Judiciário

Em entrevista exclusiva, Marcius Melhem diz que Calabresa ‘mente e age por vingança’

Foto: Reprodução / Globo

Demitido e “cancelado” nacionalmente após denúncias de assédio sexual e moral, o ator, redator e ex-diretor da Globo Marcius Melhem diz que atravessa um “pesadelo do qual não sabe se e quando vai acordar”. Afirma que sua mãe, a ex-mulher e até suas filhas sofreram e ainda sofrem com ataques de terceiros.

O assunto voltou à tona nesta semana, depois que a atriz Dani Calabresa, uma das mulheres que denunciaram Melhem ao “compliance” da emissora, falou sobre o caso no programa “Saia Justa”, do GNT —sem citá-lo nominalmente.

“Hoje, analisando, por causa do trabalho eu não reagi antes. Tinha tanto medo de sofrer algum boicote, ser prejudicada, que não reagi antes. Assédio é tão assustador que a gente tenta negar para a gente mesma. Tenta fingir que aquilo que está acontecendo é normal. Você segue do jeito que consegue, fingindo normalidade, tentando ser legal, dizendo que tá tudo bem, que não está brava.”

Melhem continua negando as acusações e afirma que a atriz “mentiu e agiu por vingança”. Segundo ele, a vingança teria a ver com o fato de ela ter tido um projeto recusado pela direção do humorismo da Globo.

Procurada, Dani Calabresa não quis comentar as alegações do ex-diretor. A TV Globo também afirmou que não se manifestaria.

Denúncia de 2019

O “compliance” é um departamento que está surgindo em quase todas as empresas do Brasil e do mundo na esteira de investigações de corrupção e de casos de assédio moral e sexual.

A denúncia de Calabresa foi feita em 2019, mas voltou a virar notícia no final do ano passado, após reportagem da revista “piauí”.

Depois de meses sendo ameaçado de violência física nas redes sociais e pessoalmente, Melhem afirma que o que mais o revolta nem é isso: são as ameaças e as perseguições à sua família.

Ele teme a “cultura do cancelamento e do ódio” e até cita o “Big Brother” como um exemplo nocivo de uma era de perversidade e justiçamento —e por pessoas que, na maioria das vezes, não conhecem o caso a fundo.

O humorista decidiu processar Dani Calabresa por difamação, injúria, calúnia e está exigindo indenização de R$ 200 mil, além de compensação financeira por tudo o que gastou nos últimos meses, em médicos e terapia.

Também está processando outros humoristas, como Danilo Gentili, de quem afirma ter sofrido ofensas públicas. Gentili nega e diz que estava fazendo piada do caso.

Por fim, abriu processo em separado contra a revista “piauí”, que acusa de erros factuais e de ter feito uma reportagem “grave” toda em “off” (sem identificar as pessoas ouvidas). Procurada, a “piauí” disse que não manifestaria.

Projeto recusado

Sobre Calabresa, o ex-chefe de humorismo da Globo é assertivo: nega todas as acusações e afirma que a atriz tinha outras motivações. “Ela mentiu e agiu por vingança”, afirma. Vingança, segundo ele, porque teve um projeto recusado na Globo.

O humorista afirma que, justamente quando começou a exibir publicamente provas de que o relacionamento entre ambos era amistoso e carinhoso —inclusive entre 2017 e 2019, quando a atriz afirma que sofreu os assédios—, ela e sua advogada correram à Justiça para calá-lo e exigir sigilo nas investigações.

“Quer me calar porque tenho provas [de que ela mente].”

Melhem apresentou à Justiça mensagens de celular que teria trocado com Dani Calabresa, comprovando que a relação entre ambos era boa.

No programa “Saia Justa”, a atriz afirmou: “Nada autoriza assédio. Nenhuma brincadeira, nenhuma mensagem autoriza assédio. Naquele dia foi carinhosa, riu, bebeu, não interessa. Ninguém tem o direito de forçar o contato físico com ninguém. É preciso permissão”.

Ameaçado e isolado

Melhem diz que não sai de casa há meses, e não por causa da pandemia. Ele afirma ter medo de violência, devido à repercussão do caso.

No entanto, diz que no meio de todo esse “inferno” que atravessa, ao menos algo de bom aconteceu: colegas da Globo que o acusaram e fizeram postagens agressivas agora o procuram e pedem desculpas.

Alguns, no entanto, não tentam reaproximação. “Tem gente que agora não pode mais voltar atrás. Como fica para elas entender que tudo não passou de vingança [de Calabresa?”

Segundo a colunista Mônica Bergamo, da “Folha de S.Paulo”, outras oito mulheres fizeram denúncias contra o humorista, mas até o momento nenhuma delas falou publicamente sobre o caso. Elas deram depoimento à ouvidoria do Conselho Nacional do Ministério Público.

Leia, abaixo, trechos da entrevista com Marcius Melhem.

UOL – Passados cerca de quatro meses do agravamento do caso, como você está? Você disse que chegou a ser ameaçado… Já sai em locais públicos?

Marcius Melhem – Não saio. E não só eu. Acusações sem rosto e sem provas, vingança, linchamento público destroem emocionalmente você e sua família.

Além dos meus pais, irmãos, ex-mulher, tenho filhas pré-adolescentes já profundamente marcadas por essa covardia. Com reflexos na escola, por exemplo, que as pessoas sequer imaginam quando te pré-julgam e destroem publicamente.

Acho que o “BBB 21” escancarou mais as consequências dessa cultura do ódio e do cancelamento. Eu falo desde sempre que buscar apenas o cancelamento de alguém, sem ir à Justiça, sem dar a alguém o direito à defesa e à mudança, é a barbárie. Quero acreditar que as pessoas estão vendo isso melhor hoje.

UOL – Você me disse em entrevista em dezembro que as pessoas o linchavam sem nem considerar a dúvida. Você acha que hoje isso mudou? Que já existe essa dúvida?

Melhem – Acho que informações novas mudaram a percepção de muita gente. Mas, depois, muita coisa entrou em sigilo, fica mais forte na lembrança aquela avalanche inicial. A opinião pública ainda não sabe de tudo.

Na entrevista de Dani Calabresa ao “Saia Justa” (GNT), ela diz que, por causa do medo de boicote no trabalho, não reagiu à época do suposto assédio e fingiu normalidade até a hora em que não deu mais e denunciou. Infelizmente, mulheres sofrem isso todos os dias. E ela construiu um discurso para se encaixar nesse lugar.

Mas, no caso dela, é mentira. Dani e eu tivemos uma relação pessoal e profissional absolutamente saudável até 2019. Ela não era nem de longe alguém disfarçando ou tentando parecer normal.

Ela quer fazer crer que você mostra nudes a seu chefe para disfarçar, sem ele nem pedir; que, para fingir normalidade uma semana depois de um suposto assédio, responde em privado a um parabéns enviado no grupo, convidando seu chefe para ir à Disney e agradecendo por tudo que ele é de bom na sua vida; que, para não sofrer boicote, liga para falar da sua vida ou mal de algum colega.

E ainda quer fazer crer que talvez seja coincidência ela “arrebentar a tampa desse caldeirão” [frase que Calabresa usou na entrevista ao GNT] e começar a acusar um colega de um assédio de dois anos atrás no exato momento em que tem uma desavença profissional com ele.

Dani Calabresa vai distorcendo a realidade, tentando se encaixar num perfil que a sociedade compre e que, infelizmente, acontece todos os dias. E, como mulher, sua palavra tem muito valor.

Eu, como homem, estou a priori errado e condenado. Mas peço o benefício da dúvida e atenção aos atos e à cronologia dos fatos.

Então, quando eu a processo e começo a mostrar provas, ela corre e pede à Justiça para me calar [foi pedido que o processo seguisse em segredo de Justiça]. E depois tenta convencer as pessoas de que ela que buscou a Justiça primeiro. Ela vai moldando o discurso às circunstâncias para receber apoio e aplauso.

UOL – Sei que o caso está agora sob sigilo. Você acha que o desfecho ainda está distante?

Melhem – Não sei. Isso só os advogados saberiam dizer. O que eu posso garantir é que, dure o tempo que durar, tanto para a Justiça quanto para a sociedade, é preciso esclarecimento. Que todos os lados sejam olhados com isenção.

UOL – O humorista Danilo Gentili afirmou que você quer “intimidar” testemunhas e pessoas como ele… Que ele só fez piada do caso. Você está notificando judicialmente algumas pessoas, mas não vi você notificar jornalistas. E nós também criticamos você.

Melhem – Eu não processo quem me critica ou quem faz piada. Eu processei quem me ofendeu com grande repercussão. São quatro processos apenas. E muito mais gente falou de mim.

Milhões de pessoas foram induzidas a me achar um abusador, um assediador, sem saber que nem processo na Justiça há contra mim. Sem saber que ninguém me acusou publicamente de algum ato criminoso. Sem saber que só houve ida à Justiça porque eu fui primeiro.

A crítica é livre. A ofensa, não. Só processei quem me caluniou. A crítica faz parte. Mesmo as de que eu discordo. Mas não é verdade que não busco justiça contra a imprensa. Aquela matéria absurda e mentirosa da revista “piauí” é alvo de processo, sim.

Lá nós listamos os 43 erros da reportagem. Quem tiver interesse, vale procurar na internet. Isso é muito grave! Destruiu minha dignidade. Até hoje falam dessa reportagem. Toda feita em “off”, com erros absurdos.

Então, comecei a mostrar algumas evidências. E a opinião pública foi começando a entender. Para mim pode abrir tudo. Mostrar tudo. Qualquer mensagem, áudio, tudo. Não tenho nada a esconder.

UOL – Que conselho você daria para uma pessoa que sofresse hoje uma acusação igual à que você está enfrentando?

Melhem – Que busque a Justiça, esclarecimento, verdade. Sem deixar de olhar para si e para os seus erros.

Eu fui condenado por muita gente numa onda, sem precisar de prova nenhuma, de rosto nenhum. Depois, do pouco que veio à tona, já recebi muitas ligações de pessoas querendo entender melhor.
É pedir muito o benefício da dúvida? Essa história é muito mais intrincada do que parece.

Vou assumir todos os meus erros. Mas, preciso mostrar que pessoas estão usando uma causa importantíssima para conseguir ganhos secundários. É fundamental que tudo seja esclarecido. Na Justiça e fora dela. As motivações, os personagens centrais ainda vão aparecer.

UOL – Última pergunta: você acha que dinheiro, que indenizações podem resolver toda essa questão de alguma forma?

Melhem – Claro que não. Por isso que, desde o início, eu já avisei que vou doar as indenizações. Não tem dinheiro que pague o que eu e minha família estamos sofrendo.

Quando tudo isso passar, minhas filhas têm que poder encontrar informações sobre o que realmente aconteceu. Eu preciso mostrar que o pai delas errou, mas que nunca na vida cometeu qualquer ato de violência nem crimes.

Quero aproveitar para agradecer às dezenas de pessoas que todos os dias me ligam, me escrevem, me dão uma palavra de conforto, mas que não podem aparecer com medo de serem canceladas. E [agradeço] ao público em geral, em cuja inteligência sempre confiei, e de quem também recebo muitas e muitas mensagens.

Ricardo Feltrin – UOL

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

VÍDEO: Marcius Melhem fala pela primeira vez na televisão sobre acusações de assédio, expõe mensagens, detalha “bastidores” e fala em “narrativa falsa”

Marcius Melhem afirmou que nunca tentou agarrar Dani Calabresa à força durante uma festa em entrevista a Roberto Cabrini no Domingo Espetacular deste domingo (20). O ator e ex-diretor da Globo expôs mensagens de texto e áudio trocadas com a humorista para defender a tese de que é alvo de uma vingança. “A minha vida foi destruída”, justificou.

O comediante disse que temia pela própria vida até mesmo ao se encontrar com o repórter em um hotel no Rio de Janeiro para uma conversa no último sábado (19). “Eu nem queria sair de casa, porque estou sendo ameaçado de morte e de espancamento”, confidenciou o artista.

Ele classificou como mentirosa uma reportagem da revista Piauí que o acusa de ter exibido o pênis e lambido o rosto de Calabresa em uma comemoração do Zorra em novembro de 2017. “Eu tenho duas filhas. Se eu tivesse feito aquela descrição do banheiro do bar, eu nem teria olhado nos olhos dela”, justificou.

“Se isso tivesse mesmo acontecido, a festa teria acabado. Imagina, uma atriz que sai chorando e é amparada por colegas. Não existiu nada, a gente brincou no palco e até aí tudo bem. Se você olhar o grupo de atores no dia seguinte, todos estão apenas comemorando. Eu e Dani trocamos mensagens. Não teve nenhum constrangimento”, acrescentou.

Melhem frisou que sofre perseguição de Mayra Cotta, que representa um grupo de seis mulheres que o acusam de assédio sexual e moral no período em que esteve a frente do humor da Globo. “Por que uma advogada vem a público destruir uma carreira sem uma causa ou processo? Ela quis destruir o meu nome perante à opinião pública”, ressaltou.

Relações consensuais

Marcius revelou que teve relações consensuais com mulheres que trabalharam com ele nos bastidores da Globo. “Muitas vezes longas, de um ano ou dois. Elas não ganharam nada por causa disso. Claro que pode haver uma zona cinzenta, mas nunca foi algo explícito”, explicou o artista, que se arrepende apenas de trair a ex-mulher Joana Rosenfeld.

“Eu nunca tive problemas em pedir desculpas, especialmente para ela. Uma pessoa incrível, a mulher que eu mais amei. Eu fui até ela e confessei todas as traições”, contou ele, que diz não guardar manchas dos 17 anos de Globo. “Eu não cometi maldades com ninguém. Nunca fiz um ato de violência com quem quer que seja”, assegura.

Ele também descarta as denúncias por importunação moral. “Eu nunca usei o meu poder para me relacionar com qualquer pessoa que seja, nem nunca troquei favores. Nem coagi ninguém”, acrescentou o autor.

Reportagem explosiva

Melhem questionou as 43 pessoas ouvidas pelo jornalista João Batista Jr. para a reportagem publicada na edição de dezembro da revista Piauí. Ele estranha que nenhuma das testemunhas quis revelar a identidade, além de apontar supostos furos na linha do tempo dos acontecimentos.

“O que aconteceu comigo e Dani Calabresa só falo na Justiça, porque não vou expor ninguém. Eu nunca agarrei a Dani. Essa narrativa não é nem fantasiosa, ela é falsa. Eu nunca imobilizei ninguém na vida, é essa descrição que está me causando problemas. Eu nem sei quantos braços eu tenho para agarrar, bater a cabeça de alguém na parede e abrir o zíper”, reclamou.

O humorista chamou a matéria de “um delírio de alguém que quer muito me prejudicar ou encorpar uma narrativa de assédio”. Ela ainda apontou que as pessoas que querem apoiá-lo publicamente estão sendo coagidas a não fazerem para não serem canceladas.

“Olha o que aconteceu com Letícia Spiller, que foi fazer um comentário a meu favor e precisou pedir desculpas. Hoje de manhã eu recebi a ligação de uma atriz conhecida que fez um post nas redes sociais a favor de dani, mas que retirou e me pediu perdão”, sustentou o fluminense.

Vingança profissional

Melhem afirmou que manteve uma relação íntima de afeto e amizade com Calabresa até um desentendimento profissional em 2019 por causa do Fora de Hora. Ela teria pedido por mudança de roteiristas e que o ex-MTV Bento Ribeiro estivesse ao seu lado na bancada em vez de Paulo Vieira.

“Eu quero chegar na Justiça porque isso que Dani está fazendo comigo é vingança. Ela reclamou que o texto estava mal escrito, queria os autores dela, não queria fazer o programa com o Paulo. Ela estava tão irredutível que a gente tomou a decisão artística de tirá-la do projeto. Não foi algo pessoal, mas da casa”, avaliou.

Ele considerou que a decisão de processar Mayra Cotta não se trata de intimidação, mas de uma tentativa de provar inocência. “Não existe uma advogada que só fala na TV, no jornal. Nós já entramos com uma representação contra ela e outra para que Dani explique porque assumiu como verdade aquela reportagem que nós dois sabemos que não é”, arrematou Marcius.

Notícias da TV – UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Mais um progressista, feministo, ''empatico'' e eleitor da esquerda metido em escandalo. Nojo desses hipocritas.

    1. Eleitor da esquerda? De onde vc tirou isso, gado véio? E as vítimas, são da extrema direita nazi-bolsonarista?

    2. Eu também tenho nojo . Mas não esqueça que hipocrisia e gente metida em escândalos não é privilégio só de eleitor de esquerda não.
      Essas mazelas estão em todo lugar…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Marcius Melhem revela mensagens trocadas com Dani Calabresa

Foto: Reprodução/TV Globo

O ator e ex-diretor da Globo Marcius Melhem enviou uma notificação extrajudicial para a atriz Dani Calabresa em relação às acusações de assédio moral e sexual contra ele. A defesa do ator também revelou trocas de mensagem entre ele e Calabresa. O objetivo dele é provar que ambos mantinham uma relação íntima e amigável entre os anos de 2017 e 2019, época em que os assédios teriam ocorrido. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com a reportagem, a notificação é uma medida preparatória para fundamentar um futuro processo contra a revista Piauí e a atriz. No documento, uma das conversas reproduzidas seria de uma mensagem de voz enviada por Calabresa no dia 12 de novembro de 2017, oito dias depois da confraternização em que ela teria sofrido assédio sexual de Melhem.

Conforme a Folha, no áudio, a atriz agradece Melhem por uma postagem feita no grupo de WhatsApp do programa “Zorra”, da TV Globo, felicitando Calabresa pelo seu aniversário.

“Chefe, estou mandando este áudio para agradecer a mensagem linda que você mandou no grupo. Todas as mensagens que você manda sempre de apoio e de carinho. Nossa, você não tem ideia como fico feliz de saber que você me acha talentosa. Eu sou sua fã para caralho”, afirma Calabresa na mensagem.

Calabresa ainda teria agradecido Melhem pelo que chamou de um “trabalho tão legal”. “Estou muito feliz de verdade. Te amo muito. Um beijo para as suas filhinhas lindas. Vamos para a Disney juntos”.

Advogada da atriz cita “estratégia de intimidação”

Em nota à Folha, a advogada Mayra Cotta, que representa a atriz, diz que a “interpelação repete estratégia comum a casos similares”. “Objetiva intimidar não apenas uma vítima específica mas outras que ainda permanecem protegidas sob sigilo e até mesmo testemunhas, como se isso fosse capaz de apagar os graves fatos narrados e cuidadosamente checados com dezenas de pessoas citadas pelas matérias.”

A defesa de Melhem alega que o ator está se defendendo do que chamou de “narrativa falsa” sobre a qual Calabresa ainda não se manifestou. Ainda de acordo com Melhem, ele está mostrando um trecho minúsculo, que não expõe a atriz.

“Estou mostrando coisas que expõem a relação amistosa que temos. Não é expor uma suposta vítima. Estou mostrando que eu e a suposta vítima tínhamos uma relação no período que a revista diz que ela estava traumatizada comigo”, disse à Folha.

Melhem afirmou também que contratou uma empresa especializada para realizar os procedimentos forenses de coleta e guarda das mensagens, o que comprovaria a integridade das informações.

A defesa ressalta ainda que toda a correspondência posterior entre eles evidencia que a relação pessoal e profissional dos dois “se manteve harmoniosa, com a mesma afetuosidade, nos meses e nos anos seguintes à festa” que foi relatada pela revista Piauí.

Isto É

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Atriz Letícia Spiller diz que Marcius Melhem ‘tem bom coração’ e ‘virou mártir da situação’

Foto: Reprodução/Instagram

A atriz Leticia Spiller afirma que Marcius Melhem, ex-diretor da TV Globo acusado de assédio sexual, não é o único homem em posição de poder que importunou mulheres na emissora, mas virou “o mártir da situação”. Disse ainda que o conhece como uma pessoa “querida” e de “bom coração”.

“Já ouvi outros casos de assédio, de diretores que abusam do poder para assediar uma jovem atriz. Teve vários casos de várias pessoas diferentes, não só o Marcius. O Marcius está virando o mártir da situação, mas tiveram muito outros casos na empresa”, disse em entrevista ao canal de YouTube Programa Reclame.

Ela conta que começou no teatro ao lado de Marcius e o vê como “uma pessoa querida”.

“Conheci o Marcius e ele nunca me pareceu uma pessoa que fizesse algo tão agressivo. É uma pessoa muito querida. É duro receber uma notícia assim de uma pessoa querida, de bom coração. Mas acho que as mulheres têm de ter coragem para falar. Esse tipo de coisa não pode existir”, acrescentou.

Marcius Melhem, demitido da Globo em agosto, foi alvo de denúncias de assédio em uma reportagem da revista piauí publicada na semana passada. Funcionárias da TV Globo, entre elas a humorista e atriz Dani Calabresa, teriam sido vítimas de assédio moral, sexual ou de ambos.

Sem ter conhecimento de que Marcius Melhem já havia sido denunciado à TV Globo pelas funcionárias à época dos assédios, Letícia criticou ainda a “demora” para elas falarem sobre o assunto. “Não concordo com essa demora porque a gente, do outro lado, pergunta, ‘por que demorou tanto para fazer essa denúncia?’.”

UOL

Opinião dos leitores

  1. Uma diz que ele é um anjo, outra diz que ele é o capeta.
    Acho que essa aí está querendo atingir a outra através dele! ?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

Marcius Melhem mostrou pênis para Dani Calabresa em bar, diz revista; humorista rebate e fala em “fatos distorcidos ou cenas que jamais ocorreram”

Foto: Reprodução

A revista Piauí publicou, nesta sexta-feira (4/12), uma reportagem na qual revela detalhes dos casos de assédio sexual e moral envolvendo o ator e ex-humorista da Globo Marcius Melhem. O comediante foi desligado da rede de televisão após ter sido denunciado pela atriz Dani Calabresa, que protagoniza grande parte dos relatos da publicação.

A matéria tem início com a descrição de uma festa de confraternização pelo centésimo episódio do Zorra, após a reformulação do programa em 2015. Em um dos momentos, Marcius teria encurralado Dani Calabresa no banheiro, tentado beijá-la à força, imobilizando-a e, em seguida, teria colocado o pênis para fora da calça. Após se desvencilhar do humorista, a atriz passou por uma crise de choro e precisou ser amparada por Luís Miranda e George Sauma, que na época também faziam parte do elenco do programa.

O relato continua três dias depois, em meio a uma gravação de Calabresa e Maria Clara Gueiros no Projac – onde Melhem pouco ia na época. De acordo com a publicação, o ator teria tratado do assédio em tom de brincadeira e afirmado: “Para, para, para”, começou. “Eu não tenho culpa do que aconteceu! Quem mandou você estar muito gostosa?.”

Com isso, Calabresa teria se levantado para evitar qualquer contato físico com o então chefe, pedindo que se afastasse e recusando suas desculpas: “Não quero seu abraço nem suas desculpas, você já me agarrou, lambeu minha cara e encostou o pau em mim”. Ainda assim, Melhem teria continuado a falar que ela era culpada pelo comportamento dele. Segundo a revista, várias pessoas testemunharam ambas as cenas, que aconteceram em 2017.

Ainda de acordo com a Piauí, outra situação teria acontecido naquele mesmo ano. Na ocasião, Dani Calabresa se preparava para gravar uma sátira do seriado Baywatch, em que usaria um maiô vermelho, e Melhem teria entrado no camarim da atriz afirmando que “foi dar uma conferida no figurino”, deixando ela constrangida. Ele, inclusive, teria impedido o crescimento de Calabresa na Globo, vetando a entrada dela em um programa de Miguel Falabella e colocando empecilhos numa atração proposta pela atriz, uma versão do Furo MTV.

Apenas em 2019, quando decidiu deixar o Zorra e passar uma temporada nos Estados Unidos, Dani Calabresa teve coragem de denunciar os fatos, que foram levados para a chefe de Desenvolvimento e Acompanhamento Artístico (DAA), Monica Albuquerque. A revista revela que a primeira decisão em relação ao fato foi recomendar uma terapia ao acusado, sem nenhuma advertência.

As acusações ganharam força quando passaram por Carlos Henrique Schroder, diretor da área de Entretenimento, Esporte e Jornalismo da emissora, que determinou a realização de uma investigação. Durante a apuração, novos casos contra o então diretor de humor da emissora apareceram: três atrizes falaram do incômodo de contracenar com ele e citaram situações em que Melhem passava o pênis ereto nelas.

A reportagem ressalta que Marcius Melhem decidiu não dar entrevista, alegando que “a sentença” do caso “já estava dada”. Além disso, o ator também disse que pediria desculpas a quem magoou, mas que teria o direito de saber quem são essas pessoas. “Estou disposto a assumir qualquer erro ou dano que tenha causado. Mas é preciso que a conversa seja transparente, sem omissões, mentiras ou distorções sobre as relações”, escreveu na declaração à Piauí, afirmando, ainda, que iria buscar “justiça”.

Em nota, o humorista se defendeu:

Quando recebi as perguntas da revista Piauí, percebi que a sentença já estava dada. Então, nada que eu diga sobre fatos distorcidos ou cenas que jamais ocorreram vai mudar esse perfil construído de abusador, quase psicopata.

Qualquer pessoa que tenha convivido comigo sabe que eu jamais cometeria algum ato de violência e que nunca forcei ninguém a nada. Mas parece que o único objetivo está sendo bem-sucedido: a minha condenação na opinião pública.

Quero pedir desculpas a pessoas que eu magoei, mas sequer tive o direito de saber quem são elas. O mundo mudou, comportamentos antes naturais estão sendo revistos, e todos precisamos aceitar as consequências de nossos excessos.

Venho há um ano trabalhando esse entendimento e estou disposto a assumir qualquer erro ou dano que tenha causado. Mas é preciso que a conversa seja transparente, sem omissões, mentiras ou distorções sobre as relações. É o que eu vou buscar: justiça.

Metrópoles

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

Todos os programas criados por Marcius Melhem estão cancelados pela Globo

Marcius Melhem como Seu Boneco na “Escolinha do Professor Raimundo”. Foto: Divulgação

Três meses após anunciar a saída de Marcius Melhem, a Globo parece disposta a apagar toda e qualquer ligação com o ex-diretor de seu departamento de humor. Todos os programas com os quais o ator e roteirista tinha alguma ligação —ou ajudou a criar— estão cancelados.

O “Zorra”, que foi reformulado pelo humorista, já teve o fim anunciado previamente —informação antecipada por Maurício Stycer assim como o fim da era Melhem— e sai do ar ainda neste mês. O “Fora de Hora”, que tinha segunda temporada garantida, ganhou o mesmo fim do bem-sucedido “Tá No Ar: A TV Na TV” e ficará apenas na lembrança dos espectadores.

Quadro do “Fantástico”, o “Isso a Globo Não Mostra”, que tinha supervisão e redação final do ex-diretor, também já não é mais exibido.

A nova versão da “Escolinha do Professor Raimundo” também deve encerrar seus trabalhos neste ano. Melhem, que também estava no elenco da atração, já não gravou como Seu Boneco na temporada produzida neste segundo semestre.

Até mesmo o Canal Viva, pertencente ao Grupo Globo, tem se desprendido da imagem do humorista. “Os Caras de Pau”, no qual Melhem contracenava com Leandro Hassum, já não consta da grade de programação.

Neste sentido, a emissora vai na contramão do caso de José Mayer, também acusado de assédio, em 2017, mas que até hoje aparece em reprises de novelas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

UOL

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Celebridades

Marcius Melhem deixa direção de Humor da Globo

Foto: TV Globo/Divulgação

A TV Globo divulgou, nesta sexta-feira (06), a saída de Marcius Melhem da liderança dos projetos de humor da emissora. Segundo o comunicado, a área de Criação e Produção de Conteúdos da Globo, sob a direção de Carlos Henrique Schroder, redesenhará sua estrutura de Dramaturgia.

Os projetos de Humor, assim como de Dramaturgia Diária e Semanal (novelas e séries) serão responsabilidade de Silvio de Abreu. Além dele, o time de Gênero dos Estúdios Globo também inclui os diretores de Variedades Mariano Boni e Boninho.

Marcius solicitou ainda licença das funções de roteirista e ator por um período de quatro meses. O anúncio vem após a denúncia de assédio moral de Daniela Calabresa e outras atrizes.

METRÓPOLES

Opinião dos leitores

  1. Então é por isso que os programas humorísticos da rede Globo estavam uma bosta,talvez agora melhore com a saída desse bosta!

    1. Já vai tarde, esse fuleira sem futuro é um tremendo assediador tanto sexualmente de mulheres como de baitolas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

Humoristas da Globo denunciam Marcius Melhem por assédio moral

Foto: Divulgação

Marcius Melhem, Coordenador do Departamento de Humor da TV Globo, está sendo denunciado por assédio moral por uma série de atrizes do núcleo de humor da emissora.

Dani Calabresa e Maria Clara Gueiros são alguns dos nomes apurados pela Coluna do Leo Dias e que levaram a denúncia de assédio até o conhecimento da emissora.

Pode ser considerado assédio moral no trabalho qualquer situação humilhante, constrangedora, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias.

É claro que nenhuma das atrizes da Globo virá a público para comentar o assunto. Denúncias internas dentro da TV Globo, principalmente relacionadas a assédio, são assuntos proibidos para serem comentados em redes sociais ou com a imprensa, a não ser, é claro, que a própria emissora se pronuncie dando detalhes do caso.

Dani Calabresa, por exemplo, deu pistas na rede social que seu ano não foi nada bom. “2019 foi uma eterna prova do líder. To até agora esperando o Bial ou Tiago Leifert me avisarem que posso me mexer e ir mijar em paz”, disse ela ontem, com um tom de humor, nas redes sociais.

O que se sabe é que a denúncia também ganhou reforço com os homens do humor na emissora. Marcelo Adnet, por exemplo, testemunhou a favor das atrizes.

A TV Globo, por meio de seu departamento de Comunicação, emitiu uma nota sobre o assunto: “Todo relato de assédio, moral ou sexual, na Globo é apurado criteriosamente assim que tomamos conhecimento. A Globo reafirma que não aceita qualquer tipo de assédio e, neste sentido, mantém um canal aberto para denúncias de violação às regras do Código de Ética do Grupo Globo.”

Marcius Melhem, por outro lado, é inacessível para comentar as denúncias. Ele não tem assessoria de imprensa e nem mesmo rede social aberta aos fãs. No Instagram, fechado, uma mensagem clara no perfil: “Atenção: Perfil para amigos e familiares.”

Coluna Léo Dias – UOL, Com colaboração de Lucas Pasin

 

Opinião dos leitores

  1. A maioria dos idiotas que comentam política aqui não passam de torcedores fanáticos dos timecos de futebol daqui e que descontam suas frustrações no seu novo hobby: cientistas políticos de rede social! Cada retardado abraça com unhas e dentes o seu político de estimação: seja ele o miliciano e seus filhos inúteis ou os lulistas fanáticos, como se a política se resumisse à apenas esses dois papangus.

  2. A maioria dos idiotas que comentam política aqui não passam de torcedores fanáticos dos timecos de futebol daqui e que descontam suas frustrações no seu novo hobby: cientistas políticos de rede social! Cada retardado abraça com unhas e dentes o seu político de estimação: seja ele o miliciano e seus filhos inúteis ou os lulistas fanáticos, como se a política se resumisse à apenas esses dois papangus. Chegamos ao fundo do poço mesmo….

  3. Os liberais da Globo são uns fdp desrespeitosos até com os colegas.
    Lula livre! Eduardo Cunha Livre!
    Sergio Cabral Livre!
    Maníaco do Parque livre!

    1. Bolsonaro e famílicia presos! Cana pra esses milicianos corruptos e psicopatas!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *