Economia

China anuncia crescimento econômico recorde no primeiro trimestre

Foto: Economia G1

A China anunciou nesta sexta-feira (16) um crescimento econômico recorde no primeiro trimestre, de 18,3% na comparação com o mesmo período do ano passado, em grande parte devido à base de comparação reduzida em relação ao começo de 2020, quando a pandemia paralisou a atividade.

Embora o salto do Produto Interno Bruto tenha ficado abaixo da expectativa do mercado de 19% em pesquisa da Reuters, os dados oficiais mostraram que esse foi o crescimento mais forte desde que os registros trimestrais começaram em 1992, depois de alta de 6,5% no quarto trimestre de 2020.

O PIB chinês no primeiro trimestre de 2020 havia caído 6,8%, o pior resultado econômico em 44 anos.

Em 2020, o país foi um dos poucos que registrou crescimento econômico, com alta de 2,3% no PIB.

Recuperada do impacto da pandemia, a China projeta um crescimento de pelo menos 6% este ano (dado mais modesto que as previsões dos economistas). O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um aumento de 8,4% do PIB da segunda maior economia mundial.

“A conclusão é que, com a economia já acima de sua tendência pré-vírus e o suporte sendo retirado, a recuperação da China pós-Covid está se nivelando”, disse Julian Evans-Pritchard, economista sênior da Capital Economics. “Esperamos que o crescimento trimestral permaneça modesto durante o resto do ano conforme o recente boom na construção e nas exportações perca força, levando a atividade de volta à tendência.”

Bolsa da China fecha em alta

As ações da China fecharam em alta nesta sexta-feira, com os investidores comemorando o crescimento robusto do PIB local, embora as preocupações persistentes com o aperto da política monetária tenham levado a uma perda semanal.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,4%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,8%.

‘Recuperação desigual’

O bom resultado se deve principalmente à base de comparação com o início de 2020, quando a economia chinesas estava paralisada pelo vírus, admitiu a porta-voz do Escritório Nacional de Estatísticas, Liu Aihua.

O resultado oficial do PIB da China provoca muito interesse pelo peso do país na economia global.

“As exportações foram o principal motor do crescimento no primeiro trimestre”, em particular de produtos eletrônicos (para o teletrabalho) e de equipamentos médicos aos Estados Unidos e à União Europeia, explicou à AFP o economista Rajiv Biswas, do IHS Markit.

Em março, as exportações chinesas permaneceram sólidas (+30,6% em ritmo anual), quando grande parte do mundo ainda estava muito afetado pela pandemia.

“Mas a recuperação continua sendo desigual, com o consumo das famílias em queda devido ao desemprego”, destacou recentemente o analista Qu Hongbin, do banco HSBC.

As vendas no varejo, principal indicador do consumo, subiram 34,2% em ritmo anual em março, contra 33,8% de janeiro-fevereiro (único dado disponível).

Mas alguns setores encontram dificuldades para retomar o nível pré-pandemia, como o transporte aéreo e ferroviário, que alcançam 60% no máximo de suas capacidades.

“A recuperação total do consumo das famílias depende da campanha de vacinação e de uma melhora do mercado de trabalho”, afirmou o analista da Oxford Economics Louis Kuijs.

A taxa de desemprego, calculada apenas para as zonas urbanas, foi de 5,3% em março, depois de atingir o máximo histórico de 6,2% em fevereiro de 2020 devido à pandemia.

Mas o quadro está incompleto: o desemprego não leva em consideração os quase 300 milhões de trabalhadores de origem rural, que foram muito afetados no ano passado pela epidemia.

A produção industrial chinesa progrediu em março 14,1% em ritmo anual, contra 35,1% de janeiro e fevereiro em conjunto (único dado disponível).

Os investimentos em capital fixo registraram crescimento de 25,6% desde o início do ano e até março.

G1

Opinião dos leitores

  1. A china tem uma dívida no mundo e precisa ser cobrada, os países ocidentais não vão deixar barato. Falo isso não contra o povo chinês, mas o governo.

  2. Praticamente todo os países do mundo tiveram quedas em seu PIB, menos a China, cuja economia está “bombando”. E o psicopata genocida Xi Jinping naturalmente deve estar rindo dos milhões de mortos, dos milhões que perderam seus empregos, das famílias que foram devastadas, dos negócios de milhões que foram à falência. É inacreditável a sede de poder desse SATANÁS.

  3. Interessante que esses esquerdopatas só defende país vagabundo comunistas e quando viaja não vai para esses países, acham muito bacana China, Cuba, Venezuela e etc, vão fazer o que vocês fazem aqui no Brasil pra vê o que acontece com vocês. Agora o povo desse países comunistas massacra o povo e esses esquerdopatas ainda defende.

    1. Lava tua boca ao comprar a China com esses paisecos. A China é uma potência, seu PIB ultrapassou os EUA . É uma potência econômica e celeiro dos maiores bilionários do mundo e maior comprador dos produtos do Brasil.

  4. Já era de se esperar, um país cria o caos e vende meia solução. A maioria dos Produtos de péssima qualidade.
    Produr

    1. Lava essa boca. Se não fosse a China teríamos hoje uma 10 mil mortes por dia e milhões de desempregados no campo.

    2. Caro propagador de besteiras que nunca se toda, cite aí dados que comprovam que o crescimento da china se deu pela venda de vacinas, se for assim os EUA, que também produzem e ainda a Rússia… vão ter o crescimento igual.

      Se não tem provas, PORQUE NÃO TE CALAS?

    3. Amigos Lico e Theboy, vocês ainda dão atenção à esse bolsoloide……..

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

50 MIL DOSES: Vacinas doadas pela China à Conmebol serão usadas para vacinar jogadores de elite

FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL/AFP

A Conmebol vai distribuir 50 mil doses de vacina contra a Covid-19 – recebidas como doação da China, segundo a entidade anunciou nesta terça-feira – para vacinar jogadores da primeira divisão dos dez países que formam a confederação.

Como a intermediação da doação foi feita pelo presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, as vacinas vão chegar a Montevidéu em maio. E de lá serão distribuídas para as dez associações nacionais de futebol, como a CBF, por exemplo.

O plano da Conmebol é que as associações vacinem os times de primeira divisão. Além de jogadores, deverão ser vacinados dirigentes e membros das comissões técnicas, sobretudo os que mais participam de viagens.

A própria Conmebol vai reter um lote dessas vacinas para imunizar seu próprio pessoal – arbitragem, profissionais que participam da organização dos jogos, tanto de clubes como de seleções. O próximo torneio de seleções a ser organizada pela entidade é a Copa América, entre junho e julho, com partidas na Argentina e na Colômbia.

Procurada, a CBF ainda não se pronunciou sobre o tema.

A situação no Brasil não seria tão simples, segundo explica Daniel A. Dourado, médico e advogado sanitarista, pesquisador da USP e do Institut Droit et Santé da Universidade de Paris.

– Primeiro, a CBF teria que pedir autorização da Anvisa para poder receber a vacina Sinovac. E, mesmo assim, pela lei vigente (14.125, de 10 de março de 2021), todas as vacinas recebidas devem ser doadas para o SUS para serem usadas no Programa Nacional de Imunizações.

A Federação de Futebol do Equador, por exemplo, já anunciou que vai “imunizar todas as suas equipes de futebol profissional”.

Globo Esporte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

EUA e China instalam porta-aviões no mar e aumentam tensões

Foto: Markus Castaneda/US Pacific Fleet

A atividade militar no Mar da China Meridional aumentou durante o fim de semana quando um porta-aviões chinês entrou na região depois de um grupo de ataque expedicionário da Marinha dos Estados Unidos encerrar seus exercícios.

Os EUA e as Filipinas estavam se preparando para exercícios conjuntos, enquanto o secretário de defesa dos EUA propunha maneiras de aprofundar a cooperação militar entre Washington e Manila depois que a China concentrou seus navios em águas disputadas.

O jornal estatal chinês Global Times disse neste domingo (11) que o primeiro porta-aviões do país, o Liaoning, navegou no Mar da China Meridional neste sábado, após completar uma semana de exercícios navais em torno de Taiwan.

Não houve anúncio oficial da posição de Liaoning, mas o tabloide chinês reproduziu imagens de satélite publicadas pelo veículo americano The War Zone que trata de questões militares.

A chegada do Liaoning ao mar da China Meridional ocorreu depois que um grupo de ataque expedicionário da Marinha dos EUA, liderado pelo porta-aviões USS Theodore Roosevelt e pelo navio de assalto anfíbio USS Makin Island, realizaram exercícios na região um dia antes.

Os dois navios de guerra foram acompanhados por um cruzador, destroieres e navios anfíbios menores. As embarcações também transportaram centenas de forças terrestres da 15ª Unidade Expedicionária da Marinha americana, além de helicópteros de apoio e caças F-35.

“Essa força de ataque expedicionária demonstra plenamente que mantemos uma força preparada para combate capaz de responder a qualquer contingência, evitar agressões e fornecer segurança regional e estabilidade para um Indo-Pacífico livre e aberto”, disse o capitão da Marinha dos Estados Unidos, Stewart Bateshansky, do Esquadrão Anfíbio 3, em um comunicado.

O Global Times apresentou a opinião de um especialista militar chinês, Wei Dongxu, dizendo que os exercícios da Marinha americana foram uma provocação.

Os exercícios do transportador chinês “podem estabelecer posições defensivas marítimas mais amplas, salvaguardar as regiões costeiras da China e manter as atividades militares dos EUA sob controle”, diz o texto, que cita Wei.

Mas um analista norte-americano descreveu a presença de Liaoning no mar da China Meridional como normal durante a primavera, quando as condições climáticas favorecem o treinamento. “O Liaoning vai até lá nesta época do ano [para praticar] defesa aérea e treinamento real de fogo”, disse Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro de Inteligência Conjunto do Comando do Pacífico dos EUA.

Exercícios conjuntos EUA-Filipinas

Nesta segunda-feira (12), mais de 1.700 soldados dos EUA e das Filipinas iniciaram exercícios militares por duas semanas, informou a Reuters, citando o chefe militar filipino, tenente-general Cirilito Sobejana.

Os exercícios se concentrarão em testar a prontidão das tropas americanas e filipinas para responder a eventos como ataques extremistas e desastres naturais, disse o relatório.

Eles acontecem depois que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, propôs a seu homólogo em Manila, Delfin Lorenzana, maneiras de estreitar os laços entre os militares dos EUA e das Filipinas, disse um comunicado do Pentágono.

As propostas incluíam maneiras de “aumentar a consciência sobre eventuais ameaças no Mar da China Meridional” e vêm depois da “recente concentração de navios militares da República Popular da China nos recifes de Whitsun “, na zona econômica exclusiva das Filipinas nas Ilhas Spratly.

Washington e Manila estão amarrados por um tratado de defesa mútua, que autoridades disseram que poderia entrar em cena no caso de qualquer ação militar chinesa contra navios do governo filipino em torno do recife de Whitsun.

O secretário de Relações Exteriores das Filipinas, Teodoro Locsin Jr., postou no último sábado (10) que trabalhará para que qualquer ataque a navios civis dos filipinos acione o pacto de defesa mútua, informou a CNN Filipinas.

Os comentários de Locsin foram feitos depois que uma equipe de notícias filipina disse na semana passada que seu barco fretado foi perseguido por barcos de guerra chineses enquanto se aproximava de um banco de areia na área disputada de Spratly, de acordo com a reportagem da CNN Filipinas.

“Temos um sério compromisso em ajudar Taiwan a se defender. Temos um sério compromisso com a paz e a segurança no Pacífico Ocidental. E, neste contexto, seria um grave erro alguém tentar mudar essa realidade pela força”. (Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken)

A China reivindica quase todo o Mar da China Meridional de 1,3 milhão de milhas quadradas como seu território, enfrentando reivindicações das Filipinas e de outras nações. Nos últimos anos, Pequim transformou regiões disputadas em ilhas artificiais com a instalação de fortalezas militares.

Pequim acusa Washington e outras marinhas estrangeiras de alimentar tensões na região, enviando navios de guerra como o atual grupo expedicionário liderado pelo porta-aviões Roosevelt.

Tensões em Taiwan

As tensões se estendem até as margens do nordeste do Mar da China Meridional, onde fica a ilha de Taiwan. Pequim reivindica a ilha democrática e autogovernada de quase 24 milhões de habitantes como seu território, embora os dois lados tenham sido governados separadamente por mais de sete décadas.

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu que Pequim nunca permitirá que Taiwan se torne formalmente independente e se recusou a descartar o uso da força, se necessário, para unificar a ilha com o continente.

Antes de se mudar para o Mar da China Meridional no fim de semana, o porta-aviões chinês Liaoning vinha exibindo sua força militar em Taiwan na última semana, segundo a mídia estatal chinesa.

O Exército de Libertação do Povo flanqueava Taiwan com o Liaoning e suas escoltas operando no Oceano Pacífico a leste, além de aviões de guerra a oeste, fazendo incursões na zona de defesa aérea autodeclarada de Taiwan.

Analistas disseram que os exercícios foram um aviso a Taipei e Washington de que Pequim não toleraria nenhum movimento pela independência de Taiwan e estava preparada para agir militarmente para evitar que isso acontecesse.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse, no domingo, que Washington mantém o compromisso de defender Taiwan. “O que é uma preocupação real para nós são as ações cada vez mais agressivas de Pequim contra Taiwan”, disse Blinken no programa Meet the Press, da NBC.

“Temos um sério compromisso em ajudar Taiwan a se defender. Temos um sério compromisso com a paz e a segurança no Pacífico Ocidental. E, neste contexto, seria um grave erro alguém tentar mudar essa realidade pela força”, disse Blinken.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

GRAVE: Chefe da OMS critica falta de acesso a dados da China sobre origem da Covid-19 e não descarta nenhuma hipótese

Foto: Christopher Black/WHO / via REUTERS

Mais de um ano depois do início da pandemia do coronavírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou oficialmente nesta terça-feira o tão esperado relatório da equipe de especialistas que investiga a origem da Covid-19. Os pesquisadores que estiveram na visita de campo a Wuhan, na China, entre o final de janeiro e o início de fevereiro, ainda não descartaram, porém, nenhuma hipótese, e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu mais estudos, criticando a falta de acesso a dados brutos do governo chinês sobre os primeiros casos da Covid-19 registrados na cidade, no final de 2019.

De acordo com a missão de especialistas, que passou 27 dias em Wuhan, a hipótese mais provável é que a de que o vírus tenha sido transmitido de morcegos para um animal intermediário e deste para o homem. A hipótese de que o patógeno teria escapado do Instituto de Virologia de Wuhan, um laboratório de segurança máxima, foi considerada “extremamente improvável”, mas ainda assim Tedros pediu uma nova investigação sobre ela. A suposição foi promovida sem embasamento concreto pelo então presidente americano Donald Trump.

— No que diz respeito à OMS, todas as hipóteses permanecem em jogo. Este relatório é um começo muito importante, mas não é o fim. Ainda não encontramos a fonte do vírus e devemos continuar seguindo a ciência e não deixar pedra sobre pedra — disse Tedros, lembrando que encontrar a origem de um vírus leva tempo. — Devemos isso ao mundo para que possamos tomar medidas coletivas para reduzir o risco de que aconteça novamente. Espero que novos estudos colaborativos estejam baseados em compartilhar os dados de uma forma mais ampla e rápida.

O diretor-geral da OMS disse estar disposto a implementar novas missões de especialistas. O relatório da equipe internacional — que conta com cientistas de Austrália, China, Dinamarca, Alemanha, Japão, Quênia, Holanda, Qatar, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e Vietnã — foi publicado quando a pandemia já matou quase 2,8 milhões de pessoas e infectou mais de 127 milhões em todo o mundo.

— Em minhas conversas com a equipe, eles expressaram as dificuldades que encontraram para acessar dados brutos — disse Tedros.

Em fevereiro, um dos integrantes da equipe da OMS, o australiano Dominic Dwyer, disse que foram solicitados os dados brutos dos 174 casos da doença que a China havia identificado na fase inicial do surto em Wuhan, mas lhes foi fornecido um relatório já com a análise feita por cientistas chineses.

Esses dados brutos são conhecidos como “listagens de linha”, disse ele na época, e normalmente seriam anônimos, mas contêm detalhes como as perguntas feitas a pacientes individuais, suas respostas e como suas respostas foram analisadas.

O relatório da OMS sugere que a transmissão possivelmente começou antes de dezembro de 2019. O primeiro caso detectado teve início dos sintomas em 8 de dezembro. Mas, para entender os primeiros casos, os cientistas tiveram acesso a dados de pacientes com sintomas afins, incluindo amostras biológicas, a partir de setembro.

Segundo o relatório, não está claro se o mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, foi o marco zero do vírus ou apenas o lugar onde ele começou a circular em maior escala. O local, que vários vários pacientes frequentavam ou onde trabalhavam, vendia carnes exóticas e animais vivos. A equipe também citou a possibilidade de o vírus ter sido introduzido em humanos por meio da cadeia alimentar de alimentos frios.

UE e EUA pedem novos estudos

A equipe da OMS visitou vários laboratórios em Wuhan e considerou a possibilidade de o vírus entrar na população humana como resultado de um incidente de laboratório. Embora os especialistas tenham concluído que um vazamento de laboratório é a hipótese menos provável, Tedros disse que ela também requer uma investigação mais aprofundada.

— Não acredito que esta avaliação tenha sido extensa o suficiente. Mais dados e estudos serão necessários para chegar a conclusões mais robustas — afirmou o chefe da OMS.

No ano passado, o governo Trump acusou a OMS de ser demasiadamente complacente com a China e este foi seu principal argumento para cortar sua contribuição ao orçamento da entidade. Trump também chegou a dar entrada no processo para sair da OMS, algo revertido pelo presidente Joe Biden já no dia da sua posse.

A missão da OMS a Wuhan foi aprovada na assembleia geral da OMS no ano passado e negociada durante meses com os chineses. Após a divulgação do relatório, União Europeia (UE), Estados Unidos e 13 aliados, como Reino Unido, Canadá, Austrália, Japão e Coreia do Sul, expressaram preocupação com a falta de acesso aos dados. Em um comunicado conjunto, EUA e os aliados instaram a China a dar “acesso completo” aos especialistas.

A UE, por sua vez, considerou o estudo um “primeiro passo importante”, mas insistiu nas críticas de que a investigação começou tarde demais. Além disso, lembrou que os especialistas estiveram fora da China por muito tempo e de que o acesso aos dados e às primeiras amostras foram insuficientes. Em um comunicado, Walter Stevens, embaixador da UE nas Nações Unidas em Genebra, pediu mais estudos com “acesso oportuno aos locais relevantes e a todos os dados humanos, animais e ambientais disponíveis”.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Qual a novidade OMS? Achar que a China vai deixar sair algum dado real, é acreditar em coelho da páscoa…inocente.

  2. Essa OMS realmente e mentirosa, eles saíram da china falando que não encontraram nada de grave na china e agora vem com outra conversa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS: especialistas começam a deixar a China sem resultados conclusivos

Foto: © REUTERS/Thomas Peter/Direitos Reservados

Especialistas da missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) encarregados de investigar as origens do novo coronavírus começaram hoje (10) a deixar a China, país que consideram o “início do caminho” para desvendar a origem da covid-19.

“A equipe está trabalhando até sair [da China]. Esse é apenas o início do caminho, com muito trabalho a ser feito, seguindo as pistas dos nossos colegas chineses”, afirmou o britânico Peter Daszak, membro da missão, na rede social Twitter. “Muito orgulhoso de nossas conquistas e realista sobre o percurso que nos espera”, acrescentou.

Também Marion Koopmans, virologista holandesa, declarou-se “exausta”, mas comemorou a missão de 27 dias a Wuhan, a cidade chinesa onde foram diagnosticados os primeiros casos de covid-19. “Estou realmente ansiosa para dar os próximos passos”, escreveu também no Twitter.

A epidemiologista dinamarquesa Thea K. Fischer, que considerou na mesma rede social que a missão foi uma “experiência única”, apontou duas teorias preliminares sobre as origens do vírus: por meio de um animal que serviu de hospedeiro intermediário para humanos ou de algum alimento congelado.

Essa segunda teoria tem sido defendida pela China repetidamente, nos últimos meses, após a detecção de vestígios do vírus em alguns produtos congelados importados pelo país asiático.

A investigação é extremamente sensível para o regime comunista, cujos órgãos oficiais têm promovido teorias que apontam que o vírus teve origem em outros países. 90O governo do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump acusou o Instituto de Virologia de Wuhan de ter deixado o vírus escapar, voluntariamente ou não.

Peter Daszak admitiu que a equipe teve de fazer suas investigações num ambiente de pressão política.

O chefe da missão, o especialista em zoonose dinamarquês Peter Ben Embarek, descartou que o vírus tenha tido origem em um laboratório, e considerou a possibilidade de que tenha chegado à China por meio de produtos congelados.

“Tudo continua a apontar para um reservatório desse vírus, ou um vírus semelhante, nas populações de morcegos”, seja na China, em outros países asiáticos ou mesmo em outros lugares, defendeu. Acrescentou que rastrear o percurso do vírus ainda é um “trabalho em andamento”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2,32 milhões de mortes no mundo, resultantes de mais de 106,4 milhões de casos de infeção, segundo balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus, detectado no final de dezembro de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Agência Brasil, com RTP

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Em recado à China, Biden manda navio de guerra a Estreito de Taiwan

Foto: Marinha dos EUA – 18.abr.2020 / Reuters

A Marinha dos Estados Unidos enviou um destróier de mísseis guiados pelo Estreito de Taiwan nesta quinta-feira (4). Esta é a primeira vez que um navio de guerra norte-americano navega pelas águas que separam a China e o Taiwan durante a gestão do presidente dos EUA, Joe Biden.

O USS John S. McCain, baseado no Japão, fez o caminho de rotina conforme a lei internacional, disse o tenente Joe Keiley, porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA, em um comunicado.

“A rota do navio pelo Estreito de Taiwan demonstra o compromisso dos EUA com um Indo-Pacífico livre e aberto. As Forças Armadas dos EUA continuarão a voar, navegar e operar em qualquer lugar que a lei internacional permita”, afirmou Keiley.

Desafio para Biden

A questão do autogovernado Taiwan tem sido um dos primeiros grandes desafios de política externa para o democrata Joe Biden.

Pequim reivindica total soberania sobre Taiwan, uma democracia de quase 24 milhões de pessoas localizada na costa sudeste da China, apesar do fato de que os dois lados têm sido governados separadamente por mais de sete décadas.

No primeiro final de semana de Biden na presidência, a China despachou duas grandes formações de aviões de guerra para a ilha. O movimento levou Taiwan a tomar medidas de defesa, como o envio de jatos de combate para monitorar os voos chineses.

Provocações

Navios de guerra norte-americanos transitando pelo Estreito de Taiwan são vistos por Pequim como provocações que ameaçam a estabilidade na região ao encorajar apoiadores da independência do território.

A última rota registrada ocorreu na madrugada de Ano-Novo, quando o McCain e um segundo destróier, o USS Curtis Wilbur, passaram pelo estreito, de acordo com comunicados da Marinha dos EUA.

Os navios de guerra norte-americanos transitaram pela área 13 vezes em 2020, informou a 7ª Frota. Em 2016, último ano da gestão Barack Obama, foram 12 vezes.

Compromisso com a defesa de Taiwan

Os EUA mostraram um forte compromisso com a defesa de Taiwan durante o governo do ex-presidente Donald Trump, ao aprovarem a venda de equipamentos militares sofisticados a Taipei, incluindo caças F-16, mísseis avançados e tanques de batalha, ao mesmo tempo em que enviavam emissários de alto nível à ilha.

Comunicados recentes do governo Biden sugerem que essas ações não serão revertidas. “Há um compromisso bipartidário forte e longo com Taiwan”, disse o novo secretário de estado dos EUA, Antony Blinken, na semana passada.

“Parte desse compromisso é garantir que Taiwan tenha a habilidade de se defender contra agressões. E este é um compromisso que permanecerá na gestão Biden”, disse Blinken.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. É mais uma estratégia dos EUA para venda de armamentos a Taiwan, nada mais do que isso.
    Fiquem tranquilos que nada vai acontecer.

  2. Americano sendo Americano só isso, quem acha que a troca Trump x Biden ia mudar alguma coisa estava muito enganado ou sofre das faculdades mentais.
    Americano só pensa e age para favorecer a sua pátria, e estão certíssimos, lá é EUA na 1ª opção, EUA na 2ª opção, EUA na 3ª opção, na 4ª opção eles podem pensar em alguém se for muito bom para o EUA.
    Ainda teve gente pensando que Trump ia salvar o Brasil e Biden destruí-lo, lêdo engano, eles são até capazes de fazer qualquer uma das coisas, mais se for conveniente para os EUA.
    Lá não tem esquerda nem direita, republicano ou democrata, situação ou oposição, lá só tem Americano que fazem tudo pelo seu País e para manter a hegemonia mundial.

    1. Tem americano, que por dinheiro, sabota o própio país.
      Patriotismo mesmo é coisa de redneck.

  3. E nao era o trump que era maluco. Kkkkk
    Estados Unidos apenas sendo Estados Unidos, americano é tão "bonzinho".

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

China prende mais de 80 suspeitos de vender vacinas falsas

Foto: © Reuters/Michael Weber/Imago Imagens/Direitos reservados

A China prendeu mais de 80 pessoas suspeitas de envolvimento num esquema de venda de vacinas falsas contra a covid-19, que funcionava desde setembro do ano passado, informou a imprensa oficial.

O jornal estatal Global Times noticiou que as autoridades chinesas também apreenderam 3 mil doses do falso antígeno durante a operação.

Segundo a mesma fonte, a rede criminosa estava presente em várias cidades e a operação foi realizada em conjunto pelas forças de segurança de Pequim e das províncias de Jiangsu e Shandong, no litoral norte da China.

Citado pelo jornal, o especialista Tao Lina garantiu que “as ‘vacinas”, cheias de soro fisiológico, não surtem efeito, mas também não causam problemas de saúde, por isso é claro que os suspeitos queriam dinheiro”.

Outras fontes citadas pelo Global Times argumentaram que a rede poderia estar envolvida na comercialização dessas vacinas falsas no exterior.

Em 28 de janeiro, a farmacêutica chinesa Sinovac, que desenvolveu uma das vacinas no país asiático, publicou um comunicado no qual alertava que algumas “empresas e indivíduos” falsificaram e utilizaram documentos de autorização da empresa para tentarem atuar como “distribuidores da vacina CoronaVac contra a covid-19 e outros produtos de vacinação em mercados fora da China”.

A China iniciou no ano passado uma série de campanhas de vacinação para casos especiais, como militares ou diplomatas colocados no exterior.

As autoridades sanitárias iniciaram também em dezembro passado uma campanha que visa imunizar até 50 milhões de chineses, antes da chegada do Ano do Boi, em 12 de fevereiro, quando milhões de trabalhadores chineses regressam às respectivas terras natais.

Trinta novos casos, 12 por contágio local

A Comissão de Saúde da China informou que foram diagnosticados 30 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, incluindo 12 por contágio local.

As infecções locais foram detectadas nas províncias de Heilongjiang (oito) e Jilin (quatro).

Os restantes 18 casos registrados pelas autoridades foram diagnosticados em viajantes oriundos do exterior, nas cidades de Xangai (leste) e Pequim (norte) e nas províncias de Guangdong (sudeste) e Jiangsu (leste), Liaoning (nordeste), Shanxi (noroeste), Sichuan (centro) e Shaanxi (centro).

As autoridades chinesas redobraram, nas últimas semanas, os esforços para conter os surtos que atingiram diferentes regiões do norte da China: várias áreas foram isoladas e realizaram testes em massa à população, na tentativa de desacelerar a curva de casos.

A China quer evitar um aumento dos casos durante o período de férias do Ano-Novo Lunar, que este ano decorre entre 11 e 17 de fevereiro, quando centenas de milhões de trabalhadores regressam às suas terras natais.

Agência Brasil, com RTP

Opinião dos leitores

    1. "BOLSONARO é chamado de GENOCIDA" por causa da máxima esquerdista:
      "Acuse-os do que SOMOS".

    2. E o sapo de 09-dedos turistando nas ditaduras sanguinarias de seus comparsas, sem cumprir a pena lhe imposta em 03 – instancias.

    3. E o de luladrao tb, uma pena né.
      Só uma pequena diferença, um levou míseros 89 mil, o nove dedos desviou, roubou ou corrompeu algo em torno de UM TRILHAO DE REAIS, Dá pra tu. Kkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

China passa a usar testes retais para detectar Covid-19

Foto: Arnulfo Franco/AP

A China está recorrendo a testes retais para detectar a Covid-19 em indivíduos de risco e em viajantes que chegam do exterior.

O país tem conseguido conter a pandemia com testes em massa e lockdowns onde novos casos são registrados. Mas, nas últimas semanas, surtos locais têm levado autoridades de saúde a testar dezenas de milhares de pessoas pelo método PCR.

As amostras geralmente são retiradas do nariz ou da garganta. Mas moradores de vários bairros de Pequim, onde foram descobertos casos recentemente, têm sido submetidos a testes retais, segundo a emissora pública CCTV.

A medida também está sendo imposta a pessoas em quarentena obrigatória em hotéis, incluindo viajantes do exterior.

O médico Li Tongzeng, do hospital You’an em Pequim, afirmou à CCTV que o teste retal “aumenta a taxa de detecção de pessoas infectadas” porque o coronavírus permanece mais tempo no ânus do que no trato respiratório.

Segundo a TV estatal, os testes retais não serão generalizados porque “não são práticos o suficiente”.

“Considerando que coletar swab anais não é tão conveniente quanto os de garganta, no momento apenas grupos-chave, como aqueles em quarentena, recebem ambos”, afirmou Tongzeng.

Testes em crianças e professores

Mais de mil crianças em idade escolar e professores foram testados em Pequim pelo ânus, pela garganta e pelo nariz na semana passada, além de fazer o teste de anticorpos, segundo a Bloomberg.

Os exames foram realizados após a descoberta de um caso assintomático, de acordo com autoridades locais.

Na segunda-feira (25), passageiros de um voo de Changchun (capital e maior cidade da província de Jilin) para Pequim tiveram de desembarcar após autoridades descobrirem que um pessoa de uma área considerada de alto risco para transmissão do vírus estava a bordo.

Segundo a Bloomberg, os passageiros foram levados a um hotel, onde profissionais de saúde coletaram amostras de nariz e do ânus.

Nas redes sociais, chineses têm reagido aos testes. “Não é muito doloroso, mas é super humilhante”, afirmou um usuário da rede social Weibo.

Restrições a viagens

A China, que já restringiu severamente os voos internacionais desde março de 2020, aumentou as restrições nos últimos meses.

Todas as pessoas que desejam viajar ao país devem apresentar dois testes negativos (PCR e sorológico) antes do embarque e, na chegada e por conta própria, precisam ficar em quarentena por ao menos 14 dias em um hotel.

Nesta quarta-feira (27), Pequim passou a restringir a entrada de viajantes e a exigir teste negativo de Covid-19 mesmo de quem viajar de regiões do país onde há baixa incidência da doença.

Após a chegada, os viajantes autorizados a entrar devem monitorar sua saúde por 14 dias, embora possam se locomover livremente, e serão feitos testes de Covid-19 no 7º e no 14º dia após a chegada.

Viajantes de áreas de alto ou médio risco, onde há mais infecções, estão proibidos de entrar na capital chinesa.

G1

Opinião dos leitores

  1. Doria e governadores do Nordeste vão ao STF exigir que Bolsonaro compre 500 milhões de testes e que testes sejam obrigatórios.
    Doria diz que só a vacina não resolve e que o controle total ppde levar anos.
    Esquerdistas vão as ruas exigir exame retal já.
    Muito embora o esquerdista prefira outra coisa no lugar de teste covid..
    O esquerdista é um cara de pau. ..

  2. Com tanto lugar no corpo pra fazer esse exame ex. ouvido, pernas e braços, piroca, aí vem essa turma de malucos dizer que o melhor local pra realizar o exame é o pobre do FURICO, meu deus do céu quanta descriminação com o nosso zeguedê.

  3. Pedroca e muitos da gadolândia vão comprar testes para 5 anos…
    Pedroca vai pedir ajuda do sobrinho enfermeiro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Veja íntegra de carta de embaixador da China que informa Pazuello sobre sucesso no envio de insumo ao Brasil e avanço ‘acelerado’ para outros trâmites

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, enviou uma carta nesta segunda (25) para o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prestando “estima e consideração” e informando a exportação de insumos para a produção da Coronavac no Brasil.

Na carta, Wanming informou Pazuello de que o envio do lote de 5.400 litros de insumo para a produção da vacina foi autorizado pelos órgãos competentes chineses, prevendo a chegada do material ao Brasil “nos próximos dias”. Isso encerra a conversa entre Pazuello e o governo chinês iniciada em 21 de janeiro.

Além disso, o embaixador disse que os trâmites para a autorização de despacho dos Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFAs) da vacina de Oxford/AstraZeneca estão progredindo de forma acelerada.

Yang Wanming finalizou a carta dizendo que “o lado chinês está disposto a continuar a fortalecer a cooperação com o lado brasileiro no combate à pandemia”.

À tarde, o presidente Jair Bolsonaro fez uma publicação em suas redes sociais anunciando o acordo e agradecendo ao governo chinês e aos ministros Pazuello, Ernesto Araújo e Tereza Cristina pelo acordo.

Íntegra

Leia, abaixo, a íntegra da carta enviada pelo embaixador da China:

“Sr. Yang Wanming
Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Popular da China
25 de janeiro de 2021

A Sua Excelência
Senhor Eduardo Pazuello
Ministro de Estado de Saúde da República Federativa do Brasil
Brasília – DF

Senhor Ministro,

Venho pela presente cumprimentá-lo cordialmente e em continuidade da nossa conversa no dia 21 do mês corrente, aproveito para informar que a exportação ao Brasil do novo lote de 5400 litros dos insumos da Coronavac acabou de ser autorizada pelos órgãos competentes da China. Espera-se que a sua chegada ao Brasil se ocorra nos próximos dias. Em paralelo a isso, os trâmites da autorização para exportação dos Ingredientes Farmacêuticos Ativos (IFAs) da Vacina Oxford/AstraZeneca também estão avançando de forma acelerada. O lado chinês está disposto a continuar a fortalecer a cooperação com o lado brasileiro no combate à pandemia.

Por fim, queira aceitar, Vossa Excelência, os protestos da minha mais alta estima e consideração.

Atenciosamente,

Yang Wanming,
Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Popular da China”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Manoel você poderia muito bem ir RINCHAR na Venezuela ou Cuba, botar uma cela em você e ir passear com molusco ladão, que tal a sugestão? O Brasil não é lugar para você

  2. Eita, o calça apertada deve estar morto de ciúmes, afinal, só ele pode negociar as vacinas.
    Lembrando que SP tem 1/4 das mortes por covid e o governador proibiu o uso da ivermectina, cloriquina e desaconselhou tomar as vitminas C, D e o Zinco.
    Mas vou deixar não irei tomar a vachina, melhor aguardar outra marca.

  3. Mas as relações internacionais não estavam travadas?? E agora Sra. Míriam Leitão?? Bonner, fala aí companheiro…

    1. Tiveram que esconder o Dudu Bananinha e o Beato Salú que só estavam atrapalhando. Pediram desculpas de joelhos e prometeram seguir a cartilha de Mao Tsé.

  4. O gado agora vai tomar a "vachina"?
    O genocida agora vai continuar falando mal da China?
    Mau caráter o presidente e seu gado.

  5. Conversinha, o Sr. Yang Wanming é um homem inteligente, íntegro e de respeito, um verdadeiro diplomata. Jamais colocaria questões pessoais em detrimento de interesses de sua nação, seu povo.
    O Sr. Yang Wanming deu uma aula de cortesia a família Bolsonaro e seus ministros.
    Grande Sr. Yang Wanming, parabéns! Em nome do povo brasileiro agradecemos sua cordialidade.

    1. Ele poderia ignorar. Se abster. Tenta outra. Essa também não colou. Como o da Índia.

    2. daqui a pouco aparace Gadolígula e os outros gados para conversa besteira.. as mesmas figuras de sempre ai ai ai ai.. preguiça dessa boiada

    3. Ainda bem que o Neco (ou Caligula) não é diplomata. É só mais um corneteirinho fazendo uso do direito a opinar sobre qualquer coisa, até sobre o que não domina. Se essa criatura fosse diplomata acho que só conseguiríamos manter relações com o reino de Nárnia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Embaixador da China promete resolver ‘burocracia’ e diz ‘que não há nenhuma discussão política ou diplomática com o Brasil’, diz Pazuello, sobre vacinas

O Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que se reuniu por duas vezes com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, nessa quarta-feira (20), para tratar sobre vacinas contra a Covid-19. “Estamos em negociação diplomática com a China”, disse.

“[O embaixador] colocou pra mim que não há nenhuma discussão política ou diplomática no assunto, e sim burocrática. Ele vai encontrar onde está esse entrave e vai ajudar a destravar”, explicou Pazuello. As declarações foram dadas durante o evento de lançamento do programa ImunizaSUS, na manhã desta quinta-feira (21).

O ministro disse ainda que a previsão de entrega de insumos para o Butantan, prevista em contrato, é para o dia 10 de fevereiro. E para a Fiocruz, até dia 31 de janeiro. Segundo ele, o ministério se empenha em antecipar essas entregas. “Ainda não está atrasada, mas nós estamos nos antecipando ao problema.

Com CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Isso é só o calça colada querendo aparecer. Soltar a narrativa que faltou vacina e ele resolveu o problema. Quem é que não sabe disso? Nem tem mais graça a narrativa da esquerda.

    1. Fala para o Gado Minion, vamos esperar a próxima " falácia "

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

A pedido do governo de SP, Temer entra nas negociações para liberação de insumos de vacina do Butantan que estão na China

Foto: Edilson Dantas/Agência O Globo

A pedido do governo de São Paulo, o ex-presidente Michel Temer entrou nas negociações para liberar a importação dos princípios ativos para fabricação da vacina CoronaVac no Instituto Butantan. Ele entrou em contato com um ex-embaixador da China no Brasil, com que tem boas relações, para que fosse encaminhado o pedido ao presidente chinês Xi Jinping.

Na última terça (19), Temer ligou para o ex-embaixador Li Jinzhang, que hoje trabalha no palácio presidencial da China, e recebeu a promessa de que o pedido de ajuda para liberar a importação seria levado ao presidente chinês.

A informação da entrada de Temer nas negociações foi publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e confirmada ao blog pelo secretário de Governo de São Paulo em Brasília, Antonio Imbassahy, e pela assessoria do ex-presidente brasileiro.

Imbassahy disse ter conversado inicialmente sobre a possibilidade de Temer entrar nas negociações por saber que o ex-presidente tem boas relações com a China. Temer, por sinal, foi contratado pela chinesa Huawei para elaborar parecer jurídico sobre a participação da empresa no mercado de telefonia celular de quinta geração no Brasil.

Depois, segundo Imbassahy, o governador de São Paulo, João Doria, fez o pedido oficial para que o ex-presidente ajudasse o governo paulista nas negociações, o que acabou acontecendo na última terça-feira quando Temer ligou para o ex-embaixador da China no Brasil.

O governo de São Paulo acredita que a importação dos insumos para fabricação da CoronaVac no Brasil será liberada até o final deste mês ou no máximo início de fevereiro. Há um pedido de importação de 11 mil litros de IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), que podem produzir mais de 11 milhões de doses da vacina.

O pedido foi dividido em dois e, assim que houver a liberação, o Instituto Butantan irá receber cerca de 5,4 mil litros do insumo. Numa segunda etapa, a outra metade seria exportada para o Brasil.

Blog do Valdo Cruz – G1

Opinião dos leitores

  1. Tudo teatro. Dória tenta fazer muito bem mas já conhecemos estratégia dele.
    Já está tudo acertado e precisam dizer que foi esse “grupo” que conseguiu.
    Estão formando a base para eleições federais.
    Eles mesmo estão segurando os insumos para dizerem que conseguiram pelo país. Preocupações com os brasileiros é 0,0. Só querem poder!

  2. Tom França, bota íntima nisso iluminou depois os vermelhinhos ficam todos agitados, delirando com esse abração mais do que amigo, no Doriana no rapaz bom que derrubou Dilma do cavalo. São essas cenas que me fazem não desacreditar nos acertos de Bolsonaro, quando os cafajestes se unem tem treta. Foi assim com nove dedos, Calheiros, a Anta, Collor, Sarney, Helder Barbalho e outros bastante nocivos a nós.

  3. Quero vê os comentários viu Ze gado??
    Como é que é?
    Vai elogiar Temer??
    Sim!!
    É aquele mesmo que vcs chamam de golpista.
    Kkkkkkkkkkkk
    É de mijar de rir.
    Kkkkkkkk
    Bora petezada.
    Bora petralhada.
    Cadê um tal de tico de adauto?
    E o pixuleco?
    Eita que é personagem de mais, até esquici o nome dos outros, são tantos que acabo esquecendo.
    Mais Ta valendo.
    Kkkkkkkk
    E João eleitor do Aécio Neves?
    Também conhecido como calça colada??
    Ainda tá cheiroso ou vai passar a feder e vcs vão de andrade??
    Já sei!!
    Vão esperar as ordens do ladrão.
    Se ele mandar votar em Moro vcs votam né????
    Kkkkkkkkkk
    Kkkkkkkk
    Kkkkkk
    Kkkk
    Kk
    K

  4. Kkkkkkkkk
    Agora gostaria de saber a opinião dos Esquerdopatas/Doriana depois desse abraço do Calça Apertada no Temer. Kkkkk
    Todos os corruptos contra Bolsonaro.

  5. Mais um da "patota" de políticos que se une ao "nobre" combate ao bolsonarismo… Só gente boa contra o malvadão…Cada vez mais a certeza aumenta…#bolsonaro2022

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Assessores de Bolsonaro avaliam nomes para fazer ponte com a China por insumos para Coronavac; Mourão diz estar a postos

O governo Bolsonaro está às voltas desde esta segunda (19) com a falta de informação da China a respeito do prazo para envio do IFA, o princípio ativo da vacina do Instituto Butantan, fabricada em parceria com a chinesa Sinovac. O temor é que, sem o insumo, as doses de Coronavac acabem no final de janeiro, quando termina o estoque disponível.

No governo federal, estão em contato com a China o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. No entanto, por conta da postura bélica e dos ataques do chanceler à China – em sintonia com a família Bolsonaro-, assessores presidenciais temem que Ernesto não obtenha informações precisas sobre o prazo da entrega dos insumos antes do término do estoque disponível: fim de janeiro.

Por isso, há uma discussão entre auxiliares presidenciais sobre se não seria o caso de o próprio presidente Bolsonaro contatar o presidente chinês. Outro cenário em debate, nos bastidores, é montar uma força-tarefa com ministros com boa relação diplomática com a China, como a ministra Tereza Cristina (Agricultura), e até o vice-presidente, Hamilton Mourão. O impasse em relação a Mourão, admitem governistas, seria a liberação de Bolsonaro para que o vice tenha protagonismo numa questão dessa magnitude.

Ao blog, Mourão disse que está à disposição para contatar a China e ajudar na questão dos insumos, já que tem boa relação com o vice-presidente chinês.

Perguntado se ele já havia feito contato com alguém da diplomacia chinesa para ajudar na questão dos insumos, ele respondeu:

“Por enquanto não falei, mas estou disponível, estou pronto. Tenho falado com o vice-presidente chinês ( Wang Qishan), ele me desejou melhoras durante o meu período da Covid-19 e estamos em permanente contato”.

Um ministro do governo defendeu ao blog que até o ex-presidente Michel Temer seja chamado a ajudar na relação com a China, já que ele mantém contatos diplomáticos com o país.

O debate sobre alternativas de interlocução está posto nos bastidores já que a solução óbvia seria trocar o ministro responsável por relações diplomáticas, mas demitir Ernesto não está nos planos de Bolsonaro. Assim como Pazuello, a permanência de Ernesto Araujo é garantida pelo presidente Bolsonaro.

Blog Andréia Sadi – G1

Opinião dos leitores

  1. Observador, é correto o seu comentário. Infelizmente, o nosso Presidente, fala muita bobagem. Sabíamos que ele não tinha capacidade intelectual de governar o nosso Brasil. Mais jamais, imaginávamos, que falasse tanta besteira. A China, é uma potência mundial. Politicamente, comunista. Economicamente, capitalista. Meu Deus, será que não têm ninguém para orientar o Pte. Bolsonaro. João Macena.

    1. Infelizmente não tem ninguém para orientar o Bozo porque gente egocêntrica como ele, que não admite ser contrariado, só sabe se cercar de incompetentes e bajuladores. Os poucos que o contrariaram foram alçados pelo Gabinete do Ódio a condição de inimigos do governo. Quem é louco de contrariar outro louco?

  2. Já!!!! E ñ era a vacina chinesa q ia fazer pessoas virar jacaré e homens brocharem? A mentira realmente ñ tem sustentação.

  3. Tonho querendo pedir pinico , ou homem fraco ou presidente peba ou governo esculhambado . Beato Salú se for ledir atrapalha , os bananinhas só querem saber de Trump , o véio tá surtado e Mourao encantado . O último que sair do cabaré de DA LUA soque a luz . Chega Cacá ! Ajudas aí home .

  4. BG na minha opinião só tem uma pessoa que tem grande influência no governo chinês essa pessoa é o ministro da ciência e tecnologia o astronauta Marcos Pontes, o resto a China vai maltratar até quando puder..

  5. Pode mandar quem ele desejar do governo. Tenho certeza que não tem ninguém igual ao ladrão nove dedos, a Anta, Narizinho, o Vampiro, Lilindenberg, O filho Ronaldino, o outro xerox, por isso, fiquemos tranquilos.

  6. Essa é fácil!Os Chineses só vão querer conversar com o Doria. Estão trabalhando para ele ser o próximo presidente. Isso está claro!!

  7. Vou dar 2 nomes bons pra fazer essa ponte. Ernesto Araújo e Eduardo Bananinha. Os dois têm habilidade diplomática de muita katxiguria!

  8. Cuidem, não brinquem com coisas sérias, as piadas desses comentaristas estão de fazer dó.
    A defesa de Bolsonaro pela vida, pela democracia é incansável.
    Procurem ler sobre o passado recente e vejam os erros graves que os políticos, presidentes cometeram na defesa do próprio bolso e não na defesa da vida, da liberdade, da democracia.
    Abram o olho. Não distorçam as ações nem as palavras do atual presidente.

    1. Hã? A sinofobia praticada por membros do alto escalão brasileiro pode comprometer seriamente relações comerciais com a China.

    2. Ta vivendo em qual Brasil? A defesa de Bolzonaro pelo que? Niguem distorce nada do que ele diz ao não ser o gado para defende-lo..

    3. Cris acho que você tomou cloroquina demais… A defesa de Bolsonaro pela democracia é incansável? Em qual universo paralelo você esteve nos últimos 3 anos?

    4. Vc que tanto critica, tem estudos de quantas pessoas que receberam cloriquina, de forma precoce, morreram? Quer discutir com a Dra. Marina Bucar, dentre tantos outros, sobre isso? A campahha contra qualquer tratamento precoce é absolutamente hedionda.

  9. Confio no presidente, se acabar a saliva ele vai usar a pólvora que tem em casa contra os chineses. Deus acima de tudo e Bolsonaro em cima de todos – não sem bem se é assim, desculpem.

  10. ELE E OS FILHOS FALARAM MUITAS MERDAS SOBRE A CHINA, AGORA TÁ NESSA SINUCA DE BICO E NÓS PODEMOS PAGAR UM PREÇO ALTÍSSIMO POR CONTA DAS INSANIDADES DESSE DESPREPARADO.

  11. Os generais Pazzuelo, Heleno e Mourao podiam comandar tropas treinadas e invadir o laboratorio na china e pegar esses insumos na marra. Tem pra que ta se humilhando nao.

    1. Concordo, vamos chamar os reservistas das FFAA para invadir a China e pegar. Cadê os militares? Cadê o patriotismo do povo que reclamou do petê? Quero ver a brabeza desse povo.

      #ffaanachinaagora

    2. Também concordo. Coloca o Bozo e seus filhotes na linha de frente pra invadir????
      Temos póiva pra isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

China tem a primeira morte por Covid-19 em oito meses

Foto: WANG ZHAO / AFP

A China anunciou nesta quinta-feira a primeira morte por Covid-19 em oito meses, enquanto o país detecta uma série de novos surtos e pouco antes da chegada da equipe da Organização Mundial de Saúde (OMS) encarregada de investigar a origem do novo coronavírus em Wuhan, onde a doença foi registrada primeiro, em dezembro de 2019.

O país havia conseguido praticamente erradicar a doença em seu território graças a fortes medidas de controle de movimento, ao uso de máscara, a confinamentos e a aplicativos de rastreamento.

Nos últimos dias, porém, vários surtos reapareceram — embora o número de casos de transmissão local seja baixo se comparado aos números registrados em outras partes do mundo.

Nesta quinta-feira, o governo da China anunciou o maior número de infecções diárias desde março de 2020. A maioria dos novos casos se concentra em Hebei, província que circunda a capital e onde algumas cidades já estão em quarentena. Segundo autoridades, a vítima é dessa região, onde houve 81 casos em 24 horas. O último óbito no país por causa da pandemia havia ocorrido em maio de 2020.

No total, a Comissão Nacional de Saúde informou em um comunicado que foram registrados 138 novos casos, em comparação aos 115 do dia anterior, marcando o maior aumento desde 5 de março do ano passado. Desde o início da pandemia, mais de 97 mil pessoas foram infectadas na China e 4.635 morreram por causa da Covid-19.

Com o aumento dos casos, autoridades têm adotado medidas mais duras. Heilongjiang, uma província vizinha da Rússia, declarou “estado de emergência” na quarta-feira. Seus 37,5 milhões de habitantes não podem deixar a província, exceto em casos de urgência, e reuniões foram canceladas. Uma das cidades da província, Suihua, de mais de 5 milhões de habitantes, já havia sido colocada em quarentena na segunda-feira, com moradores proibidos de sair de casa e com o transporte público suspenso.

O aumento dos casos preocupa o governo com a chegada do Ano Novo Chinês, que este ano cai em 12 de fevereiro, porque a data causa o deslocamento de milhões de pessoas. No entanto, autoridades acreditam improvável que o país registre uma alta disseminação do vírus.

OMS chega à China

Em meio ao avanço da pandemia no país, uma equipe da OMS chegou à cidade de Wuhan para investigar a origem da Covid-19. O trabalho irá demorar para começar, já que os especialistas precisarão ficar em quarentena por duas semanas.

A visita da OMS é extremamente sensível para o governo chinês. Prevista para a semana passada, ela havia sido cancelada de última hora por falta de autorizações necessárias. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, chegou a lamentar que os pesquisadores não puderam visitar o país antes.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Gado, vaca e a boiada inteira são você e sua família. Essa politização de qualquer folha que caia de uma árvore, típica de massa de manobra alienada que tem profunda convicção que sabe de tudo. Só ignorantes e analfabetos. Mas democracia é isso: voz para toda 'qualidade' de gente.

  2. Que mentira grosseira! Esses canalhas do PC chinês são mentirosos profissionais. E ainda querem que os otários aqui no Ocidente acreditem nas mentiras que eles divulgam.

  3. interessante no ano novo chinês, não irá ocorrer a disseminação da doença. Na china funciona o melhor lockdown da imprensa e de direitos humanos, mas existe pessoas que defendem este sistema.

    1. Que sistema? Se a China for comunista então viva o comunismo. Porque a China é muito maior que nosso Brasil capitalista. Muito mais forte. Muito mais rico? Ou estou enganado?

  4. Claro… 1,5bi de habitantes e origem da praga; mas ninguém morre por lá, só o resto do planeta. Transparência total.

    1. Esseestranho que por aqui reclamam que toda morte se atribui ao covid. Mas quando e o contrário reclamam também. Gado adora ficar de mu mu mu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

China registra maior número diário de casos de Covid-19 desde julho

Foto: China Daily via REUTERS

A China registrou seu maior número diário de casos de Covid-19 em mais de cinco meses, anunciou a autoridade de saúde do país nesta segunda-feira (11), devido ao crescimento de novas infecções na província de Hebei, que fica perto da capital Pequim.

O país contabilizou 103 novos casos, o maior número desde os 127 infectados notificados em 30 de julho.

Foram 82 casos na província de Hebei, 2 na de Liaoning, 1 em Pequim e 18 importados do exterior, segundo a Comissão Nacional de Saúde (NHC, na sigla em inglês), além de 76 assintomáticos.

Ao contrário de outros países, a China só contabiliza como casos confirmados quem testa positivo para Covid-19 e tem sintomas da doença. O país tem 87.536 infecções e 4.634 mortes por Covid-19 confirmadas até o momento.

Embora o número continue bem abaixo do surto no início de 2020, as autoridades estão agindo agressivamente para conter a propagação e evitar outra onda nacional de infecções. Um condado no nordeste da província de Heilongjiang entrou em bloqueio total nesta segunda.

Investigação da OMS

O aumento ocorre no momento em que a equipe da Organização Mundial de Saúde (OMS) que investiga as origens da pandemia deve chegar à China, na quinta-feira (14).

O NHC anunciou a data de chegada, mas se recusou a fornecer o itinerário da equipe. Na semana passada, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, criticou o país por demorar para liberar a viagem.

A China foi acusada de inicialmente encobrir o surto, que surgiu na cidade de Wuhan no fim de 2019, o que atrasou a resposta inicial do país e permitiu que o vírus se espalhasse globalmente.

Onda de casos

A atual onda de casos locais eclodiu pela primeira vez na cidade portuária de Dalian, em Liaoning, em meados de dezembro. Conforme o inverno avançava, outras províncias do norte — Heilongjiang, Hebei e Jilin — começaram a relatar mais infecções.

Nesta segunda, Dalian atribuiu o surto a embarcações estrangeiras contaminadas, dizendo que as informações de sequenciamento do gene do vírus eram diferentes das de surtos anteriores. A maioria dos infectados eram estivadores que manuseiam cargas de um navio da Rússia, segundo um oficial.

Shijiazhuang, capital de Hebei e epicentro do novo surto na província, está bloqueada. Pessoas e veículos são sendo impedidos de deixar a cidade e o transporte público foi interrompido.

A capital de Hebei foi responsável por 77 dos 82 novos casos de Covid-19 e todos os 49 novos casos assintomáticos relatados na província. Vários trechos de rodovias na província foram fechados.

O condado de Wangkui, na província de Heilongjiang, relatou oito novos casos assintomáticos e fechou todos os negócios não essenciais, proibiu as pessoas de deixar a cidade e bloqueou todo o tráfego não essencial, segundo a televisão estatal.

Changchun, capital de Jilin, relatou quatro novos casos assintomáticos — as primeiras infecções locais na província desde 26 de julho. Todas as pessoas infectadas viajaram do condado de Wangkui recentemente de trem, segundo autoridades de saúde de Jilin.

Os complexos residenciais dos infectados foram colocados sob lockdown, com pessoas e veículos proibidos de deixar o local, anunciou a autoridade sanitária de Changchun.

Os novos casos assintomáticos em Jilin não fazem parte da contagem diária de casos do NHC publicada na segunda-feira e serão refletidos na terça-feira.

G1

Opinião dos leitores

  1. Gente, que povo mentiroso!!! 1,5bi de habitantes no canto que surgiu essa praga e só tem 103 casos num dia? E ninguém no mundo ousa enfrentar esse povo.

    1. Deve ser mais de 40.000 casos por dia, sem contar os óbitos, o povinho mentiroso

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

China confirma que missão da OMS irá ao país investigar origem da Covid-19

Foto: Fabrice Coffrini/Pool via Reuters

A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou nesta segunda-feira (11) que vai receber nesta semana a missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) que investigará a origem da Covid-19.

Em breve comunicado publicado em seu site, a agência indica apenas que os técnicos da OMS chegarão à China na próxima quinta-feira (14), e que irão “cooperar” com os cientistas locais nessas investigações.

A Comissão não especifica os locais para onde os especialistas irão viajar.

A OMS criticou a China na semana passada por demorar para liberar a viagem.

O diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom, afirmou estar “muito decepcionado” com os obstáculos que supostamente estava colocando Pequim na missão, embora as autoridades chinesas negassem que estivessem impedindo.

G1

Opinião dos leitores

  1. O difícil vai ser conseguir entrar lá e receber todas as informações necessárias. País comunista dos inferno.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO: Japão, China, Coreia do Sul e Coreia do Norte já estão em 2021

PHOTO BY HUANG XUEBO/VCG VIA GETTY IMAGES

Japão, China, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul e Coreia do Norte também já estão em 2021. Por voltas das 12h no horário de Brasília, os países asiáticos celebraram a chegada do novo ano. A Coreia do Norte, um dos países mais fechados do mundo, promoveu um show, sem distanciamento social, mas com a utilização de máscaras.

Também já é 2021 na Nova Zelândia. O país da Oceania comemorou a virada de ano por volta das 8h no horário de Brasília. Fogos de artifício e aglomerações marcaram a celebração e causaram uma certa “inveja” nos brasileiros. Na Austrália, o ano-novo já chegou também, quando os relógios marcavam 10h no Brasil.

A Nova Zelândia é um dos países tidos como referência no combate à pandemia de coronavírus. Até esta quinta-feira (31/12), o país registrou apenas 2.162 casos de Covid-19 e 25 mortes em decorrência da doença em seu território.

Com Metrópoles

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *