Botafogo-PB volta a vencer América em amistoso

Foto: Ascom / Botafogo-PB

Botafogo-PB venceu o América de Natal por 1 a 0, no Estádio Almeidão, na tarde desse domingo (30), em seu último amistoso de 2018.

Com gol de Dico, que saiu do banco de reservas e jogou bem, o Belo segue invicto nessa fase de preparação. Há uma semana a equipe da Maravilha do Contorno já havia batido o próprio América-RN, no Rio Grande do Norte.

O Bota-PB teve mais posse de bola, tanto na primeira quanto na segunda etapa. Mas na etapa inicial, mesmo com as duas equipes com suas melhores opções em campo, o jogo não foi tão bom.

O Belo, ainda assim, foi melhor. Criou mais chances e só no abriu o placar por conta das defesas de Gledson. Saulo também apareceu bem em uma boa cabeçada de Alison, e os arqueiros garantiram o 0 a 0 do primeiro tempo.

Na segunda etapa, o treinador botafoguense, Evaristo Piza, fez diversas mudanças. Só não utilizou do seu banco o goleiro Rhuan. Mesmo como muitas modificações, o Botafogo-PB passou a jogar melhor.

Com um elenco bastante reformulado, o América-RN sofreu com o desentrosamento, mesmo com o comandante Luizinho Lopes mudando apenas três vezes.

O gol da vitória botafoguense surgiu de uma parceria vinda do banco de reservas. Rafael Ibiapino fez jogada individual, tentou encobri Gledson, mas errou. A bola sobrou para Dico, que chegou rápido na bola e finalizou com a perna esquerda, estufando as redes do Dragão.

Agora, depois da dobradinha de amistosos, cada equipe segue seu rumo. O América de Natal aguarda a sua estreia no Campeonato Potiguar, contra o Santa Cruz-RN, marcada para o dia 10 de janeiro.

Já o Belo faz seu último amistoso da pré-temporada no dia 5 de janeiro, contra o Serrano, novamente no Almeidão.

A estreia do Bota-PB no Paraibano 2019 está agendada para o dia 12, contra a Perilima, em João Pessoa.

Paraíba On-Line

 

Com reforços, Luizinho Lopes espera melhor desenvoltura do América contra o Botafogo-PB, neste domingo

Foto: Canindé Pereira/América FC

No último domingo (23) o alvirrubro realizou o primeiro jogo amigável contra o Botafogo-PB. Jogando na Arena América, o América acabou batido pelo time paraibano por 2 a 1 mas, com um time novo, o resultado foi o que menos interessou ao técnico Luizinho Lopes, que garantiu estar mais preocupado em dar entrosamento a sua equipe.

“A minha grande responsabilidade aqui, é posicioná-los da melhor maneira possível para que eles consigam exercer o seu melhor futebol, esse é o maior desafio no momento”, disse.

No próximo domingo (30) o confronto se repetirá, só que no Estádio Almeidão, em João Pessoa/PB, às 16h. Com a liberação de atletas que foram poupados em razão do intenso trabalho de pré-temporada, Luizinho espera uma melhor desenvoltura do equipe rubra.

“Eu acredito que nesse jogo a gente vai ter uma condição melhor. Vai ter um caráter de jogo. Na semana passada, a quinta semana (de treinamento), a gente deu muito foco na fase de preparação física. Agora entra numa semana de período competitivo. A gente vai simular uma semana que seria de estreia de competição. A gente diminui os volumes, mantém a intensidade, trabalha mais estratégias, mais ações táticas de jogo, bolas paradas. A gente espera que nesse jogo a gente tenha postura melhor, sobretudo, lucidez com a bola”, falou.

O grupo americano retorna ao trabalho nesta quinta-feira (27), às 15h30, na Arena América.

Com informações do site do América

 

 

Com gol no fim, Brasil vence Argentina em amistoso na Arábia Saudita e conquista a taça Superclássico

O Brasil vence a Argentina graças ao gol no apagar das luzes de Miranda e conquista a taça do Superclássico

A entrada de Brasil e Argentina em campo no King Abdullah teve ares de Libertadores, com bandeiras, um ou outro sinalizador e papéis picados. O fim do jogo teve fumaça, fogo e festa no banco do Brasil com o gol de Miranda, nos acréscimos(47 minutos), ao completar cobrança de escanteio de Neymar: a sexta assistência do atacante em quatro jogos depois da Copa do Mundo. Garçom e capitão, ele levantou seu primeiro troféu com a Seleção: o “Superclásico”.

Início e fim empolgantes, mas o resto não cativou. A Seleção teve dificuldade em fazer seus principais jogadores renderem numa escalação surpreendente de Tite, com Gabriel Jesus e Firmino juntos pela primeira vez como titulares. Apesar do domínio técnico, a equipe fez menos do que costuma e deixou a mensagem da necessidade da busca de soluções. A Argentina sem Messi e outros protagonistas foi apenas uma seleção de lampejos, que recorreu às faltas para compensar o pouco talento.

Graças a Miranda, o Brasil é campeão do “Superclásico”, torneio tão artificial quanto a festa com pitadas sul-americanas. Mas valem a estatística e a gozação com os hermanos, sem títulos, grandes, pequenos ou insignificantes, há 25 anos.

Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José claudio disse:

    Brasil jogou hoje? acredito não?

  2. Pedro disse:

    G.M.

  3. diego perez disse:

    quem tá preocupado com isso em ano de eleição?
    a gente quer é consertar o brasil, to nem aí se o brasil ganhou um jogo que não vale nada.

    • H4CK3R disse:

      Prefiro assistir futebol a ficar como vocês, escrevendo merda sobre política e se matando por dois caras que todos sabem que não vão resolver o seu problema.

    • BADER disse:

      Ainda existe isso no Brasil?? pensei que tinha sido extinto kkk

Contra Equador, Brasil tenta superar a sua '1ª crise'

Depois de ter cumprido o objetivo principal de vencer uma partida após o fracasso no Mundial, Dunga tem de superar a primeira crise de sua nova passagem pela seleção brasileira. Nesta terça-feira contra o Equador, às 22 horas (de Brasília), no estádio MetLife, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, a equipe tenta vencer e provar que o corte por indisciplina do lateral-direito Maicon, um dos homens de confiança do treinador, não afetou a equipe psicologicamente ou arranhou a sua imagem como líder.

Os detalhes do caso grave de indisciplina do lateral da Roma vieram à tona nesta segunda. No último sábado, em Miami, o jogador simplesmente não se apresentou às 20 horas como o técnico havia determinado. Ele só apareceu na manhã de domingo, por volta das 7 horas, ou seja, quase 12 horas depois do combinado. Assim que soube do atraso, o técnico Dunga demorou parte da manhã refletindo sobre a punição.

Aos 33 anos, Maicon era um dos mais experientes do grupo e foi convocado como um dos pilares da transição após a Copa. Era uma espécie de vice-capitão e tinha a função de orientar os mais novos, dentro e fora de campo. Antes, havia sido o terceiro jogador com maior número de convocações da primeira era Dunga. Só ficava atrás de Robinho e Gilberto Silva.

Decepcionado, o treinador decidiu cortá-lo e praticamente encerrou o ciclo do veterano na seleção. Os jogadores foram proibidos de tocar no assunto. O clima de alívio depois da vitória contra a Colômbia, na última sexta, se dissipou e o grupo ficou ainda mais sério e carrancudo, escolhendo as palavras nas entrevistas. “Temos de seguir a orientação de não falar sobre o assunto. Não adianta perguntar”, disse o zagueiro David Luiz, quando questionado sobre o tema.

A CBF não se posicionou oficialmente sobre o assunto, mas os jogadores estariam pressionando a comissão técnica, principalmente Gilmar Rinaldi, coordenador de seleções, a esclarecer o tema e preservar o grupo.

Com o episódio, Dunga deu um recado para o elenco. Ele está mais bonzinho e simpático, mas não vai permitir indisciplinas. A exposição pública do erro do jogador – Gilmar Rinaldi afirmou que o episódio tinha sido de indisciplina, embora não tenha revelado os detalhes do corte – mostra que atraso não tem perdão. Em abril de 2013, Felipão e Parreira agiram de uma maneira diferente depois que Ronaldinho Gaúcho também chegou atrasado durante a preparação da seleção para um amistoso contra o Chile, em Belo Horizonte. Ele foi escalado, atuou por 45 minutos, mas nunca mais foi chamado pela dupla. Recado de Dunga: quem pisar na bola, terá de se explicar publicamente.

ENTROSAMENTO – Além de influenciar negativamente o clima do grupo, o corte de Maicon traz consequências para a escalação do time. Dunga vai escalar o jovem Danilo na direita. Além disso, a contusão de David Luiz, que sofreu uma lesão no joelho esquerdo, vai obrigá-lo a escolher entre Gil e Marquinhos na zaga. Ou seja ele terá uma defesa improvisada, o que considera perigoso para enfrentar o rápido ataque do Equador. A exemplo do que aconteceu contra a Colômbia, o técnico valoriza o resultado final.

O restante da equipe deve ser mantido, como o próprio treinador revelou após o jogo contra a Colômbia. “Vamos manter uma base para dar tranquilidade aos jogadores que estão chegando, para que se sintam mais à vontade”, disse.

Embora o ataque tenha evoluído, com maior movimentação, a equipe mostrou problemas na criação e deu espaços para o rival. São essas lições de casa do treinador, além de provar que ainda é o velho Dunga.

fonte: Estadão Conteúdo

Botafogo do RJ fura com paraibanos, por conta de greve de jogadores, e América topa amistoso "em cima da hora" no Almeidão

O América disputa um amistoso amanhã contra o Botafogo/PB,na reinauguração do estádio Almeidão, às 20h30 desta quinta-feira(3). Inicialmente o time paraibano atuaria contra o homônimo carioca, porém, uma greve dos jogadores impediu o deslocamento da delegação do Rio de Janeiro para João Pessoa.

Com o compromisso em cima da hora, o amistoso contra o Globo, que seria realizado sábado , terminou sendo transferido para a próxima quarta-feira, no Nazarenão.

Com informações do Vermelho de Paixão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anonymos disse:

    Pq nao chamara o Real Madrid de Pium, O Grande Campeão do Brasil (SérieC) e maior vencedor de metropolitanos do mundo? kkkkk

  2. magno disse:

    Japecanga o quebra galho.

Com novidades, Felipão convoca "estrangeiros" para amistoso contra África do Sul

Seguindo sua promessa, o técnico Luiz Felipe Scolari apresentou novidades na lista dos 16 jogadores que atuam em times do exterior convocados para o próximo amistoso da Seleção, contra a África do Sul, em Joanesburgo, no dia 5 de março. O lateral-direito Rafinha, do Bayern de Munique, e o volante Fernandinho, do Manchester City, foram chamados pela primeira vez pelo treinador.

De acordo com a CBF, a lista deve ser completada com mais três jogadores que atuam em times nacionais. A divulgação dos nomes será feita mais próximo da data de apresentação do grupo, marcada para 3 de março. No dia seguinte, Felipão comandará a única atividade antes da partida – um reconhecimento no gramado do estádio Soccer City, palco da final da Copa de 2010.

A partida contra os sul-africanos será a última da Seleção antes do anúncio da lista final para a Copa do Mundo, no dia 7 de maio. Ainda antes da estreia no Mundial, o Brasil fará dois amistosos de preparação: o primeiro, no dia 4 de junho, provavelmente contra a Sérvia, e o segundo, no dia 7 de junho, contra um adversário ainda não definido.

Veja a lista dos ‘estrangeiros’ convocados o amistoso contra a África do Sul:

Goleiro
Julio César (QPR)

Zagueiros
Thiago Silva (Paris Saint-German)
David Luiz (Chelsea)
Dante (Bayern de Munique)

Laterais
Rafinha (Bayern de Munique)
Daniel Alves (Barcelona)
Marcelo (Real Madrid)

Meias
Luiz Gustavo (Wolfsburg)
Paulinho (Tottenham)
Fernandinho (Manchester City)
Ramires (Chelsea)
Oscar (Chelsea)
Willian (Chelsea)

Atacantes
Hulk (Zenit)
Neymar (Barcelona)
Bernard (Shakhtar Donestk)

O Globo

Brasil acorda no segundo tempo e vence a Zâmbia em amistoso na China

Untitled-2A seleção brasileira começou o amistoso desta terça-feira (15) contra Zâmbia com sete alterações em relação ao time que venceu a Coreia do Sul, no sábado (12). Era uma chance de Felipão testar algumas peças de sua convocação. Mas só a partir do segundo tempo, com a entrada de alguns jogadores considerados titulares, a equipe embalou e venceu o rival africano por 2 a 0, em Pequim (China).

Dois jogadores devem sair do giro pela Ásia bastante preocupados. Lucas Moura(ex-São Paulo) e Alexandre Pato fizeram parte do onze inicial nesta terça-feira e saíram ainda no intervalo, quando o placar  apontava 0 a 0.

Dos demais testados na formação que começou o jogo desta terça-feira (15), Lucas Leiva, Maxwell e Dedé foram bem. O zagueiro do Cruzeiro até marcou um gol. Pouco exigido, o goleiro Diego Cavalieri nem tirou proveito da chance.

Ramires foi, como sempre, cumpridor. E deve continuar com a disputa com Hulk por uma vaga no time titular.

O jogo

A seleção brasileira começou o jogo disposta a impressionar. Logo no primeiro minuto, Lucas deu uma arrancada e tocou para Pato, que sofreu falta.  Neymar efetuou a cobrança e acertou a trave da Zâmbia

Ainda no começo do jogo, o time de Felipão perdeu mais duas boas chances. Aos 5min, Daniel Alves chutou por cima da trave e, oito minutos mais tarde, Ramires tocou bonito na saída de Mweene, mas a bola saiu.

O ímpeto ofensivo da seleção amainou a partir da segunda metade da etapa inicial. A Zâmbia também não chegou ao gol de Cavalieri. A monotonia só foi quebrada com um bom chute de Neymar, aos 43min.

Felipão voltou para a seleção com três alterações. Entraram Jô, Oscar e Jô e saíram Ramires e os cada vez mais relegados Alexandre Pato e Lucas Moura.

Em uma de suas primeiras participações, Oscar acertou belo chute de fora da área e abriu o placar para o Brasil aos 13min.

Aos 19min, Neymar cruzou para Dedé, que subiu bem e ampliou o placar de cabeça.

Hernanes e Henrique e Bernard ainda entraram na parte final do jogo, mas tiveram pouco tempo para mostrar serviço

R7

Neymar leva pancada de Hernanes em treino e é dúvida para amistoso da seleção

neymarO atacante Neymar virou dúvida para o amistoso da seleção brasileira contra a Coreia do Sul, no sábado. O jogador deixou o gramado mancando e sentindo dores durante o treino desta quinta-feira após levar uma pancada no quadril do volante Hernanes. O atacante do Barcelona ainda será examinado para saber se sofreu alguma lesão.

Antes da saída de Neymar, o técnico Luiz Felipe Scolari estava treinando a provável equipe que deve começar a partida de sábado, às 8h (de Brasília), no World Cup Stadium. O time treinava com Jefferson, Daniel Alves, David Luiz, Dante e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho, Ramires e Oscar; Neymar e Jô. Depois que Neymar saiu, Felipão armou o time com Hulk no ataque.

O time reserva foi completado com um atleta da seleção coreana sub-20 e antes da saída de Hulk treinava com a seguinte formação: Diego Cavalieri, Kim Yong Kwan, Henrique, Dedé e Maxwell; Lucas Leiva, Hernanes e Lucas; Hulk, Bernard e Alexandre Pato.

Até a saída de Neymar, os titulares venciam por 3 a 0, com gols marcados pelo atacante do Barcelona, Dante e Jô.

O Globo

Com três novidades, Felipão divulga convocados para os amistosos contra Coréia do Sul e Zâmbia

rs8733_conv_10-scrO técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, divulgou, nesta quinta-feira, os atletas convocados para as partidas contra a Coreia do Sul (dia 12 de outubro, em Seul) e Zâmbia (dia 15 de outubro, em Pequim).

Entre as novidades, estão as presenças de Lucas Leiva (Liverpool), Dedé (Cruzeiro) e Victor (Atlético-MG).

Confira a lista completa:

Goleiros:

Jefferson (Botafogo)

Diego Cavalieri (Fluminense)

Victor (Atlético-MG)

 Laterais:

Daniel Alves (Barcelona)

Maicon (Roma)

Marcelo (Real Madrid)

Maxwell (PSG)

Zagueiros:

Dedé (Cruzeiro)

David Luiz (Chelsea)

Dante (Bayern de Munique)

Henrique (Palmeiras)

Meias:

Paulinho (Tottenham)

Hernanes (Lazio)

Luiz Gustavo (Wolfsburg)

Ramires (Chelsea)

Lucas Leiva (Liverpool)

Oscar (Chelsea)

Lucas (PSG)

 Atacantes:

Hulk (Zenit)

Bernard (Shakhtar Donetsk)

Jô (Atlético-MG)

Pato (Corinthians)

Neymar (Barcelona)

Brasil enfrenta Portugal nesta terça em clima de Copa do Mundo

SOCCER-WORLD_-G2N1A86G5.1O técnico Luiz Felipe Scolari deixou claro, quando aceitou o convite da CBF para retornar a seleção, que gostaria de enfrentar seleções de primeira linha na preparação para a Copa do Mundo. De início, foi prontamente atendido. Enfrentou, em sequência, equipes do porte de Inglaterra, Itália, Rússia, França, Inglaterra novamente, sem falar os jogos contra Itália, Uruguai e Espanha, na Copa das Confederações. Hoje, o adversário será Portugal, que, mesmo sem o astro Cristiano Ronaldo, é um time bem mais qualificado do que a fraca Austrália, atropelada no último sábado (6 a 0), em Brasília. A partida começa às 22h, horário de Brasília.

Depois do que viu na goleada sobre os australianos, Felipão não tem dúvida de que o teste de hoje será muito valioso na preparação para a Copa do Mundo. O raciocínio do treinador brasileiro é simples: se a seleção mostrou aquele comprometimento diante de um adversário do terceiro escalão, apesar de já classificado para o Mundial no Brasil, contra uma seleção forte, como Portugal, o empenho será ainda maior.

— Contra a Austrália, jogamos com uma concentração e uma motivação espetaculares. Nem parecia amistoso. O time se comportou como na Copa das Confederações. É dessa maneira que vamos jogar contra Portugal — aposta o treinador brasileiro.

Se depender do retrospecto, a seleção terá um adversário indigesto pela frente no Gillete Stadium, em Boston. Nas quatro últimas partidas entre as duas seleções, Portugal venceu duas (2 a 1, em 2003, e 2 a 0, em 2008, ambas com Felipão) e foi goleado também em 2008 (6 a 2, em Brasília). Na Copa de 2010, houve empate em 0 a 0. Como técnico da seleção, Felipão enfrentou Portugal uma vez: 1 a 1, em 2002. O treinador, portanto, está invicto no confronto.

Um dos destaques do Brasil na goleada sobre a Austrália, Ramires terá nova chance hoje contra os portugueses. Felipão surpreendeu no rápido treino de ontem ao manter o jogador do Chelsea mesmo com a recuperação de Oscar. O meia, provavelmente, voltará ao time, mas no lugar de Bernard, um dos jogadores mais elogiados pelo treinador após o jogo com os australianos.

— São pouco jogos até a Copa, e todo mundo tem que dar o melhor para estar na convocação final. Por isso, o time jogou com aquela intensidade em Brasília. O gol que fiz foi importante, mas acho que o melhor foi a minha atuação. Fiz o que o treinador pediu — disse Ramires.

Mesmo sem ter feito uma única partida pelo Queens Park Rangers nesta temporada, o goleiro Júlio César será mais uma fez titular da seleção, hoje. Suas últimas atuações foram pela seleção, contra Espanha e diante da Austrália.

— Tenho a responsabilidade de justificar a confiança que o Felipão está tendo em mim. Ainda não joguei pelo meu time, na Inglaterra, mas já estou treinando normalmente e me sinto pronto para defender a seleção — garante o goleiro titular.

Mas Júlio César não precisa se preocupar. Ontem, ao ser perguntado se o fato de o goleiro não estar jogando era uma preocupação da comissão técnica, Felipão foi taxativo:

— Não me preocupa em nada. Aliás, para acabar com qualquer dúvida, posso adiantar que o Júlio César estará na Copa do Mundo. Ele é ótimo goleiro, muito bom e confio plenamente nele. Ele vai estar entre os três goleiros que levarei.

Júlio César disse que percebeu uma mudança em seu convívio na seleção. E não foi só em relação aos adversários:

— O torcedor voltou a ter orgulho da seleção. Isso tinha diminuído muito depois da Copa de 2010.

O jogo também será especial para os portugueses. Será a primeira vez que a seleção lusa enfrentará uma equipe dirigida por Felipão. O treinador brasileiro marcou época como técnico de Portugal, entre 2003 e 2008.

— Eu sou muito grato pelo que Felipão fez pelo futebol português. Com ele, fomos pela primeira vez à final da Euro e voltamos à semifinal da Copa depois de 40 anos. Ninguém teve os resultados de Felipão à frente da nossa seleção. Não só eu, mas todos os portugueses temos muito respeito e admiração por ele — elogiou o atual técnico de Portugal, o ex-jogador Paulo Bento.

Mas que fique claro: quando a bola rolar, todos os elogios ficarão do lado de fora das quatro linhas. Quando duas seleções do porte de Brasil e Portugal se enfrentam, não há partida amistosa.

Brasil x Portugal

Brasil: Júlio César, Maicon, Thiago Silva, David Luiz e Maxwell; Luiz Gustavo, Paulinho e Ramires; Oscar (Bernard), Jô e Neymar

Portugal: Rui Patrício, João Pereira, Pepe, Bruno Alves, Coentrão; Miguel Veloso, João Moutinho, Raul Meireles e Vieirinha; Nelson Oliveira e Nani

Juiz: Juan Guzman (EUA)

Local: Gillette Stadium, Boston

Horário: 22h (de Brasília)

Transmissão: TV Globo, Sportv e Rádio Globo

O Globo

Santos foca em amistoso nesta sexta contra o poderoso Barcelona, na Espanha

O Santos dá uma pausa na disputa do Campeonato Brasileiro e, agora, se concentra em um desafio internacional. Isto porque, a equipe praiana enfrenta o Barcelona, na próxima sexta-feira, no Camp Nou, em jogo amistoso válido pelo Troféu Joan Gamper, tradicional torneio de pré-temporada dos catalães. O técnico interino, Claudinei Oliveira, está otimista e acredita que o Peixe pode fazer uma boa apresentação contra o Barça.

O treinador lembrou da derrota alvinegra para o próprio Barcelona, no Mundial de Clubes da Fifa de 2011, mas destacou que, mesmo sem possuir boa parte dos jogadores que faziam parte daquele time, os santistas podem incomodar os catalães, que estarão jogando em casa.

“Nosso time era melhor tecnicamente (naquela época), pois tinha Neymar, Ganso… mas taticamente dá para fazer um jogo melhor do que na ocasião, sem nenhuma crítica ao que foi feito no passado. O Barcelona tem um time fantástico, mas não podemos nos apegar nisso, pois não vamos passear na Espanha. O torcedor tem a expectativa de ver o Santos bem. Independentemente das peças que temos à disposição, o Santos tem que jogar melhor, sempre”, disse Claudinei.

O duelo faz parte do que foi combinado entre Barça e Santos na negociação que levou o atacante Neymar para a Catalunha. Apesar do caráter amistoso do jogo, o comandante do Peixe garante que os seus atletas estarão focados em fazer melhor diante do atual campeão espanhol.

“É um jogo festivo, mas temos a responsabilidade de fazer uma boa partida. Não adianta queremos marcar o Barcelona individualmente. Vamos procurar jogar sempre com alguém na sobra e tentando tirar os espaços deles, dificultar o jogo do Barcelona. Também vamos procurar jogar com a bola no pé. Vamos com o intuito de fazer uma boa exibição e honrar as tradições do clube”, concluiu.

Gazeta Esportiva

Neymar fala da expectativa de estreia pelo Barcelona contra o Santos

Neymar já vive a expectativa pela sua estreia pelo Barcelona marcada para o dia 2 de agosto, em um amistoso contra o Santos, no Camp Nou. E confessa que não vai conseguir agir com naturalidade se marcar um gol. “Vai ser difícil fazer um gol, mas agora estou em um novo clube e vou fazer de tudo para ajudar meu time, mas respeitando o Santos, meu time do coração”, disse o jogador, nesta sexta-feira, quando também garantiu que irá comemorar normalmente se balançar as redes no duelo. “Tem de comemorar. Não é falta de respeito. Quem é amigo de verdade sabe que não vai ser falta de respeito comemorar o gol.”

O jogo vale como o primeiro dos dois amistosos acertados entre o Santos e o Barcelona na negociação que culminou na venda do atacante. A outra partida, a ser disputada no Brasil, ainda não tem data para ser realizada – caso não ocorra, o Santos recebe uma indenização de 4,5 milhões de euros (cerca de R$ 13,1 milhões).

As declarações foram dadas nesta sexta-feira, em Santos, onde o craque do Barcelona participou do evento de renovação de seu contrato de publicidade global com a Panasonic, gigante do setor de eletroeletrônicos e primeira empresa japonesa a patrocinar Neymar. O evento contou com a presença dos principais executivos da multinacional, entre eles o diretor executivo sênior Takumi Kajisha. Foi a última entrevista coletiva do astro em Santos antes do início de sua passagem pelo Barça.

Neymar mostrou muitas dificuldades para falar nesta sexta por causa da recuperação de uma cirurgia para a retirada das amígdalas, realizada no dia 5 de julho, no Rio. Além da cirurgia na garganta, os médicos aproveitaram para realizar um segundo procedimento, corrigindo desvio de septo, osso do nariz. Quem comandou a operação foi Augusto César, integrante do departamento médico da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), acompanhado pelos médicos do Barcelona. Por causa das dores na garganta, Neymar reduziu sua participação no evento.

O atacante negou que o retirada das amígdalas faça parte de um planejamento traçado pelo Barcelona para que ele ganhe cinco quilos de massa muscular. Atualmente, ele pesa 69,5kg. “Mentira”, disse, sorridente. “Acho que eu emagreci uns cinco quilos depois da cirurgia, mas vou recuperar rapidinho”, garantiu.

Agência Estado

Itália ouve "olé" em São Januário, empata com Haiti e vê delírio da torcida

A torcida contra do pouco público presente foi suficiente para que a seleção da Itália fosse parada pelo fraco Haiti, nesta terça-feira, no estádio de em São Januário, no Rio de Janeiro.

Os italianos venciam por 2 a 0, no único teste no Brasil antes da estreia na Copa das Confederações, marcada para o próximo domingo contra o México, no Maracanã. Mas cederam o empate no segundo tempo e viram a torcida delirar com a zebra.

O técnico Cesar Prandelli mandou a campo uma equipe totalmente desfigurada, com 11 reservas. Somente na segunda etapa entraram alguns dos titulares, como Balotelli e El Shaarawy.

O camisa 9 do Haiti, Saint Preux, foi a grande atração da partida. Quando substituído, foi muito festejado e mandou até beijinho para a torcida.

A “Azurra” ouviu dos 3.257 torcedores gritos de incentivo ao time da América Central durante quase toda a partida. Os gols dos haitianos foram comemorados efusivamente.

No começo do jogo, a cada toque para o lado dado pelos haitianos saiam gritos de “olé”. Um esboço de drible, então, gerava ainda mais entusiasmo na arquibancada.

O jogo mal começou e já saiu um gol. Logo aos 20 segundos de partida, Giaccherini aproveitou cruzamento da esquerda e falha da zaga para abrir o placar.

Mas se enganou quem pensou que isso seria um indício de chuva de gols ainda no primeiro tempo. A equipe europeia passou a tirar o pé das jogadas e evitar o desgaste com o calor e sol no estádio do Vasco.

Os italianos conduziam a partida em ritmo sonolento, enquanto o Haiti quase não incomodava. Vivia dos gritos da torcida a cada bom lance parcialmente executado.

A única chance de ampliar o placar na primeira etapa foi em uma falta cobrada por Diamanti, aos 44min. Mas bateu na rede pelo lado de fora.

O segundo tempo começou como terminou o primeiro: com Itália em ritmo lento e pouco querendo jogo. Quase foi punida com o gol de empate do Haiti, que por alguns momentos quase assustou.

Na melhor chance do time da América Central, aos 8 min, após cobrança de escanteio La France cabeceou sozinho e por pouco não acertou o gol. Prandelli se cansou e colocou Balotelli e Montolivo no jogo. Mais tarde, entraram Marchisio e El Shaarawy.

As trocas deram certo, e três dos jogadores que entraram fizeram a jogada do segundo gol. Aos 26min, Balotelli fez jogada pela direita e cruzou. El Shaarawy chutou em cima do goleiro, mas Marchisio pegou o rebote e marcou.

Mas a torcida local começou a verdadeira festa aos 38min. Maurice penetrou pelo lado esquerdo e foi derrubado por Astori. Saurel bateu e converteu.

Oito minutos depois, o que parecia impossível aconteceu. Peguero recebeu lançamento longo na esquerda da meta, saiu da marcação e dominou de peito para finalizar com chute cruzado: 2 a 2 e muita festa da torcida em São Januário.

Do UOL Esporte

Seleção volta a vencer uma grande seleção no último teste para a Copa das Confederações

Em seu último amistoso antes da Copa das Confederações, a seleção brasileira voltou a vencer uma potência do futebol. Superou a França por 3 a 0, na Arena Grêmio, em Porto Alegre.

O resultado deve ajudar a aliviar a pressão. A última vez que o Brasil tinha vencido uma grande seleção, em um jogo em que os times puderam usar a força máxima, foi em 2009 quando bateu a Inglaterra por 1 a 0.

Desde que Felipão voltou ao comando da equipe, o Brasil perdeu para a Inglaterra, empatou com Itália, Rússia e Chile, ganhou da Bolívia e voltou a empatar com a Inglaterra.

O próximo desafio da equipe será para valer: contra o Japão, no sábado, às 16h, em Brasília, na abertura do evento que é considerado teste para a Copa do Mundo de 2014.

Na reta final rumo à Copa das Confederações, a CBF programou um amistoso contra um rival duro.

O Brasil não vencia a França desde 1992, quando fez 2 a 0, em Paris. Depois daquele duelo, os franceses provocaram traumas na seleção. Eles saíram vitoriosos nas quartas de final dos Mundiais de 1986 e 2006, e ganharam a final de 1998.

Na partida em Porto Alegre deste domingo, a única novidade na equipe titular do Brasil foi a escalação de Marcelo na lateral esquerda, no lugar de Filipe Luis, que foi titular no empate contra a Inglaterra.

Já a França não contou com o seu principal astro, Ribéry. Ele não foi chamado para descansar, pois seu time, Bayern de Munique, participou com sucesso das finais da Copa dos Campeões da Europa, dia 25 de maio, e da Copa da Alemanha, dia 1º de junho.

O primeiro foi muito equilibrado. O Brasil não conseguiu pressionar o rival, mas se movimentou bastante, e explorou as pontas para avançar.

A melhor chance da primeira etapa foi criada logo aos 30s. em uma lambança do goleiro francês. Lloris driblou Fred, mas Neymar roubou a bola, só que tentou driblar o goleiro e acabou desarmado.

A França aplicou uma forte marcação. Não deu sossego para os principais atletas brasileiros e mostrou muita qualidade para trocar passes quando avançava ao ataque.

O segundo tempo também começou equilibrado até que, aos 8min, Oscar abriu o placar. O contra-ataque brasileiro começou com um desarme de Luiz Gustavo sobre Valbuena, que ficou caído no gramado. Fred foi ligeiro e fez a assistência para Oscar, que tocou na saída do goleiro para fazer o gol.

Jogadores da França reclamaram de falta de Luiz Gustavo, mas o árbitro peruano Victor Carillo interpretou que o lance foi normal

Aos 39min, o Brasil aproveitou outro ótimo contra-ataque e, após bela troca de passe, Hernanes chutou cruzado para fazer 2 a 0.

O gol final saiu aos 47min, em cobrança de pênalti, batida por Lucas.

Da Folha

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. roberto disse:

    A França estava com o time quase todo reserva e a imprensa esta escondendo isso, do time que enfrentou a espanha pela eliminatorias da europa so tinha tres jogando que jogaram e assim mesmo Deisemar sem condiçoes de jogo, nem jogou contra o uruguai porque não estava em condições, ca pra nos se o juiz tivesse marcado aquela falta no primeiro gol do Brasil talves o resultado tinha sido outro

Seleção: Contra algoz, Brasil de Felipão terá última chance para errar

Quando o time do Brasil deixar o campo da Arena do Grêmio no final da tarde deste domingo, independentemente do resultado, terá usado sua última chance de errar. Depois do amistoso contra a França, que começa às 16h (horário de Brasília) e terá acompanhamento pelo Placar UOL Esporte, Luiz Felipe Scolari e seus jogadores irão encarar o que o técnico mais gosta e se consagrou na carreira: um torneio curto, a Copa das Confederações, com mata-mata, onde não há tempo nem chances para conserto de erros.

Os últimos ajustes do técnico para o time serão feitos no novo estádio gremista. Numa seleção que nos últimos tempos se acostumou a responder sobre queda no ranking da Fifa, falta de vitórias contra grandes seleções e vaias dentro de casa, Felipão espera testar o prestígio na sua terra. Gaúcho e gremista, crê num ambiente favorável.

“Parece-me que, por enquanto, ainda sou benquisto aqui”, ironizou o técnico, antes de completar. “Tenho bons amigos em ambas as equipes, Inter e Grêmio, e passei parte da carreira como técnico. Em 2001, estávamos em situação difícil e trouxemos para aqui o jogo contra o Paraguai. Foi aqui que começamos a dar os passos para o Mundial”.

Se ainda não conquistou o clima de paz com a torcida, já que houve vaias tem todos os últimos jogos em casa da seleção, Felipão parece ter domado bem o ambiente interno. No quesito disciplina, Scolari deu o recado aos comandados que o rigor seria alto quando excluiu Ramires e Ronaldinho Gaúcho da lista de jogadores que disputam a Copa das Confederações.

Quem foi chamado mostrou ter entendido que deslizes não seriam tolerados. No discurso, também já há uma linha clara passada pelo treinador aos jogadores. União, exaltações nacionalistas e promessas de dedicação e entrega viraram mantras.

Durante as quase duas semanas de convívio, Scolari também deu agrados aos atletas. Na programação, incluiu duas folgas, ambas após os amistosos. Além disso, liberou Neymar para sua apresentação em Barcelona e Jefferson e Filipe Luis para verem os nascimentos dos seus filhos.

“Temos visto o esforço que eles estão fazendo, a boa vontade, a disciplina, a amizade. Por isso esses 10 dias foram excelentes. Parte tática, parte física, a parte da amizade, observamos que eles estão formando um grande grupo, então estamos felizes”, afirmou Scolari.

Até agora, Felipão acumula seis jogos à frente da seleção desde o seu retorno. Foram quatro empates (Itália, Rússia, Chile e Inglaterra), uma única vitória, contra a fraca Bolívia e uma derrota, na estreia com a Inglaterra.

Tabu à francesa

Contra uma França que veio a passeio, os jogadores da seleção brasileira atuarão com um peso ingrato nas costas. Há 20 anos o Brasil não consegue vencer o rival deste domingo. O último triunfo brasileiro foi num amistoso em 1992, quando o atual coordenador técnico Carlos Alberto Parreira era o treinador.

Desde então, as duas seleções se enfrentaram seis vezes, com dois empates em amistosos e quatro vitórias dos franceses. Dessas, as mais importantes foram em 1998, na final da Copa, e em 2006 nas quartas. O retrospecto de fracassos diante dos franceses inclui ainda a eliminação no Mundial de 86 para o time de Platini e a derrota na final das Olimpíadas de 1984.

BRASIL X FRANÇA

LOCAL: Arena do Grêmio, em Porto Alegre
HORÁRIO: 16h (horário de Brasília)
ÁRBITRO: Victor Carrillo, auxiliado por Jonny Bossio e Cesar Escano

BRASIL: Júlio César, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz, Marcelo, Luiz Gustavo, Paulinho, Oscar, Hulk, Neymar e Fred. Técnico: Luiz Felipe Scolari
FRANÇA: Llorris; Debuchy, Rami, Sakho e Mathieu; Guilavogui, Matuidi e Cabaye; Valbuena, Benzema e Payet. Técnico: Didier Deschamps

Do UOL Esporte

Brasil sofre, empata com a Inglaterra e permanece sem vencer grandes

O Brasil sofreu para empatar por 2 a 2 com a Inglaterra, na tarde deste domingo, em partida amistosa realizada no Maracanã. Este foi o penúltimo jogo da seleção antes da estreia da Copa das Confederações.

A equipe dirigida por Luiz Felipe Scolari fez o primeiro gol do confronto aos 12min do segundo tempo. Fred aproveitou um rebote e finalizou com liberdade na área inglesa. Ele manteve a média de um tento por jogo sob o comando de Felipão.

A Inglaterra chegou a virar o marcador com os tentos de Chamberlain e Rooney, mas o volante Paulinho empatou aos 37min.

Com a igualdade, o Brasil permanece sem vencer grandes seleções desde 2009, quando derrotou a própria Inglaterra.

No próximo domingo, a seleção tem mais um amistoso para se preparar para a Copa das Confederações. O adversário será a França, na Arena Grêmio, em Porto Alegre, às 16h.

O Brasil estreia no torneio dia 15 de junho, diante do Japão, em Brasília.

Da Folha