Política

Governador de Nova York renuncia ao cargo após denúncias de assédio

Foto: Mike Segar – 24.mar.2020/ Reuters

O governador de Nova York Andrew Cuomo anunciou, na tarde desta terça-feira (10), sua renuncia ao cargo. A decisão vem após uma investigação da promotoria do estado de Nova York acusá-lo de ter assediado sexualmente diversas mulheres.

Com isso, a vice-governadora do estado Kathy Hochul assumirá o cargo. O governador informou que sua renúncia entrará em vigor em 14 dias.

Há uma semana, a procuradoria-geral de Nova York divulgou informações sobre uma investigação cujo relatório final apontou que o governador democrata assediou sexualmente atuais e ex-funcionárias do estado, bem como várias mulheres fora do governo estadual.

O número de vítimas inicialmente informado pela investigação foi de 11 mulheres.

Em coletiva de imprensa feita para anunciar seu afastamento, Cuomo negou as acusações feitas pela procuradoria, mas pediu desculpas a mulheres que “ofendeu”.

“Isso não é para dizer que não existem 11 mulheres que eu realmente ofendi. Existem. E, por isso, eu peço sinceras desculpas. Eu pensei que um abraço e colocar meu braço ao redor de uma pessoa da equipe eram gestos amigáveis, mas ela sentiu que eu fui longe demais. Eu beijei uma mulher na bochecha em um casamento e pensei que fosse amigável, mas ela sentiu que foi agressivo demais”, afirmou.

“Eu escorreguei e chamei pessoas de ‘querida’, e quis ser carinhoso, mas mulheres acharam isso ofensivo. Eu assumo totalmente as responsabilidades pelas minhas ações”, declarou.

Cuomo ainda acrescentou que possui um “senso de humor” que pode ser mal interpretado pelas pessoas, e que tem feito isso ao longo de toda sua vida. “Na minha mente, eu nunca cruzei os limites com ninguém, mas não percebi a extensão da linha que havia sido redesenhada”, alegou.

Histórico

A investigação, detalhada em um relatório de 168 páginas, concluiu que Cuomo apalpou, beijou ou fez comentários sugestivos para mulheres, incluindo atuais e ex-funcionários do governo –uma delas policial estadual– e retaliou pelo menos uma mulher que o acusou de má conduta sexual. Cuomo nega qualquer irregularidade.

A vice-governadora Kathy Hochul, uma democrata do oeste de Nova York, assumirá como governadora do Estado de mais de 19 milhões de pessoas até o final do mandato de Cuomo em dezembro de 2022, conforme definido na Constituição estadual, tornando-se a primeira mulher a ocupar o cargo.

A renúncia de Cuomo marca a segunda vez em 13 anos que um governador de Nova York renuncia após um escândalo –em 2008 foi Eliot Spitzer que deixou o cargo por envolvimento com prostitutas.

Cuomo também se tornou o mais recente homem poderoso derrubado após a ascensão do movimento social #MeToo contra o abuso e assédio sexual que abalou a política, Hollywood, o mundo dos negócios e os locais de trabalho.

Sua renúncia poupou Cuomo de uma possível destituição do cargo por meio de um processo de impeachment na Assembleia estadual. Uma investigação de impeachment em andamento apenas prometeu se intensificar.

Com informações da Reuters e CNN

Opinião dos leitores

  1. Tomou no fiofó o lacrador.
    Se lascou.
    Oí foi mexer com o Mito, se fudeu.
    Ei!!
    Esquerdalhada.
    Quando chegarem em casa veja se ta todo mundo em casa.
    Pois o papa é bicho comedou viu????
    Bota pra torar!!!
    Ainda bem que não tenho irmã.

  2. Me ajude aí!
    A minha memória tá me traindo nesse momento.
    Num era esse cara que baixava o cassete no Brasil e no PR JAIR BOLSONARO??
    Ou era o Prefeito de New York??
    Kkkkkkk
    Se for esse, se lascou.
    Deu ruim!!!
    Kkkkkkkkkkk

    1. Mais um que falou mal de Bolsonaro até a língua cansar e mostra que que praticava o que condenava nos outros. Esquerdista nato, esquerdista raiz. Aos poucos vão caindo os farsantes, um a um…

    2. Nesse momento não é só tua memória que está te traindo. A falta de estudos, tua índole ruim, a incapacidade de raciocínio e até tua mulher estão todos e traindo nesse momento. O cara que vc pensou é Rodolfo Giulliani. Acorda babaca. kkkkkkk

    3. Fiquei com pena de você é vou lhe ajudar, papa catôta. Não é só sua memória que está te traindo. Abraço olho que sua mulher também está.

    4. Leo, você que não tem memória nenhuma, deve ser por causa da maconha q vc fuma, Rodolfo Giuliani foi prefeito republicano de New York, o q criou a lei de tolerância zero contra os bandidos e botou a polícia pra acabar com a bandidagem, aliado de Trump e consequentemente da mesma linha ideológica de Bolsonaro, vá estudar antes de falar merda

    5. Ei, ei Leo, respeite a poliça!!
      Kkkkkkkkk
      Homi chifre ficou pra humanos mesmo usar homi, o bode véi do seu pai, usa de atrevido.
      Kkkkkkkkkkkkkkk
      Kkkkkkkkkkkk
      Kkkkkkkkk
      Fui!!!

    6. Vamos começar a buscar o rabo de Léo o Gaiato que estuda kkkkkkk, esse sãos os alunos que a universidade de Nove dedos nos deixou de legado, grande número de alienados e analfabetos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

CBF: Caboclo acusa Del Nero de pedir R$ 12 milhões em troca do silêncio de funcionária sobre assédio

Foto: Lucas Figueiredo/Divulgação/CBF

O presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo, acusou Marco Polo Del Nero, seu antecessor e ex-padrinho político, de ter feito uma proposta de acordo no valor de R$ 12 milhões para evitar que uma funcionária da CBF apresentasse uma denúncia de assédio sexual e moral contra Caboclo.

A denúncia, revelada pelo ge, foi apresentada na Comissão de Ética da CBF no dia 4 de junho. Dois dias depois, Caboclo foi afastado da presidência da CBF por 30 dias, prazo que está prestes a vencer. Del Nero, que desde 2018 está banido pela Fifa mas mantém grande influência na CBF, foi procurado pela reportagem, mas ainda não se pronunciou. A CBF tampouco se pronunciou.

A defesa da funcionária sustenta que ela nunca fez nenhum pedido de dinheiro. De acordo com os advogados dela, houve uma oferta por parte de Rogério Caboclo, que ela recusou. Segundo a denúncia apresentada à Comissão de Ética da CBF, o acordo oferecido exigia que ela desse declarações falsas a jornalistas e assinasse um documento desmentindo que houve assédio.

A acusação contra Del Nero foi feita numa nota distribuída por Caboclo à imprensa nesta quinta-feira. O presidente afastado da CBF anexou a cópia de um bilhete, que ele diz ter sido escrito por Del Nero, com os cálculos que resultaram no valor de R$ 12 milhões.

Suposto bilhete de Del Nero a Caboclo — Foto: Reprodução

A nota distribuída por Rogério Caboclo ocorre no dia em que a diretoria da CBF se reúne para traçar uma estratégia que resultaria na destituição ou na ampliação do período de seu afastamento.

A acusação formulada nesta quinta-feira por Caboclo é seu movimento mais incisivo contra Marco Polo Del Nero, de quem foi pupilo. O primeiro ataque se deu no dia 18 de junho, numa nota enviada ao ge, na qual afirma que seu afastamento se deu por causa uma armação do ex-presidente da CBF.

A íntegra da nota de Rogério Caboclo:

O presidente da CBF, Rogério Caboclo, vai adicionar aos documentos de sua defesa mais uma prova contundente de que Marco Polo Del Nero, ex-presidente da confederação banido do futebol, foi quem trouxe a proposta de R$ 12 milhões para evitar que uma funcionária

protocolasse uma acusação no Conselho de Ética da entidade e a tornasse pública. Trata-se de uma anotação feita à mão por Del Nero apontando o valor de R$ 12,409 milhões, quantia que deveria ser paga pela CBF como uma indenização à funcionária em troca da não apresentação da acusação. Logo à frente do número 12.409 foi escrito: “corresp [correspondente] 20 anos de salário, transferindo ao valor presente a uma taxa [de correção] de 2,75 [%] anual”.

A negociação proposta por Del Nero e por seus aliados exigia inicialmente R$ 12 milhões, correspondentes ao pagamento dos vencimentos mensais até a ocasião da aposentadoria da funcionária, mediante sua imediata demissão para que essa acusação não fosse apresentada à Comissão de Ética e tornada pública.

Este documento é a prova cabal de que as acusações contra Rogério Caboclo fazem parte de um golpe orquestrado por Marco Polo Del Nero para plantar aliados no comando da CBF e, assim, voltar a dar as cartas na entidade. Neste momento, os comandados por Del Nero que ainda pertencem aos quadros da CBF preparam mudanças ilegais no estatuto da entidade para tentar impedir Rogério Caboclo de voltar ao cargo.

Em reunião marcada para sexta-feira (2/7/2021), eles ainda pretendem incluir no estatuto uma regra que permita a ampliação do prazo do afastamento do presidente da CBF para, assim, atender seus interesses particulares e momentâneos. Trata-se de um passado que não queremos de volta, marcado por múltiplos escândalos de corrupção e vários processos criminais.

As mudanças estatutárias que estão sendo orquestradas pelos meus adversários são ilegais, conforme parecer do jurista Fábio Ulhoa Coelho, professor titular de direito da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo. Rogério Caboclo não cometeu crime de assédio de acordo com o entendimento de alguns dos maiores juristas do país. Apresentam pareceres nesse sentido a acadêmica Helena Regina Lobo da Costa, professora da Faculdade de Direito do Largo de S. Francisco – USP; Luís Greco, professor Catedrático da Universidade de Berlim; Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, um dos mais renomados advogados criminais do país; Juarez Tavares, ex-procurador da República e professor catedrático da UERJ; e Pierpaolo Cruz Bottini, um dos mais respeitados advogados criminais do país e professor da Faculdade de Direito do Largo de S. Francisco – USP.”

Globo Esporte

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

“Você se masturba?”: Ouça áudios da denúncia de assédio contra Rogério Caboclo, afastado da presidência da CBF

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O Conselho de Ética da Confederação Brasileira de Futebol decidiu afastar Rogério Caboclo da presidência da entidade por 30 dias. A medida veio depois que uma funcionária da CBF denunciou Caboclo por assédio moral e sexual.

Com exclusividade, o Fantástico mostra trechos de um dos áudios que estão na denúncia entregue à Comissão de Ética da CBF. Veja alguns deles AQUI e um dos trechos da conversa abaixo.

“Eu conheço minha mulher há 26 anos. Já apaixonei, pirei por amor. Eu tinha te jurado que eu não ia falar sobre assuntos particulares”, diz Rogério Caboclo.

A promessa foi feita por Rogério Caboclo, segundo a funcionária, depois de mais um episódio de abuso sexual e moral na relação entre chefe e secretária. Mas ele a descumpria reiteradamente, de acordo com ela. Esse diálogo se deu no dia 16 de março deste ano, na sala do presidente.

Aparentemente se mostrando livre para uma aventura, o dirigente se refere ao casamento dele usando palavrões para falar de órgãos sexuais. A funcionária não responde e diz que não quer saber da vida sexual do chefe. Ele ignora e continua falando do casamento.

“Ah eu não sei como perguntar. Posso fazer?”, questiona Caboclo. Ela então corta a conversa e diz que acha melhor ele não perguntar mais nada, porque está ficando sem graça. Mas Rogério Caboclo abaixa a voz e pergunta: “você se masturba?”. O diálogo é encerrado por ela neste momento, que sai da sala.

Segundo a funcionária da CBF, esta foi a segunda tentativa de assédio naquele mesmo dia. Minutos antes, ela tinha sido chamada à sala do presidente para terem um papo descontraído. Na ocasião, ele pediu que a secretária tirasse a máscara e insistiu que aceitasse bebida alcoólica.

Desconfortável com a situação, ela mandou mensagem para dois diretores da CBF, pedindo ajuda. Um deles já havia ido embora, mas outro foi em seu socorro e inventou um pretexto para entrar na sala. A funcionária conta que aproveitou para deixar o ambiente. Mas, depois de o diretor ir embora, Caboclo a chamou novamente. Constrangida com o assédio, que acontecia havia mais de um ano, a secretária decidiu gravar toda a conversa.

Uma rotina de assédios sexuais e humilhações: um dos momentos mais humilhantes, narrado no documento de 12 páginas entregue pela funcionária, teria ocorrido após um dia de reuniões virtuais no apartamento do chefe, em São Paulo.

Ao fim dos compromissos, Rogério Caboclo deu a ela um biscoito para cachorros. Após ela ter recusado, ele a chamou de cadelinha e passou a latir, imitando um cachorro. Tudo isso após farto consumo de bebida alcoólica por parte do chefe e depois de ela ter recusado, mais uma vez, falar da sua vida amorosa.

Em nota de sua defesa, Rogério Caboclo nega que tenha cometido assédio, mas reconhece que houve brincadeiras inadequadas.

Com Programa Fantástico – Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Se eu fosse o Presidente Bolsonaro, nomearia um General, para comandar a CBF e pôr ordem nessa casa de mãe Joana.

    1. Gente como você não conta para nada, incluindo sua opinião.

    2. As vezes fico pensando se esse Calígula é uma adolescente ou um velho babaca mesmo…

    3. Calígula, o seu MINTO não manda na CBF e se mandasse a gente já sabe que ele colocaria um indicado pelo Centrão para roubar com força! O presidente inepto não consegue sequer colocar ordem na família das rachadinhas nem no governo federal, vai conseguir colocar ordem no futebol? Vc recebe quanto pra ficar babando o MINTO? Ou faz isso por ser gado idólatra de corrupto das rachadinhas mesmo?

    4. Calígula é um aposentado(ele mesmo já disse), já deve tá vacinado e que fica mandando todo mundo pra rua…
      Mas ele não vai…🤷

    5. Concordo plenamente. Seria ótimo. A FIFA encoraja bastante esse tipo de atitude. Não teria nenhum tipo punição. 😏

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ex-agente defende Neymar e acusa Nike por ‘fortuna’ em cláusula de rescisão em caso de suposto assédio divulgado 5 anos depois

Foto: Reprodução/Twitter

O empresário Wagner Ribeiro saiu em defesa de Neymar após a divulgação de um suposto caso de abuso envolvendo o jogador e uma funcionária da Nike, sua ex-fornecedora de materiais esportivos. Ribeiro era agente do jogador na época que o caso teria acontecido.

Através de suas redes sociais, ele também acusa a empresa de ter criado propositalmente uma “história maquiavélica” para justificar o rompimento de contrato com Neymar no ano passado.

“A Nike queria romper o contrato com Neymar. A cláusula de rescisão era uma fortuna e a Nike estava com déficit absurdo em 2020. A Nike coloca uma funcionária da Empresa numa história maquiavélica de assédio sexual. A Nike resolve noticiar depois de 5 anos”, escreveu Ribeiro em sua conta oficial do Twitter.

O atacante brasileiro teve o seu contrato com a Nike rompido em 2020, oito anos antes do término previsto. O “Wall Street Journal” divulgou na última quinta-feira uma investigação inconclusiva de denúncia de abuso sexual de uma funcionária da própria empresa contra o jogador, que teria motivado o fim do vínculo.

Segundo a conselheira geral da Nike, Hilary Krane, o atleta se recusou a cooperar com a apuração do caso, que teria ocorrido em 2016, em Nova York, e levado a conhecimento da empresa em 2018. Por meio de sua assessoria, Neymar negou as acusações.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Esse é o mundo chato em que estamos vivendo. Jogador famoso, jovem, rico e saudável não pode mais namorar porque logo cai numaxarmadilhaxparaxlhe explorar. Bons tempos em que a “bela” mulher tentava “se aproveitar” do cara apenas recebendo mimos e usufruindo do seu dinheiro.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Deputado acusado de assédio sexual se defende em depoimento e cita ‘gesto de gentileza’ porque ia interromper conversa

Foto: Divulgação/ Alesp 05/02/2021

Acusado de importunação sexual pela colega Isa Penna (PSOL), o deputado estadual Fernando Cury (Cidadania) prestou depoimento nesta quarta-feira ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Segundo ele, o abraço por trás na colega foi um “gesto de gentileza”.

O conselho se reuniu nesta manhã para ouvir as testemunhas arroladas por Cury, todas mulheres, e ouvir o deputado. Ele é julgado por quebra de decoro parlamentar depois de tocar em Isa Penna em plenário, na noite de 16 de dezembro, quando ela conversava com a Mesa Diretora durante a votação do orçamento do estado.

— Gostaria de aproveitar essa oportunidade para dizer que o abraço que eu dei na deputada Isa Penna foi justamente um gesto que eu quis fazer de gentileza, porque eu ia interromper uma conversa que ela estava tendo com o presidente Cauê Macris (presidente da Alesp) — afirmou Cury no depoimento por videoconferência.

Cury negou ter apalpado o seio de Penna durante a abordagem e afirmou que abraçar e beijar pessoas é “seu jeito de demonstrar carinho”.

— Ainda que tenha sido um abraço e tenha ofendido a deputada Isa Penna, e que esse seja meu jeito, esse episódio me traz muito aprendizado, que esse meu jeito não é tolerado por grande parte das pessoas. E a partir de hoje eu preciso rever meu comportamento, porque muitas pessoas se sentem constrangidas por isso — declarou.

Entre as testemunhas que prestaram depoimento e responderam a questionamentos dos integrantes do Conselho de Ética estavam ex-funcionária, ex-colega de faculdade, chefe de gabinete de Cury e até a orientadora educacional da escola onde o deputado estudou, há mais de duas décadas.

Ao GLOBO, Penna afirmou que “chamar de abraço uma encoxada, uma apalpada, minimizar um ato de assédio assina o atestado da cultura de estupro a que estou sendo submetida”. E comentou uma declaração do perito criminal Edmundo Braun, que participou da oitiva.

— Um perito que fala “não sou especialista em seios” é uma ofensa e mostra a total ausência de preocupação de um homem que está habituado com a impunidade — afirmou.

Na defesa entregue ao colegiado no dia 19, Cury afirmou não ter tido “intenção de assediar Isa Penna sexualmente” e apresentou um laudo técnico, contratado pelo parlamentar, informando “não ter ocorrido toque em ‘região de maior intimidade'”.

Na defesa prévia apresentada em 8 de fevereiro ao colegiado, a defesa de Cury negou ter havido “apalpação de seio” em Penna e se referiu ao gesto como um “rápido e superficial abraço”.

A gravação feita pela câmera da Alesp, que filmava o plenário no momento da abordagem, mostra Isa Penna sendo abraçada por trás pelo colega e o repelindo após toque em seu corpo.

Próximos passos

O conselho aprovou, por 10 votos a 0, a admissibilidade da denúncia contra Cury em 10 de fevereiro. Agora o deputado Emídio de Souza (PT), designado relator do caso, precisa apresentar seu parecer, sugerindo ou não a punição a Fernando Cury.

Composto por nove parlamentares, o colegiado pode decidir pela absolvição, advertência, suspensão ou até a cassação de Cury, desde que seja atinja a maioria, isto é, cinco membros.

Caso a penalidade mais grave seja escolhida, o caso segue para o plenário da Alesp, onde basta maioria simples, de 48 votos, para o parlamentar ser cassado.

Aliados de Isa Penna dizem ser improvável que a Alesp casse o mandato de Cury, e já esperam por uma punição mais branda, como o afastamento do parlamentar, a fim de garantir que haja alguma penalização.

— A gente quer a cassação. O justo é a cassação. Mas não vamos nos desencontrar com a realidade política que está no nosso entorno. Então se eles propuserem a suspensão, que seja a máxima. Se eles querem alguns meses (de afastamento), nós queremos um ano no mínimo — declarou Penna ao GLOBO.

Fernando Cury é também investigado pelo Ministério Público de São Paulo e alvo de um processo de expulsão dentro de seu próprio partido, o Cidadania.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Calígula Cacá para os íntimos , adora gentileza da sobrinhada musculosa . PIXU é educado , mas não gosta de muito exagero . Ai papai !

    1. Esse pixuca, além de esquerdalha é homofóbico em último grau, todos que não concordam com suas idiotices, ele insinua serem homosexual, de forma jocosa e reacionário. Não sei como convive com seus superiores. Rsrsrs

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

E SE FOSSE O CONTRÁRIO? FOTOS E VÍDEO: Web vê assédio de Karol Conká ao colega de reality, Arcrebiano, no Big Brother Brasil 21

Fotos: Reprodução/Globoplay

Repercute nas redes sociais o assédio da cantora Karol Conká ao companheiro de Big Brother Brasil,  Arcrebiano, em festa do reality que rolou entre a noite dessa quarta-feira(03) e a madrugada desta quinta-feira(04). VÍDEO no fim do post.

O portal UOL narrou um pouco da abordagem da cantora, e repercutiu ainda em outra matéria a polêmica sobre acusação de assédio. Devido à insistência da cantora durante a noite, muitos internautas apontaram assédio em seu comportamento. No Twitter, os termos “ASSÉDIO” e “NÃO É NÃO” entraram para os assuntos mais comentados na rede social durante a madrugada. A cantora Marília Mendonça corroborou para a discussão.

“Só eu que tô vendo essa situação de uma forma muito séria ou vocês também? O cara tinha dado 200 nãos antes que eu fosse dormir (olha que dormi cedo)”, escreveu Marília, ao ver que o o casal ficou junto ao fim da noite.

Fotos: Reprodução

Mais da festa rodeada de insistência

Depois de deixar claro seu interesse por Arcrebiano, Karol Conká estava ansiosa para a primeira festa do líder, que via como a oportunidade perfeita para o primeiro beijo entre ela e seu “crush”.

Em um primeiro momento, Bil se esquivou de todas as investidas de Karol. O goiano alegou que gostaria de entender o jogo primeiro. “Eu não cheguei em você ainda por causa disso, Karol. A gente tá na mesma vibe, mas eu preciso entender mais o jogo”, confessou o brother. “Eu não ia achar bom você sair e eu ficar aqui sozinho”.

“Mas aí é o jogo”, retrucou Karol.

Mesmo após várias recusas de Arcrebiano, Karol se mostrou determinada. A sister, então, chamou-o e disse que mentiu para os demais participantes da casa dizendo que o beijo entre os dois já havia acontecido. O modelo riu.

“Você mentiu?”, questionou Bil, tentando entender o motivo. “Eu não gosto disso, é muito adolescente”, avisou Karol. Em seguida, a cantora sugeriu que ambos procurassem um lugar mais reservado da festa para ficarem à vontade.

O selinho

Por diversas vezes, Karol insistiu em beijar Arcrebiano, que desviava o rosto. Por causa disso, os espectadores chegaram a interpretar o comportamento da rapper como assédio. Bil, no entanto, acabou cedendo e aceitou dar um selinho na rapper. Os outros competidores comemoraram acontecimento entre o casal.

Depois de algumas horas, já no final da festa, o beijo entre os dois finalmente aconteceu.

Mas a troca de saliva não foi o suficiente para a sister. Quando Bil perguntou para a rapper onde ela iria dormir, Karol corrigiu: “onde nós vamos dormir”. Karol, mais uma vez, foi bastante persuasiva para o brother dormir com ela e, mesmo quando ele se esquivou para escovar os dentes, a sister o seguiu. Assim, os dois acabaram dividindo uma cama de casal cedida por amigas de Karol no quarto colorido.

Antes de encerrar a noite, porém, quando os dois se deitaram, foi possível notar um movimento de braços que partiam tanto de Karol como de Arcrebiano. Apesar de sutil, os fãs perceberam e a comoção foi grande nas redes sociais.

Do Blog

Esse comunicador então pergunta: E se fosse o contrário? Como estaria a lacração dos chamados politicamente corretos?

Com acréscimo de informações do UOL

Opinião dos leitores

  1. Se eu escondesse meu nome através de um apelido ridículo, certamente que sim! Não assisto "a rede lobo", muito antes de saber que Bolsonaro sequer era candidato!

  2. Essa coitada é o cão chupando manga de feia e fraca!!!
    A FDP de mau gosto é melhor bater uma…

  3. Essa senhorita Karol conka é esteticamente pouco atraente e além disso é uma garota de má-língua,se ela não fosse bem sucedida financeiramente,nenhum rapaz iria se interessar por ela.

  4. É inacreditável que essa porcaria de programa ainda perdure por 21 anos! Só no Brasil mesmo! Se é veiculado, é porque assistem! É isso exatamente que essa emissorazinha quer! Que assistam! Falem mal mas falem de mim! Vão acumulando audiência, dos idiotas que ainda perdem tempo, energia e sono, com programas baixos e sem o mínimo de cultura, dessa natureza!

    1. Graças a Deus nunca assisti um lico desses. Só porcaria apresentado e idiotas que assistem.

  5. A moça foi avisada pela produção que estava se queimando aqui fora e mudou a conduta, deixou de humilhar um dos rapazes lá de dentro e agora quer ganhar a simpatia do público formando casalzinho… Parece que a produção já está escolheu os lacradores preferidos pra proteger… Se fosse um fará assediando ela , a produção já teria expulsado!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Lei em defesa da mulher vítima de assédio em bares e restaurantes de Natal é sancionada

Foi sancionada, na última semana, pelo prefeito Álvaro Dias, a Lei que obrigada bares, cafés, quiosques, praças, centros, complexos gastronômicos, restaurantes, casas noturnas, casas de eventos e de shows, situados na capital Potiguar, a adotarem medidas de auxílio à mulher que se sentir em situação de risco. De autoria do vereador Raneire Barbosa, a lei foi aprovada, por unanimidade, no dia 15 de dezembro de 2020, na Câmara Municipal de Natal (CMN).

Segundo parlamentar, a lei possui grande relevância, pois contribuirá para a redução dos casos de violência contra à mulher em Natal. “Nosso mandato tenta criar mecanismo para o auxílio das mulheres na busca por ajuda junto aos estabelecimentos, evitando-se, desta forma constrangimentos, assédios e principalmente a violência”, destaca Raniere.

De acordo com a lei, os estabelecimentos devem promover publicidade informativa e adotar medidas de segurança objetivando a proteção da mulher em suas dependências das seguintes formas: fixando aviso, painéis ou similares com orientação às mulheres que se sintam em situação de risco, nos banheiros femininos e, ao menos, em mais de um local visível a todos os seus clientes; disponibilizando funcionário para acompanhar mulheres, que se identificarem como em situação de risco, até o seu veículo ou até local de embarque por outro meio de transporte mais próximo do local.

Além disso, os locais devem dispor de ambiente seguro, dentro de suas dependências, para auxílio e acomodação destas mulheres, até a chegada da autoridade policial no local, e o estabelecimento ficará obrigado a dispor de telefone para comunicação à autoridade policial ou familiar da vítima. “Os estabelecimentos previstos nesta lei deverão treinar e capacitar seus funcionários para orientação e identificação de mulheres vítimas e/ou que se sentirem em situação de risco dentro de suas dependências”, pontuou o parlamentar.

Opinião dos leitores

  1. Faz assim, se qualquer pessoa (mulher, homem, LGBT, branco, preto, cinza, azul, verde, véi, menino buchudo, se sentir ameaçado num bar, restaurante, comércio, clínica, repartição, praia, parque, puteiro, risca-faca etc, CHAMA A GUARDA A MUNICIPAL. Corta o orçamento da Câmara a 1/10 para ajudar.

    1. Nem assunto de cunho local (nem suplementar) é. Inconstitucional.
      Lei lacradora, feita para encher o saco de quem produz.

    1. E com risco de assédio virtual. Daqui que explique que uma expressão:" Que pepino…" Se referindo a um problema com a ex mulher ou uma amiga, seja diferente de pejorativo, o pau já cantou.

  2. Do jeito que estamos caminhando com essa onda exagerada e terrorista da esquerda,tudo que homem faz assédio sexual, pelo que parece vamos voltar tudo como era antigamente quando haviam escolas primárias e secundárias exclusivamente para pessoas do sexo feminino e outra para o sexo masculino,e podera ser estendidas para faculdades e universidades com salas exclusivas para homens e outras para mulheres,e também poderemos ter no futuro ônibus e vans de transporte coletivo e os três urbanos coletivos exclusivos para cada gênero sexual,e também bares e restaurantes e boates, quiosques,cafés,teatros e salas de cinema exclusivo para os homens e também para as mulheres,as relações amorosas entre homens e mulheres estão se tornando praticamente impossível com esse extremismo ideológico de gênero pela esquerda e centro esquerda do Brasil.

    1. Só a divisão entre homem e mulher? Não seja 'fascista'.
      Vai ter trocentas divisões, cada uma com outras infinitas subdivisões.

  3. Essa Lei vem comprovar e coibir a falta de educação e mentalidade dos homens natalenses….. ô povim pobre….

  4. Se fosse depender do presidente uma lei desse porte jamais seria aprovada. Parabéns prefeito e aos vereadores.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

Departamento de Comunicação Social da UFRN diz que não tem autonomia para retirar cargo de professor acusado de assédio

Foto: Reprodução

O Agora RN destaca em reportagem nesta sexta-feira(22) que o Departamento de Comunicação Social (Decom) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) se pronunciou através de uma nota sobre o caso do professor Daniel Dantas Lemos, que foi acusado por alunas de assédio. No pronunciamento, o Decom afirmou que repudia as atitudes do professor e disse que ele continua como vice-coordenador do curso de Jornalismo. Na nota, o Departamento disse que vem oferecendo proteção às alunas desde que tomou conhecimento da situação, acolhendo as vítimas com total zelo e discrição, recebendo a denúncia com respeito e encaminhando-a às demais instâncias administrativas da instituição, para que o processo fosse formalizado. A respeito de cobranças sobre o cargo de vice-coordenador de Jornalismo, ao qual o professor está vinculado atualmente, o Decom informou que a ocupação do cargo é legítima, no sentido de que ela passou por várias instâncias da instituição e é anterior à advertência divulgada pela UFRN. Segundo a nota, o professor participou da chapa que foi eleita democraticamente. Com isso, o Departamento afirmou que não tem autonomia para desfazer a chapa da Coordenação. Confira todos os detalhes AQUI, com nota na íntegra.

Opinião dos leitores

  1. E viva ao abusador!! Até quando os abusadores com poder irão reprimir os abusados. Um retardado desses merecia cadeia e ser expulso pra UFRN. Mas é de esquerda!!!

  2. Taí!!
    Se esse cara fosse um bolsonarista, eu queria vê a opinião de Fátima do PT e aquela menina que elegeu se deputada federal para um mandato só, como e mesmo o nome dela??
    Deixa pra lá, não vão opinar mesmo.

  3. Onde está e qual o papel do Ministério Público Federal nesse imbróglio? Já que a UFRN dói leniente e solidária ao assediador cabe ao MPF tomar as rédeas do caso, para que a Justiça seja feita. Nem só de crossfit vivem os nossos Procuradores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Academia de Natal expulsa aluno e mulher após polêmica em redes sociais

Alegando “má conduta”, a academia Body Tech do Natal Shopping expulsou, na manhã desta quinta-feira (21), dois alunos, marido e mulher, após repercussão nas redes sociais de um vídeo publicado pelo aluno em suas redes sociais referindo-se às mulheres que treinam na academia e dizendo que teria vontade de se masturbar após observá-las. Além dele, a mulher do aluno, que o defendeu das críticas, inclusive, de assédio, também foi expulsa.

Segundo o agora ex-aluno, que é engenheiro civil, os funcionários da academia onde ele treinava o pressionavam para utilizar a máscara e, já com a intenção de rescindir o contrato, ele não seguia as normas. Além disso, ele se referiu de maneira pejorativa às mulheres que praticam atividades físicas na academia anterior, enaltecendo as que treinavam na BT Natal Shopping.

“Aqui você usa máscara e ninguém fica pentelhando. Foi a melhor coisa que eu fiz. De mulher, não tem nem comparação. Tá certo que eu sou casado, tenho minha mulher e não estou aqui atrás de mulher, mas p… Tem um milhão de gatas aqui. Na (nome da academia) só tinha velha (sic). De rocha mesmo. Eu saio daqui e tenho vontade de sair correndo para casa para bater uma p…, porque dá vontade de fazer isso, porque só tem gata, e a (nome da academia anterior) só tem velha”, postou o aluno.

Após essa postagem, vários comentaram surgiram nas redes sociais e uma outra aluna da academia usou sua conta no Instagram para criticar a postura do aluno, que reagiu e, sem citar o nome da outra pessoa que treina no local, fez diversas ofensas. A esposa do engenheiro civil, em resposta também em videos, criticou a aluna, e usos palavras consideradas como ameaça, segundo a academia.

“O referido e a esposa não são mais nossos alunos. Pela manhã, demos a explicação, através do nosso corpo jurídico. Nosso contrato prevê a rescisão unilateral em caso de má condutas dos alunos, o que foi o caso. Tanto pelo que foi dito na academia e nas redes sociais, como pelo discurso (da mulher) ameaçando outra aluna”, explicou o gerente da BT Natal Shopping, Alonso Filho.

Com acréscimo de informações da TN

Opinião dos leitores

  1. Na minha época de boy, se comentava isso entre os amigos e só. Hoje esses Zé Ruelas saem falando merda e ainda chama a platéia… kkkkk

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

Professor de comunicação que baixou as calças dentro da UFRN é denunciado e advertido

Foto: Reprodução

O jornalista e professor de comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte(IUFRN), Daniel Dantas, foi advertido após um episódio em 2019, por ter arriado as calças na frente de um grupo de alunos na instituição.

O caso ganhou repercussão após a denúncia de uma aluna a ouvidoria. Na ocasião, um processo administrativo, que resultou na advertência, sob pena de possibilidade de exoneração em caso repetição de atos. Há ainda relatos de outros casos de assédio do mesmo professor, mas que não tiveram prosseguimento em processos administrativos.

No caso das calças arriadas, a estudante, inclusive, recebeu a solidariedade de uma procuradora do Ministério Público Federal. Contudo, o caso não foi aberto no MPF por temor de represálias, segundo a jovem.

Daniel Dantas, blogueiro e professor da UFRN é conhecido por ser presença constante em todos os atos do Partido dos Trabalhadores no Rio Grande do Norte.

Fotos: Reprodução/Instagram

Opinião dos leitores

  1. A aluna não representou junto ao MPF por medo de represálias?
    Não entendi.
    Foi a mesma desse caso que resultou em advertência ou já é outro caso?
    O MPF não pode agir independente da aluna?
    E esses casos do Ceará não podem ter novos desdobramentos?

  2. É o que eu digo sempre não tem nada pior do que as ideologias da esquerda, você conta nos dedos de pessoas do bem a grande maioria é sem futuro.

  3. Mexeu com uma mexeu com todas?
    Se o pervertido foi de esquerda, não se aplica! “Estatuto do feminismo “

    1. tá vendo que ele foi denunciado pelas feministas não? leu a reportagem)

  4. Quando vejo uma coisa dessa aí que fico mais convicto de que em 2022 só Jesus pode evitar que meu voto não seja de Bolsonaro

    1. Ou seja, trocar uma ideologia extrema por outra extrema. Só Jesus mesmo para entender o Brasileiro. Gosta mesmo de sofrer.

  5. Só poderia ser participante mesmo dessa esquerda nojenta que temos aqui nesse país,queria vê fosse um militante da direita que tivesse feito isso,o mundo não iria mais lembrar do Coronavírus pelos próximos 6 messes,,mas como foi um imbecil dessa esquerda maldita não aparece nenhuma feminista,ninguém dos diretos humanos e a porra toda,nem tinha terminado de lê mas já imaginei que no final seria um integrante desse partido de merda que é o PT ou de algum puxadinho dele.

    1. Se fosse militante da direita, teriam demitido ele e contratado um tempo depois que a poeira baixou, como fizeram com outro jornalista daqui. Essas ideologias, seja de extrema esquerda ou direita são o câncer desse país.

  6. Esse é o nível dos opositores ao governo federal.
    Imorais, irresponsáveis, sem respeito, sem educação.
    A UFRN sendo muito bem representada por professores desse nível, parabéns pelo exemplo.
    Para isso que as universidades se dizem, território livre. Bravo, bravo, bravíssimo.
    Por sorte representam 10% do povo brasileiro, embora façam enorme barulho.

  7. De pessoas como este cidadão, provacelnente há outros na mesma instituição. Na condição de petista a mídia marrom, ou seja, nossas tv's locais, blogueuris esquerdistas, ficam todos na moita fazendo "cara de passagem".

  8. Só pede impeachment do Bolsonaro, esse tipo de pessoas. Daí pra mais baixo. Vejam as qualidades que querem tirá-lo a todo custo! É esse tipo de gente que quer governar o país.

    1. As qualidades que defendem, também não ficam atrás. Veja o linguajar…

  9. O que essa ideologia não fizer com um infectado por ela, lavagem cerebral nenhuma consegue fazer.

  10. A esquerda pode tudo!! Se fosse alguém da direita essa matéria sairia em rede nacional.

  11. “Bolsonaro caminha pra se tornar a última aventura eleitoral de nosso povo e também a última Maldade feita pelo PT ao Brasil!!! “
    Moro foi quem demitiu Bolsonaro

    1. O PR é só um cara bronco, truculento, mas com boas intenções. Será que é justo fazer isso com esse cara? Nenhum escândalo no Governo, Estatais dando lucro, dinheiro voltando pra os fundos de pensão que foram roubados, obras nos quatro cantos do país, água em dezenas de comunidades pobres, ele quer acabar com a indústria da seca e libertar o nordestino, finalmente. É justo isso que se faz com esse cara? É justo deixar nosso juízo se formar pela imprensa acostumada com os milhões e/ou artistas que sentem falta de "apoio$ culturai$". Reflita. Seja justo. Deus abençoe o Brasil.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Juíza suspende processo ético-disciplinar do Cidadania contra Fernando Cury por assédio a Isa Penna

Trecho do vídeo exibido em plenário. Foto: Alesp / Reprodução

A juíza Thaissa de Moura Guimarães, da 20ª Vara Cível de Brasília, deferiu liminar nesta terça, 12, determinando a suspensão do processo ético-disciplinar que o Cidadania abriu contra o deputado estadual paulista Fernando Cury por assédio à deputada Isa Penna (PSOL). A magistrada acolheu parcialmente um pedido da defesa do parlamentar, que questionava a competência do Conselho de Ética Nacional da legenda para analisar o caso.

A decisão foi proferida após o advogado de Cury, Roberto Delmanto Junior, encaminhar uma petição à Justiça Federal de Brasília apontando que a deliberação do Diretório Nacional do Cidadania sobre o processo ético-disciplinar contra o deputado está prevista para esta quarta, 13. Nessa linha, a defesa pediu reconsideração de uma decisão anterior que havia negado a suspensão do processo.

Ao analisar o pedido liminar novamente, Thaissa ponderou que após novas informações serem juntadas aos autos, houve a comprovação de algumas alegações da defesa de Cury: a de que o procedimento contra o parlamentar teve
início no Diretório Nacional do Partido e a de que não houve na representação detalhamento da conduta praticada pelo deputado, ‘limitando-se o ofício a mencionar termos genéricos tais como ‘lamentáveis fatos’ e ‘conduta absolutamente incompatível com os princípios do partido”.

“Há que se registrar que, embora o vídeo aparentemente deixe claro a conduta à qual se refere o procedimento ético, estando em causa a perda da função de líder do partido na Assembleia Legislativa de São Paulo, deve haver pormenorização da conduta para ensejar oportunidade de defesa e contraditório ao Requerente, princípios constitucionais que também devem ser observados em procedimentos administrativos”, registra a decisão.

A Comissão de Ética do Cidadania havia informado ao juízo que a representação contra Cury foi subscrita pelo presidente do Diretório Nacional, Roberto Freire e o presidente Regional do Cidadania de São Paulo, deputado federal, Arnaldo Jardim: “de ofício, ambos dirigentes determinaram a abertura do procedimento junto à Comissão de Ética Nacional, sendo assim, vencido o que reza o Código de Ética Partidário”.

No entanto, a magistrada considerou que o Código de ética do Cidadania estabelece que a ‘competência para receber a representação cabe à Comissão Executiva Regional se o denunciado se o denunciado for um dos seus membros, deputado estadual, prefeito, vice-prefeito, secretário de Estado ou equivalente, governador ou vice-governador’.

Ao suspender o processo ético-disciplinar contra Cury, Thaissa registrou ainda que a manutenção do procedimento na Comissão Executiva Nacional ‘também repercutiria no direito do parlamentar de recorrer à Comissão hierarquicamente Superior, o que poderá ensejar a nulidade do procedimento pela afronta aos princípios ampla defesa e do duplo grau de jurisdição’.

No último domingo, 10, o Conselho de Ética do Cidadania emitiu relatório recomendando a expulsão de Fernando Cury. Em nota, a relatora do procedimento , Mariete de Paiva Souza indicou que o comportamento do deputado é ‘descabido’ e ‘rasteiro’. “Na direção totalmente oposta dos fatos ocorridos está o Cidadania, que tem em seu programa o compromisso assumido com as bandeiras feministas contra a violência e a exclusão. Por isso, nada menos que sermos exemplares”, defendeu Mariete.

Ao Estadão, o advogado de Cury, Roberto Delmanto Junior, afirmou que dá como certa a expulsão do parlamentar do Cidadania. Para ele, o partido tenta ‘defenestrar’ Fernando Cury o quanto antes. “Que processo é esse que tem prazo de 15 dias úteis? Nunca vi isso na minha vida. É um processo só para cumprir tabela”, sustenta. “Isso tudo é um simulacro, um teatro, um mise-en-scène. É uma encenação de um processo, um processo fake”.

Além de ser analisada internamente em seu partido, a conduta de Cury também vai ser discutida no âmbito da da Assembleia Legislativa de São Paulo. Na semana passada, Isa Penna formalizou um pedido para que a casa convoque uma sessão extraordinária ainda neste mês para julgar o caso.

A parlamentar considerou a decisão da juíza Thaissa de Moura Guimarães ‘importante’ porque ‘a busca por celeridade (para julgamento do caso) não é por nenhum tipo de excepcionalidade ou conduta diferenciada’. “Queremos sim a Justiça. Assédio é crime. Não podemos deixar que num momento como esse, numa casa legislativa, a democracia seja ferida”.

Blog Fausto Macedo – Estadão

Opinião dos leitores

  1. Doutor Turci, acho que li errado. Como o senhor minimiza um assédio? depois da descoberta que a terra é plana, não duvido de mais nada.

  2. Pra falar isso já sei que não tem mulher, queria ver um homem apalpar tua mulher e vc achar isso só deselegante.

  3. Fez muito bem. O que ele fez foi deselegante, mas não é motivo para expulsão. Nunca vi um povo prá gostar mais de "mimimi" do que esse.

    1. Na boa, não é mimimi, mas deselegante nunca foi, isso é abuso mesmo, se alguém fizer isso com sua mulher, mãe, filha, sobrinha ou algo aposto que você não iria achar deselegante.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

VÍDEO: Marcius Melhem fala pela primeira vez na televisão sobre acusações de assédio, expõe mensagens, detalha “bastidores” e fala em “narrativa falsa”

Marcius Melhem afirmou que nunca tentou agarrar Dani Calabresa à força durante uma festa em entrevista a Roberto Cabrini no Domingo Espetacular deste domingo (20). O ator e ex-diretor da Globo expôs mensagens de texto e áudio trocadas com a humorista para defender a tese de que é alvo de uma vingança. “A minha vida foi destruída”, justificou.

O comediante disse que temia pela própria vida até mesmo ao se encontrar com o repórter em um hotel no Rio de Janeiro para uma conversa no último sábado (19). “Eu nem queria sair de casa, porque estou sendo ameaçado de morte e de espancamento”, confidenciou o artista.

Ele classificou como mentirosa uma reportagem da revista Piauí que o acusa de ter exibido o pênis e lambido o rosto de Calabresa em uma comemoração do Zorra em novembro de 2017. “Eu tenho duas filhas. Se eu tivesse feito aquela descrição do banheiro do bar, eu nem teria olhado nos olhos dela”, justificou.

“Se isso tivesse mesmo acontecido, a festa teria acabado. Imagina, uma atriz que sai chorando e é amparada por colegas. Não existiu nada, a gente brincou no palco e até aí tudo bem. Se você olhar o grupo de atores no dia seguinte, todos estão apenas comemorando. Eu e Dani trocamos mensagens. Não teve nenhum constrangimento”, acrescentou.

Melhem frisou que sofre perseguição de Mayra Cotta, que representa um grupo de seis mulheres que o acusam de assédio sexual e moral no período em que esteve a frente do humor da Globo. “Por que uma advogada vem a público destruir uma carreira sem uma causa ou processo? Ela quis destruir o meu nome perante à opinião pública”, ressaltou.

Relações consensuais

Marcius revelou que teve relações consensuais com mulheres que trabalharam com ele nos bastidores da Globo. “Muitas vezes longas, de um ano ou dois. Elas não ganharam nada por causa disso. Claro que pode haver uma zona cinzenta, mas nunca foi algo explícito”, explicou o artista, que se arrepende apenas de trair a ex-mulher Joana Rosenfeld.

“Eu nunca tive problemas em pedir desculpas, especialmente para ela. Uma pessoa incrível, a mulher que eu mais amei. Eu fui até ela e confessei todas as traições”, contou ele, que diz não guardar manchas dos 17 anos de Globo. “Eu não cometi maldades com ninguém. Nunca fiz um ato de violência com quem quer que seja”, assegura.

Ele também descarta as denúncias por importunação moral. “Eu nunca usei o meu poder para me relacionar com qualquer pessoa que seja, nem nunca troquei favores. Nem coagi ninguém”, acrescentou o autor.

Reportagem explosiva

Melhem questionou as 43 pessoas ouvidas pelo jornalista João Batista Jr. para a reportagem publicada na edição de dezembro da revista Piauí. Ele estranha que nenhuma das testemunhas quis revelar a identidade, além de apontar supostos furos na linha do tempo dos acontecimentos.

“O que aconteceu comigo e Dani Calabresa só falo na Justiça, porque não vou expor ninguém. Eu nunca agarrei a Dani. Essa narrativa não é nem fantasiosa, ela é falsa. Eu nunca imobilizei ninguém na vida, é essa descrição que está me causando problemas. Eu nem sei quantos braços eu tenho para agarrar, bater a cabeça de alguém na parede e abrir o zíper”, reclamou.

O humorista chamou a matéria de “um delírio de alguém que quer muito me prejudicar ou encorpar uma narrativa de assédio”. Ela ainda apontou que as pessoas que querem apoiá-lo publicamente estão sendo coagidas a não fazerem para não serem canceladas.

“Olha o que aconteceu com Letícia Spiller, que foi fazer um comentário a meu favor e precisou pedir desculpas. Hoje de manhã eu recebi a ligação de uma atriz conhecida que fez um post nas redes sociais a favor de dani, mas que retirou e me pediu perdão”, sustentou o fluminense.

Vingança profissional

Melhem afirmou que manteve uma relação íntima de afeto e amizade com Calabresa até um desentendimento profissional em 2019 por causa do Fora de Hora. Ela teria pedido por mudança de roteiristas e que o ex-MTV Bento Ribeiro estivesse ao seu lado na bancada em vez de Paulo Vieira.

“Eu quero chegar na Justiça porque isso que Dani está fazendo comigo é vingança. Ela reclamou que o texto estava mal escrito, queria os autores dela, não queria fazer o programa com o Paulo. Ela estava tão irredutível que a gente tomou a decisão artística de tirá-la do projeto. Não foi algo pessoal, mas da casa”, avaliou.

Ele considerou que a decisão de processar Mayra Cotta não se trata de intimidação, mas de uma tentativa de provar inocência. “Não existe uma advogada que só fala na TV, no jornal. Nós já entramos com uma representação contra ela e outra para que Dani explique porque assumiu como verdade aquela reportagem que nós dois sabemos que não é”, arrematou Marcius.

Notícias da TV – UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Mais um progressista, feministo, ''empatico'' e eleitor da esquerda metido em escandalo. Nojo desses hipocritas.

    1. Eleitor da esquerda? De onde vc tirou isso, gado véio? E as vítimas, são da extrema direita nazi-bolsonarista?

    2. Eu também tenho nojo . Mas não esqueça que hipocrisia e gente metida em escândalos não é privilégio só de eleitor de esquerda não.
      Essas mazelas estão em todo lugar…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

Marcius Melhem mostrou pênis para Dani Calabresa em bar, diz revista; humorista rebate e fala em “fatos distorcidos ou cenas que jamais ocorreram”

Foto: Reprodução

A revista Piauí publicou, nesta sexta-feira (4/12), uma reportagem na qual revela detalhes dos casos de assédio sexual e moral envolvendo o ator e ex-humorista da Globo Marcius Melhem. O comediante foi desligado da rede de televisão após ter sido denunciado pela atriz Dani Calabresa, que protagoniza grande parte dos relatos da publicação.

A matéria tem início com a descrição de uma festa de confraternização pelo centésimo episódio do Zorra, após a reformulação do programa em 2015. Em um dos momentos, Marcius teria encurralado Dani Calabresa no banheiro, tentado beijá-la à força, imobilizando-a e, em seguida, teria colocado o pênis para fora da calça. Após se desvencilhar do humorista, a atriz passou por uma crise de choro e precisou ser amparada por Luís Miranda e George Sauma, que na época também faziam parte do elenco do programa.

O relato continua três dias depois, em meio a uma gravação de Calabresa e Maria Clara Gueiros no Projac – onde Melhem pouco ia na época. De acordo com a publicação, o ator teria tratado do assédio em tom de brincadeira e afirmado: “Para, para, para”, começou. “Eu não tenho culpa do que aconteceu! Quem mandou você estar muito gostosa?.”

Com isso, Calabresa teria se levantado para evitar qualquer contato físico com o então chefe, pedindo que se afastasse e recusando suas desculpas: “Não quero seu abraço nem suas desculpas, você já me agarrou, lambeu minha cara e encostou o pau em mim”. Ainda assim, Melhem teria continuado a falar que ela era culpada pelo comportamento dele. Segundo a revista, várias pessoas testemunharam ambas as cenas, que aconteceram em 2017.

Ainda de acordo com a Piauí, outra situação teria acontecido naquele mesmo ano. Na ocasião, Dani Calabresa se preparava para gravar uma sátira do seriado Baywatch, em que usaria um maiô vermelho, e Melhem teria entrado no camarim da atriz afirmando que “foi dar uma conferida no figurino”, deixando ela constrangida. Ele, inclusive, teria impedido o crescimento de Calabresa na Globo, vetando a entrada dela em um programa de Miguel Falabella e colocando empecilhos numa atração proposta pela atriz, uma versão do Furo MTV.

Apenas em 2019, quando decidiu deixar o Zorra e passar uma temporada nos Estados Unidos, Dani Calabresa teve coragem de denunciar os fatos, que foram levados para a chefe de Desenvolvimento e Acompanhamento Artístico (DAA), Monica Albuquerque. A revista revela que a primeira decisão em relação ao fato foi recomendar uma terapia ao acusado, sem nenhuma advertência.

As acusações ganharam força quando passaram por Carlos Henrique Schroder, diretor da área de Entretenimento, Esporte e Jornalismo da emissora, que determinou a realização de uma investigação. Durante a apuração, novos casos contra o então diretor de humor da emissora apareceram: três atrizes falaram do incômodo de contracenar com ele e citaram situações em que Melhem passava o pênis ereto nelas.

A reportagem ressalta que Marcius Melhem decidiu não dar entrevista, alegando que “a sentença” do caso “já estava dada”. Além disso, o ator também disse que pediria desculpas a quem magoou, mas que teria o direito de saber quem são essas pessoas. “Estou disposto a assumir qualquer erro ou dano que tenha causado. Mas é preciso que a conversa seja transparente, sem omissões, mentiras ou distorções sobre as relações”, escreveu na declaração à Piauí, afirmando, ainda, que iria buscar “justiça”.

Em nota, o humorista se defendeu:

Quando recebi as perguntas da revista Piauí, percebi que a sentença já estava dada. Então, nada que eu diga sobre fatos distorcidos ou cenas que jamais ocorreram vai mudar esse perfil construído de abusador, quase psicopata.

Qualquer pessoa que tenha convivido comigo sabe que eu jamais cometeria algum ato de violência e que nunca forcei ninguém a nada. Mas parece que o único objetivo está sendo bem-sucedido: a minha condenação na opinião pública.

Quero pedir desculpas a pessoas que eu magoei, mas sequer tive o direito de saber quem são elas. O mundo mudou, comportamentos antes naturais estão sendo revistos, e todos precisamos aceitar as consequências de nossos excessos.

Venho há um ano trabalhando esse entendimento e estou disposto a assumir qualquer erro ou dano que tenha causado. Mas é preciso que a conversa seja transparente, sem omissões, mentiras ou distorções sobre as relações. É o que eu vou buscar: justiça.

Metrópoles

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

Todos os programas criados por Marcius Melhem estão cancelados pela Globo

Marcius Melhem como Seu Boneco na “Escolinha do Professor Raimundo”. Foto: Divulgação

Três meses após anunciar a saída de Marcius Melhem, a Globo parece disposta a apagar toda e qualquer ligação com o ex-diretor de seu departamento de humor. Todos os programas com os quais o ator e roteirista tinha alguma ligação —ou ajudou a criar— estão cancelados.

O “Zorra”, que foi reformulado pelo humorista, já teve o fim anunciado previamente —informação antecipada por Maurício Stycer assim como o fim da era Melhem— e sai do ar ainda neste mês. O “Fora de Hora”, que tinha segunda temporada garantida, ganhou o mesmo fim do bem-sucedido “Tá No Ar: A TV Na TV” e ficará apenas na lembrança dos espectadores.

Quadro do “Fantástico”, o “Isso a Globo Não Mostra”, que tinha supervisão e redação final do ex-diretor, também já não é mais exibido.

A nova versão da “Escolinha do Professor Raimundo” também deve encerrar seus trabalhos neste ano. Melhem, que também estava no elenco da atração, já não gravou como Seu Boneco na temporada produzida neste segundo semestre.

Até mesmo o Canal Viva, pertencente ao Grupo Globo, tem se desprendido da imagem do humorista. “Os Caras de Pau”, no qual Melhem contracenava com Leandro Hassum, já não consta da grade de programação.

Neste sentido, a emissora vai na contramão do caso de José Mayer, também acusado de assédio, em 2017, mas que até hoje aparece em reprises de novelas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

UOL

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

BBB20: Quinta eliminada no reality, “Boca Rosa” acusa Pyong de assédio e pede a saída dele

Foto: Reprodução

Quinta eliminada do Big Brother Brasil 2020, a influencer Bianca Andrade (Boca Rosa) usou suas redes sociais, neste domingo (01/03/2020), posicionando-se a favor da saída de Pyong do reality show. A empresária afirmou também não torcer para nenhum dos homens emparedados e falou sobre o assédio que sofreu do hipnólogo.

Em alguns stories no Instagram, a empresária aparece revendo alguns momentos de sua participação e falou sobre o suposto assédio que ele teria cometido contra ela e que voltou a ser assunto nas redes sociais. “Ele assediou. Não é uma mentira minha, estou falando de algo que realmente aconteceu. Ele realmente precisa vir para fora para pensar e raciocinar um pouco, também”, disse.

A empresária completou pedindo que os fãs não atacassem a família dele. Em outro vídeo, ela se mostrou chocada com a atitude do brother em torcer por sua saída. “E eu saí. Agora é a minha vez de me vingar, bebê. Vem para cá, #foraPyong”, escreveu ela na legenda do primeiro vídeo.

Na sequência, a ex-sister falou sobre a falsidade do brother.“Quando eu saí, ele esqueceu tudo o que fez. Ainda disse que eu saí porque ele pediu. Ele pediu? O dia que esse homem tiver alguma moral, pelo amor de Deus, me avisem que eu fico quieta. Enquanto ninguém me disser isso, vou falar mal dele todos os dias até ele sair. Eu juro que busco esse rapaz na porta da Globo, eu juro que busco”, completou.

A blogueira se mostrou muito incomodada com a forma que o público tem se posicionado em relação às atitudes de Pyong. Segundo ela, sua saída aconteceu como forma de punição aos seus erros, e que o hipnólogo deveria também deixar o programa, ainda mais após os supostos assédios que ele teria cometido na casa.

“Até porque, pelo que vi, ele viveu em cima de mim, da Marcela e da Flay. Alguém me corrija se eu estiver errada. Então, só vou desejar a ele o mesmo que desejou para mim. Venha para cá, Pyonguinho” disse em um dos stories.

Sobre o paredão, ela falou que entende os pedidos pela saída de Guilherme, mas que o youtuber deveria sair agora. “Eu sei que tem uma galera inteira pedindo para o Guilherme sair. Eu concordo. Mas fica o questionamento: Se uma mulher, quando faz merda, ela sai, por que quando um homem quando faz a mesma merda, ou até pior, ele fica?”, encerrou.

Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Boca Rosa está com raiva porque saiu do BBB 20 e agora vem com essa conversa de assédio contra Pyong, quando foi perguntada sobre o caso negou todo mundo viu . Ela saiu porque fez merda,sem falar na tentativa de beijar Gui ,que é namorado de sua amiga,ela deve se preocupar com o seu namorado e não com Pyong que está bem demais.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Mães venezuelanas denunciam assédio para vender bebês em Roraima; PF investiga

Foto: Emily Costa/G1 RR

Jovens mães e grávidas venezuelanas que chegam ao Brasil fugindo da crise em seu país e moram em Roraima denunciam que vêm sofrendo assédio de pessoas interessadas em comprar seus filhos.

Em junho e julho, o G1 ouviu relatos de três mulheres que vivem em situação de rua em Boa Vista. Segundo elas, as ofertas variam entre R$ 200 e R$ 6 mil por cada criança.

O Ministério Público Federal e o Estadual têm recebido denúncias de casos desse tipo. A Polícia Federal investiga, mas não dá detalhes a respeito.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) prevê como crime “prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa”. A pena vai de um a quatro anos e multa.

A estimativa é que 32 mil venezuelanos vivam na capital do estado que é a principal porta de entrada dos que cruzam a fronteira. Na cidade, há famílias inteiras, muitas delas com crianças, morando nas ruas ou em casas e prédios abandonados.

Uma venezuelana de 25 anos disse que, em junho, uma brasileira se propôs a pagar R$ 6 mil por sua filha mais nova, de apenas seis meses. A mulher disse que recebeu a oferta quando estava com a criança em um supermercado em Boa Vista.

“Ela falou que R$ 6 mil era muito dinheiro e que, com ele, eu poderia manter meus outros filhos”, contou a jovem. “A brasileira me disse: ‘Te dou R$ 6 mil, e você me dá a menina. Você pode ter outros, mas eu não’. E eu disse: ‘Não dou e nem vendo meus filhos’.”

Em setembro de 2018, um homem de Bangladesh e uma brasileira foram presos em flagrante pela PF quando tentavam registrar uma venezuelana recém-nascida em um cartório na capital. Segundo a PF, o acordo foi de R$ 2 mil.

Organização confirma assédio a mães e grávidas

Em entrevista ao G1, Yssyssay Rodrigues, coordenadora de projetos da Organização Internacional de Migração (OIM) em Roraima, disse que não há estatísticas, mas confirma que o assédio a mães e grávidas tem ocorrido.

“No ano passado, uma pessoa foi inclusive presa próximo a um abrigo. Ela não estava com a criança, mas foi pega na tentativa [de aliciar uma criança]. É o caso mais concreto que tivemos, mas temos bastantes relatos desse tipo”, afirmou.

“Temos orientado e encaminhado essas pessoas a denunciar às autoridades competentes, porque às vezes elas não têm consciência da gravidade da situação, de que se trata de um crime, já que na proposta o aliciador muitas vezes diz que vai cuidar da criança, que ela ficará melhor.”

Além desse assédio a mães para vender seus bebês, a Assembleia Legislativa de Roraima registrou, no primeiro semestre deste ano, seis casos de tráfico humano envolvendo vítimas venezuelanas, sem detalhar as circunstâncias em que ocorreram.

Ainda com relação a tráfico humano, a OIM diz que esse número pode ser maior, pois muitos casos não chegam sequer a ser denunciados.

Uma pesquisa da própria OIM e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) feita em 2018 assinalou riscos de exploração sexual, ameaças de violência e trabalho infantil de crianças venezuelanas em Roraima.

Relatos de mulheres assediadas para vender bebês

Uma mãe venezuelana de 35 anos ouvida pelo G1 afirmou que em junho quatro homens, entre eles um venezuelano, abordaram sua filha, que carregava o irmão de sete meses no colo. Segundo ela, o grupo ofereceu R$ 200 pelo bebê.

“Minha filha pensou que fosse uma brincadeira e disse ao venezuelano que R$ 200 era muito pouco. Então, ele ofereceu R$ 500. Ela ficou com medo e se afastou”, relatou.
Uma outra mulher, de 44 anos, disse que recebeu a proposta de R$ 2 mil pela neta quando estava pedindo ajuda na porta de uma farmácia.

“Um carro parou, e um casal ofereceu R$ 2 mil pela minha neta. Os dois disseram que iam cuidar bem dela”, disse ela.

“Eles insistiram para levá-la, disseram que ela não iria para longe, que iríamos poder vê-la. Era para nos enganar. Eu imagino que algumas pessoas caem nisso, são enganadas e entregam as crianças.”

Em Boa Vista, é comum grávidas pedindo ajuda nas ruas

(mais…)

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *