo LabSis/UFRN, com financiamento do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos Tectônicos.

Sismograma do dia 30 de agosto. O início do registro do evento está em azul a partir das 21:22 UTC. Acima desse evento estão os dois sismos da Bahia, incluindo o tremor de magnitude 4.6 marcado em vermelho. Foto: Reprodução.

O trabalho do LabSis é desenvolvido através de monitoramento contínuo das estações sismográficas instaladas. Também são feitas visitas periódicas em campo para manutenção das estações e coleta de dados, que serão estudados na UFRN. Além disso, é desenvolvido um trabalho social de esclarecimento às populações locais sobre causas, danos e consequências de um terremoto.

Estações

O Brasil tem mais de cem estações como essas mas deveria ter pelo menos o dobro, defende o coordenador do LabSis, o geofísico e professor Aderson Nascimento, para quem o monitoramento precisa aumentar. “No Brasil temos terremotos com potencial de prejudicar grandes estruturas, como barragens, por exemplo. Esse conhecimento é importante para quem faz análise de risco, estuda o cenário para exploração de riquezas ou busca subsídios para prospecção mineral e petróleo”, afirma.

A UFRN monitora quatro estações sismográficas no Estado: A unidade de Pau dos Ferros, Paraú, Pedro Velho e a unidade do município de Riachuelo, que é parte de um acordo de comodato com o serviço geológico dos EUA. Mas como funcionam essas estações? elas trabalham como sistemas autônomos, com painéis solares ou baterias. Cada estação tem um sensor abrigado em uma caixa de concreto aterrada, que vibra junto com a terra e que é chamado de registrador. Esses dados serão então acessados remotamente através de uma transmissão online.

É comum ouvir dizer que o Brasil é um país abençoado por não ter terremotos, mas a realidade trazida pelos sismógrafos desmente essa versão popular. Apenas nos últimos quatro meses – maio, junho, julho e agosto de 2020 – o LabSis registrou mais de 50 tremores na região Nordeste, a maioria imperceptível. Lembrando que a terra não treme forte apenas no interior do Nordeste mas também ao mar. No mesmo dia do terremoto na Bahia, um tremor de magnitude 6.5 ocorreu próximo do arquipélago de São Pedro e São Paulo, em Pernambuco. O epicentro foi localizado a 40 quilômetros das ilhas, dentro do limite das 200 milhas ou 370 quilômetros da Zona Econômica Exclusiva), e a 960 quilômetros de Natal.

Mapa de localização de onde foram instaladas redes locais para estudo de atividade sísmica desde 1986. Cada triângulo vermelho indica uma rede. Foto: Reprodução.

João Câmara

A ocorrência na Bahia é similar embora menos impactante ao que aconteceu no município norte-rio-grandense de João Câmara há 34 anos. Entre agosto e novembro daquele ano, teve início, como explicado nas palavras do professor do LabSis Joaquim Ferreira, “a mais espetacular sequência sísmica já registrada no Brasil”. O estudo e a documentação dos tremores em João Câmara mudou para sempre o direcionamento das pesquisas sobre sismologia do Brasil.

Para quem não recorda, o primeiro dos grandes tremores de 1986 aconteceu no dia 21 de agosto e alcançou a magnitude 4.3. No mês seguinte, em setembro, mais dois tremores parecidos foram registrados, um com 4.3 e outro com 4.4 de magnitude. O terremoto principal ocorreu às 03h32 do dia 30 de novembro do mesmo ano, alcançando magnitude de 5.1, e seguido por dezenas de réplicas. A sequência de abalos sísmicos foi o suficiente para destruir casas e deixar moradores desabrigados.

Depois das ocorrências na cidade, Joaquim Ferreira descreve que foi possível à sismologia da UFRN se equipar, contratar mais pessoas e atuar em vários estados da região, estudando os tremores de terra tanto do ponto científico quanto esclarecendo a população e ajudando a Defesa Civil a atuar nessas situações. “Isso levou à criação do Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis), que funcionou inicialmente no Departamento de Física Teórica e Experimental, sendo transferido em 2009 para o Departamento de Geofísica, no Centro de Ciências Exatas e da Terra”, relata Joaquim, em texto postado no site do departamento.

João Câmara continua sendo monitorada pelo LabSis, que ainda registra tremores frequentes na região. Uma das causas para o fenômeno é que o município é atravessado pela Falha de Samambaia, a maior falha geológica do Brasil, que tem 38 quilômetros de comprimento por cerca de quatro quilômetros de largura e que atravessa também os municípios de Parazinho, Poço Branco e Bento Fernandes. Estima-se que a sua profundidade varia entre um e nove quilômetros. Uma outra falha geológica, chamada de Falha de Poço Branco, também contribui para as ocorrências sismológicas na região, embora com menos intensidade.

45 anos

Os laços entre a sismologia e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no ano de 2020, completam 45 anos. Essa parceria começou quando a estação sismográfica localizada na capital potiguar, que pertencia à rede sismográfica global WWSSN, passou a ser comandada pela instituição de ensino, sendo de responsabilidade do Departamento de Física da universidade, onde apenas um docente era formado na área de Geofísica. Com a sequência sísmica de 1986, em João Câmara, os olhos de todo Brasil se voltaram para o estado do Rio Grande do Norte e, consequentemente, para os profissionais da área de Geofísica da UFRN.

Além da página oficial, o LabSis também possui outros canais de comunicação como sua página do Facebook, onde são publicadas informações sobre os tremores de terra analisados pela equipe do laboratório, e que recebe também perguntas e informações sobre os possíveis sismos que ocorreram na região. O blog Sismos do Nordeste, alimentado pelo professor Joaquim Ferreira desde 2011, também divulga notícias sobre os eventos sísmicos que ocorreram na região.

A página do laboratório, desde maio deste ano, também fornece um boletim atualizado semanalmente de tremores com magnitude igual ou maior a 1.5 na aba ‘boletins’ localizada no menu principal do portal. O prédio do Laboratório abriga discentes de graduação, mestrado e doutorado, que acabam tendo à disposição salas equipadas com equipamentos e também o auxílio dos próprios professores orientadores, que têm suas salas individuais, e técnicos que trabalham no laboratório.

UFRN

 

Prefeitura de Parnamirim implantará novo método de monitoramento do Aedes aegypti

Foto: ASCOM – Google

Com o objetivo de combater o mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika, a Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria de Saúde, vai implantar um novo sistema de monitoramento, denominado Ovitrampa.

O sistema é uma armadilha de baixo custo e maior eficiência que captura os ovos do mosquito. De acordo com Kleyton Felipe, coordenador do Núcleo de Arboviroses, enquanto o método atual é realizado durante quatro a cinco meses, o Ovitrampa permitirá o monitoramento semanal em todo município.

Kleyton explicou que somente duas capitais do país já começaram a utilizar: Belo Horizonte (MG) e Natal. “O método já tem aprovação do Ministério da Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a previsão é que até o mês de junho comece a ser utilizado em Parnamirim. Serão instalados cerca de 150 armadilhas”, esclareceu.

O Aedes aegypti, também é transmissor da febre amarela urbana. Menor do que os mosquitos comuns, é preto com listras brancas no tronco, na cabeça e nas pernas.

Monitoramento mostra que isolamento no RN é similar ao resto do país

Foto: Reprodução

O percentual de circulação de pessoas no Rio Grande do Norte diminuiu após o decreto estadual de isolamento social, publicado no dia 18 de março e se igualou a média brasileira, especialmente no final do mês de março e início abril. No último dia 05, a movimentação de indivíduos no estado foi 76% menor em relação a circulação base percebida em semanas anteriores, enquanto que no Brasil essa redução foi de 72%.

A análise foi realizada por pesquisadores do Observatório do Nordeste para Análise Sociodemográfica da Covid-19 (ONAS-Covid19), a partir de dados publicados esta semana, quando a Google divulgou o segundo relatório com informações e dados de mobilidade captados pela geolocalização de celulares. A divulgação aponta o nível de circulação ou isolamento de pessoas em locais como restaurantes, supermercados, farmácias, praias, pontos de embarque e desembarque de passageiros e residências, no período que vai de 16 de fevereiro a 5 de abril.

O estudo do ONAS-Covid19 mostra que logo após o decreto de 18 de março, houve uma queda expressiva da circulação de pessoas em supermercados, farmácias e outros locais de compras no Estado e que por volta do dia 23 de março, verificou-se tendência de crescimento no movimento para esses locais, o que pode ser um efeito rebote do isolamento das famílias e a consequente elevação do consumo de alimentos e itens de limpeza e higiene pessoal.

Após o 18 de março a curva de registros de atividades em residências foi crescente e em poucos dias alcançou o patamar de 20% de aumento com relação à linha de base, o que significa uma boa resposta inicial da população as recomendações de restrição de mobilidade. No entanto, os pesquisadores chamam a atenção para uma leve tendência de redução desse patamar ao final da série estudada. As categorias ‘Locais de trabalho’ e ‘Estações de trânsito’ fornecidas pelo relatório da Google também mostram uma tendência de crescimento, sobretudo, nos registros de atividades em locais de embarque e desembarque de passageiros.

A maior adesão percentual do Rio Grande do Norte (76%) comparando com o restante do país (72%), pode ser explicado pelos estados que passaram a apresentar uma menor adesão ao isolamento social, através de decretos de flexibilização de circulação, o que acabou diminuindo a média nacional.

A análise chama a atenção para o fato de que no RN o avanço da Covid-19 nos municípios do interior tem sido expressivo, portanto, acompanhar as tendências de circulação de pessoas nessas localidades, e não apenas na capital e região metropolitana, torna-se ainda mais importante e com a vantagem de permitir um detalhamento por grupos de atividades econômicas.

O estudo completo pode ser acessado aqui. 

Com UFRN

Faceponto disponibiliza plataforma de monitoramento para o poder público

INFORME PUBLICITÁRIO

Diante dessa situação de incertezas e necessidade de realização de quarentena, a Faceponto, empresa potiguar responsável pelo gerenciamento de jornada de trabalho através de reconhecimento facial e georreferenciamento, que é realizado via celular, tablet, e notebook, está disponibilizando sua ferramenta para o poder público, sem custos para os mesmos, como apresentado em nota pelo diretor da empresa, Cássio Leandro:

“Nesse momento difícil que o mundo está atravessando, o correto é darmos as mãos para vencermos o mais rápido possível esse novo vírus. Pensando dessa forma o faceponto está disponibilizando sua plataforma para o poder público sem nenhum custo, com o intuito de possibilitar a melhor gestão da prestação dos serviços básicos que estão sendo realizados via home office, e acompanhamento da rotina dos seus servidores. Nos colocamos à disposição dos entes públicos, de qualquer estado, ou esfera de poder”.

Contato: (84) 98125-9764 / 3012-3279. E-mail: [email protected]

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jair disse:

    Parabéns pela iniciativa.

CORONAVÍRUS: Sesap informa que RN tem três pacientes com suspeita; dois casos são descartados

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) e secretarias municipais de Saúde de Natal e Parnamirim reuniram a imprensa, na manhã desta sexta-feira, 28, para comunicar os casos classificados como suspeitos de infecção humana pelo Covid-2019 (Novo Coronavírus) no Rio Grande do Norte, de acordo com os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS).

Até o momento a situação epidemiológica é de três casos classificados como suspeitos. As amostras coletadas nestes pacientes foram enviadas ao Instituto Evandro Chagas, no Pará, e deverão ter os resultados liberados no prazo de sete dias úteis. As três pessoas estão em isolamento domiciliar, com estado de saúde bom, apresentando sintomas leves, como tosse e coriza. Todos os casos têm histórico de viagem à Itália.

Na tarde de ontem (27) havia cinco casos suspeitos em investigação, informados no banco de dados do Ministério da Saúde. Dois foram excluídos por terem diagnóstico positivo para a Influenza B (gripe). A investigação no caso de uma criança foi concluída e o caso foi excluído, ou seja, não chegou a ser notificado como suspeito por não se enquadrar nos critérios do MS.

O protocolo define que a coleta é feita após o primeiro relato dos sintomas, e uma análise inicial é feita no Laboratório Central do RN, o Lacen. Caso seja detectado outro vírus respiratório, diferente do coronavírus, o caso é considerado descartado. Em caso de resultado negativo ou inconclusivo para influenza, a amostra é enviada para o laboratório de referência nacional, o Instituto Evandro Chagas, no Pará.

O infectologista André Prudente lembrou que os critérios do Ministério da Saúde foram ampliados. “Neste momento é natural que mais casos se enquadrem como casos suspeitos por se tratarem de pessoas que estiveram em outros países e contraíram influenza, mas precisam ser investigadas [para o novo coronavírus]”, explicou.

A subcoordenadora de vigilância epidemiológica da Sesap, Alessandra Luchesi, ressaltou que o Hospital Giselda Trigueiro e o Hospital Pediátrico Maria Alice Fernandes são unidades de referência para os casos que necessitem de internação. “A rede municipal de saúde está sensibilizada para o atendimento e coleta de material para exames”. A partir de hoje a Sesap vai emitir boletins epidemiológicos com atualização dos casos no RN.

Megga Solar lança moderna plataforma digital de monitoramento

Foto: Divulgação

INFORME PUBLICITÁRIO

A empresa de energia solar potiguar Megga Solar acaba de lançar no mercado uma moderna plataforma digital de monitoramento de geração de energia, sendo a única empresa instaladora do Brasil a dispor de sistema próprio.

Com esta plataforma digital, os clientes da empresa podem, a partir de agora, acompanhar todo o desempenho de seus sistemas de energia, identificando em tempo real, por exemplo, a potência instantânea que está sendo gerada pelo seu Sistema Megga Solar e a economia de energia que está ocorrendo no sistema.

Além disso, a plataforma permite que a equipe técnica da Megga Solar tenha acesso a diversos parâmetros de funcionamento dos inversores, normalmente não disponíveis nas plataformas originais dos fabricantes, garantindo uma assistência técnica mais rápida e efetiva.

A Megga Solar é líder de mercado e a empresa do setor que mais cresce no Brasil, além de ser uma empresa genuinamente potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    Parabéns pela conquista, que veio com visão, e um trabalho embasado na tendência de um mercado promissor e com muita responsabilidade.
    É assim que se conquita mercado.
    Boa sorte

Relatório de monitoramento nos parrachos de Pirangi será apresentado nesta quinta-feira

Nesta quinta-feira (28) será apresentado o relatório dos mergulhos de monitoramento dos parrachos de Pirangi para verificar o possível acumulo de óleo. O mesmo que atingiu o litoral potiguar nos últimos meses. O resultado será mostrado na reunião do Gabinete de Gestão Integrada (GGI), na Escola de Governo, às 14h.

Os mergulhos fazem parte do grupo de trabalho criado dentro do GGI para monitoramento de arrecifes, parrachos e estuários. A ação inicial foi realizada na terça-feira passada (25) quando foram realizados mergulhos nos Parrachos de Pirangi e na Ilha Verde (Pirambuzios) com equipes da Marinha, Corpo de Bombeiros, Idema Ibama, Defesa Civil, UFRN e ONG Oceânica.

Barreiras de contenção

Também da reunião, a pesquisadora paulista Íris Regina Fernandes Poffo vai apresentar o resultado dos seus monitoramentos nos rios Pirangi e Catu, e estuários do rio Guaraíras e do rio Curimataú para observar a viabilidade de instalação de barreiras de contenção.

Bióloga pela Universidade Mackenzie, Íris tem especialização em oceanografia biológica, mestrado em Ciência Ambiental e doutorado sobre acidentes ambientais em portos e terminais marítimos. Ex-professora universitária, ela trabalha com educação ambiental, preparação, prevenção e resposta a vazamentos de óleo no mar, análise de planos de emergência, realização de simulados teóricos e práticos, pesquisas sobre percepção e comunicação de riscos, gestão ambiental portuária, fauna oleada, recuperação de manguezal, e mobilização socioambiental.

Ibama descarta óleo e informa que manchas registradas no litoral sul em imagens aéreas são sombras de nuvens e águas de rio

   

Fotos: Almir

Atualizado às 15h40

Em contato na tarde desta sexta-feira(01) com o Blog, o Ibama informa que o registro em fotos em destaque é a Foz do Rio Curimataú. De um lado Baía Formosa, e do outro, Barra do Cunhaú. De acordo com o órgão, as manchas são sombras de nuvens, e a parte mais escura ocorre normalmente porque é proveniente das águas doces e matéria orgânica que descem do rio.

Por fim, o Ibama destaca que a área está sendo monitorada diariamente por terra e ar e não há registros de novas chegadas de óleo.

 Fotos: Almir

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nilson disse:

    Nenhuma mancha foi registrado. Asa fotos retratam sombras de nuvens. Área foi sobrevoada ontem pelo monitoramento do IBAMA, além de rastreada por georreferenciamento, sem indicação de mancha de óleo.

Parrachos de Maracajaú e Rio do Fogo: monitoramento paralisa atividades turísticas entre os dias 1 e 20 de junho

Parrachos da APARC têm atividades turísticas suspensas para monitoramento. Foto: Divulgação

O Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte – Idema comunica que, entre os dias 1 e 20 de junho, ocorrerá a paralisação anual da atividade turística nas áreas de visitação da Área de Proteção Ambiental Recifes de Corais. O hiato na localidade dos Parrachos de Maracajaú e Rio do Fogo acontece em cumprimento à recomendação feita pelo Plano de Manejo da Aparc (Portaria 136/2012).

O supervisor do Núcleo de Unidades de Conservação, Rafael Laia, explica que durante a paralisação será realizado intenso monitoramento ambiental: “Essa atenção é muito importante para registrar o comportamento do ecossistema recifal sem a interferência humana”, afirma.

O Idema conta com a compreensão e parceria de todos os operadores e turistas da região. Cuidar da saúde dos parrachos é garantir a manutenção da biodiversidade e do turismo no Rio Grande do Norte.

Monitoramento da Guarda Municipal afasta grupo suspeito de desordem e atos obscenos no Parque da Cidade

Agentes do Grupamento de Ação Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Gaam/GMN) abordaram e retiraram da área do Parque da Cidade do Natal um grupo de pessoas suspeitas de prática de atos obscenos e desordem realizada no interior da Zona de Proteção Ambiental (ZPA). A intervenção dos guardas municipais se deu após denúncias de frequentadores do Parque da Cidade, que apontaram o grupo como causador dos atos ilícitos.

Na ocasião, o grupo de seis pessoas suspeitas foi abordado pelos guardas, que no primeiro momento realizaram a revista pessoal na intenção de encontrar entorpecentes ou algum tipo de arma. Logo em seguida as pessoas foram interrogadas e convidadas a deixar a área de proteção ambiental. “Eles estavam praticando distúrbios e atos obscenos causando medo e constrangimento para as famílias que utilizam o Parque da Cidade como área de contemplação e lazer”, informou a coordenadora do Gaam/GMN, Francineide Maria.

Toda a área do Parque da Cidade do Natal recebe patrulhamento cotidianamente por parte dos guardas municipais lotados no Grupamento de Ação Ambiental. A medida é responsável por garantir a segurança das pessoas que visitam diariamente a área. “Estamos todos os dias com patrulhamento a pé e em viaturas fazendo rondas nas trilhas pavimentadas e nas naturais. Nossa missão é a de zelar pela segurança das pessoas evitando, principalmente delitos relacionados a roubos e furtos, como também orientado os visitantes para obedecer as regras de boa convivência com a natureza e com as normas legais do Parque”, explicou Francineide.

Nesse sentido, além de fazer a segurança preventiva de todos os cidadãos que frequentam o Parque da Cidade do Natal, os guardas municipais realizam um trabalho de orientação aos visitantes e frequentadores do Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte sobre a utilização correta dos trechos de ciclovia e de caminhada de pedestres. A medida busca levar segurança as pessoas que realizam atividades físicas nas trilhas pavimentadas existentes ao longo da área de preservação ambiental.

Os guardas municipais voltam o patrulhamento para os horários de maior movimento do Parque da Cidade, que normalmente é no início da manhã e do meio para o final da tarde. O trabalho consiste em abordar de maneira gentil os ciclistas que invadem o espaço destinado a pedestres e vice-versa, e orientar sobre a maneira correta de utilização do espaço de acordo com as normas de segurança. Outra ação importante é o monitoramento da velocidade dos cidadãos que utilização o local para pedalar. Nesse sentido, os ciclistas não podem exceder a velocidade de 20km/h.

Todo o espaço de trilhas pavimentadas existente do Parque da Cidade do Natal é sinalizado e delimitado por meio de faixas informando as áreas onde o tráfego é direcionado aos pedestres e os locais voltados aos ciclistas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PT disse:

    Devem ser motivo de orgulho para os pais esses maloqueiros. Imagine se liberarem as drogas; terão zumbis para todos os lados.

  2. João B. disse:

    Que suruba era essa, só tinha uma mulher.

  3. Observador disse:

    já fui pedalar inúmeras vezes e NUNCA vi nenhum patrulhamento ou alguém orientando o fluxo de pedestre e ciclistas. É tudo mentira!

    • Junior disse:

      Trabalho do Gaam é louvável e sim eles orientam as pessoas e os ciclistas. Presenciei um caso que o ciclista insistiu em pedalar em alta velocidade e os guardas conduziram o rapaz até o portão da prudente de morais.

  4. JOAO MARIA disse:

    TEM VAGABUNDOS DE TODA ESPEÇIE, UM FDP DESTE SE PREOCUPAR EM PERTURBAR OS OUTROS QUE NEM CONHEÇEM, ERA ÓTIMO SE PERTURBASSE UM CARA ARMADO E O CARA DESSE O TROCO EM BALAS

Sala de Situação para monitorar Aedes Aegypti começa a funcionar nesta terça-feira

IMG-20151228-WA0009Com a participação de outros órgãos da administração pública estadual, a Secretaria de Estado e da Saúde Pública (Sesap) coloca em funcionamento, a partir desta terça-feira (29), a Sala de Situação, que irá monitorar os focos do Aedes Aegypty em todo o RN.

De acordo com a coordenadora de Promoção a Saúde, (CPCS), Cláudia Frederico, nestes dois primeiros dias da semana, 28 e 29, os estados nordestinos que estão montando estrutura semelhante, estão realizando webconferências para alinhar as ações de mobilização e combate ao vetor. A webconferência da qual a equipe do RN irá participar está agendada para amanhã, das 15h às 16h.

“Estamos também no nosso processo final de elaboração do Plano Estadual de Combate ao Vetor”, informou a coordenadora. Alguns detalhes finais para o funcionamento da Sala de Situação, como a definição do número telefônico de fácil assimilação para as denúncias da população sobre possíveis focos do mosquito transmissor de doenças como Dengue e Zika Vírus ainda não estão definidos pelos setores responsáveis, mas não inviabilizam o início das atividades.

Nas videoconferências, que estão sendo conduzidas por Giovanni Coelho, do Programa Dengue Nacional, os setores de atenção básica, vigilância e comunicação estão sendo articulados para as ações de mobilização e combate ao mosquito, com orientações gerais para atuação em campo.

Também nesta terça-feira o secretário de Saúde, Ricardo Lagreca, irá se reunir com o Arcebispo Metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, a fim de pedir o apoio da igreja nas ações de comunicação e de campanhas educativas junto à população. A Sala de Situação contará com computadores e um grande monitor recebendo informações e imagens de possíveis focos do Aedes Aegypti liberadas pelo Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp). Essas imagens serão feitas só na capital potiguar, onde o Ciosp atua.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. FRASQUEIRINO disse:

    coloquem um numero para que a população possa denunciar os possiveis focos de dengue.

Após monitoramento, sobe em mais de 80% instauração de inquéritos para apurar mortes no RN

O Rio Grande do Norte teve 1.773 Crimes Violentos Letais Intencionais (CLVIs) no ano de 2014, com instauração de inquéritos para investigar 87,4% desses crimes. Os dados, reconhecidos pela Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), foram divulgados pelo Ministério Público Estadual (MPRN) em entrevista coletiva à imprensa na tarde desta segunda-feira (19), na sede da Procuradoria-Geral de Justiça.

A ausência de um sistema de controle entre as mortes contabilizadas e o número de inquéritos instaurados que fez com que o MPRN pensasse no projeto institucional MP Combate Subnotificações de CLVIs para tentar contribuir com a redução da impunidade e da violência no Estado.

“Ação como essa também combate a violência, pois com o Ministério Público cobrando, buscamos o fim da impunidade. Queremos ter mais apuração, com isso mais inquérito, com isso mais denúncia e menos impunidade”, destacou o Procurador-Geral de Justiça Rinaldo Reis.

No ano de 2015, até o final do primeiro semestre (30/06) foram registrados 788 CLVIs no Estado, com 79,44% de instauração de inquéritos.

O PGJ falou do incremento na instauração para investigação dos crimes letais e violentos como o homicídio e o latrocínio, e também destacou a redução no prazo para a instauração dos inquéritos policiais que em 2013 era da ordem de 23 dias e no ano de 2014 caiu para 13 dias.

A coordenadora do projeto pelo MPRN, Promotora de Justiça Luciana Andrade D’Assunção, disse que a compilação ministerial vai continuar sendo feita, já que não existe ainda um sistema específico que consolide esses dados. Ela destacou a evolução percebida desde o pacto firmado como Estado e diversos órgãos para que o poder público passasse a adotar a pactuação dos indicadores de CLVI hoje aplicada através da metodologia Metadados, considerando, inclusive, os crimes decorrentes de atuação policial, reunindo tudo na central de monitoramento de CLVI.

“Evoluimos nesse sentido, com transparência e coragem na divulgação desses números. Temos uma transparência efetiva desde a pactuação para o mapeamento dos CLVIs”, comentou.

Um dado que chamou atenção entre os números divulgados pelo MPRN foi que sete municípios (Natal, Parnamirim, Mossoró, São Gonçalo do Amarante, Macaíba, Ceará-Mirim e Baraúna, pela ordem) respondem por 63% dos crimes letais e violentos registrados no Rio Grande do Norte no primeiro semestre deste ano.

MP Combate Subnotificações de Homicídios no RN
O projeto tem o objetivo de combater a subnotificação de CLVIs no Estado ao fornecer periodicamente dados sobre mortes ocorridas na respectiva Comarca aos Promotores de Justiça com atribuições para a matéria, a fim de que estes busquem assegurar junto à polícia civil local o tombamento do competente inquérito policial.

Com a formalização da instauração do procedimento policial, o Promotor de Justiça terá subsídios não só para combater a subnotificação como para exercer o controle externo da atividade policial, atentando, sobretudo, ao cumprimento dos prazos legais para a sua conclusão, bem como à qualidade da apuração realizada.

Profissionais da saúde realizam monitoramento da Rede Cegonha no RN

Durante essa quinta-feira (03), profissionais e técnicos da saúde se reuniram no Hotel Praiamar, em Natal, para realizar o monitoramento da Rede Cegonha no Rio Grande do Norte. O evento, organizado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) através da Subcoordenadoria de Ações de Saúde (SUAS), tem como objetivo avaliar os instrumentos de implantação da Rede Cegonha no estado. Entre técnicos das maternidades de referência, do Ministério da Saúde e dos grupos condutores nas Regiões de Saúde, cerca de 50 pessoas participaram do monitoramento.

Dentre os instrumentos avaliados estão os resultados dos fóruns municipais realizados em Parnamirim, Natal, Extremoz e Macaíba; dos fóruns regionais ocorridos na 2ª, 8ª e 6ª Regiões de Saúde e as visitas técnicas realizadas em maternidades e hospitais que já tem a Rede Cegonha implantada. No total foram nove maternidades, oito hospitais e uma casa de saúde na 2ª e 6ª Regiões de Saúde e na Metropolitana.

Na avaliação foram apresentados pontos negativos da Rede Cegonha, mas que estão em processo de melhoramento. Como a não implantação de testes rápidos de gravidez na Atenção Básica, o fato de que a maioria dos municípios não oferecem ainda os testes rápidos para detecção do HIV e da sífilis, a fragilidade na vinculação da gestante com a maternidade, a falta de alimentação do Sisprenatal Web, dificuldades com relação à realização e recebimento dos exames durante o pré-natal, entre outros.

Mas segundo Ivana Queiroz, responsável pela SUAS/Sesap, houve também muitos avanços “como a habilitação de dez novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal no Hospital Infantil Varela Santiago; a habilitação da residência médica em Neonatologia no Hospital Santa Catarina e sua certificação como referência estadual no Método Canguru; a habilitação do estado do RN nas fases II, III e IV da triagem neonatal; a realização do Seminário Nordeste em Boas Práticas no Parto e Nascimento; e as capacitações e a construção da matriz para aferição das maternidades com Rede Cegonha”.

Além disso, foram viabilizados recursos para a qualificação do pré-natal realizado na Estratégia Saúde da Família, contratualização das maternidades de referência para partos de risco habitual e alto risco, e habilitação de leitos de retaguarda para obstetrícia, neonatologia e pediatria. Foi implantado também o observatório de leitos das maternidades da 7ª Região e instaurado fóruns de discussão permanente sobre as ações da rede (perinatal, de maternidades e comitê de mortalidade materna e neonatal).

A Rede Cegonha foi instituída pela Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011, e consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e à atenção humanizada na gravidez, parto e puerpério, e, à criança, o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e desenvolvimento saudável. No RN ela se insere nas Redes de Atenção à Saúde (RAS), que inclui ainda a Rede de Atenção Psicossocial, Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência, Rede de Atenção às Doenças e Condições Crônicas, e Rede de Urgência e Emergência. Em 2012 foi criado um Grupo Condutor Estadual das RAS, ao qual estão vinculados os Grupos Executivos Temáticos para cada uma das cinco redes. Esses grupos contam com representantes de setores da Sesap, do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems/RN), além de apoiadores temáticos vinculados ao Ministério da Saúde.

FOTO: Trânsito na Rotatória da Av. João Medeiros Filho é monitorado pela Semob

18347A Prefeitura do Natal, por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), iniciou o trabalho de monitoração e orientação do trânsito nas imediações da rotatória da Av. João Medeiros Filho, na altura da Ponte Newton Navarro.

O objetivo é minimizar os pontos de congestionamentos no sentido região Norte/Ponte Newton Navarro.

“A ação será permanente até a implantação de uma nova sinalização que irá otimizar a qualidade do fluxo de veículo na região,” destaca Walter Pedro, secretário de Trânsito da Semob.

O órgão pede ao motorista que respeite a canalização de orientação da pista e se necessitar pedir informações, proceda de formar a não atrapalhar a fluidez do trânsito.

Se preferir fale com o Alô Semob – Ligue 156 para informações sobre o trânsito, transportes, ocorrências, reclamações e sugestões.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. pedro disse:

    Facilitou muito.

  2. Eduardo disse:

    O transito ali deu uma melhorada significativa. Ideias simples, mas funcionais!