Judiciário

Mulher de Fabrício Queiroz coloca tornozeleira eletrônica

Márcia Aguiar, mulher de Fabrício Queiroz, se apresentou hoje (17) à Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro e colocou uma tornozeleira eletrônica. Depois de ficar três semanas foragida, ela voltou para casa no último dia 11, depois de conseguir o benefício da prisão domiciliar junto com o marido.

No entanto, como ela ainda não havia colocado a tornozeleira eletrônica, a Justiça do Rio de Janeiro deu ontem (16) um prazo de 24 horas para que ela se apresentasse à Seap e colocasse o equipamento de monitoramento.

No dia 18 de junho, o Ministério Público prendeu Queiroz, na casa do advogado Frederick Wassef, que era advogado da família Bolsonaro, em Atibaia (SP).

Queiroz é investigado em um esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro quando ele era assessor do então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro. Márcia também trabalhou no gabinete de Flávio.

Segundo a Seap, além de colocar o equipamento, Márcia “recebeu as orientações necessárias e cumpriu todos os trâmites de praxe para o cumprimento da decisão judicial”.

No dia 18 de junho, o senador Flávio Bolsonaro disse, pelo Twitter, que encarava a prisão do ex-assessor com tranquilidade e que a verdade iria prevalecer.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Se o Adriano da Nóbrega soubesse que como foragido da justiça poderia ser beneficiado assim igual a Marcia Aguiar não teria morrido pelo jeito. Difícil de entender como uma pessoa que estava ridicularizando e desafiando a justiça recebe tal regalia para se “entregar”!

  2. JR & JR, se essa bonitona for investigada, julgada e declarada culpada deve ir mesmo, inicialmente ficar com a perna cabeluda, depois ir para o presídio, o que não pode é nove dedos ter sido condenado e continuar em casa com a mesma pulseira, isto é incoerente.

  3. A bonitona tava se fazendo de doida e ficando por casa sem colocar a tornozeleira, agora vai ficar com a perna cabeluda, né?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Mensagens inéditas de mulher de Fabrício Queiroz vinculam Wassef ao apelido ‘Anjo’; advogado rebate e pontua sucessão de “mentiras e fake news”

Foto: Igo Estrela/Metrópoles

O Ministério Público do Rio tem em mãos um áudio que vincula diretamente o nome do advogado Fred Wassef com o apelido “Anjo”, nome da operação que prendeu Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Até agora, haviam sido divulgadas apenas mensagens de texto de familiares de Queiroz usando a expressão, mas sem vínculo direto ao nome do advogado. Desde o mês passado, Wassef vem negando que seja conhecido como “Anjo”.

Em 31 de outubro do ano passado, Marcia Aguiar, mulher de Queiroz, enviou mensagens para o advogado Luiz Gustavo Botto Maia demonstrando preocupação com um áudio de Queiroz publicado pelo GLOBO. Nele, o ex-assessor de Flávio explicava a um interlocutor os mecanismos sobre nomeações no Congresso mesmo estando afastado da política desde a exoneração da Assembleia Legislativa do Rio em outubro de 2018: “tem mais de 500 cargos, cara, lá na Câmara e no Senado. Pode indicar para qualquer comissão ou, alguma coisa, sem vincular a eles (família Bolsonaro) em nada”, disse. “Como está a temperatura desses áudios?”, perguntou Marcia a Botto, que respondeu em seguida: “Bom dia, minha amiga. Tudo bem? Agora nem se fala mais nisso”.

No dia seguinte, às 13h55, Marcia enviou para Botto uma foto de Queiroz dormindo e o seguinte áudio, que pela primeira vez cita Fred Wassef e Anjo em uma mesma frase. “Ele e Felipe foram levar a Ana (Flávia Rigamonti, advogada que trabalhava com Wassef) em São Paulo porque o Anjo queria falar com ela. Aí ele disse que deixou a Ana lá na casa do Fred e quando estava indo embora, falou: ‘Felipe, vamo para o Rio? Vieram para o Rio sem mochila, sem nada. E chegou hoje de manhã aqui, mas pediu para não falar com ninguém não que ele tá aqui”. Botto Maia riu das imagens e do áudio e respondeu por mensagem de texto: “Maluco. Mais tarde vamos tomar cerveja”.

Em três momentos anteriores, o MP já havia encontrado mensagens com a referência ao apelido “Anjo”, mas sem o vínculo a Wassef.

Em uma conversa datada de 21 de novembro do ano passado, Márcia perguntou a Queiroz: “Anjo falou alguma coisa?”. Ele, cujo contato estava salvo como “Casa Q” no celular dela, respondeu: “Não” e, em seguida, completou: “Ele tá que (sic) em Brasília”.

‘Está na caso do Anjo?’

Dias depois, no dia 24 de novembro, às 13h54, Márcia pergunta a Queiroz novamente: “Está na casa do Anjo?” E Queiroz responde: “Estamos”. Márcia então questiona se eles dormiram lá: “Dormiram na casa dele ou no hotel?” e Queiroz escreve: “Sem bateria, 1%. Dormimos”.

Em 2 de dezembro, uma semana depois, outra troca de mensagens mencionou o apelido. Márcia perguntou “Anjo já foi?” e recebeu como resposta de Queiroz: “Já”. Dias depois disso, Márcia foi encontrar a Raimunda Veras Magalhães, mãe de Adriano Nóbrega, em Astolfo Dutra, Minas Gerais. Para o MP, eles foram discutir um plano de fuga.

Em entrevista ao “Jornal Nacional” da TV Globo, a advogada Ana Flávia Rigamonti contou que trabalhou para Wassef no ano passado e conviveu com Queiroz na casa de Atibaia. Na ocasião, ela disse que sempre chamou o chefe de “Doutor Fred”. Mas, ao ser questionada se entre ela, o Queiroz e a Márcia, alguma vez eles se referiram a Wassef como “Anjo”, ela não disse: “Bom, essa pergunta eu prefiro não responder.”

Gustavo Botto, como é conhecido, atuou como advogado de Flávio em causas eleitorais às vésperas das eleições de 2018. Em dezembro daquele ano, ele disputou uma “pelada” de fim de ano no Maracanã ao lado de Flávio.

Ele foi apontado pelo MP em situações com ex-funcionários de Flávio na Alerj que, para os investigadores, podem caracterizar obstrução de Justiça. Botto se juntou à mulher de Queiroz, Márcia de Oliveira Aguiar, em uma visita no fim de 2019 a Raimunda Magalhães Veras, mãe do miliciano Adriano da Nóbrega, em Astolfo Dutra (MG). Segundo o MP, o encontro serviu para combinar um “plano de fuga” em caso de avanço das investigações da rachadinha, retomadas naquela época após sinal verde do Supremo Tribunal Federal (STF).

Também foi Botto, segundo o MP, que atuou para adulterar a folha de ponto de Luiza Souza Paes, classificada como “assessora fantasma” pelos investigadores. Botto convenceu Luiza e seu pai, o policial Fausto Antunes Paes, amigo de Queiroz, de que não havia problema em ir à Alerj, no início de 2019, para assinar retroativamente o ponto de 2017.

Por esses fatos apontados, o MP pediu busca e apreensão em seus endereços durante a operação Anjo em junho e pediu o afastamento dele das funções públicas na Alerj, o que já ocorreu. Botto Maia era assessor parlamentar do deputado estadual Renato Zaca (sem partido).

Procurado, Frederick Wassef disse que não possui apelido de anjo e nunca foi chamado assim. “Após a prisão de Queiroz, apareceram vários outros personagens que deram entrevistas e afirmaram que estavam com ele direto e o ajudavam e cuidavam dele. Estas pessoas se encaixam com perfeição no papel de anjo”, afirma a nota.

Já Paulo Emílio Catta Preta, que defende Fabrício Queiroz e sua família, disse pensar que questionamentos sobre as conversas “devem ser respondidos pelo Frederick”.

Íntegra da Nota de Frederick Wassef

Jamais abriguei Queiroz ou qualquer pessoa de sua família em qualquer propriedade minha ou de conhecidos meus na cidade de São Paulo. Não estive com Queiroz ou seu filho no referido endereço e nem levei ninguém lá. Minha ex-companheira não tem e nunca teve qualquer relacionamento com Queiroz e sua família assim como também nunca teve relacionamento com a família Bolsonaro. Ela não conhece Michele Bolsonaro e nunca estiveram juntas. Ela não tem nada que ver com a minha profissão e meus clientes. Ela nada tem a ver com nenhum assunto ou tema relacionado a mim ou ao Presidente da República com quem nunca teve relação de amizade.

Ela é apenas, assim como eu, uma vítima desta campanha suja de mentiras e fake news. De forma criminosa e proposital alguma autoridade pública do Rio de Janeiro está vazando a conta gotas “supostas” informações de um procedimento que está em segredo de justiça. Se após uma perícia, ficar provado que, de fato, tais mensagens de celular não foram fraudadas ou manipuladas, elas devem ser analisadas dentro do contexto e na íntegra. Nunca tive acesso a este material, e não sei do que se trata. Sempre o Grupo Globo tem informações vazadas de autoridades que nem mesmo a defesa técnica teve acesso e isto deve ser investigado pelo Ministério Público do Rio e pelo CNMP. O filho de Queiroz nunca foi investigado e a apreensão de seu celular é ilegal e arbitrária, o que acarretará futuras nulidades.

Conforme inúmeras reportagens mostraram, após a prisão de Queiroz, apareceram vários outros personagens que deram entrevistas e afirmaram que estavam com ele direto e o ajudavam e cuidavam dele. Estas pessoas se encaixam com perfeição no papel de anjo. Nunca tive apelido de anjo e nunca fui chamado assim por ninguém. Após 2 anos e meio de investigação sem obter nada, pescam supostas mensagens de cel fora de contexto e tentam criar fantasias sobre as mesmas.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Esperando os comentários dos seguidires do " mito" ? Vergonha pouca é besteira em Kkkkk ?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

STJ autoriza prisão domiciliar de Fabrício Queiroz e de sua mulher

Foto: Reprodução

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, concedeu nesta quinta-feira habeas corpus pedido pela defesa de Fabrício Queiroz e de sua mulher, Márcia Aguiar, que está foragida desde o dia 18 de junho, quando Queiroz foi preso em Atibaia, em São Paulo. Com a decisão de Noronha, os dois vão para prisão domiciliar e serão monitorados por tornozeleira eletrônica. Eles são investigados no caso da “rachadinha” no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Esse mesmo pedido já tinha sido feito pelos advogados do ex-assessor logo após a prisão. No entanto, o HC foi negado pela desembargadora Suimei Cavalieri, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ).

A defesa do subtenente aposentado da Polícia Militar solicitou a substituição da prisão preventiva dele, que está preso no Complexo de Gericinó (Bangu 8), na Zona Oeste do Rio. O advogado Paulo Emílio Catta Pretaargumetou, ao apresentar o pedido, que o cliente é portador de câncer de cólon e corria riscos de saúde devido à pandemia da Covid-19.

Como o ministro prevento no STJ para o caso das rachadinhas é Félix Fischer, o ministro João Otávio de Noronha emitiu a decisão em caráter liminar, porque está na titularidade do plantão judicial. O mérito do habeas corpus é de relatoria de Fischer, na Quinta Turma do tribunal.

O ministro João Otávio de Noronha já foi elogiado pelo presidente Jair Bolsonaro, que chegou a dizer que sua relação com o presidente do STJ foi como “amor à primeira vista”. Durante a posse de André Mendonça no Ministério da Justiça, o presidente chegou a dizer que suas conversas com Noronha ajudam a formar sua opinião sobre o Judiciário.

O ministro Noronha também foi quem derrubou a decisão do Tribunal Federal Regional da 3ª Região (TRF-3) que determinava que o presidente Jair Bolsonaro apresentasse os exames para detecção de Covid-19, o que era recusado por Bolsonaro. O caso chegou até o Supremo Tribunal Federal, e o presidente mostrou os exames negativos antes da decisão.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Sr. Sérgio, não sou advogado e nem seria de pilantras, como provavelmente é o indivíduo preso, só fiz um paralelo entre as prisões, esse não foi julgado, poderia ser qualquer um cidadao, no caso em tela, os outros foram julgados, condenados e estão soltos, isto sim, uma covardia conosco. Denuncie, prenda dentro da lei (não solte nenhum), condene e de novo, não solte nenhum e palhaçada é soltar qualquer condenado antes do previsto.

  2. Prisão "domiciliar" a uma FORAGIDA?
    É isso mesmo?
    Perderam a vergonha?
    O gado, como de costume, passa o pano. Aquela "estória " de protesto contra corrupção era mau caratismo mesmo.

  3. Como diz João Grilo : "Isso é uma vergonha, isso é uma desmoralização o Lula e José Dirceu solto.

  4. Mais uma prova de que não se deve gastar energia defendendo Bolsonaro ou PT. A gente tem que se unir para defender o povo, que depende de segurança, hospital e educação públicos. A Rachadinha é nacional, paga-se até empregadas domésticas com verba de gabinete. Até a 1ª dama recebeu dinheiro depositado por Queiroz (segundo Bolsonaro foi pagamento de um empréstimo). Esses são os políticos brasileiros, com raríssimas exceções.

  5. Alô você que vem aqui falar dos "petralhas", "equerdopatas" e etc. para atacar quem critica decisão favorável a um notório miliciano: você só está passando recibo de quem tem bandido de estimação e prova de que aquele papo da "dancinha contra a corrupção" era só palhaçada mesmo.

  6. Pode até ser vergonha, porém, esse senhor não foi julgado ou condenado, como ele ou pior do que ele, são os diversos larápios do PT, que quase quebravam o Brasil e suas empresas estatais, roubando ou praticando influência com indivíduos ricos, medianos, ditadores e outros da pior estirpe; isso vcs idiotas não veem, são uns obtusos.

    1. Opinião de quem, com certeza, não esperou nenhum petista ser condenado pra sair por aí dizendo que era tudo ladrão.

    2. Quem for podre que se quebre : Seja Queiroz, seja Lula, seja Bolsonaro, seja algum filhote de Bolsonaro ou de Lula, seja quem for.
      Ou se luta por ÉTICA e SERIEDADE nesse país ou nunca deixaremos de ser uma república de bananas e de macacos adestrados.

    1. Só prenderam pra atingir Bolsonaro.
      Mais um golpe fracassado! Não é o primeiro nem será o último.

    1. Vergonha e o lula e jose dirceu
      Livres isso que é inaceitável

    2. JUSTO.
      Se abriram precedentes com lula e dirceu que são considerados os maiores corruptos do PAÍS.
      Porque manter presos acusados e não condenados por rachadinha.

    3. Mania feia do Gado de colocar o PT em tudo. Se roubou tem que tá preso, seja Lula, seja a família de milicianos.

    4. BG
      Vergonha com V maiúsculo são os cretinos ptralhas livres, leves e soltos, até lua de mel no exterior o analfabeto de 09-dedos queria. Isto sim é uma vergonha. Para nomear seus amiguinhos no stf podia não era?.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Fabrício Queiroz é levado para presídio de Benfica, no Rio

Foto: © REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados

O helicóptero que trouxe Fabrício Queiroz de São Paulo chegou ao Rio de Janeiro e pousou no Aeroporto de Jacarepaguá na zona oeste da cidade. De lá, ele seguiu para o Instituto Médico-Legal (IML) para exames e foi levado para o presídio de Benfica, na zona norte do Rio. Ele foi preso nesta quinta-feira (18), na cidade de Atibaia, no interior de São Paulo, por agentes do Ministério Público e da Polícia Civil do estado, na Operação Anjo.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, ele foi encontrado no sítio de um advogado que presta serviços ao senador Flávio Bolsonaro.

As investigações do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) que levaram à prisão do ex-assessor e ex-motorista do então deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) começaram em 2018 com a divulgação de um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que apontou movimentações suspeitas nas contas de parlamentares, assessores e servidores públicos da Alerj, entre eles, Fabrício Queiroz. Essa investigação levou à instauração de 22 procedimentos investigatórios criminais, de acordo com o MP, com o objetivo de esclarecer suposta participação de parlamentares e de servidores nas movimentações de valores.

Esse relatório surgiu durante a Operação Furna da Onça, um desdobramento da Operação Cadeia Velha. As duas resultaram na prisão de parlamentares da Alerj, segundo o MPRJ, por indícios de participação em esquema de propinas ligado à organização criminosa liderada pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

Rachadinha

De acordo com o MPRJ, no esquema chamado de rachadinha, os deputados contratavam assessores e, em troca, recebiam de volta parte dos salários deles. São 21 parlamentares citados, entre eles, o então deputado estadual Flávio Bolsonaro. O relatório do Coaf apontou uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta em nome do ex-assessor.

A prisão de Queiroz em São Paulo ocorreu dentro da Operação Anjo que cumpriu ainda outras medidas cautelares autorizadas pela Justiça relacionadas ao inquérito que investiga a rachadinha. Ainda na operação deflagrada no início da manhã de hoje, a Justiça decretou mandados de busca e apreensão de outros suspeitos, além do afastamento da função pública, o comparecimento mensal em Juízo e a proibição de contato com testemunhas. Os outros suspeitos são o servidor da Alerj Matheus Azeredo Coutinho; os ex-funcionários da casa legislativa Luiza Paes Souza e Alessandra Esteve Marins; e o advogado Luis Gustavo Botto Maia.

Nathália Melo de Queiroz e Evelyn Melo de Queiroz, filhas de Fabrício Queiroz, e a mulher dele, Márcia Oliveira de Aguiar, também estão sendo investigadas por participação do esquema da Rachadinha.

Contestação

Ao longo das investigações para contestar a possibilidade de vazamento de informações, o MPRJ argumentou que o acesso aos relatórios de movimentações atípicas produzidos pelo Coaf é legal e permitida aos MPs dos estados conforme decisões do STJ e do STF.

“Assim, o relatório foi espontaneamente encaminhado pelo Coaf ao MPRJ, em janeiro de 2018, e foi analisado pelo Laboratório de Lavagem da CSI/MPRJ até julho, quando foram abertas as portarias provisórias de investigação, numa total de 22 procedimentos, ainda sem a identificação dos deputados envolvidos. Um cuidado necessário com a imagem dos parlamentares, uma vez que, nem sempre, operações financeiras inicialmente consideradas suspeitas são, de fato, ilícitas”, informou o MP em janeiro de 2019.

Rede social

Em mensagem postada no seu perfil no Twitter, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos/RJ) disse acompanhar com tranquilidade os fatos.

“Encaro com tranquilidade os acontecimentos de hoje. A verdade prevalecerá! Mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro. Em 16 anos como deputado no Rio nunca houve uma vírgula contra mim. Bastou o Presidente Bolsonaro se eleger para mudar tudo! O jogo é bruto!”, postou o senador.

Agência Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. AINDA VAI APARECER UM MONTE DE ALMA SEBOSA FALANDO NÃO TER IRREGULARIDADES POR ESSE SENHOR ESTA NA CASA DO ADVOGADO DO BOZO,. KKKKLKLKL

    1. Chora não PTralha, acabou a mamada!! O Choro é Livre, LuLadrão NÂO!! kkkkkkkkkkk

    2. Só sabem falar isso! Que a mamata acabou! Rapz…será que é um boi ou um robô por trás de algumas mgs aqui no bg

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

TJ do Rio autoriza prisão de mulher de Fabrício Queiroz

Foto: Reprodução/Facebook

O Ministério Público do Rio de Janeiro prendeu na manhã desta quinta-feira o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz. Além dele, o juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do TJ do Rio, expediu mandado de prisão contra a mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar.

O casal e o senador são investigados pelo esquema da rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio. Queiroz foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo e deve vir para o Rio, onde é investigado. A operação denominada “Anjo” teve o apoio da Polícia Civil. O mandado de prisão contra Márcia está sendo cumprido com auxílio da Polícia Federal.

Márcia esteve no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio entre 2007 e 2017. Ela foi um dos sete parentes que Queiroz emplacou na estrutura do mandato de Flávio. Também foram lotados outros sete parentes dele no gabinete de Flávio desde 2007. Entre os parentes de Queiroz investigados junto com o casal estão ainda a enteada e duas filhas, uma delas é a Nahtalia Queiroz, conhecida por ser personal trainer.

No ano passado, O GLOBO revelou que Márcia nunca teve crachá na Alerj e, durante um processo que ela moveu na Justiça, Márcia se declarou “cabeleireira”. Nunca mencionou assessoria parlamentar.

O MP do Rio também cumpre mandados de busca e apreensão em diversos endereços da capital. Um deles é a casa de Bento Ribeiro, escritório político da família Bolsonaro.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEOS: Imagens mostram operação que prendeu Fabrício Queiroz em Atibaia

ASSISTA AQUI em reportagem na íntegra. Foto: Reprodução/CNN

O momento em que a Polícia Civil entra na casa em que estava policial militar reformado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi registrado em vídeo. Ele foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (18).

Segundo o colunista Igor Gadelha, Queiroz estava em um imóvel de Frederick Wassef, advogado do senador.

O mandado de prisão é do Rio de Janeiro e, segundo apurado pela CNN, Queiroz está sendo levado para a sede da Polícia Civil em São Paulo e, depois, será encaminhado para o Rio de Janeiro.

Em outro registro, após a prisão, o comboio da polícia aparece seguindo em direção ao centro de São Paulo.

A prisão faz parte de uma ação conjunta entre o Ministério Público do Rio de Janeiro e o Ministério Público de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) dos dois estados.

Fabrício Queiroz, de 55 anos, foi assessor e motorista de Flávio Bolsonaro até outubro de 2018, um mês antes do início da operação que apura esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), na qual é investigado.

No inquérito, o ex-subtenente da Polícia Militar é suspeito de cobrar a “rachadinha” – termo usado para apontar a prática de descontar salários de servidores – quando trabalhava no gabinete de Fávio Bolsonaro.

Na época, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) detectou movimentação superior a R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz, amigo da família Bolsonaro. A filha dele trabalhava no gabinete do presidente quando este era deputado federal.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Está errado tem que assumir a responsabilidade, o problema é nao ser seletivo porque todos políticos (99%) praticam a rachadinha, inclusive os PTralhas sao os piores.
    Sou a favor inclusive que o Flavio perca o mandato para servir de exemplo, mas o congresso esta de rabo preso e dificilmente derruba o mandato dele. É igual ao STF e as regalias dos juízes e promotores, precisam ser extirpadas! Ferias 60 dias , meio de ano e fim de ano recesso, licença prêmio etc

    O Brasil tem jeito!

    1. Ricardo, gostaria de dados que corroborem sua afirmação. Dos quase 70 mil políticos, mais de 69 mil praticam essa rachadinha? Não confio nessa estirpe, mas imputar crime a essa corja todo baseado na sua própria cabeça, me parece coisa de comunista averso ao dinheiro.

  2. Mourão já está no aquecimento. O jogo está complicado para o Naro. Mourão entra agora e Moro em 2022.

  3. Pois é, tava na casa do advogado do Bolsonarinho junior, mas tudo é so mera coincidencia!

    1. O roteirista do nosso sofrido país é mesmo um piadista. Veja só, petistas e bolsonaristas unidos por Atibaia! Kkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz é preso no interior de SP

 Foto: Reprodução/TV Globo

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro Fabrício Queiroz (PSL-RJ) foi preso em Atibaia (SP), região do Vale do Paraíba, na manhã desta quinta-feira (18). Ele estava no imóvel do advogado do parlamentar.

Os mandados de busca e apreensão e de prisão foram expedidos pela justiça do Rio de Janeiro, num desdobramento da investigação que apura esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). A prisão foi feita numa operação da Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo.

Policial Militar aposentado, Fabrício Queiroz é ex-assessor e ex-motorista de Flávio Bolsonaro (PSL). Ele movimentou R$ 1,2 milhão em sua conta de maneira considerada “atípica”, segundo relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf).

G1

Opinião dos leitores

  1. Como sempre, prende-se apenas os peixes pequenos, Os peixes grandes continuarão soltos e livres para continuarem fazendo a mesma coisa com outros "queiroz".

  2. Dinheiro não é tudo. Até qdo veremos isso?Será que estamos condenados a sempre ver o dinheiro dos impostos que pagamos sendo disputado, não para o desenvolvimento do país e do benefício do povo, mas para benefício de pessoal de poucos?

  3. Não sou fã de Bolsonaro, mas e os outros parlamentares citados na denuncia inicial? Nem a imprensa "imparcial", "que exige justiça para todos" pergunta cono anda a investigação.

    1. Vários Deputados da Alerj foram presos quando da deflagração da Operação Furna da Onça, o então Deputado Flavio não foi na ocasião.
      ……Fabricio Queiroz foi assessor e motorista de Flávio Bolsonaro até outubro de 2018, quando foi exonerado. O procedimento investigatório criminal do Ministério Público Estadual do RJ que apura as irregularidades envolvendo Queiroz na Alerj chegou a ser suspenso por por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli após pedidos de Flávio Bolsonaro em 2019.

      Nem queria abrir um uisque 12 anos hoje, mas tá um friozinho né…

    1. A mesma relação entre:
      Sérgio Cabral x Adriana Anselmo;
      Antony Garotinho x Rosinha Garotinho;
      Lula x Lulinha;
      Eduardo Cunha x sua esposa;
      Etc, etc, etc…..

  4. Os que apostavam que a saída de Moro iria devolver a tranquilidade e garantir impunidade ao quadrilhão bolsotralha quebraram a cara.

  5. Tensão , nervosismo , choro , unhas ruídas , stress, pressão alta, diarreia , frio na barriga . KEEP CALM ! Respire fundo 3 vezes , 3 pulinhos de frente para o mar . O BOZO , votei nele e me arrependo , conhecido como o rei da moralidade , bons costumes e probidade junto com seus bananinhas 01, 02, 03 estão sentindo o peso da justiça , tá chegando na porta do Bozo .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Internado, Fabrício Queiroz, ex-assessor de filho Bolsonaro, comunicou ao MP que retirou tumor do intestino

Foto: Reprodução

Intimado a prestar depoimento desde o mês passado, o ex-assessor de Flávio Bolsonaro , Fabrício Queiroz , informou nesta terça-feira ao Ministério Público do Rio que está internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e que no dia 1º de janeiro submeteu-se a uma cirurgia para retirar um tumor maligno do intestino.

De acordo com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), foi registrada movimentação financeira de R$ 1,2 milhão, considerada atípica, nas contas de Queiroz. O ex-assessor recebeu sistematicamente em suas contas bancárias transferências e depósitos feitos por oito funcionários que foram ou estão lotados no gabinete parlamentar de Flávio na Alerj. A suspeita é que o caso constitua desvio dos salários dos assessores, mas até agora não há provas que envolvam Flávio Bolsonaro em irregularidade.

Entre as movimentações atípicas registradas pelo Coaf, há também a compensação de um cheque de R$ 24 mil pago à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, além de saques fracionados em espécie. O presidente eleito afirma que o cheque é parte do pagamento de uma dívida de R$ 40 mil.

O ex-assessor faltou duas vezes a depoimento marcado no Ministério Público Federal, alegando problema de saúde. Em entrevista ao SBT, Queiroz disse que o valor em dinheiro que movimentou em suas contas é fruto da compra e venda de veículos usados e que um câncer o impossibilitou de prestar depoimento.

Ele não explicou por que recebeu tantos depósitos de assessores de Flávio em sua conta e nem a origem do dinheiro. Limitou-se a dizer que vai esclarecer o assunto para o Ministério Público.Na entrevista, o ex-assessor também procurou eximir de responsabilidade Jair Bolsonaro.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Quem está pagando a conta do Queiroz?
    "O Einstein é um dos hospitais mais caros do Brasil"; "Queiroz deu entrada em 30 de dezembro. Uma operação como a dele sai por volta de R$ 5 mil. A internação, em torno de R$ 25 mil. Não estão incluídos os honorários médicos. Um plano de saúde que contemple o Einstein não é barato. Entre R$ 6 mil e R$ 8 mil para uma família de quatro pessoas".

    1. Vc quer ficar com a saúde dele, ou talvez uma falsa facada como a que foi vítima Bolsonaro, é claro que sim, todo petralha diz que tudo é forjado. Já as matança e roubos dos petralhas, é invencinisse

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *