Garrafa de Coca-Cola explode e cega comerciante

O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a empresa Spaipa Indústria de Bebidas, uma das fabricantes e distribuidoras da Coca-Cola no Brasil, a pagar R$ 60 mil de indenização ao comerciante Francisco Geraldo Giacominni, além de uma pensão vitalícia no valor de um salário mínimo por mês.

O comerciante de Bauru (329 km a noroeste de São Paulo) perdeu a visão do olho direito em 2001, após ser atingido pela tampa de uma garrafa de refrigerante que explodiu.

Esta é a segunda condenação que a Spaipa sofre em São Paulo pelo mesmo tipo de acidente. Em abril, ela foi condenada a pagar R$ 10 mil por danos morais a um consumidor que teve o olho ferido após a explosão de uma garrafa.

A empresa disse que não se manifestaria se recorrerá na Justiça, porque ainda não havia sido informada da decisão.

Médico descreve lesão em ‘zig-zag’

O médico que atendeu Giacominni escreveu que “a lesão no olho do comerciante é irregular, denteada, ou em zig-zag e perfurante” e concluiu que “somente os ‘dentes metálicos’ da tampa da garrafa poderiam levar a tal ferimento”.

A perícia concluiu que “em condições especiais de temperatura e agitação anterior do frasco, a tampa pode sair com velocidade a ponto de ferir o operador ou pessoas próximas, inclusive atingir os olhos” e que “se submetida a altas temperaturas, a garrafa do refrigerante poderia explodir”.

A empresa alegou, em juízo, que a perícia não foi conclusiva. Em sua defesa, a companhia afirmou que o fato de a garrafa ter continuado cheia de líquido torna improvável a ocorrência do acidente da forma como foi narrada pelo comerciante.

Com base na perícia técnica e nas declarações do médico que socorreu o comerciante, a Justiça concluiu que “só uma enorme pressão do líquido dentro da garrafa poderia ter ocasionado o estouro e danos com hemorragia intensa” e afirmou que o exame feito na garrafa não encontrou “amassamento ou atritamentos metálicos que pudessem sugerir a utilização de qualquer instrumento para a sua abertura”.

Fonte: UOL

[FOTO/VÍDEO] Coca-Cola cria saco plástico e se adequa a diferente forma de beber refrigerante

Os refrigerantes vendidos nas garrafas retornáveis geram custos mais altos, e em alguns países, os compradores acabam preferindo levá-los em sacos de plástico para que o preço fique mais em conta. E o que se perde com isso? Um dos grandes ícones da Coca-Cola: sua garrafa.

Entender os consumidores é uma das principais tarefas para alcançar não só o sucesso, como também enfatizar os valores transmitidos pela sua marca. Para adaptar o produto a essa realidade, a empresa lançou uma campanha em que passou a oferecer embalagens plásticas no formato das garrafas, que conta inclusive com seu logo.

A ‘The Coca-Cola Bag’ acabou sendo uma grande oportunidade, tendo em vista que nos países onde essa prática é comum, como em El Salvador, por exemplo, corresponde a aproximadamente 80% das vendas.

Fonte: Comunicadores

China fecha fábrica da Coca após encontrar cloro na bebida

As autoridades reguladoras de segurança de alimentos no nordeste da China suspenderam nesta segunda-feira a produção em uma fábrica de bebidas da Coca-Cola como punição após uma inspeção ter encontrado um lote de bebidas, produzido em fevereiro, com água contendo cloro. O comunicado do Escritório Provincial de Qualidade e Supervisão Técnica de Shanxi, divulgado no sábado, não detalha a descoberta e não informa quando a fábrica irá retomar a produção.

Uma porta-voz da Coca-Cola disse que a companhia só encontrou traços de cloro num lote produzido entre 4 e 8 de fevereiro. Os níveis estavam um pouco abaixo do padrão nacional de água purificada na China, que é de 0,005 miligramas por litro, e dos padrões para bebidas ingeríveis definidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), reforçou a porta-voz da empresa.

Segundo ela, a empresa está trabalhando para resolver questões de qualidade e produção na fábrica, e que “em nenhum momento essas questões afetaram a segurança dos nossos produtos no mercado”.

*Com informações do Dow Jones e Estadão

Fórmula secreta da Coca-Cola sai do cofre pela primeira vez

Pela primeira vez na história, a caixa que contém a fórmula secreta do refrigerante Coca-Cola deixou o cofre do Banco SunTrust. A valise foi retirada para ir para outro cofre dentro do museu World of Coca-Cola, em Atlanta, tão seguro quanto o do banco.

Essa foi a primeira vez que a fórmula esteve exposta ao público desde que foi criada em 1886. Mesmo exposta, ela foi transferida dentro de um forte esquema de segurança.

Do museu, as pessoas poderão passar em frente a porta do cofre, mas não poderão chegar tão perto. A segurança será redobrada. A ação faz parte das comemorações de 125 anos da marca e vai deixar muita gente ainda mais curiosa.