Embaixador da China promete resolver ‘burocracia’ e diz ‘que não há nenhuma discussão política ou diplomática com o Brasil’, diz Pazuello, sobre vacinas

O Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que se reuniu por duas vezes com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, nessa quarta-feira (20), para tratar sobre vacinas contra a Covid-19. “Estamos em negociação diplomática com a China”, disse.

“[O embaixador] colocou pra mim que não há nenhuma discussão política ou diplomática no assunto, e sim burocrática. Ele vai encontrar onde está esse entrave e vai ajudar a destravar”, explicou Pazuello. As declarações foram dadas durante o evento de lançamento do programa ImunizaSUS, na manhã desta quinta-feira (21).

O ministro disse ainda que a previsão de entrega de insumos para o Butantan, prevista em contrato, é para o dia 10 de fevereiro. E para a Fiocruz, até dia 31 de janeiro. Segundo ele, o ministério se empenha em antecipar essas entregas. “Ainda não está atrasada, mas nós estamos nos antecipando ao problema.

Com CNN Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Natalense disse:

    Presidente do Brasil é uma vergonha!

  2. Chico disse:

    Eu já sabia!!!
    Tudo não passa de fofoca da imprensa.

  3. Tico de Adauto disse:

    Governo federal desastrado.

  4. Biró disse:

    Isso é só o calça colada querendo aparecer. Soltar a narrativa que faltou vacina e ele resolveu o problema. Quem é que não sabe disso? Nem tem mais graça a narrativa da esquerda.

  5. Tico de Adauto disse:

    Alguém acredita no paraquedista Pinocchio?

    • Emerson Fonseca disse:

      Fala para o Gado Minion, vamos esperar a próxima " falácia "

A pedido do governo de SP, Temer entra nas negociações para liberação de insumos de vacina do Butantan que estão na China

Foto: Edilson Dantas/Agência O Globo

A pedido do governo de São Paulo, o ex-presidente Michel Temer entrou nas negociações para liberar a importação dos princípios ativos para fabricação da vacina CoronaVac no Instituto Butantan. Ele entrou em contato com um ex-embaixador da China no Brasil, com que tem boas relações, para que fosse encaminhado o pedido ao presidente chinês Xi Jinping.

Na última terça (19), Temer ligou para o ex-embaixador Li Jinzhang, que hoje trabalha no palácio presidencial da China, e recebeu a promessa de que o pedido de ajuda para liberar a importação seria levado ao presidente chinês.

A informação da entrada de Temer nas negociações foi publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e confirmada ao blog pelo secretário de Governo de São Paulo em Brasília, Antonio Imbassahy, e pela assessoria do ex-presidente brasileiro.

Imbassahy disse ter conversado inicialmente sobre a possibilidade de Temer entrar nas negociações por saber que o ex-presidente tem boas relações com a China. Temer, por sinal, foi contratado pela chinesa Huawei para elaborar parecer jurídico sobre a participação da empresa no mercado de telefonia celular de quinta geração no Brasil.

Depois, segundo Imbassahy, o governador de São Paulo, João Doria, fez o pedido oficial para que o ex-presidente ajudasse o governo paulista nas negociações, o que acabou acontecendo na última terça-feira quando Temer ligou para o ex-embaixador da China no Brasil.

O governo de São Paulo acredita que a importação dos insumos para fabricação da CoronaVac no Brasil será liberada até o final deste mês ou no máximo início de fevereiro. Há um pedido de importação de 11 mil litros de IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo), que podem produzir mais de 11 milhões de doses da vacina.

O pedido foi dividido em dois e, assim que houver a liberação, o Instituto Butantan irá receber cerca de 5,4 mil litros do insumo. Numa segunda etapa, a outra metade seria exportada para o Brasil.

Blog do Valdo Cruz – G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos disse:

    Tudo teatro. Dória tenta fazer muito bem mas já conhecemos estratégia dele.
    Já está tudo acertado e precisam dizer que foi esse “grupo” que conseguiu.
    Estão formando a base para eleições federais.
    Eles mesmo estão segurando os insumos para dizerem que conseguiram pelo país. Preocupações com os brasileiros é 0,0. Só querem poder!

  2. Lourenço disse:

    Tom França, bota íntima nisso iluminou depois os vermelhinhos ficam todos agitados, delirando com esse abração mais do que amigo, no Doriana no rapaz bom que derrubou Dilma do cavalo. São essas cenas que me fazem não desacreditar nos acertos de Bolsonaro, quando os cafajestes se unem tem treta. Foi assim com nove dedos, Calheiros, a Anta, Collor, Sarney, Helder Barbalho e outros bastante nocivos a nós.

  3. Silva disse:

    Quero vê os comentários viu Ze gado??
    Como é que é?
    Vai elogiar Temer??
    Sim!!
    É aquele mesmo que vcs chamam de golpista.
    Kkkkkkkkkkkk
    É de mijar de rir.
    Kkkkkkkk
    Bora petezada.
    Bora petralhada.
    Cadê um tal de tico de adauto?
    E o pixuleco?
    Eita que é personagem de mais, até esquici o nome dos outros, são tantos que acabo esquecendo.
    Mais Ta valendo.
    Kkkkkkkk
    E João eleitor do Aécio Neves?
    Também conhecido como calça colada??
    Ainda tá cheiroso ou vai passar a feder e vcs vão de andrade??
    Já sei!!
    Vão esperar as ordens do ladrão.
    Se ele mandar votar em Moro vcs votam né????
    Kkkkkkkkkk
    Kkkkkkkk
    Kkkkkk
    Kkkk
    Kk
    K

  4. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Kkkkkkkkk
    Agora gostaria de saber a opinião dos Esquerdopatas/Doriana depois desse abraço do Calça Apertada no Temer. Kkkkk
    Todos os corruptos contra Bolsonaro.

  5. Tom França disse:

    Que cena íntima, não?

  6. Ivan disse:

    Mais um da "patota" de políticos que se une ao "nobre" combate ao bolsonarismo… Só gente boa contra o malvadão…Cada vez mais a certeza aumenta…#bolsonaro2022

  7. Biró disse:

    São muitas narrativas. Esse calça colada não quer perder holofotes kkkk

  8. Luiz Antônio disse:

    Isso é uma perseguição com o capetão

Assessores de Bolsonaro avaliam nomes para fazer ponte com a China por insumos para Coronavac; Mourão diz estar a postos

O governo Bolsonaro está às voltas desde esta segunda (19) com a falta de informação da China a respeito do prazo para envio do IFA, o princípio ativo da vacina do Instituto Butantan, fabricada em parceria com a chinesa Sinovac. O temor é que, sem o insumo, as doses de Coronavac acabem no final de janeiro, quando termina o estoque disponível.

No governo federal, estão em contato com a China o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. No entanto, por conta da postura bélica e dos ataques do chanceler à China – em sintonia com a família Bolsonaro-, assessores presidenciais temem que Ernesto não obtenha informações precisas sobre o prazo da entrega dos insumos antes do término do estoque disponível: fim de janeiro.

Por isso, há uma discussão entre auxiliares presidenciais sobre se não seria o caso de o próprio presidente Bolsonaro contatar o presidente chinês. Outro cenário em debate, nos bastidores, é montar uma força-tarefa com ministros com boa relação diplomática com a China, como a ministra Tereza Cristina (Agricultura), e até o vice-presidente, Hamilton Mourão. O impasse em relação a Mourão, admitem governistas, seria a liberação de Bolsonaro para que o vice tenha protagonismo numa questão dessa magnitude.

Ao blog, Mourão disse que está à disposição para contatar a China e ajudar na questão dos insumos, já que tem boa relação com o vice-presidente chinês.

Perguntado se ele já havia feito contato com alguém da diplomacia chinesa para ajudar na questão dos insumos, ele respondeu:

“Por enquanto não falei, mas estou disponível, estou pronto. Tenho falado com o vice-presidente chinês ( Wang Qishan), ele me desejou melhoras durante o meu período da Covid-19 e estamos em permanente contato”.

Um ministro do governo defendeu ao blog que até o ex-presidente Michel Temer seja chamado a ajudar na relação com a China, já que ele mantém contatos diplomáticos com o país.

O debate sobre alternativas de interlocução está posto nos bastidores já que a solução óbvia seria trocar o ministro responsável por relações diplomáticas, mas demitir Ernesto não está nos planos de Bolsonaro. Assim como Pazuello, a permanência de Ernesto Araujo é garantida pelo presidente Bolsonaro.

Blog Andréia Sadi – G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Macena disse:

    Observador, é correto o seu comentário. Infelizmente, o nosso Presidente, fala muita bobagem. Sabíamos que ele não tinha capacidade intelectual de governar o nosso Brasil. Mais jamais, imaginávamos, que falasse tanta besteira. A China, é uma potência mundial. Politicamente, comunista. Economicamente, capitalista. Meu Deus, será que não têm ninguém para orientar o Pte. Bolsonaro. João Macena.

    • Incitatus disse:

      Infelizmente não tem ninguém para orientar o Bozo porque gente egocêntrica como ele, que não admite ser contrariado, só sabe se cercar de incompetentes e bajuladores. Os poucos que o contrariaram foram alçados pelo Gabinete do Ódio a condição de inimigos do governo. Quem é louco de contrariar outro louco?

  2. GILKA disse:

    Já!!!! E ñ era a vacina chinesa q ia fazer pessoas virar jacaré e homens brocharem? A mentira realmente ñ tem sustentação.

  3. Pixuleco disse:

    Tonho querendo pedir pinico , ou homem fraco ou presidente peba ou governo esculhambado . Beato Salú se for ledir atrapalha , os bananinhas só querem saber de Trump , o véio tá surtado e Mourao encantado . O último que sair do cabaré de DA LUA soque a luz . Chega Cacá ! Ajudas aí home .

  4. João Maria disse:

    BG na minha opinião só tem uma pessoa que tem grande influência no governo chinês essa pessoa é o ministro da ciência e tecnologia o astronauta Marcos Pontes, o resto a China vai maltratar até quando puder..

  5. Lourenço disse:

    Pode mandar quem ele desejar do governo. Tenho certeza que não tem ninguém igual ao ladrão nove dedos, a Anta, Narizinho, o Vampiro, Lilindenberg, O filho Ronaldino, o outro xerox, por isso, fiquemos tranquilos.

  6. PAULO DUARTE disse:

    Essa é fácil!Os Chineses só vão querer conversar com o Doria. Estão trabalhando para ele ser o próximo presidente. Isso está claro!!

  7. Calígula disse:

    Ei Ei Ei Bolsonaro é nosso Rei.

  8. ZéGado disse:

    Manda o tio Cacá (Calígula) para os íntimos. Ele traz os insumos

  9. O Rei da Rachadinha disse:

    Será que nosso bravo presidente irá se AJOELHAR para a temida China Comunista?

  10. Santos disse:

    Vou dar 2 nomes bons pra fazer essa ponte. Ernesto Araújo e Eduardo Bananinha. Os dois têm habilidade diplomática de muita katxiguria!

  11. Cris disse:

    Cuidem, não brinquem com coisas sérias, as piadas desses comentaristas estão de fazer dó.
    A defesa de Bolsonaro pela vida, pela democracia é incansável.
    Procurem ler sobre o passado recente e vejam os erros graves que os políticos, presidentes cometeram na defesa do próprio bolso e não na defesa da vida, da liberdade, da democracia.
    Abram o olho. Não distorçam as ações nem as palavras do atual presidente.

    • Everton disse:

      Hã? A sinofobia praticada por membros do alto escalão brasileiro pode comprometer seriamente relações comerciais com a China.

    • Monnnnnnnn disse:

      Ta vivendo em qual Brasil? A defesa de Bolzonaro pelo que? Niguem distorce nada do que ele diz ao não ser o gado para defende-lo..

    • Rei da Cloroquina disse:

      Cris acho que você tomou cloroquina demais… A defesa de Bolsonaro pela democracia é incansável? Em qual universo paralelo você esteve nos últimos 3 anos?

    • Neco disse:

      Vc que tanto critica, tem estudos de quantas pessoas que receberam cloriquina, de forma precoce, morreram? Quer discutir com a Dra. Marina Bucar, dentre tantos outros, sobre isso? A campahha contra qualquer tratamento precoce é absolutamente hedionda.

  12. Flávio Rocha disse:

    "Manda um cabo e um soldado"e resolve logo isso com a China.

  13. Natalense disse:

    Confio no presidente, se acabar a saliva ele vai usar a pólvora que tem em casa contra os chineses. Deus acima de tudo e Bolsonaro em cima de todos – não sem bem se é assim, desculpem.

  14. ZéGado disse:

    Ernesto Araujo, o homem é muito querido pelos chineses

  15. Observador disse:

    ELE E OS FILHOS FALARAM MUITAS MERDAS SOBRE A CHINA, AGORA TÁ NESSA SINUCA DE BICO E NÓS PODEMOS PAGAR UM PREÇO ALTÍSSIMO POR CONTA DAS INSANIDADES DESSE DESPREPARADO.

  16. observando. disse:

    Os generais Pazzuelo, Heleno e Mourao podiam comandar tropas treinadas e invadir o laboratorio na china e pegar esses insumos na marra. Tem pra que ta se humilhando nao.

    • Minion alienado disse:

      Concordo, vamos chamar os reservistas das FFAA para invadir a China e pegar. Cadê os militares? Cadê o patriotismo do povo que reclamou do petê? Quero ver a brabeza desse povo.

      #ffaanachinaagora

    • Calígula menininha do Pr. disse:

      Quantas bombas atômicas o Brasil tem?

    • Tonho da Lua disse:

      Também concordo. Coloca o Bozo e seus filhotes na linha de frente pra invadir😂😂😂😂
      Temos póiva pra isso.

  17. Rei da cloroquina disse:

    Coloca o Eduardo Bolsonaro!

China tem a primeira morte por Covid-19 em oito meses

Foto: WANG ZHAO / AFP

A China anunciou nesta quinta-feira a primeira morte por Covid-19 em oito meses, enquanto o país detecta uma série de novos surtos e pouco antes da chegada da equipe da Organização Mundial de Saúde (OMS) encarregada de investigar a origem do novo coronavírus em Wuhan, onde a doença foi registrada primeiro, em dezembro de 2019.

O país havia conseguido praticamente erradicar a doença em seu território graças a fortes medidas de controle de movimento, ao uso de máscara, a confinamentos e a aplicativos de rastreamento.

Nos últimos dias, porém, vários surtos reapareceram — embora o número de casos de transmissão local seja baixo se comparado aos números registrados em outras partes do mundo.

Nesta quinta-feira, o governo da China anunciou o maior número de infecções diárias desde março de 2020. A maioria dos novos casos se concentra em Hebei, província que circunda a capital e onde algumas cidades já estão em quarentena. Segundo autoridades, a vítima é dessa região, onde houve 81 casos em 24 horas. O último óbito no país por causa da pandemia havia ocorrido em maio de 2020.

No total, a Comissão Nacional de Saúde informou em um comunicado que foram registrados 138 novos casos, em comparação aos 115 do dia anterior, marcando o maior aumento desde 5 de março do ano passado. Desde o início da pandemia, mais de 97 mil pessoas foram infectadas na China e 4.635 morreram por causa da Covid-19.

Com o aumento dos casos, autoridades têm adotado medidas mais duras. Heilongjiang, uma província vizinha da Rússia, declarou “estado de emergência” na quarta-feira. Seus 37,5 milhões de habitantes não podem deixar a província, exceto em casos de urgência, e reuniões foram canceladas. Uma das cidades da província, Suihua, de mais de 5 milhões de habitantes, já havia sido colocada em quarentena na segunda-feira, com moradores proibidos de sair de casa e com o transporte público suspenso.

O aumento dos casos preocupa o governo com a chegada do Ano Novo Chinês, que este ano cai em 12 de fevereiro, porque a data causa o deslocamento de milhões de pessoas. No entanto, autoridades acreditam improvável que o país registre uma alta disseminação do vírus.

OMS chega à China

Em meio ao avanço da pandemia no país, uma equipe da OMS chegou à cidade de Wuhan para investigar a origem da Covid-19. O trabalho irá demorar para começar, já que os especialistas precisarão ficar em quarentena por duas semanas.

A visita da OMS é extremamente sensível para o governo chinês. Prevista para a semana passada, ela havia sido cancelada de última hora por falta de autorizações necessárias. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, chegou a lamentar que os pesquisadores não puderam visitar o país antes.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiza disse:

    Gado, vaca e a boiada inteira são você e sua família. Essa politização de qualquer folha que caia de uma árvore, típica de massa de manobra alienada que tem profunda convicção que sabe de tudo. Só ignorantes e analfabetos. Mas democracia é isso: voz para toda 'qualidade' de gente.

  2. João Juca Jr disse:

    Que mentira grosseira! Esses canalhas do PC chinês são mentirosos profissionais. E ainda querem que os otários aqui no Ocidente acreditem nas mentiras que eles divulgam.

  3. Carlos Chaves disse:

    Eles não "tomam coronavac"porque são Um bilhão de pessoas.

  4. flavio disse:

    interessante no ano novo chinês, não irá ocorrer a disseminação da doença. Na china funciona o melhor lockdown da imprensa e de direitos humanos, mas existe pessoas que defendem este sistema.

    • Candido disse:

      Que sistema? Se a China for comunista então viva o comunismo. Porque a China é muito maior que nosso Brasil capitalista. Muito mais forte. Muito mais rico? Ou estou enganado?

  5. Gustavo disse:

    Eles não tomam coronavac!?

  6. Luiza disse:

    Claro… 1,5bi de habitantes e origem da praga; mas ninguém morre por lá, só o resto do planeta. Transparência total.

    • Candido disse:

      Esseestranho que por aqui reclamam que toda morte se atribui ao covid. Mas quando e o contrário reclamam também. Gado adora ficar de mu mu mu

China registra maior número diário de casos de Covid-19 desde julho

Foto: China Daily via REUTERS

A China registrou seu maior número diário de casos de Covid-19 em mais de cinco meses, anunciou a autoridade de saúde do país nesta segunda-feira (11), devido ao crescimento de novas infecções na província de Hebei, que fica perto da capital Pequim.

O país contabilizou 103 novos casos, o maior número desde os 127 infectados notificados em 30 de julho.

Foram 82 casos na província de Hebei, 2 na de Liaoning, 1 em Pequim e 18 importados do exterior, segundo a Comissão Nacional de Saúde (NHC, na sigla em inglês), além de 76 assintomáticos.

Ao contrário de outros países, a China só contabiliza como casos confirmados quem testa positivo para Covid-19 e tem sintomas da doença. O país tem 87.536 infecções e 4.634 mortes por Covid-19 confirmadas até o momento.

Embora o número continue bem abaixo do surto no início de 2020, as autoridades estão agindo agressivamente para conter a propagação e evitar outra onda nacional de infecções. Um condado no nordeste da província de Heilongjiang entrou em bloqueio total nesta segunda.

Investigação da OMS

O aumento ocorre no momento em que a equipe da Organização Mundial de Saúde (OMS) que investiga as origens da pandemia deve chegar à China, na quinta-feira (14).

O NHC anunciou a data de chegada, mas se recusou a fornecer o itinerário da equipe. Na semana passada, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, criticou o país por demorar para liberar a viagem.

A China foi acusada de inicialmente encobrir o surto, que surgiu na cidade de Wuhan no fim de 2019, o que atrasou a resposta inicial do país e permitiu que o vírus se espalhasse globalmente.

Onda de casos

A atual onda de casos locais eclodiu pela primeira vez na cidade portuária de Dalian, em Liaoning, em meados de dezembro. Conforme o inverno avançava, outras províncias do norte — Heilongjiang, Hebei e Jilin — começaram a relatar mais infecções.

Nesta segunda, Dalian atribuiu o surto a embarcações estrangeiras contaminadas, dizendo que as informações de sequenciamento do gene do vírus eram diferentes das de surtos anteriores. A maioria dos infectados eram estivadores que manuseiam cargas de um navio da Rússia, segundo um oficial.

Shijiazhuang, capital de Hebei e epicentro do novo surto na província, está bloqueada. Pessoas e veículos são sendo impedidos de deixar a cidade e o transporte público foi interrompido.

A capital de Hebei foi responsável por 77 dos 82 novos casos de Covid-19 e todos os 49 novos casos assintomáticos relatados na província. Vários trechos de rodovias na província foram fechados.

O condado de Wangkui, na província de Heilongjiang, relatou oito novos casos assintomáticos e fechou todos os negócios não essenciais, proibiu as pessoas de deixar a cidade e bloqueou todo o tráfego não essencial, segundo a televisão estatal.

Changchun, capital de Jilin, relatou quatro novos casos assintomáticos — as primeiras infecções locais na província desde 26 de julho. Todas as pessoas infectadas viajaram do condado de Wangkui recentemente de trem, segundo autoridades de saúde de Jilin.

Os complexos residenciais dos infectados foram colocados sob lockdown, com pessoas e veículos proibidos de deixar o local, anunciou a autoridade sanitária de Changchun.

Os novos casos assintomáticos em Jilin não fazem parte da contagem diária de casos do NHC publicada na segunda-feira e serão refletidos na terça-feira.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pamela da Pampa disse:

    Que mentira cachorra da mulesta…nunca no Brasil, quer dizer, na China!!!

  2. Luiza disse:

    Gente, que povo mentiroso!!! 1,5bi de habitantes no canto que surgiu essa praga e só tem 103 casos num dia? E ninguém no mundo ousa enfrentar esse povo.

    • Ivanildo disse:

      Deve ser mais de 40.000 casos por dia, sem contar os óbitos, o povinho mentiroso

China confirma que missão da OMS irá ao país investigar origem da Covid-19

Foto: Fabrice Coffrini/Pool via Reuters

A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou nesta segunda-feira (11) que vai receber nesta semana a missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) que investigará a origem da Covid-19.

Em breve comunicado publicado em seu site, a agência indica apenas que os técnicos da OMS chegarão à China na próxima quinta-feira (14), e que irão “cooperar” com os cientistas locais nessas investigações.

A Comissão não especifica os locais para onde os especialistas irão viajar.

A OMS criticou a China na semana passada por demorar para liberar a viagem.

O diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom, afirmou estar “muito decepcionado” com os obstáculos que supostamente estava colocando Pequim na missão, embora as autoridades chinesas negassem que estivessem impedindo.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Georgino Queiroz disse:

    O difícil vai ser conseguir entrar lá e receber todas as informações necessárias. País comunista dos inferno.

  2. Leo disse:

    Essa "palhaçada" chinesa acha que o mundo so tem idiota !!!!!

  3. Carlos Brasileiro disse:

    Esses chineses acham que o mundo é idiota ou limitado intelectualmente.

FOTO: Japão, China, Coreia do Sul e Coreia do Norte já estão em 2021

PHOTO BY HUANG XUEBO/VCG VIA GETTY IMAGES

Japão, China, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul e Coreia do Norte também já estão em 2021. Por voltas das 12h no horário de Brasília, os países asiáticos celebraram a chegada do novo ano. A Coreia do Norte, um dos países mais fechados do mundo, promoveu um show, sem distanciamento social, mas com a utilização de máscaras.

Também já é 2021 na Nova Zelândia. O país da Oceania comemorou a virada de ano por volta das 8h no horário de Brasília. Fogos de artifício e aglomerações marcaram a celebração e causaram uma certa “inveja” nos brasileiros. Na Austrália, o ano-novo já chegou também, quando os relógios marcavam 10h no Brasil.

A Nova Zelândia é um dos países tidos como referência no combate à pandemia de coronavírus. Até esta quinta-feira (31/12), o país registrou apenas 2.162 casos de Covid-19 e 25 mortes em decorrência da doença em seu território.

Com Metrópoles

COVID-19: Contaminação em Wuhan, na China, pode ser dez vezes maior que o número oficial, diz estudo

Foto: Getty Images

Um estudo elaborado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) da China indica que o número de infectados em Wuhan – cidade onde o novo coronavírus apareceu pela primeira vez – pode ser dez vezes maior do que o registrado oficialmente pelas autoridades de saúde do país.

De acordo com reportagem da agência Bloomberg, o número de infectados em Wuhan alcançou 50 mil casos até abril, quando o estudo foi realizado. Já a projeção do CDC aponta a contaminação de quase 500 mil pessoas em Wuhan no período mencionado. Os dados foram divulgados na noite desta segunda (28).

O estudo estimou as taxas de infecção por Covid-19 em diversos pontos do território chinês. Segundo a Bloomberg, a análise se baseou em testes sorológicos realizados em uma amostra de 34.000 residentes de Wuhan e de outras cidades na província de Hubei, além de metrópoles como Pequim e Xangai e municípios nas províncias de Guangdong, Jiangsu, Sichuan e Liaoning.

Os pesquisadores identificaram uma taxa de anticorpos de 4,43% para Covid-19 entre os moradores de Wuhan, uma metrópole com 11 milhões de pessoas.

A taxa fora de Wuhan é significativamente menor, segundo o estudo. Em outras cidades de Hubei, apenas 0,44% dos residentes pesquisados tinham anticorpos contra o coronavírus.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China informou que o estudo foi realizado em abril, um mês depois que o país “conteve a primeira onda da epidemia de Covid-19”.

Apesar dos números constatados pelo CDC, os moradores de Wuhan voltaram às ruas. A razão dessa adesão da população à retomada é amparada pela orientação do governo chinês, que garante não haver desde maio novos casos de infecção pelo novo coronavírus no marco zero da pandemia.

Entretanto, o resultado do estudo mostra que Wuhan ainda é vulnerável ao Covid-19. O percentual registrado segue bem abaixo do limite mínimo (metade da população, segundo epidemiologistas) para se alcançar a imunidade coletiva.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Japiense disse:

    É meio óbvio. O lugar onde SURGIU tudo isso ser um dos poucos a controlar a situação e conseguir estabilizar e frear antes do mundo inteiro, e com o resto dos países atendo recordes de casos, é no mínimo de se estranhar.

  2. Maria Bernardes disse:

    Ditadores; fizeram de um tudo pra esconder a letalidade do vírus.

  3. Especialista disse:

    Me parece que quem precisa ler é vc.

  4. Irany Gomes disse:

    País comunista é outro nível, os esquerdopatas deveriam ir para lá, mas com dinheiro de propina, vão gastar nos EUA, França Caribe, ou seja, nos países capitalistas…👹👹👹👹

  5. Romero Cezar da Câmara disse:

    Leia a reportagem, depois comente.

  6. Especialista disse:

    Interessante uma notícia dessas, se for verdade, onde está a eficiência da vacina CORONAVAC tão boa, como propala o calça justa?

    • Mara Maravilha disse:

      Você que se diz “médico” deve saber.
      Poderia dar uma explicação técnica sobre o assunto. Nos ajude.

Brasileiro relata situação em Wuhan, na China, primeiro epicentro da pandemia de covid-19: ‘Praticamente normal’

‘Usamos máscara quando entramos em locais fechados, como bares, restaurantes ou shopping centers. Mas tudo já voltou a funcionar como antes’, diz Foto: Arquivo pessoal

“Aqui está tudo praticamente normal”, diz o paulistano Kenyiti Shindo, de 27 anos, à BBC News Brasil por telefone da cidade chinesa de Wuhan, onde vive.

“Usamos máscara quando entramos em locais fechados, como bares, restaurantes ou shopping centers. Claro que existe uma preocupação de que o vírus volte, mas tudo já funciona como antes”, acrescenta ele.

Um ano após o novo coronavírus ter sido descoberto, a situação no local onde ocorreu o primeiro surto de covid-19 é bastante diferente da do restante do mundo ocidental.

Segundo a Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, não há registros de novos casos e de novas mortes do vírus na província de Hubei, da qual Wuhan é a capital.

Desde o início da pandemia, foram 68 mil casos e 4,5 mil mortes na região.

Já na Europa, vários países decidiram confinar novamente suas populações devido ao aumento significativo no número de casos, frustrando os planos de Natal de milhões de pessoas e cancelando as festividades de Ano Novo.

A descoberta de uma mutação do vírus no Reino Unido, anunciada no último sábado (19/12) pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reforçou ainda mais esse temor entre as autoridades.

Essa nova variante é mais contagiosa e está “fora de controle”, segundo o secretário de Saúde do país, Matt Hancock.

Como resultado, vários países suspenderam voos de e para o Reino Unido.

No Brasil, a pandemia também não dá sinais de arrefecimento — são quase 200 mil mortos desde o primeiro caso, em 26 de fevereiro. O número de óbitos é superior a 500 por dia.

‘PREOCUPAÇÃO’

Shindo já vive na China há sete anos e chegou ao país por meio de uma bolsa que conseguiu ao estudar no Instituto Confúcio, da Unesp (Universidade Estadual Paulista). Ele acaba de terminar o bacharelado em Relações Internacionais e se prepara para se candidatar ao mestrado.

O brasileiro estava de férias na Malásia com a namorada em janeiro quando os dois foram pegos de surpresa com o lockdown em Wuhan.

Naquela época, imagens da cidade, com suas ruas totalmente desertas e isolada do restante da China, correram o mundo.

Até então, não havia sinais de que o vírus se alastraria, muito menos de que se tornaria uma pandemia.

Sem poder voltar para casa, o casal passou dois meses fora de Wuhan até sua reabertura, em março.

Ainda assim, Shindo foi um dos que pressionou o governo de Jair Bolsonaro a retirar os cidadãos brasileiros de Wuhan, em fevereiro.

Kenyiti ao lado da namorada, que é de Wuhan: casal passou pela Malásia e Tailândia enquanto esperava reabertura das cidades na China Foto: Arquivo pessoal

A China adotou uma estratégia de combate ao vírus que se provou bem-sucedida — o país não só confinou sua população, mas adotou um sistema de identificação e rastreamento de infectados que facilitou o controle do espalhamento da doença.

Como resultado, as atividades em Wuhan começaram a ser retomadas progressivamente a partir de março. Com a melhora do quadro, em outubro, a província de Hubei chegou a atrair mais de 52 milhões de turistas apenas entre os dias 1 a 7, durante a Semana Dourada, período festivo do gigante asiático.

Wuhan recebeu quase 19 milhões de visitantes, segundo dados do Departamento de Cultura e Turismo da Província.

O país também foi criticado, entretanto, por ter escondido informações sobre o avanço da covid-19 e acumulado erros de gestão, segundo documentos confidenciais do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Hubei obtidos pela rede americana CNN.

Shindo se diz preocupado com a situação da família que vive no Brasil.

“Meu pai é do grupo de risco e depende do SUS. Uma das minhas irmãs é professora e não pode trabalhar de casa. Fico preocupado”.

Ele conta que deve passar o Natal com um grupo de brasileiros, apesar de a festa não ser celebrada na China.

“Vamos nos reunir em casa e fazer uma ceia”, diz.

Uma realidade muito diferente da do restante do mundo.

ORIGEM AINDA INCERTA

Apesar de uma relutância inicial do governo chinês, em janeiro uma equipe de dez cientistas de várias partes do mundo viajará a Wuhan para investigar as origens da covid-19, segundo informou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

O biólogo alemão Fabian Leendertz, do Instituto Robert Koch, que fará parte do grupo, afirmou na última semana que a intenção não é buscar culpados, mas prevenir futuros surtos.

A missão, que durará entre quatro e cinco semanas, tentará responder, por exemplo, quando o vírus começou a circular e se ele passou a infectar de fato humanos inicialmente em Wuhan.

Um mercado de alimentos na cidade foi apontado desde o início como a possível origem da covid-19, onde o coronavírus teria migrado de animais e começado a contaminar humanos.

Mas há alguns pesquisadores que, hoje, acreditam que o patógeno possa apenas ter se multiplicado ali, mas que o “salto” entre as espécies não necessariamente pode ter ocorrido no local.

Época, via BBC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fabio Alencar disse:

    Sabe-se lá quantos anos eles tiveram para pesquisar e imunizar sua população… agora é só esterilizar os brasileiros e aos poucos ir tomando conta do espaço e da produção de alimentos.

  2. José Macedo disse:

    Na opinião deste cidadão a cura da contaminação está no isolamento mais severo.
    Se todas as nações fizessem isso não precisaria de nenhum medicamento, hoje estaríamos todos sem máscara e tranquilos andando nas ruas.
    Para dar um depoimento sem noção deste era melhor nem falar nada.
    No mundo todo continua a contaminação só na china que parou, graças ao lockdown, tá de sacanagem!!!!!!

  3. Pedro Henrique disse:

    Chineses usam a coronavac desde julho. Afirmam que não para não quebrar acordos com a OMS, tipo dá vacina não certificada ao seu próprio povo. A vacina funciona.

China envolve o Brasil em tentativa de negar origem da pandemia em Wuhan

Foto tirada em 24 de novembro de 2020 mostra uma visão geral do Mercado Atacadista de Frutos do Mar de Huanan em Wuhan, na província de Hubei, na China.| Foto: Hector RETAMAL / AFP

A China, por meio de veículos de comunicação controlados pelo Partido Comunista, como é o caso do jornal Global Times, quer mudar a narrativa de que a pandemia de covid-19 tenha se originado em seu país. Neste domingo (06), em um esforço que parece ser coordenado, o jornal usou sua conta no Twitter para afirmar que o Centro de Controle de Doenças de Wuhan, cidade chinesa que foi o epicentro da pandemia, detectou o novo coronavírus em carne congelada importada do Brasil e do Uruguai.

Ao mesmo tempo, a principal reportagem do site do jornal traz a pergunta: “É possível que mercadorias importadas tenham causado o surgimento da epidemia de coronavírus em Wuhan?”

A “reportagem” afirma que a narrativa de que a epidemia começou em Wuhan é uma “acusação” de políticos do Ocidente e que a descoberta de sinais anteriores do vírus na América e na Europa faz surgir a hipótese de que a epidemia registrada em Wuhan, o berço da covid-19, teve origem em alimentos congelados que foram importados.

O jornal afirma que enviou repórteres para o mercado de Huanan, onde as primeiras infecções pelo novo coronavírus foram registradas, e que após conversar com epidemiologistas, virologistas e com comerciantes, “a possibilidade de que o coronavírus tenha passado de produtos importados para o mercado não deve ser descartada”.

Entre as especulações feitas pelo jornal, sem apresentar provas, está a de que o vírus causador da Covid-19 tenha sido trazido à China por militares americanos durante os Jogos Mundiais Militares em 2019, sediado em Wuhan.

O jornal também sugere que poucos animais selvagens eram vendidos no mercado de Huanan. Um comerciante afirmou ao jornal que eles eram vendidos “em segredo”. Para o jornal, a fonte mais provável são frutos-do-mar importados da Autrália, Equador e Chile, antes de 2019.

O texto ainda cita os supostos casos de novo coronavírus encontrados na carne importada do Uruguai e Brasil.

Retaliação?

Curiosamente, os países citados pelo Global Times estão envolvidos em rusgas recentes com a China. A Embaixada da China apresentou uma reclamação formal ao governo brasileiro devido a uma publicação feita no Twitter por Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O deputado federal, que é presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, acusou o Partido Comunista Chinês de espionagem, ao falar sobre a adesão do Brasil à Clean Network (Rede Limpa), iniciativa organizada pelos Estados Unidos para impedir a Huawei de operar os serviços de 5G.

Em abril deste ano, a China ameaçou boicotar produtos da Austrália após o país da Oceania pedir uma investigação sobre a origem da covid-19. Ao ser perguntado pelo jornal The Australian Financial Review sobre a solicitação australiana, Cheng, que é embaixador em Camberra, disse que a “população chinesa” poderia rejeitar mercadorias da Austrália. “Talvez as pessoas comuns se perguntem: ‘Por que eu deveria beber vinho australiano? Comer bife australiano?'”, afirmou o diplomata.

Em novembro, a Austrália firmou um acordo militar com o Japão, o que também irritou a China.

O Equador ameaçou tomar providências contra os pesqueiros chineses que porventura entrassem nas águas protegidas da Reserva Marinha de Galápagos.

Gazeta do Povo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Juca Jr disse:

    E ainda tem gente que defende essa Sucursal do Inferno dirigida pelo psicopata genocida Xi Jinping.

  2. Calígola thupa zovos do vei disse:

    O palhaço da república não brinque com os chineses não viuu, se não ele toma no centro.

  3. Juvenal disse:

    Qualquer um que tenha lido "1984" sabe bem onde isso vai parar.

    • Eduardo Pete disse:

      Juvenal, pensei exatamente nisso quando leia o artigo. O "Ministério da História" em ação! kkkk Idéntico. Muito ruim morar num regime assim. Deus me livre do comunismo!

    • Severino disse:

      Ministério da Verdade e da Paz Celestial Perpétua.
      Bem de distopia.

  4. Sérgio disse:

    Não dá pra confiar no governo chinês. Nem no brasileiro!

  5. Edison Cunha disse:

    Quem em sã consciência acredita em alguma coisa dita pelo governo chinês?

Resposta da China a Eduardo Bolsonaro foi ‘diplomaticamente’ errada, diz Mourão; vice-presidente concordou com Itamaraty e criticou assunto tratado em rede social

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (27) que a Embaixada da China no Brasil agiu “diplomaticamente errado” ao usar as redes sociais para repudiar uma postagem do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Na segunda (23), o parlamentar publicou que o governo brasileiro havia declarado apoio a uma “aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”. Eduardo apagou a postagem na terça, mesmo dia em que a embaixada postou nota de repúdio às declarações.

A embaixada disse que as afirmações do filho do presidente são “infundadas” e “solapam” a relação entre os dois países – a China é o principal parceiro comercial do Brasil.

“Eu acho que, diplomaticamente, está errado isso aí. É a segunda vez que o embaixador chinês reage dessa forma. Dentro das convenções da diplomacia, o camarada se sentindo incomodado com qualquer coisa que tenha ocorrido no país, ou ele escreve uma carta para o ministro de Relações Exteriores ou ele vai ao Itamaraty e apresenta suas ponderações. E não via rede social, porque aí vira um carnaval esse negócio”, disse Mourão.

Questionado se o governo brasileiro pretende intermediar uma pacificação no tema – pedindo, por exemplo, para Eduardo Bolsonaro amenizar as críticas –, Mourão disse achar que o deputado já recebeu “alguma recomendação” nesse sentido.

“Quando o deputado postou e depois apagou, acho que ele deve ter recebido alguma recomendação para tirar aquilo”, disse. Mourão é um dos interlocutores do governo junto à China, já que representa o Brasil na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban).

Mourão também disse que o Itamaraty está “muito correto” ao enviar réplica à nota de repúdio divulgada pela embaixada chinesa.

Segundo o jornal “O Globo”, nessa resposta, o Ministério de Relações Exteriores apontou conteúdo “ofensivo e desrespeitoso” na nota da China e disse que o texto prejudica a imagem do país junto à opinião pública. A mensagem também criticou o uso da rede social para tratar de temas de interesse dos dois países.

Disputa do 5G

China e EUA travam uma guerra comercial e tecnológica em relação ao 5G, a internet móvel de quinta geração. No Brasil, o leilão das frequências deve ser realizado em 2021 e o governo avalia se definirá alguma barreira à empresa chinesa Huawei como fornecedora de equipamentos para o 5G.

Eduardo Bolsonaro publicou na segunda em uma rede social que “o governo Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Network, lançada pelo governo Donald Trump, criando uma aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”.

O apoio ao “Clean Network” foi declarado no último dia 10 em cerimônia no Itamaraty. A definição dos parâmetros do leilão do 5G, no entanto, cabe à Anatel – que, segundo a Lei Geral de Telecomunicações, goza de “independência administrativa, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes e autonomia financeira”.

O deputado apagou a mensagem no dia seguinte, porém a embaixada da China no Brasil afirmou que as declarações do parlamentar seguem “os ditames dos Estados Unidos de abusar do conceito de segurança nacional para caluniar” o país asiático e cercear as atividades de empresas chinesas.

Na nota, os representantes chineses também disseram que as falas do deputado são “infundadas” e “indignas” com o cargo de presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

Atrito repetido

O atrito por rede social com a embaixada da China não é o primeiro registrado por aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Em abril, o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, publicou insinuações de que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pelo coronavírus. Depois, ele apagou o texto.

Além do conteúdo da mensagem, Weintraub também ofendeu os chineses na forma do texto ao imitar a fala do personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, que, ao falar, troca a letra “R” pela “L”. O ministro ridicularizou o fato de alguns chineses, quando falam português, efetuarem a mesma troca de letras.

A embaixada chinesa no Brasil, também na rede social, divulgou uma resposta repudiando a fala do ministro e o embaixador, Wanming Yang, cobrou uma declaração oficial do governo sobre a fala de Weintraub.

Depoimento do presidente

Mourão disse concordar com os argumentos do Advocacia-Geral da União (AGU) ao formalizar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a desistência de Bolsonaro de prestar depoimento à Polícia Federal no inquérito que apura suposta tentativa de interferência dele na autonomia da corporação.

Segundo a AGU, a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril “demonstrou completamente infundadas quais das ilações” que resultaram na abertura do inquérito, feita a partir de relatos do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro.

“Concordo com o presidente nisso ai. É o tipo de negócio que não dá em nada”, disse Mourão.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. BBKing disse:

    Esse Mourão é um morde e sopra da mulestia. Ontem criticou o Bananinha, que iniciou toda essa confusão. Hoje crítica o embaixador chinês. O vice deve ter opinião própria, descer do muro.

  2. joaci disse:

    Na verdade os Brasileiro não precisam da china, a china precisa de nossos alimentos, ferros, madeiras, ouro, etc.
    Então já dizia Chico Xavier o Brasil e o Coração do Mundo e Patria do Evangelho.
    Nosso Brasil vai alimentar todos os seres vivos deste planeta chamado terrar.

  3. Pixuleco disse:

    MORÃO , nobre general de quatro tampinhas , homi vá dormir , cuidar dos netos . Deixe de conversar besteira e passe o lano nas declarações dessa família BANANOÍDE .

  4. Xing Ling disse:

    Se a China quiser, explode o planalto com um simples drone.

  5. Emerson Fonseca disse:

    A China está cagando e andando, para você Generalzinho de pijama, foi só um pequeno aperitivo, continuem as provocações, aí sim, couro vai comer.

  6. avelino disse:

    QUE A CHINA SE EXPLODA, COMUNISTA NÃO GOSTAMOS DE COMUNISTA , O BRASIL É DEMOCRATICO BRASILEIRO E PRESA PELA SUA LIBERDADE. FORA OS COMUNISTAS

    • JOSÉ CLAUDIO PEREIRA disse:

      É sério? Ficar fora dos comunistas ( CHINA ) e também da parceria comercial com esse país comunista, que proporciona anualmente ao Brasil, centenas de bilhões de dolares de superávit na balança comercial entre nações?

    • Sergio disse:

      Sem a China, o Brasil tá acabado, inocente.

    • Patriota disse:

      Avelino, querido, seja coerente: JOGUE NO FOGO ESSE SEU CELULAR CHEIO DE COMPONENTES COMUNISTAS!

    • Emerson Fonseca disse:

      Se o nobre Avelino, der um baculejo em casa, vai se surpreender com a ruma de comunistas que tem lá… kkkkk… Sabe de nada inocente 😂

Aplicativo vende produto da China e promete ‘preço de fábrica’; veja se vale a pena

Shopee é confiável? Lista traz seis perguntas e respostas sobre compras no app — Foto: Helito Beggiora/TechTudo

Shopee, plataforma de e-commerce com aplicativo para Android iPhone (iOS), anunciou que também vai participar da Black Friday 2020 no Brasil. A companhia, que vai oferecer frete grátis para todos os pedidos sem valor mínimo de compra, também garante descontos de até 80% na última sexta-feira do mês, o dia em que o evento de promoção ocorre.

Os descontos e ofertas estão disponíveis até o dia 30 de novembro e, até lá, serão oferecidos vouchers com descontos que somam R$ 1 milhão, além de ofertas diárias com itens custando R$ 1,99. Na lista abaixo, o TechTudo traz seis perguntas e respostas sobre a Shopee, além de dar dicas de como aproveitar os descontos disponibilizados no período da Black Friday 2020.

1. Como funciona a Shopee?

A Shopee é um aplicativo de compras para Android e iPhone, que também pode ser acessado na web pelo site “shopee.com.br” (sem aspas). A companhia tem origem no Sudeste Asiático e chegou ao Brasil em outubro de 2019, oferecendo produtos com preços competitivos e frete grátis sem valor mínimo de compra. Pelo app Shopee, é possível navegar por entre as mais variadas categorias de produtos, que incluem eletrônicos e eletroportáteis, itens de decoração, roupas e calçados, brinquedos infantis, acessórios para carros e seção de papelaria, por exemplo.

2. Shopee é confiável?

A plataforma da Shopee funciona como um marketplace, de maneira similar às gigantes AliExpress e Wish. Portanto, os produtos anunciados podem ter origens diversas, ou seja, podem ser de vendedores de qualquer parte do mundo. Então, se você finalizar uma compra no Shopee, deve estar ciente que os itens adquiridos podem implicar em possíveis taxas de importação no Brasil.

Para produtos importados que chegam ao país, há a cobrança de uma taxa de R$ 15 que corresponde ao despacho postal dos Correios, além das tarifas que podem ser aplicadas pela Receita Federal, que equivalem a 60% sobre o valor total do produto que exceder a cota máxima de US$ 50.

3. Quais os descontos da Black Friday da Shopee?

As promoções da Shopee para a Black Friday desse ano trazem descontos de até 80% para compras realizadas entre os dias 27 e 30 de novembro, nas mais diversas categorias de produtos disponíveis no site e app. A entrega é grátis para todo o país e não há um valor mínimo necessário para completar o pedido, sendo que a promoção de frete zero vale para descontos de até R$ 40 e em até dez compras no mês.

A Shopee afirma que, até o dia 30 de novembro, serão disponibilizados mais de R$ 1 milhão de descontos em vouchers promocionais. Além disso, há ofertas diárias a R$ 1,99 e cupons de 50% para novos usuários. Pelo app, também é possível resgatar cupons de desconto no ícone “Cupons Diários”. Já na aba “Jogos”, no menu inferior, também é possível jogar “Candy Shopee”, “Sacode Shopee”e “Shopee Lucky Prize” para ganhar recompensas e moedas Shopee, que podem ser trocadas por cupons exclusivos.

Para inserir um código de cupom da Shopee ou voucher em sua compra, você deve adicionar o produto desejado no carrinho e, antes de finalizar a compra, tocar sobre a opção “Cupom Shopee” e registrar o código promocional.

4. Como vender na Shopee?

Para anunciar seus produtos online na Shopee, é necessário criar uma conta de vendedor na plataforma. Depois disso, você pode cadastrar seus produtos no app para começar a vendê-los. Para registrar um produto, vá até o seu perfil e toque sobre “Começar a vender” e, depois, em “Adicionar um produto”. Você deve cadastrar uma foto e categorizar o item, especificando preço, tamanho, quantidade em estoque e adicionando uma descrição para o produto, por exemplo.

5. Como rastrear pedido na Shopee?

É possível rastrear um pedido Shopee pelo próprio app de compras. Para isso, acesse a aba “Minhas Compras” e, depois, toque sobre o pedido que deseja rastrear. Logo em seguida, toque sobre a opção “Visualizar” ao lado de “Informações de envio” e, assim, você pode acompanhar as rotas de entrega do seu pedido.

6. Quais os concorrentes da Shopee?

Os principais concorrentes da Shopee são o Wish, AliExpress e Banggood, já que as plataformas possuem propostas bem similares. Todas elas oferecem preços mais atrativos e são marketplaces, ou seja, permitem o cadastro de vendedores para que possam anunciar seus produtos online. As categorias de produtos oferecidos também são parecidas, já que as plataformas oferecem uma grande variedade de itens, dos mais diversos segmentos.

Além disso, todas as compras realizadas nas lojas online, independente da plataforma, correm risco de serem taxadas ao chegar no Brasil, já que a grande maioria dos produtos são oferecidos por vendedores internacionais. Então, nesse sentido, não há nenhum benefício em optar por uma das plataformas especificamente, já que o risco de taxação é o mesmo.

Globo, via Techtudo, Shopee e Ebanx

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PEDROCA Do Alecrim disse:

    Comprei o enxoval do meu casamento nesse site, chegou tudo direitinho. Meu MARIDO adorou as compras. 🙏👨‍❤️‍💋‍👨💕

    • Pixuleco disse:

      Tem camisola furadinhas ? Não esquece a do talco Pom-pom . Tem anágua ? Vixe que arraso .

  2. Manoel disse:

    Sugiro q não comprem… Comprei da Wish, tb da China, em 18 de Junho. Disseram q já chegou no Brasil desde 19 de Julho e até hj não me foi entregue ou reembolsado… E o reembolso eles fazem por voucher para vc fazer uma nova compra. Nunca devolvem o dinheiro. Procurem no site Reclame Aqui a empresa Wish

Lote com as primeiras 120 mil doses da vacina CoronaVac chega a São Paulo trazido da China

Governador João Doria acompanha chegada dos lotes — Foto: Reprodução/TV Globo

O governo do estado de São Paulo recebeu na manhã desta quinta-feira (19) as 120 mil primeiras doses da CoronaVac, vacina contra a Covid-19. O material foi importado da China e desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan.

O governador João Doria (PSDB), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchtey, acompanharam a chegada do lote, que foi trazido em um voo da China que desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo.

A CoronaVac é uma das quatro candidatas a vacina contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2) que estão sendo testadas no Brasil. O governo de São Paulo firmou acordo para a compra de 46 milhões de doses e para a transferência de tecnologia para o Instituto Butantan.

Para ser aplicada na população, a vacina ainda precisa ser autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Isso só pode ocorrer após a conclusão da realização de testes.

Atualmente, a CoronaVac está na terceira e última fase de testes, quando é avaliada em humanos. O estudo mais recente sobre a vacina aponta que ela mostrou segurança e resposta imune satisfatória durante as fases 1 e 2 de testes. Não há ainda, no entanto, estudos conclusivos sobre a fase 3 dos testes.

Até 6 milhões de doses até o fim do ano

As 120 mil doses fazem parte de um lote de 6 milhões previsto para chegar até o final de dezembro. Elas serão armazenadas em um local que não foi divulgado pelo governo paulista por questões de segurança.

Além das vacinas, que já virão prontas, o Instituto Butantan deve receber ainda este ano parte da matéria-prima para fabricar outras 40 milhões de doses, também de acordo com o governo do estado.

Na madrugada desta quinta (19), o diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, comemorou a chegada da vacina da Sinovac em solo nacional e disse que os testes clínicos da Coronavac estão avançados. A expectativa dele é enviar os resultados da última fase dos estudos sobre a vacina para aprovação pela Anvisa ainda em 2020.

“Ficamos, portanto, só no aguardo do registro da Anvisa. É a primeira vacina que aporta em solo nacional. Isso é importante: o Brasil já tem a sua vacina, que vai estar aguardando os trâmites junto à Anvisa e junto ao Ministério da Saúde para poder iniciar o programa de vacinação. E esperamos que comece aí em meados de janeiro no máximo até fevereiro e aguardamos as definições do Ministério da Saúde”, disse Dimas Covas ao Jornal da Globo.

Na manhã desta quinta, o governador João Doria disse que a CoronaVac “é uma das vacinas que vai ajudar a salvar a vida de milhões de brasileiros”.

“Até o final de dezembro serão 6 milhões [de doses], até janeiro, 46 milhões. E, muito em breve, podemos chegar a 100 milhões de doses. Nós temos, sim, outras vacinas também. A vacina salva, a vacina pode colocar a normalidade na vida do pais”, disse Doria após receber o lote.

Eficácia da Coronavac

Um estudo feito com 743 pacientes apontou que a CoronaVac mostrou segurança e resposta imune satisfatória durante as fases 1 e 2 de testes.

A fase 2 dos testes de uma vacina verifica a segurança e a capacidade de gerar uma resposta do sistema de defesa. Normalmente, ela é feita com centenas de voluntários. Já a fase 1 é feita em dezenas de pessoas, e a 3, em milhares. É na fase 3, a atual, que é medida a eficácia da vacina.

Os participantes eram adultos saudáveis de 18 a 59 anos e foram escolhidos aleatoriamente para receber duas doses da vacina experimental: dose baixa de 3 microgramas, dose alta de 6 microgramas, ou placebo. Segundo a pesquisa, as respostas de anticorpos foram induzidas no prazo de até 28 dias após a primeira imunização.

Destaques do estudo:

Fases 1 e 2 envolveram 743 voluntários saudáveis na China, de 18 a 59 anos. Na fase 1, foram 143; na fase 2, 600.

Vacina tem duas doses e parece ser segura e bem tolerada.

Efeito colateral mais comum relatado foi dor no local da injeção.

Objetivo principal desta etapa da pesquisa foi avaliar a resposta imune e segurança da vacina.

Estudo não avaliou a eficácia na prevenção da infecção por Covid-19.

Novos estudos serão necessários para testar a vacina em outras faixas etárias, bem como em pessoas que tenham condições médicas pré-existentes.

“Nossas descobertas mostram que a CoronaVac é capaz de induzir uma resposta rápida de anticorpos dentro de quatro semanas de imunização, dando duas doses de vacina em um intervalo de 14 dias”, disse o professor Fengcai Zhu, autor principal do estudo.

Liberação da importação

No final de outubro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a importação de 6 milhões do imunizante.

“As primeiras doses da vacina CoronaVac chegam ao Brasil no dia 20 de novembro e esta data está confirmada. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já havia autorizado, nós já tínhamos comentado isso com vocês, a própria Anvisa já havia emitido comunicado também, e agora as autoridades sanitárias da China a Anvisa chinesa também deu autorização para importação, pelo instituto Butantan, dos lotes 6 milhões de vacinas, sendo que as primeiras 120 mil doses chegam no dia 20 de novembro no aeroporto internacional de Guarulhos em São Paulo”, afirmou Doria durante coletiva de imprensa no início da tarde desta segunda.

Ainda de acordo com o governador, o Butantan receberá as doses em lotes e até o dia 30 de dezembro o Instituto terá as 6 milhões de vacinas previstas.

O diretor do Instituto, Dimas Covas, disse que o local onde o imunizante ficará armazenado será mantido em sigilo por motivos de segurança.

No final de setembro, Doria chegou a dizer que as primeiras doses chegariam em outubro.

Vacina chinesa

A CoronaVac está atualmente na terceira fase de testes. A Sinovac, farmacêutica chinesa responsável pela vacina, ainda não obteve o registro para aplicação do imunizante, que não pode ser utilizado na população.

“Quero esclarecer aqui que nós seguimos e vamos continuar a seguir rigorosamente os protocolos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a aplicação da vacina. A vacina só será levada ao público às pessoas após autorização final da Anvisa”, disse Doria.

Até momento, apenas dados parciais referentes à segurança da vacina foram apresentados pelo governo de São Paulo, mas eles não foram enviados ao órgão ou publicados em revistas científicas.

A CoronaVac é alvo de disputa política envolvendo o Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

No final de outubro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciou a negociação para adquirir as 46 milhões de doses. Contrariado, Bolsonaro mandou cancelar a compra – e o ministério, por sua vez, afirmou que “não há intenção de compra” e substituiu o comunicado no site.

46 milhões de doses previstas

No total, o governo paulista fechou contrato com a chinesa Sinovac para a aquisição das 46 milhões de doses da CoronaVac. Essas primeiras 6 milhões virão prontas da China, e as outras 40 milhões serão envasadas e rotuladas no Instituto Butantan a partir de material que será importado.

Segundo o diretor do Butantan, Dimas Covas, o cronograma estipulado pelo governo de São Paulo está mantido, independentemente do que as autoridades paulistas apontam como um atraso da Anvisa na liberação da importação de matéria-prima da China.

Centros de pesquisa

A CoronaVac está na terceira fase de testes. O grupo de voluntários é formado exclusivamente por profissionais de saúde. Até agora, 15 mil vacinações foram aplicadas em nove mil voluntários. Cada voluntário recebe duas doses. Com a abertura dos novos centros, a meta é ampliar a pesquisa para o total de 13 mil voluntários.

Nessa fase final da pesquisa, metade dos participantes é inoculada com a vacina e a outra metade recebe placebo. Para determinar a eficácia da CoronaVac, é preciso que ao menos 61 participantes sejam contaminados pelo coronavírus.

Se o imunizante atingir os índices necessários de eficácia e segurança, poderá ser submetido à avaliação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para registro e posterior uso na população.

Para agilizar o processo de análise de potenciais imunizantes contra o coronavírus, A Anvisa reduziu a exigência da documentação inicial e simplificou o processo de registro para que os dados dos estudos sejam enviados durante os trabalhos, e não somente ao final.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wellington disse:

    Pura Campanha eleitoral esse Cara tá fazendo com essa vacina. A todo custo quer ser o pioneiro, pra se amostrar de que foi o primeiro governador a vacinar o povo.

  2. Pixuleco disse:

    Gadolândia circulado ! Vacina só para os homens de boa fé e que acreditam na ciência . MUMMMMMMM

  3. Manu disse:

    DÓRIA TOME A VACINA – DÊ EXEMPLO –

  4. José Macedo disse:

    A importação de 6 milhões de doses até dezembro este jornaleco do G1 , postou 4 vezes, mas o mais importante na aplicação da fase 3 não informaram, crianças estão tomando?idosos estão tomando?, (que na minha opinião são os mais importantes por terem maior risco de morte)
    As pessoas com doenças pré existentes tipo, diabete, câncer, hipertensão estão tomando?, há alguma comprovação clínica que estas pessoas realmente tem a doença?
    Há testes clínicos aprofundados do antes e depois nessas pessoas ou é só " como você está se sentindo" , "sentiu alguma alteração" A Anvisa irá verifica através de testes clínicos ou vai acreditar nos cientistas chineses e nos cientistas paulistano ($) do calça apertada.
    Temos como péssimo exemplo um dos mais famosos infectologista brasileiro David uip, lembram dele, que disse não ter tomado a HidroxoCloroquina e depois foi constatado que tomou.
    Vocês acham que o calça apertada e sua turma irão tomar a vachina?
    Óbvio que não, só as cobaias dos esquerdopatas Irão tomar essa vachina.

  5. Severino disse:

    Esse cara é literalmente um preposto da economia chinesa no Brasill. Tem mais de uma dezena de vacinas em testes e esse elemento não se cansa de alardear essa vachina.

  6. Acosta disse:

    É desse forma mesmo que vc colocou ( Acorda Brasil). Queria ver Diria e os seus tomando essa vacina antes do povo

  7. Deco disse:

    Como a maioria dos políticos só pensa em se dar bem é de se imaginar as filas que eles farão pra tomar essa vacina antes de qualquer um mortal…sim. pois o importante é levar vantagem….
    Já posso imaginar Boulos e Covas e Doria madrugandoa na fila para serem os primeiros.
    Mas eles que se cuidem pois poderão perder as vagas na fila pra jornalistas do Globo News e alguns da CNN.

  8. Ricardo disse:

    Quem quiser proteção toma vacina de qualquer país, sem ideologia. Para o gado a gente dá vacina contra febre aftosa!!!

Anvisa vai inspecionar fábricas de vacinas contra covid-19 na China

Foto: Wu Hong/EFE/EPA

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) enviará uma missão nesta sexta-feira (13) para inspecionar fábricas na China para verificar o cumprimento das boas práticas de fabricação nas instalações das empresas Sinovac, fabricante dos insumos utilizados pelo Instituto Butantan na produção da vacina CoronaVac, e Wuxi Biologics Co, produtora dos insumos utilizados pela Fiocruz Bio-Manguinhos/vacina da AstraZeneca.

“As visitas às fábricas ocorrerão de 30 de novembro a 4 de dezembro, no caso da Sinovac (localizada em Pequim), e 7 a 11 de dezembro no caso da Wuxi Biologics (localizada em Wuxi)”, informou a Anvisa em comunicado.

Segundo a agência, a certificação das boas práticas de fabricação é requisito indispensável para eventual registro das vacinas contra covid-19 que utilizam insumos produzidos nessas instalações.

A Anvisa afirmou que, em razão da exigência de cumprimento de quarentena para todos os viajantes que chegam à China, os inspetores da Anvisa partirão do Brasil na sexta-feira com chegada prevista na China em 15 de novembro.

A CoronaVac chegou a ter a sua fase de testes interrompida temporariamente em razão de um evento adverso grave, mas foi retomada nesta quarta-feira (11). O evento em questão foi a morte de um dos voluntários, um farmacênutoco de 32 anos, participantes dos testes com a vacina, suspeita de ter sido provocada por suicídio.

Reuters

China defende vacinação emergencial contra Covid-19 e diz ter apoio da OMS

Foto: CARLOS GARCIA RAWLINS / REUTERS

A Comissão Nacional de Saúde da China, equivalente ao Ministério da Saúde brasileiro, afirmou nesta terça-feira (20) que o país ainda está sob “enorme pressão” com os riscos de casos importados da Covid-19 e, por essa razão, tem vacinado centenas de milhares de pessoas com fórmulas experimentais contra o novo coronavírus sob aprovação emergencial. O diretor do Centro de Desenvolvimento para Ciências Médicas da pasta, Zheng Zhongwei, afirma que a medida tem a aprovação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e segue deliberações rigorosas de especialistas em imunizações e ética em saúde.

Zhongwei, no entanto, não detalhou quantas pessoas já foram imunizadas na nação asiática. Ao todo, três imunizantes receberam autorização emergencial da comissão: dois produzidos pela China National Biotec Group Co., subsidiária da estatal Sinopharm, e a CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac Biotech e testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan. Todas ainda estão na fase de testes clínicos para atestar não apenas a eficácia contra o Sars-CoV-2, como também sua segurança.

O uso emergencial, na decisão do governo chinês, se aplica a profissionais da saúde, funcionários que atuam nas fronteiras do país e servidores de companhias estatais. Agora, Pequim avalia estender a imunização para estudantes que deixarão o país por motivos acadêmicos. Em pelo menos duas cidades chinesas, a população pode decidir se imunizar com a CoronaVac.

Zhongwei informou na mesma coletiva de imprensa que os indivíduos que são vacinados no programa de uso emergencial são acompanhadas para monitorar qualquer reaçao adversa, o que ainda não ocorreu.

O novo coronavírus foi identificado pela primeira vez em Wuhan, na província de Hubeii, região central da China. No entanto, o país controlou significativamente a doença com medidas rígidas para interromper a cadeia de transmissão. Oficialmente, as estatisticas indicam 91 mil infectados e pouco mais de 4,7 mil mortes.

Corrida pela vacina

Laboratórios chineses estão no páreo da corrida global por um imunizante capaz de bloquear a infecção pelo Sars-CoV-2. Na coletiva da Comissão Nacional de Saúde, representantes da Sinovac e da Sinopharm, que pretende produzir 1 bilhão de doses de sua vacina em 2021, informaram que nenhum efeito colateral foi identificado em participantes da fase 3 dos ensaios clínicos de suas respectivas fórmulas, um contraponto aos testes da americana Johnson & Johnson, recentemente pausados para investigar uma possível reação de um dos voluntários.

Em setembro, os trabalhos da vacina candidata da Universidade de Oxford (Reino Unido) e da farmacêutica AstraZeneca também foram interrompidos, mas retomados depois que investigações independentes concluíram que o efeito colateral não tinha relação com a fórmula.

As infecções diárias na China têm se mantido abaixo de 100 desde meados de agosto, mas o país asiático continua enfrentando surtos locais. O mais recente ocorreu na cidade portuaria de Qingdao, no Leste. Três outros episódios foram controlados, incluindo um na capital, Pequim, em junho, através de campanhas massivas de testagem da população. Milhões de chineses foram testados em diversas cidades em questão de dias. Máscaras e checagem de temperatura continuam sendo obrigatórias em locais públicos e estrangeiros que chegam ao país precisam se quarentenar por duas semanas.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Ribeiro disse:

    SÓ PODE SER BRINCADEIRA…. SÓ PODE SER PIADA. Esse organismo deveria ser repensado.

  2. José Ribeiro disse:

    Esse organismo deveria ser repensado.

  3. José Ribeiro disse:

    SÓ PODE SER BRINCADEIRA…. SÓ PODE SER PIADA. Não bastou o faturamento com respiradores para a pandemia da OMS?

  4. FLAVIO disse:

    Vacina Chinesa,nunca !!!!

  5. Chico 200 disse:

    Claro! A China é a maior parceira dessa organização de PN

  6. Talita disse:

    Quem causou o vírus quer oferecer a solução . Assim quantas vezes mais eles vão fazer isso?

    • Devolva o Brasil para os Índios disse:

      Se vc tiver como provar que o vírus foi um "INVENÇÃO" intencional, ai vc poderá lançar essa tese.

5G: EUA pedem que Brasil ‘mantenha olhar crítico’ sobre papel da China

Representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer. Foto: Moneymaker/Pool via REUTERS 17-06-2020

As principais autoridades norte-americanas exortaram o Brasil a monitorar cuidadosamente os investimentos chineses no país e os movimentos de Pequim para expandir sua influência na maior economia da América Latina por meio da venda de tecnologia 5G pela Huawei Technologies.

O representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, ressaltou o desejo do governo do presidente Donald Trump de expandir os laços econômicos com o Brasil, mas minimizou perspectivas de um acordo de livre-comércio abrangente, dada a atual oposição do Congresso.

Lighthizer disse que os acordos comerciais alcançados com o Brasil na segunda-feira (19) abririam o caminho para novas negociações sobre aço, etanol e açúcar e promoveriam maiores investimentos dos EUA, num momento em que Washington se move para fornecer um contrapeso à expansão da China na região.

“Eu diria claramente que há um elemento China… em tudo o que todos nós fazemos”, disse Lighthizer em evento organizado pela Câmara Americana de Comércio. “A China tem feito movimento muito significativo no Brasil. Eles são o maior parceiro comercial do Brasil, então é algo que nos preocupa.”

Os comentários de Lighthizer fazem parte de uma ampla campanha dos Estados Unidos para convencer o Brasil a evitar investimentos em tecnologia 5G da China e reduzir sua dependência das importações chinesas.

O assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que o governo norte-americano instou o presidente Jair Bolsanaro e outras autoridades brasileiras a acompanhar de perto os investimentos e tecnologias avançadas da China, como fez Washington.

“Incentivamos o Brasil… a tentar trabalhar junto para garantir que vigiemos a China com atenção no que diz respeito a todos os tipos de tecnologia e telefonia e 5G”, disse ele no evento.

“Temos atuado aqui nos Estados Unidos, continuamos avançando, e é minha grande esperança que o Brasil atue conosco”, acrescentou. “Esperamos que o Brasil também mantenha um olhar crítico e cuidadoso sobre os investimentos chineses.”

O embaixador norte-americano em Brasília, Todd Chapman, alertou em julho que o país pode enfrentar “consequências” se permitir a Huawei em sua rede 5G, referindo-se aos avisos dos EUA de que a China não consegue proteger a propriedade intelectual.

Os EUA intensificaram os esforços para limitar o papel da Huawei na implementação da tecnologia de alta velocidade de quinta geração no Brasil nos últimos meses. Os EUA acreditam que a Huawei entregará dados ao governo chinês para espionagem, uma afirmação que a Huawei nega.

Chapman disse no evento da Câmara de Comércio que Estados Unidos e Brasil pretendem dobrar o comércio bilateral em cinco anos ante valor atual de cerca de 100 bilhões de dólares.

Ele disse que o acordo assinado na segunda-feira representa um avanço substancial nos laços comerciais e ajudaria a facilitar futuras negociações.

Segundo Chapman, Estados Unidos e o Brasil também estão discutindo cooperação militar de “nível estratégico” e buscando formas de aumentar o intercâmbio de tecnologia.

Reuters

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio Turci disse:

    O Presidente, salvo melhor juízo, precisa entender que na selva das relações internacionais não "existem amigos, mas interesses". Portanto tem que ver o que é melhor para o Brasil de mpdo impessoal.

  2. Marquito disse:

    Galinha que acompanha pato morre afogada

  3. João Silva disse:

    É bom alguém de fora para alertar este governo brasileiro, que parece obnubilado pela campanha eleitoral vindoura… Não foi para ceder à pressão oposicioniata que o elegemos, há dois anos.

  4. riva disse:

    O pt e agregados deixaram o Brasil no lucro junto à Angola, Cuba e Venezuela. Fora outras ditaduras cu de cachorro espalhadas pelos cinturões da corrupta esquerda mundo à fora.

  5. Marquito disse:

    Enquanto o Brasil não levar uma rasteira do Estados Unidos essa praga de presidente não sossega

  6. paulo disse:

    BG.
    O Brasil precisa urgente se reindustrializar para gerar emprego para os milhões de desempregados e produzir produtos de qualidade como tinhamos antes. Com os ladroes do pt no poder a industria Brasileira foi excurraçada e passamos a comprar lixo da china e gerar empregos lá na sua ditadura criminosa em que o trabalhador é verdadeiramente um escravo.

    • Gustavo disse:

      Problema é a mão de obra pouco qualificada que nós temos. Nosso sistema educacional não produz bons profissionais atualizados.
      Aliás, o ensino superior é totalmente desconectado com a realidade e com o mercado.

    • Sérgio disse:

      É só cortar as relações com a China. Já que é tão ruim, chama os embaixadores de volta.
      É cada "analista" que aparece por aqui!