Presidente chinês afirma que militares devem estar prontos para combate, diante do impacto da Covid-19 na segurança nacional

Ao centro, Xi Jinping, presidente da China, durante reunião do Congresso Nacional do Povo na segunda-feira; à esquerda, o premier Li Keqiang; à direita, Wang Yang, integrante do Parlamento Foto: NOEL CELIS / AFP

Em meio ao acirramento das tensões com os Estados Unidos, o presidente da China, Xi Jinping, disse nesta terça-feira que seu país intensificará a preparação para um combate armado. Isto, segundo a mídia estatal chinesa, é crucial dado o impacto profundo que a pandemia da Covid-19 vem causando na segurança nacional da nação.

De acordo com a agência de notícias estatal Xinhua, Xi disse ser fundamental alcançar os objetivos e missões preestabelecidos para fortalecer as Forças Armadas e a Defesa nacional em 2020, mas sem deixar a pandemia sair do controle. Segundo o presidente, que discursou em uma plenária do Exército Popular de Libertação e da Polícia Armada do Povo, a doença deixou um impacto profundo não só no cenário global, mas na segurança e no desenvolvimento da China.

Frente a isso, ele ordenou que os militares trabalhem com as piores hipóteses em mente, intensifiquem seus treinamentos e estejam prontos para um confronto armado. De acordo com a mídia estatal, Xi disse ainda que é necessário estar preparado para lidar imediata e efetivamente com todos os tipos de situações complexas para salvaguardar a soberania nacional, a segurança, a estabilidade estratégica e os interesses do país.

O presidente chinês defendeu também a necessidade de inovações científicas no treinamento militar e na Defesa para fazer frente aos impactos da pandemia e atribuiu o sucesso no controle da Covid-19 ao sucesso da reforma militar e às “heróicas” Forças Armadas. A China tem 84.102 casos da doença, com 4.638 mortes, e, após ter conseguido conter o vírus, vive um “novo normal”.

Lei de segurança nacional

A reunião da qual Xi participou ocorreu às margens do Congresso Nacional do Povo, a sessão anual do Parlamento chinês, que começou na sexta-feira após ser adiada por dois meses em razão da Covid-19. Ela coincide com o agravamento das tensões entre Pequim e Washington, crise que passa, entre outros aspectos, pela disputa verbal sobre a origem do novo coronavírus e por Hong Kong, território semiautônomo que os britânicos devolveram para a China em 1997.

A situação se agravou na quinta-feira, após Pequim anunciar que planeja impor a Hong Kong uma nova lei de segurança nacional, dando-lhe assim mais controle sobre o território. O projeto, que deverá ser aprovado pelo Congresso Nacional do Povo, requer que Hong Kong incorpore à sua Lei Básica, miniconstituição em vigor desde 1997, normas para punir a subversão, o terrorismo, o separatismo, a interferência estrangeira “ou quaisquer atos que ponham em risco a segurança nacional”.

O processo contornaria na prática o governo local, minando a relativa liberdade concedida ao território por meio da fórmula conhecida como “um país, dois sistemas”, que lhe dá autonomia política, administrativa e judicial. Isto gerou novos protestos em Hong Kong durante o final de semana, reacendendo as manifestações antigoverno e contra a soberania chinesa que começaram em junho do ano passado, mas haviam perdido força frente às medidas de distanciamento social para conter a Covid-19.

Militares a postos

Nesta terça-feira, o comandante da guarnição militar da China em Hong Kong disse em uma rara entrevista ao canal estatal CCTV que suas forças “absolutamente” protegeriam os interesses nacionais chineses na cidade. Segundo o general Chen Daoxiang, seus soldados estão “determinados, confiantes e são capazes de salvaguardar a soberania nacional, segurança e os interesses” enquanto “mantém a prosperidade e a estabilidade” à longo prazo no território.

Sobre a nova legislação, Chen disse que ela deteria “todos os tipos de forças separatistas e forças de intervenção externas”. Argumentos similares foram usados por Carrie Lam, chefe do Executivo de Hong Kong cuja renúncia é demandada pelos manifestantes, para defender a proposta chinesa. Para a política pró-China, o plano terá os “efeitos contrários” dos alertados por políticos estrangeiros e organizações internacionais, que ameaçam até mesmo sancionar a cidade caso sua autonomia seja comprometida.

— Direitos e liberdades não são absolutos — disse Lam, em sua entrevista coletiva semanal. — Se uma minoria das pessoas, uma minoria muito pequena, for violar a lei para organizar e participar de atividades terroristas para subverter o poder do Estado, então é claro que ela tem que ser submetida à legislação necessária.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wilson disse:

    Fala o genocida que pôs o mundo de joelhos. É óbvio que esse sujeito quer uma guerra nuclear.

  2. Juliano bugueiro disse:

    EUA não dá para o cheiro.

  3. Paul disse:

    — Direitos e liberdades não são absolutos .
    Isto é o comunismo chinês.
    Hong Kong sempre foi de um liberalismo inconteste.

Em vídeo de reunião, Bolsonaro diz que Trump lhe passou relatórios sobre a China, noticia Merval Pereira em O Globo

Uma parte da reunião ministerial que deve ser suprimida do vídeo a ser liberado pelo ministro Celso de Mello se refere à China, mas não às críticas feitas pelo chanceler Ernesto Araújo já de conhecimento público.

O que preocupa assessores do Palácio do Planalto é a parte em que o presidente, ao reclamar da falta de informações do serviço de inteligência da Polícia Federal, revela que o presidente Trump havia lhe dado acesso a relatórios de inteligência relacionados à China.

O temor de assessores do presidente Bolsonaro é que o presidente Trump tenha que desmentir a informação, mesmo que ela seja verdadeira. Mas a desconfiança é de que seja mais uma bazófia de Bolsonaro.

Merval Pereira – O Globo

Wuhan, cidade chinesa onde começou o surto do novo coronavírus, proíbe comércio e consumo de animais silvestres

Mercado de rua em Wuhan, na China (em foto de 2016), agora fechado: hábito de compra de espécimes vivos Artur Widak/NurPhoto/Getty Images

Autoridades da cidade de Wuhan, capital da província de Hubei, na China, onde a pandemia do novo coronavírus começou, proibiram a caça e o consumo de animais silvestres, em uma medida para frear o comércio ilegal dessas espécies. A informação foi publicada pela China Global Television Network (CGTN), empresa estatal de informação, nesta quarta-feira, 20. A medida tem validade de cinco anos.

O documento governamental estabelece padrões para a criação dos animais permitidos, reforça a supervisão e a inspeção do consumo e eleva a repressão às atividades ilegais. Também reforça que serão feitas ações educativas para atingir a meta de reduzir o consumo desses animais.

É comum encontrar em mercados de animais silvestres espécies como cobras vivas, morcegos, tartarugas, porquinhos da Índia, texugos, ouriços, lontras e até mesmo filhotes de lobo.

O primeiro conjunto de casos de coronavírus no surto global foi vinculado a um mercado em Wuhan onde os animais vivos eram mantidos próximos, criando uma oportunidade para o vírus saltar para os seres humanos. Acredita-se que o vírus da SARS, que matou 800 pessoas em todo o mundo, tenha se originado em morcegos antes de se espalhar em um mercado na China e, finalmente, infectar pessoas em 2002.

A CGTN informa ainda que a China intensificou a repressão à caça e à exploração ilegal de animais selvagens desde fevereiro.

Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. EDILSON disse:

    CADE AS ONG E OS DEFENSORES DOS ANIMAIS QUE NÃO REALIZA UMA CAMPANHA MUNDIAL EM DEFESA DOS ANIMAIS ABATIDO E COMERCIALIZADO NOS MERCADOS DA CHINA?
    SE FOSSE AQUI NO BRASIL TERIA MANIFESTAÇÃO NÃO SO DESSA COMO ATE DE PRESIDENTE DE PAÍSES.

    • CIDADAO55 disse:

      A China é regida por um regime de República Popular Socialista Unipartidarista – um nome pomposo
      para definir uma ditadura comunista autocrática. Lá não existe espaço pra esse tipo de cabide de emprego pra defensor de direitos quaisquer que sejam. Ou você obedece ao regime ou obedece. Caso você não concorde com o que está posto pela ditadura, será morto por insurgência ao regime autocrático.

    • Gaiato disse:

      Simples, porque o povo não tem CORAGEM de ir lá peitar, pois se for vão tomar no rabicó, porque lá não tem mimimi

  2. Gugu disse:

    Passei 06 meses na China, eles comem tudo que se mexe .

  3. Soraya disse:

    E agora, vão ficar sem comer cachorro, rato , escorpião.

China troca Brasil por EUA na compra de 1 milhão de toneladas de soja

Foto: Getty Images

A China tem aumentado as compras de soja dos Estados Unidos diante da desaceleração das vendas do Brasil e compromissos do país asiático previstos no acordo comercial com o governo de Washington, segundo pessoas a par do assunto.

Clientes estatais compraram mais de 20 carregamentos, ou mais de 1 milhão de toneladas de soja dos EUA nas últimas duas semanas, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. Os grãos foram comprados com isenções de tarifas emitidas anteriormente, disseram as pessoas.

Os principais negociadores comerciais de ambos os países falaram por telefone na semana passada e se comprometeram a criar condições favoráveis para a implementação do acordo comercial bilateral, além de cooperar com a economia e a saúde pública, segundo comunicado do Ministério do Comércio chinês. O presidente dos EUA, Donald Trump, disse posteriormente que enfrenta dificuldades com o governo de Pequim em meio à pandemia global de coronavírus.

Outro sinal de que o acordo comercial da fase um pode estar abalado: o Global Times, uma publicação do Partido Comunista, informou que a China poderia anular o acordo após críticas dos EUA sobre a condução da pandemia de coronavírus pelo país, o que irritou representantes de comércio. Também foi apresentada uma sugestão para negociar um novo acordo que inclinaria a balança mais para o lado chinês, segundo o jornal.

A China prometeu comprar US$ 36,5 bilhões em produtos agrícolas dos EUA, mas a pandemia que se acredita ter se originado na cidade de Wuhan atrasou o ritmo das compras. Embora o país tenha comprado uma ampla variedade de commodities, como sorgo, trigo, milho e carne de porco, as vendas de soja, principal bandeira da guerra comercial, começaram a ser aceleradas.

A maioria das compras nas últimas duas semanas era destinada a carregamentos em portos do Golfo do México, disseram as pessoas. Embora algumas sejam de remessas da safra atual, outras destinavam-se ao final do outono, quando a nova colheita nos EUA começa. O departamento aduaneiro chinês não respondeu a ligações com pedidos de comentário.

A gigante agrícola Archer-Daniels-Midland disse neste mês que estava animada com as compras da China até agora. A empresa com sede em Chicago espera que o país asiático compre entre 30 milhões e 35 milhões de toneladas de soja dos EUA neste ano, disse o diretor financeiro Ray Young em teleconferência com analistas em 30 de abril.

Yahoo, com Bloomberg News

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nica disse:

    Ministro weintraub 👏👏👏👏

  2. Minion alienado disse:

    Valeu Messias! Tudo por uma questão ideológica taokey

  3. Michel disse:

    O setor agropecuário brasileiro precisa ter vergonha e saber se impor cobtra a China. Todos sabem quem a China não tem condições de produzir a quantidade que precisa, para alimentar o seu povo. Da mesma forma que estão ganhando com a desgraça do vírus que eles lançaram ao mundo, o produtor brasileiro também tem que bater o pé em negociar com eles, por um preço alto e não ficar se humilhando. Basta!

  4. Manoel disse:

    E daí? O gado brasileiro adestrado por Bozo consome fácil essa sobra!

  5. Jean Carlos disse:

    Sabe de quem é a culpa disso? do LULA é claro!!!

  6. Keynesianista disse:

    Bolsonaristas comemoram!

  7. Chico disse:

    O rebanho suíno petralho-chavista nem se dá ao trabalho de ver quanto são as vendas totais de soja do Brasil pra China. Nem leva em conta o baque econômco pelo qual o Mundo passsa.

  8. Theo disse:

    Está apenas começando. Lembrando que o bozo ( com minúscula mesmo) falou: E daí?

  9. Theo disse:

    Está apenas começando. Lembrando que o bozo falou: E daí?

  10. Luiz Antônio disse:

    Não vamos ser injustos com o Presidente, afinal ele não tem culpa de ser incompetente.
    Basta fazer uma análise da sua carreira como militar por quinze anos, depois como deputado federal por mais de vinte e cinco
    anos sem apresentar nada relevante.
    Uma lástima.

  11. Abelão disse:

    Venda aos produtores brasileiros de leite e criadores…
    Barato, tendo preço bom, não precisa exportar, o consumo interno absolve tranquilamente, garanto que não sobra um grão.
    Aí, caba vai ver vaca se desmanchando em leite e animais de coro e penas, gordo rolado.

  12. Felipe disse:

    Parabéns presidente de melda!!

  13. Soraya disse:

    Parabéns Mito.

  14. Carlão disse:

    EUA pesadamente atacando a China, mas na hora comercial ela nem olhou pro Brasil (que uns otários xingaram, mas não chegaram aos pés dos ataques de TRUMP).

  15. Rafae Franco disse:

    Infelizmente, está no começando. O Brasil virou piada internacional com o “mito”. Não pássa confiança algumas aos investidores internacionais. Quem também vai pegar parte do mercado brasileiro é a Argentina…
    Quem não deve estar gostando disso é a turma do “agro é pop”…

    • Chico disse:

      Isso é uma lance comercial muito mais complexo do que supõe a sua cabecinha que atribuiu tudo de errado a Bolsonaro.

    • Emanuel disse:

      A culpa da segunda guerra mundial também foi do Governo Bolsonaro. Piada isso, né?

    • Sebastião disse:

      A culpa não é do BOZO não, pois ele e seus ministros são bastantes diplomatas cm os outros países, principalmente com a CHINA, a culpa é do Comunista do MORO.

VÍDEO – Bolsonaro rebate reportagem sobre cartão corporativo: “Não dizem que parte foi usada em operação da China para resgate de brasileiros. Parece que eu estou usando para fazer festa”

 

Ver essa foto no Instagram

 

Hidroxicloroquina e, mais uma vez, grande parte da mídia é desmascarada sobre o uso do cartão corporativo. Lixo! Mentem 24 horas ao dia!

Uma publicação compartilhada por Jair M. Bolsonaro (@jairmessiasbolsonaro) em

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar parte da imprensa ao conversar com apoiadores nesta manhã, quando deixava o Palácio da Alvorada. Ele rebateu reportagem publicada no fim de semana pela Folha que mostrava que seus gastos com o cartão corporativo têm sido maiores do que nos governos de Dilma Rousseff e Michel Temer.

“Ontem, a imprensa, como sempre criticando o cartão corporativo. Só que os caras são tão mau-caráter que não dizem que parte da operação da China, três aviões da Força Aérea, por ser avião militar, foram financiados com o meu cartão corporativo. Parece que eu estou usando o cartão para fazer festa. Falta de caráter e de responsabilidade dessa imprensa aí”, disse Bolsonaro.

No Twitter, ele completou:

“Grande parte da mídia é desmascarada sobre o uso do cartão corporativo. Lixo! Mentem 24 horas ao dia!”

Com acréscimo de O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gadominion disse:

    Muito interessante! E ele não quis divulgar tamanha generosidade? Justo esse ególatra?

  2. CIDADAO55 disse:

    Sempre a culpa é do Cabral!

  3. Marcos disse:

    Se tem como comprovar que foi por algo justo, mostre os extratos e não fique apenas falando. Não acredito na palavra de nenhum político, comprove que diz a verdade para que eu possa começar a mudar a minha opinião.

  4. Araújo disse:

    Muito bom presidente, não adianta uma parte da imprensa querer manipular fatos, que as verdades aparecem, eles jamais conseguirão manipular pessoas com opiniões formadas, que conseguem enxergar verdades.

  5. natalsofrida disse:

    Petralhada chorando. Agradeçam por ter ima pessoa honesta no poder seus vagabundos.

    • Anti-Político de Estimação disse:

      Eu não boto minha mão no fogo por POLÍTICO NENHUM desse Brasil véio de guerra. O que todo mundo vê são os esforços de Bolsonaro para calar a imprensa e para ter os órgão de fiscalização e polícia sob seu controle.
      Não vejo muita honestidade nisso não.

  6. Higino disse:

    Tava bom o MP fazer uma auditoria sabendo se essas viagens foram mesmo pagas pelo cartão corporativo da família Bolsonaro. Quem é tolo de acreditar numa história dessa. Era mais uma desmascarado.

  7. Manoel disse:

    Legal. Então eh só mostrar o extrato dessas despesas no seu cartão que todos vão acreditar. Até lá, sua palavra somente não basta.

  8. aparecida disse:

    Se ele desse publicidade e transparência de seus atos/gastos , como homem público, divulgando por exemplo seu exame negativo de uma doença que se tornou pandemia, EVITARIA ILAÇÕES desnecessárias.

Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, volta a fazer duras críticas e culpa China por milhares de mortes por coronavírus no mundo

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, voltou a fazer, nessa quarta-feira (6), duras críticas à China, culpando-a pelas mortes de centenas de milhares de pessoas por coronavírus e exigindo novamente que compartilhe informações sobre o surto.

“Eles sabiam. A China poderia ter evitado as mortes de centenas de milhares de pessoas em todo o mundo. A China poderia ter poupado o mundo de sofrer um mal-estar econômico global”, afirmou Pompeo em entrevista coletiva no Departamento de Estado.

“A China ainda se recusa a compartilhar as informações necessárias para manter as pessoas seguras”.

A covid-19 matou mais de 255 mil pessoas em todo o mundo, incluindo mais de 70 mil nos Estados Unidos (EUA), o país mais afetado pela doença, de acordo com estatísticas oficiais.

O vírus surgiu pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan em dezembro. A maioria dos especialistas acredita que ele se originou em um mercado de venda de animais silvestres e passou de animais para pessoas, mas Pompeo disse que há evidências significativas de que veio de um laboratório.

Críticos do presidente Donald Trump dentro dos EUA, incluindo alguns ex-funcionários, acadêmicos e colunistas, têm afirmado que, embora a China tenha muito a responder sobre suas ações nos primeiros dias do surto, o governo norte-americano está tentando desviar a atenção do que eles veem como uma resposta lenta do país.

Em evento na Casa Branca, Trump, que busca a reeleição em novembro, classificou o surto como o pior “ataque” que o país já sofreu e culpou a China por não impedi-lo.

“Isso é pior que Pearl Harbor. Isso é pior que o World Trade Center”, disse Trump. “E nunca deveria ter acontecido. Poderia ter sido parado na fonte. Poderia ter sido parado na China. Deveria ter sido parado exatamente na fonte, e não foi.”

Pompeo rebateu sugestões de que ele e outros membros do governo Trump tenham emitido declarações conflitantes sobre as origens exatas do novo coronavírus.

No domingo (3), Pompeo disse que havia “uma quantidade significativa de evidências” de que o vírus surgiu no Instituto de Virologia de Wuhan, sendo que na quinta-feira anterior (30) tinha afirmado que não se sabia se veio do laboratório, do mercado de animais silvestres ou de outro lugar.

Ontem, o secretário afirmou que os Estados Unidos não tinham certeza, mas que havia evidências significativas de que surgiu do laboratório.

“Cada uma dessas afirmações é totalmente consistente”, declarou. “Estamos todos tentando descobrir a resposta certa. Estamos todos tentando esclarecer.”

O Instituto de Virologia de Wuhan, apoiado pelo Estado chinês, afirma que o vírus não se originou no local.

Agência Brasil, com Reuters

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Lá é diferente, o governo chinês dará uma explicação, aqui qualquer borrabotas chinês exige desculpas e as midiaslixo e boa parte da população apoiam o borrabotas.

China acelera produção de vacina contra coronavírus, mas farmacêuticas do país têm histórico de corrupção e ineficácia

Foto: NICOLAS ASFOURI/AFP / NICOLAS ASFOURI/AFP

Desesperada para proteger sua população e evitar as crescentes críticas internacionais de como lidou com o surto de coronavírus, a China reduziu a burocracia e ofereceu recursos a empresas farmacêuticas para encontrar uma vacina contra o vírus causador da Covid-19. Quatro empresas chinesas começaram testes em seres humanos, mais iniciativas do que as que estão em curso nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha juntos. A informação é do jornal americano “New York Times” (NYT).

No entanto, a indústria de vacinas chinesa passa por uma crise de confiança. Apenas dois anos atrás, foi descoberto que vacinas ineficazes haviam sido dadas principalmente a bebês, o que deixou pais chineses em fúria. Por isso, não bastam descobrir a vacina, mas reconquistar a confiança da população.

— Os chineses agora não têm confiança nas vacinas produzidas na China — disse Ray Yip, ex-chefe da Fundação Gates na China, ao New York Times. — Essa provavelmente será a maior dor de cabeça. Se eles não tiveram todos esses requisitos, as pessoas provavelmente vão buscar (a imunização) em outros locais.

Além da urgência — já que o número oficial de mortes no mundo é de 247 mil pessoas, apesar de haver claros indícios de subnotificação —, a China quer evitar as acusações internacionais de que o negligenciamento de alertas precoces contra a doença tenha contribuído para a pandemia global. Por isso, diz o NYT, a vacina se tornou uma prioridade nacional. Um alto funcionário do governo asiátco disse ao jornal americano que uma vacina para uso emergencial pode estar pronta em setembro.

Pequim, avalia a reportagem, pode pressionar empresas e cientistas para alcançar objetivos nacionais. “Ao mesmo tempo, as empresas de vacinas da China estão acostumadas a um sistema político fechado que tem um histórico de encobrir escândalos de segurança e as protege da concorrência estrangeira. Poucos investem pesadamente em pesquisa e desenvolvimento e não descobriram muitos produtos com impacto global”, explica o jornal.

Candidatas

As quatro pesquisas que já estão testando em humanos são de CanSino Biologics, Instituto Wuhan de Produtos Biológicos, Sinovac Biotech e o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim.

A primeira é uma farmacêutica de Tianjin, braço de ciências médicas do Exército de Libertação Popular. A candidata dela já foi testada em 508 pessoas e está na Fase 2. Um estudo da Universidade de Oxford na Fase 1, ou seja, em estágio inicial, foi administrado a um número de pessoas duas vezes maior. O Instituto Wuhan de Produtos Biológicos, um braço do Sinopharm Group, que é estatal, também está na Fase 2. Já os estudos da Sinovac e do o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim, que também pertence à Sinopharm, estão na Fase 1.

Alguns deles, no entanto, estão envolvidos em escândalos de corrupção. É o caso, por exemplo, do Instituto Wuhan. Em 2018, a empresa foi acusada de aplicar em milhões de bebês vacinas sem eficácia para doenças como difteria e tétano. A China multou a empresa em US$ 1,3 bilhão, puniu nove executivos e dezenas de funcionários foram demitidos. A empresa também foi condenada na Justiça por subornar chefes de centros locais de controle de doenças por comprarem seus produtos.

A Sinovac Biotech também sofre acusações. Segundo o NYT, investigações apontam que o gerente geral da Sinovac Biotech deu, entre 2002 e 2014, ao vice-diretor da China encarregado das avaliações de medicamentos quase US$ 50 mil para ajudar a empresa com as aprovações de medicamentos. Documentos apontam que o responsável pela operação é o atual executivo-chefe da empresa.

As empresas não responderam aos pedidos de reportagens feitos pelo New York Times.

Apesar dos escândalos, alguns procedimentos científicos foram apressados para se chegar mais rapidamente ao resultado. O país aprovou, por exemplo, que as empresas pudessem executar combinadas as duas primeiras fases, uma decisão questionada por vários cientistas chineses, que consideravam que os resultados de segurança da primeira fase deveriam ser avaliados antes do início da segunda fase.

— Entendo a expectativa ansiosa das pessoas por uma vacina — disse Ding Sheng, ao Diário do Povo, o jornal oficial do Partido Comunista.

Sheng é reitor da escola de farmácia da Universidade Tsinghua em Pequim. Segundo ele, empresas estavam “adotando métodos não convencionais” no estágio pré-clínico da pesquisa, executando tarefas como o processo de design e modelagem de animais ao mesmo tempo. Isso deveria, segundo Sheng, ser executado uma após a outra.

— Do ponto de vista científico, por mais ansiosos que sejam, não podemos baixar nossos padrões — defende.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wilson disse:

    "Não podemos baixar nossos padrões". Ridículo. O Comunismo é uma piada genocida.

  2. Chicão disse:

    Já sei em quem os idênticos daqui se espelham e se inspiram. Repugnante isso!

Trump culpa China por coronavírus e diz que EUA estão investigando

Foto: © Isac Nóbrega/PR

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, disse nessa segunda-feira (26) que a China poderia ter contido o coronavírus antes que ele se espalhasse pelo mundo e que seu governo está conduzindo “investigações sérias” sobre o que aconteceu.

“Estamos fazendo investigações muito sérias. Não estamos felizes com a China”, disse Trump em entrevista na Casa Branca. “Há muitas coisas pelas quais ela pode ser responsabilizada.”

“Acreditamos que poderíamos ter impedido isso na fonte. Poderíamos ter impedido que se espalhasse tão rápido e não se propagaria por todo o mundo.”

As críticas de Trump são as mais recentes de seu governo destinadas à maneira pela qual a China se portou no surto de coronavírus, que começou no fim do ano passado na cidade chinesa de Wuhan e cresceu, tornando-se uma pandemia global que até agora matou mais de 207 mil pessoas no mundo, 55 mil nos Estados Unidos, de acordo com uma contagem da Reuters.

Na semana passada, o secretário de Estado, Mike Pompeo, disse que os Estados Unidos “acreditavam fortemente” que Pequim falhou em informar o surto do coronavírus em tempo razoável e acobertou o perigo da doença respiratória causada pelo vírus.

O Ministério das Relações Exteriores da China nega as acusações.

Agência Brasil, com Reuters

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    Só leriado P desviar a atenção p o fracasso do combate à pandemia nos EUA

  2. Observando disse:

    E depois vao fazer o que?

  3. Riva disse:

    Vocês acreditam que mais de trinta pessoas beberam água sanitária e outros produtos de limpeza após Trump fazer a maluca sugestão como forma de combater a pandemia? Por aí vocês tiram.

    • Nando do oeste disse:

      Pior aqui, um mega espertalhão ladrão, roubou e deixou roubar mais de um trilhão de reais, foi condenado. E ainda tem um bando de imbecis ignorantes acreditando que ele é inocente. Esse mundo tem que passar pelo que está passando.

    • João Neto disse:

      Aqui se o Bozo mandar, muitos beberão, não tenho dúvida.

    • Ricardo disse:

      Nando, manda as provas pro MP.

  4. Edilson disse:

    Com a palavra o embaixador chinês, quero ver ele ir pedir que Trump que se retrate com fez com o governo brasileiro.

Sob críticas internacionais, China corrige número de mortes pela Covid-19

Foto: Noel Celis/AFP

Uma revisão do total de mortes provocadas pelo novo coronavírus aumentou as suspeitas sobre a real dimensão da pandemia na China. Em meio a fortes críticas da comunidade internacional e a acusações de falta de transparência, as autoridades de Pequim anunciaram 1.300 óbitos adicionais. Até então, a China reconhecia 3.342 mortes e mais de 82 mil contágios em uma população de quase 1,4 bilhão de habitantes. Com a correção, os números de mortes e de infectados subiram, respectivamente, para 4.636 e 83.760.

Segundo autoridades de Pequim, alguns óbitos não foram contabilizados por terem ocorrido nos estágios iniciais da pandemia, dentro de residências. Além disso, os médicos sobrecarregados se esforçaram mais em tratar as infecções pela Covid-19 do que em reportar mortes ao Estado. Também teria existido uma demora na coleta de dados de organizações govermamentais e privadas. Das 4.636 mortes reconhecidas pela China, 4.512 ocorreram na província central de Hubei.

Correio Braziliense

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wilson Salviano disse:

    Quem pode confiar nas autoridades chinesas? .mentiras, falsidades, desfaçatez.

  2. José disse:

    Estarrecedor o que a China fez com o mundo, pior que já tinha feito 2 vezes (gripe aviária e suina) e saiu ilesa. Será se vai ser penalizada? O mundo caiu em cima do Brasil com a questão da Amazônia, não se sabe se com razão, entretanto a china promove um verdadeiro extermínio humano, e não se vê essa mesms comoção mundial, como fizeram com o Brasil. Até a esquerdalha se cala. Muito estranho.

  3. Jose thiago melo disse:

    Como sempre soubemos tudo na china comunista é mentira. Se informam uma vitoria, podemos dividir pela metade. Se informam um prejuizo podemos acrescentar um zero. Temos 3 grandes amigos que moraram 5 nos na china até final de 2019.

EUA investigam a possibilidade de o novo coronavírus ter vazado de laboratório chinês

Foto: Getty Images

A origem da pandemia de Covid-19 virou um motivo de disputa entre os Estados Unidos e a China. Donald Trump afirmou que o governo americano investiga rumores envolvendo um instituto de virologia da cidade de Wuhan.

Um estudo de autores da própria China, publicado em janeiro na revista científica The Lancet, já colocava em dúvida a explicação do governo chinês para a origem da infecção. De acordo com essa explicação, os primeiros pacientes teriam sido infectados em um mercado de Wuhan.

A linha de investigação dos americanos é que a transmissão em humanos tenha se iniciado no Instituto de Virologia de Wuhan (conhecido pela sigla WIV).

Nesse local, são estudados coronavírus que atingem morcegos. O que os americanos estão investigando é se foi nesse laboratório que um vírus de morcego infectou um humano pela primeira vez –seria esse o paciente que, sem querer, levou o Sars-Cov-2 para fora e o espalhou.

Esse foi o primeiro laboratório da China a receber a maior certificação de segurança, em 2015. No entanto, um texto publicado no “Washington Post” nesta semana afirma que diplomatas americanos visitaram o laboratório em 2018 e ficaram preocupados com as fragilidades.

Em janeiro daquele ano, diplomatas e cientistas dos EUA visitaram o WIV e depois enviaram dois telegramas diplomáticos (relatórios) ao governo em Washington. O laboratório não tinha condições de segurança adequadas, e que os estudos com coronavírus eram arriscados, afirmavam.

Esses relatos dos diplomatas pediam mais atenção ao tema e ajuda para lidar com problemas de segurança no laboratório WIV.

Na ocasião, os americanos que visitaram as instalações afirmaram que estavam preocupados com a falta de treinamento dos funcionários do laboratório, de acordo com um texto publicado pelo “Washington Post”.

O francês Luc Montagnier, vencedor do Nobel de Medicina de 2008, afirma que o coronavírus SARS-CoV-2, causador da covid-19, foi criado em um laboratório de Wuhan, na China

Investigações ainda são inconclusivas

Até agora, as investigações sobre isso são inconclusivas, disse o general Mark Milley, chefe do Estado Maior das Forças Armadas dos EUA.

A origem do Sars-Cov-2 ainda é um mistério, mas “o peso das evidências” indica que o novo coronavírus é natural e não foi criado em um laboratório, afirmou ele na quarta-feira (16).

Uma pesquisa publicada na revista científica Nature concluiu que o Sars-Cov-2 não foi desenvolvido nem manipulado em laboratório.

Pesquisador nega rumores

O principal pesquisador do WIV, Shi Zhengli, nega que a transmissão em humanos tenha se iniciado no instituto.

A França também afirmou que não há evidência de nenhum elo entre o novo coronavírus e o laboratório com a maior certificação de segurança que existe.

Um representante do gabinete da presidência da França disse que não há evidência factual que corrobore a história.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luis disse:

    Não é a primeira vez que a China causa grandes problema de saúde para populaçao mundial,quem nao lembra da gripe aviária,peste suina,h1n1,e agora esse vírus chines,,,,Canalhas têm que serem punidos!!!!

  2. ... disse:

    Gostaria de entender pq esses galados manipulam virus mortais em laboratorio

    Esta faltando oq ainda p explicar q esses chineses criaram o virus p se beneficiarem agora superfaturando material hospitalar e provavelmente ja tenham a vacina tbm so estao esperando vender mais os produtos p finalmente vender a vacina.

    O que o dinheiro e o poder nao fizer so o satanas faz.

  3. Anderson disse:

    E de onde os EUA tem credibilidade para investigar? Pais maia mentiroso do mundo. Alguém lembra das armas químicas só Iraque? Até hoje não acharam…

China inicia teste em humanos de duas vacinas contra a covid-19

Foto: REUTERS/Aly Song

A China aprovou testes humanos em estágio inicial para duas vacinas experimentais que podem combater o novo coronavírus, que já matou mais de 100 mil pessoas em todo o mundo, informou a agência estatal Xinhua nesta terça-feira (14).

As vacinas estão sendo desenvolvidas pela Sinovac Biotech, listada na Nasdaq e sediada em Pequim, e pelo Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, uma afiliada do estatal Grupo Farmacêutico Nacional da China.

Em março, a China recebeu autorização para outro teste clínico de um candidato a vacina contra a covid-19 desenvolvido pela Academia de Ciências Médicas Militares da China e pela empresa de biotecnologia CanSino Bio, logo após o grupo norte-americano Moderna informar que havia iniciado testes em humanos para a vacina com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

R7, com Reuters

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eduardo Peixoto disse:

    O engraçado é que as vacinas da China saem em tempo recorde, no entanto, a eficácia da cloroquina deverá passar por intensos "estudos científicos" que podem levar anos e anos para que a mesma seja liberada para uso com segurança. Eu não duvido que a patifaria de parte da indústria farmacêutica e da dita "comunidade científica tendenciosa" possua ligações estreitíssimas com a patifaria do mundo político globalizado. Dr. Lair Ribeiro já fala muito sobre isso.

  2. Amorim disse:

    Faz tempo que eles tem essa vacina kkkk olhe Coreia do Norte não tem um caso kkkkk comendo da Coreia do Norte

Weintraub diz que pode pedir perdão por ‘imbecilidade’ se a China fornecer respiradores Ministro usou personagem da Turma da Mônica para fazer

(Foto: Lula Marques/Fotos Públicas)

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse nesta segunda-feira (6) que pode pedir perdão por uma postagem considerada racista pela embaixada da China no Brasil caso o país se comprometa a fornecer respiradores ao Brasil.

Em postagem numa rede social neste sábado (4), o ministro da Educação usou o personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, para fazer chacota da China e associar a pandemia de coronavírus a interesses chineses. Na mensagem, ele trocou a letra “r” por “l”, assim como na criação de Mauricio de Sousa, para ridicularizar o sotaque de muitos asiáticos ao falar português.

Apesar da postagem, Weintraub negou nesta segunda, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que seja racista, disse que já esteve no país e que até tem amigos chineses.

“Eu sou brasileiro. Então, vou fazer o seguinte, meu acordo aqui. Vou lá, peço desculpar, falo ‘por favor me perdoem pela minha imbecilidade’, e a única condição que tenho é que, dos 60 mil respiradores que estão disponíveis, eles vendam mil respiradores para o MEC, para salvar a vida dos brasileiros, pelo preço de custo”, disse na entrevista ao jornalista José Luiz Datena.

O ministro cita que há necessidade de 1.000 respiradores na rede de hospitais universitários ligada ao MEC, que também atende pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde).

Weintraub apagou a mensagem, que tinha o seguinte conteúdo: “Geopolíticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?”, escreveu o membro do gabinete do presidente Jair Bolsonaro.

A embaixada da China reagiu à manifestação do ministro no início da madrugada desta segunda-feira (6)

“Deliberadamente elaboradas, tais declarações são completamente absurdas e desprezíveis, que têm cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil”, diz nota divulgada pela embaixada nas redes sociais.

“O lado chinês manifesta forte indignação e repúdio a esse tipo de atitude”, completou.

Weintraub minimizou a mensagem e disse que a apagou a pedido de um amigo e não do próprio presidente. “Falar que eu sou racista é uma acusação que, se fosse um brasileiro, ia ter que provar na Justiça”.

Na entrevista, Weintraub acusou a China de negligenciar informações sobre a doença e agora quer lucrar “com a tragédia”.

“O governo da república chinesa, aonde começou o coronavírus, poderia ter alertado o mundo inteiro que ia faltar respirador. Que nós teríamos 3 meses para fazer respirador. Isso não foi feito”, disse. “Agora, que estamos desesperados correndo atrás de respirador, o que é que acontece? Aparece 60 mil respiradores na China e eles estão leiloando. Aparece um monte de equipamento, de proteção, de máscara, e eles estão leiloando. Então assim, teve tempo deles se prepararem para vender para o mundo, pelo preço mais alto, respirador e máscara”.

Esse não é o primeiro ataque de uma pessoa ligada ao presidente Jair Bolsonaro contra o país onde se registrou o começo da pandemia e que, por isso, é acusado de ter gerado a crise mundial da Covid-19.

A embaixada já havia feito duras críticas ao deputado federal Eduardo Bolsonaro após o filho do presidente, também em rede social, comparar a pandemia do coronavírus ao acidente nuclear de Tchernóbil, na Ucrânia, em 1986, quando a antiga União Soviética ocultou a dimensão do desastre. Membros do governo, como o vice-presidente Hamilton Mourão, tentaram colocaram panos quentes na crise diplomática.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em 2018, 26,7% das exportações brasileiras tiveram o país asiático como destino —Pequim lidera o ranking de compradores dos produtos brasileiros, segundo o Ministério da Economia. Entre 2003 e 2019, investiu US$ 79 bilhões no Brasil.

Folha de São Paulo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    Abestado

  2. Justus disse:

    Reportagem 6/4/20 no Daily Mail: políticos americanos querem renúncia de diretor da OMS por ajudar a China a acobertar o vírus. Senadores desceram o pau na China. O embaixador chinês lá ficou quietinho.. O daqui também. O presidente do senado não pediu desculpa à China. Não teve leitor metido a analista dizendo "oh, é grande parceiro comercial, vai ter retaliação". Será que o embaixador aqui esperneia porque percebeu um povo ignorante ou que é submisso?

  3. Paulo Eduardo de Souza disse:

    um governo desqualificado a média intelectual é essa aí os qualificados o pte tem ciumes e demite,pelo amor de deus ministro da educação anterior era ruim esse aí sai do meio ruim sou,qual é futuro dos nossos filhos e netos com esse lixos no ministério logo da educação sai um rui venho um pior só deus.

  4. Caldas disse:

    Me representou. Boicotar a China é salvar a humanidade.

  5. Lucas disse:

    Não basta ser um completo desqualificado para o cargo, como se pode atestar a partir dos frequentes erros de português, é também um completo canalha!

    • Bento disse:

      Esse Ministro é nota dez.
      Muito criativo
      Vai deixar a ptzada nervosa
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  6. Força Brasil🇧🇷 disse:

    Parabéns ministro, antes só tínhamos covardes q se abriam pra China. Agora temos um presidente macho, e uma equipe de ministros honestos e não se curvam pra ditaduras.

    • Ciro Jobson disse:

      Nossa veja o nível intelectual dessa criatura e o respectivo defensor….Olhe nada é a toa neste País.
      Para essas pessoas o Mandetta "é um completo desqualificado" e o poderoso "Weintraub" é a referência de competência…a que ponto chegamos…Senhor livrai-nos desses malucos.

    • Luiz Antônio disse:

      Não tem noção do que fala

    • mauriciio disse:

      sqn, faz isso só p puxar o saco mesmo, ou vc acha q ele é macho p falar de Trump tb?

    • Jr disse:

      Kkkkkkkkk!

    • Hebert disse:

      Olha na sua casa se não tem mais de 10 produtos com o dedo da China amigo.

    • Waldemir disse:

      Parabens pelo comentario

    • Sergio disse:

      Turquia, e Arábia Saudita.
      Se informe!

    • Mpj disse:

      Que coisa, né? Dar uma de invocado, pra depois pedir desculpas. Sabe que a China é o maior parceiro comercial do Brasil e que no momento , todos dependem deles, dos chineses, pois são os maiores fabricantes de EPIs e respiradores . Podendo ficar calado, prefere copiar o chefe e os filhos do chefe , falando o que não deve.

    • Chicão disse:

      Comentário perfeito amigo, acrescento mais, a polêmica da Amazônia comparado ao que a china provocou nessa pandemia para o mundo, é uma verdadeira gota d'água no oceano. entretanto os dirigentes mundiais não reage proporcionalmente contra a china, como orquestraram na tentativa de tirar a legitimidade da Amazônia brasileira. Quero ver a esquerdalha e ambientalistas mundiais propor qualquer represarias contra a China. A esquerdalha vai é lamber os morcegos, ratos, cachorro e gatos mortos pelos chineses. Bandos de fdp.

‘Eu não sou racista’, diz Weintraub após usar Cebolinha para ironizar China

Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da educação, Abraham Weintraub, afirmou em entrevista à Rádio Bandeirantes que não foi racista e preconceituoso em sua publicação no Twitter em que criticava a China usando o personagem da Turma da Mônica. “Quem disse que eu sou racista, tem que provar que sou racista. Eu não sou racista. Pela minha origem familiar e pela origem pessoal.”

Abraham Weintraub prosseguiu justificando que o porquê de não ser racista, na sua opinião, devido ao fato de ter feito MBA na Universidade chinesa de Hong Kong. “Falar que sou racista, se fosse um brasileiro, teria que provar na justiça”, disse.

Weintraub apagou o tuíte a pedido de um colega, mas não informou o nome. Na entrevista, ele negou que foi um pedido do presidente Jair Bolsonaro e afirmou que só pede desculpas com uma condição. “Eles vendam mil respiradores para nós com o preço de mercado. Se colocarem esses respiradores, seja na embaixada, eu vou lá e peço desculpas e falo que sou um idiota, sou um imbecil. Eles estão ganhando dinheiro em cima de vida humana”, afirmou.

O ministro acusou a China de segurar informações sobre o coronavírus e que, agora, está lucrando com leilões de equipamentos hospitalares, como respiradores. “O governo da república chinesa, onde começou o coronavírus, poderia alertar o mundo inteiro que ia faltar. Isso não foi feito. Agora que estamos desesperados, apareceu respiradores e equipamentos que eles estão leiloando. O que o ministro tem haver com respiradores? Eu tenho hospitais universitários debaixo da pasta”.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lima disse:

    Simplesmente um puxa saco do bozo, além de maloqueiro, não entende de patavinas nenhuma de educação fora.

  2. Nica disse:

    A cara do Feliz, antigo apresentador da previsão do tempo do SBT…

  3. Anti-Político de Estimação disse:

    Pode até não ser racista, mas é um completo idiota !!

  4. Araújo disse:

    Uma horda de canalhas malfeitores, especialistas em "p ….. nenhuma", dando aulas de como salvar o mundo .
    Quem assumirá a paternidade deste vírus? Será que é o mesmo país que está vendendo respiradores e máscaras a preço de leilão???
    Dizer a verdade atualmente é uma blasfêmia inenarrável.
    Tenhamos paciência!!!

  5. rocha disse:

    Não é racista, mais conversa merda querendo holofotes. Outro incompetente igual ao presidente, de boca calada é inteligente. Abriu carga tudo.
    Bolsonaro, nunca mais!!!!

  6. Bimbo disse:

    Cunverseiro de MERDA DO CARAI!

  7. De olho👀 disse:

    Não basta pedir desculpas aos chineses. Weintraub tem que pedir desculpas aos brasileiros pela vergonha e pela deterioração nas relações entre os dois países, o que prejudica a todos. Está faltando o mínimo de responsabilidade a esse governo.

  8. Zé Mané disse:

    Ministros deveriam se preocupar com assuntos da sua pasta. Só. Weintraub deixa problemas da educação para dar opiniões (indutoras de ódio) em área que não é de sua competência. Enquanto isso Mandela, que vem fazendo um trabalho admirável, na opinião até da oposição, vem sofrendo ameaças. Bolsonaro precisa ser parado, logo.

  9. Daniel Noronha disse:

    Racista nem sei dizer se ele realmente é, mas com certeza abobalhado e indigno do cargo q exercer, isso sim!

  10. joaci disse:

    Qual a diferença da Chia pra Venezuela

  11. BG VOU PROCURAR ME CONTER . ESSE MINISTRO É LITERALMENTE UM PASPALHÃO . O mínimo que posso dizer para não ser indelicado . De onde saiu essa mercadoria ? Rapaz um ministro da educação se passar por um papel ridículo desse . História em quadrinhos ? Esse rapaz está pensando o que ? Para brincar com o destino de uma nação ? Lamentável .

    • Roberto disse:

      O objetivo do marxismo cultural é falar mal de Bolsonaro. A China tinha vendido 600 respiradores para o nordeste, mas desistiram.
      Agora a esquerda enche a boca com racismo.
      Não passam de alienados.

  12. Joaquim disse:

    Tempo que não pode falar a verdade.

  13. Eider disse:

    O ministro esquece que agindo assim está impedido futuras negociações com China.

China homenageia vítimas e ‘mártires’ do coronavírus


Foto: China Daily/Reuters

A China parou neste sábado para homenagear as mais de 3.300 pessoas mortas pela Covid-19 desde que o novo coronavírus invadiu o país em dezembro. As sirenes antiaéreas começaram a soar às 10h (2h no horário de Brasília) em todo o território por três minutos. Trens, carros e navios buzinavam em memória das vítimas.

Na cidade de Wuhan, berço do coronavírus, com 11 milhões de habitantes, os moradores pararam no meio da rua. A equipe do hospital de Tongji saiu pelas portas do centro médico. Alguns ainda usavam roupas de proteção, que se tornaram um símbolo da crise em todo o mundo.

— Sinto muito pelos nossos colegas e pacientes que morreram — disse Xu, uma enfermeira deste centro médico que trabalhou na linha de frente do tratamento de pacientes com coronavírus, segurando as lágrimas. — Espero que eles possam descansar bem no céu.

Nas ruas de Pequim, os carros pararam, buzinando, e os pedestres permaneceram imóveis, alguns com sacolas de compras nas mãos.

Imagens da imprensa estatal mostraram o presidente chinês, Xi Jinping, e outros funcionários do governo em pé na frente de um complexo do governo, com flores brancas nas mãos.

Luto pelos ‘mártires’

Na Praça da Paz Celestial, na capital chinesa, a bandeira nacional tremulava a meio mastro, entre fortes medidas de segurança. Em um dos distritos comerciais mais movimentados da cidade, a polícia que patrulhava a zona de pedestres se afastou com os escudos para baixo e as cabeças inclinadas.

Em um vagão do metrô, parado em uma estação, os passageiros se levantaram, todos usando máscara, e permaneceram imóveis por três minutos, em um silêncio sepulcral interrompido apenas pela sirene da composição.

Novas medidas:China vai fortalecer controle de fronteiras e impor quarentena a quem entrar por terra no país

Em respeito aos mortos, a China proibiu neste sábado todas as atividades públicas de lazer para seus 1,4 bilhão de habitantes. Até alguns videogames chineses online ficaram inacessíveis.

O tributo também proporcionou uma oportunidade de lamentar os “mártires” do vírus, um título honorário concedido pelo governo nesta semana a 14 profissionais de saúde que morreram combatendo o surto. Entre eles está Li Wenliang, um médico de Wuhan que foi repreendido pelas autoridades por tentar avisar outras pessoas nos primeiros dias do contágio.

A morte deste oftalmologista de 34 anos em fevereiro causou uma torrente nacional de dor e indignação ao modo como o governo estava administrando a crise. Uma investigação oficial sobre a morte de Li concluiu que ele foi “inapropriadamente” punido pela polícia de Wuhan.

Em dezembro, as autoridades relataram o aparecimento de um vírus desconhecido naquela cidade, mas os cientistas não tomaram medidas imediatas para combater seu alcance e sua capacidade de transmissão entre seres humanos. Medidas drásticas de confinamento em Wuhan foram impostas apenas em 23 de janeiro. Criticado por levar muito tempo para reagir, o governo chinês se limitou a destituir as autoridades locais.

Velas virtuais

A comemoração de sábado também coincidiu com o festival anual Qing Ming, equivalente ao Dia de Finados, quando os chineses visitam os túmulos de seus parentes e deixam ofertas em sua memória.

Embora a China alega ter interrompido a propagação doméstica do vírus, algumas restrições permanecem para impedir uma segunda onda de infecções. O último saldo oficial no país é de 81.639 infecções e 3.326 mortes.

Por esse motivo, as autoridades instaram a população a não visitar os cemitérios neste sábado.

— Pedimos às pessoas que fiquem em casa e tenham memoriais em pequena escala para lembrar os mortos — disse Fan Yu, funcionário do departamento de assuntos sociais da China.

Alguns cemitérios propõem que as famílias se lembrem de seus entes queridos por meio de um vídeo ao vivo, no qual a equipe é vista cuidando dos túmulos em seu nome.

Existem até sites que oferecem sepulturas “virtuais”, onde velas podem ser acesas online para homenagear o falecido.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Daniel disse:

    3.300? Essa soma de pessoas mortas tá difícil de acreditar. Nos EUA só em dia esse vírus mata 1.000. imagine na china onde tudo começou.

  2. Tertu disse:

    São mártires porque nesse ataque desferido contra o mundo, a China para impor sua hegemonia política e econômica, foram vitimas do próprio veneno. País que suspende vendas de produtos pra salvar vidas, com mercadorias já em trânsito, como foi o caso de respiradores que já estavam a caminho do Brasil, e que foram suspensas as vendas no aeroporto de maime. Pra onde querem caminhar.

Análise do Ministério da Saúde: testes rápidos importados da China tem 75% de chance de erro nos resultados negativos para o novo coronavírus

Os testes rápidos importados da China tem 75% de chance de erro nos resultados negativos para o novo coronavírus.

A análise foi feita pelo Ministério da Saúde.

Numa epidemia, o maior perigo é o falso-negativo: aquele que testou negativo e que, na verdade, é positivo. Porque ele, em vez de se isolar, contamina involuntariamente os outros.

Por esse motivo, nenhum país do mundo se baseia nos testes rápidos para determinar quem está contaminado e quem não está.

Luiz Henrique Mandetta sabe disso.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mardoqueu disse:

    O melhor blog do RN BG

  2. Curiosa disse:

    Depois de gastar milhões é que descobrem isso?

  3. Nono Correia disse:

    Duvido! Mas enfim…Antagonista é porta-voz de tudo o que não presta aqui no Brasil Não sei como alguém ainda tem coragem de se "orientar" por esse lixo.

  4. Silva disse:

    É melhor tirar cara ou coroa !!!

  5. LEO disse:

    Comprar logo da China………….

  6. Raul César da Cunha Silva disse:

    Deixe pra lá então… se for pra adivinhar é 50% de chances de acerto no diagnóstico.

  7. Neco disse:

    Devem ser esses testes que a China usa para divulgar o seus dados.
    Tem quem acredite (tem que acredite até nos prodígios da mediicina cubana).

  8. Marco disse:

    E para que efetuaram a compra deste teste? Dinheiro jogado fora é?

VÍDEO: China de olho no mundo pós-pandemia

ASSISTA VÍDEO AQUI

O filme Dr. Fantástico (1964), de Stanley Kubrick, é uma sátira a vários fenômenos da Guerra Fria, como a corrida armamentista e o conceito de destruição mútua assegurada.

A China está manobrando em meio à pandemia de COVID-19 para ascender no status de liderança mundial. Enquanto os americanos correm para minimizar as suas perdas pela pandemia, a ditadura chinesa está de olho no pós-apocalipse.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calixto Silva disse:

    Cadê o vídeo BG?